Chronicling an Everyday Rape in Haiti

By Athena Kolbe e Robert Muggah.  

A text message was the first sign that something was wrong: “Nou genyen yon pwoblem” (“We have a problem”). A flurry of phone calls and emails ensued. In the week after Hurricane Sandy hit Haiti, our research team was south of the capital, Port-au-Prince, assessing the state of post-disaster crime and service provision in the wake of hurricane Sandy. The SMS was from a member of our team, an enthusiastic and bright graduate student we’ll call “Wendy.” It turns out that she was walking alone a few blocks from our hotel when she was accosted, forced into a house, and brutally raped.

The first priority was to ensure Wendy received medical attention. A doctor was tracked down but he refused to examine Wendy saying she needed to be seen by the authorities first. The police were contacted and after a grueling interview in which one repeatedly asked Wendy, “What did you do to make him violate you?” the officers said she was free to be seen by the doctor. The doctor, however, could not be located and did not respond to cell phone calls and texts. Police wryly suggested that he likely wished to avoid getting involved.

Haitian law requires rape victims to be examined within the first 70 hours by a doctor in order to “certify” the event occurred. This step is necessary in order to prosecute the perpetrator, though few victims are able or willing to satisfy this requirement. The reasons for which quickly became apparent. Police referred Wendy to a public clinic in the nearest town, a three-hour drive over roads washed out by the hurricane. When Wendy arrived she was told the doctor assigned to the clinic was out. No one knew when he would return and he had not been seen in weeks. A nurse mentioned that the doctor might be working at the private clinic he ran near his home.

It was now more than 16 hours since the attack. Wendy had neither slept nor bathed since we told her that the doctor would need to retrieve samples of the fluids left by the perpetrator. Her clothes were ripped and dirty. Dried blood matted her hair where the rapist had slammed her head against a cinder-block wall during the assault. And while it turned out that the doctor was at home, he nevertheless wanted verification from the police that a sexual assault complaint had been filed before he conducted an examination. The police were called but they claimed a “fee” was required before they would release a copy of the complaint to the doctor.

Frustrated, we called a women’s’ rights organization in the capital who said plainly that the police frequently demand bribes in order to file a complaint. They suggested we pay now and complain to the officer’s superiors later. Our research field coordinator quickly drove several hours back to the town where the assault had taken place, paid the roughly $25 bribe, and waited while the officer slowly typed up a report. The report, however, was useless. It merely stated that Wendy issued a complaint against a specific man but not that she had been violently raped by him. After arguing with the officer he agreed to change the report to include the allegation of sexual assault.

It took more than 24 hours before Wendy was finally examined by a medical professional. Astonishingly, the doctor claimed that he had never been trained to examine a rape victim. It took a few more calls by our research team to track down a gynecologist in Port-au-Prince who could coach the doctor via cell phone. Wendy cried quietly the entire time. Making matters worse, random people walked in and out of the room during the exam including patients, several nurses and a man who was there to visit his sick wife in an adjacent room. Privacy is a rare commodity in Haiti, including in the hospital.

In North America and Western Europe, women who are raped are often offered medication. These are intended to fight possible exposure to sexually transmitted disease and may also include the “the morning-after pill,” a concentrated dose of progestin that can stop the process of fertilization. Wendy was terrified of pregnancy. She privately declared that though she did not believe in abortion, she would rather “die” than have “that man put a baby inside of me.” Wendy had learned about the pill from a university class but was unaware if it was available or legal in Haiti. She asked the doctor after he completed the exam who falsely told her that because it had now been 24 hours since the rape, it would no longer be effective.

After Wendy’s exam the police were informed but they refused to pick up the medical report or fluid samples collected by the doctor. Instead these were unceremoniously bundled into a plastic bag and given back to Wendy who was told to take them to a state-run medical clinic for sexual assault victims in the capital, a 15-hour drive away. The doctor then demanded an exorbitant fee of $75 for the medical report in addition to the fee for the exam. The final document stated simply that Wendy complained of being raped and was examined and found to have evidence of sexual activity. Astonishingly, no record was made of the bruises covering her thighs or the many lacerations indicating the viciousness of her assault.

