MAJOR UNPOL BECKER E SEU TRABALHO NO PSDO – UNMIT 2009/2010

Em Fevereiro de 2009, a Resolução 1867-2009 do Conselho de Segurança da ONU reafirmou a necessidade da continuidade da reforma do setor de segurança no Timor Leste, particularmente, a necessidadede delinear os papéis e responsabilidade das Falintil – Forças de Defesa de Timor Leste(F-FDTL) e da PNTL(Polícia Nacional do Timor Leste), de forma a fortalecer os quadros legais e melhorar os mecanismos civis de fiscalização e responsabilização de ambas as instituições de segurança.  Foram feitos alguns esforços para reestruturação do mecanismo interno de disciplina da PNTL como, por exemplo, a acentuação da atuação do Professional Standarts & Discipline Office (PSDO), onde eu trabalho, extendendo sua atuação para todo território timorense.

O acompanhamento dos casos com energia, metodologia e resultados demonstrou rápidas melhorias na sistemática de monitoramento disciplinar. Também foram feitos esforços para a localização ou reconstrução dos processos que haviam desaparecido do gabinete por razões muitas. O número de casos pendentes junto ao PSDO diminuiu de 373 para 42 casos entre Novembro de 2008 e Junho de 2009. O PSDO concluiu que quase metade dos casos, cuja investigação foi retomada e concluída,  tinha fundamentação em evidências probatórias, sendo que os resultados foram encaminhados às autoridades no escalão superior da missão. Pelo menos 60 casos ainda aguardam decisões no Gabinete do Comandante Geral da PNTL.

Outra realidade enfrentada, foi que existiam sérios obstáculos ao funcionamento eficaz do PSDO nos distritos, uma vez que os agentes do PSDO eram  nomeados pelo comandante distrital da PNTL, e a este se reportavam. As vítimas de violações dos direitos humanos, incluindo o uso excessivo da força, quase sempre, enfrentavam obstáculos quando tentavam se queixar sobre violações, sendo o mais comum, o pedido da autoridade policial para que apresentassem suas queixas por escrito, em localidades com quase nenhuma escolaridade. Muitas vezes, os comandantes distritais não tomavam qualquer tipo de ação com relação aos casos ou não enviavam para as autoridades competentes na capital, por corporativismo ou negligência. Entretanto, se salva, algum bom resultado, uma vez que, frente a eesa realidade, alguns casos foram resolvidos através de mediação envolvendo o agente do PSDO ou o próprio comandante da esquadra.

Atualmente o PSDO está em fase de transição dos trabalhos para a PNTL, sendo que seus integrantes, na maioria dos casos em aberto, simplesmente monitoram os trabalhos de investigação que passaram a ser efetuados por integrantes da polícia local. Esse monitoramento objetiva a padronização de procedimentos, assegura a lisura dos processos e partilha as técnicas investigativas com os futuros donatários da pasta.

 (Auceri Becker Martins – Major UNPOL- PSDO/CDU Investigator – Dili, Dec ,2009 )

 

 

Published in: on setembro 6, 2011 at 2:05 am  Comments (4)  

Major Unpol BECKER recebe medalha CRUZ DA PAZ da FEB durante Missão no Timor Leste

Por Major PMMA Aureci Becker.

Em 2010 a ANVFEB alcançou o mundo, pois esta foi a primeira cerimônia de entrega da Medalha Cruz da Paz fora do Brasil e em uma das Nações mais distantes do nosso país: o Timor Leste.

DESSA FEITA, 10 personalidades foram agraciadas ao longo do último trimestre de 2009, sendo 4 brasileiros e 3 estrangeiros, um de Singapura, um das Filipinas e o outro da Malásia.

Faltavam ainda 3 brasileiros, dentre eles o Excelentíssimo Senhor Embaixador do Brasil no Timor Leste. Assim sendo, em Cerimônia oficial realizada no dia 11 de Fevereiro de 2010, na Embaixada Brasileira do Timor Leste, teve lugar então essa emocionante homenagem.

