Oficial PMPA coordena operações em Porto Princípe

O então Capitão PMPA Bassalo em operações policiais no Haiti 🇭🇹. “Emprego de FPU durante as manifestações contra as mudanças de regras na legislação de educação do governo haitiano. No mês de junho de 2009, as manifestações foram escalonando ao longo do mês e, nesse dia em particular foi um dos mais difíceis. Todas as universidades ao redor do palácio nacional estavam ocupadas pelos estudantes, ruas bloqueadas, carros queimados, uma Guarnição UNPOL foi atacada e teve sua viatura queimada. Na foto ao fundo JORDAN FPU 2 . Conversando comigo o então comandante da JORDAN SWAT Capitão Sa’ed Al Maytah.

Nota: Esse oficial jordaniano foi morto ano passado em Mossul, cidade quase fronteiriça com a Jordânia, em um ataque do ISIS a sua base.” 👮🏻👮🏻‍♀️

Anúncios
Published in: on novembro 14, 2017 at 2:43 am  Deixe um comentário  

Conselho de Segurança da ONU aprova Resolução 2382 (2017) sobre Polícia, de iniciativa da Itália 

Link: https://www.un.org/press/en/2017/sc13056.doc.htm

MEETINGS COVERAGE

SC/13056

6 NOVEMBER 2017

SECURITY COUNCIL

8086TH MEETING (PM)

Adopting Resolution 2382 (2017), Security Council Supports Implementing Strategic Guidance Framework for Police Peacekeeping

Mission Police Force Chiefs Brief on Challenges, Addressing Members’ Queries during Interactive Dialogue

The Security Council this afternoon resolved to include, on a case by case basis, policing as an integral part of the mandates and decision-making structures of United Nations peacekeeping operations and special political missions.
Unanimously adopting resolution 2382 (2017), the Council would take into account the need to give clear, credible, achievable, appropriately resourced mandates for policing‑related activities, and emphasize in that context the need to ensure a United Nations system‑wide approach to the rule of law.
By the text, the Council would continue to promote and support the finalization and operationalization of the Strategic Guidance Framework for International Police Peacekeeping. It requested the Secretary‑General to, among other things, provide updates on progress in terms of gender‑responsive police reform and protection activities, where mandated, including efforts to make national police services more accessible and responsive to women.
Recognizing the important role that United Nations police components could play in the protection of civilians, including in preventing and addressing sexual and gender‑based violence, and violations and abuses against children, the Council urged police‑contributing countries to ensure that all deployed officers, formed units and specialized teams had undergone comprehensive training. It reiterated that the protection of children in armed conflict should be an important aspect of any comprehensive strategy to resolve conflict and build peace, underscoring in that regard the importance of specialized predeployment and in‑mission training and stressing the importance of enhancing coordination between police components and child, women and gender protection advisers.
Further to the resolution, the Council urged all police‑contributing countries to deliver robust predeployment training to prevent sexual exploitation and abuse and to ensure that all personnel to be deployed were vetted for previous criminal acts of sexual exploitation and abuse.
Welcoming efforts of Member States and the Secretariat to strengthen the strategic generation of both female and male police personnel with the appropriate expertise and language skills, the Council urged police-contributing countries to, among other things, substantially increase the numbers of women officers, doubling their numbers by 2020, and increase their representation in leadership positions.
Briefing the Council, Under‑Secretary‑General for Peacekeeping Operations Jean‑Pierre Lacroix said the United Nations police played a continued vital role in bridging the Organization’s work from prevention and peacekeeping to peacebuilding and development. United Nations police now operated on a solid foundation based on the Strategic Guidance Framework, used comprehensive approaches to operations, capacity‑building and development and focused on basic skills transfer and strengthening host‑State police institutions. As more was demanded from police officers, he said, there was also a need to ensure their welfare, safety and security in the field. As such, they needed to be supplied with up‑to‑date equipment to increase their situational awareness.
Issoufou Yacouba, Head of the Police Component of the United Nations Multidimensional Integrated Stabilization Mission in Mali (MINUSMA), said the situation on the ground was characterized by a resurgence of attacks against Malian security forces, Mission forces, Operation Barkhane, humanitarian workers and civilians in the north and centre of the country. MINUSMA had developed a comprehensive policing plan charged with strengthening the Malian structures that fought both criminality and terrorism. Some 24,000 security personnel had been trained, with 1,385 trained specifically for fighting organized crime and terrorism. A gender strategy was a large part of all training. In addition, Mission officers continued to support the work of the special judicial police.
Georges‑Pierre Monchotte, Police Commissioner of the United Nations Mission for Justice Support in Haiti (MINUJUSTH), said the first challenge of the transition was managing troop drawdowns and tailoring the initiative to the new landscape, including promoting gender equality. A harmonious transition had been made in cooperation with Haiti’s national police, using a new approach to transferring skills, with the aim of generating cultural exchanges. An advice and support programme had centred on mentoring senior officials in the areas of command and administration. More broadly, he encouraged police‑contributing countries to deliver the necessary resources and to include more female officers. 
Priscilla Makotose, Police Commissioner of the African Union-United Nations Hybrid Operation in Darfur (UNAMID), said including more women was indeed important. Noting that 20 per cent of UNAMID officers were female, she said few women were serving in the Sudanese police in Darfur, emphasizing that progress was essential in order to address conflict‑related sexual violence and sexual- and gender‑based violence. Women also needed additional training, mentoring, more role models and the appointment by Member States of more qualified females to senior positions. Turning to UNAMID priorities, she highlighted civilian protection and the creation of a protective environment through community policing initiatives and capacity‑building for Sudan’s police force. Mission police also supported the institutional development of Sudan’s police force.
Council members agreed that police work was a crucial part of United Nations peacekeeping and that the completion of mandates and exit strategies of missions were dependent on reformed and strengthened national capacity in security. They stressed that national ownership was critical and that given the multiple challenges that related to gender and communities, deploying female police officers was of particularly importance. Predeployment and in‑mission training of police personnel should also be enhanced, many delegates said, and better resource management should be focused on boosting capacities for planning, providing timely information and increasing communication and leadership.
The representative of the Russian Federation said that United Nations police must scrupulously comply with Council mandates and the principles of the United Nations Charter. While the Russian Federation had supported the resolution, he noted that work on the document had encountered difficulties. He also stressed that peacekeepers should under no circumstances become parties to a conflict nor be in a position to use force against a host State. China’s representative stressed the importance of observing Charter principles, including impartiality and no use of force except in self‑defence or when mandated. 
In an interactive dialogue, the Under‑Secretary‑General for Peacekeeping Operations and the police commissioners answered questions posed by Council members.
Representatives of the United States, Ethiopia, Ukraine, Uruguay, Sweden, Kazakhstan, Japan, Egypt, United Kingdom, Bolivia, France, Senegal and Italy also spoke.
The meeting started at 3:34 p.m. and adjourned at 6:03 p.m.
Briefings
JEAN‑PIERRE LACROIX, Under‑Secretary‑General for Peacekeeping Operations, said the Secretary‑General had made it clear in October that he wanted more efficient and cost‑effective peace operations. For the United Nations police, that meant playing a continued vital role in bridging United Nations work from prevention and peacekeeping to peacebuilding and development. United Nations police now operated on a solid foundation based on the Strategic Guidance Framework for International Police Peacekeeping, used comprehensive approaches to operations, capacity‑building and development and focused on basic skills transfer and strengthening host-State police institutions.
He said the Strategic Guidance Framework allowed for improving efficiency in police generation and performance measurement. In addition, the United Nations Police Division was finalizing an accountability framework. Playing an increasingly vital and unique role in civilian protection through community‑oriented and intelligence‑led efforts, United Nations police interacted with the local communities, established trust and collected early warning signs. Equally important was its work with host-State counterparts in prioritizing civilian protection and addressing serious and organized crime.
Improving effectiveness meant recruiting more women, he said, citing a range of examples. Women officers performed the same tasks as their male colleagues, among them, mentoring female police leaders of the future and helping to increase access to justice for women and children at risk. There was a need for more qualified women executives from Member States. On the issue of conduct and discipline, he said the Department of Peacekeeping Operations would not hesitate to replace units from countries that had failed to hold perpetrators accountable.
As more was demanded from police officers, he said, there was also a need to ensure their welfare, safety and security in the field. Police peacekeepers needed to be supplied with up‑to‑date equipment to increase their situational awareness. Other issues that must be addressed included disparities in conditions of service among different types of police personnel that had negatively impacted morale.
ISSOUFOU YACOUBA, Head of the Police Component of the United Nations Multidimensional Integrated Stabilization Mission in Mali (MINUSMA), said the situation on the ground was characterized by a resurgence of attacks against Malian security forces, Mission forces, Operation Barkhane, humanitarian workers and civilians in the north and centre of the country. A total of 86 Blue Helmets had been killed and 387 wounded since 2013, civilians suffered daily and socioeconomic conditions were equally worrying, with more than 500 schools closed. Criminal movements were substituting for the State in offering security and basic services because their trafficking‑based incomes. People were afraid to cooperate with the Malian and international forces due to fear of reprisal. Eradicating criminal activities should therefore be central to all security efforts in Mali, and integral to the mission of the Group of Five for the Sahel (Sahel G-5) Joint Force.
MINUSMA had developed a comprehensive policing plan charged with strengthening the Malian structures that fought both criminality and terrorism, he said. Some 24,000 security personnel had been trained, with 1,385 trained specifically for fighting organized crime and terrorism. A gender strategy was a large part of all training. Infrastructure improvement and upgrading of equipment was integral. MINUSMA police continued to support the work of the special judicial police. The investigative section of those police had taken full charge of the 71 cases under its control, which involved terrorism, money laundering, proliferation of arms and other major threats. Climate consequences were exacerbating the situation. Meanwhile, the social fabric of the Sahel was tearing, he said, urging the countries of the region to work closely together.
GEORGES-PIERRE MONCHOTTE, Police Commissioner of the United Nations Mission for Justice Support in Haiti (MINUJUSTH), recalled the practices that the previous United Nations Stabilization Mission in Haiti (MINUSTAH) had developed, including capacity‑building for the national police. The first challenge of the transition to the new Mission was the management of the drawdown of troops, including a reduction of 69 per cent of police officers to a total of 295. Another challenge was the need to tailor the initiative to the new landscape, including promoting gender equality.
A harmonious transition had been made in cooperation with Haiti’s national police, he said, using a new approach to transferring skills, with the aim to generate cultural exchanges. An advice and support programme had centred on mentoring senior officials in the areas of command and administration. Further, United Nations officers had been selected based on language skills and experience. In order to encourage participation and ownership, 11 round tables had been organized. He encouraged police‑contributing countries to deliver the necessary resources and to include more female officers. The police component could only be successful if it enjoyed material as well as human support in order to reach the mandated 295 qualified personnel level.
PRISCILLA MAKOTOSE, Police Commissioner of the United Nations‑African Union Hybrid Operation in Darfur (UNAMID), said priorities included civilian protection and the creation of a protective environment through community policing initiatives and capacity‑building for Sudan’s police force. As part of its mandate, Mission officers conducted patrols in camps for displaced persons and in communities while also managing public order during the distribution of humanitarian assistance and working with community policing volunteers on activities including arms collection. Mission police also supported the institutional development of Sudan’s police force.
Updating the Council on the reconfiguration of UNAMID’s police component, she also provided a snapshot of personnel, noting that 20 per cent of UNAMID officers were female. Despite greater gender awareness, few women were serving in the Sudanese police in Darfur, she said, emphasizing that progress was essential in order to address conflict‑related sexual violence and sexual- and gender‑based violence. More advocacy and support for victims of such violence was required. To receive more female United Nations peacekeepers, national police services must have proportional representation. Women also needed additional training, mentoring, more role models and the appointment by Member States of more qualified females to senior positions.
Statements
AMY NOEL TACHCO (United States) said it was evident that police work was a crucial part of United Nations peacekeeping. Completion of mandates and exit strategies of missions were dependent on reformed and strengthened national capacity in security. The safety of citizens and sustainable peace also relied on police activities. Expressing hope that MINUJUSTH found a strong partner in the Government of Haiti for its work, she noted challenges faced by the other operations and welcomed the adoption of resolution 2382 (2017) for improving the structural position of police in peacekeeping missions. “Police cannot be second‑class citizens in United Nations missions”, she said, emphasizing that the United States had contributed greatly to police work in the peacekeeping context to build lasting and sustainable peace in situations around the world.
TEKEDA ALEMU (Ethiopia) underlined the importance of United Nations police, given current trends and challenges. Building State capacity for security in order to allow transitions from peacekeeping to development was indispensable. In that context, national ownership was critical and national consultations should be constant in all stages of work. Deploying female police officers was particularly important, given the multiple challenges that related to gender and communities. Well‑trained and formed police units were essential for the success of all activities, he emphasized, adding that triangular cooperation was essential for strengthening the effectiveness of United Nations police activities.
VOLODYMYR YELCHENKO (Ukraine) said the United Nations police should be prepared to carry out complex tasks in preventing, mitigating and resolving conflict, and contributing to early peacebuilding and reconciliation. He expressed support for the Strategic Guidance Framework, stressing also that predeployment and in‑mission training of police personnel should be enhanced. For their part, peacekeeping operations should be given resilient mandates and advanced technologies to stop illegal cross‑border arms flows, criminals, foreign terrorist fighters and mercenaries. They also must have the means and resources to monitor and verify ceasefire agreements. Cooperation among police‑contributing countries, the Secretariat and the Council should be maintained to ensure timely troop generation and deployment.
ELBIO ROSSELLI (Uruguay) said the increasing relevance of the police component in United Nations peacekeeping operations had become ever more clear. Indeed, resolution 2382 (2017) had ascertained that the key role of United Nations police was at the forefront of efforts in the maintenance of peace. Having contributed police officers to peacekeeping operations since 1971, Uruguay was also home to a police academy for United Nations police, he said, welcoming the assessment and evaluation work conducted by the Department of Peacekeeping Operations. Police had a key role to play in the protection of civilians in the complex field of operations, he said, emphasizing his support for the zero‑tolerance policy of the United Nations regarding sexual exploitation and abuse. Turning to the briefers, he asked Mr. Monchotte what the major challenges were to the success of MINUJUSTH.
IRINA SCHOULGIN‑NYONI (Sweden), recalling Sweden’s long history of contributing to the policing capacity of United Nations peacekeeping operations, said effective, responsive and representative police services — as part of functioning rule of law institutions — were a cornerstone of stable, resilient societies. Swedish police and corrections officers were engaged in Liberia and the Central African Republic, working in the latter with Malian authorities to establish a rapid response unit for sexual and gender‑based violence. Calling for policing advice to be integrated as standard practice in mandate development and renewal, she asked the briefers how best to achieve that goal, and to reflect on MINUJUSTH’s transitional work so far.
YERULAN AKYLBAYEV (Kazakhstan), underscoring the need for clear mandates and directives for police continents in United Nations peace operations, said strong units were also needed to ensure the rule of law, security sector reform, protection of civilians and human rights. Noting that such an approach would lead to stable host countries and help prevent new conflicts — as well as attract new investments for economic development — he said the main task of United Nations police was to help strengthen national police, justice and corrections institutions as well as those that held them accountable. National ownership was imperative and priorities must be consistent with the host country’s culture and legal traditions, while not conflicting with international norms. The role of United Nations police in the protection of civilians with the military was a critical issue to be resolved, as were the broader capability and training gaps, notably by expanding the number of police‑contributing countries.
KORO BESSHO (Japan) welcomed resolution 2382 (2017) as part of efforts to build sustainable peace, for which police operations were essential. The results of recent peacekeeping reviews must be put into action in the field, with the newly adopted resolution providing important guidance for the way ahead. MINUSTAH provided a good example of international assistance to the rule of law in conjunction with national ownership, while it had paved the way for completing its mandate. Strengthening national police in Mali was also critical, he said, adding that Japan looked forward to actively supporting efforts to improve the effectiveness of United Nations police work.
AMR ABDELLATIF ABOULATTA (Egypt) said resolution 2382 (2017) strengthened the work of United Nations police by putting it in its proper context. Police were essential for addressing the emerging challenges to peacekeeping and were key for drafting exit strategies and maintaining sustainable peace. He reiterated full support for the police component of peacekeeping, noting that Egypt was the third‑largest police contributor and had pledged to contribute more personnel along with armoured vehicles. He asked what plans there were to allow security to be handed off in the area of UNAMID operations.
JONATHAN GUY ALLEN (United Kingdom), affirming the central importance of United Nations policing in building sustainable peace, said the Council should listen carefully to speakers today to respond to current challenges and reshape programmes. There was still much to be done to ensure effectiveness. Today’s resolution, while a step in the right direction, did not go quite far enough in addressing such considerations. He would have liked to have seen more emphasis on flexibility and analytic capabilities along with specialists to deal with specific peacekeeping situations. Policing should be incorporated into assessment efforts as well, he said, also affirming the importance of ensuring diversity in contingents, including a greater representation of women.
WU HAITAO (China) said with more than 11,000 officers employed in complex situations, United Nations police must observe the principles of the Charter, including impartiality and no use of force except in self‑defence or when mandated. The police component for peacekeeping operations should be tailored to the context, show respect for host countries, consider the needs of the situation on the ground and be subject to assessment or change. Host countries had the primary responsibility to protect civilians, with support from the police component. The Secretariat should boost interaction between the military and police components, he said, also noting the importance of better coordination between police‑contributing countries and host nations. For its part, China was the largest police‑contributing country among permanent members of the Council.
PEDRO LUIS INCHAUSTE JORDÁN (Bolivia) said police components played an important role in the maintenance of peace, particularly in providing civilian protection, advice and capacity building of the local police. It was important to create a consistent and nimble structure for components in order to contribute to transitional processes. Better resource management should be focused on boosting capacities for planning, providing timely information and increasing communication and leadership. In the context of peacebuilding, important elements included strengthening the role of police during mission transitions, gender mainstreaming and promoting the full participation of women in peace processes. He asked what efforts the police commissioners were undertaking to ensure that there was greater female police participation in their missions, especially in MINUJUSTH.
PETR V. ILIICHEV (Russian Federation), noting that United Nations police had to work under ever more complicated conditions, expressed support for their work in assisting local Governments in protecting civilians and national capacity‑building. However, they must scrupulously comply with Council mandates and the principles of the United Nations Charter, while recognizing the importance of national ownership and of not supplanting efforts of local police. While the Russian Federation had supported the resolution, he said work on the document had encountered difficulties and the Council had taken pains not to politicize the document. Peacekeepers should under no circumstances become parties to a conflict nor be in a position to use force against a host State. The ongoing dialogue between the Council and police- and troop‑contributing countries was important and platforms for such exchanges were available in the Council’s Working Group on Peacekeeping and the Special Commission on Peacekeeping Operations.
ANNE GUEGUEN (France) said police contingents had become more important as peacekeeping challenges had grown more complex. Today’s text underlined that fact. Police forces must continue to play a central role in the protection of civilians, particularly those most vulnerable, making it critical that they formed links with communities and coordinated closely with other components of peacekeeping operations. It was important for police to know well the needs of the host State and work with national actors to respond. Their effectiveness hinged on having adequate equipment and proper training. Capabilities for rapid deployment should be built. In addition, more women police should be deployed, as they helped create a link with the most vulnerable populations and were at the forefront of the battle against sexual abuse. Language capabilities were also critical and France was helping contingents prepare in that regard. She also described a European specialized training initiative for fighting organized crime and terrorism.
SALIOU NIANG DIENG (Senegal) said police components had become critical actors in multidimensional missions. Civilian protection was a priority, but there were many activities involved. A fuller view of police activities must be developed, particularly through the results of the High‑level Independent Panel on Peace Operations report. Today’s resolution reflected efforts to tackle the new challenges identified. He asked about communication constraints in capacity‑building as well as other areas, on the desirability of all‑women police units and other areas. Senegal, which was a leading police-contributing country, was constantly increasing its efforts to boost the role of women in police activities.
SEBASTIANO CARDI (Italy) affirmed the central role of police contingents in situations around the world, particularly in the fight against terrorism and organized crime as in Mali, in preventing the relapse in conflict as in Haiti, and in mainstreaming a necessary gender perspective as in Darfur. Readiness was crucial; for that reason the standing police capacity in Brindisi was an important asset. Predeployment training was vital for protection responsibilities, particularly of vulnerable groups. Recruitment of more women was another critical element of improving effectiveness. In all areas, police must be equipped with the resources they needed for effectiveness and for ensuring their safety.
Mr. LACROIX, answering Council members’ questions, said the debate had highlighted the vital and increasing role of United Nations police peacekeeping, complementary to the military component in the protection of civilians. United Nations police also strengthened local capacities in rule of law institutions, which was important in fostering peace and providing an exit strategy. Addressing a question about how the police dimension could be better integrated in Council mandates, he underlined the importance of better integrating the activities of different components of peacekeeping operations. He hoped the Council would provide steady support and encouragement to Member States to improve training and capacities. He also recommended an increased integration of the police component in regional and subregional organizations and the African Union. Other important issues included the importance of language for policing, and that resources and mandates were matched and that Member States provided funding for capacity‑building efforts.
Mr. YACOUBA said the issue of improvised explosive devices was of great concern for MINUSMA, Mali and the Council. The first response to the issue had to include predeployment training, which had already prevented many deaths. Incidents also occurred because protocol was not followed, which was a command issue. In addition, not all armed vehicles were strong enough to protect against anti‑personnel mines. The Mission had established a database that traced explosive devices in order to trace those who were behind the attacks.
He said another problem was the lack of trust between defence forces and local populations, an issue that could only be addressed through security sector reform. Defence forces must represent all peoples of Mali and must be accountable before the law, he said, stressing that impunity must end. Community policing units had been set up, supported by the Government of Mali, in order to increase trust, he said, adding that formed police units had a responsibility to learn local languages. The overall vision was to have an accountable police force that upheld the rule of law.
Mr. MONCHOTTE said integration coordination in MINUJUSTH was largely done through the local focal point. With respect to future challenges, the non‑politicization of the police was crucial. Budgetary challenges were also important to face and were being anticipated in current planning. In addition, MINUJUSTH faced the challenge of recruiting the appropriate personnel and securing the right equipment. As training in respect for human rights was critical, mechanisms for preventing abuse were being instituted. In regard to questions on the success of the transition, he said it had been due to a clear vision and planning coordinated closely with the national partners. Strong provisions for election security were also key, enabling the national police to gain invaluable experience. Gender equality was being secured through extensive structures and ongoing dialogue with the national police. Communications relied on the ability to speak a common language and French‑speaking experts were actively pursued.
Ms. MAKOTOSE said most displaced persons remained in camps in Darfur because of feelings of insecurity; she hoped that further confidence would be built. Sustainability in the rule of law was being built through training of trainers and the development of other institutional frameworks. A community policing programme had been developed, along with joint work with the rest of the country team in anticipation of the exit of UNAMID. Sudanese police were being deployed in many necessary areas, but not yet in all areas needed. On women’s participation, she was advocating with the Sudanese police through continuous engagement and had created a women’s network in that force. Traditional rulers and governors were being sensitized on the issue and were increasingly beginning to accept women police. On the language question, she said that geographical representation of personnel was crucial as was the availability courses in Arabic.
Resolution
The full text of resolution 2382 (2017) reads as follows:
“The Security Council,
“Recalling its primary responsibility under the Charter of the United Nations for the maintenance of international peace and security,
“Recalling its resolution 2185 (2014) on United Nations Policing, as well as relevant resolutions such as resolutions 1265 (1999) and 1894 (2009) on the protection of civilians, 1325 (2000) and 2242 (2015) on women, peace and security, 2086 (2013) and 2378 (2017) on peacekeeping operations, 2151 (2014) on security sector reform, 2171 (2014) on conflict prevention, 2282 (2016) on post-conflict peacebuilding, and statements of its President, such as the statement of 21 February 2014 (document S/PRST/2014/5) on the rule of law, as well as the statement of 14 July 1997 (document S/PRST/1997/38), and the reports of the Secretary-General (documents A/66/615 and S/2016/952) on United Nations Policing,
“Taking note of the report of the Secretary-General on United Nations Policing of November 2016 and its vision for United Nations Police Components ready to effectively address the challenges of the twenty-first century,
“Stressing the primary responsibility of States for the prevention and resolution of conflicts, as well as for the protection of civilians and the important contribution that United Nations Policing in peacekeeping and special political missions can provide throughout the conflict cycle, where and as mandated, including through the protection of civilians, capacity-building and development efforts of host-State police services, and noting the relevance of its contribution when considering the broader reform of the peace and security pillar,
“Affirming that lasting peace is not achieved nor sustained by military and technical engagements alone, but through political solutions and strongly convinced that such political solutions should guide the design and deployment of United Nations peacekeeping operations,
“Reaffirming its commitment to upholding the purposes and principles of the Charter of the United Nations, including its commitment to and respect for the principles of political independence, sovereign equality and territorial integrity of all States in conducting all peacekeeping activities and the need for States to comply with their obligations under international law,
“Further reaffirming the basic principles of peacekeeping, including consent of the parties, impartiality, and non-use of force, except in self-defence and defence of the mandate, and recognizing that the mandate of each peacekeeping mission is specific to the need and situation of the country concerned, and that the Security Council expects full delivery of the mandates it authorizes,
“Welcoming the role that United Nations Police Components can play in facilitating the transitions from peacekeeping to development and peacebuilding, and recognizing that improved performance of United Nations Policing can contribute to successful exit strategies of peacekeeping missions and will require continued transparent and accountable efforts to strengthen United Nations Police doctrine and its implementation and defining clearer standards for personnel, equipment, operations, performance, and assistance to host-State police services, as well as increased training and capacity-building to prepare police-contributing countries and ensure predictable deployment,
“Stressing that the successful implementation of the mandates of peacekeeping operations and special political missions requires close cooperation and use of integrated planning mechanisms between the different elements of these missions, including between police, military and civilian components, under the overall leadership of the Head of Mission,
“Noting the important role United Nations Policing can play, where mandated, in strengthening the rule of law and security sector reform and reaffirming the lead role of national authorities in progressing the reform of police and other law enforcement agencies as part of wider rule of law and security sector reform efforts, including in dedicating national resources towards national police and other law enforcement institutions, and monitoring the impact of police reform, and recognizing that the political leadership and political will of national authorities are critical in this regard and success necessitates national ownership,
“Highlighting the important role that United Nations Police Components can play in building the capacity of host-State policing and other law enforcement institutions, as mandated, in particular through building principles of community oriented policing and in addressing organized crime, particularly through support in the areas of border, immigration and maritime security and crime prevention, response and investigation, where mandated,
“Having considered that transnational organized crime undermines stability and further considering that transnational organized crime can benefit international terrorism, which may require strengthening or rebuilding of criminal justice systems to address relevant threats,
“Recalling the work conducted by the Security Council Working Group on Peacekeeping Operations, the Fourth and Fifth Committees of the General Assembly and the Special Committee on Peacekeeping Operations, which have provided guidance to the Secretariat on United Nations policing including on a standardized approach to United Nations Policing and compliance thereto, as well as support to the United Nations Secretariat to address capacity and capability gaps, where they exist, thereby improving the performance of United Nations Policing,
“Noting the increasing scope and reliance on police abilities in United Nations operations and welcoming ongoing efforts to attain specialized capacities, capabilities and technologies for United Nations Police Components, further noting the Policy for Formed Police Units in United Nations Peacekeeping and encouraging Member States to contribute well-trained and appropriately vetted men and women police personnel with appropriate language skills for formed police units (FPUs) with the full complement of agreed contingent-owned equipment, specialized police teams (SPTs) and individual police officers, as well as civilian experts, to effectively implement mandated tasks and facilitate the conditions for transitions and exits,
“Noting that host-State policing institutions should be the primary link between the government, individuals and communities on security issues, reiterating that professional, effective, accountable, and accessible law enforcement, corrections, and judicial institutions are necessary to lay the foundation for sustainable peace and national development, and further noting that failure to address operational and accountability deficits in police institutions can undermine the positive gains made, and thus risks a relapse into conflict,
“Recognizing the indispensable role of women in United Nations peacekeeping and special political missions, including the critical role that women play in all peace and security efforts, including by providing diverse perspectives which can assist in building trust with local communities and stressing the need to increase their participation and leadership in decision-making in host-States with regard to policing and the rule of law,
“Welcoming the efforts to incentivize greater numbers of women in military and police deployed and appointed to senior positions in United Nations peacekeeping operations, as both individual police officers (IPOs) and as part of SPTs and FPUs, and efforts to review the obstacles preventing women’s recruitment and professional advancement; taking note in this regard of the Secretary-General’s System-Wide Strategy on Gender Parity which tasks relevant United Nations entities, in consultation with police-contributing countries, to develop a separate, dedicated strategy on this matter,
“Reaffirming its determination to pursue more prioritization when evaluating, mandating and reviewing United Nations peacekeeping operations, including through strengthening Triangular consultations with troop- and police-contributing countries and the Secretariat, strengthening existing formal mechanisms, and underlining the shared responsibility for meaningful, inclusive, active and dynamic consultations, as well as enhancing its dialogue with host countries, with the aim of fully and successfully implementing peacekeeping mandates,
“Noting with appreciation the improved cooperation between the United Nations, international, regional and subregional organizations and initiatives, including through training, sharing of experience, exchange of information, thematic expertise and operational readiness as appropriate, and the establishment by the United Nations Police Components of a serious and organized crime focal point network, and further noting that these efforts can strengthen host-State police and other law enforcement agencies’ capacities and capabilities to counter transnational threats,
“1. Stresses that the primacy of political solutions should be the hallmark of the approach of the United Nations to the resolution of conflict and resolves to include, on a case by case basis, policing as an integral part of the mandates and decision-making structures of United Nations peacekeeping operations and special political missions, taking into account the need for consistent integration of police expertise within the planning of such missions, and to give clear, credible, achievable, appropriately resourced mandates for policing-related activities, and emphasizes in this context the need to ensure a United Nations system-wide approach to the rule of law;
“2. Underscores the critical importance of improving accountability, transparency, efficiency and effectiveness in the performance of United Nations peacekeeping operations and special political missions and calls on the Secretariat to continue efforts to strengthen doctrine and define clear standards for personnel, equipment, operations, performance, and assistance to host nation police forces for effective performance of United Nations Police in missions, as well as for preparing police-contributing countries for deployment, and requests the United Nations’ Secretariat to assist Member States’ training activities by providing timely and complete information regarding the training needs of police-contributing countries and those with the capacity to deliver such training, to ensure coherence and identify where capability gaps remain, thereby enhancing triangular cooperation;
“3. Reaffirms its ongoing efforts to review peacekeeping operations to ensure maximum effectiveness and efficiency on the ground, and to deepen these efforts in partnership with police-contributing countries, and requests the Secretary-General to ensure data streams related to the effectiveness of peacekeeping operations, including peacekeeping performance data, to include police, are centralized to improve analytics and evaluation of mission operations, based on clear and well-identified benchmarks;
“4. Resolves to continue to promote and support the finalization and operationalization of the Strategic Guidance Framework for International Police Peacekeeping, to conduct targeted recruitment based on identified field needs and develop a measurable accountability framework for the implementation of mandates, and requests the Secretary-General to consider undertaking the following to ensure the timely completion of country-specific mandates and improve performance:
(a) Strengthen the collaboration of United Nations Policing with the Peacekeeping Strategic Force Generation and Capability Planning Cell, so that police and military requirements are coordinated, force generation occurs in concert and performance data is centralized to improve performance based decision-making;
(b) Provide additional guidance for relevant officials, including for Special Representatives of the Secretary-General and Special Envoys, and assist relevant senior United Nations management to understand how to deliver mandated police-related tasks;
(c) Highlight in his regular reports to the Security Council concerning specific United Nations peacekeeping and special political missions mandated by the Security Council, updates on progress in terms of gender-responsive police reform and protection activities, where mandated, including efforts to make national police services more accessible and responsive to women, in order to improve Security Council oversight of police reform and protection of civilians activities in accordance with resolutions 2122 (2013) and 2242 (2015);
“5. Recognizes the role of United Nations Policing in contributing, as appropriate, to the United Nations’ efforts to prevent conflicts through, inter alia, as mandated, protection of civilians, and assisting host-States with relevant capacity-building and calls on the Secretary-General to make sure that planning of United Nations peacekeeping and special political missions with police mandates are based on a thorough analysis of the context, capacities and needs of host States;
“6. Reaffirms that States bear the primary responsibility for protection of civilians and recognizes the important role that United Nations Police Components can play, where and as mandated, in the protection of civilians, including in preventing and addressing sexual and gender based violence, and, where applicable, conflict-related sexual violence and violations and abuses against children in the context of conflict and post-conflict situations, including, where appropriate, supporting the efforts of host authorities to build and reform policing and law enforcement institutions so they are able to sustainably and consistently protect civilians, and in this regard:
(a) Urges police-contributing countries to ensure that all deployed IPOs, FPUs and SPTs have undergone comprehensive training, including specific training on protection of civilians, sexual and gender based violence, as well as child protection, as a key part of their predeployment training, to successfully fulfil their mandates;
(b) Requests the Secretary-General to ensure that United Nations Police Components support protection of civilians activities as part of the whole of mission approach in missions with protection of civilians mandates;
(c) Reiterates that the protection of children in armed conflict should be an important aspect of any comprehensive strategy to resolve conflict and build peace and of capacity-building efforts in support of host-State police, law enforcement agencies and, where appropriate, juvenile justice systems; underscoring in this regard the importance of specialized predeployment and in-mission training on mission-specific child protection and on appropriate comprehensive child-sensitive prevention and protection responses, as well as monitoring and reporting on violations and abuses committed against children, and stressing the importance of enhancing coordination between Police Components and Child Protection Advisers, as well as Gender and Women Protection Advisers as outlined in all relevant United Nations Security Council resolutions;
“7. Requests the Secretary-General to continue and strengthen efforts to enhance measures in United Nations peacekeeping and special political missions against all forms of sexual exploitation and abuse by United Nations personnel and on support to victims in cooperation with the Victims’ Rights Advocate, urges all Police-Contributing Countries to ensure that all police personnel to be deployed are vetted for previous criminal acts of sexual exploitation and abuse and to deliver robust predeployment training to prevent sexual exploitation and abuse, and recalls the primary responsibility of troop-contributing countries to investigate allegations of sexual exploitation and abuse by their personnel and of troop- and police-contributing countries to hold accountable, including through prosecution, where appropriate, their personnel for acts of sexual exploitation and abuse, taking into account due process;
“8. Reaffirms the importance of national ownership and leadership in peacebuilding, whereby the responsibility for sustaining peace is broadly shared by the Government and all other national stakeholders, and recognizes that United Nations Police Components, including IPOs, FPOs and SPTs can contribute to building and sustaining peace by supporting host-State police and other law enforcement services, as mandated,
“9. Recalls in this regard the importance of United Nations Policing-related support to non-United Nations security forces adhering to the Human Rights Due Diligence Policy,
“10. Recognizes the importance of United Nations Policing by:
(a) Reaffirming its commitment to continue to convene the annual briefing of Heads of United Nations Police Components established in resolution 2185 (2014);
(b) Highlighting, where appropriate, United Nations Policing aspects in deliberations of the Security Council Working Group on Peacekeeping;
(c) Encouraging the inclusion of United Nations Policing issues in briefings of the Secretary-General’s Special Representatives and Special Envoys and in the reports of the Secretary-General, where appropriate;
“11. Stresses the importance of national ownership and commitment in policing and that, where appropriate, a thorough assessment of national capacity gaps in the area of police activities should inform United Nations Policing capacity-building activities and police development, including the composition of United Nations Police Components, and during planning, recruitment, the provision of guidance, and training,
“12. Welcomes the efforts of Member States and the Secretariat to strengthen the strategic generation of both female and male police personnel with the appropriate expertise and language skills, in order to convey information and provide technical assistance in the most accessible manner to the desired audience, including through participation in the United Nations Chiefs of Police Summit and engagement in the Peacekeeping Capabilities Readiness System for Rapid Deployment, and urges police-contributing countries to contribute further:
(a) Well-trained, equipped and performing FPUs, including rapidly deployable FPUs;
(b) Highly qualified IPOs and civilian experts with specialized skill sets;
(c) SPTs with proper support;
(d) A substantial increase in numbers of female police across the different roles, with the aim of an overall doubling by 2020, and increasing representation in leadership positions, in line with resolution 2242 (2015) and the original United Nations Global Goal to reach 20 per cent female officers by 2014;
(e) Police units that have completed predeployment training, with the support of the Secretariat, as appropriate, within the areas of their respective responsibilities, so that relevant mechanisms are in place to evaluate Member States’ predeployment readiness;
“13. Reiterates the importance of gender analysis in all police activities and mission phases and the role of Police Gender Advisers and its request to the Secretary-General to enhance coordination between Police Components and Child Protection Advisers, as well as Gender and Women Protection Advisers, calls upon the United Nations Secretariat to work closely with Member States and UN-Women to overcome systemic challenges regarding the eligibility of female police for United Nations missions, such as entry requirements, including by instituting special measures, or supporting women police associations, and encourages Member States to provide updates annually on these efforts, and share good practices in this regard;
“14. Notes the continued efforts of the Secretary-General to enhance performance in the peace and security pillar and encourages the Secretariat to assess issues concerning the functions, structure and capacity of the Police Division in consultation with Member States;
“15. Welcomes the work of the Police Division Standing Police Capacity (SPC) in providing a rapid, coherent, effective and responsive start-up and assistance capability for the Police Components of United Nations peacekeeping and special political missions, as well as support to other United Nations entities through the Global Focal Point for Police, Justice and Corrections arrangement, and requests the Secretary-General to ensure the work of the SPC is better integrated into efforts of United Nations peacekeeping operations to ensure coordination and information sharing and that the SPC is used to maximum effect;
“16. Requests the Secretary-General to provide a report by the end of 2018, including on:
(a) Implications for the delivery of policing mandates stemming from any changes to the United Nations Secretariat’s Peace and Security Architecture;
(b) Strengthening United Nations Policing’s operational and policy coherence within the United Nations system;
(c) Improving United Nations capability, accountability and transparency on United Nations Policing;
(d) Planning for strategic police generation gaps and key skill sets;
(e) Ensuring coherence of relevant United Nations Policing initiatives, in order to improve mission transitions and timely exits;
(f) Strengthening partnerships between the United Nations and international, regional and subregional organizations in accordance with Chapter VIII of the United Nations Charter, in the areas of policing.”

