Veterano de Missão de Paz publica seu terceiro livro

O Tenente-Coronel da Reserva Remunerada da PMDF Antônio Sérgio Carrera, veterano da Missão de Paz da ONU em Moçambique (ONUMOZ, entre 1993-1994), publica seu terceiro livro hoje, dia 11 de junho de 2015, no Espaço Cultural do Restaurante Carpe Diem da CLS 104, Asa Sul, Brasília-DF.

Após publicar um livro sobre a experiência de um policial militar brasileiro em Missão de Paz na África (Sierra Romeu 8 – Uma Operação de Paz na África) e sobre a vida de um Oficial R/2 do Exército (Uma vida na caserna – lembranças de um oficial R/2), o seu terceiro livro é uma ficção com o título “VINTE ANOS DEPOIS”.

Prestigie!

 vinte anos depois

INFORMAÇÕES:

Data: 11 de junho de 2015.

Local: Espaço Cultural do restaurante Carpe Diem da CLS 104, Asa Sul, Brasília-DF.

Forma de aquisição: Os livros serão obtidos diretamente com o autor ao preço de R$ 35,00, pagos em espécie ou cheque em razão de não haver qualquer vinculação com o restaurante para a comercialização.

Anúncios
Published in: on junho 11, 2015 at 6:45 am  Deixe um comentário  

Lembranças ao eterno peacekeeper – Ten PMDF Cleiton Batista Neiva

Nesta semana, o nosso querido amigo Cleiton Batista Neiva completaria mais um ano de vida.

Torna-se um pouco repetitivo falar dele, mas é impossível deixar de lembrar de sua figura como pai, filho, marido, profissional e amigo atencioso.

Lembrava nesses dias quando participamos de um processo seletivo para Missões de Paz em 2003 ou 2004. O Cleiton estava apreensivo pois seria a primeira vez que faria a avaliação no idioma francês e à época, não era comum oficiais subalternos serem autorizados a participar de uma missão de paz, muito menos habilitados em idioma francês. Ambos passamos (eu em inglês), mas o Cleiton foi o único que passou em francês, e em poucos meses se deslocou ao Haiti para integrar a MINUSTAH, juntamente com outros dois oficiais (um da PMBA e um da PMGO), sendo os primeiros policiais militares brasileiros a compor a recém-criada missão da ONU. Assumiu cargos importantes e foi motivador e exemplo para vários outros policiais. A muito devo a suas orientações!

Foi o primeiro peacekeeper da 8ª Turma de Oficiais da PMDF (Aspirantes 1999), turma essa que leva seu nome.

Temos todos a certeza de que sua missão foi cumprida e a sua vida atingiu positivamente a muitas pessoas. Sua partida prematura de nosso convívio, em decorrência dos sismos no Haiti em 2010, nos deixam saudosos. Mas felizes àqueles que puderem conhecê-lo e conviver consigo.

Certo que está em lugar muito melhor, deixo apenas alguns registros, com toda a saudade que a sua ausência nos traz.

124

Foto 1 – Ainda com o “bichoforme” – 1º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma.

120

Foto 2 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma.

125

Foto 3 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma no intervalo das aulas.

134

Foto 4 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma se preparando para desfile ou jarrão …

101

Foto 5 – Na Base Operacional nº 8 – Terceiro e último Acampamento – No 3º Ano da Academia da PMDF.

102

Foto 6 – Na Base Operacional nº 8 – Terceiro e último Acampamento – No 3º Ano da Academia da PMDF.

171

Foto 7 – Baile da Espada – Após declarado Aspirante a Oficial, com sua irmã.

173

Foto 8 – Baile da Espada – Após declarado Aspirante a Oficial, com sua mãe.

marco_carrera_cleiton_e_esposa

Foto 9 – Recepção oferecida pela Embaixada do Brasil em Porto Príncipe, em comemoração ao 7 de setembro. 2007. Major BMRS Marco e sua esposa Irene.

DSC01262[1]

Foto 10 – No comando de operação durante distúrbios em Porto Príncipe. Entre 2004 e 2005.

DSC00071[1]

Foto 11 – Prestigiando o efetivo UNPOL na MINUSTAH durante solenidade de outorga da Medalha da ONU. 2007.

CLEITON

“Saudades, querido mano!”

Published in: on junho 6, 2015 at 8:03 am  Deixe um comentário  

Brasil recebe solicitação para indicar policiais militares para o cargo de PoC Site Coordinator no Sudão do Sul

A Organização das Nações Unidas lançou job description para processo seletivo para o cargo de PoC Site Coordinator, da Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul (UNMISS).

unmiss

O cargo é nível P-4.

O Brasil, e demais estados-membros da ONU, recebeu solicitação para indicar policiais candidatos para o cargo em regime de secondment contracted e em breve as corporações PM deverão ser notificadas.

Considerando entendimento do Exército nos últimos anos, o cargo deverá ser preenchido por Tenente-Coronel, com deadline para indicação junto a ONU até o dia 24 de julho de 2015.

Trata-se de um processo seletivo, onde os indicados concorrerão com policiais de vários países.

marco-unmiss

Foto: O Major Marco Antonio, da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, em Entebbe/Uganda, durante Induction Training, antes do deployment em sua Missão no Sudão do Sul.

PS: Nota já postada sobre as campanhas para cargos de secondment e importância dos cargos – vide post link 

Published in: on junho 6, 2015 at 6:19 am  Deixe um comentário  

Missões de Paz onde o Brasil comanda componentes

Atualmente (junho de 2015), o Brasil está a frente dos componentes militares em 03 Operações de Paz: dois oficiais-generais do Exército Brasileiro nos cargos de Force Commander (Comandante da Força) no Haiti (MINUSTAH) e no Congo (MONUSCO) (1).

Temos ainda um Oficial-General (Almirante) da Marinha, como comandante da “Força Naval” do “Componente Militar” da Missão no Líbano (UNIFIL).

Não há nenhum brasileiro no cargo de comandante (Police Commissioner) do componente policial (United Nations Police – UNPOL) em qualquer Missão de Paz. O último brasileiro a ser comandante de um componente policial foi o Coronel PMDF Nelson W. Garcia, na Guiné-Bissau (UNIOGBIS), entre os anos de 2010 e 2011, no cargo de Senior Police Adviser (2).

(1) É o segundo cargo de Force Commander exercido pelo General Santos Cruz, que também foi o comandante da Força no Haiti (MINUSTAH), quando tomou posse em 2008.

(2) Em missões multidisciplinares, via de regra, existem 3 componentes: a) o civil (composto por profissionais do quadro de pessoal da ONU e que chefiam e ocupam os principais cargos das missões, como o de Representante Especial do Secretário Geral da ONU); b) o policial (composto por policiais em missões individuais – staff e tropas de controle de distúrbios/Companhias de Policiamento de Choque – as Formed Police Unit/FPU dos estados-membros, sendo comandada pelo Comissário da Polícia, Police Commissioner, – policial de carreira indicado por um estado-membro da ONU em cargo de secondment contracted, normalmente nível D/2); e, c) o militar (composto por militares em missões individuais – staff e tropas militares dos estados-membros comandada por militar de carreira indicado por um estado-membro da ONU em cargo de secondment contracted, normalmente nível D/2 – Force Commander).

Nota:

a) Importante destacar que os componentes militares e policiais estão subordinados administrativamente às autoridades civis Special Representative of the Secretary-General (SRSG – chefe da missão) e os Deputies, mas tem autonomia para a gestão administrativa e operacional de seus componentes, não trabalham em parcerias e não subordinação.

b) Para cada componente existe um Stardard Operating Procedure (SOP) específico.

c) Pode ainda haver um precedência funcional de cargos, para fins de cerimonial e na ausência de autoridades civis da área de missão. Ainda podem existir missões de natureza “tradicional”, como as primeiras, onde o Comandante da Força era também o SRSG, mas são exceções a regra.

d) Cada missão possui estruturas e organogramas e cargos distintos, mas seguem essa lógica. Não necessariamente o componente policial (UNPOL) terá tropas de choque (FPU) e em muitas missões os militares destacam Observadores Militares para o terreno, não sendo o caso de desdobramento de tropa.

Published in: on junho 6, 2015 at 5:32 am  Deixe um comentário  

Oficial da PMAL é indicado para cargo de Gênero e Pessoas Vulneráveis na Missão de Paz da ONU em Guiné-Bissau

No dia 02 de junho de 2015, o Ministério da Defesa (MD) indicou ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), o Major PMAL Rhonady Severino Oliveira para concorrer à vaga de Police Officer – Gender & Vulnerable People, nível profissional staff P-3, secondment contracted, para cargo no Escritório Integrado das Nações Unidas para Consolidação da Paz em Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

Parabéns ao veterano oficial pela indicação e a PMAL.

Published in: on junho 4, 2015 at 7:23 pm  Deixe um comentário  

ONU solicita ao Brasil indicação de policiais para o cargo de Police Commissioner no Sudão do Sul

(Editado 06 de junho de 2015 – ERRATA)

A Organização das Nações Unidas lançou job description para processo seletivo para o cargo de Police Commissioner (Comissário da Polícia, comandante do componente policial) da Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul.

O cargo é nível D-2, um dos mais altos e importantes do sistema das Nações Unidas.

O Brasil, assim como os demais estados-membros da ONU, recebeu solicitação para indicar candidatos para o cargo de “Secondment Contracted” e em breve as corporações policiais militares deverão receber solicitação de indicados.

Geralmente, para este cargo, o posto é de Coronel PM e os candidatos deverão estar habilitados por processo realizado pelo Exército.

Ressalta-se que uma campanha para o cargo de secondment contracted dura em média 2 anos (indicação, análise de CV – P11 e attachments, análise de exames médicos, entrevistas, short list e decisão), salvo casos emergenciais, motivo pelo qual é altamente recomendável que as instituições indiquem representantes para ocupar o cargo máximo policial na Missão de Paz no Sudão do Sul, motivo de orgulho para a instituição e os governos locais e federal, ao representar o Brasil como chefe de um componente de uma Operação de Paz, tal como temos hoje, dois generais do Exército Brasileiro como comandante dos componentes militares, no Haiti e Congo, e um Oficial-General (Almirante) da Marinha, como comandante da “Força Naval” do “Componente Militar” da Missão no Líbano (UNIFIL), sendo sempre destaque e prestígio para as instituições e para o país.

Um fator diferencial e facilitador, sem dúvida (especulação), é o fato da exigência apenas da proficiência do inglês (possivelmente tendo os idiomas francês e/ou árabe, como desejáveis), e experiência prévia em missões.

Felizmente, na atualidade, o Brasil possui fortes candidatos que preenchem os requisitos.

Essa é uma boa oportunidade para que a já mencionada cooperação e compreensão da importância da participação policial brasileira seja colocada em prática por meio de uma “sensibilização” quanto ao tema entre os órgãos envolvidos.

O prazo do Brasil para indicação dos candidatos para o cargo junto a ONU tem como deadline o dia 24 de julho de 2015.

NOTA:

As indicações são apenas para concorrer ao cargo e em nada se confunde com seconded to the UN Police (UNPOL – Non contracted), onde ao indicar, a vaga estaria teoricamente certa.

Published in: on junho 3, 2015 at 2:45 am  Comments (1)  

Dia do Peacekeeper: momento de reflexão

O Ministério da Defesa realizou na data de ontem, 29 de maio de 2015, uma solenidade alusiva ao Dia Internacional dos Peacekeepers, os mantenedores da paz (os boinas azuis). O evento ficou a cargo do Exército brasileiro e foi realizado no Comando Militar do Planalto/Setor Militar Urbano, em Brasília-DF.

Como tradicionalmente ocorre, policiais militares do Distrito Federal são convidados a participarem do evento, recebendo convite individual, do próprio Ministro da Defesa, o que é sempre um motivo de prestígio e, de certa forma, a PMDF acaba por representar os policiais militares dos demais estados do país.

azuis

Foto 1: Policiais militares do Distrito Federal, veteranos de missões de paz da ONU, que participaram do evento.

O evento contou com autoridades das Forças Armadas que se posicionaram em local de destaque, mas não contou com a figura de uma autoridade policial que representasse as Corporações Policiais Militares que contribuem com efetivos (não sei se por não ter sido convidado ou não ter podido comparecer devido a agenda – lembro que o Comandante-Geral da PMDF é veterano de 2 missões de paz da ONU). Ademais, não havia qualquer foto, imagens ou informações sobre a participação policial militar brasileira em qualquer das 11 missões de paz onde se fizeram presentes desde o ano de 1991.

peacekeepers 2015 - autoridades

Foto 1: Autoridades de cada Força Armada, Ministro da Defesa e Ministro do GSI.

Na Ordem do Dia de 2015, em seu pronunciamento, o Ministro Jacques Wagner menciona, ao fim do texto, agradecimento aos policiais brasileiros:

“Neste 29 de maio, presto homenagem aos capacetes azuis brasileiros – militares, policiais e civis que, comprometidos com a construção da paz , elevam o nome da nação brasileira no cenário internacional.” 

Em 2014, nenhuma citação aos policiais militares foi feita na Ordem do Dia do Ministro Celso Amorim, se restringindo a participação brasileira em missões de paz exclusivamente aos militares das Forças Armadas.

No ano de 2013, segundo o site do Forte, faz-se uma menção aos policiais militares em missões:

“Esse quantitativo, composto de militares das três Forças Armadas, além de policiais e bombeiros, contribui para estabelecer a presença e estreitar o apoio do Brasil a nove nações: Chipre, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Haiti, Líbano, Libéria, Saara Ocidental, Sudão e Sudão do Sul.” (Ministro Celso Amorim).

Em 2012, o Ministro da Defesa Celso Amorim fez a seguinte menção aos policiais militares:

“O Brasil enaltece também os militares e policiais militares que integram missões na áfrica , no oriente médio e na Ásia.”