Maj Aureo Ribeiro Vieira da Silva, do Exercito Brasileiro, Oficial de Ligação da UNMIT no Timor Leste,  fez a entrega em ato solene.

Embaixador Edson Monteiro e Maj PMMA Becker, os agraciados ocupando a posição para a cerimônia. O Senhor Cônsul Décio Teixeira conduziu a cerimônia, que foi composta dos seguintes eventos:

-Finalidade da Cerimônia;

–Canto do Hino Nacional;

–Palavras do Maj Vieira Silva;

–Entrega de Condecorações;

–Palavras do Embaixador;

–Cumprimentos aos agraciados;

–Um brinde à PAZ, oferecido pelo Senhor Embaixador.

No evento, participaram os funcionários da Embaixada, os agraciados, o Cap UNPOL Vilaca-PMPE e os convidados do Embaixador, na maioria professores brasileiros que estão em missão oficial em Dili, no Timor Leste.

O Maj Vieira Silva antes de fazer uso da palavra relembrou a todos que o Brasil foi o único país da América Latina a ter participado da 2ª Guerra Mundial e  que sua presença no evento se fazia em função de ter sido o proponente da Medalha para os agraciados.

O Maj UNPOL Becker recebeu nesse dia sua terceira medalha em uma única missão de paz , juntamente com as medalhas a serviço da paz e solidariedade de Timor Leste.

O Chefe do Contingente PM brasileiro no Timor, Cel PMDF, também foi condecorado.

Published in: on abril 25, 2011 at 2:36 am  Comments (1)  

UM COMENTÁRIO SOBRE O TIMOR LESTE

(Díli, Timor Leste, Ásia, jun/2009) 

 

O Timor Leste caminha, a meu ver, com tristeza, a largos passos para se tornar uma terra com pouca identidade cultural devido ao fraquíssimo apego às suas tradições mais genuínas.

A barreira da linguagem é, sem sombra de dúvidas, um elemento que acresce resistências ao que poderia ser fácil esforço de progresso e identificação dos timorenses. A dificuldade de se estabelecer um contato, que não por frações de outros idiomas, dificulta e, por vezes, torna impraticável uma interação prolongada, a não ser que a pessoa domine ao menos três línguas que vão desde o bahasa da Indonésia, que é a língua de memória imposta ao Timor à força, o português herdado de Portugal em centenas de anos de exploração unilateral, a qual bem conhecemos, e o inglês da vizinha Austrália, que é necessário para a maioria dos negócios cotidianos, sejam formais ou não, já que o capital circulante é basicamente oriundo de outros países, aos quais a ONU impõe o uso da língua bretã.

 Nesse complexo conjunto de entendimentos o Tétum, que originalmente deveria ser um idioma nacional, se deforma, contaminado por tantas influências, falta de normatização, reconhecimento de expressões estrangeiras que preencham sua necessidade de entendimento, fugindo à sua gênese de língua singular de um povo.

Aliando a dependência do capital com a necessidade de investir em sustento e qualquer sorte de sonho e perspectiva, o timorense se vê transpassado por estrangeiras ideologias, comportamentos, posturas e entendimentos que o fazem distanciar-se das tradições e perder, quase por completo, a identidade como nativo.

 Não foi ensinado às novas gerações, em meio ao caos das últimas décadas, nem o conhecimento de suas raízes culturais, nem o culto dos seus valores diferenciais.

 Foi “esquecida” a obrigação de preservar a noção de identidade que esse povo possui, exatamente por ser tão diferente dos asiáticos e dos ocidentais. Falo em identidade, uma vez que os timorenses são completamente distintos do restante dos asiáticos por falarem o tétum e o português, por serem quase todos católicos, por terem gostos e uma mentalidade próxima da européia e por, ainda, conservarem elevados valores de família dentro das tradições lulik.