Published in: on novembro 7, 2017 at 1:02 am  Deixe um comentário  

Police Division has a new Advisor 

Secretary-General appoints Luis Carrilho of Portugal as United Nations Police Adviser in the Department of Peacekeeping Operations

United Nations Secretary-General António Guterres today announced the appointment of Luís Carrilho of Portugal as United Nations Police Adviser in the Department of Peacekeeping Operations. He will succeed Stefan Feller of Germany to whom the Secretary-General is grateful for his dedication, professionalism and leadership on United Nations policing issues. 
Mr. Carrilho is Chief Superintendent with the Polícia de Segurança Pública in Portugal. He served as United Nations Police Commissioner in three United Nations peacekeeping operations, notably in the Multidimensional Integrated Stabilization Mission in the Central African Republic (MINUSCA) (2014-2016), the United Nations Stabilization Mission in Haiti (MINUSTAH) (2013-2014) and the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) (2009-2012). He also served in the United Nations Transitional Administration in East Timor (UNTAET) (2000-2001) and the United Nations Mission in Bosnia and Herzegovina (UNMIBH) (1996-1998). 
Mr. Carrilho previously worked in the office of the President of the Republic of Portugal as the Head of Security and as the Commander of Close Protection of the Security Police in Lisbon. He studied at the Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna. 
Born in 1966, he is married and has two children. 
New York, 1 November 2017

Published in: on novembro 1, 2017 at 8:24 pm  Comments (1)  

Policial militar comanda as primeiras operações policiais na nova missão de paz da ONU no Haiti (MINUSJUSTH) 

Operações policiais já sob a égide da nova missão no HAITI 🇭🇹 (MINUSJUSTH), onde contamos com 2 policiais militares. A Primeira foto operação em Grand Ravine com FPU De Senegal e HNP. Segunda foi uma operação aérea para Miragoane, HNP e FPU de Bangladesh. Em ambas o Tenente Paulo (PMMG) foi quem fez o draft da Ordem de Operações e quem comandou no terreno. Tenente Paulo segue dando continuidade à tradição policial militar brasileira na área operacional no Haiti, sendo o primeiro na nova missão da ONU. 

Published in: on outubro 25, 2017 at 4:56 pm  Deixe um comentário  

Dois brasileiros no combate à tragedia africana 

Published in: on outubro 15, 2017 at 11:40 pm  Deixe um comentário  

Haiti – Country Diagnostic – Governance and Development

Por Daniela Schermerhorn (Cap. PMDF/Veterana MINUSTAH

Master of International Development Policy Candidate/ DUKE CENTER FOR INTERNATIONAL DEVELOPMENT – DCID

1. Haiti: An Instable Context
A. History
Haiti is a fragile state with a complex history that involves exploitation, massacres, racism, slavery, persecution, occupation, natural catastrophes and extreme poverty. The conflict ridden path of Haiti starts with the battle for independence against colonialism, transitioning to a post-independence period, shaped by deep political instability and ruthless governance. The context and development of their socio and political structures along history have a severe impact on Haiti’s unstable situation. Consequently, to examine present and future indicators of governance and development, it is essential to comprehend the past.

From Colonization to Independence
Haiti was first discovered by a Spanish expeditionary campaign led by Cristopher Columbus, who landed on the island of Hispaniola in 1492, placing his first settlement known as “La Navida” on the north of the island. From this moment, in a ruthless campaign to find gold and exploit the new land, a Spanish colony was established on the island, where the native population described as “Taino Indians” were enslaved and decimated (Hankins, Lamar; 2010).

From 1600, the French established a settlement in the western part of Hispaniola, further recognized by Spain through the treaty of Ryswick. The new colonizers were now interested in agricultural production of tropical goods such as sugar, tobacco, cotton and indigo, to supply European markets. To boost their profit, they shipped millions of enslaved Africans to work on the plantations, which were submitted to all kinds of torture and terror, to maintain discipline. Quickly enough, the French colony established in Hispaniola, now named Saint-Domingue and located in the area where Haiti territory would be outlined, became the most profitable plantation colony in the “new world”, producing about 40% of all sugar consumed in Europe and 60% of its coffee (Dubois, Laurent; 2006).

At the rise of French and North America revolutions, Saint-Domingue had a population formed by 32,000 French, 24,000 freedmen of mixed blood, and nearly 500,000 African slaves from different countries, tribes, speaking different languages, professing different faiths and cultures (Dubois, Laurent; 2006). Following the ideals of liberty, equality and fraternity emerging in French, a strong coalition of Africans, island-born workers, free men of color and emancipated mulatto started to organize a massive revolution in Haiti, which occurred from 1791, changing their history forever.

 Haitian independence, as a free slave nation, was proclaimed by Jean-Jacques Dessalines in 1804. However, it was conquered through a bloodshed war against all those maintaining exploitation and slavery in Haiti (Clark, Ramsey; 2010). Frightened by violence, practically all whites who survived the war, who were responsible for government institutions, fled the island following the departure of the defeated French army (Dubois, Laurent; 2006).

As a result of being the second independent State in the Americas and the first in Latin America, Haiti paid a high price. The years of war shattered the economy, destroying plantations, most of the irrigation system, machinery and installations, and without slavery there was no available free labor to restore agriculture. The state structure was devastated, and an incipient monarchy ruled by the emperor Jacques I (Jean-Jacques Dessalines), attempted to unite a divergent mixed population into a free amorphous state, by means of control supported by the army. Increasing the problem, in 1825 France demanded a large amount of money as compensation to recognize Haiti independence, leaving the country with a deep external debt, which persists nowadays. Many countries that felt threatened by the slave revolution, refrained from commercial exchanges with Haiti, in special the US, impacting severely the weakened trade market of the country, increasing the impoverishment and misery of this nation (Clark, Ramsey; 2010).

Post-Independence: Conflict and Instability
After independence, considering the diversity of its population, Haiti commenced a very unstable political period, with several groups emerging. Between 1843 and 1911, after Dessalines assassination, the country had sixteen rulers holding the highest government position, alternating between anarchy and dictatorship regimes. From these leaderships, eleven were forcibly ousted by revolutionary groups. From 1911 to 1915 the situation became worse with one president having blown up in the Presidential Palace, another poisoned to death, three forced out by insurgency movements, and in 1915, the opposition conducted a public lynching of President Guillaume Sam (Collaborative Learning Projects; 2016).

Invoking the Monroe Doctrine[1] and humanitarian values, the US initiated an occupation that would last nineteen years, pledging the intention to conduct Haiti toward a democratic governance. Although there were advancements in security and improvements in financial infrastructure and the banking system (Buss, Terry F; 2008), many grievances are connected to this occupation, since the main promise of promoting capacity building and improvement of local governance was not accomplished.

During the US occupation, there were no presidential elections. Government officials, administrators and members of the parliament were directly appointed and maintained by the US, excluding nationals from public decisions and own administration. The whole maintenance of this dominant system, was supported by a professional national army, trained and equipped by the US, to keep the established order. The external debt of Haiti was funded during the occupation by expensive US loans, increasing their foreign dependence, and the Haitian constitution was altered permitting ownership of Haitian property by foreigners, contradicting deep revolutionary values (Buss, Terry F; 2008).

However, the biggest resentment left by this period refers to the US sudden withdrawal in 1934, when the US President Franklin Roosevelt ended the occupation, removing the US administrative structure in place, without preparing the country to self-govern. At that moment Haiti was as poor as ever, with a higher national debt now to France and the US, and no leadership, gradually returning to a status of deep political instability (Buss, Terry F; 2008).

Following that, the governments assumed power through coupe d’états. Military radical rulers and general poor governance furthered inequalities and exploitation of low economic classes, as political representatives were more concerned to assure their position and power then addressing social and economic problems (Smith, Mathew J.; 2009). Democratic innovation, as direct popular elections, were introduced in 1956, compelling candidates to add a new campaign concern. Now they had to develop capacity to manage political alliances and convince the popular electorate. As a result, tribalism threats and violence emerged as a tactic of convincing popular voters, what is still in place on present days.[2]

The next 39 years, from 1957 to 1986, were marked by the Duvaliers’ dictatorship. François Duvalier, commonly known as “Papa Doc”, and his son Jean-Claude Duvalier “Baby Doc” retained power, supported by high military officials and funded by the US, as they were allies on the cold war. “Papa Doc” created a paramilitary force, the Tontons Macoutes, employing wanton violence, connected to voudou practices to maintain the order and fight any resistance (Smith, Mathew J.; 2009). His repressive style was maintained by his son “Baby Doc”, and once more equity and social improvements were not a major political concern. Power was ensured by means of violence, killings of opposition, and generalized civil unrests.

In 1990, after a new coup d’état returning power to a violent military regime, international pressures forced the government to open elections. With popular landslide victory, Jean Bertrand Aristides, a former priest and populist politician, assumed as president. Although Aristides held large popular support, his anti-elitist measures upset many people, and in less than one year after his assumption, he was ousted by a military junta and further exiled in Venezuela. His military successor sponsored state terror and right wing death squads to maintain power, killing and displacing thousands of Haitians. In resistance, the international community embargoed commercial trades with the military government, leaving Haiti in extreme economic ruin, with closure of textile factories, which at this point were responsible for a great share on Haiti’s GDP. The poor became poorer and the government turned to drug trafficking as an important source for military revenue. The embargo also helped to create a prosperous environment for black markets and organized crime. (Buss, Terry F; 2008).

Duo to the overall deterioration of Haiti as a fragile state, in 1994 the US started a new occupation period, now authorized by the United Nations, sending 20,000 troops to assure restoration of Aristides government. Aristides spent one controversial year in office in which his major accomplishment was the dissolution of the national army. In 1995, Aristides ally René Preval assumed after low turnout elections, promoting necessary measures such as privatization of government enterprises, reduction of government expenditures and downsizing the civil services. In 2000 Aristides returned to power, but now with a huge opposition claiming unfair elections. To assure governability, Aristides allowed violence and human rights violations against his opposition, contradicting his commitment with the international community. In 2004, weak and alone, Aristides resigned, giving place to a transitional government monitored by the international community.

In April 2004 the UN Security Council voted for the establishment of the United Nations Stabilization Mission in Haiti – MINUSTAH, in an attempt to protect human rights, address inequalities, strength institutions, restore growth and allow development. It ended a turbulent phase offering an optimistic prospect for the future. 2006 is remarked as the year in which elections were held democratically for all levels of government, under supervision of international community. Combat to drug traffic and criminal organizations allowed installation of a relatively secure environment and new public private partnerships gained a window of opportunity to improve national economic growth. This tough task is ongoing and the UN Mission and many International Organizations remain supporting Haiti in its reconstruction phase (United Nations Stabilization Mission in Haiti; 2016).

Observing Haiti throughout its historic political panorama, it is evident that keeping political power stands as the biggest objective of government officials, that used many strategies to maintain their positions including ruthless violence, human rights violations and general exploitation, which intensified inequalities along the way. Sum to this picture a true lack of political accountability, weak institutions and no concern regarding the miserable life condition of the overall population, and a fragile state unable to provide basic needs and services for its citizens is framed, helping to understand why Haiti stands as one of the poorest countries in the world living a protracted conflict since its colonization period.

B. Geography and Environment
In addition to historic socio-economic and political aspects, Haiti’s geographic location and environmental conditions provide an important perspective about factors hindering growth and development. The country is located on an island on the northern Caribe region, in a tropical climate zone placed within major tectonic faults separating the Caribbean and North American plates. There is a great risk of earthquakes and real risk of seismic hazards such as soil liquefaction and tsunamis.[3] It has two distinct rainy seasons with a moderate period from April till June, intensifying between October and November, also known as hurricane season. Natural phenomenon as the El Niño, ENSO, La Niña and the northern winter season can also impact the water imbalance in Haiti, producing substantial rainfall or periods of drought. The rainy season is commonly followed by flooding, landslides and torrential debris flow, especially in urban centers, that are often deadly and highly destructive (Government of Haiti; 2010).

According to the Global Climate Risk Index 2016, Haiti is within the most affected countries by natural events on the last 20 years (Kreft, S.; Eckstein, D.; Dorsch, L.; and Fischer, L.; 2015). The UNDP Disaster Risk Index also identifies Haiti as one of the most vulnerable countries to natural disasters, as they had experienced throughout history approximately: 01 major earthquake; 13 hurricanes; 6 major floods, 01 major period of drought and several tropical storms (UNDP; 2015).

As direct consequences of about 40 hydro-meteorological catastrophes and one major earthquake lived by Haiti between 1963 and 2013, there were landslides, floods washing out nutrients affecting the overall agricultural production, displacement and homelessness of thousands of citizens, many personal injuries, around eight million deaths, countless orphans, and a profound psychosocial trauma. Only the earthquake of 2010 caused an economic loss totaling almost US$8 billion (Government of Haiti; 2010).

Environmental degradation and climate change play a special role as a deterrent on development process, worsening the overall situation in Haiti. Deforestation is still on top of concerns, since in comparison between 1956 and 2010, the proportion of natural forests, which is very low, decreased from 5.5% to 2.6%, and this trend persists especially because electricity access still very incipient and roughly 92.7% of Haitian households depend on use of wood or charcoal for cooking. Water resources are also being depleted, both in quality and quantity, with an expressive amount of 8.6% of total renewable water resources consumed between 2003 and 2012 (United Nations Development Program; 2014). Access to sanitation represents a great environmental challenge with low improvement since 1995, and mass migration to urban centers, looking for public aid as a result of displacements and homelessness caused by natural disasters, overwhelms the underdeveloped infrastructure increasing inequalities and state fragility.

All those factors represent serious obstacles to recovery and development in many different levels, placing geographic propensity to natural disasters and environmental concerns as significant features on the deterioration of country’s resources and economic stability. Likewise, it delays and frequently backslide necessary structural advancements, increasing vulnerabilities and aggravating grievances.

2. Governance Problems
A. An Analysis of Development Indicators
Entrenched in poor governance history, impacted by critical environmental hazards, Haiti has shown persistent low performance in all indicators of development and growth, from socio-economic levels to political sphere.

Socio-Economic Indicators
Haiti is considered the poorest country in the Americas and one of the poorest in the world (The World Bank, 2016). The country’s GDP is highly dependent of foreign assistance and has been experiencing a slow growth over the past years. The services sector represents 58.2% of the GDP, followed by the agriculture sector (21.5%) and Industry (20.3%) (Central Intelligence Agency, 2016). The public debt equals 30.4% of the GDP, limiting public expenditures, and the country qualifies as having a repressed economic freedom (The Heritage Foundation, 2017).

With a population above 10.6 million citizens, highly concentrated in urban areas, the GDP Per Capita measured in 2017 was $820.00 (The World Bank, 2017). The inequality within society is high, reaching 59.2 points in 2013, as per the Gini Index, clearly indicating severe distributional problems. But the income inequality is even more evident when analyzing the poverty rates. Approximately 2.5 million Haitians were acknowledged as living in extreme poverty in 2016, meaning that about 23% of all population survive with less than $1.25 per day. More alarming is that 59% of its overall population live under the national poverty line corresponding to $2.42 per day (The World Bank, 2016).

With such large population living in poverty, it is not surprising that the country faces huge food insecurity. It is categorized in alarming situation on the global hunger index, with a negative evolution from 43.4 points in 2008 to 36.9 in 2016. The deterioration of food security is correlated to major natural catastrophes, such as the 2010 earthquake and most recently the 2016 hurricane Mathew (IFPRI, 2016). The presence of internal displaced people camps (IDPs) still high, being a home for 55,107 people (Central Intelligence Agency, 2016). Almost half of the population has no access to clean drinking water, and one-third has no access to sanitation, fostering spread of cholera and other contagious diseases. The health system is still underdeveloped, which has direct impact the well-being of people and may increase mortality rates, especially during crises. In addition, only 10% of inhabitants has access to electricity (UNICEF, 2009), which furthers environmental degradation.

According to the UNDP, the human development index identified generally low figures in life expectancy, GNI per capta and education (UNDP, 2015). Access to education has shown some improvement for children, however quality of education is still compromised. According to the USAID, a recent early grade reading assessment revealed that approximately 75% of children in first grade, and almost 50% of students finish second grade were not able to read. Also, half of adult population is illiterate (USAID, 2016 b).

Unemployment rate is high reaching 40% of total population, and for women this figure represents approximately 50%, being above national average. Gender inequality is evident, placing Haiti as 138 out of 188 countries in 2014 on the gender inequality index, as it displays lower expectancy of life for woman than men, as well as very low social and political participation of women, specially in parliament (UNDP, 2015).

As per employed Haitians, 50% rely on agriculture as primary source of income, which remains extremely vulnerable due to high risk of natural disasters, worsened by the country’s extensive deforestation. The informal business sector and medium sized enterprises (MSMEs) account for 80% of new jobs currently been generated (USAID, 2016 a and b) and the Industrial Sector is still underdeveloped and threatened by natural disasters, lack of infrastructure and poor access to electricity (Index Mundi, 2016).

Regarding business, Haiti is considered a high-risk environment for investments, with weak institutions, poor rule of law, and a political and economic unstable perspectives. Perception of corruption is very high and acknowledged in many different sources (Transparency International, 2017). Also, Haiti is considered as one of the hardest countries in the world to develop new businesses, and this result is connected to highly inefficient bureaucratic processes, extensive time required to start a business, great burden to get construction permits, difficulties in access to electricity and general infrastructure, as well as low performance in many other indicators (USAID, 2016 b).

Political Stability and Rule of Law
As a semi presidential republic, Haiti has a very varied political representation that reflect traces of its diverse population, coexisting 51 different political parties and 12 other social-religious groups with political influence in the country (Central Intelligence Agency, 2016).

Due to direct international intervention, Haiti has managed to maintain a quite stable environment in past years. However, after the end of president Michel Martelly’s mandate in February 2016, an uncertainty period commenced, affecting institutional capacity to foster economic policies, and undermining the effectiveness of public finances. In November 2016 a new president was elected, Jovenel Moise, who assume office in February 2017 surrounded by a diplomatic and commercial turmoil with its neighbor Dominican Republic, inheriting dysfunctional democratic institutions.

Poor rule of law is also a deterrent to development. The penal and criminal procedure codes are outdated, and there is a direct dependence of the judicial, legislative and executive branches, since the judges are appointed by the senate and chosen by the president. This connection promotes lack of judicial oversight, fostering spread of corruption (Central Intelligence Agency, 2016).

Haiti shows critical security conditions, with high level of urban violence, drug trafficking and heavy presence of organized crime (OSAC, 2016). As per the 2015, Haiti was classified on the Peace Index Report, within countries that has high risk of adverse effect from urbanization, with low rule of law (-1.3 points within scores from -2.5 to 2.5) and high presence of intergroup grievances (7.6 within scores from 0 to 10). Structural violence is another prevalent factor observed in social daily routine, and ruthless demonstrations of power are frequently used in political disputes, many times jeopardizing the popular participation in public life, as well as the election process. Historically it’s a common practice revoking civil liberties and political rights of opposing groups, argument that reinforce Haiti as a partly free State (Freedom House, 2016).

The World Bank worldwide governance indicator reflect all underlined core problems verified in other indicators, reaffirming the existent political instability and partial freedom status, the presence of high corruption perception, underprovided security and an inefficient judiciary system, weak regulatory system jeopardizing business development, as well as high inequality and ineptitude of the state in assure socio-economic development (The World Bank, 2015).

Altogether, these elements show serious governance problems, captured in all available public data sources. They represent a sequence of complementary events that have a feedback effect in each other, as political instability reinforces economic and social inequalities, which strengthen instability, acting as severe obstacles to development and growth.[4]

3. Conclusions
It’s hard to determine which are the main problems faced by Haiti. However, since 2004 there is a direct intervention through the United Nations Stabilization Mission in Haiti – MINUSTAH, working to assure development of democratic institutions, maintain political stability, and provide a secure environment, with help of many non-governmental organizations. Even so, the outcomes achieved shows that there is no significant impact on Haiti’s governance, indicating that the main root cause impeding growth and development is the lack of overall state capacity.

This key issue persists since Haiti independence, and impact the ability of governments to administer its territory effectively, being capable to mobilize financial resources to achieve national interests. Also, it influences the ability to create consensus and gain social legitimacy, hindering socio-economic development, and the sovereign control of the environment by coercive means that may prioritize respect of human rights and civil liberties (Walder, Andrew G,1995).

   Considered a predatory state by many authors, Haiti has historically failed in its capacity to provide the very basic needs and services for their people. Consequently, everyone that may be interest to support real development should seek to understand the context, focusing on supporting state capacity, enabling citizens to pave the way to an inclusive society, where growth and development can exist.

BYBLIOGRAPHY
Buss, Terry F. (2008). Haiti in the Balance: Why Foreign Aid Has Failed and What We Can Do About it. Washington DC: Brookings Institution Press.

Castillo, Mariano. (April 13, 2016). Faces of a Divided Island: How centuries of racism and fear shaped the people of two nations and echo through a modern-day crisis. Retrieved from: http://www.cnn.com/2016/04/12/world/dominican-republic-haiti-immigration/

Central Intelligence Agency – US/CIA. (2016). The World Factbook: Haiti. Retrieved from: https://www.

cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/ha.html

Collaborative Learning Projects. (2016). A Brief Background to Conflict in Haiti. Retrieved from: http://cdacollaborative.org/wordpress/wp-content/uploads/2016/02/A-Brief-Background-to-Conflict-in-Haiti.pdf

Dubois, Laurent. (2006). Slave revolution in the Caribbean, 1789-1804: a brief history with documents. Basingstoke; New York: Palgrave Macmillan.

Freedom House. (2016). Freedom in the World index. Retrieved from: https://freedomhouse.org/report/

freedom-world/freedom-world-2016

Food and Agriculture Organization of the United Nations – FAO. (2016). Haiti and FAO: Building sustainable food and nutrition security and increasing rural incomes. Retrieved from: http://www.fao.org/3/a-az058e.pdf

Government of Haiti; World Bank; the Inter-American Development Bank; and the United Nations System. (March 26, 2010). Analysis of Multiple Natural Hazards in Haiti (NATHAT). Retrieved from: http://reliefweb.int/sites/reliefweb.int/files/resources/49488655AFEE6C2585257730

00766AF5-Full_Report.pdf

Hankins, Lamar (February 1, 2010). The destruction of Haiti that Columbus started. Retrieved from: http://readersupportednews.org/pm-section/104-104/893-the-destruction-of-haiti-that-columbus-started

Index Mundi. (2016). Haiti Economy Profile 2016. Retrieved from: http://www.indexmundi.com/haiti

/economy_profile.html

International Food Policy Research Institute – IFPRI. (2016). Global Hunger Index (GHI). Retrieved from: http://www.ifpri.org/topic/global-hunger-index

Institute for Economics and Peace – IEP. (2015). Global Peace Index 2015. Retrieved from: http://economicsandpeace.org/wp-content/uploads/2015/06/Global-Peace-Index-Report-2015_0.pdf

Kreft, S.; Eckstein, D.; Dorsch, L.; and Fischer,L. (November, 2015). Global Climate Risk Index 2016. Germanwatch. Retrieved from: https://germanwatch.org/fr/download/13503.pdf

OSAC – US Department of State Bureau of Diplomatic Security. (March 1, 2016). Haiti 2016 Crime and Safety Report. Retrieved from: https://www.osac.gov/pages/ContentReportDetails.aspx?cid=19

193

Smith, Mathew J. (2009). Red and Black in Haiti, Radicalism, Conflict, and Political Change,1934-1957, Chapel Hill: University of North Carolina Press.

Transparency International. (2017). Corruption Perception Index 2016: Haiti. Retrieved from: http://www

.transparency.org/cpi2015

The World Bank Official Website. (September 16, 2016). Haiti Overview. Retrieved from: http://www.

worldbank.org/en/country/haiti/overview

The World Bank Official Website. (2017). Easy of Doing Business in Haiti. Retrieved from: http://www.doingbusiness.org/data/exploreeconomies/haiti

The World Bank Official Website. (2015). Worldwide Governance Indicators. Retrieved from: http://info.worldbank.org/governance/wgi/#home

The Heritage Foundation. (2017). Haiti Economic Freedom Score. Retrieved from: http://www.heritage.org/index/pdf/2017/countries/haiti.pdf

United Nations Development Program. (2014). 2013 MDG Report for Haiti. Retrieved from: http://www.latinamerica.undp.org/content/rblac/en/home/library/mdg/HaitiMDGReport2013.html

United Nations Development Program. (January, 2015). Haiti, facing Risks together. Achievements in Disaster Risk Management since 2010 (Jan. 2010 – Jan. 2015). Retrieved from: http://www.ht.undp.org/content/dam/haiti/docs/Prevention%20des%20

crises/UNDP-HT-GRD-Haiti_facing_risks-en_20150305.pdf

United Nations Development Program. (2015). Human Development Report. Retrieved from: http://report.hdr.undp.org/

UNICEF. (2009). The State of Worlds Children. Retrieved from: https://www.unicef.org/sowc09/report/

report.php

USAID Official Website. (January, 2016 a). Haiti Economic Growth and Agricultural Development Fact Sheet. Retrieved from: https://www.usaid.gov/sites/default/files/documents/1862/EGAD%20

Fact%20Sheet%20FINAL%20Jan%202016-2%20pages.pdf

USAID Official Website. (January, 2016 b). Haiti Country Profile. Retrieved from: https://www.usaid.

gov/sites/default/files/documents/1862/Country%20Profile%20February%202016.pdf

Walder, Andrew G. (1995). The Waning of the Communist State: Economic Origins of Political Decline in China and Hungary. Berkeley: University of California Press. Retrieved from: http://ark.cdlib.org/ark:/13030/ft5g50071k/

 

  
[1] More Information about the US Monroe Doctrine can be found at: https://history.state.gov/milestones/

1801-1829/monroe
 
[2] On January 2016, Haiti cancelled its election as violence erupted. For more information please refer to: https://www.theguardian.com/world/2016/jan/23/haiti-cancels-presidential-election-as-violence-erupts
 
[3] A full seismologic profile of Haiti and clime hazards can be found on the Analysis of Multiple Natural Hazards in Haiti (NATHAT), produced by the Government of Haiti, supported by the World Bank, the Inter-American Development Bank and the United Nations System (2010).
[4] Refer to Annex 1 on the Appendices Section: Socio Economic and Political Situation

 
 

Published in: on outubro 10, 2017 at 12:29 am  Deixe um comentário  

OS PRIMEIROS DIAS NO TIMOR LESTE

Por Hélio Pacha 

 

​Em 2003, cinco oficiais de Polícia Militar foram designados para a Missão de Paz no Timor Leste (UNMISET), Maj PMDF NIÑO, Maj PMRO PACHÀ, Cap PMRO NILSON, 1º Ten PMGO Fem KEDMA e o 1º Ten PMSE ÁLVARO (In memoriam).


Assim que chegamos no Timor Leste desembarcamos na capital Dili e fomos recepcionados por um oficial Major das Filipinas, infelizmente não lembro o nome dele, uma pessoa muito simpática mas, ao mesmo tempo fria e concisa em suas atribuições.

​Ele conduzia uma minivan e logo de cara nos levou para um hotel de propriedade de australianos, tratava-se de um hotel simples montado em containers porém, com o conforto básico necessário, uma cama, um ar condicionado, um guarda roupas de duas portas e uma escrivaninha, o ambiente media mais ou menos 2,5 X 2,0 Metros.

Os banheiros eram coletivos e ficavam do lado de fora com boxes individuais, fechados por cortinas, com opção de água quente e isso já era muito bom , sanitários e pias, quanto ao papel higiênico, cada hóspede recebia o seu, ao entrar no quarto já avistava um rolo em cima da cama.

Havia um restaurante amplo com TV que recebia o sinal por meio de antena parabólica porém, ou assistíamos ao noticiário australiano ou canais de esporte onde predominava a transmissão de partidas de rúgbi, afinal além do proprietário ser australiano, a maioria dos hóspedes era australiana.

Ao chegarmos na recepção do hotel, eu e os demais designados para a missão de paz no Timor Leste, enfrentamos nosso primeiro desafio, entender o inglês australiano.

Em pouco tempo a frustração coletiva aconteceu, todos que estavam ali haviam sido submetidos ainda no Brasil a um exaustivo e exigente teste do idioma inglês durante o período de seleção mas, nenhum entendeu de imediato a primeira pergunta que nos fizeram.