Em 2011, também não houve qualquer menção aos policiais militares, conforme publicação no blog do Planalto (Presidência da República), mas apenas aos militares das FFAA (Ministro da Defesa Nelson Jobim).

Nota-se, ao se realizar uma breve análise dos últimos anos, que embora convidados a participarem do evento (convite individual), carece o Estado brasileiro (União) reconhecer e valorizar a participação de policiais militares brasileiros em missões de paz. São em pequenas ações como essas, que o reconhecimento do país (BRASIL) é desejado e esperado. Parece algo pequeno, mas é simbólico e significativo.

Uma missão de paz (multidisciplinar) é geralmente composta por 3 componentes: um civil (que chefia a missão), um militar e um policial. Felizmente, o Brasil tem se destacado por sua contribuição nos componentes militares em Operações de Paz, desde Angola, Timor Leste, até o Haiti, quer com tropas (companhias e batalhões – até Brigada na MINUSTAH) ou em missões individuais, com os Observadores Militares. Entretanto, o componente policial ainda não é enxergado pelas autoridades com a relevância que merece e é dado pelos demais países, mesmo considerando cargos importantíssimos já ocupados por policiais militares brasileiros e de ser o foco de grande parte das missões (principalmente, após período pós-conflito e estabilização), inclusive com missões plenamente policiais, com o foco no rule of law e Security Sector Reform – SSR.

Faz-se ímpar também citar a falta de envolvimento da maioria das Corporações Policiais Militares (políticas institucionais e ações individuais) que ainda não amadureceram e não enxergam os “porquês” de autorizar a liberação de efetivos para integrar missões de paz. Mais importantemente, os míopes e limitados intelectuais de plantão, devido a mediocridade de suas personalidades, não apenas são contra mas denigrem e maculam aqueles que buscam servir por uma causa nobre e de reconhecimento profissional e pessoal. Limitar-se a prejudicar quem estuda, passa em concurso nível nacional (caso dos policiais militares) devido a incapacidade, ignorância, limitações e falta de coragem de servir em área de conflito e a ficar longe de casa (zona de conforto) ainda existe, inclusive em gerações mais novas, o que é apenas digno de pena. Não concordar é algo pessoal, mas existem valores muito mais importantes por trás de uma participação em experiência dessa natureza. Não concordar com algo não pode significar lutar contra, levantar uma bandeira de combate àqueles que perdem horas de estudo e aperfeiçoamento intelectual e técnico, de provas de tiro, direção defensiva, idiomas, entrevistas,  além de não estar respondendo judicialmente ou ter ficha disciplinar digna e ter seu currículo avaliado e analisado se é adequado para as funções e cargos nas missões.

Se, assim como nas Forças Armadas, fosse motivo de orgulho institucional nas PMs, esse quadro seria muito diferente. Na Polícia Militar do Paraná (PMPR), o policial militar ao retornar de missão é condecorado (com pontuação para fins de promoção por merecimento – a mais alta) e tem seu tempo considerado como de campanha. Referência e padrão internacional.

O atual momento é de reflexão para mudanças substanciais, concretas e objetivas. Os órgãos federais devem promover medidas de cooperação e comprometimento entre as UF’s e União, provocar medidas diversas, como mudança de legislação, padronização, atualização de treinamentos e preparação focados no componente policial (UNPOL) que funcionem e não figurem apenas no papel.

O MRE, MD e EB deveriam buscar “alianças”, unir esforços e compromissos/comprometimento entre os órgãos e governos, pois enquanto governadores e ministros de estados talvez nem tenham conhecimento sobre o que faz um policial numa missão de paz (ou mesmo que eles participam), politicamente será inviável ao país qualificar da forma apropriada (seleção e treinamento), manter e aumentar o número de missões policiais individuais e fazer o acompanhamento adequado dos que estão a serviço do Brasil e promovendo direitos humanos, paz e segurança.

Se “A união faz a força” e “unidos somos mais fortes”, eis que chegou a hora de deixar a vaidade e o ego de lado (pessoais e institucionais) e pensar no tema “cooperação policial para missões de paz” como parte da agenda da política externa do país.

As dificuldades existem. Mas quando se tem vontade, tem solução. Inúmeras são as possibilidades factíveis para mudanças concretas.

O que falta, então?

Particularmente, torço para que os sábios prevaleçam ante os medíocres e ignorantes.

Boa sorte as novas gerações!

A palavra-chave é “cooperação”.

S.

Ref.:

Ordem do dia de 2015 – Link do Ordem do Dia Peacekeepers – 2015 (arquivo)

Ordem do dia de 2014 – Link do Site do MD e Ordem do Dia Peacekeepers – 2014 (arquivo).

Published in: on maio 30, 2015 at 9:12 pm  Comments (2)  

Boinas Azuis – Dia Internacional dos Peacekeepers

Criado em 29-05-15 21:53. Última atualização em 29-05-15 21:53. Escrito por Gilmar Santo.

O dia 29 de maio foi instituído como o Dia Internacional dos Peacekeepers, através da Resolução da ONU nº 57/129 de Fev/2003, como homenagem àqueles que serviram e continuam servindo em Operações de Paz da ONU, em todo o mundo.

azuis

Em comemoração a esse dia, foi realizada uma cerimônia no Comando Militar do Planalto (CMP), no Setor Militar Urbano (SMU), em Brasília/DF. O evento contou com a presença do Ministro da Defesa e com a participação de militares das forças armadas e auxiliares que participaram das diversas missões em que o Brasil participou. A PMDF se fez presente com veteranos de diversas missões.

Fonte: Site PMDF

Published in: on maio 30, 2015 at 7:21 pm  Deixe um comentário  

PMDF OCUPA LUGAR DE DESTAQUE EM MISSÕES DE PAZ

Criado em 26-05-15 19:14. Última atualização em 28-05-15 11:21. Escrito por Fabio Evangelista

No dia 29 de maio é comemorado o dia mundial do peacekeeper, o soldado da paz, e a PMDF é, entre as policias militares de todo o Brasil, a maior contribuidora de material humano para as missões de paz em todo o mundo.

Desde a primeira missão de paz da ONU, em 1948, o Brasil participou de todas elas. Até 2007, mais de 18.000 militares e civis representaram o Brasil nas missões da ONU.

A Polícia Militar do Distrito Federal também participou de todas essas missões envolvendo polícias militares. Em 1991, o capitão Antônio Ribeiro da Cunha liderava o primeiro grupo de policiais brasileiros a integrar uma missão de paz da ONU, em Angola, na África.

Em todos esses anos PMDF enviou mais de 100 policiais em missões da ONU. Além de Angola, a PMDF também atuou na Guatemala, El Salvador, Moçambique, Kosovo, Guiné-Bissau, Sudão, Sudão do Sul, Haiti e Timor Leste.

26-05-2015 Missoes de Paz

Na foto, o major da PMDF Rodrigo Campos, em missão de paz da ONU, saudando um veterano da revolução armada que depôs suas armas para exercer seu direito ao voto, nas regiões montanhosas do Timor Leste.

Veteranos das forças armadas e das policias militares que participaram de missões de paz serão homenageados no Comando Militar do Planalto, no Setor Militar Urbano, às 09h do dia 29/05.

Fonte: Site PMDF (matéria corrigida)

NOTA:

Das 11 missões policiais que o Brasil participou, a PMDF se fez presente em todas, inclusive na Ex-Iugoslávia.

Published in: on maio 28, 2015 at 3:39 pm  Deixe um comentário  

Lançamento do livro “ONU – Operações de Paz”

No Dia Internacional dos Peacekeepers, 29 de maio, às 17:00, no 3o Regimento de Polícia Montada-Brigada Militar em Passo Fundo-RS, ocorrerá o lançamento do livro “ONU – Operações de Paz: a evolução histórica da ONU, da Polícia das Nações Unidas (UNPOL) e a participação da Brigada Militar”, de autoria do ilustre Major QOEM Marco Antonio dos Santos Morais, do Rio Grande do Sul. Veterano de 2 Missões de Paz (Haiti e Sudão do Sul), o atual Comandante do Colégio Militar de Passo Fundo, receberá os convidados e a sociedade em evento de relevância não apenas para ele, mas para a história de nosso país.

Parabéns ao Major Marco pela excelente iniciativa, a qual será objeto de leitura por muitas gerações.

Sucesso!

marco-livro1

COMO COMPRAR: Como autor independente, ele mesmo irá comercializar o livro, ao preço de R$40,00 (quarenta reais) + 4,20 (carta simples) ou 7,20 (carta registrada). Os interessados podem entrar em contato comigo inbox aqui no face ou, também, através do e-mail cap_marco@hotamil.com.

Síntese realizada pelo autor:

As Operações de Paz da ONU evoluíram desde a metade do século passado de Operações com estrutura e funções essencialmente militares para as Operações Multidimensionais, nas quais os segmentos civil, militar e policial se tornaram os três pilares básicos de uma Operação de Paz. Nesse contexto a participação policial nessas Operações ganhou destaque e importância dentro dos objetivos globais das missões a partir da década de 1990. Essa mudança de patamar da atividade policial é apresentada através do estudo do histórico da ONU e de seus órgãos internos, como o Conselho de Segurança e o Departamento de Operações de Paz (DPKO), dando ênfase à importância da United Nations Police (UNPOL) através da análise de suas funções específicas em uma Operação de Paz multidimensional, com destaque especial aos diferentes mandatos policiais estabelecidos pelo Conselho de Segurança para cada Operação. Através de relatos e fotografias, o livro faz um resgate histórico da experiência vivenciada por vinte e um Oficiais da Brigada Militar durante suas participações individuais em sete Operações de Paz ONU desde 1993, com um texto repleto de informações gerais e específicas a respeito das atividades diárias e funções desempenhadas por esses valorosos Oficiais nas Operações de Paz da ONU em El Salvador (UNOSAL), na Guatemala (MINUGUA), em Kosovo (UNMIK), no Haiti (MINUSTAH), na Guiné Bissau (UNIOGBIS), no Timor Leste (UNMIT) e recentemente no Sudão do Sul (UNMISS). O número expressivo de sete Operações de Paz proporciona ao leitor uma visão global do trabalho da UNPOL e da evolução das missões policiais, visto que a apresentação de cada operação parte da análise do histórico do conflito, do Mandato atribuído à UNPOL e das peculiaridades do cenário encontrado por esses Oficiais em diferentes países da América Central, Europa, Caribe, Ásia e África.

Published in: on maio 24, 2015 at 6:24 am  Deixe um comentário  

Capitão PMDF Ribeiro – primeiro policial militar brasileiro a chefiar um componente policial da ONU

Em 1991, o Capitão Antônio Ribeiro da Cunha, da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), liderava o primeiro grupo de policiais militares brasileiros a integrar uma Missão de Paz da ONU, partindo com um grupo de praças do DF para a UNAVEM II, em Angola, no continente africano.

Além de ser o primeiro oficial PM a participar de uma Missão de Paz e ser Comandante do Contingente Policial brasileiro, foi também o primeiro brasileiro (dos únicos 3 até a presente data) a ser nomeado pela ONU como o chefe do componente policial das Nações Unidas em uma Operação de Paz.

Cap Ribeiro - Angola - Gabinete

Foto 1: Capitão PMDF Ribeiro, Police General Inspector da UNAVEM II, em seu Gabinete. Luanda, Angola. 1992.

Longe das facilidades da tecnologia que se dispõe na atualidade, coube ao então Capitão Ribeiro o desafio de comandar e liderar grupo de policiais de vários países em uma área ainda conturbada. O futuro Comandante-Geral da PMDF, com muita sabedoria, conseguiu conduzir, apesar de todas as dificuldades, com excelência o seu cargo e muito bem representou o Brasil e a PMDF, enaltecendo o nome do nosso país e Corporação.

21

Foto 2: Capitão PMDF Ribeiro e policiais de outras nacionalidades.

Foi e continua sendo um incentivador e motivador para que policiais militares continuem a cada dia mais ocupar o espaço que existe no âmbito da paz internacional, o que, segundo o ilustre veterano, “é uma experiência única e enriquecedora na vida de um policial militar”.

Parabéns ao Coronel RR Ribeiro e aos primeiros desbravadores PMs que contribuíram com a paz e segurança nos países onde serviram. As novas gerações agradecem aos veteranos!

Published in: on maio 24, 2015 at 1:03 am  Comments (4)  

Sudan police host INTERPOL National Environment Security Seminar

KHARTOUM, Sudan – Law enforcement agencies in Sudan have gathered to demonstrate their commitment to combating environmental crime by holding an INTERPOL National Environment Security Seminar (NESS) in Khartoum.

The NESS, hosted by Sudan’s police authorities, was attended by seven Sudanese government and law enforcement agencies as well as officials from INTERPOL’s Regional Bureau in Nairobi and its General Secretariat headquarters in Lyon, France.

Sudanese government representatives highlighted the need to reduce demand for illicit products by addressing the root causes of environmental crime including through awareness campaigns aimed at consumers as well as rural populations living close to protected areas.

Underlining the commitment of Sudanese police to environmental issues, Lt. Major General Awad Alneil Dahia commended INTERPOL’s role in fighting crime worldwide, and welcomed its decision to hold the environmental security in Sudan for the first time. He said he looked forward to the formation of a National Environmental Security Taskforce with INTERPOL’s support.

Sudanese police Col. Adooma Hazim, from INTERPOL’s Regional Bureau in Nairobi, said the workshop represented one of INTERPOL’s efforts to help member countries combat and reduce environmental crime through enhanced implementation of related laws and treaties.

Critical issues such as transnational organized crime, ivory and wildlife trafficking, illegal fishing, water pollution and illegal logging were discussed during the event. Topics also included the economic, ecological and security impacts of environmental crime.

Representatives from INTERPOL’s Environmental Security unit at the seminar highlighted its continued assistance to Sudanese law enforcement authorities through analytical and investigative support against transnational ivory trafficking.