Esse Timor, bem ao sul de qualquer influência da Ásia, tem tudo para justificar ao mundo o fato de merecer ser uma nação independente: já decidiu, por si mesmo, que não quer ser mais uma ilhota da Indonésia perdida no oceano, alijada do cenário dos grandes “tigres” e fadada a nunca ser como Jakarta.

A independência que se precisa buscar nessa ilha de adolescentes, que se tornou o primeiro país do século XXI, além de ser geográfica, econômica e política, é a da ignorância do quanto o povo timorense precisa ser dono, de fato e de direito, desse “lugar onde nasce o sol”.

Published in: on março 30, 2011 at 2:17 pm  Comments (1)  

Policiais militares brasileiros são condecorados com a Medalha da Solidariedade de Timor Leste

 

Capitão PMPE Augusto Vilaça remete informações sobre condecoração de policiais militares brasileiros no Timor Leste: 

“Atendendo à recomendação assinada pelo Embaixador do Brasil em Timor Leste, Dr. Edson Marinho Duarte Monteiro, o Exmº Dr José Ramos Horta, Presidente da República Democrática de Timor Leste, concedeu aos brasileiros componentes do atual contingente de UNPOL na UNMIT, a Medalha da Solidariedade de Timor Leste, em reconhecimento pelos trabalhos prestados na ajuda ao desenvolvimento desta jovem nação. 

A entrega foi feita pelo próprio Embaixador do Brasil, na data de 06.05.2010, em almoço promovido pela Embaixada, e contou com a participação do Deputy Police Commissioner for Operations, UNPOL Idris Ibrahim, e dos membros do atual contingente para maio de 2010. 

Com o sentimento de dever cumprido, deixamos o país e retornamos aos nossos lares, nossas famílias e nossas Corporações. Ao Timor Leste, nosso desejo de sucesso nessa caminhada rumo ao desenvolvimento. Aos próximos missionários, votos de boa sorte e a certeza de que se esforçarão para manter o elevado padrão de trabalho verde-amarelo na UNMIT. 

Ainda dentro do assunto, queremos informar que os veteranos brasileiros que aqui estiveram pós 2006 (de acordo com o que prescreve a lei que criou a medalha), também foram incluídos na iniciativa do Embaixador, que já tem a posse das medalhas e certificados nominais, e está providenciando o envio para o Brasil via mala diplomática.”

Obrigado ao amigo Vilaça pela notícia e as minhas escusas pela demora em publica-las!

Parabéns a todos os policiais militares que estiveram no Haiti entre os anos de 2009 e 2010!

Abraço,

Sérgio Carrera

Published in: on junho 3, 2010 at 12:33 am  Deixe um comentário  

Nota de Esclarecimento

Bem, respondendo a alguns emails dos visitantes, informo que todos os posts (cerca de 20) do atual contingente policial militar 2009 em atuação na Mssão de Paz da ONU no Timor Leste foram retirados do ar, conforme solicitação dos oficiais colaboradores. Os que permanecem são relativos a outros anos e profissionais ou por não haver solicitação para que fossem retirados.

Tal fato se deve ao já mencionado pelo Blog do Capitão Marco Antonio, uma vez que os posts aqui divulgados têm sido utilizados contra os próprios policiais militares.

Como sempre, somente publico artigos e fotos encaminhados por policiais militares, considerados colaboradores, e em havendo solicitação para retira-los do ar, isso será feito o quanto antes.

É lamentável que um espaço criado justamente para divulgar as ações e esforços dos policiais brasileiros em Operações de Paz tenha sido utilizado para fins negativos, independentende de quaiquer motivos. Desde a criação do Blog, no início de 2008, esta é a primeira vez que isso ocorre.

Infelizmente, não teremos mais informações (diretas) sobre o que os nobres policiais militares estão produzindo e fazendo em prol da paz no Timor. Pelo menos por enquanto.

Esperamos poder contar com os PM do Haiti e do Sudão ainda este ano e para os novos contingentes para o ano de 2010.

