Nota de Falecimento de Policial Veterano de Missao de Paz da ONU

matiascel

FOTO: Cel Matias no Timor Leste – Tomando depoimento em investigacoes.

“É com pesar que a Polícia Militar do Distrito Federal informa o falecimento do coronel QOPM José Wilame Vitoriano Matias, 52 anos, ocorrido na data de hoje (12), às 7 horas, vítima de grave acidente de trânsito enquanto seguia para o trabalho. Apesar de ser socorrido pelo SAMU e do pronto-atendimento realizado no Hospital de Base, veio a óbito. Atualmente o oficial ocupava o cargo de comandante do Comando de Policiamento Regional Leste. O sepultamento será realizado amanhã (13), às 11h30, no cemitério Campo da Esperança.”

Fonte: Site PMDF.

Lamentamos profundamente a passagem do Coronel Matias, veterano de 2 Missoes de Paz no Timor Leste. Que seus amigos e familiares, incluindo seu irmao Cel Marco (tambem veterano de Missao de Paz) recebam o conforto interior e apoio necessario.

O oficial, com quase 30 anos de servico, se preparava para integrar a UNIOGBIS ainda neste mês

Seu corpo foi velado e sepultado hoje, no cemiterio Campo da Esperanca, em Brasilia-DF.

Published in: on dezembro 13, 2013 at 9:03 pm  Deixe um comentário  

UNMIT Daily Media Review, 21 November 2012

Local News-Broadcast
· Guterres: Timor-Leste off of UN agenda

Local News-Press
· UNMIT hands over materials to the Government
· UN accept Timor-Leste’s g7+ initiative
· Pedro Klamar Fuik appointed as advisor for UN mission in Guinea-Bissau

International News
· Lusa News (Portugal): GNR begin to leave Timor-Leste

Local News-Broadcast

Guterres: Timor-Leste off of UN agenda
Radio e Televisão de Timor-Leste, 21 November 2012

Minister for Foreign Affairs and Cooperation, Jose Luis Guterres said that Timor-Leste had decided to be off of the UN Security Council’s agenda as the country is now able to guarantee security and stability for its people.

Guterres said that he took part in the UN Security Council meeting to convey messages about Timor-Leste.

The Portuguese Language Community (CPLP) and all the Security Council members expressed appreciation for Timor-Leste’s efforts as it is able to take over security responsibility. 

“This is the last meeting of the UN Security Council about Timor-Leste’s security issue. We told all the UN Security Council members that Timor-Leste does not want the presence of the UN Peacekeeping Mission anymore,” said Guterres 

Local News-Press

UNMIT hands over materials to the Government
Timor Post (page 15)

Suai- the United Nations continues to prepare their materials to be handed over to the government before the end of the mission in December.

This statement was made by Secretary of State for Decentralization Tomas Cabral in a handover ceremony at the United Nations in Covalima District.

Cabral said that the UN facilities [in Suai] that have been handed over to Government will continue to be kept in Suai.

“These facilities that the United Nations delivered to us will be used to establish the municipal commission in Covalima District that will be realized in January next year,” said Cabral.

Cabral said that all the materials that the United Nations hands over will be controlled by the Ministry of Finance.

During the ceremony to handover the facilities, UNMIT Chief of Mission Support Clark Toes said that all the UN facilities in Covalima District will belong to the Government including the workshop generators, building materials, oil tanks, water tanks, electric facilities, and carpentry materials.

Toes said that they worked together with the central government to peacefully and successfully carry out the UN mission in the districts.

Toes added that all the materials that UNMIT gave to Covalima District are in good condition.

UN accept Timor-Leste’s g7+ initiative 
Suara Timor Lorosae 21 November 2012

Prime Minister Xanana Gusmão said the UN Secretary-General Ban Ki-moon had accepted Timor-Leste’s g7+ initiative. 

The Prime Minister made the comments at Dili Nicolao Lobato Airport after returning from Haiti.

Gusmão said that the World Bank in Tokyo would also talk about g7+ once a year, so that the World Bank can help support poor countries.

“There has been some progress; therefore we should keep up with this example. Right now the g7+ is looking at indicators from each country. We do our own indicators,” said Gusmão. 

Pedro Klamar Fuik appointed as advisor for UN mission in Guinea-Bissau
Timor Post 21 November 2012 (last page)

The Timorese Defence Force (F-FDTL) Command has decided to appoint Colonel Pedro Klamar Fuik to become an advisor for the United Nations (UN) peacekeeping Mission in Guinea-Bissau.

Secretary of State for Defence Julio Tomas Pinto said that F-FDTL Command planned to send Klamar Fuik to Guinea Bissau early but it had to be postponed due to a technical problem.

“F-FDTL Command has appointed Colonel Pedro Klamar Fuik to become UN adviser for Guinea Bissau. But we have not sent him yet because of a technical problem”, said Pinto.

 

UNMIT Daily Media Review, 20 November 2012

National News 

F-FDTL and PNTL make significant progress through cooperation with UNMIT 
Diário Nacional (page 15) 

Secretary of State for Defense Julio Tomas Pinto said that F-FDTL and PNTL have made significant progress during the UNMIT mission in Timor-Leste. 

“UNMIT said that through the cooperation that has taken place over these years we have made significant progress, especially in the area of policing and with F-FDTL,” said Pinto. 

In the area of defense UNMIT provided advisors to support the work of F-FDTL and the Secretary of State for Defense. 

“The progress that we have made with them is in assistance techniques, the area of F-FDTL and they also facilitated human resources training for military police. They also trained F-FDTL members on the border to know how to communicate with the Indonesian force,” said Pinto. 

Pinto added that there were many obstacles during UNMIT, especially with different ideas between Timor-Leste and UNMIT but this is normal. 

“I was sometimes a stakeholder who worked together with them. Their work is honest.” 

Pinto, representing the Government of Timor-Leste, to apologized to the members of UNMIT who work in the area of defense, for any miscommunications. 

“I apologize since maybe during their work there were miscommunications between the government and UNMIT staff who work in this area.’ 

“Everyone knows that I need to say that because in 2010 I wrote an article that strongly attacked UNMIT because we don’t want other nations being involved in the plans of our government because we prepare our plan and they just come to adapt it,” said Pinto. 

“I expressed my apologies that as a member of the IV Constitutional Government, working together that is now in the V Constitutional Government, and I recognize that we have made significant progress,” said Pinto. 

Timor-Leste asks for change in the UN 
Independente (cover page) 

Prime Minister Xanana Gusmão will ask the United Nations to make changes so they will take decisions democratically. 

“I suggested making changes in the United Nations because the United Nations created the Second World War. Their mechanism and their manner is still the same,” said Gusmão. 

“Right now in the Security Council the five countries in the world that have power do not agree with each other, there is still war, and if they agree with each other these is still war, and a lot of poor people,” said Gusmão. 

Gusmão supports Indonesia, Japan, Germany, South Africa, Brazil, and Australia to be permanent members of the United Nations Security Council in the future. 

17 PNTL members are ready to join UN Missions 
Suara Timor Lorosae (page 2) 

17 PNTL members are ready to serve as United Nations Police. 

“The other nations that already decided to have police members include Timor-Leste. We are waiting for the UN to send a letter to the PNTL Commander to send the 17 members to take part as United Nations Police in December or January,” said PNTL Commander Longuinhos Monteiro. 

According to Monteiro, involving PTNL members in UN Police will enhance the capacity PNTL members. 

“As a Timorese we are proud because we can also participate in missions in other countries or in United Nations missions,” said Monteiro. 

The UNMIT Daily Media Review provides a selection of local and international media stories for the information of UN personnel. UNMIT is not responsible for the content or the accuracy of the news stories. The inclusion of selected articles does not imply endorsement by UNMIT. Any public distribution of the Daily Media Review is a courtesy service extended by UNMIT.

Published in: on novembro 21, 2012 at 10:19 pm  Deixe um comentário  

Capitão PMDF Robson comanda tropa da ONU durante solenidade especial no Timor Leste

O Capitão Robson Magalhães Pinheiro, da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), teve a honra de comandar a tropa da Polícia da ONU (United Nations Police – UNPOL) na solenidade de transferência das atividades da UNPOL para a Polícia Nacional do Timor Leste (PNTL) e por consequente o fim das atividades operacionais da ONU no Timor Leste.

Foto 01 – Capitão PMDF Robson a frente da tropa.

  

 Foto 02 – Capitão PMDF Robson apresenta a tropa UNPOL ao Presidente do Timor Leste.

A companhia de desfile comandada pelo Capitão PMDF Robson representou toda a Missão de Paz da ONU (UNMIT) no Timor Leste e foi composta pela tropas de choque (Formed Police Unit – FPU) de Bangladesh, da Malásia, do Paquistão e de Portugal.  

 Foto 03 – Capitão PMDF Robson a frente da tropa.

A cerimônia ocorreu no dia 31 de outubro de 2012, no Palácio do Governo em Díli, onde houve a assinatura da certificação da PNTL pelo UNPOL Police Commissioner e PNTL General Commander, além do Secretario Nacional de Segurança Publica e o Deputy SRSG. Foi assinado também o documento do fim das atividades operacionais UNPOL no Timor pelo Representante Especial do Secretario Geral da ONU e o Primeiro Ministro do Timor Leste, Xanana Gusmao.

 

  Foto 04 – Police Commissioner da UNMIT – Certificação da PNTL.

No mesmo evento, a Polícia da ONU (UNPOL) foi condecorada com a Medalha de Ordem do Mérito do Timor Leste (sendo representada pelo seu Comissário – Police Comissionner) e também a International Stabilization Forces composta por contingentes da Austrália e da Nova Zelândia na pessoa do comandante da ISF.

  Foto 05 – UNMIT UNPOL Police Commissioner recebe condecoração do Presidente.

A PMDF fazendo parte de um momento histórico da paz e segurança mundial.

 Foto 06 – Police Commissioner e o Capitão PMDF Robson.

Parabéns ao Capitão PMDF Robson e a todos os demais policiais militares brasileiros da UNMIT.

Capitão PMDF Sérgio Carrera

Published in: on novembro 4, 2012 at 3:39 am  Comments (1)  

UN hands power back to East Timor police

 

International News

UN hands power back to East Timor police
Australia Network News, 31 October 2012, by Sara Everingham 

The United Nations has handed over full control of policing operations to the East Timorese National Police Force (PNTL) at a ceremony in Dili.

The current UN deployment – the United Nations Integrated Mission in East Timor (UNMIT) – came in 2006, after a political crisis in which dozens were killed and hundreds-of-thousands displaced.

Police Officers from more than 40 countries, including Malaysia, Bangladesh, Pakistan and the Philippines, arrived to help with police duties, restore order and conduct training.

The head of UNMIT, Finn Reske-Nielsen, says the bulk of peacekeepers will now leave over the next six weeks. 

“We expect that most of our personnel will leave by the middle of December,” he said.

“We will still have a handful of people left here by 31 December in order to sort of formally close what would be then be almost 13 years of UN peacekeeping and political missions in this country.”

Mr Reske-Nielsen says a recent evaluation by the UN and East Timor found the PNTL was ready to take back control, but still needed improvement in several areas, including discipline. 

“Although the way of dealing with problems might not be up to international standards, in the Timorese context they are really ready to do their job,” Nelson Belo, director of the security organisation Fundasaun Mahein, told Radio Australia’s Connect Asia program.

East Timor’s Government says it plans to keep developing its security forces with continued help from countries like Australia after the UN withdrawal.

UN hands full police powers to E. Timor
Agence France-Presse, 31 October 2012

DILI: United Nations peacekeepers in East Timor on Wednesday handed full responsibility for policing to Asia’s youngest nation, Prime Minister Xanana Gusmao announced.

The National Police of East Timor “are assuming full responsibility for maintaining law and order”, he said in a statement.

In March last year the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste handed some responsibilities to the Timorese police and has since focused on training instead of frontline duties.

The head of the UN mission, Finn Reske-Nielsen, said that under the peacekeepers’ guidance the Timorese police had “made significant progress” in many areas.

The force provided security during this year’s peaceful presidential and general elections.

The current UN deployment, which arrived in 2006 after a political crisis in which dozens were killed and hundreds of thousands displaced, began withdrawing in earnest this month in line with a timetable to leave by the end of the year.

The largest batch will leave in November with the last of the peacekeepers due to depart in December, Reske-Nielsen has said. At its peak, the mission had 1,600 peacekeepers.

The only major violence since the arrival of the UN force was a 2008 failed assassination attempt against then-president Jose Ramos-Horta. 

East Timor, an impoverished half-island nation of 1.1 million despite bountiful oil and gas reserves off its coasts, in May celebrated a decade of formal independence after a 24-year occupation by Indonesia.

 

 
Robson Pinheiro – CAP QOPM/PMDF
Honour! As a Way of Life!
Published in: on novembro 4, 2012 at 2:51 am  Deixe um comentário  

Oficial Veterana de Missão de Paz assume comando do Batalhão de Choque da PMDF

A Tenente-Coronel Cynthiane Santos, da PMDF, assumiu nesta sexta-feira, dia 19 de outubro de 2012, o seu segundo comando, desta vez a frente do Batalhão de Policiamento de Choque (BPChoque), umas das Unidades especializadas da Instituição.

Com currículo que permite classifica-la em funções diversas na Corporação, ela foi a primeira Oficial da PMDF a integrar uma Missão de Paz da ONU, no Timor Leste no início da década de 2000. Atuou também na segurança pessoal do Presidente da República por quase três anos e é uma das únicas 03 policiais militares femininas “caveira” em todo o Brasil.

Com certeza, a sua experiência internacional, atuação em outros órgãos em questões de segurança e o trabalho realizado em unidades variadas da PMDF a coloca numa posição que a possibilitará gerir da melhor maneira possível o comando dessa importante Unidade PM.

À veterana os votos de sucesso na nova função.

PS: Caveira é o nome que se dá aos policiais militares que concluem o Curso de Operações Especiais Policiais (COEsp) promovido, via de regra, pelos Batalhões de Operações Especiais das Corporações PM. Alguns cursos promovidos pelas Forças Armadas e por instituições políciais de outros países também “podem” ser considerados.

Published in: on outubro 20, 2012 at 7:44 am  Comments (2)  

Timor Leste/East Timor Subject: UNMIT Daily Media Review, 11 October 2012

Subject: UNMIT Daily Media Review, 11 October 2012

National News-Broadcast 
·        Japan ready to support TL with capacity building 
·        Ministry for Social Solidarity allocates funds for local NGOs 
·        National NGOs call on ConocoPhillips-Woodside to understand agreement 

National News-Press 
·        UN calls on TL to send military advisor to Guinea-Bissau 
·        Atauro Island life under threat 
·        Lifese: Government ignored pontoon warning 
·        Parliament elects State Security and Defence Council members 
·        PNTL Commander informs Parliaments about Police Information Service 
·        Timor-Leste peace activist honoured for her work in the frontline of conflict 

International News 
·        UN News Centre: At conference, Ban highlights role of police peacekeeping to uphold rule of law 
·        Macauhub (China): Central bank governors meet Wednesday in Macau 
·        ABC Radio Australia: Plea to help Timorese students 
·        Australian Associated Press: East Timor health fund help needed 

Online 
·        Royal Norwegian Embassy in Jakarta: Norway gives $2.27 million to boost Timor-Leste’s Justice System 

National News-Broadcast 

Japan ready to support TL with capacity building 
Radio e Televisão de Timor-Leste, 10 October 2012 

Secretary of State for ASEAN Affairs, Roberto Soares said that the Japanese Government sent 19 of his staff members to take part a training course in Singapore, and that Japan is ready to support Timor-Leste with capacity building in order to better prepare its human resources before joining ASEAN. 

“We thank the Japanese Embassy and Japan Institute Cooperation Agency (JICA) for their readiness to support us to develop our human resources,” said Soares. 

Director for JICA Hirohiko Takata said that Japan will provide training in areas such as economics and human resource development. 

Japanese ambassador to Timor-Leste Yoshitaka Hanada said that the Japanese Government will strengthen its cooperation with Timor-Leste’s Government to realize its dream of joining ASEAN. 

“Japan will continue to cooperate with Timor-Leste to realize its dream to join ASEAN,” said Hanada. 

Ministry for Social Solidarity allocates funds for local NGOs 
Radio e Televisão de Timor-Leste, 10 October 2012   

Deputy Minister for Social Solidarity, Jacinto Rigoberto said that the Ministry of Social Solidarity worked together with the International Agency for Peace Building in Timor-Leste to grant funds for ten local NGOs that had fulfilled the criteria to work on peace building in Timor-Leste. 

Rigoberto said that each NGO received $25,000 to implement peace building, and that the fund would help socialization of the martial arts law in terms of peace building and conflict prevention. 

National NGOs call on ConocoPhillips-Woodside to understand agreement 
Radio Televisão de Timor-Leste, 10 October 2012   

National NGOs have called on Woodside and ConocoPhillips Companies to understand the legal agreement that they signed to pay tax to Timor-Leste. 

Civil society organizations called on both companies to present a detailed report from 2010 to 2011 because neither company has submitted a report to the Government of Timor-Leste. 

National News – Press 

UN calls on Timor-Leste to send military advisor to Guinea-Bissau 
Timor Post (Page 19) 

The United Nations (UN) has called on the Timorese Defence Force (F-FDTL) to send a military advisor to Guinea-Bissau to help the UN Peacekeeping Mission. 

“The UN has called on us to send a military advisor to Guinea Bissau,” said Defence Commander Lere Anan Timur. 

The F-FDTL officer who will go to Guinea Bissau will be selected and nominated by the defence force commander, and then become an advisor in Guinea-Bissau. 
  
Secretary of State for Defence Julio Thomas Pinto said that the Timorese Defence Force have prepared themselves to be involved in United Nations missions. 

“The F-FDTL command will nominate a senior member as a coronel to join the UN Mission and become an advisor at the Mission in Guinea-Bissau,” said Pinto. 

Pinto said that the F-FDTL Command is running the selection process for the officers. The process is led by the defence commander. 

F-FDTL members have participated in Peacekeeping Forces as observers to UN missions in conflict countries, said Pinto. 

“Now, our force is participating in the Peacekeeping Mission in South Sudan as military observers,” said Pinto. 

In 2011 the F-FDTL sent officers to participate in the UN Mission in Lebanon. The officers returned to Timor-Leste a few months ago after completing their mission, said Pinto. 

Atauro Island life under threat 
Independente (English-page 9) 

Atauro Island’s peaceful, relaxed way of life is under threat, a number of business consortiums have visited the island recently to investigate the possibility of establishing a large casino. 

Barry Hilton, who operates an eco-lodge on the island, is concerned that such a venture could have a devastating impact on the island and its people. 

Barry has worked on Atauro for close to a decade to develop a system of ethnical tourism. Income which comes from tourists is used to run the eco-lodge but is also invested back into the community on a range of project including village water supplies and scholarships for local students. 

Lifese: Government ignored pontoon warning 
Independente (English-page 9) 

The poor condition of the F-FDTL Naval Port in Hera is not the responsibility of the Australian company, Lifese Ltd, but is the failure of the Government of Timor-Leste, said the company’s representative John Dowd. 

Dowd said that before construction began his company presented a design on the port but the naval commander did not agree and wanted the company to put the pontoon somewhere else. 

“Lifese Pty Ltd was prevented by the commander of the navy from constructing the mooring facilities at the location for which they were designed. The original site has sufficient depth not only to protect the pontoons from grounding on the floor harbor but to allow a sufficient depth of water to permit full use of the pontoons on both sides of the wharf,” said Dowd. 

“It is hardly rocket science to work out that a 40 ton pontoon grounding at one end exerts enormous pressure; it was therefore obvious at that time that without dredging the pontoon would be broken,” said Dowd. 

Parliament elects State Security and Defence Council members 
Diário Nacional (cover page) 

MPs in Parliament have elected new members of the State Security and Defence Council. 

The members of the State Security and Defence Council were elected through a secret poll which was held in Parliament yesterday. 

The eight members are Jose Agustinho “Somoco” Sequira, Sergio de Jesus, Fernandes da Costa, Vidal “Riak Leman” de Jesus, Delfina Fatima da Costa, Lourdes Maria Asuncao, Duarte Nunes, Bilo Mali and David Diaz Ximenes.   

PNTL Commander informs Parliament about Police Information Service 
Timor Post (page 3) 

Timorese National Police (PNTL) Commander Longuinhos Monteiro informed National Parliament’s Committee B about the Police Information Service (SIP) on Wednesday (10/10). 

Monteiro said that Committee B’s visit to PNTL Headquarters was to learn about the SIP. 

“The Committee visited and meet us to find out information about the SIP Unit’s work, activities, and the difficulties that this unit has been facing,” said Monteiro. 

Timor-Leste peace activist honoured for her work in the frontline of conflict 
Timornewsline 

10 October, Manila – Sister Lourdes from Timor-Leste, known as ‘Mana Lou’, was among six women peace activists from conflict-affected countries in Asia who received top honuors this week in a ceremony presided by President Benigno S. Aquino III of the Philippines, with a message of support  from Nobel Peace Prize winner Leymah Gbowee of Liberia . 

Eight women and one man received the N-PEACE awards in Asia for their relentless efforts to build peace in the midst of chaos, sometimes putting their own lives on the line. 

Sister Lourdes from Liquica District developed a solidarity network across Timor-Leste, to help the most vulnerable communities in their struggles against poverty. 

Her organization, ISMAIK, offers urgent humanitarian assistance, and supports long term efforts to improve lives and preserve local culture. Mana Lou heroically reached out to all sides during the country’s struggle for independence, risking her life to visit refugee camps, often in remote and dangerous areas. 

International News 

At conference, Ban highlights role of police peacekeeping to uphold rule of law 
UN News Centre, 10 October 2012 
http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=43252&Cr=peacekeeping&Cr1] 

Secretary-General Ban Ki-moon today spotlighted the role that police peacekeepers play in upholding the rule of law and helping countries achieve lasting progress, while calling on countries to boost support for their work. 

“United Nations police work in some of the toughest environments in the world. They serve communities. They bring stability. They inspire trust,” he said in a video message to a high-level conference on international police peacekeeping, held in Berlin, Germany. 

“UN Police are adapting to meet emerging threats, and they train local officers so that positive change takes deep root in society,” he said. 

Some 13,500 police officers from nearly 90 countries serve under the UN flag, and Mr. Ban stressed that as they grow in numbers, so do their responsibilities. In response, the UN is developing a strategic guidance framework for police peacekeeping, he said. 

“I appreciate the support of Member States, but we need to do more. We especially need more female police. Women police can more easily earn the trust of local women. That means more victims come forward and we can stop more crime.” 

The conference, which will end tomorrow, was jointly organized by the German Government and the UN, with more than 200 participants in attendance. 

Central bank governors meet Wednesday in Macau 
Macauhub (China), 10 October 2012 
http://www.macauhub.com.mo/en/2012/10/10/central-bank-governors-meet-wednesday-in-macau/ 

The governors of the central banks of Portugal, Mozambique and Cape Verde are due Wednesday in Macau to take part in a financial forum to discuss relations between China and the Portuguese-speaking countries, the Monetary Authority of Macau (AMCM) said Tuesday in a statement. 

The initiative is entitled, “Encouraging Macau’s role as a platform and boosting economic and financial development between China and the Portuguese-speaking countries,” and the panel of speakers includes, as well as the governors of the central banks of Portugal, Carlos Costa, Mozambique, Ernesto Gouveia Gove, and Cape Verde, Carlos Burgo, three representatives of the Timor-Leste (East Timor) regulator body and the heads of the financial services offices of Shanghai and Guangdong. 

The event is expected to bring together over 100 people, including representatives of local financial institutions, consuls-general or honorary consuls from Portuguese-speaking countries and representatives of the Macau government departments. 

Plea to help Timorese students 
ABC Radio Australia, 11 October 2012 
http://www.abc.net.au/news/2012-10-11/plea-to-help-timorese-students/4307272?section=tas 

Former East Timor president Jose Ramos-Horta has called for help for students wanting to study in Tasmania. 

The Nobel Peace Prize winner has addressed students at Hobart’s Fahan School. 

He spoke about issues facing his country’s young population and plans to improve education. 

Dr Ramos-Horta says only two East Timorese currently study in the state and has called for scholarships to attract more. 

“We have all together 600 Timorese students in Australia, most of them with full scholarships paid for by our own Government, many paid by AusAid and maybe Tasmania as a very rich state could receive quite a few more.” 

Education Minister Nick McKim has supported the call. 

“They have immense benefit not only economically but benefit to our community and the more international students we see here the happier I am,” he said. 

“The Government has announced recently some new strategies to do more to attract international students to Tasmania, I spoke to a number of agents around the world only last week.” 

East Timor health fund help needed 
Australian Associated Press, 11 October 2012, by Lauren Turner 

INTESTINAL worms affect up to half of East Timor’s children and former president Jose Ramos-Horta is calling on Australians to help eradicate the “scourge” within five years. 

The “very debilitating” worms result in malnutrition, anaemia and stunted growth, and can lead to children dropping out of school as they become too unwell to attend classes. 

“It really affects seriously a child developing in every sense,” Dr Ramos-Horta told a gathering in Sydney. 

A program to provide anti-parasitic drugs to Timor-Leste has been set up in a bid to combat the disease – the first project of the University of Sydney’s Isin-Di’ak Fund which aims to improve the health of the people of East Timor. 

Addressing a corporate breakfast in the CBD hosted by the Rotary Club of Sydney, Dr Ramos-Horta said rapid improvements in health were within reach. 

“With the technical support of Sydney University medical school, our minister of health and a generous contribution from the Australian Federal Government and the Australian citizens, we can in five years see these problems eliminated in Timor-Leste,” the Nobel Peace Prize Laureate said. 

“You are contributing to eliminating this scourge.” 

Dr Ramos-Horta said the program was “incredibly important” and encouraging as it’s “doable within a relatively short period of time”. 