Source: Site da INTERPOL

Published in: on maio 21, 2015 at 6:03 pm  Deixe um comentário  

Con niveles históricos de violencia, El Salvador suspende segregación de pandillas en prisiones

De la portada del informe sobre prisiones salvadoreñas

De la portada del informe sobre prisiones salvadoreñas

El Salvador ha revocado su polémica política de segregación en las prisiones con base en la filiación de los presos a las pandillas, pero un reciente informe, que señala que los factores sociales son los que promueven la actividad criminal, indica que es poco probable que esta medida mejorará significativamente la creciente crisis de seguridad del país.

El 21 de abril, bajo fuertes medidas de seguridad, y después de cerrar las calles vecinas, las autoridades salvadoreñas trasladaron a 650 miembros de la pandilla MS13 a una prisión en la ciudad occidental de Izalco, que hasta entonces sólo había recibido miembros de sus archirrivales de Barrio 18, informó La Prensa Gráfica.

Las autoridades también trasladaron a 1.177 reclusos de Barrio 18 de Izalco a una prisión donde anteriormente sólo había miembros de MS13, en la ciudad nororiental de San Francisco Gotera, según El Salvador.com.

Las autoridades señalaron que la ubicación de los reclusos se basará a partir de ahora en su nivel de riesgo para la sociedad, en vez de su filiación a las pandillas, informó The Associated Press. Las directivas de las cárceles de El Salvador le dijeron a AP que a partir del 21 de abril un total de 2.427 internos habían sido trasladados a tres cárceles en diferentes partes del país.

Estos traslados marcan la revocación de una política que definió la demografía de las cárceles de El Salvador durante la década pasada. En 2004, el gobierno salvadoreñocomenzó oficialmente a dividir algunas de las cárceles del país entre las pandillas MS13y Barrio 18, una medida polémica que no se ha repetido en ninguna otra parte de la región.

El presidente Salvador Sánchez Cerén dijo que se tomó la decisión de eliminar la segregación en las prisiones para mezclar a los pandilleros y evitar “las ejecución de operaciones criminales” desde las cárceles.


Estos cambios en la política penitenciaria no abordan los problemas sociales que se encuentran en el centro de la crisis de seguridad de El Salvador.


Ya en julio de 2014 había señales de que El Salvador detendría la segregación en las prisiones. Ese mismo mes, el ministro de Justicia y Seguridad de El Salvador, Benito Lara, dijo que dicha medida había sido un error y que se acabaría en “un futuro no muy lejano”.

El Salvador también ha enviado recientemente a varios líderes de MS13 y Barrio 18 a la prisión de máxima seguridad de Zacatecoluca. Esta medida revirtió la política de la administración anterior, que había acordado trasladar al menos 30 líderes pandilleros de Zacatecoluca a prisiones de menor seguridad, como parte de la tregua de las pandillas del país en 2012.

Análisis de InSight Crime

La deteriorada situación de seguridad de El Salvador probablemente influyó para que el gobierno tomara la decisión de eliminar la segregación en las prisiones en este momento. Las tasas de homicidios en El Salvadorhan estado subiendo desde la ruptura de la tregua de pandillas a principios de 2014, y marzo de 2015 fue el mes más violento del país en los últimos diez años. Sánchez Cerén parece estar buscando maneras con las que el gobierno pueda responder a esta oleada de violencia sin volver a la mesa de negociaciones, una posibilidad que su administración ha rechazado varias veces.

La decisión del gobierno de detener la segregación en las prisiones y devolver los líderes de pandillas a Zacatecoluca podría ayudar a disminuir la violencia, pero quizá sólo hasta cierto grado. Se cree que la segregación en las prisiones ha fortalecido a ambas pandillas, pues ha permitido una mejor coordinación entre los líderes encarcelados, quienes les ordenan a los pandilleros libres llevar a cabo asesinatos, desapariciones y otras actividades criminales. Bloquear esta cadena de mando podría debilitar la capacidad de Barrio 18 y MS13 para coordinar los ataques contra la policía y las pandillas rivales.

VEA TAMBIÉN: Noticias y perfiles de El Salvador

Sin embargo, estos cambios en la política penitenciaria no abordan los problemas sociales que se encuentran en el centro de la crisis de seguridad de El Salvador. Muchos de los internos que ocupan los sistemas penitenciarios más superpoblados de Latinoamérica (pdf) nunca tuvieron la oportunidad de ganarse una vida digna en el sector formal.

Según un reciente informe de la Universidad Francisco Gavidia sobre la demografía en las cárceles de El Salvador (pdf), más del 38 por ciento de los presos nunca había asistido a la escuela o no había terminado la escuela primaria al momento de su primer arresto. Sólo una pequeña parte de la población reclusa de El Salvador (1,2 por ciento) tenía un título universitario cuando fue encarcelada.

Pero la falta de educación va más allá de la formación en las aulas: un sorprendente 68,2 por ciento de los presos tenían poco o ningún conocimiento de lo que sucedía durante sus procesos judiciales. Esto podría explicar en parte el hecho de que más de un cuarto de todos los internos (26,7 por ciento) dijeron que alguien los había obligado a cambiar su declaración o a declararse culpables.
Sin embargo, uno de los autores del estudio, Carlos Vilalta, le dijo a InSight Crime que la composición del núcleo familiar de los prisioneros es el predictor más claro de la actividad criminal en El Salvador. “La composición de la familia de los presos […] conduce a violencia y criminalidad”, dijo Vilalta.

VEA TAMBIÉN: Cobertura sobre prisiones

Vilalta señala, por ejemplo, que el porcentaje de reclusos que crecieron en hogares en los que alguno de los miembros de la familia había pasado tiempo en prisión (26,8 por ciento) era “mucho mayor” que en otras partes de Latinoamérica. El estudio también descubrió que el 37,7 por ciento de los reclusos salvadoreños abandonaron su hogar al menos una vez antes de los 15 años. La razón más común para irse fue la violencia intrafamiliar (31,9 por ciento), seguida por la búsqueda de oportunidades de empleo (21,6 por ciento). Casi el 10 por ciento de los presos informaron que habían comenzado a trabajar antes de los 9 años de edad.
Los resultados de este estudio sustentan las declaraciones de los líderes de las pandillas, quienes afirman que los altos niveles de crimen y violencia en El Salvadorson producto de la desigualdad social.

“Somos un grupo social. Nos vemos como una gran parte de la sociedad. Creemos que el problema aquí es la exclusión social, la discriminación, la falta de educación, la falta de empleo y la desigualdad de trato por la ley”, le dijo a InSight Crime el líder de Barrio 18 Carlos Lechuga Mojica, alias “El Viejo Lin”, durante una entrevista en 2012. “Creemos que si se resuelven estos problemas, la violencia entre pandillas terminará”.

De hecho, la violencia y la delincuencia son problemas profundamente arraigados en El Salvador que no pueden ser erradicados por simplemente encarcelar más pandilleros o trasladar de una prisión a otra a los que ya están tras las rejas.

Source: Insightcrime

Published in: on maio 17, 2015 at 9:06 pm  Deixe um comentário  

Haiti – Security : The reduction of the budget of the Minustah raises concerns

Haiti - Security : The reduction of the budget of the Minustah raises concerns

Thursday morning, the Fifth United Nations Commission responsible for Administrative and Budgetary Questions has considered, the budget proposals of 13 Peace-keeping operations for the period from 1 July 2015 to 30 June 2016, particularly the reduction of budget of the Minustah in Haiti, which has raised concerns in several member countries.

This was expressed delegations about the UN mission in Haiti for which the Secretary-General proposes a budget of $ 386 million, a decrease of 22% compared to the 2014/2015 financial year. The Haitian representative reiterated the request of its President, to maintain the substantial assistance of the United Nations to consolidate the climate of security during the whole electoral cycle expected this year “by a visible and robust presence of military and police components of the Mission.”

Xavier Lasso Mendoza (Ecuador), speaking on behalf of the Community of Latin American and Caribbean States (CELAC), reaffirmed its solidarity with the people and Government of Haiti and said that CELAC is opposed to any arbitrary reduction of the budget of the Minustah that is not technically justified. He recalled that the budgets of the Peace-keeping operations must be based on technical criteria, taking into account the situation on the ground and the terms of reference as approved by the Security Council. “We reiterate the need to provide resources to the Minustah […] in particular in order to provide technical, logistical and security during the electoral process” He expressed concern that the draft budget proposes to limit military personnel to 2,370, against 13,000 at its highest level and police force to 2,600. “Our delegations remain convinced that, to gradually reduce UN staff in Haiti, we must continue to consider the situation on the ground and the capacity of the Haitian state to ensure the security of its people.”

Denis Régis (Haiti) recalled that his country had reached a turning point in the democratic consolidation process and the rule of law, being on the eve of general elections “long overdue”. He assured that the Haitian Government had taken all necessary measures to ensure the holding of free, credible, transparent and inclusive elections, the election timetable has been set for August and October 2015. The climate of confidence restored allows us to predict the success of the electoral process which will culminate with the inauguration of a new president in 2016. The representative stressed the essential role of the Minustah to support the Haitian authorities to establish a safe environment and stable, by supporting institutions guaranteeing the rule of law and those responsible for enforcing the law.

Noting that the Minustah must continue to reconfigure its size and composition to become a smaller, more targeted assistance mission, he said, hoped that the mission could focus on supporting the National Police of Haiti (PNH ) to allow the State to achieve the goal of 15,000 police officers in December 2016 and to ensure their geographic deployment throughout the country. He reiterated the position of his government on the reconfiguration of the Mission, which should reflect “the situation on the ground”, which joined the proposal of the Secretary-General expressed in his report to the Security Council in August 2014. This is why he considered that the strength of the Mission, both military and civilian, must be maintained at levels sufficient to avoid any security vacuum that would result from a premature withdrawal.

Omar Castañeda Solares (Guatemala) has called for caution, arguing that it was necessary to take account of changes in the security environment in recent months which have also resulted in the death of a Chilean peacekeeper. He also mentioned the increase in urban violence. The Representative also recalled that three elections were scheduled during the year 2015, to be held over a period of six months. Despite the progress made by the Haitian National Police, he said that it had not yet sufficient resources to support the security completely, especially during elections.

He also expressed concern at the planned reduction of military contingents, explaining that the latter would not be able provide the necessary support in terms of logistics and security. At the same time, he stressed that the security requirements have improved enough to consider a further reduction of the Mission’s contingents, what will be discussed in October 2015. He asked to consider the requests of the President of Haiti in this regard.

Sérgio Rodrigues Dos Santos (Brazil) said that a viable withdrawal of the UN in Haiti depends on a smooth transfer of responsibilities between United Nations peacekeeping staff and national authorities. Faced with the gradual withdrawal of the UN, the representative wanted to warn against the persistence of difficult problems that may negatively influence the security situation and threaten the gains made since 2010. The workforce reduction process must match realities, including the economic and social situation. The representative requested that the level of resources of the Minustah takes into account the need to support the upcoming elections, strengthening the police and the rule of law and improving the prison system.

He was particularly concerned about the expected 53% decrease in resources of the military component, considering it essential that the peacekeeping forces have the means to deal with any eventuality. After stressing the importance of programs of community violence reduction and quick-impact projects, the representative objected strongly to any financial adjustment based on arbitrary principles, including the alleged need to support other missions.

HL/ HaitiLibre

Source: http://www.haitilibre.com/en/news-13882-haiti-security-the-reduction-of-the-budget-of-the-minustah-raises-concerns.html

Published in: on maio 17, 2015 at 9:03 pm  Deixe um comentário  

PMAC segue tendência na padronização nacional de distintivos de Missões de Paz

Seguindo uma tendência de padronização dos distintivos de Missões de Paz das Corporações Policiais Militares brasileiras, a Polícia Militar do Acre (PMAC) adotou, como PMDF, PMERJ e PMCE o seu brevê.

Parabéns a PMAC!

Que as Corporações que não dispõem de distintivos possam aderir a ideia e unir forças nesse sentido.

Quem desejar, Portaria de referência poderá ser enviado in box.

PMAC - Distintivo Missão de Paz

Published in: on abril 28, 2015 at 2:12 am  Deixe um comentário  
Tags:

Oficial da PM do Acre é selecionado pela ONU para Missão de Paz no Sudão do Sul

A seleção do Tenente-Coronel PMAC Marcos da Silva Kinpara para a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS) foi confirmada pelo Secretariado das Nações Unidas.

tcpmac

Published in: on abril 27, 2015 at 6:50 pm  Comments (2)  
Tags: , ,

DPKO abre processo seletivo para Chefe do Estado-Maior da Polícia da ONU (UNPOL) na MINUSTAH

O DPKO solicitou a seus estados-membros, incluindo o Brasil, indicações de policiais militares para o cargo de Chefe do Estado-Maior do componente policial (UNPolice Chief of Staff), na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH).

O regime é de secondment contacted (contratado), para período de trabalho inicial de um ano. A atual Chefe do EM UNPOL no Haiti teve contrato renovado e ficou por 3 anos.

Várias são as qualificações exigidas para o cargo, dentre as quais proficiência plena em inglês e francês, além de amplo conhecimento da missão e sistema ONU e UNPOL.

DPKO destaca que oficiais do sexo feminino terão precedência, no processo de seleção, nos casos de empate de qualificação com oficiais do sexo masculino. A Chefe do EM UNPOL nos últimos anos foi a oficial romena Iuliana Boanca. Seu contrato acaba no mês de maio 2015.

Job Description foi encaminhado a cada país.

Deadline: 25 de maio de 2015 (envio para DPKO).

Documentação exigida: EASP, formulários médicos (MS2) e cópia dos passaportes.

Published in: on abril 27, 2015 at 6:26 pm  Deixe um comentário  

CCOPAB prevê reconhecimento de cursos UNPOL por parte da ONU ainda em 2015

Uma informação muito interessante e importante foi recebida por este sítio, a de que o CCOPAB estará recebendo no 2º semestre um certificador do DPKO para o reconhecimento, pelo ITS/DPKO, do curso para UNPOLs promovido pelo Centro.