Despite being highly educated and experienced social workers, neither Wendy nor the other researcher assisting her were aware of the problems that these omissions in the doctor’s report could later cause. “Rape isn’t something that is prosecuted here, so I didn’t know what the report should include,” Wendy explained later. “I just wanted to change my clothes and take a shower. I could not wait to get out of that doctor’s office.” But before she could have a shower Wendy had to return to small town where the assault happened to be interviewed by the police again. The interview, which resembled an interrogation, lasted several hours and by the time it was done Wendy had repeated her story to five different police officers.

Our research field coordinator, meanwhile, was scouring pharmacies for the morning-after pill. He finally tracked down a pharmacist who knew what it was. This pharmacist was willing to sell it, but at a cost. The medication, like most pharmaceuticals in Haiti, was imported. The instructions were in Arabic and Portuguese, neither of which the pharmacist could read. He did not know whether the packet contained the morning after pill or rather hormones for post-menopausal women. The field coordinator closed his eyes and picked a box, which by chance happened to be the right one. He subsequently slipped the pharmacist a few dollars to keep quiet.

It was 40 hours since the attack and we still had not filed the report with the police. Wendy slept the entire ride home, helped into semblance of sleep by a glass of clarin (homemade gin) that the private doctor had advised she take to “ease the pain.” For all of his hesitancy to treat Wendy, he appeared to be genuinely concerned for her well-being. His parting words to Wendy’s companion were, “You do know they aren’t going to do anything to [the rapist], right? Don’t get her hopes up. Just take her home and let her forget about all this.”

Back in the capital, Port-au-Prince, we had no intention of sweeping this incident under the carpet. Calls were made and emails sent to the police, women’s rights organizations, and a suite of government ministries. After all, our research team routinely studies and publishes on crimes such as sexual assault. Ironically, Wendy is a lead surveyor in a study tracking violence against women. We spoke with the police chief from the area where the assault took place. He said that his officers had questioned the perpetrator who himself claimed that Wendy willingly had sex with him. Since the medical report made no mention of the violent nature of the assault, and despite the fact that police had seen Wendy’s bruises and cuts, the officer following her file said that there was nothing he could do.

Calls to the women’s rights organizations and other civil society groups confirmed that there was little to be done. “You could pay something, give them a gift so they arrest the guy,” one human rights worker suggested with a level voice. “But he’ll probably just pay another bribe and get out.” In the end, however, Wendy’s rape is a drop in the bucket. Although sexual assault rates in Haiti have fluctuated over the years, we know from our own statistical analysis that one in three Haitian women have been sexually abused or assaulted in their lifetime. Few will ever report the event because of the cultural stigma blaming victims for their own assault together with the complicated process needed to bring charges against a rapist.

And while our team is relatively educated, well-off, and connected, we were patently unprepared when the rape occurred. For her part, Wendy was emotionally battered by the process of reporting the rape. By the time she returned to Port-au-Prince, all she wanted was to dump the plastic bag of semen samples and return to her family. Her mother thanked us profusely for getting her medical attention but told us to never to mention the rape again. A traditional health practitioner was called in to treat Wendy and after a short ceremony prescribed rest and herbal tea. When the voodoo doctor left, Wendy told us that she did not want to pursue a case against the man who attacked her. As her doctor predicted, she just wanted to forget the whole thing ever happened.

We tried to convince her otherwise but she was adamant. She blamed herself for walking alone, for wearing a pair of pants borrowed from another researcher that were too small and tight, for smiling and saying hello when the man first approached her, for freezing up and not screaming when he attacked her. Despite her education, personal strength, and commitment to fighting violence against women, Wendy could not bring herself to face the grueling road that rape prosecution is in Haiti. So she dropped it and she asked us to do the same. When we told the women’s organization she did not want to pursue it, they were hardly surprised: “It happens all the time. We get dozens of cases each month and out of those, sometimes not even one woman will put herself through this [reporting] process.” Who can blame them?