The program also aims to help the 23,000 East Timorese infected with elephantiasis, a parasitic disease that causes limbs to swell. 

“This is a very cost-effective program that could eliminate two very significant diseases that cause a great deal of suffering,” said Professor Peter McMinn, Bosch chair of infectious diseases at Sydney University. 

About 5000 health volunteers will be trained to administer drugs to the East Timorese which have been donated by pharmaceutical companies. 

They aim to reach 80 per cent of the population of 1.2 million people – everyone over the age of one, with the exception of pregnant women. 

It is hoped the first vaccinations will be given in June 2013 as part of the five year program. 

Online 

Norway gives $2.27 million to boost Timor-Leste’s Justice System 
Royal Norwegian Embassy in Jakarta, 9 October 2012 
http://www.norway.or.id/Norway_in_Indonesia/timorleste/Norway-gives-227-million-to-boost-Timor-Lestes-Justice-System/ 

Access to justice for vulnerable groups and the capacity of key justice sector institutions will be strengthened with a two-year $2.27 million grant from Norway’s Ministry of Foreign Affairs (MFA). Norway has been contributing to the strengthening of Timor-Leste’s justice system since 2003. 

The agreement, signed this week between Norway’s MFA and UNDP Timor-Leste, will channel Norwegian support through the UNDP Justice System Program (JSP) and contribute to efforts of Timor-Leste’s justice institutions to develop capacities of justice sector institutions to deliver effective justice, particularly for the vulnerable and disadvantaged people in Timor-Leste. 

“International support for the justice system of Timor-Leste must be commensurate with the important goals that it serves. The rule of law not only provides a mean by which justice can be done and human rights can be protected, it also supplies the necessary framework for social harmony and economic development. Norway is proud of being a partner to Government of Timor-Leste through the Justice System Program” said Stig I. Traavik, Norways’s Ambassador. “Strong and effective justice system is critical for Timor-Leste’s stability and development. We are grateful for Norway’s cooperation in strengthening rule of law in Timor-Leste” said Finn Reske-Nielsen, Acting Special representative of the Secretary General. 

The agreement was signed by Norway’s Ambassador to Indonesia, Stig I. Traavik and Acting Special Representative of the Secretary General, Finn Reske-Nielsen. 

UNDP has been supporting Timor-Leste’s justice sector since 2002, assisting Timor-Leste’s courts, the Office of the Prosecutor General, the Public Defender’s Office and the Ministry of Justice to strengthen the justice sector and to increase people’s access to justice. 

The JSP works with the Government of Timor-Leste to support the following areas: increase local justice services in districts, increased capacity of the Prosecution and Courts, improved social reintegration for prisoners, and better access to justice for all Timorese people, especially vulnerable groups and women. 

The UNMIT Daily Media Review provides a selection of local and international media stories for the information of UN personnel. UNMIT is not responsible for the content or the accuracy of the news stories. The inclusion of selected articles does not imply endorsement by UNMIT. Any public distribution of the Daily Media Review is a courtesy service extended by UNMIT.

Published in: on outubro 12, 2012 at 4:13 am  Comments (1)  

Policiais Militares são agraciados com Medalha da ONU no Timor Leste (Medal Parade 2012)

Registramos nosso Brazilian Medal Parede 2012 na Missão Integrada no Timor Leste (UNMIT). O evento ocorreu no dia 07 de Setembro, quando a comissao organizadora presidida pelo Comandante do Contingente, Coronel PMDF Edilson Rodrigues,  concretizou meses de
planejamento e preparativos.
O evento se realizou no Clube Ocean View em Dili, Capital. Oito Oficiais receberam a condecoracao “In Service of Peace” e outros oito os correspondentes numerais de suas condecoracoes, pelo excedente de tempo em Missao de Paz prestando honrados servicos.

O convite foi idealizado no sentido de homenagear o Brasil – nossa Patria Amada -, tendo como imagem de fundo o monumento “Cristo Redentor”, do Rio de Janeiro,  justamente porque foi entendido como a imagem que melhor caracteriza o pais e tem reconhecida projeção no
exterior. Tambem, a Cidade do Rio de Janeiro foi eleita Patrimonio da UNESCO em 2012.

BRAZILIAN POLICE INVITATION

Nos honraram com suas presencas autoridades como o Representante do SRSG (Special Representative of Secretary General of UN), Sr. Shigeru Mochida, a Ministra Conselheira da Embaixada do Brasil no Timor Leste, Sra. Ivanise Maciel, o Acting Police Commissioner of UNMIT, Sr. Sayed Raj, a Acting Chief of Staff, Sra. Valelee Toffa e o Chief of NOD (National Operations Department), Sr. Raul Curva. Aquilataram o evento tambem comandantes de contingentes de policias uniformizadas de 40 paises, alem de muitos colegas UNPOLs e convidados.

Os convidados foram recebidos pelos Oficiais do contingente brasileiro e assistiram ao canto do Hino Nacional, seguido de um video sobre o Brasil e todas as suas muitas regioes e diversificados costumes.

Logo apos, as autoridades foram convidadas a tomarem seus lugares para realizarem a entrega das condecoracoes aos Oficiais agraciados.

Discursaram o Acting SRSG, o Acting Police Comissioner e o Contingent Commander.

Em seu discurso o Representante do SG relatou o brilhante histórico brasileiro na ONU, desde a assinatura da Carta das Nações Unidas e enalteceu os esforcos do Brasil em colaborar com um qualificado estafe para agigantar o desempenho da Policia das Nacoes Unidas na Missao de
Paz no Timor Leste, em um momento historico quando a Missao de Paz se aproxima de seu bem-sucedido encerramento.

Na mesma esteira manifestou o comandante interino da UNPOL, Sr. Saye Raj, os esforcos dos UNPOLs brasileiros pela sua qualidade, elevada disciplina, profissionalismo e alto grau de comprometimento com seus deveres, exemplos de profissionais que aqui vieram para fazer a
diferenca na Missao de Paz.

Por fim o Coronel Edilson Rodrigues agradeceu a presenca de todos e reassegurou o compromisso dos Oficiais brasileiros em bem desempenhar seus deveres e enalteceu o momento, que classificou como uma grande honra, quando somos reconhecidos pelos esforços somados aos contingentes da UNPOL no Timor Leste.

Foto acima: Coronel  PMDF Edilson, Comandante do Contingente Policial Brasilero na UNMIT.

Apos a solenidade os convidados participaram de um jantar comemorativo ao evento, com pratos típicos da culinaria do Brasil.

Receberam a condecoracao “In Service of Peace” das Nacoes Unidas os seguintes Oficiais:
Ten-Cel PMDF VALDEMIR GOMES DOS SANTOS             Distrito Federal

Major     PMERJ RODRIGO FERNANDES FERREIRA        Rio de Janeiro

Capitao BMRS ATILA MESADRI PEZZETTA                       Rio Grande do Sul

Capitao PMSP MAURICIO DE ARAUJO                               Sao paulo

Capitao PMDF ISANGELO SENNA DA COSTA                   Distrito Federal

1º Ten PMPR ALLAN PAULO BASSACO SACCHELLI       Parana

1º Ten PMCE ADRIANO MARCEL DE M. BEZZERRA        Ceara

1º Ten PMMT RICARDO DE ALMEIDA MENDES                Mato Grosso

Foto acima: Cap. BMRS Átila.


Receberam os numerais correspondentes a condecoracao “In Service
of Peace” das Nacoes Unidas os seguintes Oficiais:
Coronel PMDF EDILSON RODRIGUES-Distrito Federal

Major    PMDF ROBERTO DE SANTANA FREITAS-Distrito Federal

Capitao PMBA GILMARA SANTANA DE OLIVEIRA-Bahia

Capitao PMDF RODRIGO CAMARGO CAMPOS-Distrito Federal

Capitao PMBA FERNANDO ATILA FERREIRA JUNIOR – Bahia

Capitao PMDF ROBSON LUIZ MAGALHAES PINHEIRO – Distrito Federal

Capitao PMDF WERNER ARAUJO MIQUELINO DA SILVA-Distrito Federal

1º Ten   PMSP LIGIA PINHEIRO- São Paulo

Por: Átila Mesadri Pezzetta – Capitão BMRS.

Published in: on outubro 7, 2012 at 3:39 am  Comments (1)  

O Capitão BMRS Átila e sua experiência no Timor Leste (2012)

Por: ATILA MESADRI PEZZETTA
Capitao QOEM – BRIGADA MILITAR

Nossa Missão comecou dia 01 de marco com uma longa viagem de dois e meio dias, passados quatro diferentes voos, comecando por Porto Alegre. Passamos por São Paulo, Johanesburgo, Cingapura e Díli, capital do Timor Leste. Fomos recebidos pelos oficiais brasileiros, instalados em um hotel e no dia seguinte, baldeados para as provas de armamento e tiro. A tarde tivemos testes de idioma. O teste de condução de “pick up” na “mão inglesa” foi no final do Induction
Training.

Atualmente a Missão conta com 4 Formed Police Uinit, (unidades formadas como tropas especiais para controle de distúrbios civis) e suporte para a PNTL e para a UNPOL, diante de casos extraordinários. Conta ainda com aproximadamente 500 UNPOLs distribuídos em Dili, junto ao comando e nos 13 distritos, compreendendo mais de 50 países.

No ambito distrital tudo é replicado: comando, staff(seções do EM) e times de patrulha. O distrito da UNPOL funciona junto com a PNTL (Policia Nacional do Timor Leste). Os UNPOLs auxiliam no treinamento e monitoramento da policia nacional e a Unidade se subordina diretamente ao “Deputy Police Commissioner for Operations”, no âmbito operacional.
Há atividades de operações, controle de pessoal, logística, investigação, polícia comunitária, trânsito, inteligência entre outros.

No Timor Leste há carência economica e muitos vivem com menos de um dólar por dia, sendo o país ainda em parte dependente de ajuda estrangeira. Trata-se de um país realmente lindo, montanhoso, cheio de florestas bem preservadas e com muitos campos de arroz e criação de
animais. Prevalece a união familiar e muitos formam aldeias nas zonas rurais.

Parte da renda vem dos royalties da prospeção do petroleo junto a Austrália, de ajudas internacionais e das exportações. É comum que ofensas sejam indenizadas com patos, búfalos, gansos ou grãos. Existe uma justiça tribal paralela que em casos menos graves substitui a do
Estado e harmoniza as relações sociais. Existe a figura dos “chefes dos sucos” ou das aldeias que normalmente resolvem muitos destes problemas. Promovem reuniões de conselhos tribais, fora dos tribunais.

Todos criam cabras e muitos ainda vivem numa mistura de selva e área rural, em cabanas de palha e bambu. Os porcos do mercado são vendidos vivos, muitos produtos são produzidos em pequenas propriedades. Os galos de rinha são muito comuns. Planta-se arroz coletivamente em
campos artesanalmente irrigados, talvez com mais de 1.000 anos de tradição.

Alguns criam búfalos e galinhas, outros colocam uma vendinha ao lado da outra, e outros vendem os vegetais em tendas. Parecem pessoas honestas e humildes, talvez ainda vivendo o trauma de verem suas esposas e filhas sendo ultrajadas por invasores e guerrilheiros. O território tem 14.609 km quadrados, tendo como recursos naturais ouro, petróleo, gás natural, manganês e mármore. A agricultura e, em regra, para a subsistência, importando-se muitos alimentos, como frango do Brasil.

Seu regime político e a república, com o sistema de governo presidencialista, cuja capital é Dili. Nela vivem aproximadamente um terço da população – ou seja – 300.000 pessoas. As demais se espalham por 13 distritos. São 98% católicos, além de muçulmanos, budistas e outras denominações. Tem a língua portuguesa como idioma oficial.

Todavia, poucos abaixo dos 45 anos falam outra coisa além do “tetum”.

A espectativa de vida e próxima dos 56 anos, suportando uma mortalidade infantil em torno de 64 mortes para cada 1.000 nascimentos.  A fertilidade eh de 7.8 filhos por mulher, fazendo a
população crescer 4.7% ao ano, algo hoje perto de 1.100.000 (estimativa). Essas mães geram filhos que descendem de uma etnia composta pela maioria austronesia (malayo-polinesia) e papua, que lembram os aborígenes, em nada se aparentando com povos asiáticos.

Poucos imigrantes chineses, indonésios, se fazem notar. Tem estatura mediana (1.60m, 1.75m) e uma cor quase mulata. A moeda e o dólar americano. Sua subdivisão transparece ainda a existência de 65 subdistritos, compostos por 442 sucos (lideranças tribais regionais), com influencia sobre 2.189 aldeias e, logicamente, sobre o processo eleitoral. Tal processo ainda esta em fase de consolidação, eis que o pais recebeu o reconhecimento de sua independência após 24 anos de dominação indonésia, que iniciou em 1974, fazendo o pais padecer de total
dependência.

Em idos dos anos 1.300 o Timor fornecia sândalo, mel e cera para os chineses. Portugueses chegaram em 1.515 e colonizaram a ilha em 1.702. Ja no século XVII chegaram os holandeses e tomaram conta do lado oriental do Timor. Exploravam economicamente café, açúcar e algodão.

Durante a II Guerra Mundial Japoneses e Australianos ocuparam a ilha, palco de ferozes combates entre tropas do imperador e comandos australianos. Ao final da guerra 60.000 pessoas haviam morrido e abandonadas as plantações.  A independência da Indonésia em 1945 gerou a anexacao da porção oriental do Timor, restando o Timor Leste com Portugal. Isso perdurou ate 1974, quando o governo de Portugal reconheceu o direito de autodeterminação das suas colônias além-mar.

A Indonésia manteve o controle do Timor Leste por 24 anos, quando uma disputa interna eclodiu em uma guerra civil, terminando com a declaração de independência em 1975, como Republica Democrática do Timor Leste e o exercito indonésio entrou no pais em 1975,  infrentando resistencia de timorenses. A ONU e o Conselho de Segurança nunca reconheceram a anexação Indonésia e se retiraram do pais. Os indonésios proibiram a língua portuguesa, obrigaram as escolas a ensinar sua língua e investiram grandes recursos no pais, já que o
considerava seu território.

A crise asiática, já passado o periodo Suharto, levou o sucessor Habibe a permitir um plebiscito em 1999, que culminou com 78% dos votos pela independência. Milícias fizeram pressão para intimidar o povo, terminando com a destruição de 80% dos prédios publicos, todos
os registros e documentos queimados e a infra-estrutura destruída. Nova crise em 1999 apontou que possivelmente 1.400 pessoas teriam sido mortas e outras 250.000 ficaram desalojadas e fugiram para as montanhas, buscando seguranca.

Houve sucessivas missões das Nações Unidas, partindo da UNAMET, apos a declaração de independência, no intento de supervisionar a transição. Houve uma onda de violência envolvendo milícias, levando a ONU a criar nova missão. A INTERFET surgiu em 04 de setembro de 1999, com uma forca multinacional liderada pela Austrália para restabelecer a paz.

Quado as tropas desembarcaram em Dili em 20 de Setembro de 1999. As milícias fugiram para o lado ocidental e se desmobilizaram. Foi criado um gabinete de transição e em 2002 Xanana Gusmão foi eleito presidente e em setembro do mesmo ano Timor Leste se juntou a ONU. A UNTAET supervisionou a consulta popular para transição para independência, autorizada em 1999 e foi chefiada pelo diplomata Sérgio Vieira de Mello.

A presente Missao foi criada em 2006, quando a ONU a autorizou e que teve como mote principal um pedido do Parlamento local pelo estabelecimento da UN Police Force no Timor Leste, buscando manter a lei e a ordem no pais, viabilizando sua reorganização e reconstrução,
o dialogo político e a governança democrática.

Nossa Missao se encontra em fase final e apos tres periodos eleitorais bem-sucedidos vemos agora a preparacao para a sua retirada e o retorno dos seus integrantes aos seus paises.


Átila Mesadri Pezzetta”

Published in: on setembro 26, 2012 at 1:04 am  Deixe um comentário  

Polícia controla violência no Timor Leste, afirma ONU

Segundo a Porta Voz da Missão de Paz da ONU no Timor Leste, Sandra McGuire, a polícia timorense e a mídia fizeram um bom trabalho em controlar a violência nos últimos dias

A situação está calma, controla e não há motivo para desespero!!!

Timorese police contain violence: UN

Updated July 16, 2012 16:03:36

East Timorese police 
Photo: A UN spokesperson says East Timor’s police and media have proved their strength in their handling of violence over the weekend.
Related Story: Tension in Dili with Fretilin excluded from new coalition
 

Map: East Timor

 

A spokeswoman for the United Nation’s mission in East Timor says outbreaks of violence at the weekend have demonstrated the strength of the country’s institutions.

Sandra McGuire, a spokeswoman for the UN’s mission in East Timor, told Radio Australia’s Connect Asia program that East Timorese police handled the situation well.

Dozens of cars were torched in Dili over the weekend and there have been other incidents of stone throwing in the capital and outlying regions.

But Ms McGuire says the situation has returned to normal.

“There were sporadic outbreaks of unrest in Dili last night and a few outside Dili in the districts,” she said.

“But this morning it is calm and if you were here you would see the children on their way to school, it looks normal.

“One of the interesting things is that the unrest was handled by the national police and handled well.”

Prime Minister Xanana Gusmao announced at the weekend that he will be forming a coalition government with two minor parties but excluding the main opposition party Fretilin.

There has been speculation the violence was sparked by Fretilin supporters but Ms McGuire says the motivations of the perpetrators is not yet known.

“I don’t think any of the nation’s leaders want to have violence at all, and we have not established who the perpetrators were and what was motivating them,” she said.

Should the situation in East Timor remain stable, the UN will withdraw from the country within the next six months.

 Fonte: http://www.abc.net.au/news/2012-07-16/an-timor-un-violence/4132916 

 

 

 

Published in: on julho 16, 2012 at 3:31 pm  Deixe um comentário  

Escalada da violência no Timor Leste – 16 de julho de 2012

Informações nesta manhã de segunda-feira no país (13 de julho de 2012 – considere o fuso horário de 12 horas):

– 51 veículos apedrejados;

– Rua de conexão de Díli ao interior do país está bloqueada;

– veículos queimados;

– Um Timorense parece q foi morto apedrejado;
 
– Comoro Road também com problemas de “pedradas”;
 
– 8 pessoas presas;
 
– Veiculos da ONU apedrejados;
 
– Comandante da FDTL teve o veiculo apedrejado.
 
(Às 11h30 horário de Dili – Timor Leste)
 
 
Sérgio Carrera
Published in: on julho 16, 2012 at 2:39 am  Deixe um comentário  

Início de violência ameaça estabilidade e fim de Missão da ONU no Timor Leste (15 de julho de 2012)

Informações recebidas por policiais militares brasileiros que servem atualmente no Timor Leste dão conta que nas últimas 24 horas 38 casas foram queimadas, bem como vários veículos. Alguns locais e policiais timorenses feridos e, inclusive, relatos “não confirmados” de staff da ONU lesionados.

A situação é de alerta e o risco de um colapso na estabilidade do país ameaça o fim da Missão de Paz da ONU, prevista para dezembro de 2012. O período pós-eleitoral no Timor, por duas vezes, demonstraram a necessidade da permanência do efetivo da ONU e a continuidade da presença internacional.

Segundo um oficial PM, a situação não é tão grave, mas requer atenção redobrada! A situação está tensa! – afirma.

“Estou ouvindo agora no rádio que tem um evento de apedrejamento de carros em andamento….Vamos ver. São grupos isolados. O problema é só se isso contaminar as instituições” – relata às 22h30 (horário de Brasília)
 
Outro policial militar me informou por e-mail há poucos minutos que a situação de instabilidade se deve por questões políticas. Divulga-se que “a FRETLIN ficou fora da composição do novo governo. Isto criou certo desconforto entre seus militantes, que devem ter promovido certo nível de baderna.”
 
O dia de hoje (segunda-feira no Timor Leste) a situação aparenta normalidade. Os Policiais da ONU trabalharam normalmente. Os funcionários civis podem permanecer em casa. Um Security Broadcast tem transmitido informações constante sobre o nível de segurança e risco no país tem orientado o staff da ONU.
 
“Na região central da cidade, não percebi o mínimo sinal de instabilidade.” – afirma um UNPOL brasileiro.  
 
Não há motivos de preocupação por parte de familiares e amigos dos UNPOL brasileiros, pois não se trata de problemas graves. Mas devem ser observados de perto pelo nível estratégico da ONU e  pela comunidade internacional.
 
Fato que convém ser mencionado é que pouco ou quase nada foi divulgado pela imprensa nacional e/ou internacional.
 
Torcemos para que a situação seja controlada.
 
Sérgio Carrera
 
PS: Por questões burocráticas, o Brasil deixou de atender pedido da ONU para envio de 30 policiais militares para UNMIT, tendo o país perdido o deadline previsto para fim de junho de 2012.
Published in: on julho 16, 2012 at 2:15 am  Deixe um comentário  

Metado do caminho percorrido

Por: Capitão PMDF Isangêlo Senna.

“Você viverá cinco anos em um!” – Era o que costumava ouvir de veteranos antes de partir para o Timor Leste.

No último relato, contei um pouco a cerca de minhas primeiras experiências na missão, sobretudo no Distrito de Covalima. Atualmente, estou lotado na Unidade Nacional para Pessoas Vulneráveis (National Vulnerable Persons Unit – NVPU), em Dili.  São passados mais de seis meses literalmente do outro lado do planeta. A esta altura, posso confirmar quão verdadeira era aquela afirmação dos veteranos. 

Vida de UNPOL no Distrito de Covalima  

Como UNPOL (United Nations Police Officer) encarregado de monitorar e aconselhar a polícia local em matéria de polícia comunitária, percorri todos os subdistritos e vilas de Covalima. 

Em consequência disso, vivi uma intensa interação tanto com a polícia local, quanto com autoridades e cidadãos ordinários. Este trabalho impõe inúmeros desafios, como, por exemplo, aqueles encontrados na direção de veículo 4X4. Neste caso, temos que nos habituar a locais íngremes, cruzar rios, desviar de crianças e animais ao longo das estradas, além de dividir passagens estreitas com outros veículos a beira de despenhadeiros. Uma surpresa a cada curva. 

Foto acima: Estrada para o Subdistrito de Fatululic.

No período em que atuei junto a Unidade de Polícia Comunitária de Covalima, nossos esforços foram centrados, principalmente, nos temas: eleição presidencial e grupos de artes marciais. Tais frentes de atuação foram escolhidas em razão dos cenários local e nacional. 

Em setembro de 2011, um conflito entre dois grupos rivais culminou na queima de duzentas casas e na morte de um policial local em Zumalai, Covalima. De igual forma, na Vila Camanassa, próximo a sede UNPOL/PNTL, cheguei a presenciar confrontos de igual natureza, de menor proporção todavia. 

Em nível nacional, temendo o uso político de tais grupos, o primeiro ministro timorense reuniu as principais organizações da sociedade civil afetas ao tema e anunciou a suspensão das atividades dos grupos de artes marciais durante o ano eleitoral (2012). Esta medida, juntamente com o trabalho de sensibilização realizado nas vilas de Covalima, parece ter surtido efeito, vez que problemas semelhantes deixaram de ser reportados no distrito antes, durante e após o certame. 

Foto acima: Centro de votação – Vila Holpilat

No mês de março, foi realizado o primeiro turno da eleição presidencial do Timor. Nosso trabalho, como UNPOLs, basicamente consistiu em supervisionar a atuação da PNTL (Polícia Nacional de Timor Leste) quanto a: a) carreatas e comícios; b) escolta de urnas e cédulas eleitorais; c) segurança de locais de votação; d) avaliação das condições gerais de segurança nos dias seguintes a eleição; e) etc. 

No segundo turno, já no mês de abril, atuei no Distrito de Bobonaro, aquela também uma região de fronteira com a Indonésia. De igual forma, tudo transcorreu em perfeita ordem. 

Foto acima: Almoço improvisado – Segundo turno da eleição presidencial

 

Foto acima: Dia de eleição –  com locais e UNPOL Vudt (Tailândia) Subdistrito de Lolotoe/Bobonaro.

Foto acima: Bobonaro.

Ademais, chama atenção a forma como a população compareceu em peso para votar, independente das adversidades correlatas a clima e relevo.

Foto acima: Orgulho da cidadã timorense com sua cédula de votação. Centro de votação – Vila Beco.

No primeiro turno, por exemplo, a face sul da Ilha sofreu com o reflexo de um furacão que atingiu o mar do Timor. Árvores tombadas nas estradas, aumento do volume de rios e desmoronamentos de encostas dificultaram ainda mais os deslocamentos de votantes e agências responsáveis por levar a eleição a efeito. 

Foto: Avaliação pós eleitoral – visita ao chefe Suco – Subdistrito de Fatumean

Convém acrescentar que, a pedido da embaixada brasileira, distribuímos cartilhas e palavras cruzadas em escolas públicas num esforço de promoção da língua portuguesa em Covalima. Este trabalho foi por demais gratificante, dada a reação da comunidade ao receber o material. Por aqui, em que pese a dificuldade da população em comunicar-se por meio da língua de camões, o timorense se orgulha de dizer que o português é a língua mais falada no hemisfério sul.

Foto abaixo: Distribuição de livros infantis em língua portuguesa.

Foto acima: Palestra ministrada pelo Capitão PMDF Senna para 400 alunos timorenses – Vila Suai Loro.

Nova lotação

Passado o primeiro turno da eleição presidencial, já com quatro meses na área de missão, recebi um convite para compor a equipe da National Vulnerable Persons Unit – NVPU sediada na capital Dili.

Naquele momento, meu sentimento era de que havia cumprido um ciclo importante do meu tour of duty. No interior, vivenciei um período de trabalho intenso onde fiz amizades das quais sentirei falta. Alí, o desafio maior fora a adaptação a um ambiente de privações. Todavia, era chegada a hora de abraçar experiências mais desafiadoras no campo profissional.