Segundo o Chefe da Célula Policial do CCOPAB, o Capitão Valdetaro, do Exército Brasileiro, esses trâmites vem sendo realizado desde 2014, mas no ano passado o DKPO não pôde enviar certificadores e observadores.

O atual Comandante do CCOPAB, Coronel EB Venturim, foi chefe do ITS/DPKO por alguns anos e é reconhecido por sua capacidade profissional e conhecimento na área de treinamentos.

Desejamos sucesso ao CCOPAB e que essa certificação da ONU de fato ocorra.

Parabéns pela iniciativa!

Convém, entretanto, destacar que a certificação que o CCOPAB busca, foi recebida pela PMDF durante a realização do então United Nations Police Officer Course (UNPOC), realizado no ano de 2011, na Academia da Polícia Militar de Brasília. Esse projeto foi realizado em parceria com a polícia sueca, norueguesa e contou com policiais de alguns países e estados brasileiros. Foi da mesma forma, realizado um curso Train of Trainers – ToT, onde credencia o policial a ser instrutor em cursos para UNPOL (hoje denominados de IPOC – International Police Officer Course). Talvez, um ToT, inclusive com os diversos veteranos UNPOLs brasileiros que possuem esse curso e, por consequência, conhecem a metodologia de ensino adotada por vários países com a chancela da ONU (ITS), fosse mais apropriado

Não obstante, não há que se confundir em cursos credenciados pela ONU e o SAAT, que é uma equipe da Police Division que aplica o processo de seleção de policiais nos Estados-membros da ONU.

Para integrar uma missão de paz, é recomendável que um policial receba treinamento (até porque durante os primeiros dias de missão, todos os policiais recebem treinamento específico da missão), mas é imperativo e obrigatório que ele seja habilitado. E essa habilitação somente ocorre por SAAT (no próprio país – antes do embarque, ou seja, só segue para missão quem já está “clear”) ou In-based mission AMS (testes eliminatórios realizados na área de missão, quando da chegada do policial)

Estamos evoluindo…

“Unidos somos mais fortes”

Published in: on abril 23, 2015 at 3:12 am  Deixe um comentário  

Governo chileno solicita e recebe equipe SAAT pelo segundo ano consecutivo

Normalmente, as equipes SAAT da Divisão de Polícia do DPKO/ONU realizam os processos seletivos para policiais integrarem operações de paz da ONU a cada 2 anos. Os nossos vizinhos sul-americanos que recebem a ONU para validação da seleção, Argentina (mais de 18 anos), Uruguay, Chile (única missão policial no Haiti) e Colômbia estão há anos avançados nesse sentido em relação ao Brasil, que até hoje nunca solicitou a ONU validação da seleção em território nacional, conforme recomendações da Organização, evitando, inclusive, repatriações (já ocorridas), uma vez que os policiais brasileiros devem realizar testes de caráter eliminatório quando chegam na área da missão, por não ter seu processo seletivo reconhecido pelas Nações Unidas.

O Chile não é nenhum exemplo no que se refere a preparação, treinamento e motivação de policiais para missões de paz da ONU, entretanto, chama atenção a vontade de ampliar e mudar esse cenário, visto ter seu governo envidado esforços no sentido de que fossem realizada a seleção em março de 2014 e agora na presente semana (abril 2015).

Os oficiais e suboficiais dos Carabineros de Chile e os oficiais da Policía de Investigaciones – PDI (instituição que somente tem “oficiais”) agradecem a oportunidade!

Parabéns ao governo chileno!

Comento:

Eventualmente, farei um post específico sobre minha experiência como team leader de equipes SAAT/Police Division/DPKO em alguns países, dentre eles o Chile.

Vale a reflexão!

Published in: on abril 23, 2015 at 2:13 am  Comments (1)  

Major PMPA Bassalo em operação no Haiti

O Major Fabrício Bassalo, veterano boina azul da MINUSTAH (Haiti), completa hoje 4 décadas de vida, sendo 20 anos dedicados a Polícia Militar do Pará (PMPA) e a sociedade.

A foto abaixo mostra a atuação do então Capitão Bassalo durante as manifestações estudantis de junho de 2009, em Porto Príncipe (PaP), capital do Haiti, devido ao anúncio do governo haitiano de corte na verba da educação.

  bassalo-haiti

Foto: O então Capitão Bassalo e o Capitão SA’ED Al Maitah, Comandante da SWAT da Jordânia.

Segundo o peacekeeper, “Nesse dia especificamente, uma guarnição UNPOL[1] da Comissaria do centro de PaP estava em patrulha sem a presença da FPU[2], sendo cercada na área das universidades (por trás do Palácio Nacional).”

Na condição de Coordenador das Tropas de Choque da Polícia da ONU (UNPOL Crowd Control Coordinator) na MINUSTAH, o Capitão Bassalo seguiu liderando comboio de choque para resgatar os policiais internacionais cercados e ameaçados pelos manifestantes. Nessa operação, encontravam-se a seu comando: 1 Pelotão de Choque e 1 time tático (SWAT) da Polícia Real da Jordânia.

Atualmente, o Major Fabrício Silva Bassalo é o Diretor de Operações da Casa Militar do Estado do Pará.

Ao sempre atuante oficial, os votos de saúde e paz!

[1] UNPOL: United Nations Police. Componente policial de uma missão de paz ou nomenclatura usada também para os policiais internacionais que integram uma missão.

[2] FPU: Formed Police Unit (Unidade/Batalhão/Companhia de Polícia de Choque/CDC)

Published in: on abril 23, 2015 at 2:00 am  Deixe um comentário  

Diretor do Instituto Pandiá Calógeras (MD) toma posse como secretário-geral da Escola Sul-Americana de Defesa da Unasul – Ministério da Defesa

Brasília, 17/04/2014 – O professor de Relações Internacionais Antonio Jorge Ramalho da Rocha, assessor especial do ministro da Defesa, Jaques Wagner, tomou posse há pouco como primeiro secretário-geral da Escola Sul-Americana de Defesa (Esude) da União das Nações Sul-Americanas (Unasul). A Secretaria-Geral do órgão foi instalada na manhã desta sexta-feira (17) em cerimônia na sede da Unasul em Quito, capital do Equador.

ramalho_inter1

Professor Ramalho, secretário-geral da Esude/Unasul

Ramalho, que também é diretor do Instituto Pandiá Calógeras – braço acadêmico do Ministério da Defesa e professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), foi eleito para a Secretaria-Geral da Esude por consenso na noite de quinta-feira (16) pelos vice-ministros da Defesa dos 12 países que compõem a Unasul. O Brasil foi representado na eleição e na posse pelo chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general José Carlos De Nardi.

O ministro Jaques Wagner parabenizou Ramalho pela nomeação, destacando que sua indicação é uma grande honra para a Defesa nacional. “Todos conhecemos a competência acadêmica e o engajamento do professor Ramalho nos assuntos de defesa na América do Sul. Não tenho dúvidas de que se trata da pessoa mais qualificada para coordenar os trabalhos que resultarão num pensamento de defesa integrado em todo o continente. É uma alegria grande ter o diretor do Instituto Pandiá Calógeras da Defesa num cargo de tamanha relevância”, disse.

A instalação da Esude foi um dos atos principais de celebração do oitavo aniversário da criação da Unasul, órgão idealizado para promover a integração sul-americana em matéria política, social, econômica, ambiental e de infraestruturas.

ramalho_inter2

Articulação entre institutos

Professor de Relações Internacionais da UnB desde 1993, Ramalho terá como maior desafio de sua carreira acadêmica a articulação de uma rede de institutos nacionais de Defesa. “Vamos aproveitar as estruturas, os conteúdos e instrutores das instituições nacionais de formação, criando uma grande rede de coordenação que nos permita criar uma visão comum de Defesa em toda a América do Sul”, explicou em conversa com a Assessoria de Comunicação do Ministério da Defesa pouco antes da posse.

De acordo com o professor, a Esude terá sua Secretaria-Geral sediada em Quito, mas os cursos serão oferecidos por todo o continente. Brasil, Argentina e Peru já estão oferecendo qualificações nos moldes acadêmicos da Esude. “Nosso objetivo é fomentar a circulação de ideias e pesquisas, criando oportunidades tanto para oficiais militares como civis se qualificarem sobre o tema da defesa”, disse.

A representante do Brasil na rede de instituições vinculadas à Esude é a Escola Superior de Guerra (ESG), com seus campi em Brasília e no Rio de Janeiro. De acordo com o professor Ramalho, o Curso Avançado de Defesa Sul-Americano (CAD-Sul) oferecido pela ESG em 2014 funcionou como um projeto “piloto” do tipo de qualificação que se pretende empreender no âmbito da Esude.

O CAD-Sul foi desenvolvido ao longo de 10 semanas, com carga-horária total de 330 horas-aula. Os alunos vindos de toda a América do Sul estudaram disciplinas como a caracterização dos países da Unasul; organismos internacionais; e geopolítica e geoestratégia.

A formação continuada de especialistas civis e militares em defesa, por meio da oferta de cursos de extensão e especialização, é o foco principal da Esude neste primeiro momento, segundo o professor Ramalho. Entretanto, o organismo poderá ter uma vertente de fomento às pesquisas acadêmicas no futuro com a oferta de cursos em nível strictu-sensu.

Aos 48 anos, o acadêmico, natural de Brasília (DF), se mostra confiante para o desafio de dar efetividade à Esude. “É uma responsabilidade enorme colocar em marcha algo que se inicia. A escola surge coberta de muita expectativa e trabalharemos para que todos os objetivos sejam alcançados”, afirmou.

O professor Ramalho se graduou em Relações Internacionais pela UnB (1989) e tem mestrado em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) e em Relações Internacionais pela Maxwell School of Citinzenship and Public Affairs da Universidade de Syracuse (EUA). Também é doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Sua pesquisa e produção científica concentram-se nas áreas de Teoria das Relações Internacionais, Segurança Internacional, Defesa Nacional e Política Externa dos Estados Unidos.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Defesa
61 3312-4071

FONTE: Site MD

Published in: on abril 21, 2015 at 10:17 pm  Deixe um comentário  

GUATEMALA ES EL PAÍS CENTROAMERICANO QUE MÁS GASTA EN SEGURIDAD PRIVADA

Por: El Nuevo Diario y Revista Summa

Según cifras de la Federación Panamericana de Seguridad Privada, en la región se invierten más de US$1,.500 millones anuales para pagar la planilla de más de 200.000 guardas de seguridad privada. La mayoría de estos agentes de seguridad privada se concentran en los países del llamado triangulo del norte, considerados los más peligrosos de Centroamérica.

“Algunos países de la región centroamericana destacan por sus niveles de inseguridad y de violencia, sin embargo Nicaragua y Costa Rica todavía figuran como los más seguros”, destaca Álvaro Urtecho, experto en seguridad privada de El Salvador.

La afirmación de Urtecho coincide con los números. Guatemala, el país que más gasta en este rubro, invierte alrededor de US$460 millones y en la planilla de 312 empresas registradas oficialmente, se contabilizan alrededor de 100 mil guardas de seguridad.

El Salvador invierte más de US$300 millones anuales en el pago de más de 40.000  guardas de seguridad privada y Honduras, considerado el país más violento del mundo, invierte casi US$200 millones en la seguridad privada.

“El triángulo norte es una zona que tiene grandes problemas de seguridad y obviamente tiene el mayor número de agentes privados”, dijo Omar Garrido, representante para Centroamérica de Asis, una organización internacional dedicada a la seguridad de las empresas privadas.

En Nicaragua, según datos de la Asociación de Empresas de Seguridad Privada Nicaragua, Asegprin, existen 160 empresas registradas las cuales emplean a 16.000 guardas de seguridad con un gasto promedio anual de US$124 millones. Siendo el país que menos gasta en este rubro.

Fonte: Revista SUMMA

Published in: on abril 21, 2015 at 10:11 pm  Deixe um comentário  

PMDF É REFERÊNCIA PARA POLÍCIA CHILENA

Por Karina Linhares

A Polícia Militar do Distrito Federal recebeu, na tarde de ontem (7), a comitiva da Polícia Chilena, os chamados “carabineiros”. A visita contou com a presença do General Inspetor Eliecer Solar Rojas – Diretor Nacional de Ordem e Seguridade do Chile, cel. Jaime Montiel, cel. Roberto Saldivia, tc. Raul Carrasco e o tc. Alexis Quiroz. O intuito da visita é adquirir e aprimorar experiências em grandes eventos esportivos, uma vez que o Chile é sede da Copa América neste ano e Brasília foi uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.

Segundo o General do Chile, Eliecer, a ideia é “conversar de polícia pra polícia”. Ele fala sobre a experiência bem sucedida do Brasil na Copa de 2014 e pretende “interiorizar a experiência da Polícia Militar em relação ao que foi a Copa do Mundo no Brasil e aplicar na organização estratégica da Copa América, no Chile” e completa, “a visita fortalece a cooperação internacional para este desafio na área de segurança no evento”.

Segundo o coronel Lobo, o comando chileno ofereceu uma proposta para criação de uma oficina de cooperação internacional entre policiais. O comando geral da PMDF, analisará a questão para futura tramitação na formalização do acordo. O general chileno explica, “Por meio dessa oficina os países trocarão experiências para um determinando evento” e diz ainda, “uma organização tática, composta por informações de inteligência da qual resultará na rápida solução de problemas evitando progredir para algo maior”.

Após a palestra realizada no Comando-Geral, ministrada pelo major Luis Marcelo, com a presença dos coronéis, Florisvaldo Cesar (Comandante-Geral), Seabra (Subcomandante-Geral) e Lobo Rodrigues, os “carabineiros” seguiram para um sobrevoo de helicóptero no estádio Nacional de Brasília, Mané Garrincha, e algumas outras regiões do Distrito Federal. No dia 9, quinta-feira, ocorrerá uma palestra na Secretaria de Segurança Pública às 20h. Os policias chilenos permanecerão em Brasília até sábado, dia 11 de abril.