Fonte: http://www.huffingtonpost.com/athena-kolbe/rape-in-haiti_b_2165466.html

 

Published in: on novembro 21, 2012 at 5:26 pm  Comments (1)  

Brasil aumenta efetivo policial no Haiti

O Governo brasileiro tem promovido ações no sentido de aumentar o efetivo de policiais militares a fim de integrar o Componente Policial (United Nations Police – UNPOL) na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH).

O efetivo brasileiro, desde 2004, contou com apenas 04 vagas, e tem hoje 02 oficiais in locu (01 Major da PMPE e 1 Tenente PMSE). Ocorre que outros 05 oficiais tiveram recentemente seus curriculum aprovados pelo Departamento de Operações de Manutenção da Paz (DPKO) da Organização das Nações Unidas (ONU) e também passaram na avaliação oral (por telefone) realizada pela Police Division do DPKO.

Os policiais militares aguardam apenas a chegada da Autorização de Viagem (Travel Authorization – TA) para marcarem seus voos, o que permitirá a maior presença PM no Haiti, 07 policiais militares.

É motivo de destaque a presença de 02 policiais militares femininas, sendo elas as primeiras mulheres policiais brasileiras a integrar a MINUSTAH até hoje.

A previsão de chegada na área da Missão é para o fim de outubro/novembro.

Importante destacar as articulações do Ministério das Relações Exteriores (MRE) do país, que tem percebido a importância do aumento da presença do nosso efetivo policial nas Missões de Paz, que tão bem tem representado o Brasil a serviço da ONU.

Os governos estaduais e do Distrito Federal e os comandos-gerais das Corporações Policiais Militares tem se envolvido a cada dia mais na cessão de seus efetivos, contribuíndo para a imagem e objetivos externos do país, percebendo ainda o retorno que esses profissionais podem fornecer as instituições quando de seu regresso.

Trata-se não apenas de representar seus estados e Corporações, mas esses profissionais adicionam em seus uniformes a bandeira nacional brasileira como símbolo máximo da nossa representatividade policial em ações de paz e segurança no mundo.

Sérgio Carrera

Published in: on outubro 14, 2012 at 3:56 am  Deixe um comentário  

Registro da chegada do Tenente PMSE Moraes no Haiti

Conforme publicado pelo Sr. TC PMBA Issa, Comandante do Contingente PM brasileiro na MINUSTAH, o Primeiro-Tenente Moraes, da Polícia Militar de Sergipe, chegou no dia 10 de abril de 2012 na capital haitiana, Port au Prince.

Na foto abaixo, o Capitão PMDF Popov, o Tenente PMSE Moraes e o TC PMBA Issa, na chegada do Oficial no Aeroporto Internacional Toussant Louverture:

O Primeiro-Tenente PMDF Casas continua aguardando a demorada burocracia para poder se unir aos demais policiais militares na MINUSTAH. Aguarda a entrevista, emissão do passaporte e Travel Authorization.

Sucesso ao Tenente Moraes nesse ano de Missão!

Abraço,

Sérgio Carrera

Fonte: Arquivo pessoal/FB TC PMBA Issa.

Published in: on abril 25, 2012 at 1:27 am  Comments (2)  
Tags:

PM de Sergipe enviará representante para missão das Nações Unidas no Haiti

A Polícia Militar sergipana enviará neste mês de abril um representante da corporação para a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), que tem como objetivos prioritários estabilizar o Haiti, pacificar e desarmar grupos guerrilheiros e rebeldes da região; promover eleições livres e informadas; bem como formar o desenvolvimento institucional e econômico do referido país. Para esta missão, o foco será a reconstrução de rodovias e hospitais haitianos.


Para auxiliar as forças policiais no Haiti, a Minustah realiza uma rigorosa seleção. No caso de Sergipe, a Polícia Militar enviou três oficiais da instituição para possível recrutamento. Como resultado, o tenente Moisés Moraes de Souza, lotado no Batalhão de Choque, foi selecionado e embarcará rumo ao Haiti nos próximos dias. A missão terá a duração de um ano.

“O ganho de experiência profissional em uma Missão deste porte é incalculável, tanto para mim como para a corporação que represento. Terei a possibilidade de interagir com policiais que trabalham em diversos países. Por outro lado, também nos possibilitará a ajuda humanitária aos irmãos haitianos que passam por um processo de transição, após o período de ditadura”, destacou o tenente Moraes.