Na NVPU, continuo a trabalhar com policiais locais, ao lado de UNPOLs de Espanha, Samoa e Gâmbia. Sendo a NVPU uma unidade do Criminal Investigation Service, interajo com unidades voltadas para crimes contra pessoa, patrimônio, sistema financeiro e etc. Dai, a gama de policiais de outras nacionalidades aumenta consideravelmente (Portugal, Turquia, China, Índia, Austrália, Filipinas, Nepal, Malasia, Tailândia, dentre outras).

Convém rememorar que, desde a restauração dos poderes da Polícia Nacional Timor Leste, em 2010, os policiais locais são os responsáveis pelo ciclo completo de polícia, trabalho outrora realizado pela Polícia das Nações Unidas (UNPOL).

Dessa forma, cabe a nossa contraparte, NVPU/PNTL, supervisionar o trabalho das Unidades para Vítimas Vulneráveis nos 13 (treze) distritos do Timor em termos de atendimento de ocorrências e investigações. Da mesma maneira, compete a NVPU/PNTL prestar assistência às vítimas e conduzir a investigações em caso de crimes de grande repercussão perpetrados contra menores, mulheres, idosos e portadores de deficiência física ou mental, assim como realizar a prevenção e conscientização dos policiais timorenses e a população local sobre limites, direitos e deveres das partes.

Foto acima: Com Sr Dária, Cmt NVPU/PNTL.

Infelizmente, a violência doméstica, tal qual em vários outros países, é algo preocupante no Timor. Reputa-se tal realidade a fatores como: passado de violência generalizada no país; configuração tradicional da sociedade; rinhas de galo; dote pago pelo noivo em troca da noiva;  dentre outros.

Igualmente, abusos sexuais, inclusive contra crianças, são recorrentes. Por sorte, as instituições locais têm abordado a questão de forma franca e direta. A Lei Nº 7/2010 que alça os crimes domésticos a categoria de crime público é um exemplo disso.

Em suma, em meu novo dia-a-dia, tenho desenvolvido as seguintes atividades: a) supervisão e consultoria dos/aos policiais locais; b) interação com NGO, agências do Governo local e das Nações Unidas voltadas para o público alvo da NVPU; c) condução de treinamento para novos policiais que chegam à área de missão; d) etc.

Acomodação

Em termos de conforto, vive-se melhor em Dili do que em Covalima. Variedade de restaurantes e supermercados e o fornecimento de água/energia 24h são benefícios da vida na capital. Quanto à moradia, passei a viver no mesmo compound[1] onde residem o TC QOPM Valdemir e o Major Roberto Freitas (ambos da PMDF). Poder contar com a amizade e experiência desses oficiais faz toda a diferença no dia-a-dia.

Perspectivas

No dia 20/05, o Timor Leste completou 10 anos de restauração de sua independência.

Na mesma ocasião, tomou posse o presidente Taur Matan Ruak.

Em sendo o Timor uma república parlamentarista, em julho, novamente o pais vai às urnas. No momento em que a ONU se prepara para encerrar a UNMIT, o certame determinará aqueles que ditarão os rumos desta que é a mais nova nação da Ásia.

De toda sorte, nesta semana de festa, o patriotismo revelado pelo povo timorense impressiona. Não sem razão.

No cotidiano, convivemos com pessoas que conheceram o cárcere, a tortura, os refúgios nas montanhas; pessoas que tiveram entes queridos enterrados em covas coletivas, outros arremessados de penhascos; pessoas que assistiram massacres no interior de igrejas e que fugiram de rajadas de metralhadora enquanto sepultavam seus caros. Por todas estas razões resta claro que o timorense conhece o exato preço da liberdade.

Foto acima: Cemintério de timorenses tombados durante a resistência – Subdistrito de Lolotoe

Considerações Finais

 Em suma, ao longo do último semestre, tenho vivido em meio a um mosaico de nacionalidades e a interação com uma cultura que há pouca era completamente estranha a mim. 

 Juntamente com a necessidade de rápida adaptação a novas realidades nos campos pessoal e profissional, a experiência no Timor Leste tem sido algo gratificantemente único.

 No mais é administrar a saudada de casa, manter corpo, mente e espírito saudáveis, para levar a bom termo esta derradeira etapa de missão na terra do crocodilo adormecido.


[1] Grupo de apartamentos horizontais.

Published in: on junho 9, 2012 at 5:07 pm  Comments (1)  

Capitão PMDF Robson participa de momento histórico no Timor Leste

O Capitão PMDF Robson Magalhães Pinheiro, Policial da ONU no Haiti, Chefe Adjunto de Operações das Tropas de Choque (Formed Police Unit – FPU) da ONU na Missão de Paz no Timor Leste (UNMIT), participou da posse do novo presidente do país no último dia 20 de maio de 2012, que foi realizada exatamente a meia-noite, na data de comemoração dos 10 anos de Independência do país.

Durante a solenidade, que contou com a presença de diversas autoridades nacionais e internacionais, como os Chefes de Estado de Portugal, Austrália, Nova Zelândia e Indonésia, o Capitão Robson foi o FPU Ground Force Commander, tendo as FPU de Portugal e Malásia a seu comando.

 

“Foi um honra participar deste momento. A solenidade que ocorreu na mais perfeita paz e tranquilidade…uma verdadeira festa da democracia e civismo.” – descreve o Capitão PMDF Robson.

 

 Foto acima: A esquerda, o UNPOL português Raul Curva, Chefe do NDO (National Operations Department) e  a direita, o Capitão PMDF Robson.

Published in: on maio 27, 2012 at 12:25 am  Comments (1)  

Timor-Leste: 10 years of independence

Published on Deakin Speaking (http://communities.deakin.edu.au/deakin-speaking)


Timor-Leste: 10 years of independence

By Damien Kingsbury

Created 19/05/2012 – 12:39pm

On Sunday 20 May, East Timor will celebrate ten years of independence. As a nation born from the ashes of destruction, its first decade has been marked by problems and set-backs. Many in East Timor, not least its outgoing president, Jose Ramos-Horta, lament a lack of development since independence. Ramos-Horta notes that the international community has spent billions of dollars in East Timor, yet most East Timorese remain amongst the world’s poorest people. But a little over a year ago, Ramos-Horta said that the country had never been better. The question is, in part, whether the metaphorical glass is half empty or half full. It is also, in part, whether the speaker – in this case Ramos-Horta – had a political score to settle. In early 2011, Ramos-Horta was still firmly in Gusmao’s political tent. A year later, he is an ex-president outside that tent. Many East Timorese have also been disappointed with independence. With independence came statistical indicators – and a reality – that showed East Timorese people amongst the most underprivileged in the world. A recent report noted that, as a result of malnutrition, most East Timorese children suffered from stunted growth. But East Timorese people have always been critically poor, and the situation getting worse before it gets better is an almost universal post-independence phenomenon. Unsurprisingly, rising popular frustration ran up against limited government capacity. The 2006 result, as it has been in many other newly independent countries, was chaos. Since then, however, a democratic change of government coincided with rising oil receipts and developing local capacity has seen its key development indicators vastly improve. Infant and maternal mortality rates have been cut in half and literacy has increased along with average incomes and life expectancies. If East Timorese children do have stunted, they are much less likely to die of starvation. But East Timor still has many challenges ahead of it, the biggest of which is the sustainable management of its $10 billion plus oil fund. It is this – and realistically only this – that will underpin the economy into the indefinite future. However, the oil fund is being spent at well beyond a sustainable capacity. The government argues this spending is necessary to boost infrastructure development and skills and, in effect, buy off problems such as high unemployment. But there is the very real risk that spending will not produce the desired outcomes, will promote corruption and will eventually leave the country broke. Ten years on from independence, East Timor has two saving graces. One is that while the UN and the Australian-led peacekeepers are due to leave at the end of the year, the international community remains committed to East Timor’s longer term success. But, most importantly, the people of East Timor have embraced the idea that they can determine their own affairs. It is this commitment to regularising and further embedding political accountability, evident in the election process that is coinciding with its 10th anniversary, which gives East Timor the best chance for the future.

 

 

Published in: on maio 26, 2012 at 11:55 pm  Deixe um comentário  

Brazilian female police officers in United Nations Peacekeeping Operations – as of 04 April 2012

Currently, Brazil has only 04 female police officers serving in United Nations Peacekeeping Operations: 02 in East Timor (one police Capt. From Bahia Police Department – PMBA, and one Second Lt. from São Paulo State Police Department – PMSP) and 02 in South Sudan (02 Second Lt.)

Most recently, 03 female police captains from the Brazilian Federal District Military State Police Department (Polícia Militar do Distrito Federal – PMDF) have been appointed to the UN Missions in Guiné-Bissau (01) and East Timor (02).

Of the 04 UN Peacekeeping Missions that Brazil have police officers deployed, MINUSTAH (Haiti) is the only one that has never had a Brazilian female police officer.

We are making some progress… very slowly, though!

Sérgio Carrera

Published in: on abril 5, 2012 at 4:27 am  Comments (2)  

Policiais militares brasileiras em Missões de Paz da ONU – Situação em 04 de abril de 2012

Atualmente, o Brasil conta com apenas 04 policiais femininas em Missões de Paz da ONU, duas no Timor Leste (uma Capitão da PMBA e uma Segundo Tenente da PMESP) e 02 no Sudão do Sul (duas 2 Tenentes).

Mais recentemente, 03 Capitães da PMDF foram indicadas para as Missões na Guiné-Bissau (01) e Timor Leste (02).

Das 04 Missões de Paz que contam com a presença de policiais militares brasileiros, apenas a MINUSTAH (Haiti) nunca contou com policiais femininas.

Estamos progredindo… mesmo que a passos lentos…muito lentos.

Sérgio Carrera

Published in: on abril 5, 2012 at 12:49 am  Deixe um comentário  

Malária atinge mais um brasileiro em Missão de Paz

Policial  Militar brasileiro, que exerce cargo de Policial da ONU (United Nations Police – UNPOL), à serviço da Missão de Paz no Timor Leste, contraiu dois tipos de malária na última semana, sendo uma delas considerada grave. Sua situação é estável e encontra-se em acompanhamento médico e com suporte dos demais UNPOL brasileiros.

Sempre lembrando que “repelente” = perfume quando em área de Missão! Sempre ajuda!

Melhoras, amigo!

Sérgio Carrera

PS: Ele contraiu malária e dengue ao mesmo tempo!!!!

Published in: on março 29, 2012 at 10:40 pm  Deixe um comentário  

Oficiais PM do Paraná e Ceará são designados para Missões de Paz no Sudão e Timor Leste.

Os Tenentes Fábio Barros e Juan Abreu da Polícia Militar do Paraná (PMPR) e o Tenente Adriano Marcel, da Polícia Militar do Ceará (PMCE), concluintes do United Nations Police Officer Course (UNPOC), realizado pela Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) em parceria com a Polícia da Suécia em outubro de 2011 na Academia da PMDF, foram designados para as Missões de Paz da ONU no Sudão (01) e Timor Leste(02 – um do PR e um do CE).

Aos oficiais designados, os demais concluintes, instrutores e coordenação do Curso desejam votos de sucesso nas missões e que vocês possam bem representar vossas Corporações PM e o Brasil.

Sérgio Carrera

Published in: on fevereiro 19, 2012 at 12:21 am  Comments (1)  

Autoridades discutem nova missão no Timor Leste após término da UNMIT

Timor-Leste and UN discuss new mission to replace UNMIT
Radio Timor-Leste, 27 January 2012

The Timorese Government and the UN delegation held a meeting to discuss a new mission which will replace the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) after it ends its mandate in December this year.

The UN representatives met with Timor-Leste’s Foreign Affairs Minister, Zacarias da Costa, to talk about the type of UN mission which will substitute UNMIT in the country.

Minister da Costa said Timor-Leste needs the UN presence, but it should be a mission which will provide the country with advice and finances.

He affirmed that the current government cannot make any decision about the UN mission, but it would make recommendations to the new government to make a decision.

“We believe that this government cannot make a decision about the configuration of the UN Mission that will begin in 2013.’

“Whether we will continue in partnership with the UN, this government will only make recommendations,” said da Costa.

During the meeting the UN representative proposed to extend the UN Mission in the country. The minister said the UN Mission could be continued, but it will only be about giving advice and financial support.

Published in: on janeiro 30, 2012 at 2:27 pm  Deixe um comentário  

ONU solicita aumento de policiais militares brasileiros no Timor Leste

A Missão de Paz da ONU no Timor Leste (UNMIT) solicitou oficialmente ao Brasil o aumento de 20 para 30 policiais militares brasileiros na Missão. O Brasil foi um únicos dos 5 países que receberam esse tipo de pedido.

Dentre os motivos estão: a capacidade, o nível do trabalho, a performance dos policiais militares brasileiros na Missão e a fluência em língua portuguesa.

Atualmente, existem apenas 13 oficiais brasileiros na UNMIT, com previsão de embarque de mais 5. Mesmo assim, teremos uma lacuna de 12 vagas para UNPOL brasileiros.

Como referência, a PMDF possui mais de 10 policiais militares habilitados e a PM do Paraná 05. Sem contar outros estados.

Como temos muitos policiais militares habilitados, aguarda-se com otimismo a rápida designação do restante para a ocupação das vagas no Timor Leste, num ano muito importante, com eleições e redução da missão até seu término, previsto para o fim de 2012.

Apresentaria assim o Brasil uma posição importante e estratégica em sua política externa em questões de segurança e manutenção/consolidação da paz internacional.

Sérgio Carrera

Published in: on janeiro 28, 2012 at 11:04 am  Comments (1)  

Primeiros passos na terra do crocodilo adormecido

Primeiros passos na terra do crocodilo adormecido

Por Isangelo Senna da Costa – Capitao Policial Militar/PMDF 

“Senhor  pulsa, pulsa…”  grita o garoto tentando chamar a atenção de malais (estrangeiros) para os créditos de celular que esta a vender. Por mais corriqueira que a cena possa aparentar, tem-se nela retratado um traço marcante da cultura timorense.  Por aqui, encontrar pedintes pelas ruas constitui caso raro. Em regra, seja vendendo pulsas, peixes e frutas pelas ruas, seja retirando o sustento do campo, o timorense vai  levando sua vida.

A República Democrática de Timor-Leste, um dos países mais jovens do mundo, ocupa a parte oriental da ilha de Timor no Sudeste Asiático. Por quatro seculos, o Timor esteve sob influencia e dominio de Portugal. Em 1975, tres dias apos sua declaracao de independencia, o pais foi invadido pela Indonesia.  Em 1999, sob a chancela das Nacoes Unidas, por plebiscito, o povo timorense optou por se separar do pais vizinho. Durante e logo apos a ocupacao indonesia, o pais vivenciou periodos de grave convulcao social e violencia.

Hoje, 10 de janeiro de 2012, completo dois meses de missão atuando como Policial das Nacoes Unidas (UNPOL). Nas próximas paginas, divido parte de minhas primeiras experiência na terra do crocodilo adormecido.

 

Ten Sacchelli (PR), Cap Senna (DF), Cap Mauricio (SP), TC Valdemir (DF)

CHEGADA

Foi uma longa jornada até à área de missão. No dia 07 de novembro, deixei Brasília acompanhando o Tenente-coronel  Valdemir (PMDF). Cheguei a Díli no dia 11 de novembro, após passar por Miami, NY, San Francisco, Sydney e Darwin. No trajeto, muita paciência e jogo de cintura para conseguirmos nos fazer acompanhados por nossas armas. Já em Sydney, nos encontramos com  o Capitão Mauricio (SP) e o Tenente Sacchelli (PR). O Major Fernandes (RJ) se juntou ao grupo em Darwin.

Quase todo o contingente brasileiro se encontrava no aeroporto para nos receber. Também participaram da recepção os policiais Mark (Australia) e Rupert (Nepal) os quais nos acompanharam ao longo do  treinamento inicial (Induction Training). O Capitão Robson (DF) organizou nossa hospedagem no hotel Tropical, muito bem situado entre banco, supermercados e restaurantes.

Com Major Fernandes (RJ) saboreando comida dita como tipicamente brasileira.

 Muito cedo, subsidiados por informações do Capitão Rodrigo Campos (DF), ficamos sabendo que o TC Valdemir seria o único do grupo a permanecer na capital. Particularmente, sempre me visitava a lembrança as palavras do veterano Tenente Eurípedes (DF) “no interior, mesmo se podendo pagar, é muito difícil conseguir algum conforto”. Por isso, nesses primeiros dias, quase sempre ciceroneados pela Tenente Ligia (SP), resolvemos nos permitir conhecer boa parte dos melhores restaurantes da cidade.

Foram 22 dias em Díli, entre induction training, encontro do contingente brasileiro, jantar com embaixador e emprego provisório em Dili Sub-station. Nessa ultima, contamos com o apoio incondicional do Capitão Miquelino (DF) que encontrava-se respondendo pelo comando da Unidade.

 Induction Training

 RUMO AO INTERIOR

De helicóptero, nos deslocamos para nossos destinos definitivos. Enquanto o Major Fernandes e o Cap Mauricio se dirigiram para Oecussi, juntamente com o Ten Sacchelli, segui para Suai. Já no vôo, a mudança de cenário era nitida. São pouquíssimos os povoados com melhor infra-estrutura, e mesmo quando existem, encontram-se incrustados entre montanhas e, com freqüência, no topo dessas.

No heliporto de Suai, fomos recebidos pelos Capitães Atila (PMBA) e Veloso (FAB). Atila permaneceu conosco cerca de seis dias até seguir para sua nova lotação no Distrito de  Baucau. Nesse período, foi útil contar com seu apoio e conhecimento da região.

 

A caminho de Suai/Covalima

 Chegamos a Suai em um momento muito difícil para o Sub-distrito. O compound da UNMIT (sede local da ON há pouco havia saído de um incêndio. O calor estava insuportável, cerca 44ºC. Havia quase dois meses que a região encontra-se sem fornecimento publico de energia. Pela falta de água potável, Atila estava vivendo de água de coco.  Para piorar, estava difícil de conseguir acomodação. Por fim, em razao de problemas mecânicos ficamos sem veiculo, passando a depender de carona.

                Entretanto, aos poucos as coisas estão melhorando. A reforma da UNMIT terminou, já possuímos uma mini academia e refeitório. Com a chegada das chuvas, o calor deu uma trégua. A Timor Telecom, única companhia telefônica no país, retomou a venda de modem, outrora suspensa. Poder falar e interagir com a família pelo Skype faz toda a diferença. Ademais, os defeitos do veiculo foram sanados. Como os carros são distribuídos por contingente, nossos problemas de locomoção foram superados, pois somos apenas dois a dividir um carro.

 

ACOMODACAO EM SUAI

                A titulo de emergência, Atila havia combinado com a freire que administra um hospital/hotel na cidade para que podessemos nos hospedar, por uma semana, em uma de suas enfermarias. 

Por sorte, no mesmo dia em que chegamos, circulamos durante a tarde e conseguimos nos hospedar no hotel Castela Fronteira. As instalacoes desse hotel sao novas, no entanto, ao contrário do que poderíamos facilmente encontrar em Dili, nele não ha ar condicionado, internet ou TV. O café da manha é muito simples e com muito custo se consegue serviço de lavanderia ou mesmo a limpeza do quarto. Sem contar que a energia elétrica é disponibilizada somente à noite, quando, então falta água. Ainda assim, creia-se, este é o melhor hotel da região.

Permanecemos no hotel Castelo Fronteira por 30 dias, quando resolvemos nos mudar para uma casa, que possui sala, copa, e quatro quartos. Cozinha e banheiro estão situados do lado de fora da residência. Como o terreno situa-se em uma área alta de Suai, temos uma bela vista do mar e da floresta que cerca a vila.

No inicio, tomar banho de caneca e cozinhar em fogão a querosene era um problema. Aos poucos vamos nos adaptando. De toda sorte, quando precisamos preparar pratos mais complexos temos a cozinha da UNMIT a nossa disposição.

 

Distrito de Covalima

ROTINA DE TRABALHO

Invariavelmente, por ser uma missão sem postos ou graduações, ao chegar novatos na unidade, passamos a compor as escalas de patrulha, monitoramento e coordenação de operações do Distrito (DOC). As escalas de DOC e patrulha funcionam em turnos sucessivos de 08 horas. Para UNPOL, não existem finais de semana ou feriados. Já o monitoramento consiste em se visitar os sub-distritos, mesmo os mais longínquos, com o intuito de se avaliar as condições gerais de segurança, procedimentos da policia Local, etc.

Particularmente, passei por todas as funções descritas sendo que há cerca de três semanas fui apontado como consultor de Policia Comunitária (Community Policing Adviser), cujos principais focos no momento sao: as eleicoes que se aproximam; o combate a violência domestica; e a erradicacao das gangues compostas por integrantes de grupos de artes marciais. De toda sorte, principalmente a atividade de monitoramento me deu a oportunidade de conhecer todas os sub-distritos de Covalima bem como imergir na cultura local.

 

Estrada para Fatumean (Sub-distrito)

 

MULTICULTURALISMO

Sem duvidas, uma das experiências mais marcantes na missão tem sido a interação com outras nacionalidades. Em Suai, convivo com policiais dos mais diversos países, dentre os quais: Bangladesh, Sri Lanka, Malasia, Filipinas, Nigéria, Zimbábue, Nepal, Portugal e Austrália. Somam-se aos  policiais, os componentes civil e militar os quais possuem representantes de Egito, Rússia, China, Costa do Marfim, Congo, Ruanda, Moçambique, Camarões, Índia, dentre outros.

Esta experiência multicultural exige a observação de duas virtudes muito valorizadas por aqui: paciência e tolerância. No mesmo sentido, também convem se evitar as armadilhas proprias de posturas  etnocêntricas.

Por outro lado, o fato de ser brasileiro ajuda muito, seja pela admiração que os outros povos nos dirigem, seja por nossa desenvoltura e talento natural em mediar e solucionar conflitos.

Ademais, todos por aqui estamos distante de nossa terra natal e de nossos entes queridos, fator que ajuda bastante o clima de solidariedade entre os integrantes da missão. A titulo de exemplo, cite-se a agradável noite de natal que tivemos em meio ao contingente e imigrantes filipinos. De igual maneira, a festa de ano novo promovida pela  sede local da UNMIT rendeu boas conversas e risadas.

 

EXPECTATIVAS

Seria hipócrita se dissesse que minha maior expectativa estaria relacionada as eleições gerais que se aproximam, marcadas para ocorrer em marco deste ano. Impossível, já que em duas semanas, estarei partindo para o Brasil para  reencontrar esposa, filha (sete meses), familiares e amigos.

Por outro lado, embora a saudade de casa aperte e muito, esses dois primeiros meses de missão, sem duvida, para mim constituíram um período de desafios, adaptação, conquistas, e crescimento pessoal. Entretanto, o melhor é que ainda há muito por vir.

Finalmente, gostaria de dividir uma última experiência. Há poucos dias, representei os UNPOLs de Suai na primeira colação de grau realizada no Distrito. Foram muitos os discursos, muitos mesmo (risos). Cerimônia de locais para locais. Contei com a ajuda de um languange assistant (interprete) para compreender o que era dito em tetum (idioma local).

No evento, chamou-me atenção, o fato de todas as falas ressaltarem a importância da paz, da estabilidade e da independência política para que aquela formatura deixasse de ser um sonho para se tornar realidade. Saber que nosso trabalha esta fazendo a diferenca é muito recompensador. Penso não haver reforço maior a motivação para alguém  que se propõe a se aventurar do outro lado do planeta a serviço da paz. 

Na sequencia, fotos destes dois primeiros meses de missao:

 

Cap Atila (BA), Cap Veloso (FAB), Ten Sacchelli (PR), Cap Senna (DF).

                                       Com Policiais da ONU (UNPOL) de outros países.

 

                                          Mercado sabatino – Fohorem (Sub-distrito)

 

 

                                                            Suai Vila (onde estou lotado)

 

 

                                                           Fim de ano – Suai Vila.

 

 

Mini Mercado/restaurante Filipino/ UNPOLs, locais e imigrantes.

 

 

 

Published in: on janeiro 21, 2012 at 1:02 am  Comments (4)  

Tenente-Coronel PMDF Valdemir dos Santos relata suas primeiras impressões na Missão de Paz da ONU no Timor Leste (dez 2011)

FOTO DA PRIMEIRA VISITA DE INSPECAO REALIZADA A MANATUTO A 70 KM DE DILI.

(TC VALDEMIR AO CENTRO – UNIFORME CAMUFLADO URBANO)

 Como foi a chegada em Dili, no Timor Leste? Foi tranquila?

Foi sim. Tive um pouco de transtorno porque vim pelo EUA. Via Santiago ou Buenos Aires problema com armamento são menores. É importante não esquecer a guia de trafego da arma expedido pela sua Região Militar (EB) e trazer cópia de tudo que se refere a arma. Na Argentina costumam cobrar uma custodia da arma (ninguém entende direito = de 70 a 150 dólares).

BAGAGEM: Se não quiser pagar excesso, mande tudo que passar de 20 Kg pela DHL, mas só chega uns 20 dias depois – cabe a cada um. A partir de Sydney, vão te cobrar U$ 2,0/quilo sobre o que exceder 20 quilos (fora os 7 KG da bagagem de mão)

Qual a sua função?

Como já tinha experiência anterior (no Sudão) e sou “senior officer”, como dizem aqui,  fui lotado numa Seção aqui de Dili responsável por fiscalizar todo mundo da UNPOL na Missão.

Os outros quatro que vieram comigo foram para o interior onde as condições de vida são mais restritas, porque em muitos lugares não há energia elétrica pública e outros não tem ar condicionado.

Como é o lugar?