FONTE: Site PMDF.

Published in: on abril 12, 2015 at 8:22 pm  Deixe um comentário  

UN launches university in Brazil

Brazil will host a UN University focused on the study of public safety.

The model is inspired by other 12 thematic units, such as those in Costa Rica and Austria.

The project has been discussed between Dilma (Brazilian President) and the UN Secretary-General Ban Ki-moon.

The campus must be based at the Rio de Janeiro State University (UERJ), which should be a good field studies.

(tradução livre)

Source (in portuguese): O GLOBO.

Published in: on abril 12, 2015 at 7:13 pm  Deixe um comentário  

ONU inaugura universidade no Brasil

O Brasil vai sediar uma universidade da ONU voltada para o estudo da segurança pública.

O modelo é inspirado em outras 12 unidades temáticas, como as da Costa Rica e da Áustria.

O projeto já foi discutido entre Dilma e o secretário-geral Ban Ki-moon.

A unidade deve ficar na UERJ, pertinho da Mangueira, que, aliás, seria um bom campo de estudos.

Fonte. O GLOBO.

Published in: on abril 12, 2015 at 5:44 pm  Deixe um comentário  

ONU solicita ao Brasil mais policiais militares para cargos de UNPOL no Haiti

O Departamento de Operações de Manutenção da Paz (DPKO/ONU) solicitou ao Brasil a indicações de policiais militares para o cargo de UNPOL na MINUSTAH, em regime de secondment (non-contracted, UNPOL “normal”), para tour (mandato) inicial de missão de um ano.

A ONU enfatizou que policiais militares femininos terão precedência, no processo de seleção, nos casos de empate de qualificação com policiais do sexo masculino.

Indicações devem ser submetidas ao DPKO até 20 de abril de 2015 (anexos os EASP, exames médicos (MS2) e cópia dos passaportes.

Published in: on abril 1, 2015 at 7:38 pm  Deixe um comentário  

A inexistência de uma política brasileira para um maior envolvimento da mulher policial em missões de paz da ONU

Desde a criação da MINUSTAH (2004), somente 2 mulheres policiais militares brasileiras participaram da Missão, sendo elas  as Capitães PMDF Daniela Natalia Teixeira e Virginia Souza Lima (também veterana do Timor Leste – UNMIT).

A inexistência de uma política específica (e diferenciada) no Brasil voltada para fomentar, estimular e motivar a participação da mulher policial em missões de paz vai na contramão da direção da Resolução 1325 (e demais) e programas outros da ONU sobre o tema.

Published in: on abril 1, 2015 at 7:07 pm  Deixe um comentário  

Atual efetivo de UNPOLs brasileiros apresenta diagnóstico preocupante quanto a falta de uma agenda/política nacional de emprego de policiais em missões de paz

Atualmente, o Brasil conta com 14 UNPOLs no Haiti, 3 no Sudão do Sul (sendo que 2 retornam agora no dia 4 de abril), e 1 Guiné-Bissau.

Previsão de chegada de um oficial da Brigada Militar RS e um de Santa Catarina em abril e mais 04 do DF em junho.

Dois policiais militares estão designados para a Guiné-Bissau, aguardando deployment tracking e autorização de viagem.

A considerável redução representa a necessidade de estudos e medidas que viabilizem incluir na agenda da política externa brasileira a importância e valorização da participação dos policiais militares brasileiros no campo da paz e segurança internacional, os quais representam o país desde o ano de 1991, em Angola.

Vários atores, especialistas e instituições precisam formar um grupo de trabalho para apresentar propostas de soluções.

O último Grupo de Trabalho (GT) foi constituído em 1993, sob a coordenação do MRE.

Published in: on abril 1, 2015 at 6:59 pm  Deixe um comentário  

Polícia chilena está entre as melhores do mundo e é a instituição de maior credibilidade na sociedade

SANTIAGO – O Relatório Global de Competitividade 2014-2015, publicado pelo Fórum Econômico Mundial, qualificou, com uma nota 6,3 o desempenho dos serviços policiais dos Carabineros de Chile (polícia uniformizada chilena). O relatório avalia as condições em que as 144 maiores economias do mundo oferecem para o desenvolvimento e investimento, com base em parâmetros como a confiança do mercado, a força das instituições e confiabilidade dos serviços policiais. Assim, os serviços prestados pelos policiais do Chile foram 6,3 de uma escala de classificação de 1 a 7, ficando em terceiro lugar desse ranking, junto com o Qatar. O mesmo relatório indica que os serviços da instituição, “estão bem acima da média mundial, que é de 4,2”. O rating de 6,3 lugares coloca a polícia chilena, logo abaixo da Finlândia, com 6,7 e da Nova Zelândia, com 6.5. Segundo o último levantamento realizado pelo Centro de Estudos e Coesão Social -COES- criado por diferentes universidades nacionais para dar ainda uma triagem acadêmica para a agitação social nos últimos anos, declara os Carabineros de Chile como a instituição mais confiável do país. (tradução livre)

O Chile enfrentou uma ditadura violenta e conta com suas duas instituições policiais nacionais, Carabineros de Chile (uniformizadas/ostensiva, mas com clico completo) e a Policía de Investigaciones (PDI – algo como a Polícia Federal, mas que também realizam patrulhamento descaracterizado e cliclo completo), ambas, entre as 4 instituições com maior credibilidade perante a sociedade nos últimos 10 anos. No último senso, os Carabineros apareceu em primeiro lugar.

***TEMOS MUITO QUE APRENDER COM NOSSOS AMIGOS DO CHILE, ONDE MESMO NÃO SENDO MILITARES (MAS SIM MILITARIZADOS E EXTRAMEMENTE DISCIPLINADOS E HIERARQUIZADOS, INVESTEM COM SERIEDADE NO SISTEMA EDUCACIONAL (REFERÊNCIA MUNDIAL) E NO PLANEJAMENTO OPERACIONAL E DE RECURSOS HUMANOS***

ORIGINAL EM ESPANHOL:

SANTIAGO – El Reporte de  Competitividad Global 2014–2015, que publica el Foro Económico Mundial, calificó con una nota de 6,3 el desempeño de los servicios policiales de Carabineros. El informe evalúa las condiciones en que las 144 principales economías del mundo ofrecen para el desarrollo y la inversión, basándose en parámetros como la confianza en los mercados, fortaleza de las instituciones y fiabilidad de los servicios policiales. Así, los servicios prestados por la policía uniformada recibieron la citada calificación –en una escala de 1 a 7- quedando en tercer lugar del citado ranking, junto con Qatar. El mismo informe señala que los servicios de la institución, “están muy por sobre el promedio mundial, que es de un 4,2”. La calificación de 6,3 sitúa a la policía chilena sólo por debajo de las de Finlandia, con un 6,7 y Nueva Zelandia que registró un 6,5. Según la última encuesta realizada  por Centro de Estudios y Cohesión Social –COES- creado por distintas universidades nacionales para dar par un diagnóstico académico al descontento social  de los últimos años,   donde declara a Carabineros como la institución de mayor confianza del país.
Fuente: Emol.com – http://www.emol.com/noticias/nacional/2015/03/20/708993/informe-del-foro-economico-mundial-califica-con-nota-63-los-servicios-de-carabineros.html

Published in: on março 29, 2015 at 10:16 pm  Comments (3)  

Tenente Anderson Pakuszewski (PMPR) e um pouco da sua trajetória na Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul

No dia 5 de abril de 2014, o Tenente da Polícia Militar do Paraná (PMPR) Anderson Pakuszewski aterrizava em solos africanos para a sua primeira experiência em Missão de Paz da ONU, no Sudão do Sul (UNMISS). Ele foi juntamente com o também tenente da PMPR, o Sr. Rodrigo Kravetz de Oliveira. Faltando poucos dias para o fim de sua missão (End of Mission – EoM), o Tenente Anderson nos envia um pouco da sua experiência no mais novo país do mundo. Dentre as funções que desempenhou, destacam-se as de Team Leader no CSB Pibor e Team Leader da patrulha no IDP Camp.

Abaixo, algumas fotos enviadas nesta data, com sucintas legendas (a dificuldade no acesso a internet é um problema constante para poder enviar material de qualidade).

image1

Foto 1 (acima): chegada na Base da ONU em Entebbe, capital de Uganda, para o período de treinamento básico inicial, o Induction Training.

image2

Foto 2 (acima): Na cidade de Bor (Jonglei State), no monitoramento de um campo de pessoas deslocadas (Internal Displaced Person – IDP) onde vivem cerca de 6 mil pessoas.

image3

Foto 3 (acima): O Oficial em apoio ao programa de distribuição de alimentos promovido pela agência WFP (World Food Program). A tarefa principal dos UNPOLs é de garantir a ordem no campo e a integridade das pessoas nos IDPs.

image4

Foto 4 (acima): IDP recebendo alimentos. um detalhe interessante observado pelo oficial é que na cultura local, as mulheres fazem a maioria das tarefas, inclusive as mais pesadas.

image5

image6

Foto 5 e 6 (acima): Em PIBOR, o Tenente realiza análise da área reservada para abrigar IDPs em caso de rompimento da ordem e necessidade de novos abrigamentos. Até a presente data, não foi preciso. 

Ao Tenente Anderson Pakuszewski da PMPR, os votos de parabéns quando da chegada de seu fim de missão, onde tão bem representou a PMPR, o Brasil e a ONU, sendo, sem dúvida, motivo de orgulho a seus amigos e familiares.

Published in: on março 29, 2015 at 9:07 pm  Deixe um comentário  

Exploração/abuso sexual, AIDS e envolvimento com locais

Mesmo com vedação expressa, os casos de relações sexuais entre efetivos da ONU com locais são comuns em áreas de missão de paz. A proibição tem como objetivo evitar a exploração e o abuso sexual.

Entretanto, mesmo todos os componentes (civis, militares e policiais) recebendo instruções sobre o tema, que é classificado como gravíssimo pela ONU (salvo quando a relação não seja de dependência econômica) – inclusive como proibitivo para novas missões na Organização, muitos são os casos de envolvimento de staff da ONU nessas circunstâncias, inclusive de brasileiros.

– Quantos brasileiros foram contaminados pelo HIV em missões?

– Quantos adquiriram DST?

– Quantos deixaram filhos nos países?

– Quantos brasileiros exploraram e abusaram sexualmente de locais durante a missão?

– Quanto foram investigados e quantos passaram em branco?

Vista grossa e o “abafa” predominam nessas situações.

Quem perde? TODOS.

Sem hipocrisia….

Para reflexão!

PS: Há de se ressaltar que “casos de amor” acontecem (não havendo problemas), onde famílias são constituídas (muitos casos reais).

Published in: on março 26, 2015 at 2:28 am  Deixe um comentário  

Mensalão internacional

Suspeita de prática antiga em alguns países que contribuem com efetivo para missões de paz, após uma denúncia formalizada no Haiti e investigação determinada pela Chefe do Estado-Maior da UNPOL, ficou comprovado a prática de propina que alguns policiais da Costa do Marfim pagavam. Do que ficou apurado, eram pagas as autoridades do país e ao representante do país junto ao DPKO, o que levou a Police Division/DPKO a suspender o envio de policiais do referido país assim como a proibição de extensão, ao menos até o meio do ano.

Prática antiga nos corredores das missões de paz, parece ser um dos primeiros a ser investigado e confirmado.

Que sirva de exemplo aos demais.

(baseada em fatos reais)

Published in: on março 26, 2015 at 2:17 am  Deixe um comentário  

MINUSTAH também reduz efetivo civil

Após anúncio da redução do efetivo militar em 50%, e manutenção do quantitativo policial, a princípio até 015, de acordo com a Circular N. 008 do DMS, haverá redução de 15% do efetivo civil da MINUSTAH até julho de 2015.

Grato pela informação Rodrigo C.

Published in: on março 14, 2015 at 4:49 pm  Deixe um comentário  

Homenagem ao Tenente Cleiton – 5 anos

Após 5 anos da fatalidade do terremoto ocorrido no Haiti, onde vidas de militares, civis e um policial militar brasileiros foram ceifadas, amigos da turma de oficiais do Primeiro-Tenente Cleiton Batista Neiva (8a Turma de Oficiais QOPM/PMDF – Aspirantes 1999) lhe prestaram uma singela homenagem em Brasília: limparam sua sepultura, depositaram flores e hastearam a bandeira nacional.

image5

image3

image4

image6

(Os Majores Fábio Borges, Frank, Gustavo, Rodrigo, André, Alexandre e Sacramento)

No Haiti, o Capitão PMCE Adriano Marcel fez a sua homenagem no monumento construído para recordar as vítimas do sismo. O nome do Cleiton encontra-se no referido monumento, dentre outros.

image2

O Tenente Cleiton foi o único policial brasileiro falecido no terremoto.

Parabéns aos amigos pela homenagem!

PS: No ato, os amigos de turma também prestaram homenagem ao Tenente Edson, primeiro oficial falecido da turma, vítima de uma acidente de helicóptero durante curso de piloto no ano de 2002.

Published in: on março 13, 2015 at 2:23 am  Deixe um comentário  

CCOPAB promove curso de preparação para secondment

O Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB) realizará em abril um curso de três dias de preparação para os processos seletivos para vagas de secondment (contracted).

Além dos militares das Forças Armadas, policiais militares indicados para concorrer a esse tipo de vaga também foram convidados.

Parabéns ao Centro pela iniciativa.