Como chegamos todos juntos no hotel, na recepção após o cumprimento de praxe nos fizeram uma pergunta simples: “How many night mates?”, de imediato nós cinco nos entreolhamos e rimos, foi quando individualmente cada um se dirigia ao atendente e pedia para ele repetir a pergunta mas, continuávamos intrigados com o fato de não conseguirmos entender e com aquela sensação ruim e se perguntando: onde é que eu vim parar?

No inglês falado na Austrália é comum que façam a pronuncia da vogal “a” de forma aberta, como se, no português lêssemos um “a” com acento agudo e isso causou a maior confusão em nossos ouvidos e cérebro porque para nós soava totalmente estranho, nossas mentes não reconheciam o som emitido, foi quando tive a ideia de pedir para que o atendente escrevesse a sua pergunta em um papel, naquela altura ele já estava ficando impaciente pois, via do outro lado do balcão diversos estranhos conversando entre se mas, rindo a todo instante.

Logo em seguida, percebemos o quão simples era o questionamento, o atendente queria saber quantas noites ficaríamos no hotel, apenas isso. Rimos tanto uns dos outros que esse fato certamente ficou guardado pra sempre na memória de todos.

No dia seguinte, tudo começou bem com as providencias iniciais, durante a primeira semana tivemos a emissão das carteiras individuais de identidade das Nações Unidas na missão, fiquei com o número, CP4642 , CP significa Civilian Police, ou seja, Policial Civil; Recebemos palestras sobre direitos humanos, código de conduta, doenças tropicais, cultura e costumes locais, sobre a situação política do país, nos explicaram quais eram as funções dos policiais internacionais e ainda fomos submetidos a testes de inglês e de condução de veículos mais uma vez, etc.

Nossa primeira refeição de almoço foi realizada em um restaurante de comida indiana com opções variadas de carnes e legumes em sistema self service de atendimento, o sabor era realmente muito bom porém, uma das características que marcam a comida asiática é o forte sabor de pimenta e poucos se adaptam facilmente.

Posteriormente conhecemos outras opções de restaurante mas, como a maioria tinha o nome escrito no idioma da nacionalidade do proprietário, costumávamos colocar referências ou apelidos nos estabelecimentos


Esse que me referi anteriormente com comida indiana chamávamos de “Cabelo no Prato”, creio que nem preciso explicar o porquê. Havia ainda o “MacPateta” e o “Jack Cham”, eram os nossos preferidos. Outros restaurantes de comida portuguesa não tinham essa deferência. Em Dili não havia razão pra reclamar das opções para alimentação em restaurantes. No Distrito de Baucau comíamos geralmente no “Chuta Cachorro”.

Nessa mesma semana junto com o Ten ÁLVARO fizemos também nosso primeiro corte de cabelo em uma barbearia de um indonésio, descobrimos que por lá é tradição ao final do corte, o barbeiro aplicar uma rápida massagem nos ombros e pescoço do cliente, inclusive fazendo com que o pescoço estale para ambos lados, muito estranho e até assustador no início. Esse estabelecimento recebeu a denominação de “Quebra Ossos”.

Um outro fato inesquecível para nós aconteceu logo no início da semana, após a primeira manhã fomos deixados no hotel após o almoço para que às 14:00 Horas aproximadamente pudéssemos retornar aos treinamentos e orientações e assim combinamos para que naquele horário todos se dirigissem para a minivan entretanto, no horário marcado todos compareceram, exceto o Capitão NILSON.

Após os tradicionais 15 minutos de tolerância, percebemos que algo poderia estar acontecendo haja vista que não seria razoável chegar atrasado justamente e ainda no primeiro dia e como o Capitão NILSON era do mesmo Estado que eu, pediram para que eu verificasse o que estava ocorrendo.

A primeira coisa que fiz foi me deslocar até o apartamento dele e dar algumas batidas na porta porém, não obtive resposta, imaginando que ele tivesse saído, talvez eu o encontrasse nos banheiros ou no restaurante onde havia uma televisão, me dirigi até esses lugares mas, também não o localizei, passei então a perguntar por ele a todas as pessoas que encontrava todavia, não obtive êxito.

Decidi retornar a minivan para verificar se ele já teria retornado enquanto eu o procurava, só que não, o Capitão NILSON ainda não tinha chegado, optei então por retornar ao apartamento do NILSON, lembrei que ele tinha o sono muito pesado, que mal havíamos chegado ao Timor Leste após ter realizado uma viagem bastante desgastante, com fuso horário de doze horas e supus que ele poderia não ter levantado ainda em decorrência disso.

Chegando ao apartamento, aproximei meu rosto da janela de vidro canelado onde pode-se observar através dele porém, com imagem distorcida e tentei enxergar o Cap NILSON entretanto, o ângulo de observação da cama não me permitiu ter certeza do que eu conseguia ver.

Como eu já estava impaciente e chateado com o ocorrido e também porque naquele momento fazia muito calor e ainda considerando que durante o período em que eu tentava localizar o Capitão, os demais colegas aguardavam tranquilamente dentro da minivan com ar condicionado ligado, desloquei-me até a porta do apartamento já com suor escorrendo pelo meu rosto e passei a esmurrá-la violentamente, enquanto gritava o nome do Capitão NILSON.

Pode até parecer exarero mas, somente após uns dois minutos de batidas fortes na porta e já com outros hóspedes saindo de seus quartos para ver o que se passava, foi que finalmente o Capitão NILSON acordou tranquilamente dizendo “- Já vai! Que horas são?”

Após a bronca que dei e de ter explicado a ele o que estava acontecendo, retornei à minivan e em português expliquei a todos o ocorrido enquanto o Major Filipino reclamava cobrando pontualidade, em seguida, me dirigi ao Major e em inglês tive que dar uma desculpa esfarrapada ao nosso anfitrião dizendo pra ele que devido ao fuso horário e alimentação o Cap Nilson estava passando mal, com diarreia e dores estomacais porém, que o mesmo já estava a caminho.

Obviamente os demais colegas estavam se acabando de tanto rir. Assim que o Capitão NILSON se aproximou todos nós tivemos que conter as risadas no momento que o Major filipino cumprimentou o Nilson lamentando sua diarreia, desejando-lhe melhoras e recomendando que levasse consigo papel higiênico para o caso de necessitar pois, nem sempre havia essa disponibilidade nos banheiros públicos, haja vista que em muitos locais, seguindo as tradições muçulmanas apenas usavam água e sabão.

Uma providência interessante conduzida pela administração da Missão de Paz no Timor Leste é a designação para missões. Embora no Timor Leste eu estivesse bastante confiante em ser designado para uma boa função e em uma boa localidade, ninguém tinha certeza de como seriam os critérios adotados.

Em minha primeira missão em 1994, em Moçambique, não tive muita sorte, cheguei após as principais funções já estarem ocupadas e sem falar o inglês fluente, então sobrou pra mim uma designação em um lugarejo em ruinas e sem condições básicas de conforto, minha esperança era ter mais sorte desta vez, uma vez que eu já possuía pré-requisitos que poderiam me ajudar, estava em minha segunda missão, falava fluentemente o inglês e era o segundo de maior precedência hierárquica dentre os brasileiros recém chegados.

Após preenchermos formulários onde solicitavam informações básicas de currículo e experiência profissional e ainda informarmos nossas três opções de designação em ordem de prioridade, surgiu para mim a oportunidade de optar por trabalhar com uma tropa “especializada” .

No Brasil tive meu início de carreira trabalhando em unidades de Operações Especiais mas, já havia perdido o contato com esse tipo de atividade desde 1998, então como primeira opção apontei a Unidade de Intervenção Rápida (UIR) de Dili, como segunda opção a Unidade de Intervenção Rápida de Baucau e como terceira opção escolhi a Academia de Polícia. As Unidades de Intervenção Rápida também eram conhecidas em inglês por SPU (Special Police Unit/Unidade Especial de Polícia).

A Administração interna dos policiais internacionais adotavam um protocolo de designação que via de regra, seguia a máxima de colocar o “homem certo no lugar certo” e não bastava que fossemos voluntários, havendo vaga disponível, o candidato a ocupar a vaga sempre passava por uma entrevista realizada pelo comandante da unidade para onde se pretendia obter designação, tudo acompanhado pelo chefe da administração e pelo Sub comandante da missão.

Para não dizer que tudo saiu perfeito, meu colega de missão, o Major PMDF NIÑO também optou pela Unidade de Intervenção Rápida de Dili e como ele era o mais antigo (de maior precedência hierárquica) dentre os cinco policiais brasileiros, ele ficou na UIR de Dili e eu fui para a UIR do Distrito de Baucau.

Assim nossos primeiros dias se encerraram no Timor Leste e por opção eu fui designado para o interior do pais juntamente com o Major NILSON, nossa designação saiu para o Distrito de Baucau, sendo que eu fui para Unidade de Intervenção Rápida e o Major NILSON para o Distrito Policial de Baucau.

Finalmente eu havia sido designado de acordo com minha opção de escolha e para lidar com o que eu gostava de fazer, trabalhar entre que eram considerados os melhores tecnicamente, dentro da unidade considerada de elite da Instituição.

Published in: on outubro 2, 2017 at 4:16 am  Deixe um comentário  

Oficial da PMERJ participa de CIMIC no CCOPAB 

Entre os dias 25 e 29 de setembro foi conduzido pelo Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil – CCOPAB, no Rio de Janeiro, um Estágio sobre CIMIC. 

Quarenta e um alunos concluíram o curso, sendo oficiais e praças do Exército Brasileiro, militares do Corpo de Fuzileiros Navais, uma policial da Policia de Investigaciones – PDI (Chile), diversos civis e um coronel da PMERJ. 

Um dia destaque do curso foi a presença do TC Abraham Biwot (Kenya) do ITS que veio avaliar e certificar o estágio dentro dos padrões da ONU.

O curso foi muito elogiado pelo Cel Silva pela organização, nível dos alunos e muitas aulas de alto nível. 

Parabéns ao CCOPAB com os votos que mais policiais militares participem de treinamentos multidisciplinares como esse. 

Published in: on setembro 29, 2017 at 10:37 pm  Deixe um comentário  

Reflexões após 2 meses na Guiné-Bissau

Por Fernanda Nossa

E no processo de adaptação à rotina na África, embora eu pretendesse escrever com muito mais frequência, dividindo cada experiência com as pessoas que ficaram lá no meu Brasil, fui impedida por uma crise de improdutividade crônica. Não era falta de inspiração, porque aqui ao menos pelas fotos que tiro todos os dias, cada esquina, cada rosto, cada atitude e cada personagem que crio nas pessoas que observo me inspiram. E não me inspiram pouco não, me inspiram muito: me inspiram a melhorar; me levam à ampla reflexão; me obrigam a conhecer mais ainda a autenticidade e amplitude da gratidão que devo à vida; me fazem fantasiar experiências diferentes para cada ruga do rosto sereno e lutador da senhora que vende pepinos sentada na calçada de uma rua no centro da cidade que me acolheu; me deixam boquiaberta com a força, os valores e a solidariedade que existem por aí, sem ninguém ver ou observar, no meio da rua ou numa tabanca qualquer; e me fazem crer, cada vez mais, que a ganância e o egoísmo talvez estejam entre as piores perversidades humanas já concebidas e, quando partem de agentes públicos, incumbidos de levar o país para a frente, tão mais grave quanto maiores os seus salários.


Acho que minha pouca produção de textos em muito teve a ver com a riqueza das experiências vividas nos meus exatos dois meses de missão e, na verdade, o que me bloqueou foi o excesso de informação, de inspiração e de motivos para fotografar e escrever; eram tantas coisas que me chamavam a atenção ao mesmo tempo, que eu não sabia por onde começar. E na primeira oportunidade em que algo saiu da minha cabeça, fui convidada a escrever periodicamente para o blog Missão de Paz e a pressão de escrever acerca de algo sobre o que ainda não tenho autoridade ou sólidas opiniões me deixou um pouco desconfortável e até meio receosa, já que sou neófita no Sistema Nações Unidas e talvez minhas visões sejam ainda muito românticas, muito rasas e muito modestas sobre determinados assuntos, de modo que não me arrisco a escrever tecnicamente nesta área. Decidi então manter o tom de crônica informal, o relato de quem conforme descobre a Missão, nela se descobre um pouco mais a cada experiência, e que de vivência em vivência, vai compreendendo a ONU, a África, a Guiné Bissau, o Brasil, a Polícia de Ordem Pública e a Guarda Nacional do país a que veio servir, a Polícia Militar do Estado de São Paulo, daquele país a que sempre servirá, e a Fernanda, a oficial de polícia e a mulher, as duas igualmente complexas.


Mas é melhor não falar sobre estas Fernandas, ou perco os leitores… Vamos de África! E chamar tudo isso de África e taxar com apenas alguns adjetivos estes 54 países, seus 30.463.792 km2, supor somente um modo de vida para os seus 937.546.079 habitantes e se atrever a dizer que conhece o continente exclusivamente com base no que observou em dois meses em um de seus menores Estados soberanos é uma atitude tão leviana quanto a de quem ‘insulta’ o potiguar afirmando categoricamente qualquer coisa, ainda que positiva a seu respeito com o seguinte começo de frase: “Ah, mas este povo do Norte…” . E assim como no meu Brasil de 8.514.876 km2, 212.127.062 pessoas, 27 estados com tamanho de países, onde nem o mesmo idioma, trazido por um mesmo colonizador, nem a mesma moeda e nem a mesma bandeira permitem unidade de comportamento, me parece loucura, prepotência e até burrice falar de África e de suas complexidades como uma coisa só. Se eu e meu compatriota aqui da missão ainda nem mesmo conseguimos chegar a um acordo sobre o nome da raiz que aqui é chamada de maniva, se mandioca ou macaxeira, não posso eu aqui neste singelo texto falar de outra coisa, senão Guiné Bissau. E ainda assim com ressalvas, ainda assim com cuidado, ainda assim ponderando muito cada opinião, pois as três cores da bandeira do país (quase quatro), as três religiões preponderantes, as quatro ou cinco principais etnias que compõem seu povo, as subdivisões regionais que repartem seu território e as suas inúmeras ilhas (mais de 100) determinam uma infinidade de possibilidades para a sua cultura, quase tão grande quanto a variabilidade de cores que suas mulheres conseguem estampar em seus vestidos, tecidos, turbantes, lenços e bambarans – este último o nome com o qual se referem ao xale com que transportam suas crianças presas às costas.


Impossível não se impressionar com a habilidade destas mulheres em carregar crianças em bambarans, baldes e tigelas sobre a cabeça, andando com equilíbrio, elegância e certeza, enquanto as mãos ficam livres para guiar outro filho, carregar sacolas ou se apoiar, antes do embarque, na porta traseira da van, aqui chamada “toca-toca” – o mais comum transporte público da Guiné-Bissau, também colorido em azul e amarelo, seguindo as regras multicromáticas da cultura local.


Inegável que o amarelo definitivamente brilha por aqui e, sendo minha cor favorita, ainda mais fácil notar que ele brilha em esquinas, em roupas, em cartazes, em paredes e em pessoas. Ele faz a pele negra cintilar exuberante e faz o marrom da areia que invade o asfalto da cidade chamar menos atenção. O pão vendido na rua, o mercado local com legumes expostos ao sol, roupas e calçados ao solo, o criolo falado rapidamente, pessoas indo e vindo num êxodo constante, tocas-tocas recebendo passageiros com o veículo em andamento, cores e mais cores interrompendo nosso raciocínio e embalando novas observações, viaturas buzinando a cada ultrapassagem – aqui, diferente do português falado no Brasil, viatura não é um termo usado apenas para veículos oficiais, é a palavra mais comum para dizermos carro, herança do colonizador que, aliás, há 500 anos vem perdendo espaço e vocábulos por aí e que já se atreve a dizer que não falamos português, mas brasileiro, o que é assunto para outra crônica – tudo impressiona e me faz pensar no atrevimento que a Comunidade Internacional comete ao dizer que veio ajudar a “organizar” o país. É nesta diversidade que está a sua beleza! Arrisco-me, aliás, á dizer que talvez seja nela que esteja contida a sua força!

Não sei ainda o quanto poderei ajudar exercendo a função de conselheira policial nas esquadras para as quais fui designada, a impressão que tenho é de que aprenderei mais do que ensinarei, de que colherei mais do que semearei, de que talvez eu precisasse mais deste contato do que os nacionais de mim, pois vivenciar a missão tem sido tão engrandecedor para as Fernandas, a pessoa e a oficial, que certamente a minha família e a minha polícia receberão mais do que as deles. Sim, digo AS no plural, porque no país há cinco diferentes Instituições Policiais, com atribuições exclusivas e também coincidentes, às quais já visitei algumas vezes e com as quais ainda estou me familiarizando, mas que já me ensinaram uma coisa importante: o valor de cada interação e de cada momento, a força da família expandida e a intensidade das relações profissionais em cada uma delas. Os guineenses tratam seus colegas nos quartéis como extensão de suas famílias, o que por vezes é verdade, pois há casos em que eles são mesmo a extensão da família: não é difícil, por exemplo, o sobrinho seguir o tio, o filho, o pai e a esposa, o marido, ao ingressarem na carreira de Forças Nacionais que ainda não possuem solidez no processo de seleção e recrutamento.


A relação com policiais abertos à comunidade internacional e, de certa forma, habituados à interação com estrangeiros (presentes na UNIOGBIS desde 1999) promove um sorriso imediato logo que estendo a mão. E há uma curiosidade implícita sobre o que trago comigo e sobre quem sou que faz com que eles valorizem demais aquele momento e aquele contato, me constrangendo algumas vezes pelo discurso que pouco preparei, já que não esperava tal deferência – sinto a autoridade do brasão redondo, da boina azul e o significado da minha farda em minha consciência a toda hora. Vejo que num simples boa tarde, numa palavra, num sorriso, numa visita a um posto de controle de fronteira, onde não há recursos ou apoio, onde não há luz ou água encanada, onde pessoas trabalham dia e noite à própria sorte pela defesa de uma soberania recém-implantada na nação (1974), há muito que se deixar ao nos esforçarmos por causar uma boa impressão. Tudo isso sem, no entanto, prometer o que não se pode, uma vez que falamos em nome das Nações Unidas, mas oferecendo o incentivo poderoso que um gesto de solidariedade pode mesmo representar, por mais apaixonado que isto pareça.


Nesta reflexão fui levada inevitavelmente ao meu Brasil, aos meus subordinados e aos meus alunos: quantas vezes eu poderia ter aproveitado mais uma conversa, uma ronda, um documento, uma ocorrência e um momento de interação para doar meu sincero apoio e exemplo? Fazer a diferença talvez seja mais fácil do que imaginamos! E assim passei os últimos dois meses dos meus quase quinze anos de oficialato: conhecendo pessoas que talvez eu não veja nunca mais e, deixando com elas – que seja em cinco minutos de conversa – algo meu que valha a pena (assim espero), ainda que um sorriso ou um aperto de mão.

Published in: on setembro 27, 2017 at 3:57 pm  Deixe um comentário  

Algumas dicas para confecção de curriculum vitae (CV) para policiais militares candidatos a missões de paz da ONU (EASP/P11)

*Prezados, segue algumas orientações pessoais sobre os curriculum vitae dos senhores (EASP ou P11):*

A confecção do CV (EASP/11) é de suma importância.

Alguns CV contêm poucas informações relevantes e nada dos skill-sets necessários.

Cada missão abre vagas e essas vagas tem um conjunto de habilitadas e características.

Assim, caso você ainda não saiba para qual missão aplicará, seja detalhista, descreva suas funções e atribuições ao longo da carreira.

Se já souber, seja específico, conduza suas informações para as necessidades da missão pleiteada, mas nunca deixe de apresentar seu portfolio, pois seu CV pode ser útil talvez não para uma, mas para outra.

“Venda você mesmo” e pense se você se interessaria em dar seguimento a uma contratação por um profissional com um CV, um policial com seu perfil.

Acho que esse pensamento pode ajudar.

**Traduções**

Evitem traduções literais e google tradutor. Busquem traduções do mundo policial. Convém lembrar que quem analisa os CV são policiais experientes e a linguagem deve ser universal, de preferência um inglês que todos compreendam.

Por exemplo: Em inglês, o termo “Military Police” significa o mesmo que para nós no Brasil seria “Polícia do Exército – PE” ou “polícia das Forças Armadas”. A meu ver, portanto, não seria a tradução ideal, pois há a necessidade de interpretação de quem lê.

Não estou dizendo que existe certo ou um errado, mas que apenas observem bem ou busquem auxilio de veteranos.

Trabalhei durante um bom tempo com entrevistas e análises de EASP/P11 de policiais para integrar missões e, muitas vezes, o CV por si já desabilita o candidato.

(sobre entrevistas, escreverei algo em breve)

 

 

Published in: on setembro 25, 2017 at 2:57 am  Comments (2)  

Capitã PMDF Natália participa de viagem de estudos a Washington como parte do programa de mestrado na Universidade de Duke/EUA. 


A Capitã PMDF Natalia, veterana da MINUSTAH, participou em julho de viagem de estudos a Washington – DC, como parte integrante do Mestrado em Desenvolvimento Internacional de Políticas Públicas na Sanford School of Public Police, Duke University, Carolina do Norte – Estados Unidos, do qual faz parte como bolsista no programa Rotary Pro Paz.  
A viagem teve como objetivo ampliar o desenvolvimento profissional e facilitar networking em vários organismos internacionais que trabalham em prol do desenvolvimento como: Agencia Americana para Desenvolvimento Internacional – USAID; Banco Mundial; Banco Interamericano para o Desenvolvimento – BID; OXFAM, entre outros.

Entre as conquistas acadêmicas da Capitã Natalia durante seu primeiro ano de mestrado, vale destacar sua pesquisa sobre a Política Brasileira sobre Drogas: Addressing Brazil’s National Plan to Combat the use of Crack Cocaine, que tem impacto substancial na Segurança Pública, recentemente publicado na sexta edição da Revista Américas, The John Hopkins Journal of Latin American Studies, um dos mais renomados centros de estudos sobre a América Latina nos Estados Unidos. 

A publicação pode ser acessada pelo link:

Published in: on setembro 19, 2017 at 4:38 am  Deixe um comentário  

Policiais militares migram da MINUSTAH para MINUSJUSTH 

O Brasil não encerrou suas atividades no Haiti.

Os efetivos militares sim, mas os policiais militares continuam no país e na nova missão e outros se preparam para integrar a MINUSJUSTH.
Os únicos dois policiais militares remanescentes migrarão para a nova missão. Entretanto, as regras de transição exigem policiais com experiência prévia e de patente de gestão para as missões individuais (IPO) e as de secondment. 

Os que estão em missão não podem requerer extensão, mas é o comando do componente policial da ONU (UNPOL) que analisa e requisita a permanência dos que já estão no terreno. 

Ontem tivemos a grata surpresa de tomar conhecimento que o Tenente Paulo, da PMMG, foi convidado a permanecer. No momento, é fundamental por parte dos órgãos federais sensibilizar as autoridades de seu estado quanto a importância de autorizar sua continuação no Haiti. 

Outros policiais militares veteranos estão aplicando para processos seletivos de secondment para cargos de chefia, os quais em sua maioria exigem o francês e o inglês. 

No caso dos IPO abre-se uma oportunidade de pensar em aumentar um pouco o número de policiais e únicos uniformizados brasileiros no Haiti, após término da MINUSTAH. 

A MINUSJUSTH prevê apenas 298 unpol e 7 FPU. 

Published in: on setembro 19, 2017 at 3:00 am  Deixe um comentário  

O Brasil permanece no Haiti: policiais militares continuam mesmo com o término da MINUSTAH

 

Matéria do Estadão

Brasil que fica. Depois que a Minustah for oficialmente encerrada, em 15 de outubro, apenas dois policiais brasileiros que trabalham nas Nações Unidas devem permanecer no país. Um deles é o mineiro Paulo Filipe Moura, de 30 anos. Há 9 meses em Porto Príncipe, ele diz que a imagem que ficou do Haiti no Brasil é a do militar com fuzil e capacete, mas a missão de paz é mais ampla e dezenas de policiais brasileiros o antecederam.

Paulo chegou ao Haiti após passar dez anos na Polícia Militar de Minas e se submeter a testes de idioma, informática, tiro, armamento e direção, além de entrevistas e treinamentos. Seu mandato é de um ano, prorrogável por mais um. O trabalho da polícia das Nações Unidas é auxiliar na melhoria da polícia haitiana, ainda carente de técnica e doutrina, e transferir conhecimento aos policiais. Paulo trabalha na seção de operações conjuntas, responsável por planejar e executar operações pelo país. O outro brasileiro é Anderson Silva Santana, do Rio de Janeiro.

A partir do mês que vem, o número de policiais estrangeiros no país cairá de 980 para 295. E os contingentes de FPUs serão reduzidos de 11 para 7. “Hoje o país está tranquilo. O problema é se surgir algum fator que abale essa estabilidade, como um desastre natural ou um processo eleitoral conturbado. Acho que vai aumentar o índice de criminalidade, mas num nível ainda tranquilo se comparado a outros países. Como policial, aqui no Haiti me sinto muito mais seguro que no Brasil.”

 

NOTA:

O Brasil não encerrou suas atividades no Haiti.

Os efetivos militares sim, mas os policiais militares continuam no país e na nova missão e outros se preparam para integrar a MINUSJUSTH.

O componente policial da ONU (UNPOL) continua mesmo após o fim da MINUSTAH (2004 – 2017).

Matéria do Estadão: LINK

 

 

🇧🇷👮🏻👮🏻‍♀️

Published in: on setembro 4, 2017 at 12:13 am  Deixe um comentário  

Distintivo de Missão de Paz da PMSC

A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) acompanhando as demais Corporações Policiais Militares, criou distintivo para aqueles que participaram de Missões de Paz.

A Portaria N. 150, de 12 de maio de 2017, aprovada pelo Exmo. Sr. Comandante-Geral da PMSC:

“Art. 1º Aprovar o distintivo de participação em Missões de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU), conforme normatizado no Ato nº 469 de 12 de maio de 2017”.

O Ato, seguindo as demais corporações prevê:

Art. 3º O uso do presente distintivo será exclusivo dos Policiais Militares da Corporação, que tenham integrado Missões de Paz da ONU e permanecido na área de missão pelo período mínimo de 6 (seis) meses.

Parágrafo único. Será vedado o uso do distintivo aqui tratado, por aqueles que tenham sido repatriados por motivos de natureza disciplinar ou que, de forma administrativa, tenham sido considerados pela ONU, inabilitados ou impedidos de prosseguir na Missão.

Parabéns a PMSC!

 

 

Published in: on agosto 30, 2017 at 1:32 am  Deixe um comentário  

SEM PERDER O FOCO

Anteriormente, com o objetivo de contar um pouco de minha primeira experiência como Boina Azul e visando fazer com que os leitores  conhecessem um pouco sobre minha carreira, eu descrevi em um único relato toda a minha passagem por Moçambique em 1994, desta vez, até pra que o meu texto não fique muito longo, escreverei por partes, hoje contarei como consegui vencer as barreiras para poder ir novamente para uma outra missão de paz.

Por Hélio Pacha, colunista.

Após o término da missão em Moçambique, em dezembro de 1994, eu pude chegar a duas conclusões, a primeira delas foi que os brasileiros que  falavam bem o Inglês haviam sido designados para boas funções, chamadas de “Bocas boas” e em localidades muito melhores do que os péssimos locais onde os não falantes do Inglês foram parar, conhecidas por “Bocas podres” e a segunda conclusão veio ao final da missão e foi a clara percepção de que não seria nada difícil aprender o idioma Inglês.

Decidi então me dedicar ao aprendizado da língua inglesa para poder tentar outra participação em uma outra Missão de Paz da ONU e me matriculei em uma tradicional escolinha de Inglês, cursei treze períodos por sete anos e em seguida prestei vestibular para Licenciatura Plena em Letras, idioma Inglês e fui aprovado.

Nesse ínterim, acontecia a fase mais intensa de minha carreira e como todo policial militar da ativa concorri a escalas de serviço operacional nas ruas e a diversas operações de todos os tipos, comandei unidades, conduzi diversos inquéritos policiais militares e sindicâncias, participei de longas solenidades de formaturas em datas comemorativas, escalas de representação em substituição aos meus atarefados comandantes, fui instrutor de cursos de formação e especialização, entre outras atribuições peculiares e ainda assim nunca sai do meu foco no aprendizado da língua inglesa, estudando no período da noite.

Até o final dos anos 90, como não era costume a aplicação de processos de seleção por parte do Comando de Operações Terrestres (COTER) do Exército, visando a proficiência na língua exigida pela ONU para a respectiva missão de paz, a seleção de policiais militares, no âmbito das corporações, dependia exclusivamente da indicação de seus comandantes e era praxe dar oportunidades e diferentes oficiais e praças, evitando que alguém pudesse ir em outra missão mais de uma vez, enquanto havia outros voluntários que ainda não tivessem ido.

No final do ano de 2002 a PMRO recebeu do COTER um edital de concurso para participação em Missões de Paz no Timor Leste porém, desta vez, somente aprovados nos testes de proficiência na língua inglesa poderiam seguir para a missão já no ano seguinte.

Nessa ocasião, os candidatos deveriam arcar com as próprias despesas para deslocarem-se a Brasília no Distrito Federal afim de participarem do certame.

Provavelmente por isso e acreditando que devido as circunstâncias financeiras que afetavam a todos no Estado de Rondônia, na PMRO não haveria voluntários, não houve restrição para que aqueles que houvessem participado de missões anteriores pudessem se candidatar novamente.

Naquele momento enxerguei a oportunidade ímpar que surgia, então incentivei para ir comigo para Brasília o então Capitão NILSON e assim o fizemos nossos requerimentos.

Em 2002 eu ainda era Major e como já mencionei, o Estado passava por dificuldades, nossos salários eram muito defasados, por essa razão decidimos ir de ônibus até Brasília para podermos economizar e aproveitamos os dois dias e meio de viagem para estudarmos um pouco mais.

Após nos apresentarmos no COTER, Logo que conhecemos os demais candidatos ocorreu um fato que depois me questionei se eu teria sido presunçoso, arrogante, antipático ou se foi estratégia para tentar deixar os concorrentes mais ansiosos, atualmente creio que foi só empolgação por estar satisfeito com meu próprio desempenho, a gente sente quando está indo bem.

Durante nossa recepção pela Comissão Aplicadora dos testes havíamos sido informados que somente cinco dentre os aprovados  iriam para o Timor Leste . Em um dos intervalos entre um teste de inglês e outro, um dos colegas comentou sobre as cinco vagas, de imediato eu o corrigi informalmente dizendo que ele estava enganado pois, só quatro vagas estavam em disputa e ele retrucou  reafirmando que não, que eram cinco e que tinha certeza pois, havia escutado bem quando informaram já que ele estava sentado bem na frente. Nesse momento, de súbito eu lhe falei sorrindo que só eram  quatro vagas mesmo que eles estavam disputando porque uma das vagas já era a minha!”

Lembro que a Capitão PMGO KEDMA perguntou se eu tinha certeza e eu lhe devolvi a pergunta dizendo:

“- Você acha que eu viria de ônibus de Rondônia pra cá se não tivesse certeza? Vencem aqueles que acreditam que vencerão!”

Em Brasília concorreram ao teste cinquenta e três Oficiais PM de vários Estados do país e somente treze obtiveram aprovação, o Major PMDF NIÑ0, o Major PMRO PACHÁ, o Capitão PMRO NILSON, a 1º Ten PMGO KEDMA e 1º Ten PMSE ÁLVARO.

Após retornarmos para Rondônia, cerca de quatro ou cinco meses depois e para surpresa aos incrédulos fomos informados sobre a data de nossa partida.

Na ocasião eu tive que trancar a minha matrícula na faculdade de Inglês no meio do semestre e passar o comando do 1º Batalhão de Polícia Militar onde estava na função de comandante há pouco mais de três meses para poder em seguida seguir viagem para o Timor Leste, do outro lado do mundo, com doze horas de diferença no fuso horário, começava então a minha segunda oportunidade nas Nações Unidas.

Foram diversos fatores que, durante nove anos aconteceram e que poderiam ter me desviado de meu objetivo porém, a perseverança e a esperança nunca me permitiram fraquejar assim, quando a oportunidade surgiu eu estava pronto para segurá-la. Desta vez, as “ Forças Ocultas” não impediram o meu sucesso e assim consegui integrar por mais uma vez o rol dos Boinas Azuis das Nações Unidas.

 

Foto Texto 2 Contingente de policiais militares brasileiros no primeiro dia no Timor Leste. 2003. (1)

Foto: Efetivo policial militar no Timor Leste, em 2003.

 

 

 

 

Published in: on agosto 29, 2017 at 8:17 pm  Comments (1)  

O Brasil nunca comandou a MINUSTAH

Um dos maiores equívocos de boa parte da imprensa brasileira é publicar, mesmo após 13 anos de existência da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH), que o Brasil comanda (ou chefia) a Missão de Paz da ONU no Haiti.

Tais publicações induzem os leitores brasileiros a um erro grotesco, apresentados por jornalistas em matérias sem ao menos buscar o mínimo de informação necessária sobre a estrutura de uma missão da ONU, o que acarreta em informações equivocadas.

Na última semana, o site Metropolis republicou o Estadão com a seguinte informações:

“Chefiada há 13 anos pelo Brasil, a única missão de paz da ONU nas Américas começou com um telefonema…”

“Poucas semanas depois, ele se tornaria comandante da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), que na próxima quinta-feira encerrará suas ações operacionais com uma cerimônia em Porto Príncipe”

Metropolis: http://www.metropoles.com/brasil/apos-13-anos-de-missao-de-paz-brasil-deixa-o-haiti .