Em Dili é bom, tem muitos restaurantes, praia todo dia, mas é caro (+/- US 800 para morar quando acha lugar; é possível morar “mais ou menos” pagando em torno de US 500 (em casas fora do centro, sem asfalto, sem gerador, sem internet, etc).

Se preferir cozinhar fica barato, mas para comer fora é caro em Dili – nos distritos ainda não sei.

Aqui tem muitos carros, quase todos japoneses e muitas motos. Nas motos eles carregam  quantas pessoas eles conseguirem colocar inclusive bebe de colo. É normal ver moto com o casal e três (e eu disse CINCO pessoas, incluindo crianças de QUARQUER idade). A salvação é que dirigem desesperadamente devagar 30/40 Km/h (dizem que a maioria não tem habilitação). AQUI E MAO INGLESA!

Como está o clima no país?

SOCIAL: muito calmo, não tem desavenças internas que resultem em clashes, mas já estão cansados de estrangeiros por aqui.

Sobre o idioma, não falam muito português. Apenas alguns antigos que foram educados antes de 1975 quando houve a invasão pela Indonésia e passaram a aprender bahasa. Nas escolas tentam ensinar português, mas não há professores suficientes.

SEGURANÇA: tranquilo, pode andar na rua de noite sem problema, gostam de brasileiros (quanto a ONU…).

PS: Neste domingo um carro da UNPOL bateu em uma moto e uma criança morreu, eles apedrejaram o carro e UNPOL fugiu do local.

METEREOLÓGICO: Está bem quente e dizem que vai ate março. Aparenta uns 35/38 graus (a julgar pelo Sudão) mas aqui nunca vi um termômetro. Nesta época chove umas duas vezes por semana, mas não é temporal.

Haverá eleições em breve, em março 2012 e o segundo turno 30 dias depois se ninguém ganhar no 1º (como no Brasil). Cerca 2 meses depois, eleições parlamentares.

INTERNET: Aqui ha internet 3G, mas de modo geral a tecnologia está atrasada, já que a conexão, tanto 3G como fixa e de 128 KBps (Esta chegando agora 256 KBps, mas custa o dobro do preço. O preço normal (128 KBps e U$ 1,00/hora de conexão).

A internet nos distritos (no interior) e a da ONU e muitos sites são bloqueados (SKYPE, VIDEOS, RADIO, TV).

ACOMODAÇÃO:

Estou provisoriamente dividindo uma casa com o Coronel PMDF Matias ate dia 15/Dez, quando ele vai embora e eu vou para um apartamento individual no centro da cidade.  Não se engane: quando me falavam apartamento eu pensava em prédios, mas quase nada aqui tem mais que 2 andares e a maioria das acomodações chamadas de apartamentos são construções térreas (casas simples, divididas em quitinetes).

 Esta que vou ficar foi reservada com mais de um mês de antecedência e custa U$ 750 (com ar condicionado, gerador, internet e cozinha = itens importantes).

 

Att.,

VALDEMIR DOS SANTOS

TENENTE-CORONEL PMDF

United Nations Police Officer – UNPOL

Timor Leste – East Timor – UNMIT.

Published in: on dezembro 11, 2011 at 5:23 pm  Comments (1)  

Timor-Leste – Peacekeeping – State-building e Geopolítica

Timor-Leste – Peacekeeping – State-building e Geopolítica

 
Maria Estela de Oliveira Vieira[1]
Humberto Pedro Veiga Marques[2]
humberto.marques@gmail.com
Julho de 2008

Introdução

Timor-Leste esteve sob a dominação portuguesa durante aproximadamente 450 anos. Está geograficamente encavalitado na linha de fronteira que divide o Sudeste Asiático e a Oceânia. Em 1975, os Estados Unidos da América e a Austrália temiam a influência do comunismo naquela parte do globo. Alegadamente, Suharto foi encorajado a invadir a parte Oriental da Ilha de Timor, e contou com o apoio incondicional da Austrália e dos EUA. Este triunvirato de países não poderia consentir na instalação de um regime que considerava hostil aos seus interesses energéticos (Austrália), territoriais e matérias-primas (Indonésia) e geoestratégicos (EUA) no Pacífico Asiático. Em linhas gerais, eis a matriz bipolar que durante a Guerra-Fria foi favorável à ocupação hostil de Timor-Leste. Em 7 de Dezembro de 1975, a Indonésia ocupava a parte oriental da ilha que poucos dias antes proclamava a sua independência.

O movimento de resistência (guerrilha), a Igreja Católica, as NU (que juridicamente nunca reconheceram a ocupação Indonésia) e o esforço diplomático de Portugal foram, a par do massacre de Santa Cruz em 1991 – ‘CNN effect’ e da crise financeira de 1998, os elementos-chave que levariam ao referendo sobre a autodeterminação (1999) e posterior independência (2002) do jovem Estado de Timor-Leste, tendo por referência um milieu geopolítico multipolar, instável, complexo e interdependente.

O presente trabalho tem como objectivo analisar o esforço supramencionado que levou uma “nação” ao seu desígnio de constituir-se como um Estado, passando pelos acordos de Nova York que definiram o conceito multilateral de acção das NU, em particular, e da comunidade internacional, em geral, do peacekeeping ao state building que permitiria o exercício de autodeterminação numa moldura de geometria variável nos fora internacionais, como por exemplo a CPLP, ASEAN (onde Timor-Leste tem o estatuto de observador), inter alia.

A partir de uma contextualização geopolítica anterior a 1999 e posterior a 2002, pretendemos fazer uma análise descritiva das missões das NU, do peacekeeping ao peacebuilding de forma a podermos responder às questões. Em que medida as operações das NU contribuíram para o exercício da autodeterminação em Timor-Leste? Será Timor-Leste um estado sustentável? Este trabalho é longitudinal diacrónico, compreendendo um período que vai de 1975 até aos nossos dias, com particular enfoque no período de 1999 a 2006. O seu carácter descritivo permite um maior alcance analítico.
CAPÍTULO I

Timor-Leste

O Neo-colonialismo indonésio

O processo atabalhoado de descolonização que se seguiu ao 25 de Abril de 1974, exacerbou por todo o império guerras de resistência à jovem democracia portuguesa, vislumbrando a independência, e que viriam a culminar em guerras civis que se prolongaram durante demasiado tempo e que devastaram os respectivos países. (Smith. 2001: 28).