Published in: on março 13, 2015 at 2:10 am  Deixe um comentário  

Pedidos de extensão de UNPOLs na MINUSTAH

Dos seis policiais militares que solicitaram extensão para mais um turno de serviço na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH), apenas o Primeiro-Tenente PMRJ Felipe Ramos recebeu autorização de seu estado (até 15/10/15). Os demais tiveram os pleitos negados devido a crise econômica na Unidade Federativa de origem.
Um turno de serviço/missão, ou tour of mission, equivale a seis meses. No caso, seria a contar de abril de 2015.
Published in: on março 13, 2015 at 1:42 am  Deixe um comentário  

Major PMGO Kedma é oficialmente selecionada pela ONU para o Sudão do Sul

As Nações Unidas confirmou junto ao governo brasileiro a seleção da Major PMGO Kedma Pinheiro Mascarenhas um tour de missão Sudão do Sul.
Deve assumir vaga do Primeiro-Tenente Anderson Pakuszewsk, quando de seu EoM.
A Major Kedma é veterana e será a quarta policial feminina a integrar a referida missão.
Published in: on março 13, 2015 at 1:34 am  Deixe um comentário  

Sargento PMDF Alan Campos publica seu diário eletrônico na missão de paz em Guiné-Bissau

No dia 3 de janeiro de 2015, o Sargento PMDF Alan Campos embarcou com destino a Guiné-Bissau, sendo o segundo praça da Corporação a integrar uma missão desde a nova autorização para que sargentos e subtenentes pudessem, como na década de 1990, também exercer funções nessa seara da paz internacional (O ST Da Matta no ano de 2013 participou da missão de paz no Sudão do Sul).

O Sargento Alan, assim como outros, encontrou na internet uma maneira de relatar sua rotina e de divulgar o trabalho que ele realiza enquanto Policial das Nações Unidas (UNPOL).

Parabéns ao Sargento PMDF Alan Campo pela iniciativa!

Captura de tela 2015-02-14 10.30.27

Acesse o site UM SARGENTO EM MISSÃO DE PAZ (também disponível nos rol de blogs encontrados neste espaço).

NOTA: Esperamos em breve que os soldados e cabos também sejam autorizados, visto não haver nenhum impedimento por parte das Nações Unidas. Vale lembrara que os policiais militares são submetidos a um concurso nacional e o mérito é próprio, consirerando suas qualidades pessoais e profissionais para indicação, após aprovação e habilitação, pelo Comando-Geral!

Published in: on fevereiro 14, 2015 at 12:47 pm  Deixe um comentário  

PMDF INVESTE EM TREINAMENTOS SUSTENTÁVEIS: ESTUDO SERÁ APRESENTADO NA NORUEGA

Um estudo coordenado por um oficial da PMDF será apresentado, em maio, no Congresso de Psicologia Organizacional e do Trabalho, em Oslo, na Noruega. O artigo “Impacto das estratégias para lidar com o estresse no desempenho policial: um estudo exploratório”, coordenado pelo tenente-coronel Leonardo José Rodrigues de Sant’Anna analisou o impacto das estratégias de enfrentamento ao estresse durante um curso especializado da PMDF em 2013. Participaram da pesquisa 40 policiais do DF e de co-irmãs, e dois policiais do Panamá. Contou-se também com o apoio da Coordenação do COR/2013 e dos instrutores daquela Unidade Policial especializada.

“É a primeira vez que um artigo policial tipicamente operacional foi aceito pela Associação Europeia de Psicologia Organizacional e do Trabalho”, comemora Sant’Anna. A metodologia, desenvolvida de forma específica pela empresa 4Track para o batalhão de ROTAM, pode ser considerada como pioneira em sua aplicação para a segurança pública e impacta diretamente em uma melhor resolução de conflitos que tenham como componente um possível uso da força no processo de abordagem policial.

Nesta sexta-feira (13), o tenente-coronel e os outros autores do estudo feito, a Doutoranda em Psicologia Organizacional (UnB) e ex-policial Juliana Almeida e o Especialista em Coaching Rafael Rebello Mendonça, foram recebidos pelo Chefe do Estado-Maior, coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira e pelo Diretor do Departamento de Educação e Cultura, coronel Fábio Aracaqui de Sousa Lima. Eles discutiram os principais pontos do artigo e sua aplicação institucional, entre eles: a importância do uso ampliado da Psicologia e das estratégias de coping na gestão educacional da PMDF e também a influência transversal desse campo do conhecimento nos cursos realizados pela Corporação.

Fonte: Sítio da PMDF.

Nota: O Tenente-Coronel Leonardo Sant’anna é veterano de missões de paz em Angola e Timor Leste. Acesse o sítio do oficial: http://coronelsantanna.com/

Published in: on fevereiro 14, 2015 at 12:15 pm  Deixe um comentário  

Tenente PMPE Ricardo Couto coordena operações de manutenção da ordem em Jacmel

O 1 Tenente da PMPE Ricardo Couto, após os dias intensos de prisões e vários conflitos (que será postado aqui amanhã), tem coordenado os times de controle de distúrbio civil da Polícia Nacional Haitiana para tentar amenizar o clima de violência que tomou conta da cidade de Jacmel nos últimos dias.

image2

image1

image3

O Trabalho do Tenente Couto tem sido importante ao valorizar o policial haitiano desde o seu treinamento até os procedimentos operacionais nas manifestações e prisões de membros de gangues rivais e mesmo autoridades.

image1

image2

image3

image4

image6

Published in: on fevereiro 11, 2015 at 3:00 am  Deixe um comentário  

Capitão PMCE Marcel faz breve relato da situação em Jacmel, Haiti (07 de fevereiro 2015)

No último dia 7 de fevereiro, o Capitão PMCE Marcel informou que Jacmel é cohecida por ser uma cidade tranquila, mas a situação política e as eleições tem modificado a rotina pacífica do lugar. Após dias de grande violência, grupos políticos tem influenciado a população local e incitado as manifestações e ações agressivas.

Segundo o Oficial: “Até os policiais haitianos mais antigos afirmam nunca terem visto nada parecido em Jacmel. E a tendência, pelo visto, é piorar, dado a incerteza quanto as eleições”.

A cidade não conta com FPU ou unidades militares. São apenas 18 UNPOL e a PNH para controlar o aumento da violência e manifestações na região. Dois policiais militares brasileiros trabalham diretamente nessas ações.

Published in: on fevereiro 11, 2015 at 2:48 am  Deixe um comentário  

Escalada da violência no Haiti – Restrição de Movimento da ONU em Porto Príncipe

No último dia 02 de fevereiro, devido a inúmeras manifestações, pontos de bloqueios, pneus queimados, a Segurança da ONU (UN Security) determinou Restrição de Movimento a seus funcionários durante todo o dia.

Os fatores políticos e as eleições foram consideradas as causas principais dos problemas.

“Cenário de completo distúrbio e fragilidade da segurança pública” – relata um policial brasileiro.

Fotos abaixo: Porto Príncipe em 02 de fevereiro de 2015.

image1

image2

image3

Published in: on fevereiro 11, 2015 at 2:39 am  Deixe um comentário  

Policial militar brasileiro é vítima de violência no Haiti

A cidade de Cap Haitien, ao extremo norte do Haiti, é conhecida por suas belezas culturais e praias encantadoras, as quais recebem semanalmente cruzeiros vindos dos EUA e demais ilhas caribenhas.

Mas nada disso tem amenizado o instável e tenso clima que tem permeado todo o país.

Nos últimos 3 dias, uma greve dos motoristas de TAP TAP (meio de transporte público haitiano) devido ao aumento do preço da gasolina desencadeou uma onda de protestos violentos. Nesta terça, a equipe de UNPOL teve que ser escoltada pelo UDMO (unidade de controle de distúrbios da Polícia Nacional Haitiana – PNH) e pela Tropa de Choque da Polícia da ONU, a FPU (Formed Police Unit) do Nepal. Quatro viaturas foram apedrejadas, um policial nepalense ferido.

image2

(Foto acima: UDMO realiza escolta do comboio em Cap Haitien)

O Capitão da PMDF Werner Miquelino disse estar bem e se preparou com os equipamentos adequados para as manifestações: “Já sabíamos que seríamos alvos de apedrejamentos e por isso me equipei com colete e capacete para qualquer tipo de situação”.

image3

(Foto 2 acima: Comboio por Cap Haitien – Detalhe, manifestantes acima nas edificações atirando pedras nas viaturas)

A viatura do Oficial foi danificada mas felizmente sua nada aconteceu com ele. O nível de formação e preparo dos policiais militares brasileiros os capacitam para todas as situações policiais, inclusive as de manifestações, tão correntes na capital do Brasil, origem do oficial em tela, não sendo, portanto, nada que fuja a atividade policial corriqueira de um profissional brasileiro.

Mas serve de alerta para o aumento da escalada da violência no país inteiro, não apenas na capital.

O clima é tenso e imprevisível, mas o status atual nesta noite é calmo. Torcemos para que permaneça dessa maneira nos próximos dias.

Esperamos de algum órgão brasileiro entre em contato com os únicos 2 policiais militares brasileiros no local para acompanhar a situação.

image1

(Foto 3 – Policial FPU Nepal ferido)

Published in: on fevereiro 11, 2015 at 2:23 am  Deixe um comentário  

Versão em inglês do livro “Brasil: 60 anos de operações de paz”

A versão em inglês do livro “Brasil: 60 anos de operações de paz”, lançado em 2007, foi feita no Líbano, quando o autor, o diplomata Paulo Roberto Tarrisse da Fontoura, era o Embaixador o Brasil no país. Os direitos autoriais são da Marinha do Brasil. Segundo o autor, o Museu Naval no RJ (perto da Praça XV, no Centro), que também opera como Centro de Documentação da Marinha, possui edições para a venda. Sugere-se consultar o “site” ou o Comando da Marinha em Brasília.

image5image4

Published in: on fevereiro 2, 2015 at 2:29 am  Deixe um comentário  

Coletânia de artigos sobre o Brasil e os 10 anos de MINUSTAH

O Instituto Igarapé publicou uma coletânea de artigos sobre os 10 anos da participação brasileira na MINUSTAH, intitulado: “BRASIL E HAITI: reflexos sobre os 10 anos da Missão de Paz e o futuro da cooperação após 2016”, tendo como organizadora a Dra. Eduarda Hamann.

Prefaciado pelo Embaixador Antônio Patriota, os artigos foram escritos por especialistas em diversas áreas que envolvem uma Missão de Paz da ONU.

Vale a leitura!

Clique para baixar o arquivo: Artigo-estrategico-13-Minustah-final3-1

SUMÁRIO

VISÃO GERAL

1 – Reflexões sobre a contribuição da MINUSTAH à segurança e estabilidade (2004-2014) – (Dr. Robert Muggah)

O ENGAJAMENTO DE MILITARES E POLICIAIS BRASILEIROS

2 – TREINAMENTO PARA O BATAL HÃO BRASILEIRO DESDOBRADO NA MINUSTAH: a consolidação de um modelo. (Coronel EB José Ricardo Vendramin Nunes)

3 – A Manutenção da Paz (no Haiti) e a Justiça (no Brasil): Uma reflexão sobre o impacto da MINUSTAH no sistema jurídico militar brasileiro. (Dra. Najla Nassif Palma).

4 – PARTICIPAÇÃO POLICIAL BRASILEIRA NA MINUSTAH (Major PMDF Sérgio Carrera de Albuquerque Melo Neto)

A COBERTURA PELA IMPRENSA BRASILEIRA

5 – A tensa relação entre militares e jornalistas no início da missão no Haiti (Luis Kawaguti)

AS RELAÇÕES SUL-SUL

6 – Os dez anos da MINUSTA H: um olhar sobre a participação sul-americana. (Danilo Marcondes Neto)

7 – A COOPERAÇÃO REGIONAL FRENTE À TRANSFORMAÇÃO DA MINUSTAH. (Marcela Donadio)

8 – Viva Rio no Haiti: lições aprendidas, pelo sim, pelo não e o talvez (Rubem César Fernandes)

A ABORDAGEM DE GÊNERO NO HAITI

9 – Da política à implementação: preenchendo as lacunas para a promoção de uma abordagem de gênero no Haiti (Dra. Marcela Donadio)

Published in: on fevereiro 1, 2015 at 11:52 pm  Deixe um comentário  

Diálogo sobre a revisão das operações de manutenção de paz e missões políticas especiais das Nações Unidas

O Ministério das Relações Exteriores, “em parceria com o Instituto Igarapé e o Instituto Padiá Calógeras, organizaram no último dia 22 de janeiro de 2015, um evento sobre o Brasil e a revisão das operações de paz da ONU. Havia cerca de 30 participantes, todos brasileiros. Entre eles, alguns dos maiores especialistas em operações de paz, incluindo diplomatas, militares, policiais, pesquisadores e professores. O objetivo principal foi gerar elementos que ajudem a compor a posição do Brasil sobre o tema, no âmbito do processo global de revisão instaurado pela própria ONU em outubro de 2014.” – (Instituto Igarapé).

O evento foi presidido pelo Embaixador Paulo Roberto Tarrisse da Fontoura, Diretor do Departamento de Organismos Internacionais do MRE e foi moderado pelo Conselheiro Eduardo Uziel e por representantes dos Institutos, Igarapé e Padiá. A Divisão de Paz e Segurança Internacional (DPAZ) do MRE esteve diretamente envolvida.

O “Diálogo” foi marcado pelo alto nível do participantes e debates. Parabéns aos organizadores.