Todos os profissionais de Segurança Pública que almejam atuar em Missões de Paz passam por um rigoroso processo de avaliação, composto por testes de idiomas, direção de viatura com tração 4×4, tiro e manutenção de armamentos, além de um estágio no Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil, situado no Rio de Janeiro (RJ); e Ministério da Defesa, através do Exército Brasileiro, nas cidades de Brasília (DF) e Recife (PE).

Outras missões

A PM de Sergipe tem tradição no auxílio a missões realizadas pela Organização das Nações Unidas (ONU), com importantes participações em Moçambique (1994), Timor Leste (2003 e 2004) e agora no Haiti (2012).

Fonte: Site da PMSE.

Published in: on abril 25, 2012 at 1:09 am  Deixe um comentário  

Onde está mais quente??? Sudão ou Haiti?

O calor está tão forte nesses últimos dias, que postamos agora painéis derretidos das viaturas policiais nas Missões de Paz sob responsabilidade de policiais militares brasileiros.

Painel de VTR da UNPOL da ONU na Missão de Paz no Sudão do Sul (UNMISS) – Fez 46 C esta semana (Foto Acervo Pessoal Cap. BMRS Marco):

Painel de VTR da UNPOL da ONU na Missão de Paz no Haiti (MINUSTAH) – (Foto Acervo Pessoal TC PMBA Issa):

Published in: on abril 12, 2012 at 9:02 pm  Deixe um comentário  

Brazilian female police officers in United Nations Peacekeeping Operations – as of 04 April 2012

Currently, Brazil has only 04 female police officers serving in United Nations Peacekeeping Operations: 02 in East Timor (one police Capt. From Bahia Police Department – PMBA, and one Second Lt. from São Paulo State Police Department – PMSP) and 02 in South Sudan (02 Second Lt.)

Most recently, 03 female police captains from the Brazilian Federal District Military State Police Department (Polícia Militar do Distrito Federal – PMDF) have been appointed to the UN Missions in Guiné-Bissau (01) and East Timor (02).

Of the 04 UN Peacekeeping Missions that Brazil have police officers deployed, MINUSTAH (Haiti) is the only one that has never had a Brazilian female police officer.

We are making some progress… very slowly, though!

Sérgio Carrera

Published in: on abril 5, 2012 at 4:27 am  Comments (2)  

Policiais militares brasileiras em Missões de Paz da ONU – Situação em 04 de abril de 2012

Atualmente, o Brasil conta com apenas 04 policiais femininas em Missões de Paz da ONU, duas no Timor Leste (uma Capitão da PMBA e uma Segundo Tenente da PMESP) e 02 no Sudão do Sul (duas 2 Tenentes).

Mais recentemente, 03 Capitães da PMDF foram indicadas para as Missões na Guiné-Bissau (01) e Timor Leste (02).

Das 04 Missões de Paz que contam com a presença de policiais militares brasileiros, apenas a MINUSTAH (Haiti) nunca contou com policiais femininas.

Estamos progredindo… mesmo que a passos lentos…muito lentos.

Sérgio Carrera

Published in: on abril 5, 2012 at 12:49 am  Deixe um comentário  

Bandits kill an officer of the Swat Team: Wide gang operation in Martissant (Port au Prince – Haiti).

Published Thursday, February 23, 2012

“Bandits kill an officer of the Swat Team: Wide gang operation in Martissant (Port au Prince – Haiti).

An agent belonging to the specialized unit Swat Team, Angelo Pierre-Louis, was killed Thursday night by bandits on a motorbike in Manigat City, in the neighborhood of Martissant (southern suburb of Port-au-Prince) where a significant police operation was immediately launched. Receiving six shots at his car, the victim did not survive his injuries. And his service weapon was stolen by the murderers. According to initial reports, Angelo Pierre-Louis was with someone he would drop off when he was attacked. The person has been detained by police and required to be examined. A major offensive of PNH specialized units, particularly involving the Swat Team, was just minutes after the incident in Grand Ravine, a gang-infested slum. The perpetrators, who sought refuge there, were actively sought. Born February 21, 1970, the agent Pierre-Louis, from the tenth promotion of the HNP, had just celebrated his 42nd birthday. Despite the presence of peacekeepers and regular operations of local security forces, gangs remain active”