O que nos interessa analisar agora é o caso de Timor-Leste, e que foi um caso atípico porque não houve resistência armada à presença portuguesa. Depois da capitulação Nipónica no fim da II Guerra Mundial, consideramos dignas de menção as rivalidades entre a UDT – “a right-of-center party representing commercial and landed classes” e a FRETILIN – “modelled on African-Marxist movements” (Smith. 2001: 28) que seriam aproveitadas pela invasão Indonésia com o apoio da Austrália e dos EUA (Machado), após um processo eleitoral conduzido pela administração portuguesa. A FRETILIN ganha as eleições, 55% dos votos, “with promisses of land reforms, the creation of cooperatives, economic self reliance and education” (Smith 2001: 26). Estes dois movimentos defendiam a independência e o seu desentendimento levou à guerra civil. Havia ainda um grupo minoritário, a APODETI, que defendia a integração na Indonésia. — A invasão da Indonésia agradou aos EUA porque eliminaria o perigo comunista da região e a cobiça Indonésia de dominar aquele território “rico em recursos naturais, especialmente o petróleo” (Machado), daí a política de aculturação seguida por Suharto. No entanto, “os jovens timorenses que o regime indonésio educou foram os que se opuseram à sua presença” (Machado). — O modelo adoptado pela Indonésia face a Timor-Leste foi o de uma “sobranceria tipicamente colonialista”. A Indonésia implementou em Timor-Leste tudo o que de negativo teve o regime colonial: execuções em massa, destruição de aldeias revoltosas, deportações, confiscação de terras, exploração de mão-de-obra barata, perseguição, prisão, assassinato e tortura de dirigentes ou suspeitos de Resistência” (Machado). Reduz os timorenses a uma pobreza extrema e procura apagar a sua identidade, que é consistente com Garcia (2003), quando se afirma que a Indonésia se deixou conduzir apenas por imperativos económicos. (Machado). No país do sândalo, a produção do café decresceu 90%. Privilegiou-se a exploração do mármore e do petróleo, negócios francamente lucrativos para Jacarta. Esta política de Suharto iria exacerbar o conflito que consideramos assumirem a moldura conceptual desenhada por Bloomfield e Reilly, como veremos no ponto seguinte. — A Indonésia ignora todas as resoluções da ONU antes do acordo de 5 de Maio de 1999 e considerou legalmente o resultado do referendo de 1999. Refira-se ainda que as milícias, apoiadas pelos militares pro-Jacarta, iniciaram uma onda de violência e novos massacres. A intervenção das NU, antes e no quadro das operações militares e de policiamento que se seguiram, desempenharam um papel fundamental na resolução do conflito, tal como teremos a oportunidade de verificar com o presente trabalho. — Sobre a origem dos conflitos — Segundo Bloomfield e Reilly, os conflitos civis, sob a forma de guerras civis, inter alia, sendo considerados novos tipos de conflitos, têm sido amplamente debatidos. Estão subjacentes dois elementos: i) identidade: mobilidade de povos cuja argamassa é a religião, raça, língua, cultura; ii) distribuição e partilha dos recursos económicos, sociais e políticos disponíveis. Estes conflitos emergem da percepção que grupos distintos têm da distribuição desigual da riqueza: “the combination of potent indentity-based factores with wider perceptions of economic and social injustice often fuels what we call ‘deep-rooted conflict’. Importa ter presente que há ameaças diversas e que, portanto, alteram a natureza dos conflitos. Embora sejam guerras menores do que as que se verificavam no passado, elas “flourish with much greater intensity”, porque i) está subjacente um profundo significado que é atribuído pelos combatentes; ii) proliferação e ágil distribuição de armas letais contribuíram para um crescimento exponencial da intensidade de conflitos identitários. Importa ainda referir que conflitos internos identitários podem estar em estado de latência e “outbursts of sustained violence” durante longos períodos, e provocam sofrimento humano em grande escala (invoquemos os casos das limpezas étnicas levadas a cabo na Bósnia na década de 1990; e, Timor-Leste onde, embora apresente uma moldura identitária diferente, é também levada a cabo uma política de esmagamento do povo maubere. No longo prazo, a sociedade é militarizada pelo facto de a violência ser aceite e institucionalizada. Este aspecto constitui o recorte do caso dos guerrilheiros que resistem à ocupação indonésia, e que veremos mais à frente. — Bloomfield e Reilly consideram que “In the interconnectedness of the modern world and the instantaneous transmission of news – the so-called ‘CNN effect’, conflict respects few boundaries, borders or jurisdictions”. Falamos da interdependência complexa (Nye & Keohane 2001) entre os estados. Invoca-se a possibilidade de um conflito exorbitar as fronteiras do estado e assiste-se a um ‘spill over effect’[3]. Estes conflitos transformaram-se em ‘frozen conflict’ durante a Guerra-Fria. A alteração do millieu geopolítico do SI e o regresso à multipolaridade vestefaliana (ainda que apresente padrões de transformação) estimula estes conflitos profundamente enraizados a sair do seu estado de latência. O novo ordenamento do SI carece de mecanismos que acomodem as necessidades mais subjectivas, complexas e ´deep-rooted’ bem como os interesses que melhor equacionem conflitos identitários e a gestão de conflito. — Pese embora o facto de Timor-Leste apresentar uma matriz social, política e económica fragmentada, que a presença Portuguesa não unificou, a religião, as tradições culturais mauberes e a resistência foram os pilares fundamentais na luta contra a ocupação Indonésia. — Resistência timorense – Considerando as características da resistência de guerrilha, com recursos parcos, aninhada nas montanhas e acossada por um poderoso ocupante, vislumbramos um espírito de nação enraizado. Identificamos três dimensões deste movimento de resistência: 1) dimensão militar, liderada pelo guerrilheiro Xanana Gusmão – na condução das tácticas de guerrilha; ii) dimensão dos direitos humanos conduzida pelo Bispo Carlos Filipe Ximenes Belo, com o respaldo da Igreja Católica – com expressão no povo; e, iii) dimensão política e diplomática, conduzida por Ramos Horta – acção internacional a partir de Portugal e da Austrália. — Em conversa com Bucar Corte-Real[4] (25 de Abril de 2008) temos a percepção clara de que a língua portuguesa foi elemento da argamassa que uniu a nação na luta contra o invasor. A lusofonia surge ainda como a “arma” diplomática nos fora internacionais na luta pela independência e auto-determinação: “Na Nossa luta contra Indonésia, durante 24 anos, utilizamos também a língua Portuguesa como um dos meios para facilitar ligação entre Timor-Leste e os estrangeiros (facilitar dados da violação dos direitos humanos pela Indonésia perpetrados contra os Timorenses que lutaram contra a ocupação e na diáspora para fazer campanha diplomática). Foi ainda o elo de ligação entre a resistência na cidade com os guerrilheiros que se encontravam nas montanhas. Na nossa luta durante 24 anos, foram as nações da CPLP (Comunidade Países de Língua Portuguesa) que facilitam e ajudaram na área da diplomacia, com especial ênfase para Portugal”. — Parece-nos determinante o ano de 1996 quando Ramos Horta e Ximenes Belo são agraciados com o Prémio Nobel da Paz, porque conseguem que a Comunidade Internacional tenha consciência da tragédia e sofrimento do povo timorense. O clímax da invasão Indonésia acontece em 5 de Maio de 1999 com a assinatura dos acordos entre Portugal e a Indonésia, sob a égide das ONU, em que se reconhece o “direito à autodeterminação do povo de Timor-Leste” (Fiúza[5]). — Sobre a importância da Religião e da Língua Portuguesa — Tal como noutros processos de colonização, a igreja católica foi o sustentáculo por excelência desde a chegada dos portugueses a Timor-Leste, a pedra angular de todo o edifício colonial ultramarino português. — De referir que se verifica um impulso significativo em 1940. O “Estado Novo assina com a Santa Sé o Acordo Missionário e a Concordata” e Díli eleva-se a diocese. Isto permite à “Igreja Católica o livre exercício da sua autoridade na esfera da sua competência” (Garcia 2003:3). Considerava-se vital a sua missão civilizadora e de utilidade imperial. Dinamiza-se então através da fundação e da gestão de escolas e na “difusão da fé católica e civilização da população indígena” (Garcia 2003:4). Na verdade, institucionalizou o ensino (Silva 2005). — Independentemente do processo de “cristianização, permaneceram os valores sócio-religiosos do tribalismo, resultado da aculturação católica formal” (Garcia 2003:4). Consideramos que a aculturação imposta pela Indonésia estimulou no timorense o instinto de resistência graças à aculturação da igreja. Foram traduzidos textos religiosos para o Tétum e o ensino do Português manteve-se. Este modelo de resistência, permitiu manter a religião católica respaldada no português e transformar o tétum em língua franca. (Garcia 2003; Silva 2007). Por isso, a igreja e o português foram também de grande preeminência em 1999, aquando da realização do referendo e para desvendar à comunidade internacional os desmandos da Indonésia na 27ª província do maior país muçulmano do mundo. Podemos inferir que foi preponderante nos aspectos sociais, político, e diplomático, bem como no âmbito militar durante a resistência de 1975 a 1999 (Fiúza; Garcia 2003). — Timor-Leste possui uma identidade cultural fragmentada com resquícios da aculturação portuguesa e indonésia. A primeira é mais nítida no património espiritual (religião, língua e arte). Em bom rigor, Timor-Leste não foi conquistado e, portanto, “a cultura portuguesa foi proposta e não imposta” (Garcia 2003:4). O que surge como consistente com a ideia expressa por Peter Stilwell[6] que entende a adopção do português como língua oficial de Timor-Leste faz todo o sentido devido à “ternura muito particular por Portugal e pelos portugueses” que os timorenses nutrem. Assim, o português ajudaria a “consolidar as raízes simbólicas de uma identidade nacional que têm a ver com uma relação história singular com Portugal”. No que se reporta À aculturação indonésia, ela estriba-se numa explicação tridimensional: presença militar, a imposição do bahasa Indonésia (língua oficial indonésia) e na presença económica. Estes elementos serão também rastilho de conflitualidade latente nos moldes conceptuais de Bloomfield e Reilley. Pelo que não consegue impor o islamismo e preserva os “símbolos da presença portuguesa” (Garcia 2003:5) — O Estado Timorense não pode ignorar a preponderância da Igreja. Trata-se de uma instituição cujo contributo para a edificação nacional, económica, cultural, política e moral é vital ainda nos nossos dias. O estado consagra não só a inserção do ensino da religião no currículo escolar, como criminaliza o aborto, a prostituição, aspectos inalienáveis da agenda católica à escala global (Silva, 2007 232). Aliás a Igreja Católica foi a grande aliada do Estado Português em todo o seu Império Colonial. — É interessante referir que durante a presença indonésia se verifica o recrudescimento da institucionalização do Estado (indonésio) em Timor-Leste e verifica-se o aumento da população católica para mais de 90%. O Estado Indonésio exige a implementação do princípio monoteísta através da escolha obrigatória de uma religião entre o islamismo, catolicismo, protestantismo, hinduísmo ou budismo. Verifica-se uma adesão em massa ao catolicismo e que Garcia (2003:4) considera como uma espécie de “revestimento” exterior para grande parte da população, mas é também um dos “pilares da identidade timorense”, se ponderarmos a integração do cristianismo na expressão dos cultos tradicionais, como, aliás, tivemos já o ensejo de referir antes, e será a argamassa identitária institucionalizada. — É interessante sublinhar que rejeitaram a supremacia da Igreja Católica Indonésia e vinculam-se ao Vaticano durante a ocupação. Este laço permite manter a liberdade de culto usando o português e o tétum. Anderson e Smythe (1998) consideram que a escolha do catolicismo cumpre três propósitos: i) cumpre a exigência monoteísta indonésia; ii) constitui a “arma” da resistência “política e identitária ao agente invasor” (Silva. 2007: 216); e, iii) fomenta o fosso entre os nativos indivíduos que o governo indonésio envia para colonizar o território.Nesta perspectiva, o papel da Igreja Católica na Formação do Estado-Nação é inegável em Timor-Leste. Em termos de credo religioso, o catolicismo tem uma expressão considerável, sendo que 95% da população é católica. A sua construção enquanto Estado-Nação inicia-se com a independência em 2002 e verifica-se a “construção de uma memória nacional” (Silva, 2007). É neste processo de construção que a Igreja Católica procura definir a sua participação tendo como respaldo o papel por ela desempenhado durante a ocupação Indonésia. — CAPÍTULO II — O Exercício da Autodeterminação — Os Acordos. Dilema de Segurança Multilateralismo e Interdependência — Em Nova York, 5 de Maio de 1999, Portugal e a Indonésia assinam três acordos que dão expressão a um compromisso e constitui o ocaso de “quase cinco séculos de colonialismo” e estabelece o modelo de transição em Timor-Leste (Vasconcelos, 2006). À luz do Direito Internacional, Portugal continua a ser a potência administradora. A Indonésia usurpa Timor-Leste cumprindo o seu desejo de dominação territorial. É a potência invasora que viola o Direito Internacional. É interessante sublinhar que a Indonésia reivindica que a invasão se verifica porque foram solicitados. Trata-se de uma clara referência à APODETI, facção política de expressão insignificante no espectro partidário nos 1970’s. Timor-Leste vivia uma guerra civil. A presença Portuguesa, militar e administrativa, não tinha grande expressão – era a província ultramarina (se utilizarmos a designação convencionada por Salazar). Os argumentos da Indonésia não foram nunca reconhecidos pela ONU. — Os acordos almejavam “determinar se o povo timorense aceitaria ou rejeitaria uma “autonomia especial” proposta” pela Indonésia (Brito[7]. 2002:2). A ‘consulta popular’ foi concebida “com base num sufrágio directo, secreto e universal”, estando na origem da implementação da UNAMET. Brito (2002) sublinha que os acordos transcendiam os formatos de participação da ONU. O artº 6 previa que caso os timorenses não aceitassem o modelo proposto pela Indonésia, as três partes teriam de negociar um modelo de transição que desse expressão ao interesse de Timor-Leste: — “(…) os Governos da Indonésia e Portugal e o Secretário-Geral deverão acordar em arranjos para uma transferência pacífica e ordeira de autoridade em Timor Leste para as Nações Unidas”. — Este articulado ilumina a estratégia negocial portuguesa e plasma a garantia do envolvimento da ONU nas diversas fases do processo de transição da nação de Timor-Leste para o modelo que viria ser o de um Estado Independente. Neste sentido, Portugal actua sempre no quadro da ONU à luz do Direito Internacional. Parecia legítimo esperar-se um período de transição relativamente estável, uma retirada pacífica da Indonésia e o início de um government building gradual. A realidade foi diversa. Os resultados não foram os esperados e a Indonésia desencadeia novos massacres e violência. Estes actos são perpetrados pelas milícias pro-Indonésias e pelos próprios timorenses integrados na polícia e no exército. — A entrada de forças internacionais só é possível com a autorização da Indonésia, uma vez que é a potência militar no território, pese embora o facto de não ser reconhecida como a potência administrativa (Direito Internacional). Portugal desencadeia novas acções diplomáticas junto da ONU e da Austrália no sentido de ser colocadas forças e meios militares para por cobro aos massacres. Não há precedente histórico para se caracterizar a rapidez de intervenção de uma força internacional num território, e que seria liderada pela Austrália. — A Austrália é o único país que reconhece a ocupação Indonésia. O rationale subjacente é que a Austrália aspirava a explorar as jazidas de hidrocarbonetos do mar de Timor-Leste. Este interesse constitui a exacta razão pela qual o reconhecimento da Indonésia, enquanto potência “colonizadora” de Timor-Leste, perde valor jurídico, à luz do Direito Internacional. — Parece-nos ainda pertinente sublinhar que a Indonésia tem ainda o apoio tácito dos EUA, como tivemos já o ensejo de mencionar. Estava-se em plena Guerra-fria e a orientação política da FRETILIN inspirava preocupação de índole geoestratégica. Não poderiam permitir uma “Cuba” situada no Sudeste Asiático. Em 1998 a grave crise financeira que se abate naquelas paragens do globo e as tensões crescentes entre a Indonésia e FMI operam uma alteração política em Washington (Smith. 2001: 30). — “No longer constrained by the strategic imperatives of the Cold War, the governments of the United States and other democratic countries felt freer to advance the global agenda for human rights, including the right of self-determination for culturally distinct regions oppressed or mistreated by central authorities inside sovereign states”. — Robert Cribb, Nation: Making Indonesia[8] — Suharto será afastado do poder e é substituído por B.J. Habibie. Podemos considerar que se tratava de uma processo cujo grau de maturação se alinha com o processo de auto-determinação de Timor-Leste. — Parece-nos pertinente sublinhar que a própria Indonésia se torna independente depois da II Guerra Mundial da Holanda. A presença portuguesa em Timor-Leste teve a duração de cerca de 450 anos (os Portugueses aportam à Ilha em 1512 e ocupam-na a partir de 1515, graças aos esforços dos missionários Dominicanos; aliás como vimos anteriormente, a igreja Católica desempenha um papel fundamental durante a ocupação Indonésia sendo o sustentáculo da população e da ligação do movimento de resistência e de guerrilha com o mundo exterior). Nesta perspectiva, Timor-Leste jamais foi colonizado pela Holanda. O desígnio indonésio de ocupar Timor-Leste não tem qualquer fundamento de reposição territorial, cultural ou identitário, pensamos. A Indonésia ocupa o território em plena Guerra-fria. Esta invasão permite um equilíbrio geopolítico e geoestratégico de forças e esmaga a possibilidade da dominação da China e da URSS. — Trata-se claramente de uma matriz realista, power politics, que nos permite invocar Tucídides e a “Guerra do Peloponeso”. A Guerra do Pelopeneso, caracteriza o dilema de segurança na justa medida em que pondera o uso da força, o poder de outros actores, e a possibilidade da ocorrência de imponderáveis tais como a formação de alianças para equilibrar a balança de poder[9]. Os ingredientes que acabamos de mencionar parecem-nos os que estão presentes na análise que Edward Kolodziej faz da guerra do Peloponeso. Neste sentido, a ameaça do bloco soviético erradica-se de forma a não permitir a alteração do status quo na região, latus sensus. — Em termos geopolíticos, Timor-Leste materializava um perigo considerável para a estabilidade e um elemento de perturbação dos equilíbrios de força num Sistema Internacional bipolar. Segundo a visão de Tucídides, a guerra resulta, na sua essência, de um desequilíbrio da balança de poder no sistema internacional. A sobrevivência do Estado depende da verificação das (três) variáveis que integram o modelo Tucididiano, o perfil do líder, a unidade do regime e o sistema de alianças que integra. Num contexto de anarquia internacional (dilema de segurança Hobbesiano) e de conflito permanente, a paz surge como um esforço artificial: um sub-produto, como Doyle sublinha “A crisis in 440 demonstrated how uneasy the peace was.” (Doyle 1998) (por referência ao conflito do Peloponeso). No pensamento realista de Tucídides há uma separação entre o plano interno do Estado e o plano externo fruto do estado anárquico do sistema internacional, esta separação não é consagrada na visão multilateralista pelo facto de existir uma regulação no sistema internacional. Segundo Tucídides os Estados competem entre si movidos por uma lógica de ganhos absolutos – jogos de soma nula – onde os ganhos de um implicam a perda do outro. Em 1975 não eram equacionáveis ganhos relativos. Não era equacionável alterar o status quo numa matriz bipolar. O pós-Guerra Fria proporcionaria a alteração do millieu geopolítico do Sistema Internacional que se transforma num xadrez multipolar mais instável, imprevisível e complexamente interdependente (Keohane e Nye. 2001:20-32). — Por referência ao período de transição, esta verifica-se numa altura em que a Indonésia carece de uma mudança à escala global: construir uma imagem positiva junto dos actores internacionais no Sistema Internacional, especialmente no quadro da ONU. Há uma conjugação de factores favorável a Timor-Leste. No entanto, é importante ter presente que a Indonésia precisa de ser cautelosa porque precisa de conter as tendências separatistas endógenas, o que nos remete para os conceitos de ‘frozen conflicts’ anteriormente definidos e que emergem do seu estado de latência no pós-Guerra Fria. — Importa ainda ponderar que a Indonésia tinha feito em 24 anos mais do que aquilo que Portugal fez em 450 anos (Vasconcelos 2008)[10]. E, portanto, assumiram que Timor-Leste referendaria/votaria a favor de um regime autónomo da Indonésia, sem que se verificasse a desvinculação. Assumiram que votariam a favor da Indonésia. Importa sublinhar que a pergunta a referendar é ambígua (Vasconcelos 2008). Os timorenses têm de responder não à pergunta se querem uma autonomia alargada. Assim, estariam a alienar o seu direito à auto-determinação, caso votassem pela autonomia alargada. O sentido de nação é claramente manifesto neste referendo, antes da formação do Estado. Aliás a maturidade dos timorenses em matéria de exercício político, no esforço comum de uma nação em construir um estado, é inegável se olharmos para todos os momentos e que exerceram o seu direito/dever de cidadania nos momentos eleitorais desde a sua independência até aos nossos dias. — O referendo de 30 de Agosto de 1999 foi claro, preciso e definitivo: a eficácia intimidatória do aparelho político, administrativo, policial e militar instalado no território pela potência ocupante não conseguiu dissuadir o povo timorense da opção pela independência nem perturbar a sua determinação em torno do desígnio comum. (Vasconcelos 2006). — Peacekeeping e a exigência de um paradigma multilateral — Desde a sua formação (1948) até aos nossos dias, a ONU já lançou sessenta operações de paz que constituem um conceito complexo e envolvem um processo de decision-making igualmente sofisticado. “Isso passa naturalmente pela definição tão precisa quanto possível das regras e dimensão do mandato, bem como da necessária cadeia de comando”[11]. A queda do Muro de Berlim e o fim da matriz bipolar vão estimular a evolução da natureza das acções da ONU que vão das missões puramente militares de peacekeeping a missões de maior alcance com vista à prevenção do “reaparecimento de conflitos armados mediante apoio à construção e consolidação de sectores considerados cruciais para a estabilização de sociedades afectadas por conflitos”[12]. Falamos, naturalmente de operações de peacebuilding, aliás conceito proposto por Portugal[13]. Segundo António Monteiro, Portugal tem desempenhado um papel de relevo no que se reporta à criação e implementação das missões de paz, distinguindo-se (os militares portugueses), nos episódios de Angola e de Timor-Leste. — Segundo Pinto (2007:128) o conceito subjacente ao Peacekeeping enforma uma prática pacífica. Carece de “consentimento das partes”, muito embora não seja consensual. No presente caso, “a Indonésia aceitou a presença da INTERFET e da UNTAET após forte pressões da comunidade internacional, inclusive os EUA”. No entanto, importa sublinhar que o uso da força que exorbite a auto-defesa constitui um recurso plasmado no Capítulo VII da Carta da ONU. “O uso da força em auto-defesa é legitimado por várias fontes”. Encontra respaldo na tradição liberal de Hugo Grotius e no Art 51 da Carta da ONU que “afirm[a] o direito dos estados à auto-defesa”. Fazendo enfoque no Peacekeeping, o conceito foi dotado de uma moldura de forma a acomodar “a necessidade de ‘defesa da missão’”, sendo certo que ela deve ser proporcional à ameaça e observar a lei internacional. O uso da força deverá atender: i) seriedade da ameaça; ii) justo propósito; iii) último recurso; iv) meios proporcionais; e, v) balanço das consequências. É pertinente mencionar a necessidade de se usar de uma certa parcimónia no recurso ao uso da força “[…] as operações de peacekeeping passem esta fronteira e se envolvam em actividades de enforcement” (Pinto 2007:129-139). — No início do século XXI verifica-se um “surge in peacekeeping” em comparação com os anos 1990’s, mas a participação dos países desenvolvidos não tem tido um aumento significativo. É disso evidência o exemplo da UE cuja participação não exorbitou os 10%, atribuindo-se esta magra participação aos alargamentos de 2004. (Gray 2005). — Este rationale está subjacente ao apelo feito pelo Secretário Geral das NU após a publicação do Relatório A More secure World. Our Shared Responsibility (2004): “[…] for peacekeeping and, in extreme cases, peace enforcement to continue to be an effective and accepted instrument of collective security, the availability of peacekeepers must grow. ‘The developed states have particular responsibilities here, and should do more to transform their existing force capacities into suitable contingents for peace operations”. (Gray 2005:209). — O debate sobre a natureza do peacekeeping é paralelo ao que se trava sobre o “rapid deployment of troops and rapid reimbursement of troop-contributing countries”. Alguns estados dizem-se preocupados com os perigos subjacentes a “‘mission creep’ and the essentially temporary nature of peacekeeping”, enquanto que outros consideram de grande importância “post-conflict peacebuilding for the prevention of the recurrence of conflicts” (UN Press Release SC/8095, 17 May 2004. In Gray 2005:210). Importa sublinhar que houve uma evolução significativa nas NU, tornando-a uma organização mais ágil e eficiente. No entanto, e tendo em consideração o Brahimi Report “the scale of the current surge might well outstrip our capacities to backstop the operations and we will have to look at augmenting those capacities” (Gray 2005:210). O referido relatório estimulou o desenho de reformas nas missões de peacekeeping: i) “establish more timely and more robust peacekeeping forces”; ii) improve early warning; and, iii) establish international criminal tribunal and the new International Criminal Court” (Gray 2005: 212). — Por referência às ‘Coalitions of the willing’ – Artemis, é interessante referir as acusações de ‘double standards’: os estados desenvolvidos não utilizam os mesmos critérios por exemplo para os países europeus e os africanos. Esta afirmação tem respaldo nas missões em África no quadro do Capítulo VII “were clearly unlike the major prolonged member state operations in Europe – in Bosnia and Kosovo – and that in East Timor” (Gray 2005:220). — Relativamente à exigência de um paradigma multilateral, e sua legitimidade (Gray 2005): aos estados desenvolvidos foi solicitada maior colaboração multilateral nas operações de peacekeeping das NU, com o envio de mais tropas (para África principalmente). Desafia-se a legitimidade dos estados desenvolvidos reterem autonomia quando à natureza da sua participação na manutenção da paz e segurança em África, estando subjacente a “shift of power away from the Security Council” (Gray 2005:223). Em rigor, o que se questiona é o debate sobre a “‘responsibility to protect’ in the context of unilateral humanitarian intervention” em casos em que o Conselho de Segurança não tem capacidade de veto. Trata-se de uma clara referência à intervenção unilateral dos EUA (com a anuência do UK, Portugal e Espanha – Cimeira das Lages) no Iraqui[14] e que teve uma oposição musculada da França e da Alemanha. — Missões de Peacekeeping a Peacebuilding da ONU para Timor-Leste — Segundo Smith, desde a sua implementação, a UNTAET cumpre três objectivos: i) “humanitarian relief”; ii) “creation of an administration”; e, iii) “independence” (2001: 26). Inicia funções a partir de 5 de Maio de 1999 na ONU. Os acordos são assinados por Jaime Gama (MNE), Portugal, Ali Alatas (MNE), Indonésia, na presença de Kofi Annan (Secretátio Geral da ONU). A UNTAET substituiu a INTERFET, que foi liderada pelos australianos. A participação eleitoral foi de aproximadamente 98% dos quais, 78.5% optaram pela separação da Indonésia. Como já foi referido, a divulgação dos resultados eleitorais, as forças Indonésias provocaram massacres e conflitos que apenas abrandaram com a chegada a 19 de Setembro de 1999 da INTERFET. A missão teve uma duração que foi manifestamente curta, tendo em consideração que estava em causa a potencial independência de um país. A missão não tinha legitimidade nem os meios para combate se assim fosse necessário. — A UNAMET é liderada por Ian Martin e estava sob a égide do DPA. Era aconselhado pelo DPKO e o ‘core group’ era integrado pelos EUA, RU, Austrália, Nova Zelândia e Japão. (Smith 2001:31). Habibie é favorável à convencionada consulta popular; no entanto as elites indonésias e os militares organizam-se determinados a fazer descarrilar todo o processo: campanha de intimidação. O staff da missão informa Nova Iorque da tensão e aconselha o adiamento da consulta popular, mas o calendário mantém-se. Apesar de tudo, e surpreendentemente, a UNAMET fez um trabalho hercúleo “managed to successfully register the majority of those eligible to vote” (Smith 2001:33). Os resultados deram origem a uma orgia de sangue que durante duas semanas devastou infraestruturas e deslocou cerca de 250,000 timorenses. — Importa referir que as autoridades indonésias jamais reconheceriam as atrocidades em Timor-Leste, adoptando um discurso para “consumo externo”, no fora e media internacionais, numa tentativa, diríamos mal sucedida, de redimir a imagem da Indonésia e acusa a ONU de parcialidade: — “[I]t should be clearly understood that these incidents are the symptoms of a much deeper mature. In the period before as well [as] following the popular consultation, some East Timorese had expressed their disappointment, anxiety and even misgivings with the lack of impartiality and objectivity of some United Nations personnel in undertaking their duty in East Timor. …[T]he Indonesian government is doing its utmost to bring the situation under control. However, this require[s] the need for self-restraint on both sides”. — Makarim Wibisono[15] — A UNAMET monitorizou o referendo sobre a autonomia em Timor-Leste. Foi estabelecida pela Resolução 1246 do CSNU em 11 de Junho de 1999. Foi com os acordos entre a Indonésia e Portugal, no dia 5 de Maio de 1999, em Nova Iorque, que foi conferido à ONU o poder para organizar e legitimar a consulta directa através de voto secreto dentro e fora de Timor-Leste. O mandato da UNAMET consistiu em: — “[organize and conduct a popular consolidation on the basis of the direct, secret and universal ballot, in order to ascertain whether the East Timorese people accept the proposed the constitutional framework providing for a special autonomy for East Timor within the unitary Republic of Indonesia or reject the proposed special autonomy for east Timor, leading to East Timor’s separation from Indonesia, in accordance with the General Agreement and to enable the secretary-General to discharge his responsibility under paragraph 3 of the Security agreement.”[16] — A UNMISET, 2002, foi instituída com o objectivo de assegurar a administração de Timor-Leste, exercendo a autoridade legislativa, executiva e da administração da justiça (Pinto 2007: 91-92). Esta missão foi marcada pela persistência das autoridades locais em assumirem o controlo efectivo das decisões que são tomadas na condução dos destinos do país. Segundo Ishizuka (2003:45) a UNMISET resulta da Resolução 1410 do CSNU de 17 de Maio de 2002 e foi concebida para substituir a UNTAET[17]. Exerceria funções até Junho de 2004. Esta missão foi mandatada para: — “a) to provide assistance to core administrative structures critical to the viability and political stability of East Timor; b) to provide interim law enforcement and public security and assist in the development of a new law enforcement agency in East Timor, the East Timor police service; and, c) to contribute to the maintenance of the external and internal security of East Timor. (…) [it] concentrates more on stability and security-building than was the case with the comprehensive operation of UNTAET”. — Trata-se, portanto, de missão cujo registo se situa mais ao nível da segurança externa e da integridade territorial. Trabalha em parceria com a Falintil-FDTL. No que se reporta à segurança territorial, o JMC[18] (Outubro de 2002) estabelece as fronteiras entre os dois países e regulam os mercados em ambos os lados da fronteira bem como serviços de emigração. É ainda pertinente mencionar a necessidade de repatriamento dos refugiados na parte ocidental da ilha de Timor, desde a independência de Timor-Leste. Este esforço foi conjunto com a Indonésia (cerca de 2,5 M de US$) (Ishizuka. 2003: 47). O processo de repatriação da parte oeste deveria estar completo em Janeiro de 2003. Quem não regressasse à parte leste durante este período significava que regressariam por si mesmos ou perderiam o estatuto de refugiados[19]. Segundo Ishizuka, estamos perante uma espécie de dilema de repatriamento “for some refugees of choosing between East Timor or Indonesian citizenship” (2003: 47). — Assim, esta missão foi alvo de alterações, embora os objectivos principais se tenham mantido. Foram definidos três níveis de prioridades: i) estabilidade, democracia e justiça; ii) segurança pública e a aplicação da lei; e, iii) segurança externa e o controlo das fronteiras. Importa destacar o envolvimento de Portugal, Brasil e de Moçambique como sendo os únicos países da CPLP a prestarem ajuda militar e policial. — A UNOTIL foi constituída a 20 de Maio de 2005 e o seu objectivo foi servir como uma componente política e de retaguarda. Não foi suficiente a sua criação na medida em que se assistiu ao surgimento de confrontações entre grupos rivais. — A UNMIT foi constituída a 25 de Agosto de 2006 pelo CSNU através da Resolução 1704. Esta missão continua a obra de missões anteriores através de uma visão global. Almeja criar uma situação de estabilidade geral no país, promover a democracia e a reconciliação nacional. Esta missão assenta em missões militares e não policiais devido aos contornos que o conflito assumiu. Eles estão essencialmente ligados á insegurança pública. Esta missão vai também desempenhar um papel importante no que diz respeito à preparação técnica e logística das eleições presidenciais e logísticas em 2007. Esta missão visou ainda “integrar” as funções e actividades de todas as agências da ONU em Timor-Leste, para colmatar a falta de coordenação que se verificava no terreno. — O Referendo — É agendado um referendo a ser coordenado pela ONU, através da UNAMET. A ONU considera o referendo um êxito porque 98,6% dos eleitores tinha ido às urnas. Apesar do terror inspirado pelo policiamento indonésio, 78,5% votou pela independência e 21,5% votou pela autonomia. A Indonésia não esperava o desfecho da consulta popular à pergunta “pela independência com soberania ou pela anexação à indonésia com autonomia?”. Importa referir que, apesar de ser a guardiã da paz, não preveniu “the orgy of militia violence against those they suspected of supporting independence in the aftermath of the referendum on 30 August 1999. This failure to protect human security provoked an enormous response from a large portion of the international community” (Smith. 2001: 26). Este facto dará origem à operação INTERFET composta por peacekeepers da ONU liderada pela Austrália, para travar o massacre. A retirada do exército indonésio traduziu-se na destruição de cerca de 70% do equipamento do país, “empurrou” cerca de 250,000 indivíduos para a parte Oeste da ilha e exterminou grande número dos apoiantes da independência (Smith 2001: 26). — A UNTAET, chefiada pelo brasileiro Sérgio Vieira de Mello e que Serra (2004) denominaria como o “bom ditador” e Philpott (2006) como o “benevolent Leviathan”, administra o território desde Novembro de 1999 até Maio de 2002, momento em que se tornaria independente. (Fiúza; Silva, 2007). — É criada uma “Comissão de Acolhimento, Verdade e Reconciliação”. Em 30 de Agosto 2001, os timorenses elegem “88 membros da assembleia Nacional Constituinte”. A FRETILIN liderada pelos Lu-Olo e Mari Alkatiri consegue ocupar 55 assentos da Assembleia. A Constituição é aprovada em 22 de Março de 2002 e entra em vigor em 20 de Maio de 2002, dia da Restauração de Independência de Timor-Leste. Em 27 de Setembro, Kofi Annan[20] assinala a independência timorense: — “None of us followed Timor-Leste’s long struggle for self-determination can help being moved by this moment. None of us can forget the sacrifices made by the people or the courage of its leaderships. Even before this day, Timor-Leste showed that greatness among nations is not a matter of size or resources, but rather one of global citizenship and adherence to the highest principles of our charter”. — Embora os elementos de uma nação sejam perceptíveis desde 1975, e ponderando o atraso da acção da ONU, surge um novo Estado na cena internacional. “Mais um Estado lusófono, para satisfação da comunidade lusíada internacional” (Fiúza). Vemos então a soberania de Timor-Leste consolidada. Invoquemos Lasell Taudin: “More than anything else, East-Timor needs all its people back, working together, in the most straitened circumstances, actively leading, not following, the massive task of forging a new nation” (in Fiúza). — CAPÍTULO III — A Geopolítica de Timor-Leste — O Anão e os Titãs – A Austrália e a Indonésia — Timor-Leste esteve sob a dominação portuguesa durante aproximadamente 450 anos. Está geograficamente encavalitado na linha de fronteira que divide o Sudeste Asiático e a Oceânia. Durante o Século XX a ditadura fascista – Salazar / Caetano – subjugou não apenas Portugal como todo o Império Português, e Timor-Leste tornou-se na província portuguesa ultramarina mais negligenciada, “the world’s most deprived backwaters” (Head e Tenenbaum. 2002:3; Chomsky 1999:1). Emílio César Relvas considera que Timor-Leste havia sido “abandonado e entregue a uma devastadora guerra civil, praticamente ganha por uma facção de índole comunista, que chegou a proclamar a independência da antiga colónia”[21]. — Em 1975, os Estados Unidos da América e a Austrália temiam a influência do comunismo, uma vez que a força dominante e que conduzia o movimento independentista era a Fretilin. Como já referimos, Suharto foi alegadamente encorajado a invadir a parte Oriental da Ilha de Timor, e contou com o apoio incondicional da Austrália e dos EUA para reprimir a resistência timorense. “A Indonésia com a conivência dos outros, ocupou o vazio deixado por Portugal” (Relvas)[22] — Este “arranjo” era favorável aos desenvolvimentos posteriores: em 1978 a Austrália[23] e a Indonésia “commenced negotiations […] on ownership and control of Timor Sea reserves” (Head e Tenenbaum. 2002: 3), e que culminariam em 1989 com a assinatura do “Timor Gap Treaty”. Chomsky (1999) sublinha este episódio sarcasticamente: “East Timor […] a region sober realists tell us is not economically viable, and therefore cannot be granted the right of self-determination”. Tratava-se do culminar das recomendações de Richard Woolcott[24]: “pragmatic course of Kissinger realism, because it might be possible to make a better deal on Timor’s oil reserves with Indonesia than with an independent East Timor” (Chomsky 1999). — Segundo Head e Tenenbaum a descoberta das jazidas de petróleo e gás natural “revived Portugal’s interests in its former colonial territory” (2002: 4). Não partilhamos a opinião de Head e Tenenbaum. A verdade é que as NU continuavam a considerar Portugal como o guardião de Timor-Leste[25]. O Tribunal Internacional consideraria, em 1995, que Portugal “had a valid claim under the UN Charter” (2002:4). A Indonésia não reconheceu a jurisdição deste tribunal. — Em 1997 os EUA lançam uma acção contra o governo corrupto e despótico de Suharto. Portugal vislumbra aqui uma oportunidade de lançar nova campanha diplomática internacional, desta vez com o apoio da União Europeia. A ONU nomeia um enviado para Timor-Leste. Além disso, faz uma aproximação feliz às facções no terreno: Gusmão, Horta, Alkatiri e às restantes elites Timorenses. — Em 1998 surge o CNRT em Lisboa que vai aproveitar as revoltas internas na Indonésia e lutar pela auto-determinação. Almejava o apoio de Portugal ou da Austrália para o “establishement of a separate state in which the native elite could operate as a junior partner” (Head e Tenenbaum. 2002:4), comprometendo-se a não oprimir as populações e a partilhar os lucros da exploração dos hidrocarbonetos. A Austrália coloca-se do lado da Indonésia. A Indonésia propõe uma consulta popular com vista ao estabelecimento de um modelo de autonomia, a supervisionar pelas forças militares indonésias. — O desenrolar dos acontecimentos levou a Austrália, fiel à sua preferência pela manutenção do status quo (dominação Indonésia) a conceber um plano mais arrojado para vencer a diplomacia ocidental e a ONU. Mobiliza as suas tropas “to secure Australia’s interests” (Head e Tenenbaum 2002:5), até porque tinha alegadamente conhecimento dos planos militares da Indonésia (inteligência militar), e lança “its Australian-led military operation” em 1999. A carnificina já havia começado, mas Canberra “had placed itself in the box seat to demand a substantial say in whatever administration the UN set up” (Head e Tenenbaum 2002: 5). — Timor-Leste tornou-se num país soberano em 2002, mas a situação real do país é a de uma nação privada de lastro económico, político e social, recursos humanos qualificados (Serra 2004; Ramos Horta 2008[26]) e institucional, e que alguns consideram como um “estado falhado” – “To all intents and purposes, East Timor will remain a semi-colonial protectorate” (Head e Tenenbaum 2002:7). Contrariamente a esta posição de Head e Tenenbaum, convém referir que a grande maioria dos investigadores considera Timor-Leste viável enquanto Estado-Nação (Silva, 2007; Fiúza; Machado; Serra. 2004; Vasconcelos 2006 e 2008, entre outros), apesar de ser uma das nações mais pobres do mundo onde a fome e a má nutrição é endémica, as desigualdades são evidentes e a instabilidade é constante. Trata-se de um trabalho de longo-prazo (Serra 2004). — A retirada da Indonésia foi feita à custa da destruição do país. A recente memória histórica da presença criminosa da Indonésia mantém-se viva e continua a tentar minar a soberania deste jovem Estado. A ajuda internacional não mitigou a pobreza extrema das populações. Há um défice de infra-estruturas e desemprego. A questão das receitas dos hidrocarbonetos é algo que carece de transparência (Serra, 2004). Esta moldura é favorável a uma atmosfera de instabilidade e a conflito em estado de latência – ‘frozen conflicts’ (Bloomfield e Reilly) – e que se manifestam em momentos de maior tensão desde a independência de Timor-Leste (Maio de 2006, o atentado a Ramos Horta no início de 2008). — Grande parte dos hidrocarbonetos situam-se em fronteira marítima contestada e estão a ser explorados maioritariamente pela Austrália. O petróleo constitui a sua principal fonte de riqueza para o seu desenvolvimento e combaterem a pobreza endémica e a dependência da ajuda internacional.. Em 2003 inicia-se o diálogo energético entre os dois países no sentido de procederem à delimitação e regulamentação das jazidas de hidrocarbonetos. A Austrália contemporiza e vai explorando três quartos de jazidas petrolíferas do Mar de Timor. Disputa-se ainda a definição da fronteira marítima e, também neste aspecto, a Austrália contemporiza. Por seu turno, a Indonésia procura “tirar partido da arrogância Australiana, cujo lucro, (…) é de $ 700.000 por dia e da frustração timorense”. Timor-Leste continua fragilizado e “entalado como sempre entre os seus dois poderosos vizinhos” (Sébille-Lopez 2005:61). A evidência aponta para uma omnipresença australiana. — A “Hegemonia” Australiana — A Austrália – AusAID – desenhou e está a implementar um programa de ajuda transversal em Timor-Leste para fomentar o crescimento e o desenvolvimento das populações. E por isso, a presença australiana se tornou omnipresente: “Australian aid to East Timor has been effective and has demonstrably improved the lives of East Timor’s people”[27]. — Importa ter presente que o desenvolvimento de Timor-Leste será um projecto de longo-prazo. Existe uma “Austrália-East Timor Development Assistance Strategy 2007-2011[28]. Esta parceria almeja proporcionar ajuda em áreas como: policiamento, gestão económica e execução orçamental, aprovisionamento de água e sistema sanitário, formação profissional, provisão de serviços de saúde, reforço do sistema jurídico, desenvolvimento de infra-estruturas (estradas e electricidade), et cetera. Trata-se de um esforço que o Bloco Lusófono não tem capacidade para contornar devido à barreira geográfica, inter alia. — Os Australianos tentam “modelar” e moldar a política local enquanto os países lusófonos “tentam manter as raízes culturais portuguesas na região”. (Souza e Silva. 2007). Considera esta ‘disputa surda’ nefasta: “a acção da Austrália preocupa. Gostaríamos de manter a lusofonia nesse país, reintroduzindo a Língua Portuguesa e trazendo Timor para o seio da CPLP, […] Nós gostaríamos que o país pudesse estabelecer a sua própria forma de governo, as suas alianças internacionais, sem interferência da Austrália. Essa é a nossa preocupação, de poder preservar a independência e a soberania de Timor”. — Timor-Leste esteve sob o jugo colonial durante séculos, e sob a tirania da Indonésia desde 1975. Tornou-se país soberano a partir de 2002. Tem duas línguas oficiais: a nativa, Tétum, e o Português. A primeira fortemente implantada e a segunda com a expressão de apenas 5%. Tem uma economia frágil e as jazidas de petróleo são consideradas como a ‘tábua de salvação’ (Serra, 2004), o sustentáculo por excelência do crescimento e desenvolvimento económico. No entanto, a definição da posse deste recurso natural tem sido também fonte de discórdia entre Díli e Canberra, assim como a definição da fronteira marítima entre as duas nações. Aliás, este rationale é consistente com as palavras de Ward e Symond (2003): “The Australian government is deliberately delaying the signing of an agreement with East-Timor, known as the Timor Sea Treaty, as a means of blackmailing the small, newly independent country into conceding a greater share of offshore oil and gas reserves to Canberra”. — Estamos de acordo com Ward e Symond quando consideram que qualquer parceria estratégica entre a Austrália e Timor-Leste, quer no que se reporta à presença militar quer no que se refere à presença de organizações no terreno, não constitui expressão da sua preocupação com o bem-estar do povo Timorense. Será, sim, “the preoccupation of successive Australian governments since 1975 – to control over Timor Sea oil and gas”. Aliás a presença militar australiana é a mais significativa em número e não está sob o chapéu da ONU. — Para um país sem indústria ou sector de turismo, que vive de uma agricultura precária de subsistência e uma muito modesta exportação de café, os hidrocarbonetos (petróleo e gás natural) e o mar constituem a sua possibilidade de não apenas garantirem o seu desenvolvimento como de garantirem a sua soberania. — Do ponto de vista de segurança/militar, a Austrália mantém uma força no território com comando próprio. Por seu turno, Portugal e o Brasil estimulam a cooperação nos sectores da educação, formação profissional e militar bem como institucionais. Souza e Silva considera tratar-se de “uma força desigual [dos australianos], mas a questão de reafirmação da língua [portuguesa] é muito importante para nós, além de apoiar os governos democraticamente eleitos”. — Alguns investigadores consideram que a falta de recursos humanos constitui uma das grandes fragilidades de Timor-Leste. “Não há quadros capacitados em todos os níveis para gerir o país”. (Souza e Silva; Serra, 2004). Serra sublinha o problema da falta de emprego, da baixa alfabetização e da “fraqueza da formação do capital humano e, por isso, da sua qualidade” (2004: 8). Além disso, refere que as fricções políticas internas nos permitem duvidar de uma possível ‘reconciliação nacional’, no curto prazo, porque o espectro partidário é deveras fragmentado. No nosso entender, isto é consistente com a manutenção das estruturas de poder tradicionais de pequenos reinos que a presença portuguesa não unificou e que o neo-colonialismo indonésio procurou esmagar e/ou aculturar. — Esta falta de maturidade também não foi estimulada durante o período em que a ONU administrou o território, que ignorou a estrutura e os recursos humanos nativos, criando uma estrutura nova. Será que esta criação se acomoda a este país? Serra (2004:9) considera que a DKO- Division of Peace Keeping Operations – construiu um modelo de raiz, considerando “não apenas como melhor que [o] anterior mas também como, pelo menos aparentemente, [o] único verdadeiramente aceitável e eficaz. Não deixa, no entanto, de deixar uma crítica às NU. O estatuto de Sérgio Vieira de Mello em Timor foi exactamente o de um ‘ditador bom’”, sendo esta ideia consistente com Philpott (2006) que considera as NU como um “benevolent Leviathan”. — Considerações Finais — O povo timorense conviveu com o estado português desde 1515. Apesar de se ter mantido uma sociedade fragmentada, a sua coesão durante o neo-colonialismo indonésio assenta em três sustentáculos por excelência: i) Igreja Católica, ii) língua portuguesa, leia-se diplomacia portuguesa; e, iii) resistência armada. Os dois primeiros continuam a ser os pilares que ajudam a escorar esta jovem nação. Esta foi a argamassa que permitiu lançar os fundamentos de uma nação durante a Guerra-Fria num recorte moldado pela Indonésia – Austrália – EUA. — No plano externo, a língua portuguesa, Portugal, as NU e a imprensa internacional juntaram esforços diplomáticos e jurídicos – direito internacional – que culminaram com o referendo pela autodeterminação em 1999 e pela restauração da independência em 2002. — O xadrez geopolítico de Timor-Leste no pós-Guerra Fria e os arranjos da Indonésia e da Austrália – aquela para fazer cumprir o seu desígnio territorial e acesso a matérias-primas, esta para usurpar as suas reservas de hidrocarbonetos na linha de fronteira do Mar de Timor – alteram-se numa moldura multipolar e interdependente. As missões das NU – de peacekeeping a state building – permitiram desenhar uma moldura institucional favorável à edificação de um estado-nação, embora flagelado pelos conflitos internos em estado de latência e pobreza endémica. Concordamos com Ramos Horta (2008) quando assegura que as reservas de gás natural e de petróleo não são a solução exclusiva para os problemas da economia de Timor Leste. A falta de recursos humanos constitui uma das suas grandes fraquezas, bem como a “falta de uma visão estratégica e de liderança” (Ramos Horta 2008) e de dinamismo da administração pública, mas é um estado viável e sustentável. A sua viabilidade e sustentabilidade passam pelo estímulo da reforma da administração pública, do sistema impostos, do sistema judicial. É incontornável a necessidade de se estimular o sector privado e a construção de parcerias entre este sector e o público. — Ramos Horta (2008) deu ainda expressão a uma ideia com a qual concordamos integralmente. Não está em causa o sucesso das operações das NU. Agora, os projectos de construção dos estados democráticos e o exercício de autodeterminação são complexos e carecem de tempo. É preciso muito mais do que dois anos para viabilizar a construção de um estado. — Pese embora o facto de arranjos multilaterais[29] verificados noutras ocasiões (por exemplo o caso de state building do Iraque), o povo timorense colocou em evidência uma capacidade imensa para suportar o sofrimento na luta pela autodeterminação e pela construção de um estado independente e cuja sustentabilidade dependerá da sua capacidade para encontrar um modelo de governação em conformidade com a sua própria realidade, os seus padrões sociais, económicos, culturais e políticos. Concordamos com Philpott (2006:154) quando conclui que “[…] it was the Indonesian state’s violent attempts to snuff out any sense of cultural uniqueness and the desire for self-determination that deepened perceptions of a shared sense of history and identity among the East Timorese” Não tendo maturidade em matéria de estado, ‘rule of law’, o povo timorense revelou ter maturidade para conquistar as suas liberdades fundamentais num ambiente geopolítico hostil. É de sublinhar o facto de que a campanha de intimidação indonésia não produziu o resultado esperado e mantiveram-se firmes no seu propósito de autodeterminação. — Jarat Chopra (2000) exprime algum cepticismo quanto ao sucesso do esforço de ‘nation building’ desenvolvido pelas Nações Unidas. Em todo o caso, e mesmo sendo talvez ainda cedo para medir e quantificar o sucesso das NU, é inegável o facto que foi o actor que legitimou o desígnio de independência timorense: “they have brought to a close decades of indifference to the suffering of the East Timorese on the part of governments, including those of the US, Austrália, UK, ASEAN states and Japan” (Philpott 2006:154). — A comunidade internacional tem a responsabilidade de ajudar a dotar esta jovem nação de acervo político-institucional, coesão socio-cultural e lastro económico que lhe permita a sustentabilidade enquanto estado-nação. — [1] Aluna do Mestrado em Relações Internacionais da Universidade do Minho. Técnica Superior do Serviço de Pós-Graduação da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho. [2] Aluno do Mestrado em Relações Internacionais da Universidade do Minho. [3] Este é o caso dos conflitos africanos, mas especificamente o Darfur. No Kosovo, por exemplo, as missões militares e de policiamento da EU (no quadro da PESD) e da NATO contêm o conflito intra muros controlando os “spill over borders”. [4] O timorense Manuel C.C. Bucar Corte Real é Professor da Universidade Nacional de Timor Lorosa’e. É aluno de mestrado de Economia, Mercados e Políticas Públicas da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho desde Outubro de 2007. [5] Professor de Direito Constitucional das Faculdades Milton Campos. Ex-consultor judiciário da ONU para Timor-Leste. [6] Teólogo da UCP. [7] Representante Permanente Adjunto de Portugal junto das Nações Unidas. [8] Smith, Anthony L. 2001. The role of the United Nations in East Timor path to independence, Asian Journal of Political Science, 9:2, 25 – 53. [9] Kolodziej, Edward A. s.d. Security and International relations, Chap. 2 “The foundations of security studies: Hobbes, Clausewitz, and Thucydides, Cambridge University Press. [10] As referências a Vasconcelos (2008) constituem notas soltas das aulas da unidade curricular (u.c.) de Prevenção de Conflitos e Manutenção da Paz que integra do currículo do Curso de Mestrado em Direitos Humanos, e u.c. opcional do Curso de Mestrado em Relações Internacionais da Universidade do Minho. Ponderando a possibilidade de interpretação enviezada, a responsabilidade é dos autores do presente trabalho. [11] Embaixador António Monteiro, in Maria do Céu Pinto. 2007. As Nações Unidas e a Manutenção da Paz (E as actividades de Peacekeeping doutras Organizações Internacionais), Prefácio. Edições Almedina, SA, p. 8. [12] Id. p 9. [13] “Enquanto Membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas no biénio 1997/98, a formalização do conceito de interacção” entre peacekeeping e peacebuilding. Em 2002 Portugal proporia ainda a criação de “estruturas especificamente vocacionadas para gerir período s de pós-conflito”, o que estaria na génese da Peacebuilding Commission. Dela se espera “uma abordagem mais coerente, oportuna e sustentável dos problemas enfrentados pelos países emergentes de situações de crise”. [7] Embaixador António Monteiro, in Maria do Maria do Céu Ferreira Pinto. 2007. As Nações Unidas e a Manutenção da Paz (E as actividades de Peacekeeping doutras Organizações Internacionais), Prefácio. Edições Almedina, SA, pp 9-10. [14] Operation Iraqi Freedom. [15] Embaixador indonésio nas NU in Anthony L. Smith 2001. The role of the United Nations in East Timor path to independence, Asian Journal of Political Science, 9:2, p35. [16][ http://www.un.org/peace/etimor99/Fact_frame.htm%5D. [17] “[It] is similar to the NATO-led Stabilisation Force (SFOR) in the former Yugoslavia”, Katsumi Ishizuka. 2003. Peacekeeping in East Timor: The Experience of UNMISET, International Peacekeeping, 10:3, p 45. [18] Liderado pelos MNEs (Ramos Horta), Timor-Leste, e Wirayuda, Indonesia. [19] Importa mencionar que a ONU estimou que teriam permanecido cerca de 30,000 timorenses. Tratava-se de “former militia, military, military police, government officials and their followers”, Katsumi Ishizuka. 2003. Peacekeping in East Timor: The Experience of UNMISET, International Peacekeeping, 10:3, p 47. [20] Secretário Geral da ONU em 2002. [21] [www.viegasdacosta.hpg.ig.com.br/timor/emiliorelvastimor.htm]. [22] Ibid. [23] O primeiro país a reconhecer formalmente a anexação. [24] Embaixador da Austrália. [25] Independentemente da ONU ter sempre considerado Timor-Leste como um território sob a tutela de Portugal, condenando a ocupação Indonésia, esta faz “tabua rasa” das resoluções do Conselho de Segurança que exige o respeito pela “(…) integridade de Timor-Leste, assim como o direito inalienável do seu povo à auto-determinação, de acordo com a resolução da Assembleia Geral 1514” (em 1975 e 1976). A um ritmo anual, aprovaria resoluções entre 1976 e 1982, ano em que foi aprovada a Resolução 37/30. Determinava que fossem iniciadas conversações entre as partes com vista à implementação do exercício do direito de auto-determinação dos timorenses. [www.caecplp.org/lusofonia/timor-lete/timor_leste.htm]. [26] Ramos Horta é Presidente da República Democrática de Timor-Leste, eleito em 2007. As referências a Ramos Horta (2008) constituem notas de Seminário proferido na Universidade do Minho, no dia 23 de Julho de 2008, Braga. [27] [www.ausaid.gov.au/country/country.cfm?CountryID=911]. [28] Ibid 14 [29] Por referência aos EUA, RU, Austrália, inter alia. — Referências — Primárias — Relatórios •Schwartz, Eric. 2001. The Intervention in East Timor. Report for the national Intelligence Council. •CRS Report for Congress. 2001. East Timor Situation Report, by Larry Niksch, Lois McHugh e Rhoda Margesson. Congessional Research Service, The Library of Congress. •(1999) The prospects for East Timor, Strategic Comments, 5:5, 1-2. •United Nations, [http://www.un.org/peace/etimor99/Fact_frame.htm]. Secundária •Atlas de Timor-Leste. 2002. Lidel – Edições Técnicas, Lda. •Gunn, Geoffrey. 1999. Timor Loro Sae 500 Anos, Livros do Oriente. Macau. •Magalhães, António Barbedo. 1983. Timor-Leste. Mensagem aos vivos. Limiar. Porto. •Palmeira, José. 2006. O Poder de Portugal nas Relações Internacionais, Prefácio, Lisboa. •Pires, Mário Lemos. 1991. Descolonização de Timor. Missão Impossível? Caminhos da Memória, Circulo de Leitores, Lda, Publicações Dom Quixote, Lda., Lisboa. •Pinto, Maria do Céu. 2007. As Nações Unidas e a Manutenção da Paz (E as actividades de Peacekeeping doutras Organizações Internacionais), Edições Almedina, SA. •Alldén, Susanne; Amer, Ramses. 2007. The United Nations and Peacekeeping: Lessons learned from the Cambodja and East Timor. Umea Working papers in Peace and Conflict Studies, nº 4. •Bloomfield, David; Reilley, Ben. Democracy and Deep-Rooted Conflict: Options for Negotiators, The changing nature of conflict and conflict management. The new state of conflict: some facts. •Brito, Nuno Filipe. 2002, A administração transitória das Nações Unidas em Timor Leste, Janus. •Candio, Patrick & Bleiker, Roland. 2001. Peacebuilding in East Timor, The Pacific Review, 14:1, 63 – 84. •Chester, Simon. 2001. East Timor in Transition: Form conflict prevention to State-Building. International Peace Academy. •Chesterman, S. 2002. East Timor in Transition: Self-Determination, State-Building and the United Nations, International Peacekeeping, 9:1, 45 – 71. •Chopra, Jarat. 2000. The UN’s Kingdom of East Timor. Survival, vol. 42, no. 3, pp. 27-39. •Fiuza, Ricardo A. Malheiros, Timor-Leste, o nascimento de um Estado. (Palestra feita na 1ª imersão em Dieito e Relações Internacionais, Faculdades Milton Campos e Centro Universitário Newton Paiva. •Gerard Ruggie, John. 1998. Constructing the World Polity – Essays on International Institutionalization. London and New York. Routledge. •Gray, Christine. (2005) Peacekeeping and enforcement action in Africa: The role of Europe and the obligations of multilateralism. Review of International Studies, 31, 207-223. •Huang, Reyko & Gunn, Geoffrey C. 2004. Reconciliation as State-building in East Timor. Lusotopie. pp 19-38. •Keohane, Robert O., Nye, Joseph S. 2001. Power and Interdependence, Third Edition, Addison Wesley Longman. •Ishizuka, Katsumi. 2003. Peaceking in East Timor: The Experience of UNMISET, International Peacekeeping, 10:3, 44 – 59. •Philpott, Simon. 2006. ‘East Timor’s double life: Smells like Westphalian spirit’, Third World Quarterly, 27:1, 135 — 159. •Ramires, Filipe. 2006. Objectivo: Timor. Portugal, Timor e a Guerra no Pacífico (1941-1945). Relações Internacionais, nº 11. •Sewall, Sarah. s.d. “U.S. Policy and Practice Regarding Multilateral Peace Operations”, Car Center for Human Rights Policy Working Papers 01-3. •Smith, Anthony L. 2001. The role of the United Nations in East Timor path to independence, Asian Journal of Political Science, 9:2, 25 – 53. •Gray, Christine. 2005. Peacekeeping and enforcement action in Africa: the role of Europe and the obligations of multilateralism. Review of International studies (2005), 31, 207-223. British International Studies Association. •Pureza, José Manuel; Simões, Mónica Rafael; José, André Cristiano; Marcelino, Carla. 2007. As novas operações de paz das Nações Unidas. Os casos de Angola, Timor Leste e Moçambique, Centro de Estudos Sociais, FEUC. •Silva, Kelly Cristinane. 2007. A bíblia como constituição ou a constituição como bíblia? Projetos para a construção do Estado-Nação em Timor-Leste, Horizontes Antopológicos, Porto Alegre, ano 13, n. 27, p. 213-235, Jan/Jun 2007. •Vasconcelos, Pedro Carlos Bacelar de. 2007. Entre os factores e o direito: dimensões constituintes na transição política Angolana. Scientia Ivridica, Separata, Tomo LVI – Nº 311. •————– 2006. Timor-Leste: da Nação ao Estado, “A transição em Timor-Leste (1999/2002), Edições Afrontamento. •————– 2007. O Estado, a Democracia e a nova “Desordem” Internacional. Scientia Ivridica, Separata, Tomo LVI – nº 309. •W. Doyle, Michael. 1997. Ways of War and Peace – Realism, Liberalism, and Socialism. New York/London. W.W. Norton & Company. •Chomsky, Noam. 1999. “Why Americans should care about East Timor”. [http://www.motherjones.com/news/special_reports/east_timor/comment/chomsky.html]. •Head, Mike and Tenenbaum, Linda. 2002. “East Timor’s ‘independence’: Illusion and reality in World Socialist Web Site. [http://www.wsws.org/articles/2002/may2002/timo-m18.shtml]. •Ward, John e Symonds, Peter. 2003. “Australia bullies East Timor over oil and gas” in World Socialist Web Site. [http://www.wsws.org/articles/2003/feb2003/timo-f07.html]. •Tanter, Richard. 2008. “East-Timor: The Crisis behind the coup”, Open Democracy. [http://www.opendemocracy.net/article/east_timor_the_crisis_behind_the_coup]. Tenenbaum, Linda. 1999. “East Timor provokes Australian foreign policy crisis. [http://www.wsws.org/articles/1999/oct1999/timo-o14.pdf]. Publicada por Universidade Nacional Timor Lorosa’e (UNTL)