Devido a este fato, este Blog passa a expandir seu foco de abordagem e temas, sempre interligados com o núcleo central de sua criação.

Sérgio Carrera

Published in: on dezembro 19, 2009 at 6:36 pm  Comments (2)  

Major Becker (PMMA) e a Equipe de Investigação do Menongue RHQ em agosto de 1998.

becker helicoptero

Brasileiros: CAP UNPOL A. BECKER (PMMA) e CAP UNMO WALTER (INF-RJ)

Angolanos: TEN RAMIRO (L.O. PNA) e AGENTE MACEDO (PNA)

Russos: PILOTOS E TRIPULAÇÃO

Published in: on junho 28, 2009 at 9:46 am  Deixe um comentário  

Capitão Becker (PMMA) realiza patrulha em N’zage, Angola. (1998)

Cap%20Becker%20Patrol%20N%27zage[1]

Foto de ANGOLA – UNAVEM III em 1998.

Patrulha em N’zage (ANDRADA) na LUNDA NORTE, para verificação e monitoramento do movimento de refugiados  e ex miliatres que fugiam da República do Congo para o território angolano.

Cap. PMMA BECKER – (Bra)

Ag. PNU GONZALES – (Uru)

Cap. FAA MORENO – (Ang)

Ag. ANP EXPEDITO – (Ang)

Published in: on junho 10, 2009 at 11:45 am  Deixe um comentário  

DISCURSO DO MAJOR BECKER NA ENTREGA DA MEDALHA “A SERVIÇO DA PAZ” – KOSOVO

DISCURSO DO MAJOR BECKER NA ENTREGA DA MEDALHA  “A SERVIÇO DA PAZ” – (TRADUZIDO)

 Sra.Comissária de Polícia Sra. Jill Muncy (SUB CHEFE) ,Sr. Enbaixador do Brasil na Sérvia e Montenegro, Dr. Rubem Amaral Jr., Sr. Representante do Embaixador de Portugal na Sérvia e Montenegro Dr Ricardo  Manuel Martins Passos de Gouveia.Vice-Comissário de Polícia para Administrações, Sr. Hans Martin Zimmerman,  Oficiais Superiores  da KPS ( Kosovo Police Service), Demais Chefes de Contingentes, Colegas Policiais Internacionais  e Companheiros do Pessoal Civil das  ONU

 

Senhoras e senhores,

Eu gostaria de falar um pouco a respeito da POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA PARA OPERAÇÕES DE PAZ. Tal doutrina é baseada na Política de Defesa Nacional, de acordo com os interesses brasileiros, regida pelas linhas gerais a seguir:   

   

Brasil considera que Operações de Paz são instrumentos úteis para resolver conflitos e eles ajudam promover  as negociações político -diplomaticas, mas porém, eles não os podem substituir; A solução definitiva sempre dependerá do desejo político, de ambas as partes.   

Quando instalda, uma Operação de Paz deverá ser governada por Oficiais gabaritados, baseada em princípios imparciais, aplicação da força mínima e necessária, negociação com todas as partes envolvidas e intermediação na procura de soluções, sendo evitada a discussão de outros problemas e responsabilidades.   

   

SOBRE EXPERIÊNCIAS BRASILEIRAS EM OPERAÇÕES DE PAZ    

Brasil, desde há muito tempo, está contribuindo com os esforços de paz da comunidade e organismos internacionais e enviando observadores militares desarmados ou tropas ligeiramente armadas inserindas em áreas de conflito.   

Os objetivos envolviam o monitorar cessar-fogo entre as partes envolvidas e desenvolver as melhores condições para o restabelecimento completo da normalidade regional.   

O Primeiro contingente brasileiro neste tipo de Missão de Paz foi em Egito, 1957, e desde aquele tempo, nós temos estado sob a bandeira da ONU, na República Dominicana,; Índia, Paquistão, Angola, Costa Rica, El Salvador, Guatemala, Equador, Peru, Honduras, Nicarágua, Moçambique, Ruanda; Eslovênia (na  antiga Iugoslávia ) atee’agora, na Croácia até hoje; Em Chipre; Timor Leste e finalmente, nas Missões da ONU, em Kosovo em 2003 e Haiti este ano.   