Published in: on março 27, 2012 at 2:35 am  Deixe um comentário  

Uma Missão de Paz, um sonho (Tenente Leonardo Pujol – PMBA)

End of Mission

Uma Missão de paz…Um Sonho…

Cada indivíduo faz a sua escolha… Cada um tem a sua história de vida… Cada qual tem o seu destino…

Neste momento muito especial e único de minha vida profissional gostaria de fazer alguns agradecimentos por esta realização pessoal…

À todos os veteranos e aspirantes policiais militares brasileiros boinas azuis que formam um conjunto seleto no cenário da Segurança Pública do País, que apesar de todas as dificuldades e obstáculos, cumprem as suas missões anônimos nos mais longínquos lugares deste planeta Terra. Levando o nome de suas Corporações e do Brasil para o mundo, deixando o alto grau de profissinalismo como uma marca registrada em suas diversas missões…  “verás que um filho teu não foge à luta!”

Aos veteranos blogueiros: Cap PMDF Sérgio Carreira & Cap BMRS Marco seu comprometimento com a causa é inspiração e muitas vezes a única fonte de consulta sobre o tema…muito obrigado por tudo e tenham certeza que são a referência da família policial boina azul.

Aos instrutores do ainda Centro de Instruções de Operações de Paz, atual Centro Conjunto de Operações (CCOPAB): TCel PMERJ Silva, Maj PMERJ Alexander e Cap PMESP Hélio – sua experiência foi de grande vália em diversos momentos. Parabéns pelo trabalho, sabemos também do anônimato e do sacrifício, mas tenham a certeza que não foi em vão…hoje as Polícias Militares do Brasil conquistaram o seu espaço no Centro Sérgio Viera de Melo graças ao seu profissionalismo.

Foram quase dois anos e meio desde a aprovação no Processo Seletivo realizado pelo Exército Brasileiro – COTER em Agosto de 2009 na cidade de Fortaleza, do Curso EAD realizado pelo CCOPAB em Dezembro de 2009, do Estágio de Preparação para Missões de Paz em Maio de 2010 no Centro Sérgio Viera de Melo na capital carioca, da entrevista telefônica com o Departamento de Operações de Paz em Novembro de 2010, do esperadoTravel Authorization em Dezembro de 2010, do início da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti no dia 01 de Janeiro de 2011 ao retorno para casa em Janeiro de 2012.

Minha chegada no Haiti foi bastante marcante… Viajei em plena virada do ano, começando a missão literalmente no dia 01 de Janeiro 2012, momento em que as notícias no mundo mais uma vez estavam voltadas para a Ilha Hispanhola, os haitianos acabavam de finalizar o Primeiro Turno das Eleições Presidenciais marcado por protestos e ondas de violência… Além de estar passando por mais um desastre oriundo de uma grande epidemia de Cólera que assolava a saúde pública haitiana. Um momento muito triste no qual a tragédia do terremoto onde morreram cerca de 300 mil pessoas de Janeiro de 2010 completava um ano. O cenário estava tenso, mas vida que segue…

Fim do  Induction Training agora sim um Blue Beret, fui “deploiado” na Região de Oeste do país na capital de Toussaint L’Ouverture – Port au Prince designado para trabalhar na Comissária de Polícia Haitiana do “bairro” de Pétion Ville região com pessoas de maior acesso financeiro, no qual o principal delito eram os constantes sequestros. Destacado na equipe Anti Kidnapping minha tarefa de Mentor & Monitor da missão foi posta em pauta. Foram dois meses muito intensos e difíceis até compreender o país, os seus costumes e a nova realidade: as Nações Unidas. Para os que acham que estavamos de férias e ficamos ricos após a missão… foram 2 meses de 3 noites por um dia de folga…totalizando 40 noites de trabalho e muitas perguntas na cabeça…

 Em Março veio o Segundo Turno da Eleições Haitianas, e agradeço a Deus pela oportunidade de participar de alguma maneira neste processo da história haitiana. Em meio a desconfiança da visão mundias as eleições haitianas ocorreram sem grandes transtornos. Neste período fiquei adido à Comissária de Pétion Ville porém com a missão de prover a segurança da residência do responsável pelo Comitê Eleitoral Provisório das Eleições Haitianas, ainda na capital na região conhecida como Delmas. Também fui nomeado para coordenar uma Zona Eleitoral nas eleições.