 

FONTE: http://untl-timorleste.blogspot.com/2009/02/timor-leste-peacekeeping-state-building.html

 

Published in: on dezembro 6, 2011 at 1:09 am  Comments (1)  

MAJOR UNPOL BECKER E SEU TRABALHO NO PSDO – UNMIT 2009/2010

Em Fevereiro de 2009, a Resolução 1867-2009 do Conselho de Segurança da ONU reafirmou a necessidade da continuidade da reforma do setor de segurança no Timor Leste, particularmente, a necessidadede delinear os papéis e responsabilidade das Falintil – Forças de Defesa de Timor Leste(F-FDTL) e da PNTL(Polícia Nacional do Timor Leste), de forma a fortalecer os quadros legais e melhorar os mecanismos civis de fiscalização e responsabilização de ambas as instituições de segurança.  Foram feitos alguns esforços para reestruturação do mecanismo interno de disciplina da PNTL como, por exemplo, a acentuação da atuação do Professional Standarts & Discipline Office (PSDO), onde eu trabalho, extendendo sua atuação para todo território timorense.

O acompanhamento dos casos com energia, metodologia e resultados demonstrou rápidas melhorias na sistemática de monitoramento disciplinar. Também foram feitos esforços para a localização ou reconstrução dos processos que haviam desaparecido do gabinete por razões muitas. O número de casos pendentes junto ao PSDO diminuiu de 373 para 42 casos entre Novembro de 2008 e Junho de 2009. O PSDO concluiu que quase metade dos casos, cuja investigação foi retomada e concluída,  tinha fundamentação em evidências probatórias, sendo que os resultados foram encaminhados às autoridades no escalão superior da missão. Pelo menos 60 casos ainda aguardam decisões no Gabinete do Comandante Geral da PNTL.

Outra realidade enfrentada, foi que existiam sérios obstáculos ao funcionamento eficaz do PSDO nos distritos, uma vez que os agentes do PSDO eram  nomeados pelo comandante distrital da PNTL, e a este se reportavam. As vítimas de violações dos direitos humanos, incluindo o uso excessivo da força, quase sempre, enfrentavam obstáculos quando tentavam se queixar sobre violações, sendo o mais comum, o pedido da autoridade policial para que apresentassem suas queixas por escrito, em localidades com quase nenhuma escolaridade. Muitas vezes, os comandantes distritais não tomavam qualquer tipo de ação com relação aos casos ou não enviavam para as autoridades competentes na capital, por corporativismo ou negligência. Entretanto, se salva, algum bom resultado, uma vez que, frente a eesa realidade, alguns casos foram resolvidos através de mediação envolvendo o agente do PSDO ou o próprio comandante da esquadra.

Atualmente o PSDO está em fase de transição dos trabalhos para a PNTL, sendo que seus integrantes, na maioria dos casos em aberto, simplesmente monitoram os trabalhos de investigação que passaram a ser efetuados por integrantes da polícia local. Esse monitoramento objetiva a padronização de procedimentos, assegura a lisura dos processos e partilha as técnicas investigativas com os futuros donatários da pasta.

 (Auceri Becker Martins – Major UNPOL- PSDO/CDU Investigator – Dili, Dec ,2009 )

 

 

Published in: on setembro 6, 2011 at 2:05 am  Comments (4)  

Tenente PMDF Miquelino assume chefia e implementa programas de educação de trânsito para crianças no Timor Leste

O Primeiro Tenente da Polícia Militar do Distrito Federal – PMDF, Werner Miquelino, que desde setembro de 2010 atua na Missão de Paz da ONU no Timor Leste vem se destacando a cada dia em suas funções no país. Após ter ministrado cursos de trânsito para a Polícia Nacional do Timor Leste – PNTL, e permaner por um tempo como Admin Officer do Traffic Unit assumiu a posição de Deputy Commander do Traffic Unit.
 
 
Após o fim de Missão do Chefe da Unidade, o Tenente PMDF Miquelino foi escolhido pelo Comando da Polícia da ONU (United Nations Police – UNPOL) para assumir a posição de chefia, de Dili Traffic Unit Commander.
 
“Além das atribuições do trânsito da capital do Timor, Díli, tivemos a iniciativa em realizar uma escola de trânsito para as crianças no Timor, com isso, a primeira escola a abrir as portas para nos foi a Escola portuguesa, onde realizamos um trabalho com as crianças ensinando algumas regras básicas de trânsito de uma forma divertida de aprender.” – diz Werner Miquelino.
 
 
 
 
 
O Tenente Miquelino e a sua equipe estão desenvolvendo vários projetos, como pinturas no pátio da escola com as ruas, faixas de pedestres, cruzamentos e toda sinalização para elas usarem com suas bicicletas e triciclos.
 
 
 
 
 
 
O Comissário da UNPOL no Timor Leste compareceu a um desses eventos.
 
 
 
 
“Agora, o próximo passo é a escola internacional e depois disso, vamos para as outras escolas timorenses. O projeto está crescendo, inclusive, a Representante Especial do Secretário Geral da ONU (SRSG), chefe da Missão de Paz, quer que apresentemos o trabalho realizado para ela nas próximas semanas.”
 
Excelente iniciativa e todos os elogios para o belo trabalho desenvolvido pelo Tenente Miqueliino e a sua equipe, demonstrando mais uma vez a capacidade dos policiais militares brasileiros em promover não apenas a paz e a segurança mas também de realizar trabalhos sociais voltados a segurança pessoal e pública em áreas pós-conflito.
 
SC
Published in: on maio 6, 2011 at 9:18 am  Comments (10)  

Major Unpol BECKER recebe medalha CRUZ DA PAZ da FEB durante Missão no Timor Leste

Por Major PMMA Aureci Becker.

Em 2010 a ANVFEB alcançou o mundo, pois esta foi a primeira cerimônia de entrega da Medalha Cruz da Paz fora do Brasil e em uma das Nações mais distantes do nosso país: o Timor Leste.

DESSA FEITA, 10 personalidades foram agraciadas ao longo do último trimestre de 2009, sendo 4 brasileiros e 3 estrangeiros, um de Singapura, um das Filipinas e o outro da Malásia.

Faltavam ainda 3 brasileiros, dentre eles o Excelentíssimo Senhor Embaixador do Brasil no Timor Leste. Assim sendo, em Cerimônia oficial realizada no dia 11 de Fevereiro de 2010, na Embaixada Brasileira do Timor Leste, teve lugar então essa emocionante homenagem.

Maj Aureo Ribeiro Vieira da Silva, do Exercito Brasileiro, Oficial de Ligação da UNMIT no Timor Leste,  fez a entrega em ato solene.

Embaixador Edson Monteiro e Maj PMMA Becker, os agraciados ocupando a posição para a cerimônia. O Senhor Cônsul Décio Teixeira conduziu a cerimônia, que foi composta dos seguintes eventos:

-Finalidade da Cerimônia;

–Canto do Hino Nacional;

–Palavras do Maj Vieira Silva;

–Entrega de Condecorações;

–Palavras do Embaixador;

–Cumprimentos aos agraciados;

–Um brinde à PAZ, oferecido pelo Senhor Embaixador.

No evento, participaram os funcionários da Embaixada, os agraciados, o Cap UNPOL Vilaca-PMPE e os convidados do Embaixador, na maioria professores brasileiros que estão em missão oficial em Dili, no Timor Leste.

O Maj Vieira Silva antes de fazer uso da palavra relembrou a todos que o Brasil foi o único país da América Latina a ter participado da 2ª Guerra Mundial e  que sua presença no evento se fazia em função de ter sido o proponente da Medalha para os agraciados.

O Maj UNPOL Becker recebeu nesse dia sua terceira medalha em uma única missão de paz , juntamente com as medalhas a serviço da paz e solidariedade de Timor Leste.

O Chefe do Contingente PM brasileiro no Timor, Cel PMDF, também foi condecorado.

Published in: on abril 25, 2011 at 2:36 am  Comments (1)  

The PMDF and the United Nations Peace Operations: A Brief history and Future Perspectives.

MELO NETO, S. C. A., MELO, Antônio Sérgio Carrera de Albuquerque. The PMDF and United Nations Peace Operations: A Brief History and Future Perspectives In: Pearson Papers: “Latin America and Peace Operations: Partners and Perspectives”.1 ed.Clementsport, Nova Scotia : Canadian Peacekeeping Press, 2011, v.13, p. 31-37.

Fonte: http://www.peaceoperations.org/wp-content/uploads/2010/02/Pearson-Papers-Volume-13.pdf

Tolerância Zero para Exploração Sexual numa Missão de Paz da ONU

O “UNMIT Daily Media Review: Morning Edition, 4 April 2011” apresenta um artigo importantíssimo para o mundo das Operações de Paz da ONU, onde trata do tema “Policiais da ONU que cometem crimes são legalmente processados” (UN Police officers who commit crimes are legally processed).

O Representante Especial do Secretário-Geral da ONU no Timor Leste, Ameerah Haq, enfatiza que qualquer Policial da ONU (United Nations Police – UNPOL) que venha a se envolver em crimes no país será devidamente processado.