Mas há inúmeras outras matérias semelhantes:

O Globo:

Novo comandante brasileiro assume nesta quarte chefia da missão de paz no Haiti – Brasil comanda a força militar da Minustah desde que a missão foi criada em 2004

https://oglobo.globo.com/brasil/novo-comandante-brasileiro-assume-nesta-quarte-chefia-da-missao-de-paz-no-haiti-7960468?versao=amp

 

Diálogo: Revista Militar Digital:

Em 2 de junho, o 26º Batalhão Brasileiro de Força de Paz (26º BRABAT) assumiu o comando da Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti

https://dialogo-americas.com/pt/articles/last-brazilian-contingent-assumes-command-peacekeeping-mission-haiti

DefesaNet:

Novo comandante brasileiro assume hoje chefia da missão de paz no Haiti

http://www.defesanet.com.br/ph/noticia/10225/Novo-comandante-brasileiro-assume-hoje-chefia-da-missao-de-paz-no-Haiti/

Ministério da Defesa:

28/03/2012 – DEFESA – Nações Unidas nomeiam novo chefe da Minustah

Nações Unidas nomeiam novo chefe da MinustahBrasília, 28/03/2012 — O general-de-brigada Fernando Rodrigues Goulart será o novo chefe da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah). A nomeação foi feita ontem (27) pelo secretário-geral da Organização das Nações …

http://www.defesa.gov.br/component/tags/relacoes-internacionais/missoes-de-paz?tag=minustah

ONU Brasil:

ONU nomeia General brasileiro como novo chefe da MINUSTAH

https://nacoesunidas.org/onu-nomeia-general-brasileiro-como-novo-chefe-da-minustah/

Reuters/Correio do Brasil:

27 Mar (Reuters) – O general brasileiro Fernando Rodrigues Goulart será o novo comandante da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), no lugar do compatriota general Luiz Ramos, anunciou a ONU nesta terça-feira.

http://www.correiodobrasil.com.br/onu-nomeia-novo-general-brasileiro-para-comandar-tropas-no-haiti/

 

A fim de esclarecer, de modo muito simplista, uma missão multidisciplinar da ONU possui um componente civil, um policial e um militar. Cada um desses componentes tem um “chefe” e todos estão subordinados ao Representante Especial do Secretário-Geral da ONU designado para a Missão.

No caso específico da MINUSTAH, o Brasil, por motivos diversos, sempre ocupou o cargo de Comandante da Força Militar – do componente militar (Force Commander) e por tal motivo, é correto afirmar que um oficial general do Exército Brasileiro sempre comandou as tropas e militares em missões individuais das Forças Armadas dos diversos países a serviço da ONU no país.

Da mesma maneira, sem qualquer subordinação, o componente policial é liderado pelo Comissário de Polícia (Police Commissioner), cargo esse que ao longo dos anos foi ocupado por policiais de diferentes países.

A própria estrutura civil da MINUSTAH também teve mudança em seus cargos ao longo dos anos – como o próprio Representante Especial do Secretário Geral, chefe da Missão e maior autoridade da ONU no país.

Infelizmente, as matérias jornalísticas desconsideram a presença e participação de policiais militares (no componente policial – UNPOL) e dos civis brasileiros que compuseram e ainda compõem a MINUSTAH.

Talvez a falta de conhecimento sobre o tema leve o profissional jornalista a cometer erros tão grotescos. Basta usar o google por alguns minutos!

Entretanto, importante se faz registrar o brilhante trabalho realizado por todos os Forces Commanders Brasileiros ao longo de todos os mandatos e pelas Forças Armadas Brasileiras no Haiti (Marinha, Exército e Aeronáutica – sim, todas as 3 Forças enviam efetivos, quer em missões individuais quer em contingentes).

Depois de quase 3 anos trabalhando no sistema ONU, 2 anos e 6 meses somente no Haiti (MINUSTAH), com certa frequência causa estranheza aos policiais e civis de várias nacionalidades e aos brasileiros que estiveram na Missão, o que causa até mesmo certo constrangimento ao desconsiderar os demais profissionais que lá serviram e pelo tamanho do erro por boa parte da mídia brasileira.

 

 

 

 

 

 

Published in: on agosto 28, 2017 at 5:58 am  Comments (2)  

O “SENTIDO” DE UMA MISSÃO DE PAZ

Por Wagner WASENKESKI

Quando em preparação ou treinamento para uma Missão de Paz, prestes a usarmos uma boina azul, muitas são as informações e objetivos os quais nos são passados como sendo o “sentido” para tal trabalho. Todavia, no dia de hoje, deixando a Missão de Paz da ONU na Guiné Bissau, eu saio com a conclusão de que o mais importante em uma missão como esta, é dar-se por conta do quão relativa é a questão humana de “ajudar o próximo” , típica coisa dos que chamo de “homens de boa vontade”. Eu vim para ajudar, mas saio daqui ainda mais ajudado. Eu vim para deixar algo, mas creio que esteja levando mais do que deixei. Então, talvez, exista uma razão pela qual Deus coloca algumas pessoas nestas missões. Pode ser que, humildemente,  ao dizermos “sim, vou ajudar”, o destinatário final sejamos nós mesmos: recebemos, pois, a chance de melhorarmos a si próprios. Então, creio que o critério de “ajudar o ser humano”, seja verdadeiramente mais relativo do que pensemos. E creio que nos melhorando, melhoramos a quem esteja perto de nós, e assim por diante até chegarmos com “efeito fermento” a toda a humanidade. Para tal, Deus nos coloca em certas provações: é preciso abrir mão de nosso conforto, dos nossos hábitos tradicionais a que estamos acostumados, da nossa boa comida, bom banho, bom sono, boa saúde, e fundamentalmente ficarmos temporariamente afastados das pessoas que mais amamos…. E tudo isso com um propósito: amar a quem inicialmente jamais vimos e sequer sabemos os seus nomes (às vezes até morrer por eles, como já ocorreu com tantos colegas).   Em véspera de meu embarque à missão, disseram-me: “parabéns pela conquista, tu és especial”. Todavia, hoje eu penso: não sou bem eu que sou especial, e sim os nacionais daqui. Eu vim para servi-los, e, quanto a eles, uma missão internacional inteira foi montada para eles! Então, eles sim são especiais. Vejamos como, nesse sentido, tudo é tão relativo.

Por fim, em momento de minha partida, fica aqui registrado meu tributo, minha admiração e meu respeito a todos os colegas boinas azuis (“homens de boa vontade!”), que partiram de seus lares, deixaram temporariamente suas famílias e seu conforto, para servirem a outros que tanto mais necessitavam, e que, todavia, em nome da causa, tombaram em terras distantes e não voltaram para suas casas (do dia em que parti ate hoje, em solo africano, já foram mais de 150… ) Que Deus abençoe e conforte suas famílias e que, apensar de toda a dor, não se esqueçam de que nada foi em vão. É por causa deles, que muitos homens e mulheres serão libertos, muitos vulneráveis receberão de volta sua dignidade, muitas crianças “terão o direito de serem crianças”,  e muitas outras coisas que sequer saberemos.  “Alguns homens passam pela História; outros, fazem a História.”

Obrigado aos colegas da missão UNIOBGIS por toda a irmandade, em especial aos brasileiros pela construção da boa impressão de nosso povo que aqui deixamos, e obrigado aos irmãos guineenses por toda a ajuda. “Eu vim para a ajudar, mas estou levando mais do que deixei”.

Servir, servir, servir….

Força e Honra!

3BPM, Brigada, Brasil!

Cap Wagner WASENKESKI

Wagner WASENKESKI é Capitão da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, e trabalha no Escritório Integrado para a Consolidação da Paz na Guiné Bissau (UNIOGBIS), como Conselheiro Policial (Police Adviser), atuou no Escritório Regional da Ilha de Bubaque na referida Missão, ajudando na investigação criminal deste local, tráfico naval, corrupção das instituições públicas, formação dos policiais, policiamento comunitário, inclusive com as crianças através do desenvolvimento de atividades relativas a doutrina do PROERD, etc. Também, na capital do país, Bissau, atuou na reforma do setor de segurança, na formação do efetivo local, em atividades como Assistente Especial do Conselheiro Policial Sênior, dentre outras atividades.
Possui bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais pela PUCRS, Licenciatura Plena em Educação Física pela UFRGS e Bacharelado em Ciências Militares com Ênfase na Defesa Social, pela Academia de Policia Militar do Estado do Rio Grande do Sul.
No Rio Grando do Sul , trabalhou no Policiamento Ostensivo Ordinário, Pelotão de Operações Especiais, Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, Comando de Núcleos de Polícia Comunitária, Seção de Justiça e Disciplina e Chefia de Operações do 3º Batalhão de Polícia Militar.

Published in: on agosto 23, 2017 at 5:18 am  Comments (1)  

POLICIAL MILITAR SOBREVIVENTE AO TERREMOTO NO HAITI É HOMENAGEADO PELA PMDF

O oficial da Polícia Militar de Pernambuco, capitão Ricardo Couto, foi homenageado pelo comandante-geral da PMDF, coronel Marcos Antônio Nunes, na tarde de hoje (22/08), por ato de coragem na tragédia que matou cerca de 200 mil pessoas no Haiti em 2010. O comandante da PMDF parabenizou o capitão por representar, com excelência, a Polícia Militar no aspecto internacional.

Com atuação destacada em ações de pacificação, estruturação e segurança nas Forças de Paz da ONU, enquanto representante do Brasil e de Pernambuco no Haiti, o capitão Ricardo Couto, assim como os demais brasileiros que lá estavam e tanto orgulham a Corporação Militar, merece honras e aplausos. O espírito de luta, o desprendimento pessoal, a compaixão e amor ao próximo foram as principais virtudes que brotaram em meio ao caos da situação. O capitão relata que havia chegado 15 dias antes do terremoto para comandar o Grupo de Operações com Cães para o Instituto dos Policiais Nacionais Haitianos com a finalidade de apreender drogas na região, porém após o fatídico dia 12 de janeiro, a sobrevivência o tornou um herói, pois desde então o capitão vem se destacando em missões altamente complexas na região.

“Como policial militar de carreira, com 23 anos de profissão e 2 missões de Paz pela ONU no Haiti, eu não posso sequer mensurar, nesse momento, a alegria e o sentimento de honra e dever cumprido, tendo sido agraciado com um certificado pelo senhor comandante-geral da PMDF, coronel Nunes que também é presidente do Conselho Nacional de Comandantes-gerais. Nunca trabalhamos esperando reconhecimento ou sequer recompensa, porém quando vem de forma espontânea nos faz perceber que estamos no caminho certo”, afirmou o capitão Ricardo Couto.

Após a homenagem recebida no quartel do Comando-geral da PMDF, o capitão seguiu para o Palácio do Itamaraty onde foi condecorado pelo Ministro de Estado das Relações Exteriores, João Mendes Pereira, com a Medalha Sérgio Vieira de Mello. A comenda homenageia trabalhadores humanitários que se destacam na prestação de relevantes serviços de assistência humanitária e na promoção da paz e dos diretos humanos.

couto

 

Site da PMDF: link

Centro de Comunicação Social (CCS) da PMDF.

Criado em 22-08-17 17:56. Última atualização em 22-08-17 17:56. Escrito por Karina Linhares

 

 

 

Published in: on agosto 23, 2017 at 5:00 am  Deixe um comentário  

OFICIAIS DA PMDF PALESTRAM PARA FUTUROS OFICIAIS DA PMGO

Na tarde desta quarta-feira (16), a convite do Comandante-geral da Polícia Militar do Estado do Goiás, oficiais da Polícia Militar do Distrito Federal tiveram o prazer de ministrar palestra na Academia da PMGO para cerca de 60 cadetes, futuros oficiais da Corporação goiana.

Os oficiais do Distrito Federal,tenente-coronel Wesley de Almeida e Santos, subcomandante operacional do Comando de Missões Especiais, o major Sérgio Carrera de A. Melo Neto, ex-comandante do Batalhão de Policiamento Turístico e a capitã Virgínia Souza Lima, assessora do gabinete do comando-geral da PMDF, compartilharam com os presentes suas experiências profissionais e pessoais em missões da paz das Nações Unidas das quais participaram, bem como os processos seletivos e atribuições dos policiais militares brasileiros nas áreas de conflitos e na promoção de direitos humanos, paz e segurança internacional.

PMGO3

PMGO5

PMGO4

PMGO

Sítio da PMDF: Veja matéria.

Published in: on agosto 17, 2017 at 10:15 pm  Deixe um comentário  

Encontrando as semelhanças

 

Por Nathalia Quintiliano

Quando aceitei começar essa coluna confesso que fiquei meio perdida. Há alguns anos venho tentando iniciar escrever e esse ano, finalmente, deram meus primeiros voos. Mas nunca escrevi com um olhar tão pessoal, assim, na primeira pessoa… Talvez porque a primeira coisa que aprendi nesse trabalho foi que a minha opinião não importa tanto assim. Parece meio duro, eu sei, mas a tentativa de se manter imparcial – ou diplomática – quando se vive em um ambiente tão internacionalizado acabou custando um pouco da minha opinião pessoal em prol da boa convivência e bem-estar comum.

Logo na minha primeira missão, quando estava na fronteira da Turquia com a Síria, eu notei que minha visão de mundo seria desafiada (ainda bem). No primeiro dia de trabalho, ao ser apresentada à equipe, notei que nunca havia sido colocada em um local tão pequeno com tantas nacionalidades diferentes: Meu gerente era belga e casado com uma moçambicana e falava Português fluentemente, assim como árabe, francês e inglês. Nosso vice-diretor era sudanês muçulmano casado com uma sudanesa crista que morava em Londres, mas passava a maior parte do tempo cuidando de refugiados na Itália, em um projeto de uma igreja. Todos nós respondíamos ao nosso diretor geral que era Somali/Canadense. Entre os meus colegas havia uma etíope muçulmana e um etíope cristão, uma espanhola, um egípcio, um kosovar e um sérvio, uma iemenita, um argelino e uma brasileira descendente de sírios nascida e criada nos Estados Unidos. Apesar de todas as chances de dar errado, o escritório funcionava muito bem.

A última pessoa a quem fui apresentada foi à uma palestina, e fiquei pensando o que ela pensaria quando descobrisse que eu tinha um pé no judaísmo, além de ser casada com um judeu e viver em um ambiente judaico? Apesar de eu manter opiniões fortes e absolutamente contra os assentamentos, e achar que são um grande tiro no pé de Israel como nação, ainda assim, o que ela iria dizer quando soubesse que o Rabino da Sinagoga do bairro me conhece por nome? Mal sabia eu que não só ela iria saber, como também conhecer e conviver muito bem comigo e também com o meu marido (agora ex, mas deixemos o tópico para outro texto). Começamos a nossa amizade em um pequeno restaurante perto da fronteira de Bab al-Hawa (hoje infelizmente um território dominado pelo grupo Hay’at al-Sham, afiliado ao Al-Qaida) onde frequentávamos juntas depois do trabalho para fumarmos narguilé (não recomendo) e beber Sahlep durante o gelado inverno turco – uma espécie de mingau com aroma de canela, esse eu recomendo! Nos encontramos também em Istambul onde nos divertimos juntas.

Shereen, assim como a maioria das palestinas que conheci quando visitei a Palestina, é uma mulher forte. Ela não segurava nada na boca dela, era tudo “na lata” mesmo, podia ser o Secretário-Geral da ONU e ela ainda levantaria a sua voz. Eu admiro muito isso nela, e apesar de termos discutido por assuntos como religião e aborto, onde tínhamos opiniões bem opostas, conseguíamos nos encontrar na natureza do nosso trabalho, na preocupação com as pessoas e também na admiração mútua. Ela um dia me disse que gostaria de conseguir se afastar emocionalmente de algumas coisas, para fazer o trabalho andar, enquanto eu admirava o fato dela não se afastar emocionalmente de nada.

Ela não era apaixonada por animais como eu (talvez o termo mais pertinente seja completamente pirada por qualquer bicho), mas quando ela se deparou com um cachorro machucado na fronteira foi imediatamente me chamar e cuidar do meu “turno”, enquanto eu fui cuidar dele, com a ajuda da minha amiga-alma-gêmea brasileira/síria que mencionei no parágrafo acima. Ao mesmo tempo, quando começaram a reclamar sobre a presença do cachorro (ou quando me julgaram sobre o fato de eu estar preocupada com o cachorro quando adultos e crianças viviam um estado de caos e luto perene). Shereen levantou a voz por mim imediatamente, e ainda apelidou o cachorrinho de “Habibi”. Ela foi embora não muito tempo depois, quando saiu da ONU para voltar ao ativismo na Palestina, mas meu relacionamento com ela me ensinou muito, e talvez ela nem saiba disso. Conseguimos nos atentar às nossas semelhanças em vez de ficar realçando as nossas diferenças, e descobrimos que apesar de termos opiniões distintas tínhamos valores muito parecidos, e também tínhamos a plena convicção de que conflitos – como Israel e Palestina – são muito mais complexos do que o preto e branco que as pessoas gostam de enxergar.

——-

 

 

Published in: on agosto 17, 2017 at 7:23 pm  Deixe um comentário  

Um pouco da experiência de um policial militar na Missão de Paz da ONU em Moçambique

Por JOSÉ HÉLIO CYSNEIROS PACHÁ, colunista mensal.

Inicialmente, gostaria de agradecer pelo convite para ser um dos colunistas desse blog idealizado pelo Major SÉRGIO CARRERA DE ALBUQUERQUE MELO NETO, será uma grande honra poder fazer parte desse projeto.

Dessa forma para que os leitores possam conhecer um pouco mais sobre mim, iniciarei descrevendo um pouco sobre minhas experiências em missões de paz das Nações Unidas, sendo que hoje meu relato será sobre minha primeira missão, em 1994…

Em 1994 o comando da Polícia Militar do Estado de Rondônia (PMRO), na pessoa do Cel PMRO JOÃO MARCOS DE ARAÚJO BRAGA, se incumbiu de enviar os primeiros policiais militares da história da Corporação rondoniense para uma Missão de Paz das Nações Unidas, na ocasião essa missão seria em Moçambique (ONUMOZ).

O meu pai JOSÉ PACHÁ ANTAR havia integrado o Batalhão Suez em 1967 como Capacete Azul, sendo assim, na época eu quis dar a ele mais esse motivo de orgulho e me voluntariei. Na ocasião, ainda como 1º Tenente, dentre mais de trinta voluntários, fui indicado juntamente com  outros quatro corajosos policiais, Cap COSTA, 1º Ten DERZETE, 2º Sgt VIDAL e 3º Sgt MORENO, para representar Rondônia nessa, que classifico como, tão árdua missão.

Ao sair do  Brasil logo percebemos que o idioma seria a primeira grande barreira a ser vencida. Naquele período, embora a ONU já se exigisse o domínio da língua Inglesa, diversos policiais militares foram designados para missões mesmo sem fluência em Inglês, era o caso dos policiais de Rondônia.

Ao chegarmos em Moçambique fomos muito bem acolhidos pelos brasileiros que já se encontravam na missão porém, rapidamente percebemos que a nós, recém chegados e sem o domínio da língua inglesa, restaria sermos encaixados nas localidades que “sobraram”, longe da capital do país Maputo, onde ainda poderíamos encontrar certas regalias como boa comida, energia elétrica vinte e quatro horas por dia, chuveiros com água quente em hotéis relativamente bons, etc.

Logo no início da primeira semana as dificuldades começaram a surgir, o idioma oficial de Moçambique é o Português, todavia, entre os policiais que integravam o efetivo de Monitores da ONU só se falava o Inglês e nas palestras sempre dependíamos de um intérprete, além disso, o trânsito era de “mão inglesa”, totalmente diferente do que estávamos acostumados, mas graças a Deus, tudo isso foi superado.

Pacha-1

Um fato engraçado nas palestras traduzidas foi o fato de que todos da equipe de Rondônia ficávamos procurando em nossos dicionários uma das “palavras” mais utilizadas: “piareme”, depois, descobrimos e rimos muito, tratava-se da sigla PRM (Polícia da República de Moçambique).

Ao final da primeira semana de orientações da ONU, ambientações, aquisição de identidade de integrante do efetivo de Monitor das Nações Unidas onde recebi a identidade CP 0405 (Civilian Police/CIVPOL 0405) e também da obtenção de sucesso na prova para obtermos a permissão para conduzir veículos da missão, veio a minha primeira surpresa, fui designado juntamente com o Capitão COSTA que era o mais antigo dentre os representantes da PMRO para a Província da Zambézia e os outros de Rondônia iriam para a Província de Beira, ocorre que Beira era muito melhor em termos de infraestrutura.

Considerando que o Capitão COSTA havia participado da reunião onde essas designações foram decididas,  na primeira oportunidade que tive questionei por que ele como mais antigo, ou seja, de maior precedência hierárquica, não havia tentado ir para um lugar melhor, foi quando junto com a surpresa iniciou-se também o meu aprendizado pois, como resposta o Capitão COSTA me disse que ele e eu “éramos Caveiras”, ou seja, possuidores do Curso de Operações Especiais e por essa condição teríamos menos dificuldades de nos adaptarmos as piores condições a serem enfrentadas na Zambézia.

Ao chegar à Zambézia, cuja capital é Quelimane, fomos informados que iriamos ficar hospedados na Casa dos Brasileiros, local onde tivemos a felicidade de sermos recebidos por outros quatro compatriotas que haviam chegado algum tempo antes, Cap PMMS ORTALE, 1º Ten PMSE LOBO, 1º Ten PMES RICARDO e 1º Ten PMRR CHAGAS, dias depois acolheríamos o 3º Sgt PMAL JOSELITO, os brasileiros “sortudos” designados para a Zambézia.

Em Moçambique, pelo menos na região da Província da Zambézia em metade do ano o inverno é bastante rigoroso, principalmente à noite e o verão não deixa nada a desejar em termos de calor para os Estados brasileiros mais quentes, estávamos em maio e o frio era bem forte nesse período.

O Capitão COSTA, homem de princípios e comportamento exemplares, durante a viagem recusou-se a aceitar a minha sugestão de levar consigo a manta e o travesseiro da aeronave, isso lhe custou caro em nossa primeira noite em Quelimane.

Quando chegamos a Quelimane naquele dia o comércio local já estava fechado e como os brasileiros que já estavam por lá não sabiam de nossa chegada, tínhamos casa para dormir, mas não tínhamos sequer um colchão pra deitar em cima, o único jeito foi armarmos nossas respectivas redes de selva por baixo de uma grande mesa de jantar que existia na casa, o problema é que a rede ficava mesmo armada e não pendurada, assim seu assoalho ficava em contato direto com o piso gelado.

Nessa primeira noite passamos muito frio, mas eu ao menos tinha uma manta fina pra usar com o lençol e um pequeno travesseiro trazido da aeronave, já o meu amigo Capitão COSTA não tinha nada além de um lençol fino, lembro-me de ter adormecido enquanto ria bastante da condição do Capitão, provocando-o um pouco enquanto ele batia os dentes de frio.

Em Quelimane nessa época tínhamos energia vinte e quatro horas por dia, quase todos os dias e quando faltava energia durante o dia, pouco percebíamos, pois, além de estarmos no período de inverno, não dispúnhamos de TV, Computadores, internet, as roupas eram passadas em ferro a lenha, tínhamos telefone na casa porém devido ao custo das ligações racionávamos o uso do aparelho, geralmente falávamos com nossos familiares uma vez por semana.

Na Zambézia naquela época, posso afirmar sem dúvidas que para todos os brasileiros a maior dificuldade foi mesmo com a alimentação pois, embora tivéssemos contratado uma senhora para cozinhar pra gente e a culinária dela era bem similar à nossa, até pela influência portuguesa, a qualidade da comida era péssima e os recursos muito precários e com poucos temperos e iguarias disponíveis.

Por esse motivo algo que ficou inesquecível pra mim foi o cheiro de barata no arroz de terceira que comíamos uma vez que, só encontrávamos arroz de primeira nos poucos e caros restaurantes existentes, infelizmente ou era aquele arroz ou não comeríamos nada já que feijões, só consumíamos uma vez por semana, devido ao preço e escassez e batatas também não eram encontradas com facilidade.

Alvoradas ao som de rajadas de metralhadoras eram bastante comuns na cidade mas, nunca soube de onde exatamente partiam os tiros mas, serviam para nos deixar alertas e sabedores de que a qualquer hora um problema mais sério poderia surgir e nesse caso teríamos que colocar em prática o plano de evacuação.

O meu período morando em Quelimane durou três meses, nossas missões eram de fiscalizar o cumprimento dos Direitos Humanos por parte da Polícia Moçambicana, realizando visitas às delegacias, inspecionando as selas, entrevistando os presos e verificando as suas condições físicas, emitindo o devido relatório para cada caso.

Também tirávamos serviços de Dutty Officer (oficial de dia) onde tínhamos que pernoitar no escritório sede da ONU com a responsabilidade de receber eventuais documentos via fax ou transcrever mensagens recebidas por telefone ou rádio, o qual diga-se de passagem funcionava perfeitamente e proporcionava contato com quase todas as províncias do país. A segurança das instalações era proporcionada por militares do exército de Botswana, em Moçambique trabalhávamos desarmados.

Nossa maior preocupação era justamente com a própria Polícia Moçambicana pois, não nos viam com bons olhos,  haja vista que éramos uma espécie de Corregedoria para eles e como já mencionei, fazíamos parte de uma missão de paz onde os Monitores das Nações Unidas não  eram autorizados a portar armas, sendo assim se a situação se agravasse no pais não tínhamos como nos defender com armas de fogo.

Nas selas que visitei encontrei diversas vezes presos totalmente lesionados e ensanguentados mas, como era comum na localidade o linchamento de pessoas pela própria comunidade quando essas eram encontradas furtando ou roubando, todas as vezes fui informado pelos policiais locais de serviço que esses presos estavam naquelas condições porque estavam sendo linchados pela população quando foram “salvos” pela polícia. Obviamente essas versões eram corroboradas pelos presos e nunca tive certeza se falavam de fato a verdade.

Pacha-3

Na minha segunda semana, estávamos retornando de uma patrulha quando percebi um grande tumulto em uma feira popular e perguntei aos outros policiais internacionais que estavam na viatura se sabiam do que se tratava, me responderam que aquilo era um linchamento, pedi para parar a viatura mas, como resposta me falaram que era da cultura local e que não deveríamos nos envolver, a experiência frustrante de presenciar um linchamento, mesmo que por alguns instantes e não poder fazer nada foi angustiante e marcante na minha passagem por Quelimane.

Um outro fato bastante distinto e inusitado foi a chegada de um Capitão paquistanês em Quelimane o qual, ostentava em sua farda alguns distintivos de cursos operacionais e conduzia um bastão de comando que no Exército Brasileiro é comum ser utilizado apenas por Oficiais Generais. Rapidamente o bastão de comando virou alvo de cobiça por todos os brasileiros que queriam tê-lo como souvenir porém, o paquistanês não se desfazia de modo algum de seu bastão, não o trocava por nada.

Certo dia o Capitão paquistanês saiu em uma patrulha e deixou o seu bastão em uma das salas do escritório para pegá-lo posteriormente, logo todos os Tenentes pensaram a mesma coisa, ou seja, pegar o bastão de comando esquecido porém, por princípios, nenhum teve coragem de fazer isso mas, um dos Tenentes percebeu que o Capitão COSTA estava saindo ao final do expediente e levando consigo o tal bastão de comando.

Nenhum de nós sabia mas, o Capitão havia informado a outro CIVPOL de outro país, que estaria levando consigo o bastão esquecido para depois entregar  de volta ao Capitão paquistanês e independente disso combinamos de dar um susto no Capitão COSTA.

Ao chegarmos em casa iniciamos um diálogo falso e em voz bastante alta para que todos pudessem ouvir sobre as providências que a ONU, através do pessoal da inteligência estava adotando afim de investigar o furto do Bastão de Comando do Capitão paquistanês, acrescentamos a informação de que o autor do furto após ser descoberto seria repatriado e essa conversa logo preocupou o Capitão COSTA que rapidamente trocou de roupas, recolocando o seu uniforme e se dirigiu de volta as instalações da ONU conduzindo o Bastão de Comando com ele, enquanto a “tenentada” se acabava de rir, obviamente não demorou para ele perceber que se tratou de um trote e após seu retorno, todos nós fomos devidamente “mijados” enquanto não conseguíamos conter nossas risadas.

Após três meses aproximadamente, finalmente pude tirar 15 dias de folga e voltar ao Brasil e uma das coisas que providenciei pra levar ao retornar pra Moçambique foi uma grande caixa com alguns “macetes” pra comer um pouco melhor na missão por pelo menos algum tempo, dentre eles comidas semi prontas, aveia, farinha láctea, a pequena panela pra preparar a comida, leite condensado, farinha, etc.

Logo após retornar do Brasil fui informado que eu estava transferido para a localidade de Morrumbala, localidade cujo nome, reza a lenda,  derivou de “morro tomado na bala” e que ficava a cerca de uns 250 Km de Quelimane, 420 metros acima do nível do mar, com acesso por terra porém em estrada muito precária, a maior parte dela sem asfalto e situada em área ainda não desminada, ou seja, havia risco de passarmos por cima de uma mina anti pessoal ou anti carro, caso saíssemos da estrada por algum motivo.

Assim, durante os deslocamentos nossa maior preocupação era que qualquer pequeno acidente com a viatura poderia ser fatal caso saíssemos da estrada. Até se fosse o caso de termos necessidades fisiológicas, a orientação era que fossem feitas na própria estrada. No dia seguinte a minha chegada em Quelimane, me apresentei, providenciei toda a papelada necessária e fiquei aguardando a viatura que estava vindo de Morrumbala para me buscar, lembro que almocei e iniciei minha viagem para a nova designação à tarde por volta das 14:30 horas.

Ao chegarmos em Morrumbala por volta das 18:00 horas, meus dias mais difíceis na missão estavam começando e logo nos primeiros instantes, fui recebido por dois indianos, um deles o Post Commander (comandante do posto) Capitain KAYLASH, pense num comandante boçal e soberano! Pelo menos ele se achava assim, devido ao status do oficialato em seu país que, segundo ele, na polícia da Índia havia um soldado só pra carregar a mala ou maleta de cada Oficial indiano.

Além dos indianos, estavam lá dois egípcios, dois nigerianos e dois ganenses, o único que estava sem um “canga” era eu, pra variar. O cenário encontrado em Morrumbala na época da missão é simples de descrever… uma única rua com cerca de 1,5 Km , na metade da extensão dessa rua à esquerda situava-se a casa da paróquia, única casa ainda inteira na localidade e que havia sido alugada pelos CIVPOL os quais, já se encontravam no recém instalado Posto das Nações Unidas.

Ao final da citada rua passávamos por uma minúscula ponte e subíamos uma  ladeira onde em seu término podíamos encontrar uma das poucas estruturas de alvenaria intactas da cidade, o Hospital Regional, pouco antes em uma área aberta à direita, situavam-se quatro barracas de lona da ONU onde estavam funcionando a estrutura de escritório do nosso Posto de Trabalho na localidade  e também bem perto, um pouco mais abaixo, podíamos observar a segunda estrutura sem depredações, tratava-se do escritório dos Médicos Sem Fronteiras.

Fora isso, o que se via a cada lado da rua em toda a sua extensão eram estruturas de alvenaria depredadas, escombros de antigas construções e barracas de palha, chamadas pelos locais de palhotas, todas elas de alguma forma ocupadas por pessoas para improvisarem as suas moradas e os poucos comércios existentes que em sua maioria espalhavam seus produtos nas calçadas.

Enfim, vamos a minha recepção… após me apresentarem a todos os integrantes do posto e me darem as boas vindas de praxe, fui informado de que cada quarto da casa já estava ocupado com uma das duplas das nacionalidades ali representadas e que eu iria ficar dividindo o quarto com o Comandante do Posto.

A função que eu iria desempenhar no posto seria a de Oficial de Ligação, haja vista que era o único falante da língua portuguesa dentre os CIVPOL e até a minha chegada estavam utilizando os serviços de um interprete local, vindo de Quelimane  contratado pela ONU para essa função até que eu me apresentasse.

Ao adentrar no quarto onde inicialmente eu iria passar meus dias naquela localidade observei  no canto esquerdo uma cama de casal sem colchão e com palhas acima do estrado, encostada na parede do fundo, nessa parede havia uma janela de madeira que ficava acima da cabeceira da cama, à direita vi instalada uma cama de campanha, com mosquiteiro, e ao lado um baú cheio de equipamentos, os quais cada indiano recebe de seu país e contem itens de subsistência básicos e em conformidade com as características a serem encontradas em cada missão, inclusive climáticas, obviamente na hora lembrei de toda a falta de apoio dada pelo Brasil aos policiais brasileiros que vão para missões das Nações Unidas, costumávamos dizer que para os brasileiros era cada um por si e Deus por todos.

Tão logo entrei o Capitão KAYLASH me disse: “- Essa será a sua cama”, logo em seguida eu perguntei pelo colchão, como resposta ele me perguntou: “- Você não trouxe?”