Sinto-me honrado em haver sido convidado e contribuir de alguma forma.

image1

image3

image1

Published in: on fevereiro 1, 2015 at 11:19 pm  Deixe um comentário  

Major PMDF Wesley Santos atua na visita do Conselho de Segurança da ONU ao Haiti

Há três tour de missão ocupando o cargo de Chefe da Equipe de Segurança Pessoal do Comissário da Polícia da ONU (Police Commissioner –  PC) na MINUSTAH (Haiti), o Major PMDF Wesley Santos tem desempenhado inúmeras atividades em viagens e atividades diversas no dia a dia do chefe do componente policial da MINUSTAH. Durante mais de um ano, serviu com o Comissário Luís Carrilho (Portugal) e desde então com o Comissário Serge Therriault (Canadá). Fluente em inglês e francês, e com larga experiência profissional especializada na área das operações especiais, o oficial ganhou a confiança dos PCs, participando de reuniões de grande relevância nos âmbitos políticos, diplomáticos e operacionais, acompanhando o líder de centenas de policiais de quase 50 nacionalidades que integram o United Nations Police component (UNPOL).

wesley3

(Major Wesley recebe o Chefe de Operações da UNPOL, Major francês, durante solenidade de outorga da Medalha da ONU aos policiais militares, na condição de Comandante do Contingente PM Brasileiro na MINUSTAH)

wesley2

(TC PMDF Roberto Freitas, Police Commissioner Luis Carrilho e o Major PMDF Wesley)

image3
Nos últimos dias, o Major PMDF Wesley Santos esteve diretamente envolvido na visita do Conselho de Segurança da ONU ao Haiti (entre 23 e 25 de janeiro de 2015), que estiveram no país para um cronograma de visitas e reuniões a fim de analisar a situação geral da Missão para subsidiar possíveis mudanças na MINUSTAH no âmbito do Conselho de Segurança da ONU. A Delegação foi composta por 27 membros e tiveram reuniões com o alto escalão do Governo do Haiti (governo, parlamento, judiciário, etc.) e da MINUSTAH (Representante-Especial do Secretário-Geral da ONU, SRSG Sandra Honoré, Deputies SRSG, e membros do Senior Managment Team, Chefes de componente policiais e militares e tropas policiais – FPU e militares – Batalhões).

CSNU-Haiti

(Membros do Conselho de Segurança com Presidente haitiano Michel Martelly e membros do governo)

image15

image30

image7

Abaixo, algumas fotos da visita do Conselho de Segurança da ONU ao Haiti – especialmente na área de segurança pública, com a UNPOL (Polícia da ONU) e a Polícia Nacional do Haiti (PNH):

FOTOS ABAIXO: As autoridades visitaram a Academia da Polícia Nacional do Haiti – PNH, onde receberam informações sobre a PNH por parte do Diretor General da Instituição.  Após o briefeing, assistiram a uma demonstração da SWAT PNH de resgate de reféns e também dos UDMO (Unidade de Choque/CDC da PNH) de controle de distúrbios civis.

image11

(Diretor Geral da PNH, Embaixadora EUA junto a ONU Samantha Power e Police Commissioner UNPOL)

image20

image2

image6

image21

image4

FOTO ABAIXO: Visita a Titanyen, uma vila haitiana, ao norte da capital Porto Príncipe (Port-au-Prince), a cerca de 8 km de Cabaret. Visto não ser muito densamente povoada, áreas próximas foram escolhidas para os enterros em massa das vítimas do terremoto de 2010. Memorial para as vítimas de terremotos onde foram enterrados milhares de corpos do terremoto. As autoridades foram prestar homenagens.

image8

image18

FOTOS ABAIXO: Visita ao projeto de criação e estruturação da Guarda Costeira da PNH – situada em Cap Haitian foram conhecer a capacidade operacional da unidade, receberam um briefeing do Police Comissioner e conheceram a embarcação utilizada no patrulhamento.

image29

(MINUSTAH Police Commissioner, Embaixadora Samantha Power e ao lado o Major PMDFWesley)

image1

image5

image12

image14

image28

FOTO: Visita a prisão feminina em Pentionville. Visitaram as detentas conversando sobre a situação no local. Também visitaram uma feira de artesanato no local e ateliê das detentas, onde produzem roupas para venda.

image17

(Embaixadora Samantha Power com UNPOL americana e demais membros do CSNU em visita ao presídio feminino)

image19

image26

Ao atuar na coordenação da segurança pessoal do Police Comissioner e do comitê composto por membros do Conselho de Segurança, o Major Wesley mais uma vez eleva o nome de sua Corporação (PMDF), do Governo do Distrito Federal (GDF) e do nosso país, visto o mesmo ocupar um cargo considerado de extrema importância, visto seu caráter técnico (proteção de autoridades) e reservado (por ter acesso a informações de caráter sigilosos).

Faltando cerca de 5 meses para o fim de sua missão no Haiti, e com avaliações de desempenho profissional consideradas “excepcional” (2% da elite da UNPOL nos Appraisal) desejamos contínuos sucesso ao Major Wesley ao bem representar a PMDF, o GDF e o Brasil!

image13

(Major PMDF Wesley e o Embaixador Angolano junto a ONU)

Published in: on janeiro 25, 2015 at 10:12 pm  Deixe um comentário  

Vagas de secondment para policiais no Sudão do Sul

O Secretariado das Nações Unidas solicitou a indicação de candidatos policiais militares para a Missão das Nações Unidas para o Sudão do Sul (UNMISS), com turno inicial de serviço de um ano, para os seguintes postos:
– Police Chief of Operations, P-4 – (01 vaga).
– Community Policing Adviser, P-4 – (01 vaga).
– PoC Site Coordinator, P-4 – (05 vagas).
* Entendimento dos militares que as vagas são para Oficiais superiores, pelo costume, para Majores ou Tenentes-Coronéis PM.
** Essas vagas são para funções de contratados (secondment contracted).
bandeira SS
Published in: on janeiro 12, 2015 at 3:18 am  Deixe um comentário  

Boina Azul será o novo Comandante-Geral da PMDF

1

Foto 1: Anúncio do GDF – nova cúpula da Segurança Pública.

Foi anunciado pelo futuro Governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollembergue, a nova cúpula da Segurança Pública da capital.

No dia 01 de janeiro de 2015, assume o cargo de Comandante-Geral da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) o Coronel QOPM Florisvaldo Ferreira Cesar.  Ingresso na Academia de Polícia Militar de Brasília (APMB) em 1990, membro da 1ª Turma de Oficiais formados pela própria Corporação, o Coronel Cesar trabalhou em diversas unidades da PMDF. Nos últimos anos, já como Oficial superior, foi subcomandante do 1º Batalhão e do Batalhão Judiciário, trabalhou na Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP/DF), foi Comandante do 2º Batalhão, Comandante do Comando Regional de Policiamento Metropolitano – CPRM, durante o período da Copa do Mundo e é atualmente o Chefe do Departamento Operacional (DOP). Veterano de 2 missões de paz da ONU, no Kosovo e na Guiné-Bissau, o Coronel Cesar é um “boina azul” com larga experiência em missões DPKO e DPA, peculiarmente, com mandatos executivos e políticos, sendo um entusiasta do tema, já tendo ministrado palestras que motivaram novos policiais militares a buscar seu espaço no campo da segurança internacional.

celcesar00

Foto 2: Coronel Cesar na coletiva.

O Coronel Cesar é o segundo oficial formado pela Academia de Polícia Militar de Brasília (o 1º Oficial é o atual Comandante-Geral, o Coronel Anderson Moura) e o terceiro veterano da ONU a assumir o cargo máximo da carreira da PMDF (o 1º foi o Coronel Antônio Ribeiro da Cunha – Angola, e o 2º foi o Coronel Ricardo Martins – Guatemala).

kosovo

Foto 3:O então Major César (PMDF) atuando em operação policial durante distúrbios em Pristina, Kosovo. (Período de 17 a 29 de março de 2004)

Fonte: Site missãodepaz

Conhecido por sua boa capacidade de relacionamento interpessoal sem deixar os pilares da instituição de lado, hierarquia e disciplina, o novo Comandante-Geral tem a frente uma grande responsabilidade em conduzir toda uma corporação com filosofia de integração de seus efetivos, liderando mudanças de gestão, que fortaleçam a estrutura e o público interno, e ações diversas que beneficiem a sociedade da capital de todos os brasileiros.

celcesar0

Foto 4: Em coletiva.

Ao Exmo. Sr. Comandante-Geral da PMDF e veterano da ONU, os votos de sucesso no cargo mais importante de sua carreira. Que seja abençoado diariamente com sabedoria e a independência necessária que um comandante e líder de uma instituição com mais de 15 mil profissionais necessita para atingir os objetivos de proteger e garantir a paz social da comunidade e dos órgãos oficiais do poder federal e distrital, além de mais de 200 representações diplomáticas acreditas no DF.

CV resumido (correio):

Nascido em Brasília, o coronel Florisvaldo Ferreira César, 44 anos, é formado em política e estratégia pela Escola Superior de Guerra e bacharel em segurança pública pela Academia de Polícia Militar do Distrito Federal. Tem pós-graduação em direito internacional dos conflitos armados pela Universidade de Brasília (UnB), em alinhamento estratégico pela Academia de Polícia do Ceará e em cursos de gerenciamento de crise, inteligência e negociação pela PMDF.
Florisvaldo integra a corporação desde 1990. Foi promovido a coronel em 1993. Ocupa o cargo de chefe do Departamento Operacional da PM. Atuou como comandante do BPM de Taguatinga e, durante a Copa do Mundo, comandou o Policiamento Regional Metropolitano. O coronel também participou de missões de paz da ONU na Sérvia (2004-2005) e na África (2009-2010).

Matérias:

http://impresso.correioweb.com.br/app/noticia/cadernos/cidades/2014/12/30/interna_cidades,154525/os-comandantes-de-rollemberg.shtml

Published in: on dezembro 31, 2014 at 2:41 am  Deixe um comentário  

Lançamento do livro “Videocâmeras e Polícia” do Tenente-Coronel Francisco Issa.

O Tenente-Coronel da Polícia Militar da Bahia (PMBA) FRANCISCO LUIZ DA FONSECA ISSA, veterano da MINUSTAH (2011-2012), publicou recentemente o livro “Videocameras e Polícia”, no qual aborda experiências nacionais e no próprio Haiti, enquanto Policial da ONU (UNPOL).

É sempre inspirador noticiar publicações de policiais brasileiros.

Parabéns ao veterano pela iniciativa!

Para mais informações, acesso o site Clube de Autores – link

 cover_front_big

Sinopse

Videocâmeras e Polícia traz uma análise jurídica, psicossocial e administrativa na utilização das câmeras de vídeo acopladas ao corpo dos policiais nas suas intervenções e operações. Em primeira análise, além de trazer a opinião dos doutrinadores das ciências jurídicas e decisões de juízes e tribunais à respeito da matéria, se apresenta também a opinião de profissionais que atuam na atividade de polícia, onde são demonstrados, além das suas experiências na área policial, a adequação de suas atividades ao mundo jurídico em que labutam. Em segunda análise, se busca identificar os principais aspectos que modificam o comportamento humano diante desses equipamentos trazendo experimentos realizados pela Universidade de Cambridge, Polícias Militares da Bahia e Distrito Federal, além das lições aprendidas na Missão da Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH), vivenciada pelo autor. Para finalizar, se demonstra os reflexos, com a prática da utilização de câmeras acopladas ao corpo do policial, na administração policial.

Published in: on dezembro 20, 2014 at 9:24 pm  Deixe um comentário  

Diretrizes do Exército para seleção de policiais militares para Missões de Paz em 2015

Encontra-se disponível no site www.coter.eb.mil.br, a diretriz de seleção, preparação e desmobilização de PM voluntário para Missão de Paz da ONU 2015.

As provas serão realizadas em Porto Alegre e Recife (23 a 25 março 2015) e em Brasília e Manaus (03 a 07 agosto 2015).

Diretrizes de Seleção de PM´s para Missões de Paz – Acesse o documento Diretrizes de PMs do EB para 2015.

Published in: on dezembro 20, 2014 at 5:59 pm  Deixe um comentário  

ONU solicita indição de policiais e militares brasileiros para cargos no DPKO e DFS

O Secretariado das Nações Unidas solicitou ao Brasil indicação de candidatos policiais e militares para concorrerem a cargos no Departamento de Operações de Manutenção da Paz (DPKO) e no Departamento de Apoio ao Terreno (DFS):
– Chief Medical Support Section , P-5(DFS_SEC1402_P-5); 
– Investigation Officer, P-3(DPKO_SEC1402_P-3);
– Police Reform Officer , P-3(DPKO_SEC1402_P-3);
– Military Training Officer , P-3(DPKO_SEC1402_P-3); 
– Police Training Officer , P-3(DPKO_SEC1402_P-3); 
– Police Selection and Recruitment Officer,P-4(DPKO_SEC1402_P-4); 
– Programme Officer (Security Sector Reform), P-4 (DPKO_SEC1402_P-4);
– Military Legal Officer , P-4(DPKO_SEC1402_P-4_06); 
Military Planning Officer, Military Planning Service, P-4 (DPKO_SEC1402_P-4);
– Assessment Officer , P-4 (DPKO_SEC1402_P-4);
– Military Training Officer , P-4 (DPKO_SEC1402_P-4); e 
– Chief Mission Management and Support Section , P-5 (DPKO_SEC1402_P-5).
* Os Oficiais selecionados serão contratados sob regime de  “secondment-contracted”, para um período inicial de dois anos.
** Candidatos que tenham sido aprovados no processo seletivo e não tenham sido chamados
para ocupar as vagas para as quais se candidataram poderão ser convidados a ocupar vagas abertas para cargos similares.
DEADLINE: 27 de fevereiro de 2015.
Published in: on dezembro 20, 2014 at 5:36 pm  Deixe um comentário  

Não conta lá em casa – NCLC (programa de TV)

Descobri um programa (reality-show/documentário, …) onde 4 amigos partem aos locais mais hostis do mundo, países e regiões pós-conflitos, em regimes ditatoriais ou devastados por catástrofes humanitárias. Muitos deles são locais onde existiram ou existem missões de paz, dos quais muitos dos policiais militares boinas azuis brasileiros serviram sob a égide da ONU, como a região dos Bálcãs (Bósnia, Kosovo, etc.), Timor Leste e Haiti.