 Este vasto histórico de serviços a favor da paz mundial, destaca o Brasil entre as nações que mais tem  contribuído neste tipo de processo, que apesar de ser perigoso, árduo e estressante, é extremamente necessário.   

Aqui na  UNMIK especialmente, os Oficiais brasileiros estão fazendo o melhor possível nesse processo de construção da nova  KPS (Kosovo Police Service), porque está clara nossa preocupação com os sistemas policiais no mundo inteiro, e especialmente aqui, depois de anos sangrentos de guerra. Nós nos preocupamos com a formação contínua do Policial, a necessidade de humanização dos serviços de polícia que deveriam ver no criminoso, um ser humano em conduta de erro… e um ser humano – meus caros – sempre é passível de ser reeducado.  

Eu tenho certeza que nós brasileiros somos, por demais, considerados e respeitados pelos colegas, dado o bondoso, porém, eficiente trato com  que dirigimos nossas tarefas e relações profissionais, enquanto mostramos um comportamento de cidadãos típicos de uma América por demais Latina. 

Eu gostaria de agradecer especialmente a Sr. Rubem Amaral JR., nosso Embaixador na Sérvia e Montenegro por estar conosco hoje como representante de governo brasileiro , e dar a este MEDAL PARADE um significado maior fazendo deste, um momento que viverá para sempre. 

Eu gostaria também de  dizer obrigado para Sr. Ricardo o Manuel Martins Passos de Gouveia, Representante  do Embaixador português na Sérvia e Montenegro, por estar fazendo o mesmo relativo aos policiais portugueses, a todos os demais vinte e sete representantes de países membros e ainda, à  Miss Jill Muncy, nossa Comissária de Polícia Atual por estar presidindo esta solenidade a qual empresta seu  prestígio e respeito para ambos os contingentes. 

Penso que nós  consolidamos as fundações de amizade, de respeito e confiança, para os Oficiais que, no futuro próximo, nos substituirão, porque acreditamos, em nosso estilo amigável e responsável de vida, como sendo profundamente benéfico, principalmente, para os oficiais das outras nações que trabalhem conosco.   

Senhoras e senhores, em meu nome, Major o Auceri Becker Martins /  Chefe Contingente Brasileiro, Major  Florisvaldo Ferreira Cesar e Major  Jean Rodrigues Oliveira, eu gostaria de lhes agradecer por honrarem nosso MEDAL PARADE com suas presenças e o afeto que estão demostrando ter, para conosco e com nosso país.   

Como  Oficial chefe de contingente e representante diplomático do Brasil nos Balcãns agradeço a atenção,

Muito obrigado .  

Pristina, Kosovo, em 07 de setembro de 2004.

Major PMMA Becker

Chefe do Contingente Policial Brasileiro

Bec_arco_Iris[1]

Published in: on junho 2, 2009 at 7:26 pm  Comments (1)  

Policiais brasileiros ficam baseados em Díli (Missão de Paz do Timor Leste)

Segundo informações do TC PMDF Mário Júnior, Chefe do Contingente Policial Militar Brasileiro recém-chegado para compor Missão de Paz da ONU no Timor Leste, todos os 06 Oficiais PM permanecerão na capital do país, Díli. (maio 2009)

Published in: on maio 19, 2009 at 12:10 am  Deixe um comentário  

Estágio de Preparação para Missões de Paz

Prezados colegas, 

Na última quinta-feira (09/04/09), encerrou-se o EPMP (Estágio de Preparação para Missões de Paz) 09/1. Participaram do estágio um total de 28 militares, sendo: 22 do EB (designados para as mais diversas missões, como MILOBS ou Staff), 01 TC da FAB, 01 Maj do Suriname e 04 Oficiais PM: Ten Cel PMDF Mário Júnior, Maj PMMA Becker, Cap PMPE Vilaça (esses três designados para a UNMIT) e o 1º. Ten PMPE Couto (designado para a MINUSTAH).