Como eu não havia sido informado que tinha que levar um colchão, de imediato o sangue ferveu e eu xinguei a mãe do Capitão em português e quando ele me perguntou em inglês o que eu havia dito, me limitei em bradar Caveira nos ouvidos dele e me larguei na cama dura mesmo, cheio de raiva e descontentamento com a falta de espírito de corpo encontrada, afinal quando foram me buscar em Quelimane poderiam ter me informado sobre as condições que eu iria encontrar em Morrumbala e me orientado com relação a alguns itens essenciais a serem adquiridos e levados à localidade.

Após me acalmar, acionei minha lanterna, procurei o banheiro e fui tomar banho, encontrei um tanque cheio de água gelada, afinal estávamos numa localidade com certa altitude, no inverno, sem água encanada e sem energia elétrica, havia gerador na casa porém, nesse dia estava com avarias e aguardando reparos.

Não me restou outra opção naquele momento senão, encarar um banho super gelado, com os dentes batendo enquanto me lembrava dos treinamentos árduos de meus cursos buscando um alento e me auto motivando para suportar o desconforto temporário de um banho  bastante frio, a temperatura local beirava uns cinco graus.

Enfim, acertei meu relógio de pulso para despertar as 07:00 horas, haja vista que o expediente começaria às 08:00 horas e  fui dormir no lastro coberto por palhas me perguntando o que era aquilo pra quem já havia dormido no chão batido da selva amazônica em um dia com chuvas.

Assim enfrentei a primeira noite em Morrumbala até que por volta das 04:30 horas da manhã comecei a ouvir lamúrias e cochichos de ladainhas repetidas que me chamaram a atenção, alcancei minha lanterna e em seguida observei que se tratava do Capitão KAYLASH que estava orando antes do pôr do sol, ele era mulçumano, sem problemas, fechei os olhos e consegui dormir um pouco mais.

Exatamente as 05:30 horas ouvi um estampido bem próximo a minha cabeça, me assustei e dei um salto da cama, nisso eu esbarrei sem querer no capitão e o mesmo caiu por sobre sua bonita cama de campanha que estava montada ao lado, partindo-a ao meio.

Naquele momento o estampido que ouvira tratava-se do som do ferrolho da janela que só poderia ser destrancado com dificuldade por conta do ferrugem, através de força, a janela como disse antes, ficava na parede do fundo, pouco acima de onde a cabeceira da cama estava encostada.

Ajudei o Capitão a levantar-se e voltei a dormir, mais uma vez bastante chateado com o ocorrido, na sequência, pra completar a experiência da primeira noite, em plena 06:00 horas da manhã o Capitão KAYLASH após ter aberto a janela, liga seu rádio AM para ouvir as notícias pela CNN, sem sequer considerar que havia um outro colega brasileiro no quarto ainda dormindo. Para ele, apenas um tenente…

Após o amanhecer fui conhecer as instalações do escritório, participei da minha primeira patrulha indo visitar um dos vilarejos mais afastados e de cara tive que assumir o volante da viatura pois, embora a habilitação fosse exigência para todos os CIVPOL, poucos deles tinham experiência em condução de veículos, principalmente em estradas com condições tão precárias, a partir desse momento passei também a ser o motorista principal em todas as patrulhas que eu participava, inclusive com a concordância unânime de todos. Soube que isso também aconteceu em outros postos onde havia brasileiros.

 

Chegou a hora do almoço e mais um problema eu tive que enfrentar… todo feliz com meus gêneros alimentícios trazidos do Brasil, já com a boca cheia d’água e com bastante fome,  peguei um risoto de frango desidratado e cuidadosamente li as instruções de preparo, na cozinha encontrei dois fogões a lenha acessos mas, sem nenhuma panela, então coloquei minha comida, dei uma mexida leve, marquei a hora do preparo e dei uma saída retornando oito minutos depois, conforme previsto nas instruções.

Encontrei a minha panela no chão, com a comida embolada, parecia uma papa ressecada e no fogão havia uma grande panela com água, minha única reação no momento foi a de um Tenente com vinte e oito anos, e muito sangue nos olhos, dei um chute na panela e tudo foi ao solo, panela para um lado, tampa pra outro, foi aquela barulheira só, com água e carvões espalhados pra todo os lados e em seguida, todos chegaram correndo para saber o que tinha acontecido. Obviamente me encontraram esbravejando e xingando muito, revoltado com a falta de respeito para com a minha comida e querendo partir pra cima do Capitão nigeriano que havia tirado a minha panela do fogo, ainda bem que me seguraram.

 

Fui informado que os fogões  eram dos nigerianos e que a água estava sendo aquecida para um deles tomar banho antes do almoço, que todos poderiam usar os fogões mas, sempre depois deles, foi a gota d’água para mim que sempre prezei pela camaradagem e espírito de corpo.

Naquele momento, duas coisas aconteceram, uma delas foi que eu aprendi que era cada um por si naquele posto, que eu estava só e não deveria esperar nada de ninguém e a segunda coisa que aconteceu foi que todos passaram a respeitar aquele Tenente brasileiro magrinho e bravo que ostentava uma caveira na altura do peito em seu uniforme negro.

Naquela hora eu decidi que teria que encontrar um jeito de sair daquele meio antes que eu me envolvesse em uma confusão mais séria e fosse repatriado. Na mesma tarde fui visitar as instalações dos Médicos Sem Fronteira e dei sorte de encontrar um Português dentre os médicos, expliquei o ocorrido e fui informado que pelas regras internas eles não poderiam autorizar que alguém de outra organização dividisse com eles a mesma instalação porém colocaram a minha disposição uma palhota que havia no fundo do terreno, caso eu aceitasse.

A palhota era redonda, com cerca de 2,5 metros de diâmetro, extremamente baixa, só dava pra ficar em pé lá dentro me situando na parte central da mesma, a porta de entrada tinha cerca de um 1,5 metros e só era possível entrar após se abaixar bem.

No interior da mesma eu encontrei uma cama de solteiro com colchão de palha, uma pequena estante, uma tábua de passar roupas, e uns engradados de refrigerantes vazios. Havia uma lâmpada incandescente no centro da palhota.  Nas instalações de toda a base havia um gerador que funcionava diariamente até as 22:00 horas, no interior da casa dos médicos havia uma cozinha com fogão industrial e um banheiro, os quais eu poderia compartilhar com eles, bem como uma sala com sofá e um vídeo cassete que também estaria à disposição. É claro que eu não tive dúvidas em mudar pra lá.

Retornei às instalações da ONU terminei o expediente às 17:00 horas e fui informado que como eu era o mais descansado e recém chegado, aquela seria a minha primeira noite de serviço como Oficial de Dia pois, a cada noite um dos CIVPOL apesar de não trabalhar com arma de fogo, pernoitava no interior das barracas a fim de guardar os equipamentos rádio ali existentes, máquinas de datilografar, mesas, cadeiras, ventiladores, etc.

Após o jantar  fui para o local e seguindo as orientações, desliguei o gerador as 22:00 horas e amarrei os cantos da barraca principal onde eu iria ficar visando diminuir a entrada de ventos, fazia muito frio. Os rádios continuavam ligados por ação das baterias e se eu ouvisse alguma mensagem para “Zulo Bravo 7” eu deveria responder e transcrever no livro o que fosse transmitido.

Aquela noite também foi inesquecível pra mim que nunca havia passado por tanto frio antes, após desligar os geradores eu deitei em cima de uma mesa de formica sem tirar nenhuma peça de roupa, pelo contrário, eu estava de casaco e ainda me cobri com a mantinha  trazida do avião e coloquei minha balaclava pra esquentar a cabeça e ouvidos.

Naquela noite só consegui cochilar até as 02:00 horas pois, ficou insuportável continuar deitado na mesa, a qual por ser de fórmica absorvia bem a temperatura e caso  eu forrasse a mesa com a manta não teria nada para me cobrir, foram longas horas até que o dia amanhecesse, durante esse tempo eu fiquei no interior da barraca me movimentando pra lá e pra cá, envolto com a manta e de vez em quando saltitando pra me aquecer.

Para surpresa de meus colegas CIVPOL, no dia seguinte anunciei minha mudança. A partir de então novas experiências foram vivenciadas por mim que diariamente após as 22:00 horas e ter que ficar sem energia, passava a curtir momentos de solidão na palhota escura, tendo como  única distração ouvir músicas em um toca fitas Tojo portátil à pilhas, lembrando de casa enquanto olhava fotos de minha mulher sob a luz fraca de uma vela acesa.

À noite também era comum acordar com barulhos nas palhas que cobriam o teto da palhota, uma vez consegui identificar focando com a luz da lanterna e descobri que eram ratos que passavam pelos caibros, às vezes bem próximos da minha cabeça, nesse dia tomei um bom susto mas, só me restava dormir e torcer para que não caíssem em cima de mim.

Meu pior momento na palhota foi uma crise de cólica intestinal que senti no meio de uma das noites solitárias, eu não tinha como pedir por socorro, lembro que liguei a lanterna, vasculhei minha mala e encontrei um vidro com um resto de Buscopan vencido a ponto da tampa do vidro está com uma borra escorrendo e o vidro estar todo manchado mas, naquela altura era minha última esperança para aliviar o sofrimento, retirei a tampa e bebi sem água mesmo cerca de “um dedo” de remédio que ainda restava, adormeci uns trinta minutos depois e acordei sem dor na manhã seguinte.

Essas cólicas apareciam em mim de vez em quando ainda quando estava no Brasil mas, nunca havia sido diagnosticada a sua causa mas, em Moçambique, após esse fato ocorrer eu fui autorizado a ir até a capital Maputo em busca de atendimento médico e lá fui orientado por uma médica argentina a não mais “engolir sapos”, pois o que eu tive foi prisão de ventre causado por stress e eu deveria soltar minha raiva de alguma forma, eu até ri no momento mas, sabendo da causa de minhas cólicas, passei a lidar melhor com meus momentos de descontentamento e raiva e já faz vinte e três anos que não senti mais essas fortes dores estomacais.

 

Depois de alguns dias que eu estava morando em Morrumbala chegou após também ter sido designado para a mesma localidade, um Sargento da Guarda Civil Espanhola chamado JUAN RODRIGUES DELGADO o qual, havia sido enviado para Morrumbala para ser o meu “Canga” e parceiro de linguagem, afinal para os gringos Português e  Espanhol é tudo a mesma coisa e todas as demais nacionalidades com representatividade em Morrumbala estavam em duplas, menos o brasileiro.

Aconteceu com JUAN a mesma coisa que aconteceu comigo e ele me procurou desesperado pedindo apoio pois, não aguentava mais os “infieles”, palavra que ele usava para se referir aos muçulmanos que eram maioria no posto.

Depois de muito custo fui convencido por JUAN a desocupar uma edícula que havia nos fundos do terreno da casa onde os demais CIVPOL estavam residindo, o local era utilizado para armazenar o combustível para as viaturas e geradores das Nações Unidas, media cerca de 4 X 5 metros em paredes de alvenaria, cobertos por telha de zinco.

Depois de limparmos tudo, mudei para lá. O local passou a ser o lugar mais amplo e confortável dentre todas as instalações disponíveis e o melhor de tudo, separado dos demais CIVPOL. Obviamente com o tempo e sem desentendimentos e superando os choques culturais fizemos boas amizades com todos eles.

Dali em diante passaríamos a lidar com outras dificuldades, a alimentação era a maior delas, não dispúnhamos de energia, assim não tínhamos como manter nada gelado, muito menos congelado, não havia restaurantes em Morrumbala, tínhamos que comprar aves, matar e preparar, então combinamos que a cada dia, quem estivesse na folga ficaria responsável pela preparação da comida.

 

Compramos nossa primeira galinha, tratava-se de uma galinha que no Brasil chamam de Garnisé , muito pequena e musculosa, não sabíamos como depenar usando água quente então decidi ensinar ao espanhol JUAN como eu havia aprendido na época em que servi ao Exército e mostrei ao mesmo como descamisar uma ave.

Passamos então a fazer sempre do mesmo jeito, o problema é que a galinha garnisé é muito dura e cheia de cartilagens, a solução que encontramos foi deixar de molho no vinho branco, que vez por outra trazíamos de Quelimane,  deixávamos no vinho de um dia para o outro, isso amaciava  a carne e amenizava o problema.

Havíamos comprado também alguns ovos que alguns meninos passaram oferecendo mas, ao quebrarmos encontramos pintos quase prontos pra nascer ou então os ovos estavam podres.  Em Morrumbala havia muita escassez de comida, bastante miséria, muitas crianças nas ruas sem escolas, por lá as pessoas comiam até ratos, os quais eram comuns de serem encontrados a venda em tabuleiros nas calçadas.

A situação da alimentação só melhorou com a chegada em Mocuba, do COBRAMOZ (sigla em inglês para Contingente Brasileiro em Moçambique) , Mocuba era outra localidade que ficava entre Morrumbala e Quelimane  e como eu havia sido designado para receber o efetivo de brasileiros do COBRAMOZ na fronteira da província e guia-los até Mocuba, fiz amizades e sempre que podia eu passava por lá e pegava arroz e feijão com eles para poder cozinhar e comer um pouco melhor em Morrumbala.

Como não existiam restaurantes, durante as patrulhas minha alimentação era composta de bolachas Cream Cracker com sardinhas, no geral eu comia muito pouco e mal, o que me deixava bem desgastado  aparentemente, a ponto de no final da missão retornar ao Brasil nove quilos mais magro.

Em Moçambique havia três tipos de malária, além das duas que já conhecia de Rondônia, a Falciparum e a Vivax, existia outra muito temida e  conhecida por “Malária Cerebral”, hoje podemos comparar  a Malária Cerebral à Dengue hemorrágica, muito perigosa.

Todos os brasileiros que não viviam em regiões do Norte do Brasil morriam de medo de contrair Malária. Certa vez tive que pernoitar em Mocuba, nessa localidade haviam sido designados os Tenentes RICARDO e CHAGAS os quais, ao saberem que eu estava por lá me convidaram para dormir na casa deles.

Ao chegar lá, na hora de dormir, entrei no quarto do RICARDO e vi um colchão de casal envolto por um mosquiteiro, observei o RICARDO borrifar o interior do mosquiteiro com um veneno para mosquitos, passar repelente no corpo todo e se vestir com um abrigo esportivo de mangas longas, completando a vestimenta com um par de meias nos pés e outro nas mãos, só o rosto ficava de fora .

Nessa época já estávamos no verão e como não havia energia para ligar um ventilador, o calor era quase insuportável,  não sei como o RICARDO aguentava vestir tudo aquilo. No quarto dele havia um sofá com cobertura de napa, o qual após eu reclinar a parte de trás o mesmo se transformou numa cama larga, foi onde me deitei apenas de cuecas para dormir na ocasião, depois de muito reclamar do calor e insistir, o RICARDO me autorizou a abrir a janela dizendo que eu iria me arrepender pois, pegaria uma Malária.

No dia seguinte após aquela noite quente segui meu destino de volta a Morrumbala, dez dias depois recebi uma mensagem via Rádio do Tenente RICARDO, o qual, muito chateado me responsabilizou por ele ter adquirido uma malária que segundo o mesmo, só ocorreu porque eu havia dormido com a janela do quarto aberta, sendo que eu não havia adoecido, apenas ele. Apesar da situação de sofrimento de meu amigo, ri muito com seu raciocínio sobre o fato.

Estava chegando a data do Medal Parede, cerimônia de condecoração da Medalha das Nações Unidas e esta cerimônia seria conduzida em Mocuba, local onde todos os brasileiros a serem condecorados haviam sido autorizados a se deslocar a fim de participar da solenidade.

Nesse dia eu viajava de viatura para Mocuba, juntamente com o Tenente CHAGAS quando fomos chamados por populares à beira da estrada para socorrer duas crianças que haviam pego uma mina anti pessoal e teriam ido brincar com a mesma dentro de uma palhota,  causando sua detonação, devido a explosão as crianças ficaram gravemente feridas e com estilhaços espalhados pelo corpo.

Sem saber da localização do campo minado, no meio do caminho passamos pela área minada e chegamos até as crianças para conduzi-las até o COBRAMOZ, local onde havia médicos disponíveis, as crianças foram atendidas e medicadas.

Pela nossa participação no socorro às vítimas, recebemos elogios (LETTER OF APPRECIATION) da ONU e no Brasil fomos condecorados por bravura.

Após passar por péssimas condições de conforto, outro fato que causou grande preocupação a todos os CIVPOL em Morrumbala e  quase provocou um abandono geral do posto foi a notícia de uma infestação por Peste Bubônica numa cidade do Malawi mais próxima de Morrumbala, a qual ficava a 60 Km de onde estávamos porém, juntamente com JUAN que veio a tornar-se em um de meus melhores amigos, como dizíamos “quase irmãos”, convencemos aos egípcios e indianos a permanecerem na localidade.

Em outubro de 1994 ocorreram finalmente as eleições no país, na ocasião os CIVPOL participaram como Observadores Eleitorais Internacionais, deu tudo certo e Moçambique elegeu democraticamente seu Presidente.

Após mais três meses de sofrimento na missão, quando eu pensava que poderia ir em casa novamente, as licenças de afastamento foram suspensas, a ONU iria iniciar a retirada de todos os seus integrantes e encerrar a missão dali a vinte e cinco dias e não se justificava fazer concessões de liberações, foram os dias mais angustiantes que tivemos até que pudemos chegar em casa no dia 22 de dezembro de 1994, após sete meses de missão.

Após o término da missão ONUMOZ em dezembro de 1994, conclui que eu poderia ter sido melhor designado se na ocasião eu dominasse o idioma inglês e ao mesmo tempo percebi que o Inglês é uma língua fácil demais para aprender, assim sendo, decidi estudar o idioma e tentar outra missão de paz no futuro, essa oportunidade demorou nove anos para surgir novamente mas, eu conto na próxima oportunidade.

Pacha-2

Nada mais prazeroso profissionalmente do que poder representar bem seu país, seu Estado, sua Instituição, seu nome, tudo em prol da paz e da solidariedade. Sinto-me privilegiado e honrado por isso.

Força e Honra… Brasil!!!

 

NOTA DO SITE: Até o fim da década de 1990, a atual Polícia das Nações Unidas (United Nations Police – UNPOL) era denominado Civilian Police (CIVPOL). O termo é utilizado tanto para o indivíduo policial em missão de paz da ONU ou para o componente policial de uma missão multidimensional.

 

 

 

Published in: on agosto 13, 2017 at 2:15 am  Comments (2)  

Tenente PMESP Fernanda Nossa escreve sobre fé e o respeito à diversidade cultural e religiosa em Guiné-Bissau

“PKO 5

A Guiné Bissau é um exemplo em termos de liberdade religiosa, coexistência pacífica de credos e respeito à fé!

3

Na mesma família há quem comemore o Natal e quem jejue no Ramadã, e isto é tão respeitado e tão disseminado na cultura local que católicos comemoram com festa o fim do Ramadã, animistas aplaudem Jesus Cristo e muçulmanos assistem a danças para divindades da natureza sem que um duvide da crença do outro, sem que outro imponha verdades a um e sem que dois ou três briguem…

E neste domingo, na primeira missa que meu senso individual de gratidão me fez assistir, foram vários os momentos em que me emocionei! O coral de crianças super afinado, os ritos preservados que discretamente o padre fez questão de manter e ensinar para seus fiéis e que os diferenciam de tantos e tantos por detalhes quase imperceptíveis como o fato de uma leitora da palavra esperar que a próxima se aproximasse dela para que juntas elas fizessem a saudação ao altar e só então assumissem seus novos locais na igreja, as palavras curiosas do português falado aqui do outro lado do Atlântico, os singelos mas sempre presentes instrumentos de percussão típicos da região que impõem às músicas uma atmosfera incontestável, poderosa e inconfundível de África, os vitrais discretos mas significativos de santos ao longo da igrejinha branca, a senhora de idade que professou intensamente sua fé a meu lado, o rapaz que estava no banco de trás e que me desejou a paz de Cristo com uma sinceridade que fazia tempo que não via no olhar de um desconhecido, o missionário mineiro que fez questão de vir nos conhecer ao fim da missa e que veio trabalhar no país em nome da igreja, as crianças, seus risos e cochichos curiosos sobre mim e meus amigos que tem o Brasil estampado na fuça, a delicadeza do terço que ganhei de presente de um comandante e grande amigo, o fato de eu saber que minha mãe também iria na missa lá no Brasil naquele dia e que de alguma forma nossos corações se encontrariam, tudo, simplesmente tudo me fez chorar…

E assim lacrimejei do início ao fim da missa, me juntei em oração pela transfiguração das pessoas, das cabeças dos políticos e das autoridades, para que enxerguem seu dever e atuem verdadeiramente pela sociedade bondosa desse país que tem um dos mais baixos IDH do mundo (172º colocado de 177 países) mas onde ninguém permite que um irmão acabe vivendo na rua ou morra de fome, no melhor exemplo de solidariedade que se pode imaginar… e como toda macumbeira que se preze senti arrepios, calafrios e ondas de energia que não pude conter e que me fizeram tremer de emoção ao perceber a força daquelas vozes unidas suplicando por paz e estabilidade e foi tão implacável este sentimento que imediatamente desejei o mesmo para o meu país…

Fechei meus olhos e agradeci profundamente tudo o que me aconteceu neste último mês e a grande oportunidade que o “Barba” me deu… confesso que são tantas coisas vividas de maneira tão intensa e significativa que ainda nem me dei conta que estou abrindo minha terceira semana de missão de paz, sem entender muito bem o meu papel no complexo contexto de ser “police adviser” ou conselheiro policial num Escritório Internacional Integrado para a Consolidação da Paz em um país pequenino, que conquistou com suor e sangue a liberdade há menos de 50 anos depois de séculos de colonialismo, que passou por diversas crises políticas e que tem atualmente a chance de que o presidente cumpra seu mandato por completo pela primeira vez!

Então me invadiu a certeza que não dá pra vir aqui fazer a diferença por propósito financeiro, por propósito pessoal, por propósito comercial ou por aventura… o único jeito de fazer valer a pena é realmente entender, de uma vez por todas, que o exercício da autoridade, seja ela política, familiar, educacional ou policial, decorre de um dos maiores mandamentos que o barba podia nos ter ensinado: o amor ao próximo! Se em Romanos 13 está escrito que toda autoridade vem de Deus, e que por este motivo, ela merece respeito e obediência, pois atua em nome dele, em algum lugar também está escrito que o governo existe para manter a ordem e a paz e que os governantes têm grande responsabilidade perante o “Barba”, pois devem fazer justiça e guiar o povo com sabedoria e cuidado e mais: que serão julgados de acordo com suas ações…

Então voltei a fazer a mistura de fé com ideologia que sempre acabo fazendo, voltei a enxergar um propósito divino no exercício do poder de polícia e voltei a acreditar que nunca, nunquinha, de jeito nenhum eu teria escolhido outra coisa pra fazer, nem em outra vida, nem em outro planeta…

4

OBS:

Post publicado pela 1º Ten PMESP Fernanda Nossa em uma rede social. Autorizado para publicação neste site. Fernanda é conselheira policial (police adviser) em missão de paz da ONU em Guiné-Bissau. Atualmente, atua como ponto focal (focal point) da UNIOGBIS com a polícia local para o desempenho das atividades de polícia comunitária na “Model Police Station”, ou esquadra policial modelo, como chamam em Guiné-Bissau.

Published in: on agosto 9, 2017 at 7:41 am  Comments (1)  

Major da PMDF assume cargo no Departamento de Paz da ONU

Sérgio Carrera, major da Polícia Militar do Distrito Federal, pretende aproveitar ao máximo a experiência e abrir portas para o Brasil na área de segurança pública

Maria Isabel Felix *02/08/2017 19:30 – Atualizado em 02/08/2017 19:17
2
Sérgio Carrera integrará a Divisão Policial do Escritório de Estado de Direito e Instituições de Segurança – Foto: Arquivo Pessoal

 

“O mundo é muito grande e não podemos fechar as portas para o vizinho”. É assim que Sérgio Carrera relembra as experiências que passou como promotor da paz. Recentemente, o major da Polícia Militar do Distrito Federal foi selecionado para integrar a Divisão Policial do Escritório de Estado de Direito e Instituições de Segurança (Orolsi) do Departamento de Operações de Paz, localizado na sede da ONU, em Nova York. É a primeira vez que um brasileiro consegue passar no longo e difícil processo seletivo para o cargo.

 

As atribuição são muitas. Em resumo, Sérgio deverá atuar com direitos e paz na área de segurança, sendo conselheiro de chefes das divisões policiais, fazendo a gestão administrativa relacionada a emprego policial em áreas de conflito, entre outras funções. Ansioso com a nova experiência como policial, o major pretende abrir portas para o Brasil. “Poderei ter várias experiências e trabalhar com propostas de paz. É uma oportunidade de trazer novidades em segurança pública para o país”, afirma Carrera.

A inspiração de trabalhar a fim de alcançar a paz vem desde cedo. “Meu pai foi promotor da paz na ONU. Me encantava o trabalho dele”, relembra. “Certa vez, ele foi para Moçambique no período de guerra no país. Curioso em saber como era a realidade dele, viajei para lá nas últimas férias”, relembra o major.

Com mais de 20 anos de serviço policial, Sérgio Carrera atuou na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH) em 2007 e 2013, participou da equipe de negociação de reféns da PMDF e atuou como consultor internacional da ONU, além de fazer palestras em vários países sobre a promoção da paz.

Além da formação policial, Carrera é graduado em direito e relações internacionais, com mestrado em segurança e paz. Também é membro do corpo docente do Instituto Superior de Ciências Políticas. Desde maio de 2016, o major exercia a função de Comandante do Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur) da PMDF. Espera-se que Sérgio assuma o novo cargo na ONU dentro de pouco dias.

Matéria publicada no site do Jornal Correio Brasiliense, em 02 de agosto de 2017.

Clique aqui para a matéria no site.

Major Sérgio Carrera irá trabalhar no DPKO em Nova York

Matéria publicada no blog UN Police, do veterano Major RS Marco Antonio.

Veja matéria na íntegra aqui.

Foi com imensa satisfação que li a informação postada no facebook na última segunda-feira, na página “O Brasil e as Operações de Manutenção de Paz“, que o meu amigo e irmão de missão no Haiti, Major da Polícia Militar do Distrito Federal, Sérgio Carrera, foi selecionado para exercer uma função policial no Departamento de Operações de Paz da ONU (Department of Peacekeeping Operations – DPKO) em Nova York. Tive a oportunidade de trabalhar com o então 1º Tenente Carrera na Missão de Paz da ONU no Haiti (MINUSTAH) no segundo semestre de 2007, oportunidade em que moramos, juntamente com o Major Braga – PMPA – e o Capitão Freitas – BMRS – no mesmo apartamento em Porto Príncipe.

1

O Major PMDF Sérgio Carrera é um Oficial extremamente capacitado para fazer história e se tornar o primeiro policial militar brasileiro a ocupar um cargo estratégico no Secretariado da ONU, em sua sede, na cidade de Nova York. No decorrer de pouco mais de vinte anos de serviço policial, o Major Sérgio Carrera possui uma trajetória de destaque e competência nas diversas unidades policiais em que trabalhou, quer sejam unidades operacionais de área, unidades especializadas, de ensino ou de gestão de pessoal, sendo membro do corpo docente do Instituto Superior de Ciências Policiais (ISCP) e membro da equipe de Negociação de Reféns da PMDF entre os anos de 2006 e 2012. Além da formação policial, o Major Sérgio Carrera possui duas outras graduações, em Direito e Relações internacionais, bem como concluiu com méritos o Mestrado em Ciência Política.

Sua experiência internacional também é vasta, pois é  consultor internacional de “Polícia e Direitos Humanos”, “Uso da Força Policial” e de “Policiamento Discriminatório/Preconceituoso” do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU em Genebra, na Suíça, bem como foi nomeado Consultor Internacional do Alto Comissariado em uma missão de 90 dias na Papua Nova Guiné, em 2015, para a implantação do projeto de Direitos Humanos na Polícia Nacional daquele país. Foi instrutor de cursos UNPOC na Suécia, Noruega e no Brasil, onde foi um dos idealizadores do curso UNPOC promovido pela PMDF. Na foto abaixo, durante a cerimônia de encerramento do curso UNPOC na Suécia.

É instrutor/docente/consultor em vários países, dentre os quais a Suécia, Noruega, Canadá, China, Argentina, Chile, Uruguai e Haiti. Também participou em várias oportunidades como Instrutor convidado do Estágio Preparatório para Missões de Paz do Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil – CCOPAB – no Rio de Janeiro.

O Major Sérgio Carrera participou de duas Missões de Paz da ONU no Haiti , sendo a primeira em 2007, como já mencionei, e a segunda em 2013. Na foto a seguir o Oficial aparece recebendo a Medalha “In The Service Of  Peace” em Porto Príncipe em outubro de 2007.

… o Major Carrera, que exerceu, entre outras, a função de Coordenador e Instrutor do Advanced Training da Seção de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Human Resources Development Unit – HRDU),  aparece conduzindo avaliação em policiais internacionais em sua segunda passagem pelo Haiti em 2013.

Ainda dentro do tema Missões de Paz, o Major Sérgio Carrera é autor do livro “A Serviço da Paz: relatos de policiais militares em missões de paz. Volume I – África”, além de ser autor de vários artigos relacionados ao serviço policial nas missões de paz, ser palestrante, orientador e ministrar aulas sobre temas de polícia, direitos humanos, segurança e paz internacionais.
Atualmente, desde o mês de maio de 2016, exerce a função de Comandante do Batalhão de Policiamento turístico (BPTur) da PMDF.

O processo seletivo para os cargos na ONU é longo e extremamente difícil, pois, por exemplo, para os cargos de secondment(cargos de nível profissional P) em missões de terreno ou em sedes da ONU, todos os estados-membros são convidados a indicar 1 ou 2 policiais para cada cargo ofertado e, atualmente, a ONU conta com 193 países membros.
No Brasil, além disso, o processo ainda ganha outro componente decisivo que pode ser na verdade um complicador, visto que somos polícias estaduais e dependemos do aval também do Governador de nosso Estado para participar dos certames. Nesse aspecto o Major Sérgio Carrera teve, desde o início, o total apoio do  Comandante-Geral da PMDF e do Governo do Distrito Federal – GDF, através da Casa Militar do GDF, visto que nos últimos 3 anos, sempre que as oportunidades surgiram, o Oficial foi indicado e concorreu a outros dois cargos estratégicos no HQ da ONU em Nova York, não obtendo êxito total esperado, pois seguiu nestes dois certames até a penúltima fase (prova discursiva online), não sendo escolhido a integrar a short-list da última etapa.
Já no terceiro processo seletivo, iniciado em maio de 2016, no qual o Comandante-Geral da PMDF, com o aval do Governo do DF, indicou o Major Sérgio Carrera para concorrer a um cargo estratégico na Divisão Policial do Escritório de Estado de Direito e Instituições de Segurança (OROLSI) do Departamento de Manutenção de Operações de Paz (DPKO), localizado na sede da ONU em Nova York, o desfecho foi diferente. Pois o referido Oficial foi selecionado para a short-list em novembro de 2016 e participou da última fase da seleção: um painel composto por 4 entrevistadores, com duração aproximada de 40 minutos, no qual foram feitas perguntas que abrangiam o conhecimento macro sobre conceitos, princípios, valores, e o  sistema ONU, entre outros, além de questionamentos mais específicos do cargo ao qual o Major Sérgio Carrera estava se candidatando. Detalhe: essa última fase foi conduzida nos idiomas inglês e francês.
Para a grata satisfação de todos os amigos e familiares que estavam torcendo pelo sucesso do Carrera, em fevereiro deste ano, o Chefe da OROLSI informou através de ofício ao Embaixador do Brasil junto a ONU, Sr. Mauro Vieira, a confirmação da aprovação do Major PMDF Sérgio Carrera para o cargo de Police Officer, nível P/3. Vencidos os procedimentos burocráticos de praxe, o Oficial deverá assumir suas funções nos próximos dias.
A Polícia Militar do Distrito Federal, através do seu Comandante Geral, e o Governo do Distrito Federal, através da Casa Militar, estão de parabéns por novamente assumirem a posição de protagonismo e destaque no âmbito das Policias Militares brasileiras no tema Missões de Paz e participação policial nas Missões da ONU. Bem como a Missão Permanente do Brasil junto a ONU, em especial o Embaixador Mauro Vieira, por acreditarem no potencial dos policiais brasileiros em bem representar nosso país em tão importante cargo junto às Nações unidas!

*Resumo sobre o cargo:
Atuar como Conselheiro e dar o necessário apoio à Divisão Policial em questões relacionadas ao componente policial nas operações de manutenção de paz. Assegurar a adesão dos policiais em missão no terreno ao fiel cumprimento das tarefas previstas em seu mandato; Aconselhar e orientar o componente policial em suas atividades; avaliar e analisar o progresso dos componentes policiais; e, comprometer-se com todas as outras tarefas necessárias para assegurar a adequada administração e documentação de questões relacionadas com o efetivo policial em missões de campo. Aconselhar e orientar as missões de campo em questões de orçamento; atuar como principal ponto focal entre o Quartel-General em NYC e os componentes policiais em missões de campo em questões de administração e coordenação; conduzir a avaliação inicial relacionada à preparação dos planos operacionais para o componente policial nas missões de manutenção de paz; Aconselhar na preparação dos Conceitos de operação policial; Participar na preparação do plano de contingências para o efetivo policial nas missões em andamento, em fase de redução de efetivo e na prospecção de futuras missões; e, preparar materiais com antecedentes, notas informativas  e questões de estudo sobre temas relacionados com manutenção de paz. Trabalhar em estreita coordenação com  o Gabinete de Assunto Militares,  com as Representações dos Estados Membros, com o Gabinete de Operações (especialmente as equipes de Operações integradas), com o Departamento de Apoio às missões de Campo (DFS) e outros gabinetes/escritórios do Secretariado e das agências da ONU.