As ações que contrariam as normas e condutas previstas pelas Nações Unidas, em nível de disciplina e crimes, serão investigadas pela própria Missão de Paz e, em se configurando a ocorrência de um crime, os casos serão encaminhados ao Poder Judiciário, após o Secretário-Geral retirar a imunidade que os UNPOL possuem por representar a Organização.

Nesse sentido, uma das maiores preocupações da ONU está vinculada a conduta de todos os seus membros no que se refere a sua política de “Tolerância Zero quanto a Exploração Sexual” cometida por policiais, militares e civis da ONU. 

A Organização das Nações Unidas é rigorosa, e deve ser, em qualquer ação cometida por um de seus funcionários ou representantes no que se refere ao envolvimento deles na oferta de vantagens pecuniárias ou semelhante à população local ou pessoas de condição social  desfavorecida,  em troca de sexo.

Em 2007, no Haiti, somente o indício de que um pequeno grupo de militares haviam cometido atos de exploração sexual ou condutas semelhantes com mulheres haitianas acarretaram o repatriamento de toda uma Companhia do componente militar da MINUSTAH, composta por  150 (cento e cinquenta) homens.

Há de se esperar que um representante de um país e da ONU não se envolva com o pagamento de prostitutas ou mesmo condicione relações sexuais mediante oferta de vantagens financeiras.  Mais grave ainda dar-se o envolvimento sexual com menores.

Mesmo não sendo recomendado, existe sim a possibilidade da existência de “relações reais” entre membros da ONU com integrantes da população local, como já ocorrera inúmeras vezes, mas NUNCA esta relação deverá ser pautada na troca “sexo x dinheiro”.

É lamentável a conduta de policiais, militares e civis da ONU que não observam as normas internas e colocam em cheque o nome e a credibilidade da Organização e do país de origem dos representantes, especialmente quando se utilizam dos recursos financeiros que dispõem para “comprar” sexo ou algo do gênero.

É motivo de vergonha e humilhação qualquer possibilidade de um brasileiro se envolver ou ser repatriado por motivos como esses. Mas nada mais justo, necessário e imprescindível que a ONU, ou mesmo o chefe de contingente, atue imediatamente e com o devido rigor em casos que venham a manchar e macular o nome de nosso país ou das Nações Unidas por atos repugnantes e com certeza cometidos sem a devida noção da importância do papel que assume ao representar a comunidade internacional em uma ação humanitária/Missão de Paz.

Published in: on abril 6, 2011 at 1:43 am  Comments (1)  

Policial Militar Boina Azul da ONU assume comando da Guarda Municipal do Rio de Janeiro

No dia 05 de abril de 2011, o Coronel Lima Castro, da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro – PMERJ, veterano das Missões de Paz da ONU em Moçambique e no Timor Leste, tendo inclusive exercido a função de SubComissário da Polícia da ONU (UNPOL) no país asiático, assumirá a função de Comandante da Guarda Municipal do Rio de Janeiro.

Na função de Chefe da Comunicação Social da PMERJ, o Cel Lima Castro exerceu importante papel como porta-voz da Corporação fluminense durante as ações no Complexo do Alemão no ano de 2010.

O Evento dar-se-á às 15h do dia 5 de abril, na Sede da Guarda Municipal do RJ, localizada na Av. Pedro II, N. 111, São Cristovão – RJ.

Parabéns e sucesso ao veterano!!!!

SC

Published in: on abril 1, 2011 at 10:52 pm  Comments (1)  

UM COMENTÁRIO SOBRE O TIMOR LESTE

(Díli, Timor Leste, Ásia, jun/2009) 

 

O Timor Leste caminha, a meu ver, com tristeza, a largos passos para se tornar uma terra com pouca identidade cultural devido ao fraquíssimo apego às suas tradições mais genuínas.

A barreira da linguagem é, sem sombra de dúvidas, um elemento que acresce resistências ao que poderia ser fácil esforço de progresso e identificação dos timorenses. A dificuldade de se estabelecer um contato, que não por frações de outros idiomas, dificulta e, por vezes, torna impraticável uma interação prolongada, a não ser que a pessoa domine ao menos três línguas que vão desde o bahasa da Indonésia, que é a língua de memória imposta ao Timor à força, o português herdado de Portugal em centenas de anos de exploração unilateral, a qual bem conhecemos, e o inglês da vizinha Austrália, que é necessário para a maioria dos negócios cotidianos, sejam formais ou não, já que o capital circulante é basicamente oriundo de outros países, aos quais a ONU impõe o uso da língua bretã.

 Nesse complexo conjunto de entendimentos o Tétum, que originalmente deveria ser um idioma nacional, se deforma, contaminado por tantas influências, falta de normatização, reconhecimento de expressões estrangeiras que preencham sua necessidade de entendimento, fugindo à sua gênese de língua singular de um povo.

Aliando a dependência do capital com a necessidade de investir em sustento e qualquer sorte de sonho e perspectiva, o timorense se vê transpassado por estrangeiras ideologias, comportamentos, posturas e entendimentos que o fazem distanciar-se das tradições e perder, quase por completo, a identidade como nativo.

 Não foi ensinado às novas gerações, em meio ao caos das últimas décadas, nem o conhecimento de suas raízes culturais, nem o culto dos seus valores diferenciais.

 Foi “esquecida” a obrigação de preservar a noção de identidade que esse povo possui, exatamente por ser tão diferente dos asiáticos e dos ocidentais. Falo em identidade, uma vez que os timorenses são completamente distintos do restante dos asiáticos por falarem o tétum e o português, por serem quase todos católicos, por terem gostos e uma mentalidade próxima da européia e por, ainda, conservarem elevados valores de família dentro das tradições lulik.

Esse Timor, bem ao sul de qualquer influência da Ásia, tem tudo para justificar ao mundo o fato de merecer ser uma nação independente: já decidiu, por si mesmo, que não quer ser mais uma ilhota da Indonésia perdida no oceano, alijada do cenário dos grandes “tigres” e fadada a nunca ser como Jakarta.

A independência que se precisa buscar nessa ilha de adolescentes, que se tornou o primeiro país do século XXI, além de ser geográfica, econômica e política, é a da ignorância do quanto o povo timorense precisa ser dono, de fato e de direito, desse “lugar onde nasce o sol”.

Published in: on março 30, 2011 at 2:17 pm  Comments (1)  

SOLUÇÕES PARA O TIMOR LESTE

(por Auceri Becker Martins – Maj. UNPOL – UNMIT)

Quem passeia por essas praias e vê tamanha beleza natural carente, a meu ver, apenas de investimento para se tornar um paraíso, percebe que o momento oferta oportunidades incontáveis a quem é administrador ou empreendedor.

No tocante à necessidade de fazer desse um país viável e auto-sustentável, em um primeiro momento, mister se torna viabilizar investimentos na ocupação remunerada, uma vez que a existência de mão de obra qualificada dentro do próprio país, trafega pela consecução de perspectivas de futuro para essa enorme massa de estudantes que, diuturnamente frequenta os ensinos fundamental e intermediário. Penso que a educação profissionalizante é, nesse momento, imperativa para os timorenses como fator de inclusão e construção social.

Um segundo olhar mais profundo, já como pedagogo, percorreria a imprescindível diversificação das especializações técnicas do ensino secundário, que habilitassem esses jovens a preencher os requisitos contidos nos editais de cada área ocupacional. Isso posto, abrir-se-iam perspectivas para que os candidatos aos cargos dentro da administração nacional direta, nativos do Timor Leste, pudessem estudar as leis que tratam especificamente da função pública, recebendo conhecimentos, no mínimo, basilares sobre informática e, mais que tudo, conhecendo a língua portuguesa, posto que seu país é regido por normas portuguesas escritas nesse idioma.

 Para outros cargos como na área das finanças seriam inclusas cadeiras de gestão e contabilidade empresarial. Na pasta da segurança pública, também via processo seletivo, ingressariam os candidatos dotados de conhecimentos elementares das leis e da disciplina militar – reservistas e ex-militares (por exemplo).

Na sua infra-estrutura, o Timor precisa retomar as rédeas do seu destino atacando cirurgicamente seus pontos sensíveis no precário panorama atual, partindo urgentemente para a abertura de novas estradas e reparos da malha existente, onde se abririam oportunidades para técnicos em edificações e cartografia.

Contemplando a urgência no incremento de insumos sociais que passam primeiramente pela restauração das montagens elétricas, para sustentação da atuação do estado junto aos povoados, entendo que nisso se abririam perspectivas aos técnicos em eletrificação e manutenção de redes que emergissem do ensino secundário.

A instalação de postos de saúde e assistência social oportunizaria a absorção de jovens capacitados nas áreas técnicas de enfermagem, secretariado e administração.

Raciocinando em termos de construção de oportunidades, já podemos perceber alguns esforços internacionais de nações amigas do Timor, a exemplo do Brasil que mantém parcerias com a Universidade do Timor Leste, fornecendo profissionais da área da educação para alavancar a nacionalização da língua portuguesa.

O SESI brasileiro já está instalado em território timorense e pode vir a ser o gérmen dessa grande transformação educacional, atuando na capacitação técnica em manutenção de motores e grupo geradores além de outras especializações de nível médio.

Ao se pensar em autonomia administrativa, necessariamente, se precisa raciocinar com arrecadação de impostos. Essa verdade vincula qualquer postulante a possuir recursos humanos diferenciados para que se desenvolva um sistema atual e informatizado de receita e gestão das finanças, que permita identificar seus contribuintes, oportunizando planejamentos estratégicos, elaboração de orçamentos nos três níveis da administração pública, além da perspectiva de processar criminalmente os sonegadores e controlar a massa dos que não podem pagar impostos.

Por fim, em nível de sugestão e abraçando os exemplos que surtiram efeito em outros países, um modelo extremamente útil ao nativo timorense desprovido de cidadania, que se pretende assistir ao discutir as demandas abordadas, seria a criação de muitos “Shopping do Cidadão”, à semelhança do que acontece no Brasil, onde em um mesmo espaço móvel, se disponibiliza todos os serviços públicos de que um cidadão precisa para, ao menos, existir legalmente. Dessa forma, compreendo que começaríamos realmente a fomentar, de maneira consistente, perspectivas reais de um novo amanhã para essa “terra onde nasce o sol”.

Published in: on março 30, 2011 at 2:08 pm  Comments (1)  

Capitão PMPE Domingos em suas atividades diárias na Missão de Paz da ONU no Timor Leste (2010/2011)

O Capitão da Polícia Militar de Pernambuco, Domingos Lindoso da Silva Lorena, encontra-se integrando a Polícia da ONU (United Nations Police – UNPOL)  desde o segundo semestre de 2010.

O Capitão Domingos foi designado para servir no distrito de Covalima, fronteira com a Indonésia. Ele seguiu juntamente com o Tenente Nelson Vieira da PMESP. Em pouco tempo fomos colocados em funções interessantes no Distrito. O Tenente Nelson é o Mentoring Officer, responsável pelo planejamento de todo o treinamento da PNTL (Polícia Nacional do Timor Leste) e o Capitão Domingos foi substituir um colega de Portugal que estava de recesso (CTO).

Domingos ficou temporariamente como Oficial de Operações (Operations Officer). Com o tempo, participou de processo seletivo na ONU para a função de Subcomandante do Distrito e depois de uma entrevista com um painel composto por cinco outros UNPOLs foi designado pelo Comissário da Polícia da ONU (Police Commissioner) como Subcomandante do Distrito (Deputy District Commander). Isso se deu no final de julho de 2010. Desde então o Capitão Domingos estão desenvolvendo um trabalho muito importante e de destaque no Distrito.

Parabéns ao Capitão Domingos e a Polícia Militar de Pernambuco por permitir, ceder e investir em seus policiais militares para representar o Brasil em Operações de Paz da ONU em vários continentes.

Abaixo algumas fotos de suas atividades na promoção da paz no Timor Leste.

Sérgio Carrera

O Capitão Domingos em um briefing do planejamento operacional da Visita do Primeiro Ministro do Timor Leste em Suai, o Xanana Gusmão. Ele estava transmitindo as missões para os Policiais da ONU (United Nations Police – UNPOL). Nesse período, ele estava na função de Oficial de Operações (Operations Officer).

O Capitão Domingos em atividades de mentoring para os policiais timorenses.

“Fizemos uma campanha educativa de trânsito, cujo foco era segurança para os motociclistas. Estava repassando o planejado tanto para os UNPOL quanto para os PNTL (policiais nacionais do Timor Leste).”

Foto (acima) tirada durante a execução do plano de segurança para a visita do Xanana no Sub distrito de Zumalae. O grupo é de guerreiros mauberes, tradicionais no Timor Leste.

Na foto acima, o Capitão Domingos, da PM de Pernambuco, joga futebol com crianças de uma escola no sub distrito de Fohorem, região de montanhas da nossa AOR.

“As últimas duas fotos são do programa de policiamento comunitário em Suai, capital do distrito de Covalima, do qual sou deputy commander hoje. Estamos dando aulas de inglês para crianças de uma comunidade próxima à nossa base. Essa atividade foi muito importante, pois essa escola fica dentro de uma missão evengélica conduzida por brasileiros, que tem sido muito atacada em outros distritos por causa da intolerância religiosa de uma maioria violenta. Em quatro dos treze distritos do Timor Leste essa maioria apedrejou as igrejas evangélicas, incendiou suas instalações e espancou os missionários. Tal problema figura nos relatórios de Direitos Humanos daqui do Timor como uma das maiores violações à liberdade de culto religioso.” (Capitão Domingos, Polícia Militar de Pernambuco)

 “Em Suai, por causa da presença constante da UNPOL nessas aulas de inglês, os mais radicais se acalmaram e, pelo menos, não cometeram até agora, desde que chegamos aqui, os mesmos atos de violência contra essa minoria evengélica. A comundade está tendo a oportunidade de ver que esses religiosos não representam o perigo que dizem e, assim, as pessoas podem desfrutar de outros programas de capacitação para o trabalho que os missionários promovem. Independente da questão religiosa, eles ensinam ao povo coisas como corte e costura, culinária, português, etc. Capacitações que geram uma certa renda extra para as famílias. Até agora esse programa de policiamento está dando certo na medida em que os problemas de segurança envolvendo religião diminuíram em Suai, em relação há dois anos atrás.” (Capitão Domingos, Polícia Militar de Pernambuco)

Published in: on fevereiro 28, 2011 at 1:18 am  Comments (1)  

Police Lieutenant-Colonel Cynthiane, first Brazilian PMDF female officer to participate in a UN Peacekeeping Operations takes command in Brasilia – Federal District, Brazil.

The commander at the ceremony of assumption of office.

Fhoto/Source: Site PMDF.

 

The first female commissioned officer of the Military State Police of the Federal District (PMDF) to join a UN Peacekeeping Mission (East Timor) was recently appointed by the Hon. Mr. General- Commander  of the Department to take the command of the 7th Police Battalion of the Federal District, in charge for the police activities in the cities of Sudoeste, Octagonal and Cruzeiro.

Lieutenant-Colonel Cynthiane, besides being a UN Peacekeeping Mission veteran, is one of very few female police officers to conclude the Special Operations Course (Curso de Operações Especiais – COEsp), i.e., one of the few female Police Special Ops in Brazil, better known in the country as a “Caveira” (Skulls) – name given to all police special operations officer.

Known for her ability to perform great jobs in different activities of professional life, operational and administrative, she´s worked in different local and federal agencies. Her international and national experience will surely contribute to a efficient management and close contact program with the local community.

Success to the blue-beret veteran!!!

SC

Published in: on fevereiro 20, 2011 at 4:26 am  Deixe um comentário  

TC Cynthiane, primeira Oficial da PMDF a participar de uma Operações de Paz da ONU assume comando de Batalhão em Brasília.

A Comandante na solenidade de assunção do cargo.

Foto/Fonte: Site PMDF.

A primeira oficial feminina da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) a integrar uma Missão de Paz da ONU (Timor Leste) foi recentemente nomeada pelo Exmo. Sr. Comandante Geral da Corporação Comandante do 7º Batalhão de Polícia Militar do DF, responsável pelas cidades do Sudoeste, Cruzeiro e Octogonal.

A TC Cynthiane, além de veterana de Missão de Paz da ONU, é uma das pouquíssimas policiais femininas a concluir o Curso de Operações Especiais (COEsp), ou seja, é uma das poucas “Caveiras” mulheres do país.

Conhecida por sua capacidade de atuar em diferentes atividades da vida profissional, operacional e administrativa, atuou em órgãos do DF e do Governo Federal. Sua experiência internacional e nacional com certeza contribuirá para uma gestão eficiente e de estreito contato com a comunidade local.

Sucesso a veterana!

SC

________________________________________________________________________________________________

O 7º Batalhão da PM agora é liderado por uma mulher que já treinou no Bope

Os 200 policiais militares do 7º Batalhão de Polícia Militar do DF responsáveis pela segurança das respectivas cidades, serão comandados por uma mulher a partir de agora. É uma tenente-coronel de 38 anos, que trabalha na Polícia Militar há 19 anos.

“Espero representar bem as mulheres” afirma  Cynthiane Maria Santos Paiva. “Sou policial de paixão e visto a camisa mesmo!”orgulha-se., Ela diz que a gestão do comandante anterior deu certo e,  por isso,  dará continuidade aos projetos elaborados para os próximos anos.

“Sentei aqui hoje, não convém mudar o que está dando certo”, diz ela, que já ouviu as demandas da comunidade e no primeiro dia de trabalho,  ontem,  realizou uma operação nas cidades em que comandará o policiamento, como Cruzeiro, Octogonal e Sudoeste.  “À medida que eu for me ajustando, o batalhão ficará com minha cara”, planeja.

E se o batalhão herdar as caracteristicas de sua comandante, será duro com bandidos e exemplar em auxiliar socialmente. Cynthiane foi a primeira militar do DF a viajar em uma missão de paz pela Organização das Nações Unidas (ONU). No caso, para o Timor Leste.

Fonte: Clicabrasilia.

Published in: on fevereiro 20, 2011 at 3:57 am  Comments (2)  

Solenidade no Timor Leste em homenagem as vítimas do terremoto de 12 de janeiro de 2010 no Haiti (Haiti Earthquake memorial service)

(Haiti Earthquake memorial service- SRSG Haq accepts wreath – 13 Jan 2011)

(Haiti Earthquake memorial service- UN flag is lowered to half mast- 13 Jan 2011)

(Haiti Earthquake Memorial Service – UNMIT Senior Staff  observe minute of silence – 13 Jan 2011)

 

Published in: on janeiro 14, 2011 at 9:30 pm  Deixe um comentário  

Coronel Lima Castro a “Voz” da PMERJ nas operações do Alemão é veterano de 2 missões da ONU

As imagens de traficantes em fuga, homens fortemente armados e veículos militares galgando posições na favela vão ficar gravadas na memória de quem acompanhou a batalha do Alemão. Nunca o trabalho da polícia foi tão explorado em imagens, com direito a transmissão em cadeia nacional de TV e um contingente de comentaristas capaz de expor ao vivo os sucessos e fracassos da operação. Enquanto 2.700 homens conquistavam o Alemão, uma tropa de não mais que meia dúzia de policiais era escalada para uma missão não menos complexa: explicar para o grande público e um pelotão de jornalistas os movimentos da maior ação policial de que se tem notícia no Brasil.

Para quem estava acostumado a ver policiais assassinando plurais e chamando criminosos de “meliantes”, a tropa da comunicação surpreendeu. E sobreviveu, com algumas frases que, ao lado das imagens fortes, concorrem para entrar para a história da ocupação do Alemão. “Quem quiser se entregar que faça-o agora”, sugeriu o comandante da PM, coronel Mário Sérgio Duarte, pouco antes da invasão, criando uma espécie de epíteto para a tomada das favelas.

Quando não estava presente o comandante, o microfone era do também coronel Lima Castro, relações públicas da PM, e do tenente-coronel Paulo Henrique Moraes, comandante do Bope. Com os delegados Allan Turnowski, chefe de Polícia, Ronaldo e Rodrigo Oliveira, estava formado um pequeno e afinado coral, que se revezou diante das câmeras sem escorregões e aparentemente blindados contra a saraivada da imprensa. Lima Castro, sem sombra de dúvida, o mais solicitado, mantido em uma espécie de plantão na Rede Globo, de onde reproduziu com fidelidade a ordem de rendição do chefe, em uma entrevista.

Cecília Ritto

O relações públicas da PM, coronel Lima Castro, exibe uma das apreensões de maconha: experiência em missões internacionais de pazLima Castro em ação: experiência em missões de paz

Entrevistas, aliás, passaram a integrar os treinamentos da tropa de comunicação. Em simulações de situações embaraçosas, os homens da linha de frente da PM começaram mergulhar em uma espécie de ‘mídia training’ – o processo de treinamento de presidentes e executivos de grandes empresas para enfrentar entrevistas.

Direitos humanos – Lima Castro serviu três anos e meio em missões de paz da PM. Esteve em Moçambique em 1993 e 1994, e no Timor Leste em 2000 e 2001, onde também comandou a polícia das Nações Unidas. “Poucos brasileiros sabem que desde 1993 a PM trabalha em missões de paz pelo mundo. Neste momento mesmo, policiais estão derramando seu sangue fora do país, lutando por outros povos”, afirmou, no domingo, dando provas de que conhece a diferença entre um interlocutor fardado e aqueles armados com gravador, caneta e bloquinho.

Fonte: VEJA. (Veja matéria completa)

http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/a-tropa-de-choque-a-servico-da-comunicacao

Published in: on novembro 30, 2010 at 10:36 pm  Deixe um comentário  

Ban Ki-moon calls on Portugal to increase number of women police officers in Timor-Leste

E o Brasil??????

Sérgio Carrera

_____

UNMIT Daily Media Review: Afternoon Edition, 23 November 2010

“I am calling on Portuguese President Anibal Cavaco Silva to send more women police to Timor-Leste,” said Ban Ki-moon.

Ban Ki-moon made the call following Portugal’s election to become a non-permanent member of the UN Security Council for 2010-2012. National News
· Ban Ki-moon calls on Portugal to increase number of women police officers in Timor-Leste
· HAK Director: Think carefully before allowing civil security officials to carry weapons
· Council of Ministers bans government officials from holding foreign visits
· PNTL officers who participated in 2008 joint operation to receive medals
· PNTL Commander Afonso de Jesus: Human trafficking is exists in the country
· MP Pereira: KAK should be ready to face risks
· Government authorizes EGS joint venture to start feasibility study on the Timor Sea
· Parliament calls on Gusmão to reduce number of advisors in the Finance Ministry
· Fretilin thanks Bishop Nascimento for his concerns over general state budget
· DSMPPTL urges investigation into leaders

International News
· Lusa News Agency (Portugal): Departure of the United Nations [mission] after 2012 will be planned by a Steering Committee

National News

Ban Ki-moon calls on Portugal to increase number of women police officers in Timor-Leste
Diário Nacional

Secretary General of the United Nations, Ban Ki-moon called on Portugal to increase the number of its women police officers in Timor-Leste.

“I am calling on Portuguese President Anibal Cavaco Silva to send more women police to Timor-Leste,” said Ban Ki-moon.

Ban Ki-moon made the call following Portugal’s election to become a non-permanent member of the UN Security Council for 2010-2012.

HAK Director: Think carefully before allowing civil security officials to carry weapons
Suara Timor Lorosae

Director for the Timorese Human Rights Association (HAK) Rui Viana said that it is important to create a proper balance and think carefully before allowing civil security officers to carry weapons.

“It is important for the government and the State to think and properly analyze the proposal presented by the United Nation Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT),” said Viana.

Viana said that he disagrees with UNMIT’s expert, Andre Thorsen who proposed that the Timorese Government allow civil security officers to carry weapons.

Council of Ministers bans government officials from holding foreign visits
Suara Timor Lorosae

Secretary of State for the Council of Ministers, Hermenegildo Pereira said the Government had decided to ban its officials from holding foreign visits. The decision was made in the Council of Ministers’ meeting.

“Looking at the necessity of improving the plan and work carried out by the Government officials, the Council of Ministers decided to ban government officials from holding foreign visits in the future,” said Pereira.

Pereira added that the Council of Ministers has also analyzed the transitional work by the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT), as requested by the Special Representative of the UN Secretary-General to Timor-Leste, Ameerah Haq.

Pereira also said the objective of analyzing the request was to identify UNMIT’s plan to end its mission in the country and to see the 2012’s general elections.

Pereira added that the Council of the Ministers had decided to set up a committee, so that the committee could make a plan to develop the transition.

PNTL officers who participated in 2008 joint operation to receive medals
Diário Nacional

Deputy Timorese Police Commander, Commissioner Afonso de Jesus confirmed that the Timorese National Police (PNTL) officers who took part in the joint operations in 2008 will receive medals from the government.

“I think this is an important issue which needs to be discussed with the PNTL’s General command, but I have information that the ceremony to bestow the medals will be realized shortly,” said Commissioner Police de Jesus.

De Jesus also called on all the people to cooperate with the PNTL and inform them about foreigners who enter the country illegally as it is part of combating human trafficking in the country.

PNTL Commander Afonso de Jesus: Human trafficking exists in the country
Suara Timor Lorosae

Deputy Timorese National Police (PNTL) Commander, Commissioner Afonso de Jesus said human trafficking had been found to exist in Timor-Leste; therefore he called on all people to cooperate with the PNTL to fight it.

“I think it is important for the people to contribute to collaborating with the PNTL on how to discover human trafficking which exists in the country,” said Commissioner de Jesus.

The International Organization Migration (IOM) through the Inter-Agency Trafficking working Group (ITWG) conducted a survey from 2003 to 2007 which found that human trafficking exists in the country, and has involved people from Myanmar, Thailand, Indonesia, China and the Philippines.

MP Pereira: KAK should ready to face risks
Suara Timor Lorosae

MP Cipriana Pereira called on the Anti-Corruption Commission (KAK) officers to be ready to face risks in combating corruption in the country.