 Abril de 2012 o mundo conhece presidente “cantor” Michael Joseph Martelly  eleito com cerca de 67% dos votos do povo… iniciou-se uma era de esperança para os haitianos. Senti o clima mudar…

 Tão logo fui “re-deploiado” para uma unidade de significativa importância dentro da Polícia das Nações Unidas no Haiti. A Joint Operations está no centro do Pilar I da MINUSTAH (Pilar das Operações) é subordinada à Seção Central de Operações (antiga diretoria – DIROPS), a qual é responsável pelo planejamento e pela execução de todas operações envolvendo: a Polícia Nacional do Haiti, a Polícia das Nações Unidas (quer seja UNPOL ou FPU) e as Forças Militares da MINUSTAH – de essência policial em todo o território haitiano. Unidade que inclusive já foi chefiada pelo Brasil e por onde passaram muitos dos UNPOLs brazucas na MINUSTAH, confesso que a responsabilidade foi grande de dar prosseguimento ao incansável trabalho policial brasileiro na missão. Abracei a oportunidade e me joguei de cabeça na nova missão, conheci os quatro cantos do país nas mais diversas modalidades de policiamento, vivênciei situações no sistema da ONU de “no rank” as quais em minha carreira (operações a nível Companhia e Batalhão) que só poderei experimentar novamente daqui a dez, quinze anos. Foram 9 meses de muito trabalho e experiências adiquiridas.

 Outro momento marcante foi a esperada Medal Parade. Passou um filme na cabeça, pensamento foi longe em questão de minutos, turbilhão de emoções… começava a sentir a sensação que não tem preço… o dever cumprido.

 Na MINUSTAH pude conhecer realidades de polícias de cerca de 52 diferentes países –  a verdadeira “Torre de Babel” de forma bem resumida, unidos no mesmo ideal, claro deixando o romantismo de lado cada um com seu interesse. Percebi que apesar dos pesares estamos muito bem quando a matéria é policiar, e fiquei muito orgulhoso quando não mais de uma vez, escutei de algum desses países “de primeiro mundo” a sua surpresa positiva com relação à polícia brasileira.

Em falar em amizades, para mim foi uma das coisas que mais marcaram a minha missão. Aos heróis do Complex Confort (morada de quase todos os policiais brazucas desde o início da missão): nossa união nos tempos bons e ruins foi o que fez que o gigante pela própria natureza não desistisse do sonho, as lágrimas e as risadas ficaram guardadas na memória de quem foi, veio e venceu…

A primeira família (Cap PMAM Algenor, Cap PMAM Honda & Cap PMERJ Tadeu) & A segunda família ( TCel PMBA Issa, Cap PMDF Popov & Ten PMPR Azevedo) & aos camaradas da Joint Operations meu eterno agradecimento por todos os momentos vividos.

 

Sempre haverá um boina azul ! Até a próxima…

1° Ten PMBA Leonardo Moreira Pujol

MINUSTAH 2011

Published in: on fevereiro 21, 2012 at 7:55 pm  Comments (3)  

PMDF indica policiais militares para Missão de Paz no Haiti e Guiné-Bissau (FEV 2012)

Após alguns meses na expectativa, na última segunda-feira a PMDF recebeu solicitação de uma vaga de UNPOL para o Haiti e uma para a Guiné-Bissau.

Interessante foi que o documento chegou no mesmo dia que deveria ser respondido (não se sabe onde ficou parado).

Temos um policial masculino e um feminino indicados.

A Corporação continua com mais de 10 policiais militares habilitados.