Vale salientar que esse foi o primeiro EPMP que contou com a presença de UNPOLs, quero dizer, já houve a participação de um Major da PM numa versão anterior, porém recebendo as mesmas instruções dos Military Observers, que são um tanto diferentes das nossas.

O estágio em si foi bem interessante embora que, no nosso caso específico, existam algumas melhorias a serem implementadas, precisamos de algo mais voltado à nossa realidade no terreno. Ainda assim, aprendemos bastante e tivemos uma boa idéia do que acontecerá. Uma das sugestões que eu dei na pesquisa final, foi a de que aumentassem a representação de UNPOLs nas próximas edições do Estágio (inscrevendo todos os que foram aprovados no teste de nivelamento, mesmo ainda não designados para missões), assim, seria possível termos uma maior dedicação às nossas necessidades, além do que, seria possível a instalação de um Team Site exclusivamente UNPOL.

Durante das instruções, trabalhamos todos os assuntos do SGTM, e tivemos aulas práticas das mais diversas, desde socorros de urgência, até reconhecimento e procedimentos em campos minados, reconhecimento e manuseio em armamentos de outros países, direção em veículos 4×4 com mão inglesa, técnicas de negociação e mediação, rádio-comunicação, utilização dos formulários da ONU etc…

A equipe de instrutores foi bastante competente, porém temos que ressaltar os destaques do Maj PMERJ Cândido e do Ten PMERJ Penha Brasil, não só no inglês, onde deram show, como no conhecimento apresentado e na didática em aula. Menção honrosa a ambos. Outros que precisam ser destacados são o Cap EB Ênio, coordenador do curso. O cara não apenas carregava o piano sozinho, mas afinava, compunha e tocava. Parabéns! O outro era o Cel Carlos Casco do Paraguay. O cara foi fantástico nas simulações, no terreno (acampamento), ele conseguia nos tirar a tranqüilidade, mesmo sabendo que era um exercício simulado. Treinamento duro, combate fácil, antes que eu me esqueça, a participação dos alunos do curso de relações exteriores também foi fundamental para o êxito das simulações, além do nível de inglês, eles se mostraram chatos profissionais, e pudemos visualizar todas as dificuldades em entendimento que poderemos encontrar.

Também fizeram parte da equipe de instrutores outros oficiais do EB, da FAB, Civis e um Cap de Fragata da Argentina.

Bom, seguem aí algumas fotos.

CAP PMPE VILAÇA (Designado para UNMIT)

dscn29761dscn27151

dscn26911

1-2852911191 dscn27311

dscn29141

dscn29431

dscn29961

dscn30471

dscn30921

dscn30951

dscn31101

 

dscn311011

dscn31241

Published in: on abril 22, 2009 at 11:17 pm  Deixe um comentário  

PMs participam de Estagio no CIOPAZ

De 16 de março à 10 de abril, quatro oficiais da PM estão participando de um Estágio de Preparação para Missão de Paz (EPMP) no CIOPAZ do Exército.

O TC Mário Júnior, PMDF; (Timor)

Major Becker, PMMA; (Timor)

Cap Vilaca, PMPE (Timor)

Ten Couto, PMPE (Haiti)

Published in: on março 30, 2009 at 1:03 pm  Deixe um comentário  

Oficiais brasileiros em solenidade no Kosovo – 2004

O Major Becker (PM do Maranhão), o Embaixador brasileiro no Kosovo Ruben Amaral, o Major César (PMDF) e Major Jean (PMDF) na cerimônia de outorga da Medalha da ONU, no dia 07 de setembro de 2004,em Pristina, capital do Kosovo.

Published in: on setembro 16, 2008 at 10:51 pm  Deixe um comentário