MP Pereira made the statements following KAK Commissioner, Aderito de Jesus Soares’ recent comment that KAK had started analyzing and investigating corruption cases.

Pereira said that criminal cases such as corruption are complex.

“Fighting against corruption is a major challenge and therefore they should be ready to face risks. It sometimes requires sacrifice,” said MP Pereira.

Government authorizes EGS Joint Venture to start feasibility study on the Timor Sea
Suara Timor Lorosae

The Council of Ministers has decided and authorized the international company Toke EGS Joint Venture to start holding a feasibility study on the Timor Sea before setting up an LNG plant in Beasu, Viqueque District.

Secretary of State for the Council of Ministers, Hermenegildo Pereira said the company which won the tender was Toke EGS Joint Venture and therefore the government had decided and allowed them to start feasibility study.

“The Government made a decision in the meeting of the Council of Ministers held on November 10 to hold a maritime investigation for LNG plant of Timor-Leste in Beasu to set up a logistics base that will help facilitate oil exploration in the southern coast and therefore the Council of Ministers is allowing the Toke EGS joint venture to do the study,” said Pereira.

MP Adriano do Nascimento from the Democratic Party (PD) said it is important to the government to seek a company which has good experience and capability to hold a feasibility study to support implementation of the government’s plan.

Parliament calls on Gusmão to reduce number of advisors in the Finance Ministry
Diário Nacional

MP Adriano do Nascimento from the Democratic Party (PD) called on Prime Minister Xanana Gusmão to reduce the number of advisor in the Ministry of Finance, because it has 75 advisors, which is more than other government ministries.

MP Nascimento made the statement regarding PM Gusmão’s recent comments saying Timor-Leste should not become a state full of advisors.

“If Prime Minister Gusmão makes such a statement then I am calling on him to immediately reduce the number of advisors within the Ministry of Finance to reduce the money expenditure,” said MP Nascimento.

MP Aniceto Guterres said there were many international advisors in the country, because to they are friends of the ministers and were called by the ministers to come work in the country.

“We should to have the self-confidence that Timor-Leste becomes an independent country because we have the capability. We have to make efforts to be independent in implementing the programs,” said MP Guterres.

Fretilin thanks Bishop Nascimento for his concern over general state budget
Diário Nacional

MP Aniceto Guterres from the Fretilin Party thanked Bishop for Baucau Diocese, Monsignor Basilio do Nascimento for his concerns over the huge amount of the general state budget.

MP Guterres agreed with Monsignor Nascimento’s recent statements that the government had allocated a lot of money in 2010, but no positive results were gained, as people in the rural areas have not yet benefited.

“We have said that the Parliamentary Majority Alliance (AMP) is incapable; therefore I think Bishop Nascimento’s concern is good as it in part conveys what is thought by the people. Fretilin has said so many times, but people reject it,” said MP Guterres.

MP Manuel Tilman from the Association of Timorese Heroes party (KOTA) agreed with Prime Minister Xanana Gusmão to propose US$ 985 million for the 2011 general state budget as it is aimed at professionalizing the Timorese people through human development.

MP Adriano do Nascimento from the Democratic Party (PD) also agreed with the Government’s plan to prioritize education in the country.

DSMPPTL urges investigation into leaders
Timornewsline

The Timorese Students Council (DSMPPTL) urged the Anti-Corruption Commission (KAK) to investigate the country’s leaders who are suspected of involvement in corruption.

Many people are concerned about government involvement in corruption and the DSMPTL also criticizes government officials who are still driving official cars to go on picnics when they are on leave.

A DSMPTL Representative called on KAK to stand firm in fighting corruption in the country.

“We the DSMPPTL do not accept acts of corruption, because it is a violation against humanity which is like terrorism, and could have a negative impact on the development of the country,” he said.

Casiano called for all leaders to show political maturity and be an example to the young Timorese in the country’s development

International News

Departure of the United Nations [mission] after 2012 will be planned by a Steering Committee
Lusa News Agency (Portugal), November 22, 2010
 
Dili, 22 Nov (Lusa) – A Steering Committee comprised of Timorese Government and UN representatives will established the exit plan of the United Nations [mission] from Timor-Leste, which is scheduled for after the 2012 elections, today announced an official source.

The decision to establish a Steering Committee for the transition was made following a meeting between the Special Representative of the United Nations Secretary General, Ameerah Haq, along with other officials of the UN Mission (UNMIT) and the Timorese government.

According to information from the Government of Timor-Leste, “The Council of Ministers decided that focal points will be established (either by UNMIT or the Government) for the formation of a Steering Committee that will plan and develop the transition.”
The meeting of the Government with Ameerah Haq was intended to “present the organization’s plans regarding the departure of the United Nations mission from Timor-Leste, scheduled for 2011 and 2012, taking into account the 2012 elections” .

“The transition of responsibilities still assumed by UNMIT to national authorities requires planning, organization and coordination between both parties – the UN and the Government of the Democratic Republic of Timor-Leste – in order that this withdrawal happens in a structured way and mitigates effects that may result from this exit, which will take place over the next two years,” justifies a statement from the Council of Ministers.

Currently, the United Nations Mission in Timor-Leste has 1,480 police and 33 military liaison officers, 352 civilian staff employees, 898 local civilian staff and 173 volunteers.

UNMIT was established in August 2006 by a United Nations Security Council resolution, following a political, humanitarian and security crisis that erupted in Timor-Leste in April and May of that year.

The mission was mandated to assist the Government in “consolidating stability, enhancing a culture of democratic governance”, and facilitating political dialogue between the parties with a view to national reconciliation and foster social cohesion.

Disclaimer
This media summary consists of selected local media articles for the information of UN personnel. The public distribution of this media summary is a courtesy service extended by UNMIT on the understanding that the choice of articles translated is exclusive and the contents do not represent anything other than a selection of articles likely to be of interest to a United Nations readership. The inclusion of articles in this summary does not imply endorsement by UNMIT.

Published in: on novembro 23, 2010 at 4:08 pm  Comments (1)  

Tenente PMDF Werner Miquelino coordena e ministra instruções de policiamento de trânsito para policiais do Timor Leste

O 1° Tenente Werner Miquelino, da PMDF, foi designado pela organização e planejamento do Curso Básico de Policiamento de Trânsito para os policiais timorenses da Unidade de Trânsito da capital do país, Díli Traffic Unit.

O Tenente Miquelino relata:

“Ministrei instruções de Highway Code, que é o Código de Estrada do Timor e também de Traffic Police Enforcement, onde passei toda a técnica de policiamento de trânsito utilizada no Brasil. O curso foi para os policiais do Timor Leste que trabalham comigo no Dili Traffic Unit e já terminamos duas turmas de sete dias úteis cada uma, onde 27 policiais concluiram o curso. O total de policiais timorenses no trânsito são 62 e, com isso, pretendemos concluir esta primeira etapa com todos para em seguida continuarmos evoluindo e desenvolvendo treinamentos. Para as próximas turmas já sugeri aumentar para 10 dias para podermos detalhar melhor o curso.”

 Os policiais da Polícia National do Timor Leste – PNTL também receberam treinamento com outros instrutores, nas áreas de Crime Investigation (que é a parte da legislação penal do Timor Leste), Traffic Accident Management, Task Force e First Aid.

O distinto policial militar brasileiro tem vasto conhecimento na área de policiamento de trânsito, com cursos de especialização e atuação em unidades especializadas da PMDF. Ele também é instrutor em cursos na Corporação e no DENATRAN.

O Oficial nos informa que a situação está um pouco duvidosa para as próximas semanas, visto que está previsto para o dia 28 deste mês de novembro o hand over para a PNTL, assim, não se sabe ao certo como será atuação dos UNPOL no distrito de Díli.

Published in: on novembro 20, 2010 at 1:23 am  Comments (7)  

Nova Logo da Polícia da ONU no Timor Leste – UNMIT (New UNPOL Logo in East Timor – UNMIT)

 

Published in: on novembro 7, 2010 at 3:50 am  Comments (1)  

UN Female police officers (UNPOL) in East Timor (Policiais Femininas da ONU no Timor Leste)

Everyday, hundreds of female police officers from all around the world perform their police activities supporting local police forces as United Nations Police (UNPOL). Here you can take a lot at some pictures of international female UNPOL in East Timor. Currently, the UN Special Representative of the Secretary-General (SRSG) and the UNPOL Chief of Personnel Management & Administration Department (CPMAD) are ladies.

Brave women from Australia, Brazil, China, New Zeland, Pakistan, Sweden, Thailand.

Todos os dias, centenas de policiais femininas de vários países do mundo desempenham suas atividades policiais em suporte às forças policiais locais como Policiais da Organização das Nações Unidas (United Nations Police – UNPOL). Abaixo, encontram-se algumas fotos de policiais femininas da ONU no Timor Leste. Atualmente, a Representante Especial do Secretário-Geral da ONU  e a Chefe de Gestão de Pessoal e do Departamento Administrativo são mulheres.

Mulheres de coragem da Austrália, Brasil, China, Nova Zelândia, Paquistão e Tailândia.

Sérgio Carrera

Brazilian UNPOL Lígia in East Timor – Díli, 2010:

Nota: Agradecimento ao Capitão PMDF Rodrigo Campos pelo apoio.

Published in: on outubro 29, 2010 at 11:06 pm  Comments (1)  

Oficiais da PMDF são agraciados com a Medalha Solidariedade Timor Leste

Nove policiais militares foram agraciados na manhã de hoje (27) com a medalha Solidariedade Timor Leste. A entrega da medalha visa homenagear policiais militares que participaram da missão de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), no Timor Leste no ano de 2009.

A solenidade ocorreu no salão nobre do Palácio Tiradentes e foi presidida pelo Comandante-Geral da Polícia Militar, coronel Luiz Renato Fernandes Rodrigues e contou com a presença do Subcomandante, coronel Ceso Daier Gomes, do Excelentíssimo Senhor Domingos Francisco de Jesus de Souza, Embaixador do Timor Leste no Brasil, do Senhor Brigadeiro do Ar José Maria dos Santos, comandantes de unidades e familiares.

 

FONTE: SITE DA PMDF.

Published in: on outubro 28, 2010 at 1:56 am  Comments (2)  

Tenente PMDF Miquelino assume funções na área de trânsito no Timor Leste

Logo após a sua chegada o Timor Leste e a realização do Induction Training Week, o 1 Tenente PMDF Werner Miquelino foi classificado, assim como a maioria dos novatos de Missão, nas funções de patrulhamento ostensivo no Distrito de Díli. Visto o seu CV com larga experiência na área de trânsito foi remanejado, juntamente com o Capitão PMDF Robson Magalhães, para o a Unidade de Trânsito da UNPOL. Agora , o Tenente Miquelino foi designado encarregado por fazer o planejamento e coordenar um Curso de Trânsito para os policiais timorenses, com base no Código de Trânsito do país. O nobre policial militar brasileiro encontra-se no momento realizando estudos para o projeto, que será conduzido no idioma inglês, oficial da Missão de Paz, mas com tradução simultânea para o Tétum, idioma falado pela grande maioria da população local. Sorte e sucesso ao competente e profissional Oficial!

Confira algumas fotos do Tenente Miquelino no Timor Leste:

Published in: on outubro 24, 2010 at 3:29 pm  Comments (20)  

Componente policial brasileiro no Timor Leste (out 2010)

Em 2007, visando um mínimo de padronização de uniformes para os UNPOL brasileiros, criamos um modelo e passamos a utiliza-lo no Haiti. Desde então, todos os efetivo passaram a utilizar a camisa (gola polo) com o Brasão da República Federativa Brasileira, bandeira do Brasil, da PM de origem, da ONU e etc. Essa foto, do nosso maior contingente em Operações de Manutenção da Paz, 20 PMs no Timor Leste, apresenta uma “identidade brasileira para os nossos UNPOLs” no Timor. Vale ressaltar que os uniformes de origem também podem ser utilizados, em especial, em solenidades e eventos operacionais e etc. De toda forma, em situações que faz-se necessário maior presença dos policiais brasileiros, existe hoje essa possibilidade!

Parabéns ao contingente!

Abs,

Sérgio Carrera

Published in: on outubro 12, 2010 at 2:19 am  Deixe um comentário  

Capitão PMDF Robson Magalhães envia primeiras fotos desde o Timor Leste (out 2010)

Capitão PMDF Robson no Centro de Formação da Polícia Nacional de Timor-Leste (out 2010):

Capitão PMDF Robson na Sede do SubDistrito da Estação Policial de Díli (out 2010):

Capitão Robson em patrulhamento no Distrito de Díli, outubro de 2010:

Capitão PMDF Robson em patrulhamento noturno na capital timorense (out 2010):

Published in: on outubro 12, 2010 at 2:04 am  Comments (4)  

LANÇAMENTO DO LIVRO “HISTÓRIA DA RESISTÊNCIA TIMORENSE”

A Embaixada de Portugal – Instituto Camões e a Thesaurus Editora convidam para o

LANÇAMENTO DO LIVRO “HISTÓRIA DA RESISTÊNCIA TIMORENSE ” DO EMBAIXADOR DOMINGOS DE SOUSA

A realizar-se em 13 de Outubro, Quarta-Feira, às 19h00, no auditório do Centro Cultural do Instituto Camões, na Avenida das Nações, SES, Quadra 801, Lote 02. 

Sobre o autor: Domingos Francisco de Jesus de Sousa, nasceu em Laleia, Manatuto, Timor-Leste.

Cursou Filosofia no Seminário Maior de Évora (Portugal) entre 1968 e 1972.
Frequentou o Curso de Humanidades na Faculdade de Filosofia de Braga (Portugal) em 1973.
Estudou Ciências de Educação no Instituto de Educação de Professores pertencente aos Padres Jesuítas em Jogyacarta (Indonésia) entre 1980 e 1985.
Fez o Mestrado na área de Educação na Universidade Pittsburgh, Pensilvânia (E.U.A.) entre 1988 e 1990.

Foi membro do Conselho /Nacional de Resisitência Timorense (CNRT) e Presidente do Forum Sarjana Pro Referendo Dan Pengembeangan
Timor-Leste (FORSAREPETIL) / Associação dos Licenciados para o Referendo e Desenvolvimento de Timor-Leste.

Foi designado para o cargo de Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário para a República Federativa do Brasil cargo que atualmente desempenha.

Obras publicadas: OLOBAI 75, Diário Pessoal escrito na prisão da FRETILIN e COLIBERE, um herói timorense.

Maiores informações: Editora Thesaurus (003561) 33443738 / 33662920

Contamos com a sua presença!

O Director do Centro Cultural – Instituto Camões no Brasil 

Adriano Jordão
Conselheiro Cultural 

INSTITUTO CAMÕES – EMBAIXADA DE PORTUGAL
SES Av. das Nações, Quadra 801, Lote 02 – CEP 70402-900 Brasília-DF
Tel: (0xx61) 3032.9600 – Fax: (0xx61) 3032.9634 – Site: www.institutocamoes.org.br
Mail: geral@institutocamoes.org.br

Published in: on outubro 9, 2010 at 6:06 pm  Deixe um comentário  

UN Mission in TL is more successful than UN Missions in other countries

Suara Timor Lorosae 

President of the UN Security Council, Ruhakana Rugunda said the UN Mission in Timor-Leste has been the most successful UN Mission compared with those in other countries. 

Lusa [Portuguese News Agency] reported that the UN Security Council will discuss security issues in Timor-Leste and it will also look at the UN Mission in the country. 

The UN Security Council will discuss the report from the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT), to be submitted on the 15th of this month 

Lusa stated that on October 19, the UN Security Council will discuss progress in Timor-Leste. 

The UN Security Council Meeting will specifically discuss the security responsibility from UNMIT to the Timorese National Police (PNTL). 

The resumption of PNTL responsibility for districts will gradually be handed over. 

“The UN in charge of the security sectors in Timor-Leste because of politics and the military crises in 2006,” read the Lusa statement. 

The resumption of responsibility from UNPOL to PNTL is based on PNTL preparation in each district, and the UN perspectives that they will leave Timor-Leste in 2012 in a step by step process.

Published in: on outubro 7, 2010 at 3:47 am  Comments (1)  

Coronel PMDF Matias toma depoimento no PSDO na UNMIT (2010)

Published in: on setembro 26, 2010 at 1:00 pm  Comments (2)  

02 mulheres compoem o novo contingente policial brasileiro na Missão de Paz da ONU no Timor Leste

Duas policiais estão dentre os 14 policiais militares brasileiros que partem no próximo dia 10 de setembro de 2010 para a Missão de Paz da ONU no Timor Leste, sendo uma Capitão da PM da Bahia e uma Tenente da PM de São Paulo.

Dentre os 14 novos UNPOL estão 06 da PMDF, 02 da PMBA, 03 PMESP, 01 BMRS, 01 PMSC, e 01 PMPE.

Fé, Força e Sabedoria a todos!

Sérgio Carrera

Published in: on setembro 6, 2010 at 11:10 pm  Deixe um comentário  

Embarque para o Timor Leste confirmado (Set – 2010)

Os 15 policiais militares designados e jåa aprovados em todas as fases, inclusive junto a ONU, para comporem a Missäao de Paz no Timor Leste, embarcam no proximo dia 10 de setembro de 2010 para Dili!!!

O efetivo de 6 PMs brasileiros aumenta agora para 21!!! Que continue aumentando!

All the Best to all of you!

SC

Published in: on agosto 29, 2010 at 8:16 pm  Deixe um comentário  

PMDF recebe documento do Exército oficializando a aprovação dos PPMM indicados para a Missão de Paz no Timor Leste

Os 6 oficiais da PMDF que tiveram seus nomes aprovados pelo DPKO e já realizaram entrevistas por telefone poderão dar continuidade aos procedimento de pré-embarque para o Timor Leste, visto o recebimento por parte do Exmo. Sr. Comandante-Geral da PMDF do Ofício do COTER confirmando o nome de todos na última sexta-feira, dia 06 de agosto de 2010.

O Embarque está previsto para as próximas semanas.

A burocracia que antecede é muito grande, mas visto que alguns dos integrantes do Grupo já são veteranos, a tendência é que os trâmites sejam mais facilmente desenrolados.

Sucesso aos amigos!

Sérgio Carrera

Published in: on agosto 8, 2010 at 6:20 am  Deixe um comentário  

Novo contingente PM se forma para o Timor Leste (julho 2010)

Mais 6 policiais militares são indicados para o Timor Leste:

03 da PM de São Paulo

02 da PM do Paraná

01 da PM (Brigada Mlitar) do RS

Com os da PMDF, até agora, temos um total de 10 PM brasileiros com embarque previsto para o próximo mês.

Sucesso aos peacekeepers!

SC

Published in: on julho 10, 2010 at 1:07 am  Deixe um comentário  

Mais 2 policiais militares do DF são indicados para o Timor

Conforme postagem anterior, a PMDF indicou mais 2 Pms para a Missão de Paz da ONU no Timor Leste e o EB ainda precisa de 3 nomes para completar as vagas oferecidas ao Brasil.

Os Estados e Corporações PM precisam analisar os benefícios da participação de efetivo de seus Quadros em Missões de Paz bem como incentivar seus policiais a estudarem para essa experiência internacional.

Sérgio Carrera

Published in: on julho 10, 2010 at 12:52 am  Deixe um comentário  

03 policiais militares do DF são indicados para a Missão de Paz da ONU no Timor Leste (julho 2010)

Visto o aumento da quantidade de vagas para o Brasil (?), a PMDF, atendendo a solicitação da IGPM/COTER/EB, indicou o nome de 03 oficiais (01 – CAP, 01 – 1º TEN e 01 -2º TEN) para a Missão de Paz da ONU no Timor Leste, com embarque para os próximos 30 dias.

O Exército carece de mais nomes, mas, segundo informações, a Corporação indicará mais voluntários habilitados no segundo semestre.

Será a primeira experiência em Operação de Paz da ONU para os 3 policiais militares!

Parabéns e bem nos representem!

SC

Published in: on julho 8, 2010 at 1:38 am  Comments (2)  

Policiais militares brasileiros chegam ao Timor Leste para compor Missão de Paz da ONU (2010-2011)

O efetivo policial militar brasileiro chegou nos últimos dias em Dili, capital do Timor Leste, a fim de incorporar a Polícia da ONU (UNPOL). Eles encontram-se na induction training week e nos próximos dias serão classificados.

Efetivo UNPOL Brasil no Timor Leste 2010/2011:

(05) Coronel PMDF Matias, Coronel PMDF Edilson, o Maj PMAL Rhonady, o Capitão PMPE Domingos e o  1 Ten PMESP Vieira.

Sorte aos nobres policiais militares boinas azuis!

SC

Published in: on junho 24, 2010 at 12:13 am  Deixe um comentário  

Policiais militares brasileiros são condecorados com a Medalha da Solidariedade de Timor Leste

 

Capitão PMPE Augusto Vilaça remete informações sobre condecoração de policiais militares brasileiros no Timor Leste: 

“Atendendo à recomendação assinada pelo Embaixador do Brasil em Timor Leste, Dr. Edson Marinho Duarte Monteiro, o Exmº Dr José Ramos Horta, Presidente da República Democrática de Timor Leste, concedeu aos brasileiros componentes do atual contingente de UNPOL na UNMIT, a Medalha da Solidariedade de Timor Leste, em reconhecimento pelos trabalhos prestados na ajuda ao desenvolvimento desta jovem nação. 

A entrega foi feita pelo próprio Embaixador do Brasil, na data de 06.05.2010, em almoço promovido pela Embaixada, e contou com a participação do Deputy Police Commissioner for Operations, UNPOL Idris Ibrahim, e dos membros do atual contingente para maio de 2010. 

Com o sentimento de dever cumprido, deixamos o país e retornamos aos nossos lares, nossas famílias e nossas Corporações. Ao Timor Leste, nosso desejo de sucesso nessa caminhada rumo ao desenvolvimento. Aos próximos missionários, votos de boa sorte e a certeza de que se esforçarão para manter o elevado padrão de trabalho verde-amarelo na UNMIT. 

Ainda dentro do assunto, queremos informar que os veteranos brasileiros que aqui estiveram pós 2006 (de acordo com o que prescreve a lei que criou a medalha), também foram incluídos na iniciativa do Embaixador, que já tem a posse das medalhas e certificados nominais, e está providenciando o envio para o Brasil via mala diplomática.”

Obrigado ao amigo Vilaça pela notícia e as minhas escusas pela demora em publica-las!

Parabéns a todos os policiais militares que estiveram no Haiti entre os anos de 2009 e 2010!

Abraço,

Sérgio Carrera

Published in: on junho 3, 2010 at 12:33 am  Deixe um comentário  

Boina Azul é promovido no Timor Leste

 

“Estimaria inicialmente, pedir o parabém para o Capitão Onierbeth”  

Com essa frase, encaminhada por seus mais próximos amigos do Timor Leste, gostaria de parabenizar pela promoção ao posto de Capitão da Polícia Militar da Paraíba (PMPB), o UNPOL Onierbeth Elias de Oliveira.   

Há poucos dias antes do fim de sua Missão de Paz no Timor Leste, Onierbeth foi justamente promovido ao posto de Oficial Intermediário de sua Corporação, coroando assim o seu tour sob a égide das Nações Unidas.

Durante os 12 meses que esteve no Timor Leste, ele integrou a patrulha do Distrito de Dili, capital do Timor, e, após alguns meses, se candidatou à vaga de instrutor de armamento na Academia da PNTL, onde está até o fim da Missão. 

A respeito de suas características, um policial militar, que tem o prazer de conviver com ele, relata: 

 “Ele é uma pessoa extremamente profissional, responsável e esforçada. É o tipo de pessoa com a qual sempre podemos contar, com  espírito agregador e apaziguador (…)” 

Ao carismático amigo e dedicado profissional os votos de muito sucesso no novo posto e o reconhecimento de todos os veteranos, seus amigos e familiares pelo excelente trabalho que realizou no país. 

Grande abraço, 

Sérgio Carrera

Published in: on abril 24, 2010 at 3:12 pm  Comments (2)  

Oficial veterano de Missões de Paz da ONU assume comando de Unidade PM no DF

O Major Leonardo Sant’anna, veterano das Operações de Paz da ONU em Angola e Timor Leste, foi nomeado em 09 de março de 2010, como comandante do 14o BPM da PMDF, responsável pela Região administrativa de Planaltina – DF.

Oficial com vasta experiência internacional, e especializado na área de negociação policial (chefe de equipe de Negociadores PMDF) e em outros cursos policiais (ver mais CV), o Oficial blogueiro exerceu, dentre várias funções, o subcomando do Batalhão Barão do Rio Branco (Diplomatic Police Unit) e do Batalhão de Operações Especiais (BOPE).

Muito sucesso e sabedoria, meu amigo!

Abraço e a disposição!

Sérgio Carrera

Published in: on março 16, 2010 at 3:24 am  Deixe um comentário  

Morre em Dili o Sub-chefe da Missão da ONU no Timor Leste

Foi postado hoje por meu amigo Marco Antonio:

“A Missão de Paz da ONU no Timor Leste, divulgou comunicado oficial anunciando a morte do Sub-chefe da Missão. O Japonês Takahisa Kawakami estava no cargo desde setembro de 2008 e, segundo o comunicado, morreu de causas naturais em sua residência na capital timorense. Kawakami também havia trabalhado nas missões da ONU no Camboja e no Afeganistão.
Leia a reportagem na íntegra no site da
Rádio ONU.”

Published in: on março 16, 2010 at 2:19 am  Deixe um comentário  

Capitão PMDF Tarciso embarca em vôo da ONU no Timor Leste.

O então-Capitão PMDF Tarciso Andrade Júnior em Dili (Timor Leste) aguardando embarque para Darwin (Austrália), em vôo diáirio da ONU na Missão de Paz no Timor Leste. (2000-2001). Veja mais sobre o Oficial aqui.

Published in: on março 4, 2010 at 12:16 am  Deixe um comentário