 

 

Published in: on agosto 9, 2017 at 6:42 am  Deixe um comentário  

Policiais militares femininas no Sudão do Sul

Após os meses iniciais na Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul, as Capitão Fernanda (Polícia Militar do Estado de São Paulo – PMESP) e a Capitão Emmy (Polícia Militar do Maranhão – PMMA) desempenham suas funções no país africano.

Emmy SS

A Capitão Emmy trabalha na capital Juba, no Escritório do Comissário (Police Commissioner) da Polícia (Police Commissioner – Chefe do Componente Policial da Missão –  UNPOL), como Ajudante de Ordens do Comissãrio – Protocol Officer do Police Commissioner.

Fernanda SS

A Cap Fernanda desempenha funções de Conselheira Policial (police advisor) na Seção de Proteção de Civis (Protection of Civilians) também em Juba.

Fernanda SS 2

Sucesso as nossas únicas representantes policiais militares no Sudão do Sul.

Feliz Dia dos Peacekeepers!

Published in: on maio 29, 2017 at 2:14 am  Deixe um comentário  

CROCS RECIFE APOIA PROJETO SOCIAL NA ÁFRICA

O dia 7 de abril é a data de celebração do Dia da Mulher Moçambicana, aniversário do falecimento da Sra. Josina Machel, segunda esposa de Samora Machel, primeiro presidente do país. Josina é considerada uma heroína em Moçambique por ter lutado muito pelos direitos das mulheres.

O JOCUM em Maputo desenvolve belíssimos projetos dentro das comunidades moçambicanas e aproveitando essa data tão importante, a loja da CROCS Recife fez uma doação de mais de 100 pares de calçados que foram doados a mulheres e crianças carentes que receberam com muita alegria e sorriso no rosto.

IMG_0310

IMG_0311.JPG

Moçambique é um país que foi assolado por conflitos armados durante décadas os quais ceifaram muitas vidas. Um total de 67 policiais militares brasileiros participou da Missão de Paz da ONU (ONUMOZ) no país africano e ajudaram no processo de consolidação da paz na década de 1990.

Um agradecimento mais que especial aos missionários Jorge e Iranice da Igreja Verbo da Vida pelo constante suporte aos vários projetos sociais e humanitários em Moçambique e o apoio irrestrito à CROCS Recife ao levarem a doação para esse povo tão sofrido, mas que amam os brasileiros e nunca deixam o sorriso de lado.

IMG_0313

IMG_0315

Sem dúvida que essas poucas 100 mulheres e crianças carentes saberão dar um valor inestimável somente por tirar seus pés do chão ao ter o que calçar.

IMG_0312

IMG_0314

Singelos atos que mudam rotinas e vidas de pessoas muito mais necessitadas.

Obrigado a CROCS Recife, a Igreja Verbo da Vida e ao JOCUM em Moçambique.

 

IGREJA VERBO DA VIDA: http://verbodavida.com/brasilia/conheca/quem-somos/

JOCUM – www.jocum.org.br.

CROCS Recife: http://www.shoppingrecife.com.br/loja/crocs

CROCS Brasil: https://www.crocs.com.br/

 

Published in: on abril 11, 2017 at 1:59 am  Deixe um comentário  

Policiais militares femininas iniciam treinamento em Uganda para Missão de Paz no Sudão do Sul

No dia 5 de março de 2017, na base da ONU em Entebbe/Uganda, teve início o Induction Training para a Capitão Fernanda, da Polícia Militar do Estado de São Paulo – PMESP, e Capitão Emmy da Polícia Militar do Maranhão – PMMA.

A  Capitão Fernanda foi selecionada no processo seletivo de março de 2016 que ocorreu em Recife, e a Capitão Emmy em agosto de 2014 na cidade de Manaus.

aaaa

Foto: Capitão Emmy e Capitão Fernanda.

As duas oficiais foram selecionadas para UNMISS (Sudão do Sul) e estão em sua primeira missão de paz.

Sucesso as novas boinas azul UNPOL e únicas policiais femininas brasileiras atualmente em missões da ONU, após um bom período.

 

fernanda

Capitão PMESP Fernanda em Entebbe.

Emmy

Capitão PMMA Emmy no Induction Training em Uganda.

 

Published in: on março 8, 2017 at 2:56 pm  Deixe um comentário  

Promoção venda do livro “A SERVIÇO DA PAZ: África”

O livro “A SERVIÇO DA PAZ: Relatos de Policiais Militares Brasileiros em Missões de Paz da ONU (Série Missões de Paz: ÁFRICA 1)” traz uma coletânea de histórias reais de situações vividas por policiais militares brasileiros quando integrando os contingentes policiais da Organização das Nações Unidas em suas Missões de Paz.

Os relatos tornam-se uma oportunidade importante de se fazer um registro histórico da participação policial militar brasileira em regiões em conflito ou pós-conflito. As narrativas contam as diversas situações e obstáculos que os profissionais tiveram que transpor em meio às precárias condições de trabalho, desde as suas chegadas às áreas das missões até o retorno ao Brasil.

a-servico-da-paz-capa

Os relatos levarão o leitor às realidades vividas por policiais enquanto representantes do Brasil sob a égide das Nações Unidas, onde ajudaram a promover os direitos humanos e garantir a paz e segurança internacional ao redor do mundo. Este primeiro volume da série centra-se nas cinco Missões de Paz no continente africano onde o Brasil se fez presente com efetivos policiais, desde a primeira participação em 1991 em (1) Angola, passando por (2) Moçambique, (3) Sudão, (4) Guiné-Bissau e até o mais jovem país do mundo, o (5) Sudão do Sul.

O livro está a venda on-line em sites de livrarias (Saraiva e Editora Biografia) e comigo, no valor promocional de R$ 30 + frete (menos DF) e deverá ser transferido ou depositado em conta corrente do Banco BRADESCO (Ag. 6130, cc 43-4). Comprovante com os dados para remessa devem ser enviados para missoesdepaz@gmail.com.  

Como se trata de uma produção independente, agradecemos muito a divulgação.

Tivemos alguns problemas nos últimos meses, mas agora as remessas estão funcionando plenamente.

Grande Abraço,

Sérgio Carrera

Published in: on fevereiro 23, 2017 at 11:58 pm  Deixe um comentário  

ONU solicita policiais militares para integrar Missão de Paz na Libéria

A ONU solicitou a indicação,até 17 de julho de 2016, de candidatos policiais militares para a UNMIL.

Idioma: inglês. 

 

Published in: on junho 30, 2016 at 11:11 pm  Deixe um comentário  

Get Ready: Syria Will Need Peacekeepers

The most recent tragic attacks in Brussels as well as the thousands of Syrian immigrants that continue to arrive in Europe underscore the need for an improved strategy in Syria. Defeating ISIS in Syria is crucial to the broader struggle against this brutal group that still draws many recruits from a vague argument that it is somehow “winning” its broader fight against the West. Relying on Assad and Putin will not, of course, work. The recent success of the Syrian army in Palmyra, while not intrinsically unwelcome, could further inflame passions of Sunnis against a regime that most see as itself virtually genocidal, and wind up doing little net good.
One key to a serious Syria strategy is recognizing that an international peacekeeping force will almost surely be needed someday, in order to uphold any peace deal that eventually emerges. A demonstration of willingness to deploy such a force may, in fact, improve the chances of peace, while making the international community and the parties to the conflict more realistic about what kind of peace is possible—and what kinds of other steps, including greater Western military aid for the moderate opposition, will also be needed to effect peace.

Understanding how civil wars end and the factors that spark their recurrence is one of the bright spots of political science, an academic discipline often derided by policy practitioners as too arcane and abstract to be of much practical use. Happily, that is not the case for this subject. Employing a blend of methods—sophisticated statistical analyses of many past wars, case studies informed by field research, interaction with policymakers who wrestled with specific conflicts over the years—researchers including Nicholas Sambanis at Yale, Michael Doyle and Page Fortna at Columbia, Barbara Walter at the University of California at San Diego, Stephen Stedman at Stanford and a number of others have advanced our knowledge in ways that speak directly to the current situation with Syria. Yes, there are differences in their arguments, but there are also key common threads that can guide policymakers as they seek a way out of the current morass. Among the key insights are the following:

Wars with high casualties, ethnic or sectarian components, and multiple actors are particularly hard to stop. Syria, of course, suffers from all three afflictions.

Tactical and very often short-term alliances between and among rival warring factions can contribute to failed peace efforts and occasion war’s relapse; Syria, again, includes such shape-shifting coalitions….

The remainder of this commentary is available on nationalinterest.org.

Published in: on abril 13, 2016 at 11:37 pm  Deixe um comentário  

Livro A SERVIÇO DA PAZ

O livro “A SERVIÇO DA PAZ: Relatos de Policiais Militares Brasileiros em Missões de Paz da ONU (Série Missões de Paz: ÁFRICA 1)” encontra-se atualmente em edição na Editora Biografia e com previsão para publicação no início de maio.
A SERVIÇO DA PAZ traz uma coletânea de histórias reais de situações vividas por policiais militares brasileiros quando integrando os contingentes policiais da Organização das Nações Unidas em suas Missões de Paz. Os relatos tornam-se uma oportunidade importante de se fazer um registro histórico da participação policial militar brasileira em regiões em conflito ou pós-conflito. As narrativas contam as diversas situações e obstáculos que os profissionais tiveram que transpor em meio às precárias condições de trabalho, desde as suas chegadas às áreas das missões até o retorno ao Brasil. Os relatos levarão o leitor às realidades vividas por policiais enquanto representantes do Brasil sob a égide das Nações Unidas, onde ajudaram a promover os direitos humanos e garantir a paz e segurança internacional ao redor do mundo.
Este primeiro volume da série centra-se nas cinco Missões de Paz no continente africano onde o Brasil se fez presente com efetivos policiais, desde a primeira participação em 1991 em (1) Angola, passando por (2) Moçambique, (3) Sudão, (4) Guiné-Bissau e até o mais jovem país do mundo, o (5) Sudão do Sul.

Visto que se trata de uma produção independente, a venda antecipada é uma estratégia para que possam ser realizados os pagamentos das despesas da produção.

Aos interessados, o valor do livro em venda antecipada é de R$ 35 + frete e deverá ser transferido ou depositado em conta corrente do Banco do Brasil (Ag. 1223-8, cc 35.040-0) e o comprovante enviado para missoesdepaz@gmail.com

Agradecemos a divulgação e o apoio.

  
 
 

Published in: on abril 7, 2016 at 2:17 pm  Deixe um comentário  

Algumas considerações sobre o regime de secondment para policiais da ONU

Secondment

A contratação de um servidor policial ou militar de um estado-membro da Organização das Nações Unidas (ONU) dar-se pelo regime de secondment.

No caso de policiais, os países indicam à ONU os candidatos, que devem ser voluntários, para participar de processo seletivo de acordo com as vagas ofertadas. Na seleção, os candidatos irão concorrer com policiais de outras nacionalidades e após análise curricular, os 3 mais capacitados passam para um short list. Concluídas as provas escritas, a próxima e última fase antes da escolha será uma banca para aferir a capacidade em exame oral. As indicações não garantem vaga para os países, mas apenas a possibilidade de participar do certame. Os processos duram em média um ano para serem concluídos (isso dependerá da necessidade).

Além do contido na documentação, é de conhecimento que lobby político-diplomático interfere diretamente, ou indiretamente, nas escolhas dos candidatos. Como o Brasil não é estrategicamente “de peso” no contexto policial no sistema ONU, com recursos financeiros ou de efetivos policiais, dificilmente receberá cargos importantes, salvo se houver interesse do governo, como foi no caso da Guiné-Bissau em 2010.

O fluxo básico da documentação: PM – IGPM/COTER/EB – Ministério da Defesa (MD) – Divisão de Missão de Paz – DPAZ/MRE – Missão Permanente do Brasil junto a ONU/MRE – DPKO/ONU.

Assim, o fluxo inverso será feito e o policial terá mandato inicial de 2 anos, com possibilidade de renovação por mais 2 anos, havendo por fim a contratação do servidor brasileiro pela ONU.

 

Das habilidades e competências: distinção entre policiais e militares

 

No caso do Brasil, os estados federados indicam os nomes, de acordo com as especificidades dos job descriptions e de requisitos estabelecidos pelo Exército. Dentre esses critérios criados pelo Exército estão: a) a obrigatoriedade de habilitação em processo seletivo conduzidos 2 vezes ao ano (um por semestre – tem validade de 18 meses); e, b) grau hierárquico idêntico ao utilizado nas FFAA.

Cabe a cada Unidade Federativa (Governo ou Corporação PM) indicar candidatos, voluntários, para concorrer a uma das vagas ofertadas, os quais deverão constar no banco de habilitados da Inspetoria-Geral (IGPM) do COTER/Exército Brasileiro (somente as Polícias Militares que possuem oficiais habilitados são contatadas).

Interessante que policiais militares que nunca participaram de missões da ONU mas que estejam habilitados pelo Exército são considerados “aptos” para indicação. Mesmo não existindo vedação, é por certo muitíssimo improvável que policiais sem experiência prévia sejam selecionados. Da mesma forma, profissionais que não estão concorrendo a vagas de UNPOLs, mas que teriam capacidade e interesse em concorrer a vagas de secondment, ficam vetados de participarem dos processos seletivos. Poderiam aqui ser considerados outros critérios para indicação de policiais para secondment, normalmente aqueles com mais tempo de serviço e experiência internacional.

O Exército brasileiro define as equivalências dos níveis profissionais (“P”) da ONU com as patentes hierárquicas:

– P/5 = Coronel;

– P/4 = Tenente-Coronel e Coronel;

– P/3 = Major e Tenente-Coronel;

– P/2 = Capitão.

Essas definições vêm normalmente estabelecidas pela Aditância Militar na Delegação Brasileira junto a ONU.

A lógica utilizada pelas Forças Armadas para equivalência dos níveis profissionais (“P”) da ONU reflete a realidade militar, visto que as vagas destinadas aos militares são especificamente para as patentes. Ex: Chefe de Operações = Tenente-Coronel, P/4.

Tal entendimento não se aplica necessariamente a polícia das Nações Unidas. Para contextualização, os componentes policiais de missões de paz são no rank, sem patente. Assim, quando um policial chega a uma área de missão, a administração não considera essencialmente o seu posto/graduação, mas sim as habilidades curriculares e experiência profissional. Da mesma forma, para os cargos de secondment, mesmo se levando em conta a patente no país de origem, esse fator não é decisivo, em particular, por haver inúmeras nomenclaturas diferentes nas agências policiais pelo mundo, o que se difere inteiramente dos militares das Forças Armadas. Ser sargento ou major de polícia varia de país para país, de departamento policial para departamento policial… vale muito mais as capacidades do que as patentes. Por tal motivo, em missões da ONU pode facilmente ter sargentos comandando coronéis policiais. Isso não se encontra no meio militar.

Ressalto que muitos job descriptions para cargos de secondment definem patentes ou cargos semelhantes. Todavia, como supramencionado, é muitíssimo complicado utilizar da ideia de “patente” e não de experiência e cargos ocupados durante a carreira.

Vincular os níveis P da ONU com as patentes policiais militares brasileiras, aos moldes das Forças Armadas, não atende necessariamente a demanda. É de conhecimento que as estruturas estaduais carecem de políticas de promoção razoáveis. Exemplo disso é que se pode encontrar um capitão com 25 anos de serviço em determinado estado, enquanto que em outro com menos de 20 anos já se atinge os postos mais elevados da hierarquia. Em alguns locais, permanecem 4 anos como oficiais subalternos enquanto que em outros ficam mais de 10 anos. Não há como se medir o nível de competência somente considerando a patente. Um capitão pode ter não apenas mais tempo de serviço como mais habilidades profissionais e pessoais que um “superior hierárquico”.

Na polícia da ONU a hierarquia é definida pela ocupação de cargos. Ela é funcional.

 

Policiais: especialistas civis

Convém ressaltar que as formas de organização das instituições policiais dos países-membros da ONU não interferem no sistema UNPOL/ONU. Para a ONU, os policiais são “especialistas civis” e não militares, mesmo que o sejam em seus países. Em missões multidisciplinares, os policiais não tem subordinação a militares. Os componentes policiais (UNPOL) e militares (MIL) possuem estruturas e comandos distintos, o Comissário da Polícia (Police Commissioner) e o Comandante da Força (Force Commander), respectivamente, sendo ambos subordinados a funcionários civis de carreira da ONU.

 

Legislação sobre regras de contratação, pagamento e benefícios

Com o objetivo de haver uma maior isonomia no âmbito da ONU, para evitar que 2 policiais que ocupem os mesmo cargos recebessem salários muito destoantes, uma norma da ONU estabelece que aqueles contratados “secondment” passem a “ compor os quadros de pessoal da ONU em regime temporário”, não devendo portanto os estados de origem continuar pagando salários a esses funcionários.

Há que se diferenciar o pagamento de salários com a perda de benefícios que a atual interpretação documental enviada às Polícias Militares sugere.

Quando os documentos encaminhados às corporações PM definem que os candidatos selecionados como contratados pela ONU não poderão ter ligação funcional nem financeira com o Governo Estadual/Brasileiro, induz-se que os policiais militares deverão entrar em gozo de licenças e afastamentos com outros fins para poder passar a disposição da ONU. Essa tem sido a orientação e a interpretação.

Ora, se o Estado-brasileiro indica oficialmente um servidor público para integrar missões internacionais, como poderia esse servidor ter prejuízos pessoais e profissionais ao entrar, como já proposto, com afastamentos com perda de contagem de tempo de serviço, direito à previdência (pensão militar), promoções e todos os demais direitos que lhe são conferidos? (Exemplos: Licenças para Tratar de Assuntos Pessoais – onde o policial perde todos os direitos existentes, inclusive salariais). Ou deveria o policial entrar com Licença Especial?

A lei no 10.937, de 12 de agosto de 2004, que trata “Do Exercício de Cargos de Natureza Militar Junto a Organismos Internacionais”, em seu Artigo 10 omite a figura dos militares estaduais, garantindo benefícios apenas aos militares das Forças Armadas:

 

Art. 10.

Parágrafo único.  A agregação do militar enquadrado na situação acima dar-se-á com a suspensão temporária do direito à remuneração mensal e aos demais direitos remuneratórios devidos pela União (grifo próprio).

O Artigo 11 do referido dispositivo legal estabelece que “será de responsabilidade do militar” o recolhimento dos descontos previstos.

O Artigo 12 da lei federal “As disposições desta Lei aplicam-se, no que couber, aos militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios, quando integrantes de força multinacional nas operações de paz”.

O “§ 5o do Artigo 1o da Lei nº 5.809 (de 10 de outubro de 1972):

A tropa brasileira em missão de paz, definida como sendo os militares das Forças Armadas e os militares dos Estados, Distrito Federal e dos Territórios integrantes de contingente armado de força multinacional empregado em operações de paz, reunidos em módulo de emprego operacional, com comando único, empregada no exterior, em cumprimento de compromissos assumidos pelo Brasil como membro de organismo internacional ou em virtude de tratados, convenções, acordos, resoluções de consulta, planos de defesa, ou quaisquer outros entendimentos diplomáticos ou militares, autorizados pelo Congresso Nacional, terá sua remuneração fixada em legislação específica.” (NR)

 

Portanto, no caso de secondment, o contratado deixa de receber seu salário da fonte pagadora, exceção feita ao recolhimento de descontos para fins de reserva (aposentadoria). Assim como os militares das Forças Armadas, os policiais militares não devem ter prejuízos de contagem de tempo de serviço, promoção, reserva e outros mais por servir ao país e às Nações Unidas, o que inclusive vai contra políticas da Organização.

Não há o que se propor, ou aceitar, o gozo de afastamentos para poder haver uma indicação do Brasil junto à ONU. Como poderia um funcionário público ser indicado oficialmente pelo estado brasileiro e ter que afastar-se totalmente do serviço?

Cabe neste caso, imputar responsabilidade a quem cerceia os direitos dos policiais. Não ter vínculo com a instituição de origem, funcional e financeiro, significa atender a essas demandas da ONU e não acarretar prejuízos irreparáveis na carreira dos policiais, devendo ao estado brasileiro corrigir tais incoerências.

Considerando que o cargo de secondment não se trata de “tropa” (lei no 10.937), visto que tropa policial aplica-se para os casos de Unidades de Manutenção da Ordem, Formed Police Unit-FPU,  e que o conceito de força multinacional (§ 5o do Artigo 1o da Lei nº5.809) é amplo, algumas possibilidades para resolver esse “gargalo” que se estende por anos:

  1. Permitir uma interpretação mais ampla para que se aplique a presente lei federal aos militares estaduais e do Distrito Federal, conforme prevê o Artigo 12 (existe também um parecer da Auditoria da PMDF que se posiciona nesse sentido).
  2. Promover inclusão dos militares estaduais e do Distrito Federal na Lei no
  3. Reavaliação dos critérios estabelecidos internamente, devendo se levar em consideração as habilidades e capacidades dos candidatos.
  4. Reavaliar a classificação de níveis profissionais “P” da ONU para as policiais militares.

Mesmo existindo previsão legal para afastamentos em alguns estados brasileiros, deve ser de interesse do governo federal a publicação de normativo jurídico que garanta aos policiais militares brasileiros os direitos que lhe são devidos ao serem indicados e representarem o Brasil no nível de gestão da ONU.

Se há interesse da União e de seus órgãos em estimular uma maior participação de UNPOLs no sistema ONU, cabe promover uma regulamentação em nível nacional, respeitando o sistema federativo brasileiro.

A título de argumentação e considerando a crise econômica como fator que impede a cessão de efetivos policiais, destaca-se que no regime de secondment, o estado deixa de pagar os vencimentos (exceção feita ao recolhimento relativos à previdência). Assim, há não apenas economia ao erário como um investimento nos recursos humanos que retornarão com uma bagagem profissional mais elevada, sem contar com o caráter humanitário, de alinhamento com o governo federal e de promoção da paz e segurança internacional.

Até hoje, somente um policial militar brasileiro assumiu cargo em regime de secondment, um coronel da PMDF na missão política DPA na Guiné-Bissau (2010).

emb_unpol144

Published in: on abril 4, 2016 at 2:05 am  Deixe um comentário  

Medalha Sergio Vieira de Mello

Em homenagem aos trabalhadores humanitários, que dedicam suas vidas a pessoas em necessidade, foi instituída a Medalha Sergio Vieira de Mello, cuja outorga se realiza durante as celebrações do Dia Mundial do Trabalhador Humanitário, em 19 de agosto de cada ano.

A distinção, que homenageia o legado desse ilustre brasileiro, é concedida, inclusive a título póstumo, às pessoas naturais ou jurídicas que tenham prestado serviços de excepcional relevância na área do direito internacional humanitário, da assistência humanitária e da promoção da paz e dos direitos humanos.

Saiba mais sobre os critérios para outorga da medalha e como submeter propostas de nomes a serem agraciados: goo.gl/qkmXs5

sergioVieiraDeMello

Fonte: Ministério das Relações Exteriores.

Published in: on abril 4, 2016 at 1:08 am  Deixe um comentário  

DPKO abre vagas para policiais militares

Estão abertas candidaturas de oficiais superiores PM para vagas de secondment junto  Departament of Peacekeeping Operation (DPKO), na sede da Organização das Nações Unidas (ONU) em Nova Iorque/EUA. Os contratos são de 2 anos, renováveis por mais dois.

Ressalta-se que as indicações não garantem vagas, mas apenas a participação em processo seletivo juntamente com policiais de outros estados-membros da ONU. Após análise dos currículos, os aprovados passam a um short list, com provas escritas e posteriormente, uma banca afere a capacidade oral, resultando na seleção. O processo dura em média 1 ano para ser concluído.

As indicações aos cargos abaixo relacionados deverão ser realizados pelos estados ao COTER até o último dia do mês de março. Os critérios são definidos pelos job descriptions e outros feitos pelo Exército Brasileiro:

– 01 (uma) vaga para Senior Police Liaison Officer (Nível P/5), Posto: Coronel PM.

– 01 (uma) vaga para Training Advisor (Nível P/4), Posto: Tenente-Coronel e Coronel PM.

– 02 (duas) vagas para Training Advisor (Nível P/4), Posto: Tenente-Coronel e Coronel PM.

– 01 (uma) vaga para Police Selection and Recruitment Officer (Nível P/4), Posto: Tenente-Coronel e Coronel PM.

– 01 (uma) vaga para Police Liaison Officer (Nível P/4), Posto: Tenente-Coronel e Coronel PM.

– 02 (duas) vaga para Police Officer (Nível P/3), Posto: Major e Tenente-Coronel PM.

– 01 (uma) vaga para Police Selection Recruitment Officer (Nível P/3), Posto: Major e Tenente-Coronel PM.

Published in: on março 16, 2016 at 12:55 am  Deixe um comentário  

Efetivo policial em missões da ONU

  

Published in: on março 14, 2016 at 2:50 am  Deixe um comentário  

Brasil não contribui com policiais femininas em missões da ONU

Segundo a ONU, atualmente o Brasil não contribui com nenhuma policial feminina. 

Uma oficial aguarda embarque para a África. A já pequena participação policial feminina foi agravada com a interrupção em ceder efetivos pela PMDF, desde dezembro de 2014. 

  

Published in: on março 14, 2016 at 2:47 am  Deixe um comentário  

O Brasil deixará o comando do componente miliar da MINUSTAH

Após 12 anos comandando a Força Militar da MINUSTAH, desde a criação da missão em 2004, o Brasil deixará de ocupar o cargo de Force Commander (Comandante da Força). Segundo o Le Nouvelliste, o Canadá passará a liderar as forças armadas a disposição da ONU no Haiti.

 

Published in: on março 13, 2016 at 6:07 pm  Deixe um comentário  

Processso de Gestão de UNPOL: Bangladesh

Bangladesh

A Polícia de Bangladesh iniciou sua participação em Missões de Paz em 1989, no Grupo de Assistência de Transição das Nações Unidas (United Nations Transition Assistance Group – UNTAG) na Namíbia e desde então, tem feito parte de praticamente todas as Missões. De acordo com os dados disponíveis no site oficial da Polícia Bangladesh, até 20 de abril de 2010, o país enviou cerca de 6400 policiais nas operações de paz e conta com aproximadamente 1500 policiais em seriço atualmente.

Após a implementação das Tropas de Choque (FPU) nos componente policiais nas Missões de Paz em 1999, o Governo do país percebeu a oportunidade de enviar uma maior quantidade de policiais para trabalhar sob a égide das Nações Unidas. Atualmente, a plena maioria dos policiais do país compoem as FPU em várias Missões, como no Timor Leste, Congo, Costa do Marfim e Darfur (Sudão) e estão, inclusive, na preparação e desdobramento de um contingente FPU composto somente por policiais femininas.

Policiais de Bangladesh tem trabalhado não apenas no terreno, mas no Departamento de Operações de Manutenção de Paz da ONU (DPKO) e em funções de destaque:

Bangladeshi police officers worked as the Chief of Staff, Chief of Community Policing, Chief of Logistics, Sector Commanders, Team site Leaders, Public Relations Officers, Training Officers, Gender and Child Protection Officers, etc. Bangladeshi police officers are also working in various permanent posts in the UN Head Quarters. Recently, a Bangladeshi police officer is working as the police coordinator of the UN Secretary General in the Afghanistan mission. (RAZA, 2010)

Os policiais são submetidos a um curso de duas semanas, onde terão noções básicas sobre geografia, política, cultura e história geral do local onde irão trabalhar, policiamento em ambiente internaiconal, direitos humanos, proteção às minorias e gênero e policiamento comunitário, segurança pessoal, a mediação entre os beligerantes facções ou grupos organizados e resgate de reféns, sendo treinados pelos policiais mais conceituados do país e de outros países e seguem o previsto no Manual da ONU para UNPOL em relação aos pré-requisitos, tais como tempo de serviço  e sem antecedentes criminais. O país está entre os Estados-membros da ONU que mais contribuem com policiais (RAZA, 2010).

logo__.png

 

 

Published in: on março 9, 2016 at 3:45 am  Deixe um comentário  

Does anyone know what good peacebuilding looks like?

Fonte: Institute for Security Studies – ISS.

On 16 February, the world bid farewell to former United Nation’s (UN) secretary-general Boutros Boutros-Ghali when he passed away at a Cairo hospital. Boutros-Ghali is often remembered for his tumultuous term at the helm of the UN, being the only UN secretary-general to have served only one term.

However, Boutros-Ghali is also remembered for his seminal 1992 policy document, the Agenda for Peace. This document shaped the way in which conflict-resolution responses are defined, underscoring the importance of peacebuilding not only at the UN, but also globally. His passing is therefore an opportunity to reflect on what has been learnt in terms of peacebuilding responses, and how these could be improved.

The Agenda for Peace guided the UN and the broader field of conflict resolution on the types of activities that could be conducted before, during and after conflict. Although many of the ideas on preventive diplomacy, peacekeeping and peacebuilding weren’t new, it assembled these in a policy-friendly framework and offered a coherent understanding of the instruments available for resolving conflict.

Boutros-Ghali showed that peacebuilding could be an important tool to help countries in their processes of sustaining peace. He defined peacebuilding as the ‘action to identify and support structures, which will tend to strengthen and solidify peace in order to avoid a relapse into conflict.’

Boutros-Ghali showed that peacebuilding could be an important tool to help countries in their processes of sustaining peace. He defined peacebuilding as the ‘action to identify and support structures, which will tend to strengthen and solidify peace in order to avoid a relapse into conflict.’

He also noted that peacebuilding responses should form a crucial part of a well-considered and integrated process within a wider and clear political strategy that aims at responding to conflicts. As he said, ‘Peacebuilding is not a therapy that the UN can attempt to impose on an unwilling patient.’

At the time, the definition and scope of peacebuilding was often limited to the range of tasks that would be conducted after conflict had ended, and following a peacekeeping operation. Today, all of these concepts and responses seem far less linear and the idea of post-conflict peacebuilding is becoming outdated.

Peacebuilding is increasingly seen to be part of an overarching approach to sustain peace, which means it becomes embedded in other types of responses, including preventive actions and peacekeeping.

Today, 20 years later, Boutros-Ghali’s ideas continue to influence responses and structures at the UN, the African Union (AU) and elsewhere. Ten years ago, the UN created an entire peacebuilding architecture after the release of the Agenda for Peace. The AU, since its establishment in 2002, has increasingly evolved in creating its own frameworks for peace operations and has a promising – albeit underusedpost-conflict reconstruction and development framework.

Although the concept of peacebuilding has grown, the international community has not yet identified how to do it well; nor does it yet seem able to pinpoint what exactly constitutes successful peacebuilding. The field still seems hamstrung by its inability to effectively plan and execute, measure and use results, generate institutional learning, and identify better ways of engaging in highly complex environments.

Peacebuilding is a long-term process, constrained by short-term realities. Progress in peacebuilding processes has to be sustained, even when particular gains are seen. Mozambique and Burundi, for instance, are good examples of how plans have to be supported in the longer term to avoid relapsing into conflict. More fractured processes in countries like the Central African Republic and the Democratic Republic of the Congo show that there is still a lot to learn about engaging in effective peacebuilding.

It is widely accepted that monitoring and evaluation is no longer optional, but rather a critical component in identifying better ways to conduct peacebuilding: particularly in a conflict-sensitive context. Current research on the challenges of monitoring and evaluation in peacebuilding is diverse, but a number of key issues stand out.

Peacebuilding practitioners are under considerable pressure to show positive results, both for accountability and to demonstrate contributions made. This means that peacebuilding implementation often focuses on short-term responses, emphasising outputs rather than longer-term outcomes, which are more difficult to achieve.

This, in turn, leads to a messy, or retrospective, monitoring and evaluation approach, beset with insufficient allocation of resources and capacity, and made even more complicated by a lack of clarity on what success or impact is; and what the outcomes are and should be. In this way, many opportunities for learning are lost. It also compromises the ability to gather satisfying evidence of success; both for practitioners and their stakeholders.

How can these shortcomings be reduced? Timely and thorough planning is crucial, and a good monitoring and evaluation approach is one that focuses on stakeholder confidence. This implies that through monitoring and evaluation, the contribution of a peacebuilding intervention can be seen in meaningful and satisfying results. It further implies that there is potential for information to be used in institutional learning and improvement. In this way, focusing on stakeholder confidence can contribute to stronger evidence, which supports both future efforts and the peacebuilding community at large.

There is some global momentum to respond to these challenges and make peacebuilding more effective. The UN is currently conducting review processes and thematic debates of its peace and security tools, including a review of the UN peacebuilding architecture. This review states that peacebuilding remains critically ‘underrecognised, underprioritised, and underesourced’, both globally and ‘within the UN system.’

The need to better design, plan and respond to peacebuilding requirements must be addressed with urgency. Currently, the Institute for Security Studies (ISS) is developing a new capacity-building process that aims to address individual and institutional shortfalls, and support the development of more effective responses. Peacebuilding practitioners who can draw on credible evidence and well-grounded arguments are better equipped to make a difference.

Of course, there is no one-size-fits-all solution. Practitioners should therefore carefully identify approaches that are appropriate to their context, and which would yield valuable and usable results.