Infelizmente, conseguir acesso as temporadas e aos episódios não é muito fácil. Atualmente, o “Não conta lá em Casa” – NCLC está na 7ª Temporada.

Para conseguir assistir os curtos e interessantes episódios, os quais duram entre 20 e 25 minutos, você terá que buscar alguns meios diferentes. O programa passa no Multishow, onde é possível acompanhar a saga anual do NCLC. Mas recomendo baixar o aplicativo Globosatplay (Temporadas 1, 2, 3 e 6). No site http://base1.tv/nclc/ você encontrará uma série de episódios das diversas temporadas, mas não todos…a maioria é apenas trailer. No youtube também encontrará alguns episódios e mesmo palestras dos aventureiros, que tem diversas profissões: são jornalistas, publicitário, cineasta, sufistas, bacharéis em direito, editores, tem até economista.

Alguns episódios são muito bons, outros nem tanto (quando perdem muito tempo mostrando viagens e não a essência dos locais, como na Sérvia, onde poderiam ter aproveitado a oportunidade rica de entender o que os intelectuais e povo pensam de todos os conflitos nos Bálcãs conduzidos por eles). Mas o conjunto da obra é rica e altamente recomendável, inclusive para os veteranos de missão como para os aspirantes.

Os caras são meio malucos às vezes, mas tem momentos que estão com Presidentes, Primeiros-Ministros, Nobel da Paz, personalidades mundiais ou simplesmente com pessoas simples da comunidade. São desenrolados e perseverantes! O programa pode ser visto como de viagens, aventura, político e documentário. Rápido e objetivo, contextualiza quem os vê, além de desmistificar locais que são lindos, apenas da imprensa “endemonia-los”.

nclactrONUtimorLeste

Foto 1 – André Fran (NCLC) deslocando de taxi em Díli no Timor Leste. Viatura da UNPOL (United Nations Police).

Eu assisti as temporadas 1, 2, 3 e 6. Estou tentando encontrar as 4 e 5.  E, infelizmente, ainda não consegui ver os episódios do Haiti, onde servi em duas missões (antes e pós terremoto). Oriente médio, Regiões do Cáucaso (Ossétia do Sul), Ucrânia, África (Tunísia e Egito) também promete muito!

Top programas para mim:

  1. Etiópia – riquíssimo mix de história, política e religião. (TOP 1)
  2. “Somaliland” e Somália – surreal.
  3. Irã – Surpreendente (positivamente).
  4. Coréia do Norte – os caras foram muito desenrolados e é um monte a parte.
  5. Timor Leste (2 episódios muito bons).
  6. Todos episódios dos Bálcãs.

 

Temporada 1 – Episódios:

Ep. 1 – Mianmar (Bruma) 1

Ep. 2 – Mianmar (Bruma) 2

Ep. 3 – Mianmar (Bruma) 3

Ep. 4 – Mianmar (Bruma) 4

Ep. 5 – Coréia do Norte 1

Ep. 6 – Coréia do Norte 2

Ep. 7 – Coréia do Norte 3

Ep. 8 – Coréia do Norte 4

Ep. 9 – Irã 1

Ep. 10 – Irã 2

Ep. 11 – Irã 3

Ep. 12 – Iraque 1

Ep. 13 – Iraque 2

Ep. 14 – Indo 1

Ep. 15 – Indo 2

Temporada 2 – Episódios:

Ep. 1 – Dinamarca – COP

Ep. 2 – Tuvalu 1

Ep. 3 – Tuvalu 2

Ep. 4 – Tuvalu 3

Ep. 5 – Etiópia 1

Ep. 6 – Etiópia 2

Ep. 7 – Etiópia 3

Ep. 8 – Somália 1

Ep. 9 – Somália 2

Ep. 10 – Somália 3

Ep. 11 – Afeganistão 1

Ep. 12 – Afeganistão 2

Ep. 13 – Afeganistão 3

Ep. 14 – Retrospectiva

Temporada 3 – Episódios:

Ep. 1 – Ravenna (itália – curso)

Ep. 2 – Banda Aceh 1

Ep. 3 – Banda Aceh 2

Ep. 4 – Banda Aceh 3

Ep. 5 – Timor Leste 1

Ep. 6 – Timor Leste 2

Ep. 7 – Albania

Ep. 8 – Bósnia 1

Ep. 9 – Bósnia 2

Ep. 10 – Sérvia

Ep. 11 – Kosovo 1

SUPER RECOMENDADO!!!!

Fica a dica ao NCLC para os demais países onde os policiais militares brasileiros estiveram e/ou ainda estão presentes, como Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Sudão do Sul. E outros onde “o bicho está pegando”, como Mali, Sudão, Costa do Marfim, Ucrânia, Venezuela e a própria Guatemala.

Sérgio

Published in: on novembro 30, 2014 at 12:53 am  Comments (2)  

Parabéns, boina azul!

Hoje é o aniversário do Sr. Marco Antonio, Capitão da Brigada Militar do Rio Grande Sul, veterano da MINUSTAH (Haiti) e UNMISS (Sudão do Sul), onde representou o nosso Brasil de maneira ímpar, com conduta ilibada e de alto comprometimento como um Policial da ONU (UNPOL) e peacekeeper.

capmarco haiti

Foto 1: Capitão Marco no Haiti

A carreira do Capitão Marco Antonio é marcada por uma trajetória de perseverança e dedicação, iniciando sua carreira como soldado (chegando até a graduação de sargento) e passando em um concurso para ser oficial da Brigada Militar, sendo o primeiro colocado do Curso de Formação de Oficiais (CFO) e do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais. Atuou em unidades de destaque, como o Batalhão de Operações Especiais, e é uma referência como um oficial líder e competente em seu estado e internacionalmente.

capmarco sudao do sul

Foto 2: Capitão Marco no Sudão do Sul

Ao amigo, companheiro de Missão, escritor, blogueiro (UN Police), estudioso, instrutor e palestrante sobre missões de paz e o papel do policial no âmbito da paz internacional, os sinceros votos de contínuos sucessos pessoais e profissionais e que possa gozar este dia ao lado da bela família que o acompanha e apoia em todas as suas investidas.

Felicidades!

Published in: on novembro 26, 2014 at 11:12 pm  Deixe um comentário  

Memorial Day – 11 Novembro

O Memorial Day (“Dia da Lembrança”) é o dia celebrado em vários países em homenagem aos militares e policiais que morreram em serviço da Pátria, quer em território nacional ou no exterior. O Reino Unido, após I GM, iniciou as homenagens (muitas teorias diferentes quanto a origem).

Nos dias atuais, o Memorial Day tem sido um dia de homenagens não apenas aos que faleceram mas aos veteranos (Dia dos Veteranos), reiterarando a importância daqueles que sacrificaram a própria vida em cumprimento ao juramento de servir a nação e a sociedade, sendo usado atualmente para militares e policiais.

Memória especial aos 490 policiais brasileiros mortos em serviço no ano de 2013 e ao 1 Tenente PMDF Cleiton Batista Neiva, que faleceu em decorrência dos terremotos de janeiro de 2010 no Haiti, a serviço da ONU. Cleiton foi o único policial militar brasileiro falecido no terremoto. (Quantidade de policiais militares falecidos em Missões de Paz da ONU link).

In memorian

Cleiton alone

FOTO 1 – Tenente PMDF Cleiton Batista Neiva no Haiti (2004-2005)

unnamed

FOTO 2 – Brasileiros falecidos no terremoto no Haiti em 2010 (civis, policial e militares)

unnamed (1)

FOTO 3 – Guarda de Honra Fúnebre composta por Cadetes da Academia de Polícia Militar de Brasília (2010) ao Tenente Cleiton. Honras de herói em seu funeral.

unnamed guarda

  FOTO 4 – Guarda de Honra Fúnebre composta por Cadetes da Academia de Polícia Militar de Brasília (2010) ao Tenente Cleiton.

Published in: on novembro 11, 2014 at 8:41 pm  Deixe um comentário  

The importance of the female peacekeepers

IMG_1293

Published in: on outubro 19, 2014 at 1:47 am  Deixe um comentário  

Novo mandato para MINUSTAH mantém efetivo policial (UNPOL) e reduz o componente militar em mais de 50%

Em 14 de outubro de 2014, o Conselho de Segurança da ONU estendeu o mandato da MINUSTAH para mais um ano, quando será revisto em 15 de outubro de 2015.

A nova Resolução afirma que situação de segurança é “estável” e que o componente policial (United Nations Police – UNPOL) permanecerá sem mudança, 2,601 policiais de cerca de 50 nacionalidades.

Todavia, o componente militar, com previsão de 5 mil militares, teve efetivo reduzido para 2,370.

Essa é uma tendência normal nas missões de paz, como ocorreu, por exemplo, no Timor Leste, havendo a redução gradual do componente militar e aumento e manutenção do policial, em especial, num país como o Haiti, onde a Polícia Nacional do Haiti (PNH) é a única instituição pública armada num país onde não existe Forças Armadas e nunca esteve em guerra.

Entretanto, efetivo militar (como Batalhão de pronto emprego) sempre existiu e continuará existindo, em muitos casos, até mesmo após o término da missão.

Published in: on outubro 14, 2014 at 7:17 pm  Deixe um comentário  

Ministério da Defesa deixa de indicar candidatos policiais militares para segundo cargo mais importante na MINUSTAH

Segundo o Ministério da Defesa, não é possível indicar às Nações Unidas, policiais militares para concorrer ao segundo cargo mais alto do componente policial (UNPOL) na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti – MINUSTAH, o de Deputy Police Commissioner for Development .

Assim como deixou de indicar policial brasileiro para o cargo mais importante, o de Comissário da Polícia (Police Commissioner), conforme já divulgado aqui, de fato, algum problema deve existir para o Estado brasileiro raramente indicar candidatos para os principais postos e cargos da ONU, quer em missões de paz quer em Sedes das Nações Unidas.

Este site tem divulgado constantemente as reiteradas “não indicação” de policiais militares por parte do Ministério da Defesa para o Ministério das Relações Exteriores, Pasta essa responsável pela comunicação junto a ONU.

Não deveria ter o Ministério das Relações Exteriores maior interesse no tema?

Seria falta de interesse de quem?

Falta de legislação apropriada? Falta de voluntários?

E qual a posição das Corporações PM e Governos estaduais?

A quem interessa que os policiais brasileiros nunca sejam indicados para concorrer a cargos importantes no sistema ONU?

Não seria também uma forma de promoção da imagem nacional ter policiais inseridos no sistema ONU, assim como os nossos militares fazem há décadas?

Chegado o momento para haver uma maior reflexão sobre o assunto.

Published in: on outubro 14, 2014 at 6:18 pm  Comments (2)  

Capitão PMDF Rodrigo Casas relata suas atividades em Port de Paix – Haiti

image10

“Em minha primeira classificação na Região Noroeste do Haiti, em Port de Paix, como Police Monitor and Advisor, desempenhei minhas atividades como mentor e conselheiro técnico junto à Polícia Nacional do Haiti (PNH), especificamente nas 8 (oito) Comissarias da Região Noroeste, realizando Fiscalização de Serviços como Controle de Trânsito, Patrulhamentos Motorizado e à pé, Pontos de Bloqueio, Deslocamento e condução de presos, controle de pessoas detidas na Comissaria, Cumprimento de Mandados, Intervenções diversas e Operações diversas como o Treinamento de Deslocamento de Pessoas em caso de Tsunami, Supervisão de Sala na aplicação das provas do Concurso de Admissão para a Polícia Nacional do Haiti, entre outras;

image5

Após um período inicial fui transferido para a Seção Departamental de Polícia Judiciária, onde fui designado como Conselheiro Técnico para acompanhar, monitorar e assistir a polícia local nos seguintes campos:

– Realização de investigações, auxiliando no método de entrevistas com suspeitos e testemunhas a fim de cumprir as normas locais e de direitos humanos;

– Prestar suporte na preservação de locais de crimes, bem como no deslocamento para colheita de informações e dados relativos a crimes,

– Análise de dados criminais da região noroeste e comparação estatística para fins de planejamento de operações.

– Reportar ao Chefe Departamental dos UNPOL da Região Noroeste sobre todas as atividades da SDPJ\NO, mantendo também contato com o Coordenador de Pessoal da Região.

image2

image1

image7

Como tenho que acompanhar as investigações e audiências, e como os policiais da SDPJ só falam francês e creole, tenho aprimorado meu francês e comecei a estudar creole com um professor local contratado da ONU, o que tem me facilitado o bom cumprimento do serviço.

image11

image9

De forma geral estou gostando muito de trabalhar fora do país e cumprir essa tão nobre missão de auxiliar a PNH em seu desenvolvimento e aprimoramento para melhorar as condições de segurança na Região Noroeste.

image17

image18

image16

Port de Paix, em 11 de outubro de 2014”

Published in: on outubro 13, 2014 at 10:16 am  Deixe um comentário  

PMDF representa quase 70% do efetivo policial na MINUSTAH (dez/2012-set/2014)

ERRATA(11.out.2014)

Dos 18 (vinte) policiais militares brasileiros que integraram a Missão de Paz da ONU no Haiti (MINUSTAH) entre dezembro de 2012 e setembro de 2014, 12 (doze) são da PMDF, o que representa 66,7% de todo o efetivo, embora pequeno numericamente. Os outros 06 (seis) representam: 01 PMESP, 01 PMERJ, 01 PMAL, 02 PMPE, 01 PMCE.

Entre junho de 2012 e dezembro de 2012, nenhum policial militar integrou a MINUSTAH.

Se considerarmos os 03 (três) oficiais recém-chegados à Missão (out 2014), que ainda se encontram no Treinamento Básico (Induction Training), e não foram classificados em funções na Missão (um da PMPR, um da PMERJ e um da PMAM), a PMDF representa 57% de todo efetivo desdobrado na MINUSTAH entre junho de 2012 e outubro de 2014.

Published in: on outubro 10, 2014 at 3:28 pm  Deixe um comentário