Published in: on fevereiro 9, 2012 at 3:00 pm  Comments (3)  

12 de janeiro de 2012

Amanhã completa 2 anos do falecimento de um grande amigo e companheiro de profissão. Por diversas vezes já escrevi sobre a saudade em perder uma pessoa tão querida e que perdeu a vida de uma maneira tão delicada. Entretanto, para não me prolongar, Cleiton Batista Neiva foi alguém que me ensinou muito, que nunca desistiu de seus sonhos e sempre buscou a sua felicidade! E isso me serviu de inspiração e motivação para continuar na eterna busca por meus sonhos, ideiais e felicidade! Afinal, a vida é uma só (pelo menos eu creio nisso)!

 A saudade que o Cleiton deixou nos garante a liberdade e a certeza de que a vida pode muito valer a pena, mesmo que nos encontremos muitas vezes em situações adversas!!! Alias, a vida vale a pena, basta apenas correr atras do que ela tem de melhor a nos oferecer!

 A todos aqueles que perderam as suas vidas no terremoto no Haiti ou em qualquer missão internacional humanitária, o nosso reconhecimento e certeza de que algo muito maior, e por vezes inexplicavel, os moverarm e os inspiraram!

 Aos familiares e amigos que ficaram, que o Divino os confortem diariamente, com a certeza de que se foram realizando um sonho, de servir ajudando povos menos favorecidos e realizando aquilo que seus corações mandavam!!!

 Sérgio Carrera

 “Sinto dizer que sem esforço nada vai acontecer!
Não adianta reza forte, nem macumba com 20 velas.

Se você não se decidir pelo primeiro passo,
se você não sair desse quarto,
nem os anjos e nem Jesus poderão te ajudar,
se você não se ajudar!

Quer emagrecer?
Caminhe todos os dias,
pare de dizer que não tem dinheiro para a academia.
A rua é livre, de graça e está te esperando, seja noite, seja dia.

Quer um novo emprego?
Estude algo novo, aprenda um pouco mais do seu ofício, faça a diferença
e as empresas vão correr atrás de você!

Quer um novo amor?
Saia para lugares diferentes assista a um bom filme,
leia um bom livro, abra a cabeça, mude os pensamentos,
e o amor vai te encontrar no metro, no ônibus, na calçada,
e em qualquer lugar, pois você será de se admirar.
Pessoa que encanta só de olhar…

Quer esquecer alguém que te magoou?
Enterre as lembranças e o infeliz!
Valorize-se criatura!
Se você se valoriza, sabe quanto vale,
sabendo quanto vale não se troca por qualquer coisa.
Se alguém te deixou é porque não sabe o seu valor.
Logo, enterre a criatura no lago dos esquecidos.
E rumo ao novo que o novo é sempre mais gostoso…

Quer deixar de dever?
Pare de comprar.
Não faça dívida para pagar dívidas!
Nunca! Jamais!
Faça poupança e pede para o povo esperar.
“Devo, não nego, pago quando puder.”
Assim, a cabeça fica livre e você vai trabalhar.
Em breve, não terá mais nada par a pagar…

Quer esquecer uma mágoa?
Limpe o seu coração, esvazie-se…
Quem tem equilíbrio não guarda mágoas.
Só as pessoas com problemas emocionais é que se ressentem.
Ficam guardando uma dor, alimentando como se fosse de estimação.
Busque o equilíbrio emocional. Doe-se, ame mais e tudo passa.

Quer viver bem?
Ame-se!

Felicidade é gratuita, não custa nada.
É fazer tudo com alegria, nos mínimos detalhes.
Pergunte-se e se achar resposta que te satisfaça, comece tudo de novo:
– Pra que 2 celulares (1 pra cada orelha?)?
– Pra que 3 computadores, se não tem uma empresa?
– 4 carros?
– 6 quartos se é você e mais 1 ou 2?
– 40 pares de sapato, se tem apenas 2 pés?
A vida pede muito pouco e nós precisamos de menos ainda.

Acorde enquanto é tempo e comece a mudança,
antes que o tempo venha e apite o final do seu jogo!
Espero que você pelo menos tenha vencido a partida.
Por Paulo Roberto Gaefke

Seja feliz!
E faça o bem sem olhar á quem….”

 

Published in: on janeiro 12, 2012 at 3:39 am  Comments (1)