Now more than ever, peacebuilders need to learn how to do peacebuilding well. This means letting go of the idea that peacebuilding responses should be implemented simply through identifying a range of disconnected activities. Rather, peacebuilders need to design coherent processes, in a way that allows them to effectively demonstrate how their contribution reduces the likelihood of conflicts from recurring.

Peacebuilding plans and responses need to be realistic, more considered, and better monitored at all stages. This is how the field could see an important mind shift; one that focuses on effective results rather than quick-fix outputs, and which will ultimately help peacebuilders to implement their responses more effectively.

Gustavo de Carvalho, Senior Researcher and Onnie Kok, Researcher, Peace Operations and Peacebuilding Division, ISS Pretoria

 

Published in: on fevereiro 24, 2016 at 1:42 pm  Deixe um comentário  

Os processos de gestão dos policiais da ONU (Argentina)

 Argentina 

(2014)

A Argentina tem participado de operações de paz das Nações Unidas desde 1958, quando enviou observadores militares para o Líbano. Hoje o país ocupa a sétima posição entre as nações que mais contribuem com tropas para operações da ONU, tendo na Gendarmeria Nacional Argentina (polícia militar nacional), a sua representação policial (EZPELETA, 2001).

Nos arredores de Buenos Aires, são mantidos centros de treinamento voltados para operações de paz. O primeiro trata-se do Centro de Treinamento para Capacetes Azuis – CAECOPAZ, subordinado diretamente ao Estado-Maior das Forças Armadas do país; o segundo, dirigido pela Gendarmeria Nacional Argentina, é o Centro de Treinamento para Membros de Operações de Paz no Exterior – CENCAMEX (UNITED NATIONS, 2010), voltado para o treinamento policial.  Dentre os cursos oferecidos pelo CENCAMEX, destacam-se: imersão nos idiomas inglês[1] e francês, segurança de embaixadas e preparação para policiais das Nações Unidas (GENDARMERIA, 2010). Convém se anotar que esses cursos são oferecidos para policiais e militares nacionais e estrangeiros.

No processo de recrutamento de policiais para atuação junto a ONU são convocados voluntários de todo o país. Entre os requisitos essenciais para participar do certame o candidato precisa contar com no mínimo sete anos de efetivo serviço ativo.  Uma vez selecionado, o policial participa de um curso de 10 (dez) meses de duração no CENCAMEX. A conclusão desse curso está condicionada a realização de um teste que visa avaliar múltiplos conhecimentos e habilidades. Esse exame é realizado por uma banca de avaliadores da ONU, denominada UN SAT (Selection Assistance Team).

            Finalmente, uma vez pronto para ser desdobrado em uma área de missão, o policial é submetido a uma bateria de exames e vacinas. No retorno da missão, o quadro de saúde do policial é novamente avaliado e ele conta com 50 dias de licença para ser reintegrado as suas atividades de rotina.

A Gendermeria Argentina se desvinculou do CAECOPAZ e no início da década de 2010, visto a incompatibilidade “entre defesa e segurança pública” encontrada ao longo dos anos e funciona apenas com policiais e para policiais. Tem total aval da Police Division ITS/DPKO para treinamentos credenciados e habilitação de pessoal, realizando seleção SAAT quase que anualmente. Realizam seleção e efetivo policial passa um ano letivo se preparando para os processos e missões da ONU, quer missões de paz ou políticas. Na região de Mercedes, encontra-se um simples e super eficiente centro de treinamento da Gendarmeria Argentina, considerado um dos melhores do mundo.

[1] Dois policiais militares do Distrito Federal participaram de um Curso de Imersão em idioma inglês voltado para Missões de Paz no CENCAMEX em 2010.

Published in: on fevereiro 21, 2016 at 8:27 pm  Deixe um comentário  

Os processos de gestão dos policiais da ONU (Alemanha)

Alemanha

(2010)

O primeiro envio de policiais alemães para Operações de Paz ocorreu em 1989 na Namíbia e desde então vem participando de Missões em diferentes Organismos Internacionais: ONU, União Europeia (UE), Organização para Segurança e Cooperação da Europa (OSCA) e União da Europa Ocidental (WEU). A Alemanha já enviou aproximadamente 5670 policiais para Missões de todas as essas Organizações. Em 2009, a Alemanha contribuía com 214 policiais, sendo que desses, 24 estavam em missões da ONU[1]. É uma das três instituições policiais credenciadas pela ONU como certificadora de Cursos de Policial da ONU (United Nations Police – UNPOL).

A Alemanha não participa com o envio de tropas policiais (i.e., unidades de Choque – FPU ou de Operações Especiais – SWAT), pois, segundo GROSSMAN[2] (2009), o enfrentamento de distúrbios civis pela Unidade de Choque alemã se caracteriza pelo enfrentamento direto (contenção corpo a corpo), sem a necessidade de utilização de armas e artefatos comuns a outras tropas de choque, o que inviabiliza o emprego da tropa alemã no emprego de operações de choque. Assim, a Alemanha investe apenas em missões individuais, não participando de missões coletivas (FPU e SWAT).

O processo de seleção na Alemanha é ofertado a todas as instituições policiais dos diferentes estados federados do país. Todos os níveis policiais (federal, estadual e local) enviam efetivos para a seleção, que consiste em: requisitos básicos e teste de proficiência em língua inglesa. A bateria de provas constitui-se de um grupo de tarefas e discussão, apresentação e entrevista multidisciplinar. Os requisitos básicos do candidato são:

  1. a) Experiência mínima de 8 anos; b) Boas condições físicas e de saúde; c) Proficiência no idioma inglês; d) Habilidade em lidar com o estresse; e) Autodisciplina; f) Capacidade de trabalhar sozinho e improvisar; g) Habilidade de se comunicar; h) Comportamento exemplar e boa apresentação pessoal; i) Habilidade em tecnologia da informação (computação básica); j) Carteira de habilitação; e, l) Imparcialidade. (GROSSMAN, 2009)

Na fase de treinamento e pré-desdobramento, o candidato é submetido a um treinamento em idioma estrangeiro e passa por um curso básico com duração de duas semanas, que o qualificará para eventual designação. Quando da nomeação e indicação de um policial alemão, este fará outro curso especial, de uma semana, específico para área da missão onde irá servir.[3] Os oficias de maior patente terão um módulo especial de mais três dias de curso, o que os guiará para funções de chefe de contingente, com atribuições específicas normatizadas por seu governo e pelos Standard Operating Procedures (SOP) de cada Missão de Paz. Existem 3 Centros de Treinamento Policial para Missões de Paz na Alemanha e eles realizam aproximadamente 12 cursos de Policial da ONU (United Nations Police Officers Course – UNPOC) por ano, fora os cursos específicos.

O mandato de missão para os policiais alemães é de seis meses, com possibilidade de extensão de 3 meses mais 3 meses finais, o que completaria um ano, caso haja interesse do policial, da Polícia do país e da Polícia da ONU. Durante a missão são disponibilizados meios de comunicação diretos para contato com o meio profissional, social e familiar. Há um plano emergencial com gerenciamento de crises, que está em condições de ser posto em prática em caso de necessidade, inclusive com o envio de tropas especiais da Alemanha em casos de evacuação.

A política de recursos humanos consiste também em eventos sociais como suporte em datas comemorativas e especiais, tais como: aniversários, natal e ano-novo. Existe também o apoio de caráter profissional, administrativo (financeiro, viagens), médico e legal, além de amparo e programas de apoio psicológico e de ajuda para as famílias.

Ao retornar para casa, para reintegração à corporação de origem, o policial alemão passa por um curso de readaptação de uma semana. O policial fica impedido de participar de outra Missão por um ano, e receberá apoio psicológico durante esse período. Todavia, casos excepcionais podem ser analisados para que o interstício possa ser diminuído.

Um policial alemão ocupa cargo no Integrated Training Service – ITS e também no Departamento de Operações de Paz (Department of Peacekeeping Operations – DPKO) na sede da Organização das Nações Unidas – ONU. Ademais, a Missão Permanente da Alemanha junto a ONU possui um Adido Policial, que trata dos assuntos relativos a Missões de Paz.

[1] Dados referentes à outubro de 2009.

[2] Normen Grossman foi o chefe da Seção para Cooperação Internacional da Policia Federal da Alemanha (2009).

[3] A única exceção é feita ao caso do Afeganistão, onde o Curso tem duração de 3 semanas.

Published in: on fevereiro 21, 2016 at 8:20 pm  Deixe um comentário  

ONU solicita indicação de policiais militares brasileiros para Missão de Paz no Afeganistão

As Nações Unidas solicitaram ao MRE a indicação da candidatura de policiais militares para a vaga de Senior Police Adviser, nível P5, na Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA).

O prazo para a indicação do Brasil é o dia 31 de março de 2016.

Published in: on fevereiro 16, 2016 at 12:20 am  Deixe um comentário  

Sérgio Vieira de Mello prestigia Policiais militares brasileiros na Crácia (1994)

Em 1994, na cidade de Zagreb/Croácia, o contigente policial militar brasileiro foi condecorado com a medalha das Nações Unidas, por terem contribuído para a paz no país, integrando a United Nations Protection Force (UNPROFOR). 
O brasileiro com maior cargo na Organização (à época), Sérgio Vieira de Mello, fez-se presente e prestigiou a solenidade e seus compatriotas. 
Da esquerda para direita: Sérgio V. de Mello, Tenente Pierre, (um policial canadense/vermelho), Tenente Fulgêncio, Sargento Carlos, tenente walter Benjamin e sargento Emerson.
Créditos: TC WALTER – PMPE. 

  

Published in: on fevereiro 15, 2016 at 11:25 pm  Deixe um comentário  

Veteranos da ONU assumem o Subcomando-Geral e a Chefia do Estado-Maior da PMDF

No final de dezembro de 2015, o Coronel Marcos de Araújo (veterano da Missão de Paz da ONU em Angola) assumiu o cargo de Subcomandante-Geral da PMDF. No me ato, o Coronel Leonardo Sant´Anna (veterano em Missões de Paz da ONU em Angola e Timor Leste) assumiu a Chefia do Estado-Maior da Instituição.

Sucesso aos veteranos que hoje ocupam a cúpula do comando da Polícia Militar do Distrito Federal, nos cargos N. 2 e N. 3 da hierarquia institucional.

Leia notícia na íntegra no Site da PMDF:

“”””””

capa

Ocorreu na manhã desta quarta-feira (03), no Palácio Tiradentes (Quartel do Comando Geral-QCG), a passagem de comando dos cargos de Subcomandante-geral e chefe do Estado-Maior da PMDF. Na ocasião, foi transmitida a chefia do Estado-Maior para o coronel Leonardo José Rodrigues de Sant’anna e o Subcomando-geral para o coronel Marcos de Araújo.

A cerimônia contou com participação de ilustres convidados. Os oficiais superiores assumiram formalmente os cargos diante do governador Rodrigo Rollemberg, da secretária de Segurança Pública e da Paz Social, Márcia de Alencar Araújo; do chefe da Casa Militar, coronel Cláudio Ribas; e do Comandante-geral, coronel Nunes. Outras autoridades estiveram presentes tais como: ex-comandantes gerais; o presidente da Associação dos Magistrados do DF, Dr. Sebastião Coelho; desembargadores, o deputado federal Jair Bolsonaro, o vereador Eduardo Bolsonaro e deputados distritais como Sandra Faraj e Robério Negreiros, além de familiares do Comandante-geral e do governador do DF que também prestigiaram o evento.

O major pastor Gisleno, da Capelania da PMDF, proferiu as bênçãos sobre os comandantes na execução de suas novas funções. Foi entregue ao Comandante-geral a espada e o bastão, símbolos do Comando da Corporação. O nobre currículo do Chefe do Estado-Maior, coronel Sant’anna, conta com vasta experiência profissional em mais de 25 anos de serviço pela PMDF. É graduado em Segurança Pública e especializado em Gestão Estratégica em Segurança e Ordem Pública pela Academia de Polícia Militar de Brasília (APMB); foi chefe de Equipe de Segurança do Governador do DF, comandante do Batalhão de Planaltina, chefe da equipe de Negociadores Policiais, observador policial e consultor de treinamento das Nações Unidas e outras funções de suma relevância.

Para Subcomandante-geral, o coronel Marcos de Araújo assumiu o cargo. O novo subcomandante é doutor em Ciências Jurídicas e Sociais, mestre em Ciência Política, pós-graduado em Direito, especialista em Segurança Pública, Direitos Humanos e Política Criminal; especialista em Gestão Estratégica em Segurança Pública pela PMDF/UNB. Na PMDF, exerceu o cargo de corregedor adjunto, diretor de Recrutamento e Seleção, diretor de Promoção, Avaliação e Desempenho, tendo comandado o Batalhão Escolar e também a Academia de Polícia Militar de Brasília.

O Comandante-geral, coronel Nunes, em seu discurso falou sobre a importância dos cargos assumidos: “os cargos que agora assumem são fundamentais para o desenvolvimento operacional e administrativo da Corporação na medida em que dão suporte ao Comando no processo decisório para assuntos de alta complexidade”. Ele ainda fez uma ressalva em homenagem ao pai assassinado ontem na porta de escola (Eli Roberto Chaves) no Guará: “estamos empenhados na busca do criminoso e não mediremos esforços para encontrá-lo”. O governador Rodrigo Rollemberg, em sua fala também citou e lamentou o ocorrido. Frisou sobre a importância do programa Pacto pela Vida, elogiou a diminuição (a menor depois de 22 anos) dos índices criminais em 2015.

Published in: on fevereiro 9, 2016 at 3:31 am  Deixe um comentário  

Terremotos tremem a cidade de Jacmel, no Haiti

A cidade de Jacmel, no Haiti, sentiu abalos sísmicos no dia de 28de janeiro de 2016. 

Não há informações de mortes e/ou feridos. 

Published in: on janeiro 28, 2016 at 11:52 pm  Deixe um comentário  

Terremotos no Haiti

Segundo informações de oficiais policiais militares que integram o componente policial da ONU no Haiti (MINUSTAH), tremores de  pequena escala foram sentidos no interior do país, levando a população local a deixar suas residências.

A situação na capital do país, Porto Príncipe, é estavel.

Published in: on janeiro 28, 2016 at 9:56 pm  Deixe um comentário  

A crise econômica e a crise policial brasileira junto a ONU

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) é a instituição policial brasileira que mais contribui (e contribuiu ao longo de mais de duas décadas) com efetivos para representar o país em missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), sendo referência para as demais coirmãs e antiga aliada do Governo Federal nos esforços em promover a paz, os direitos humanos e a segurança internacional, conforme prevê os tratados internacionais assinados e ratificados pelo Brasil. No ano de 2015, nenhum policial militar da capital foi autorizado a participar de quaisquer das missões de paz, havendo um rompimento na tradição em ceder profissionais, que além de contribuir internacionalmente para uma melhor imagem do país, o GDF e a Corporação, enriquecem a instituição com o conhecimento adquirido. A crise econômica e a não aplicação do Fundo Constitucional do Distrito Federal foram oficialmente evocados como fatores responsáveis pelas não autorizações governamentais. Tal medida gerou um significativo impacto tanto no número efetivo de policiais brasileiros nas diversas missões pelo mundo, quando no desgaste de relações do país com a ONU (Police Division/DPKO). Mas se a situação crítica da economia requer tais medidas, há motivos para se lamentar (mas não recriminar), visto que as decisões foram tomadas de maneira bem refletidas e embasadas. Uma simples análise permite a qualquer um que entenda um pouco do assunto que faltou interesse do governo federal (agentes e suas instituições) em “entrar no circuito”, propor mudança na legislação, promover realocação de recursos para os estados federados, articular politicamente. Inúmeras medidas poderiam ter sido adotadas. Mas faltou tato, percepção, ou talvez interesse. Mais uma vez, a teoria mostrou-se ser bela, e a prática o seu antônimo.

O ano de 2015 deve ser “deletado” dos anais da PMDF no que se refere a missões de paz e o seu papel de ímpar relevância, não só na área técnica-profissional, mas os seus impactos diretos na política de segurança internacional. No mundo atual, não há mais espaço para discutir “segurança pública” de maneira fechada, isolada de outras variáveis. O combate à criminalidade não tem fronteiras e a cada dia as cooperações técnicas na área policial somente crescem, em todas as suas variáveis, sendo o sistema ONU o maior celeiro da cooperação policial em escala global (não desprezando os demais).

Talvez seja o momento de repensar a criação de uma agenda política-diplomática  que envolva as Unidades Federativas de uma forma mais ampla no processo de construção do tema, com políticas de incentivo em âmbito nacional. Afinal, onde está o pacto federativo? Os acordos de cooperação federativas? Será que somente o MJ sabe fazer? Qual a dificuldade?. Talvez tenha chegado o momento do Ministério das Relações Exteriores, da Defesa e do Planejamento, se envolverem de uma maneira mais propositiva e não apenas retórica quanto ao tema. É chegada hora das autoridades saberem que os militares das Forças Armadas fazem parte de “um” componente de uma missão de paz multidisciplinar (os outros dois são o policial e o civil) e que missões tradicionais são exceções e não regra. O papel dos componentes militares são fundamentais nos processos  pré/durante/pós-conflitos e na estabilização. Da mesma forma, o “rule of law” é premissa para segurança pública e defesa interna dos estados.. Na outra mão, há que se requerer um maior engajamento e compromisso dos estados, para que de forma responsável, atendam as implicações políticas internacionais. Sem dúvida que a atual imagem negativa do Brasil junto a ONU (no tema UNPOL – policial), causada por fatores diversos nos últimos meses de 2015, seria minimizada e constrangimentos políticos e diplomáticos seriam evitados. Existe uma lógica muito simples que até hoje não foi observada (ou talvez não queira ser observada) pelas autoridades que estão diretamente ligadas ao tema:

= falta de interesse/articulação política + verba/orçamento + políticas pública/legislação + capacitação de pessoal.

Menos ego/vaidade (pessoais e institucionais) e mais engajamento político de forma a promover a tão esperada “agenda ‘pro’positiva”, repetida exaustivamente há anos, mas sem quaisquer efeitos práticos.

Published in: on janeiro 28, 2016 at 4:56 pm  Deixe um comentário  

Quantidade de policiais por número de habitantes (artigo de opinião – off topic)

Por Sergio Carrera de A. Melo Neto

(2013)

Arquivo em PDF: quantidade-de-policiais-por-nc3bamero-de-habitantes
Defining patrol staffing allocation and deployment requirements is a complex endeavor which requires consideration of an extensive series of factors and a sizable body of reliable, current data (IACP, 2003).
A reportagem do Portal G1/DF, intitulada “Regiões do DF com mais mortes têm menos policiais, aponta levantamento.” (MOREIRA, 2013), reacendeu uma antiga discussão e questionamento quanto ao descrito na matéria: de que o numero de policiais considerado ideal pela Organização das Nações Unidas (ONU) é de 1 policial para cada 250 pessoas, segundo o especialista em segurança pública e comentarista da Rede Globo, entrevistado pelo jornalista.
Esse é um paradigma que há anos muitos acadêmicos, policiais e gestores da área de segurança pública no Brasil, e em vários países (basta fazer uma pesquisa na internet), têm utilizado para justificar ou se defender, como resposta a gestão de pessoal e ao emprego operacional/administrativo dos efetivos policiais. Por vezes, tem tratado como elemento fundamental para o aumento/redução dos índices de criminalidade em determinadas áreas (ou associações feitas em relação à “sensação de segurança”). Entretanto, essa relação policial/habitantes (ratio) merece ser um pouco melhor discutida, assim como se investigar junto a ONU o(s) documento(s) de referência para tal assertiva. A fim de se apurar tais questionamentos, buscou-se fazer uma breve pesquisa e uma comparação com dados de estudos realizados nos Estados Unidos da América (EUA), em particular, para melhor compreender a veracidade do tema, que por vezes pode nortear, erroneamente, políticas de segurança pública e políticas públicas de segurança, caso existam.2

De acordo com o Uniform Crime Reporting (UCR) Program do Federal Bureau of Investigation– FBI, a proporção (ratio) de policiais por população nos Estados Unidos no ano de 2011 foi de 2,4 para cada 1000 habitantes. Praticamente todas as instituições policiais dos EUA subsidiam com dados e informações referentes ao registro de crimes o Uniform Crime Reporting (UCR) Program do FBI, como uma base nacional, tendo recebido uma contribuição de 14633 diferentes agências policiais em 2011. “Cidades” com menos de 10 mil habitantes registraram uma média de 3,5 policiais para cada grupo de mil habitantes, enquanto “condados” com menos de 10 mil habitantes, um ratio de 2,7 (FBI, 2011).

O mesmo relatório define que o ratio, “contabilizando os civis” que trabalham nas instituições policiais, é de 3,4 policiais para cada 1000 habitantes nos EUA. Consideram-se membros de uma agência policial americana os sworn officer (policiais de carreira – Law Enforcement Officer) e os funcionários civis (atendentes, despachantes de rádio, estenógrafos, carcereiros, agentes penitenciários e mecânicos, desde que sejam empregados de tempo integral da agência). Em 2011, o numero de sworn officers representou 69,7 por cento de todo pessoal das agências de segurança

Em 2011, de acordo com o FBI, as “cidades” americanas tiveram uma média de 2,2 policiais/mil habitantes, nacionalmente, enquanto que as cidades das regiões nordeste e sul (2,6); Midwest (2,1) e Oeste (1,6) (FBI, 2011b), ressaltando que os dados são relativos ao efetivo policial por cidades (contabilizando os funcionários civis) e não seu emprego por regiões internas (bairros, vilarejos e áreas, por exemplo), que varia de acordo com cada política de gestão administrativa e operacional dos órgãos policiais.

No estado americano da Flórida, o Departamento Estadual de Law Enforcement (Florida Department of Law Enforcement – FDLE), em seu Relatório de Perfil de Justiça Criminal (ano 2010), descreve os ratios das diversas instituições policiais

No estado americano de Michigan, também com base no UCRP, a cidade de Detroit tinha, em 2011, 4 policiais para cada 1000 moradores, enquanto Grand Rapids tinha 1,6 e Lansing com 1,9 sworn officer para cada 1000 habitantes (HARRIS, 2011).

Todavia, no mesmo estado, a cidade de Flint com 1,2 policiais/mil habitantes liderava a lista nacional americana como a cidade mais violenta do país, enquanto que algumas das outras sequer entravam na lista de cidades violentas, como Sterling Heights, com ratio de 1,24 policiais para mil moradores, praticamente a mesma proporção.
Então o que justificaria, no caso de cidades do estado de Michigan, tamanha discrepância entre instituições policiais com ratio muito semelhantes, mas com índices criminais tão distintos? Para tal questionamento, alguns estudiosos desenvolveram pesquisas e análise da gestão do emprego de efetivo policial, tendo neste caso específico utilizado o ratio como indicador fundamental.

Segundo Peter Bellmio (apud HARRIS, 2011), a quantidade de chamadas/atendimentos policiais seria uma variável primordial para se estabelecer o ratio de policiais de determinado departamento (e/ou área), a fim de que a polícia atue proativamente, em vez de simplesmente responder as chamadas de emergência (190):

Peter Bellmio, a Annapolis, Md., consultant, who has analyzed police staffing levels for police departments in Seattle and Los Angeles, said departments need to have enough officers to handle the volume of calls and be responsive to minor calls by setting up appointments with residents. That can help a department become proactive, rather than simply reacting to calls, Bellmio said. (HARRIS, 2011)

A Associação Internacional dos Chefes de Polícia (International Association of Chiefs of Police – IACP) se posicionou em relação à correlação entre quantidade de policiais e população (position on police to population ratios) e o porquê das agências policiais não dever utilizar apenas esse indicador como base para tomadas de decisão quanto ao emprego de efetivo, “Ratios, such as officers-per-thousand population, are totally inappropriate as a basis for staffing decisions.” (IACP, 2003).

WILSON & WEISS afirmam que:

Analogamente, no Brasil, não se registram critérios plenamente definidos e aceitos por todos para a fixação de efetivo policial militar. Nos Estados os critérios são os mais variados, sendo o número de policiais militares determinado de forma aleatória, sem metodologia ou teoria que sustente a aplicação (p. 45, 2012).

Em contrapartida, um estudo realizado por Conforto (apud WILSON & WEISS, 2012), com base no sistema americano de cálculo de efetivo policial, afirma que tanto em áreas urbanas como em rurais existe uma necessidade de 1,5 a 2,5 policiais para cada mil habitantes, conforme descrito:

Ao descrever o sistema Norte-americano de cálculo de efetivo, Conforto (1998) explica que tal sistema é originário de profunda análise estatística e científica por técnicos americanos, que chegaram a um consenso de que o efetivo necessário para o sistema policial local, varia de 1,5 (um e meio) a 2,5 (dois e meio) policiais para cada 1000 (mil) habitantes, tanto na área urbana como na área rural. A execução se diferencia nas duas áreas, pela maior ou menor mobilidade e pelo poder das comunicações. Estes mesmos critérios são aplicáveis à nossa realidade. Na variação de 1,5 a 2,5 policiais para cada 1000 habitantes estão inseridos os fatores criminológicos, que variam de local para local, e que aumentam ou diminuem o índice de criminalidade, aumentando ou diminuindo em consequência o efetivo policial (Conforto apud WILSON & WEISS, p. 446, 2012).

Considerando a influência internacional da ONU em recomendar e propor a seus Estados-membros medidas diversas a serem adotadas, a retórica criada e aceita como oficial por acadêmicos, imprensa e até membros de governos, de que as Nações Unidas estabelecem a relação de 1 policial para 250 habitantes foi questionada por WILSON & WEISS (2012) junto ao Centro de Informação das Nações Unidas em 2007, visto a inexistência de quaisquer documentos, como descrevem:

Porém, onde a ONU definiu tal parâmetro e qual o critério adotado? Em recente pesquisa sobre o assunto, ficou cristalina e incontestável a resposta a este paradigma, através do Centro de Informação das Nações unidas que assim se pronunciou: “o dado com o número de policiais por habitante não é das Nações unidas e, portanto, não sabemos responder as suas questões”. (CENTRO DE INFORMAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, 2007). Portanto, como base de cálculo para efetivo policial, não existe qualquer parâmetro (WILSON & WEISS, p. 45, 2012).

Assim, em 2007, o Centro de Informação das Nações Unidas oficialmente respondeu ao questionamento de WILSON & WEISS, negando tal recomendação por parte da ONU. Passados vários anos, e com a contínua afirmação da referida “recomendação por parte da ONU”, foi buscado pelo autor (10 out.2013), o Departamento de Segurança da ONU (United Nations Department of Safety and Security – UNDSS) no Brasil sobre o ratio supostamente estabelecido pelas Nações Unidas, tendo como resposta de um funcionário, o “total desconhecimento”3.

Depois de reiteradas tentativas de se encontrar algum documento da ONU que pudesse respaldar tal recomendação, foi então indicado o Relatório do Secretário Geral das Nações Unidas, por ocasião do 20º Congresso de Prevenção ao Crime e Justiça Criminal, realizado na cidade de Salvador-BA, em abril de 2010 (UN, 2010), onde no ponto 48 do Relatório se afirma, após pesquisa (survey) realizada entre vários países, que existe uma média mundial de 300 policiais para cada 100 mil habitantes no ano de 2006. Trata-se de uma constatação, de uma conclusão com base em dados fornecidos e preenchidos por Estados-membros da ONU para a referida pesquisa, e não uma “recomendação”. A survey afirma ainda que existe uma variação “significativa” do número de policiais entre os países participantes da pesquisa, concluindo que existe um número mínimo de policiais para cada 100 mil habitantes que são necessários em todos os países, conforme texto original abaixo:

48. An analysis of data collected through the United Nations Survey indicates a median of approximately 300 police officers per 100,000 inhabitants worldwide for 2006. Nevertheless, Survey responses show that rates of police officers per population vary significantly among countries. Results imply that there is a minimum number of police officers per 100,000 inhabitants that is necessary in any country. Only four countries worldwide, for example, show police personnel values lower than 100 officers per 100,000 inhabitants. Relatively high median rates of police personnel (around 400) were observed in countries in West Asia, as well as in Eastern and Southern Europe. The median rate of police personnel per population at the global level remained quite stable over the period 2002-2006, after an increase between 1995 and 2002 (UN, 2010).
Como nenhum documento fora encontrado, considerando que o Relatório acima apenas emite conclusões lógicas de dados fornecidos – não se tratando de recomendação, a fim de dirimir quaisquer dúvidas em encontrar algum documento com a referida recomendação, o autor entrou em contato direto com o Centro de Informação das Nações Unidas (UNIC RIO, 2013), em 12 de outubro de 2013, assim como feito por WILSON & WEISS em 2007, obtendo a seguinte resposta:

Prezado Sergio,
Muito obrigado pelo contato e pela checagem da informação. Desde já me coloco à disposição para quaisquer novas dúvidas que surgirem. As Nações Unidas não possuem nenhuma recomendação sobre o número de policiais por número de habitantes. Isto porque os contextos e níveis de violência variam de acordo com a comunidade, cidade, município, estado, país e/ou região. A recomendação é que cada contexto seja analisado conforme suas características (UNIC, 2013).

Fica-se, portanto, clara a inexistência de qualquer recomendação sobre o número de policiais por número de habitantes por parte da ONU, conforme resposta oficial do UNIC RIO, a qual pode ser confirmada por qualquer membro da mídia, consultores, especialistas e governos junto ao aludido órgão.

Em relação ao emprego de efetivos policiais em determinadas regiões/áreas (bairros, cidades, etc.) por parte das instituições, o “numero de policiais por habitantes” pode ser um indicador para o processo de tomada de decisões para a alocação de recursos humanos, mas não deveria ser o único. Os gestores devem incluir outros indicadores e variáveis para a adequada distribuição de efetivo, considerando, inclusive, perspectivas históricas de cada localidade e tendências e mudanças de tipos criminais e evolução/modernização do modus operandi delituoso.

Os serviços e funções exigidas das agências de segurança pública, as polícias, requerem conhecimentos específicos diversos, como conhecimento de aspectos demográficos, sociais, econômicos e políticos, índices criminais, com bons programas de análise criminal (e pessoal qualificado), jurisdição de competência, taxas de emprego/desemprego, nível educacional, sistema judicial eficiente, renda per capita, políticas públicas na área, doutrina institucional e governamental, investimento em programas de integração entre sociedade e polícia e investimento em treinamento e equipamento policial, como bem destaca VALLA (p.58, 1999): “é fundamental perceber que não se diminui a criminalidade apenas tornando maior a polícia. A polícia necessita não é de um pessoal numeroso, mas de um pessoal melhor selecionado, melhor formado e melhor equipado.”. Um exemplo simples que está diretamente ligado ao indicador de aumento de efetivo é o aumento de registros de ocorrências, o que eleva naturalmente o número de casos reportados pela polícia, que subsidia dados oficiais do governo sobre segurança pública. Estudos, a favor e contra a utilização do ratio na atividade policial vêm sendo desenvolvidos e tanto os órgãos policiais quanto os acadêmicos devem avaliar os benefícios que podem ser tirados, observado cada caso em particular. Recomendações de instituições nacionais e internacionais, como a ONU, devem ser bem vistas e acolhidas em benefício coletivo, desde que verídicas e com a devida prova científica, sem “achismos”. Ao se constatar que inexistem, segundo o Centro de Informações das Nações Unidas, recomendações da Organização referente ao tema, como amplamente divulgado pela imprensa e especialistas, verifica-se que “somos” reativos não apenas na práxis, mas também na teoria. Como visto, duas cidades podem ter o mesmo ratio de policiais por habitantes, mas cenários completamente diferentes de criminalidade. Alguns dos fatores citados, por certo, contribuem para que a cidade de Flint/Michigan, com ratio de 1,2, seja a mais violenta dos Estados Unidos, enquanto outras, no mesmo estado, e com ratio semelhante, sejam locais tranquilos e com baixos índices de violência. Por conseguinte, a mesma lógica pode e deve ser aplicada em cidades brasileiras, como no caso do Distrito Federal.
Ademais, uma maior compreensão da complexidade que é a atividade policial deve ser melhor estudada não apenas pelos policiais em si, com a contínua busca por conhecimento e melhorias diversas em oferecer a comunidade um serviço de qualidade e confiança-mútua, mas que sejam transmitidas com responsabilidade por aqueles que têm o dever de não apenas divulgar informações à população, com notícias e acontecimentos relevantes, mas que tem o dever de fazê-lo a cautela necessária em respeito aos profissionais e aos cidadãos.

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

FEDERAL BUREAU OF INVESTIGATIONS (FBI). Uniformed Crimes Reports: crime in the United States 2011.Criminal Justice Information Services Division. Disponível em: <http://www.fbi.gov/about-us/cjis/ucr/crime-in-the-u.s/2011/crime-in-the-u.s.-2011/police-employee-data&gt;.12 out.2013.
________. (FBI, 2011b). Full-time Law Enforcement Officers by Region and Geographic Division by Population Group: Number and Rate per 1,000 Inhabitants, 2011/Table 71. Disponível em: <http://www.fbi.gov/about-us/cjis/ucr/crime-in-the-u.s/2011/crime-in-the-u.s.-2011/tables/table-71&gt;. 12 out.2013.
4 Nota: Muito importante seria se a ONU tivesse, pois seria mais um elemento científico de auxílio para o ratio em foco. Em respeito às inúmeras publicações que contem e se referem a “recomendação da ONU para a relação da quantidade de policiais para número de habitantes”, a busca para encontrar algum documento que possa ter originado a afirmação, continuará sendo desenvolvida pelo autor, mesmo com confirmação oficial de sua inexistência, via mensagem pessoal, pelo Centro de Informações das Nações Unidas/RJ.
FLORIDA DEPARTMENT OF LAW ENFORCEMENT (FDLE). Criminal Justice Profile Report 2010: Ratios of Full Time Officers Statewide – 2010. Disponível em: <http://www.fdle.state.fl.us/Content/getdoc/be775ef3-00a3-4197-966a-92bb9a401419/Statewide-Ratios.aspx&gt;. 12 out 2013
HARRIS, Davis. Flint’s police officer per resident ratio low compared to other Michigan cities despite rampant crime. (HARRIS, 2011a). Disponível em: <http://www.mlive.com/news/flint/index.ssf/2011/07/flints_police_officer_per_resi.html&gt;. 12 out.2013.
________. Flint ranks as nation’s most violent, FBI statistics show. (HARRIS, 2011b). Disponível em:
<http://www.mlive.com/news/flint/index.ssf/2011/05/fbi_statistics_show_flint_is_m.html&gt;.
INTERNATIONAL ASSOCIATION OF CHIEFS OF POLICE (IACP). Research Center Directorate: Perspectives. 2003. Disponível em: <http://www.theiacp.org/LinkClick.aspx?fileticket=LF7xdWl1tPk=&gt;. 12 out.2013.
MOREIRA, Ricardo. Regiões do DF com mais mortes têm menos policiais, aponta levantamento. G1 DF. 09 out.2013.
Disponível em <http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2013/10/regioes-do-df-com-mais-mortes-tem-menos-policiais-aponta-levantamento.html&gt;. 12 out.2013.
VALLA, Wilson Odirley. Doutrina de Emprego de Polícia Militar e Bombeiro Militar. 1. ed. Curitiba: Optagraf, 1999.
WILSON, Jeremy & WEISS, M. Alexander. A performance-based approach to police staffing and allocation. ISBN 978-1-932582-60-4. Michigan, Michigan State University, 2012. Disponível em: <http://a-capp.msu.edu/sites/default/files/files/041218461_Performance_Based_Approach_Police_Staffing_FINAL100112.pdf&gt; 12 out.2013.
UNITED NATIONS. Twelfth United Nations Congress on Crime Prevention and Criminal Justice.State of Crime and Criminal Justice Worldwide. Report of the Secretary-General. A/CONF.213/3. 1 February 2010. Salvador, Brazil, 12-19 April 2010. Disponível em: <http://www.unodc.org/documents/commissions/CCPCJ_session19/ACONF213_3eV1050608.pdf&gt;. 12 out.2013.
________. Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC) Rio [mensagem pessoal]. Mensagem recebida e-mail do autor. 12 outubro 2013

Published in: on janeiro 28, 2016 at 4:34 pm  Deixe um comentário  

MD informa que Brasil não tem policiais com requisitos para o Haiti

O Ministério da Defesa informou ao Ministério das Relações Exteriores que não identificou candidatos que preencham os requisitos exigidos para concorrer ao cargo de “Deputy Police Commissioner for Development of the Haitian National Police” (D/1) na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH).

O cargo é um dos mais importantes da MINUSTAH.

Published in: on janeiro 28, 2016 at 4:16 pm  Deixe um comentário  

Vagas de policiais para UNMIL e UNIFIL

Foram abertas vagas em regime de ‘secondment’ para policiais militares brasileiros na Missão das Nações Unidas na Libéria (UNMIL) e na Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL) e o Ministério da Defesa informou não ter identificado
candidatos para concorrerem aos processos de seleção.

(janeiro de 2016)

Published in: on janeiro 28, 2016 at 4:14 pm  Deixe um comentário  

Abertura de processo para Base Logística da ONU

Em 10 de janeiro de 2016,  o Secretariado das Nações Unidas solicitou a indicação de policial militar brasileiro para o processo de  seleção para o cargo de ‘Police Reform Adviser’ (P-4),  localizado na Base Logística da ONU, em Brindisi/Itália.

Estima-se que as solicitações junto as Corporações Policiais Militares devam chegar até o fim do mês.

Published in: on janeiro 28, 2016 at 4:11 pm  Deixe um comentário  

VI CURSO EM OPERAÇÕES DE PAZ E AÇÃO HUMANITÁRIA (Coimbra, Portugal)

Numa iniciativa conjunta do Ius Gentium Conimbrigae/Centro de Direitos Humanos da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e do Comando da Brigada de Intervenção (BrigInt) do Exército Português, vai decorrer nos dias 14, 21, 28 de novembro e 5 de dezembro/2015 (sábados), noAuditório da BrigInt, no Aquartelamento de Sant’Anna|Coimbra, o VI CURSO EM OPERAÇÕES DE PAZ E AÇÃO HUMANITÁRIA (OPAH6).

O curso é organizado sob a orientação dos Professores Doutores Rui Moura Ramos, Vital Moreira e Jónatas Machado e do Major-General Aguiar Santos.

A Direção Executiva é assegurada pela Mestre Carla de Marcelino Gomes e pelo Major Ricardo Costa.

As candidaturas decorrem até 31 de outubro/2015 e devem ser remetidas paraigc@fd.uc.pt.

Mais informações disponíveis emhttp://www.fd.uc.pt/igc/opah/index.html.

Cartaz_2015

Published in: on agosto 4, 2015 at 12:52 am  Deixe um comentário  

Erros comuns durante a entrevista pre-deployment

Meu nome é Rodrigo Kravetz de Oliveira[1], trabalhei como UNPOL, e durante minha missão no Sudão do Sul, tive a graça de ser escolhido e certificado pela Divisão Policial da ONU como AMS (Assessment for Mission Service) English Instructor. (O autor deste blog também a tem). No Brasil, isso seria o equivalente ao responsável no exército pelos testes de inglês, tiro e direção 4×4. Ou seja, uma das minhas funções era selecionar os candidatos policiais que iriam servir em missão de paz. O time de examinadores é conhecido como SAAT (Selection Assistance and Assessment Team) e, por isso, é comum ouvir que o teste também se chama SAAT. Na verdade o teste se chama AMS (e eu não sabia disso quando fui preencher o EASP). Mas por “usos e costumes” todo o mundo (literalmente) o chama de SAAT.

Por isso, tive a oportunidade de entrevistar diversos candidatos policiais de diversos países, tanto no exame inicial quanto na entrevista “pre-deployment”.

Para aqueles que não sabem, esclareço que, após a seleção do Exército (inglês, tiro e direção 4×4), e após o treinamento no CCOPAB, ainda há uma última entrevista por telefone, pelo pessoal da missão para a qual o candidato policial irá trabalhar. Por exemplo, caso seu nome seja enviado para o Haiti, um “board” de UNPOLs do Haiti irá te ligar e te entrevistar para a missão.

Desta forma, neste post eu gostaria de contribuir um pouco com a minha experiência e fornecer informações importantes aos candidatos policiais para missão de paz pelo ONU, a fim de que não sejam pegos de surpresa durante essa última entrevista. São informações que eu não tive, mas que podem fazer a diferença durante a seleção.

Do outro lado da linha

Quando eu fui entrevistado para a missão de paz do Sudão do Sul, recebi a primeira ligação, pasmem, a 1523 metros de altura no Pico Marumbi.  Eu e minha irmã tínhamos acabado de subir a montanha, em um final de semana, quando me ligaram. Portanto aqui vai a dica número 1:

  • Eles podem te ligar a qualquer hora e a qualquer momento.

O pessoal da missão obviamente dá uma olhada na diferença de fuso horário, mas lembre-se de que os UNPOL trabalham também durante os finais de semana. Portanto sempre tenha contigo, o tempo todo, a sua “colinha”.

Lá no meio da Serra do Mar paranaense a ligação estava horrível e cortando o tempo todo. Fui sincero, falei que não conseguia escutar. Eles então me pediram uma “land line” (telefone fixo) para que pudessem ligar novamente. Como avaliadores nós temos que testar todos os da lista que nos dão, por isso o pessoal da entrevista vai te ligar quantas vezes forem preciso, portanto fica aqui a dica 2:

  • Se a ligação estiver horrível, fale que a ligação está horrível! ao invés de tentar entender telepaticamente a mensagem, e tenha sempre um telefone fixo disponível.

Então eu forneci o telefone fixo do meu local de trabalho e sugeri para que ligassem em duas horas (o tempo suficiente pra voltar, tomar um banho, pegar a colinha e fazer a entrevista). A sugestão foi aceita e assim foi feito.

Perguntas da entrevista

Durante a minha entrevista me perguntaram coisas como “Quando o tráfego pode ser desviado”? Para cada “skillset” que você coloca no EASP eles irão te fazer uma pergunta a fim de verificar se você realmente trabalhou naquela função pela Polícia. Então uma dica óbvia é somente colocar sua real experiência no EASP. Nesta pergunta em específico eu esqueci de mencionar, por exemplo, que o tráfego pode ser desviado em função de comboio VIP. Portanto aqui vai a próxima dica:

  • Traduza as suas funções policiais para o inglês.

Como se diz mesmo “desviar o tráfego” em inglês? São expressões simples como essa que você vai usar durante a entrevista. Mas acredite, dá uma impressão muito ruim quando o candidato fica “ahhnn, uhnn” até achar a palavra (ou não achar). Escreva o que você faz no seu trabalho em inglês, e você vai ver o quão importante são palavras como “seize, assault, arrest, suspect, weapon” e por aí vai.

  • Pesquise sobre a missão

Essas perguntas são recordes em ficar sem resposta. No Sudão do Sul, perguntávamos “qual a capital do Sudão do Sul”. A maioria não sabia, alguns pediam um tempo, pesquisavam no Google (dá pra ouvir claramente o som de teclado através do telefone) e então respondiam. Na minha última entrevista, com candidatos da Holanda, apenas um dos entrevistados sabia a resposta. Aliás, ele explicou também a origem da crise no Sudão do Sul (ele obteve essa informação claramente pela Wikipedia, mas o que importa é que ele sabia o que estava dizendo), e tivemos uma ótima impressão sobre ele.

Por fim, perguntamos sobre os UN core values (e agora você deve estar se perguntando porque eu coloquei isso no final). Essas perguntas são feitas no começo da entrevista, coloquei aqui no final porque esse tipo de dica “todo mundo sabe”. Mas o que todo mundo não sabe é que as perguntas sobre Professionalism, Integrity, Respect for Diversity e Gender Mainstreaming podem (e devem) ser feitas de uma maneira diferente do tradicional “O que é profissionalismo”.

  • Como são feitas as perguntas sobre os Core Values?

Aqui vai uma: Me diga um exemplo no seu trabalho quando um colega seu faz algo anti-ético. Ah, por essa você não esperava! Essas perguntas indiretas são mestres em deixar candidatos calados. Portanto, pratique traduzindo coisas do seu cotidiano policial para o inglês.

Na minha experiência, nós perguntávamos ao candidato primeiro a definição do valor, e logo em seguida uma pergunta indireta como a de cima. O que comumente acontecia é que o candidato sabia “de cor” o Core Value mas patinava em um exemplo real.

Aliás, com relação ao comportamento anti-ético acima, se você for perguntado, responda o que a ONU espera que você responda: você imediatamente vai comunicar e dedurar o comportamento anti-ético; e aliás, os valores da ONU estão acima de valores pessoais!! Não diga que você vai fazer uma parte, um ofício ou passar para a P/2.

Ao final, da entrevista, agradeça a oportunidade, isso conta pontos e os entrevistadores terão uma boa impressão sobre você. Ao desligar o telefone, você será então classificado entre “Insuficiente, Suficiente, Bom ou Excelente”. A maioria dos brasileiros fica no Suficiente ou Bom (eu tenho a lista dos que foram para o Sudão do Sul, aproximadamente metade no bom, metade no suficiente), e é difícil alguém ficar no “not recommended”.

Eu espero que as dicas acima possam ajudar futuros candidatos brasileiros, a despeito da atual conjuntura econômica, e fortalecer a participação de policias boinas azuis nas missões!

Por fim, caso você queira se aprofundar sobre o teste em inglês em si, e praticar em casa, recomendo o site http://www.beapeacekeeper.com

Um ótimo dia!

[1] É Primeiro-Tenente da Polícia Militar do Paraná (PMPR).

Published in: on julho 27, 2015 at 6:35 am  Deixe um comentário  

Dia do Peacekeeper: momento de reflexão

O Ministério da Defesa realizou na data de ontem, 29 de maio de 2015, uma solenidade alusiva ao Dia Internacional dos Peacekeepers, os mantenedores da paz (os boinas azuis). O evento ficou a cargo do Exército brasileiro e foi realizado no Comando Militar do Planalto/Setor Militar Urbano, em Brasília-DF.

Como tradicionalmente ocorre, policiais militares do Distrito Federal são convidados a participarem do evento, recebendo convite individual, do próprio Ministro da Defesa, o que é sempre um motivo de prestígio e, de certa forma, a PMDF acaba por representar os policiais militares dos demais estados do país.

azuis

Foto 1: Policiais militares do Distrito Federal, veteranos de missões de paz da ONU, que participaram do evento.

O evento contou com autoridades das Forças Armadas que se posicionaram em local de destaque, mas não contou com a figura de uma autoridade policial que representasse as Corporações Policiais Militares que contribuem com efetivos (não sei se por não ter sido convidado ou não ter podido comparecer devido a agenda – lembro que o Comandante-Geral da PMDF é veterano de 2 missões de paz da ONU). Ademais, não havia qualquer foto, imagens ou informações sobre a participação policial militar brasileira em qualquer das 11 missões de paz onde se fizeram presentes desde o ano de 1991.

peacekeepers 2015 - autoridades

Foto 1: Autoridades de cada Força Armada, Ministro da Defesa e Ministro do GSI.

Na Ordem do Dia de 2015, em seu pronunciamento, o Ministro Jacques Wagner menciona, ao fim do texto, agradecimento aos policiais brasileiros:

“Neste 29 de maio, presto homenagem aos capacetes azuis brasileiros – militares, policiais e civis que, comprometidos com a construção da paz , elevam o nome da nação brasileira no cenário internacional.” 

Em 2014, nenhuma citação aos policiais militares foi feita na Ordem do Dia do Ministro Celso Amorim, se restringindo a participação brasileira em missões de paz exclusivamente aos militares das Forças Armadas.

No ano de 2013, segundo o site do Forte, faz-se uma menção aos policiais militares em missões:

“Esse quantitativo, composto de militares das três Forças Armadas, além de policiais e bombeiros, contribui para estabelecer a presença e estreitar o apoio do Brasil a nove nações: Chipre, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Haiti, Líbano, Libéria, Saara Ocidental, Sudão e Sudão do Sul.” (Ministro Celso Amorim).

Em 2012, o Ministro da Defesa Celso Amorim fez a seguinte menção aos policiais militares:

“O Brasil enaltece também os militares e policiais militares que integram missões na áfrica , no oriente médio e na Ásia.”

Em 2011, também não houve qualquer menção aos policiais militares, conforme publicação no blog do Planalto (Presidência da República), mas apenas aos militares das FFAA (Ministro da Defesa Nelson Jobim).

Nota-se, ao se realizar uma breve análise dos últimos anos, que embora convidados a participarem do evento (convite individual), carece o Estado brasileiro (União) reconhecer e valorizar a participação de policiais militares brasileiros em missões de paz. São em pequenas ações como essas, que o reconhecimento do país (BRASIL) é desejado e esperado. Parece algo pequeno, mas é simbólico e significativo.

Uma missão de paz (multidisciplinar) é geralmente composta por 3 componentes: um civil (que chefia a missão), um militar e um policial. Felizmente, o Brasil tem se destacado por sua contribuição nos componentes militares em Operações de Paz, desde Angola, Timor Leste, até o Haiti, quer com tropas (companhias e batalhões – até Brigada na MINUSTAH) ou em missões individuais, com os Observadores Militares. Entretanto, o componente policial ainda não é enxergado pelas autoridades com a relevância que merece e é dado pelos demais países, mesmo considerando cargos importantíssimos já ocupados por policiais militares brasileiros e de ser o foco de grande parte das missões (principalmente, após período pós-conflito e estabilização), inclusive com missões plenamente policiais, com o foco no rule of law e Security Sector Reform – SSR.

Faz-se ímpar também citar a falta de envolvimento da maioria das Corporações Policiais Militares (políticas institucionais e ações individuais) que ainda não amadureceram e não enxergam os “porquês” de autorizar a liberação de efetivos para integrar missões de paz. Mais importantemente, os míopes e limitados intelectuais de plantão, devido a mediocridade de suas personalidades, não apenas são contra mas denigrem e maculam aqueles que buscam servir por uma causa nobre e de reconhecimento profissional e pessoal. Limitar-se a prejudicar quem estuda, passa em concurso nível nacional (caso dos policiais militares) devido a incapacidade, ignorância, limitações e falta de coragem de servir em área de conflito e a ficar longe de casa (zona de conforto) ainda existe, inclusive em gerações mais novas, o que é apenas digno de pena. Não concordar é algo pessoal, mas existem valores muito mais importantes por trás de uma participação em experiência dessa natureza. Não concordar com algo não pode significar lutar contra, levantar uma bandeira de combate àqueles que perdem horas de estudo e aperfeiçoamento intelectual e técnico, de provas de tiro, direção defensiva, idiomas, entrevistas,  além de não estar respondendo judicialmente ou ter ficha disciplinar digna e ter seu currículo avaliado e analisado se é adequado para as funções e cargos nas missões.

Se, assim como nas Forças Armadas, fosse motivo de orgulho institucional nas PMs, esse quadro seria muito diferente. Na Polícia Militar do Paraná (PMPR), o policial militar ao retornar de missão é condecorado (com pontuação para fins de promoção por merecimento – a mais alta) e tem seu tempo considerado como de campanha. Referência e padrão internacional.

O atual momento é de reflexão para mudanças substanciais, concretas e objetivas. Os órgãos federais devem promover medidas de cooperação e comprometimento entre as UF’s e União, provocar medidas diversas, como mudança de legislação, padronização, atualização de treinamentos e preparação focados no componente policial (UNPOL) que funcionem e não figurem apenas no papel.

O MRE, MD e EB deveriam buscar “alianças”, unir esforços e compromissos/comprometimento entre os órgãos e governos, pois enquanto governadores e ministros de estados talvez nem tenham conhecimento sobre o que faz um policial numa missão de paz (ou mesmo que eles participam), politicamente será inviável ao país qualificar da forma apropriada (seleção e treinamento), manter e aumentar o número de missões policiais individuais e fazer o acompanhamento adequado dos que estão a serviço do Brasil e promovendo direitos humanos, paz e segurança.

Se “A união faz a força” e “unidos somos mais fortes”, eis que chegou a hora de deixar a vaidade e o ego de lado (pessoais e institucionais) e pensar no tema “cooperação policial para missões de paz” como parte da agenda da política externa do país.

As dificuldades existem. Mas quando se tem vontade, tem solução. Inúmeras são as possibilidades factíveis para mudanças concretas.

O que falta, então?

Particularmente, torço para que os sábios prevaleçam ante os medíocres e ignorantes.

Boa sorte as novas gerações!

A palavra-chave é “cooperação”.

S.

Ref.:

Ordem do dia de 2015 – Link do Ordem do Dia Peacekeepers – 2015 (arquivo)

Ordem do dia de 2014 – Link do Site do MD e Ordem do Dia Peacekeepers – 2014 (arquivo).

Published in: on maio 30, 2015 at 9:12 pm  Comments (2)  

Haiti – Security : The reduction of the budget of the Minustah raises concerns

Haiti - Security : The reduction of the budget of the Minustah raises concerns

Thursday morning, the Fifth United Nations Commission responsible for Administrative and Budgetary Questions has considered, the budget proposals of 13 Peace-keeping operations for the period from 1 July 2015 to 30 June 2016, particularly the reduction of budget of the Minustah in Haiti, which has raised concerns in several member countries.

This was expressed delegations about the UN mission in Haiti for which the Secretary-General proposes a budget of $ 386 million, a decrease of 22% compared to the 2014/2015 financial year. The Haitian representative reiterated the request of its President, to maintain the substantial assistance of the United Nations to consolidate the climate of security during the whole electoral cycle expected this year “by a visible and robust presence of military and police components of the Mission.”

Xavier Lasso Mendoza (Ecuador), speaking on behalf of the Community of Latin American and Caribbean States (CELAC), reaffirmed its solidarity with the people and Government of Haiti and said that CELAC is opposed to any arbitrary reduction of the budget of the Minustah that is not technically justified. He recalled that the budgets of the Peace-keeping operations must be based on technical criteria, taking into account the situation on the ground and the terms of reference as approved by the Security Council. “We reiterate the need to provide resources to the Minustah […] in particular in order to provide technical, logistical and security during the electoral process” He expressed concern that the draft budget proposes to limit military personnel to 2,370, against 13,000 at its highest level and police force to 2,600. “Our delegations remain convinced that, to gradually reduce UN staff in Haiti, we must continue to consider the situation on the ground and the capacity of the Haitian state to ensure the security of its people.”

Denis Régis (Haiti) recalled that his country had reached a turning point in the democratic consolidation process and the rule of law, being on the eve of general elections “long overdue”. He assured that the Haitian Government had taken all necessary measures to ensure the holding of free, credible, transparent and inclusive elections, the election timetable has been set for August and October 2015. The climate of confidence restored allows us to predict the success of the electoral process which will culminate with the inauguration of a new president in 2016. The representative stressed the essential role of the Minustah to support the Haitian authorities to establish a safe environment and stable, by supporting institutions guaranteeing the rule of law and those responsible for enforcing the law.

Noting that the Minustah must continue to reconfigure its size and composition to become a smaller, more targeted assistance mission, he said, hoped that the mission could focus on supporting the National Police of Haiti (PNH ) to allow the State to achieve the goal of 15,000 police officers in December 2016 and to ensure their geographic deployment throughout the country. He reiterated the position of his government on the reconfiguration of the Mission, which should reflect “the situation on the ground”, which joined the proposal of the Secretary-General expressed in his report to the Security Council in August 2014. This is why he considered that the strength of the Mission, both military and civilian, must be maintained at levels sufficient to avoid any security vacuum that would result from a premature withdrawal.

Omar Castañeda Solares (Guatemala) has called for caution, arguing that it was necessary to take account of changes in the security environment in recent months which have also resulted in the death of a Chilean peacekeeper. He also mentioned the increase in urban violence. The Representative also recalled that three elections were scheduled during the year 2015, to be held over a period of six months. Despite the progress made by the Haitian National Police, he said that it had not yet sufficient resources to support the security completely, especially during elections.

He also expressed concern at the planned reduction of military contingents, explaining that the latter would not be able provide the necessary support in terms of logistics and security. At the same time, he stressed that the security requirements have improved enough to consider a further reduction of the Mission’s contingents, what will be discussed in October 2015. He asked to consider the requests of the President of Haiti in this regard.

Sérgio Rodrigues Dos Santos (Brazil) said that a viable withdrawal of the UN in Haiti depends on a smooth transfer of responsibilities between United Nations peacekeeping staff and national authorities. Faced with the gradual withdrawal of the UN, the representative wanted to warn against the persistence of difficult problems that may negatively influence the security situation and threaten the gains made since 2010. The workforce reduction process must match realities, including the economic and social situation. The representative requested that the level of resources of the Minustah takes into account the need to support the upcoming elections, strengthening the police and the rule of law and improving the prison system.

He was particularly concerned about the expected 53% decrease in resources of the military component, considering it essential that the peacekeeping forces have the means to deal with any eventuality. After stressing the importance of programs of community violence reduction and quick-impact projects, the representative objected strongly to any financial adjustment based on arbitrary principles, including the alleged need to support other missions.

HL/ HaitiLibre

Source: http://www.haitilibre.com/en/news-13882-haiti-security-the-reduction-of-the-budget-of-the-minustah-raises-concerns.html

Published in: on maio 17, 2015 at 9:03 pm  Deixe um comentário  

PMAC segue tendência na padronização nacional de distintivos de Missões de Paz

Seguindo uma tendência de padronização dos distintivos de Missões de Paz das Corporações Policiais Militares brasileiras, a Polícia Militar do Acre (PMAC) adotou, como PMDF, PMERJ e PMCE o seu brevê.

Parabéns a PMAC!

Que as Corporações que não dispõem de distintivos possam aderir a ideia e unir forças nesse sentido.

Quem desejar, Portaria de referência poderá ser enviado in box.

PMAC - Distintivo Missão de Paz

Published in: on abril 28, 2015 at 2:12 am  Deixe um comentário  
Tags:

Oficial da PM do Acre é selecionado pela ONU para Missão de Paz no Sudão do Sul

A seleção do Tenente-Coronel PMAC Marcos da Silva Kinpara para a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS) foi confirmada pelo Secretariado das Nações Unidas.

tcpmac

Published in: on abril 27, 2015 at 6:50 pm  Comments (2)  
Tags: , ,

CCOPAB prevê reconhecimento de cursos UNPOL por parte da ONU ainda em 2015

Uma informação muito interessante e importante foi recebida por este sítio, a de que o CCOPAB estará recebendo no 2º semestre um certificador do DPKO para o reconhecimento, pelo ITS/DPKO, do curso para UNPOLs promovido pelo Centro.

Segundo o Chefe da Célula Policial do CCOPAB, o Capitão Valdetaro, do Exército Brasileiro, esses trâmites vem sendo realizado desde 2014, mas no ano passado o DKPO não pôde enviar certificadores e observadores.

O atual Comandante do CCOPAB, Coronel EB Venturim, foi chefe do ITS/DPKO por alguns anos e é reconhecido por sua capacidade profissional e conhecimento na área de treinamentos.

Desejamos sucesso ao CCOPAB e que essa certificação da ONU de fato ocorra.

Parabéns pela iniciativa!

Convém, entretanto, destacar que a certificação que o CCOPAB busca, foi recebida pela PMDF durante a realização do então United Nations Police Officer Course (UNPOC), realizado no ano de 2011, na Academia da Polícia Militar de Brasília. Esse projeto foi realizado em parceria com a polícia sueca, norueguesa e contou com policiais de alguns países e estados brasileiros. Foi da mesma forma, realizado um curso Train of Trainers – ToT, onde credencia o policial a ser instrutor em cursos para UNPOL (hoje denominados de IPOC – International Police Officer Course). Talvez, um ToT, inclusive com os diversos veteranos UNPOLs brasileiros que possuem esse curso e, por consequência, conhecem a metodologia de ensino adotada por vários países com a chancela da ONU (ITS), fosse mais apropriado

Não obstante, não há que se confundir em cursos credenciados pela ONU e o SAAT, que é uma equipe da Police Division que aplica o processo de seleção de policiais nos Estados-membros da ONU.

Para integrar uma missão de paz, é recomendável que um policial receba treinamento (até porque durante os primeiros dias de missão, todos os policiais recebem treinamento específico da missão), mas é imperativo e obrigatório que ele seja habilitado. E essa habilitação somente ocorre por SAAT (no próprio país – antes do embarque, ou seja, só segue para missão quem já está “clear”) ou In-based mission AMS (testes eliminatórios realizados na área de missão, quando da chegada do policial)

Estamos evoluindo…

“Unidos somos mais fortes”

Published in: on abril 23, 2015 at 3:12 am  Deixe um comentário  

Governo chileno solicita e recebe equipe SAAT pelo segundo ano consecutivo

Normalmente, as equipes SAAT da Divisão de Polícia do DPKO/ONU realizam os processos seletivos para policiais integrarem operações de paz da ONU a cada 2 anos. Os nossos vizinhos sul-americanos que recebem a ONU para validação da seleção, Argentina (mais de 18 anos), Uruguay, Chile (única missão policial no Haiti) e Colômbia estão há anos avançados nesse sentido em relação ao Brasil, que até hoje nunca solicitou a ONU validação da seleção em território nacional, conforme recomendações da Organização, evitando, inclusive, repatriações (já ocorridas), uma vez que os policiais brasileiros devem realizar testes de caráter eliminatório quando chegam na área da missão, por não ter seu processo seletivo reconhecido pelas Nações Unidas.

O Chile não é nenhum exemplo no que se refere a preparação, treinamento e motivação de policiais para missões de paz da ONU, entretanto, chama atenção a vontade de ampliar e mudar esse cenário, visto ter seu governo envidado esforços no sentido de que fossem realizada a seleção em março de 2014 e agora na presente semana (abril 2015).

Os oficiais e suboficiais dos Carabineros de Chile e os oficiais da Policía de Investigaciones – PDI (instituição que somente tem “oficiais”) agradecem a oportunidade!

Parabéns ao governo chileno!

Comento:

Eventualmente, farei um post específico sobre minha experiência como team leader de equipes SAAT/Police Division/DPKO em alguns países, dentre eles o Chile.

Vale a reflexão!

Published in: on abril 23, 2015 at 2:13 am  Comments (1)  

Diretor do Instituto Pandiá Calógeras (MD) toma posse como secretário-geral da Escola Sul-Americana de Defesa da Unasul – Ministério da Defesa

Brasília, 17/04/2014 – O professor de Relações Internacionais Antonio Jorge Ramalho da Rocha, assessor especial do ministro da Defesa, Jaques Wagner, tomou posse há pouco como primeiro secretário-geral da Escola Sul-Americana de Defesa (Esude) da União das Nações Sul-Americanas (Unasul). A Secretaria-Geral do órgão foi instalada na manhã desta sexta-feira (17) em cerimônia na sede da Unasul em Quito, capital do Equador.

ramalho_inter1

Professor Ramalho, secretário-geral da Esude/Unasul

Ramalho, que também é diretor do Instituto Pandiá Calógeras – braço acadêmico do Ministério da Defesa e professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), foi eleito para a Secretaria-Geral da Esude por consenso na noite de quinta-feira (16) pelos vice-ministros da Defesa dos 12 países que compõem a Unasul. O Brasil foi representado na eleição e na posse pelo chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general José Carlos De Nardi.

O ministro Jaques Wagner parabenizou Ramalho pela nomeação, destacando que sua indicação é uma grande honra para a Defesa nacional. “Todos conhecemos a competência acadêmica e o engajamento do professor Ramalho nos assuntos de defesa na América do Sul. Não tenho dúvidas de que se trata da pessoa mais qualificada para coordenar os trabalhos que resultarão num pensamento de defesa integrado em todo o continente. É uma alegria grande ter o diretor do Instituto Pandiá Calógeras da Defesa num cargo de tamanha relevância”, disse.

A instalação da Esude foi um dos atos principais de celebração do oitavo aniversário da criação da Unasul, órgão idealizado para promover a integração sul-americana em matéria política, social, econômica, ambiental e de infraestruturas.

ramalho_inter2

Articulação entre institutos

Professor de Relações Internacionais da UnB desde 1993, Ramalho terá como maior desafio de sua carreira acadêmica a articulação de uma rede de institutos nacionais de Defesa. “Vamos aproveitar as estruturas, os conteúdos e instrutores das instituições nacionais de formação, criando uma grande rede de coordenação que nos permita criar uma visão comum de Defesa em toda a América do Sul”, explicou em conversa com a Assessoria de Comunicação do Ministério da Defesa pouco antes da posse.

De acordo com o professor, a Esude terá sua Secretaria-Geral sediada em Quito, mas os cursos serão oferecidos por todo o continente. Brasil, Argentina e Peru já estão oferecendo qualificações nos moldes acadêmicos da Esude. “Nosso objetivo é fomentar a circulação de ideias e pesquisas, criando oportunidades tanto para oficiais militares como civis se qualificarem sobre o tema da defesa”, disse.

A representante do Brasil na rede de instituições vinculadas à Esude é a Escola Superior de Guerra (ESG), com seus campi em Brasília e no Rio de Janeiro. De acordo com o professor Ramalho, o Curso Avançado de Defesa Sul-Americano (CAD-Sul) oferecido pela ESG em 2014 funcionou como um projeto “piloto” do tipo de qualificação que se pretende empreender no âmbito da Esude.

O CAD-Sul foi desenvolvido ao longo de 10 semanas, com carga-horária total de 330 horas-aula. Os alunos vindos de toda a América do Sul estudaram disciplinas como a caracterização dos países da Unasul; organismos internacionais; e geopolítica e geoestratégia.

A formação continuada de especialistas civis e militares em defesa, por meio da oferta de cursos de extensão e especialização, é o foco principal da Esude neste primeiro momento, segundo o professor Ramalho. Entretanto, o organismo poderá ter uma vertente de fomento às pesquisas acadêmicas no futuro com a oferta de cursos em nível strictu-sensu.

Aos 48 anos, o acadêmico, natural de Brasília (DF), se mostra confiante para o desafio de dar efetividade à Esude. “É uma responsabilidade enorme colocar em marcha algo que se inicia. A escola surge coberta de muita expectativa e trabalharemos para que todos os objetivos sejam alcançados”, afirmou.

O professor Ramalho se graduou em Relações Internacionais pela UnB (1989) e tem mestrado em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) e em Relações Internacionais pela Maxwell School of Citinzenship and Public Affairs da Universidade de Syracuse (EUA). Também é doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Sua pesquisa e produção científica concentram-se nas áreas de Teoria das Relações Internacionais, Segurança Internacional, Defesa Nacional e Política Externa dos Estados Unidos.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Defesa
61 3312-4071

FONTE: Site MD

Published in: on abril 21, 2015 at 10:17 pm  Deixe um comentário