Distintivo de Missão de Paz da PMSC

A Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) acompanhando as demais Corporações Policiais Militares, criou distintivo para aqueles que participaram de Missões de Paz.

A Portaria N. 150, de 12 de maio de 2017, aprovada pelo Exmo. Sr. Comandante-Geral da PMSC:

“Art. 1º Aprovar o distintivo de participação em Missões de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU), conforme normatizado no Ato nº 469 de 12 de maio de 2017”.

O Ato, seguindo as demais corporações prevê:

Art. 3º O uso do presente distintivo será exclusivo dos Policiais Militares da Corporação, que tenham integrado Missões de Paz da ONU e permanecido na área de missão pelo período mínimo de 6 (seis) meses.

Parágrafo único. Será vedado o uso do distintivo aqui tratado, por aqueles que tenham sido repatriados por motivos de natureza disciplinar ou que, de forma administrativa, tenham sido considerados pela ONU, inabilitados ou impedidos de prosseguir na Missão.

Parabéns a PMSC!

 

 

Anúncios
Published in: on agosto 30, 2017 at 1:32 am  Deixe um comentário  

SEM PERDER O FOCO

Anteriormente, com o objetivo de contar um pouco de minha primeira experiência como Boina Azul e visando fazer com que os leitores  conhecessem um pouco sobre minha carreira, eu descrevi em um único relato toda a minha passagem por Moçambique em 1994, desta vez, até pra que o meu texto não fique muito longo, escreverei por partes, hoje contarei como consegui vencer as barreiras para poder ir novamente para uma outra missão de paz.

Por Hélio Pacha, colunista.

Após o término da missão em Moçambique, em dezembro de 1994, eu pude chegar a duas conclusões, a primeira delas foi que os brasileiros que  falavam bem o Inglês haviam sido designados para boas funções, chamadas de “Bocas boas” e em localidades muito melhores do que os péssimos locais onde os não falantes do Inglês foram parar, conhecidas por “Bocas podres” e a segunda conclusão veio ao final da missão e foi a clara percepção de que não seria nada difícil aprender o idioma Inglês.

Decidi então me dedicar ao aprendizado da língua inglesa para poder tentar outra participação em uma outra Missão de Paz da ONU e me matriculei em uma tradicional escolinha de Inglês, cursei treze períodos por sete anos e em seguida prestei vestibular para Licenciatura Plena em Letras, idioma Inglês e fui aprovado.

Nesse ínterim, acontecia a fase mais intensa de minha carreira e como todo policial militar da ativa concorri a escalas de serviço operacional nas ruas e a diversas operações de todos os tipos, comandei unidades, conduzi diversos inquéritos policiais militares e sindicâncias, participei de longas solenidades de formaturas em datas comemorativas, escalas de representação em substituição aos meus atarefados comandantes, fui instrutor de cursos de formação e especialização, entre outras atribuições peculiares e ainda assim nunca sai do meu foco no aprendizado da língua inglesa, estudando no período da noite.

Até o final dos anos 90, como não era costume a aplicação de processos de seleção por parte do Comando de Operações Terrestres (COTER) do Exército, visando a proficiência na língua exigida pela ONU para a respectiva missão de paz, a seleção de policiais militares, no âmbito das corporações, dependia exclusivamente da indicação de seus comandantes e era praxe dar oportunidades e diferentes oficiais e praças, evitando que alguém pudesse ir em outra missão mais de uma vez, enquanto havia outros voluntários que ainda não tivessem ido.

No final do ano de 2002 a PMRO recebeu do COTER um edital de concurso para participação em Missões de Paz no Timor Leste porém, desta vez, somente aprovados nos testes de proficiência na língua inglesa poderiam seguir para a missão já no ano seguinte.

Nessa ocasião, os candidatos deveriam arcar com as próprias despesas para deslocarem-se a Brasília no Distrito Federal afim de participarem do certame.

Provavelmente por isso e acreditando que devido as circunstâncias financeiras que afetavam a todos no Estado de Rondônia, na PMRO não haveria voluntários, não houve restrição para que aqueles que houvessem participado de missões anteriores pudessem se candidatar novamente.

Naquele momento enxerguei a oportunidade ímpar que surgia, então incentivei para ir comigo para Brasília o então Capitão NILSON e assim o fizemos nossos requerimentos.

Em 2002 eu ainda era Major e como já mencionei, o Estado passava por dificuldades, nossos salários eram muito defasados, por essa razão decidimos ir de ônibus até Brasília para podermos economizar e aproveitamos os dois dias e meio de viagem para estudarmos um pouco mais.

Após nos apresentarmos no COTER, Logo que conhecemos os demais candidatos ocorreu um fato que depois me questionei se eu teria sido presunçoso, arrogante, antipático ou se foi estratégia para tentar deixar os concorrentes mais ansiosos, atualmente creio que foi só empolgação por estar satisfeito com meu próprio desempenho, a gente sente quando está indo bem.

Durante nossa recepção pela Comissão Aplicadora dos testes havíamos sido informados que somente cinco dentre os aprovados  iriam para o Timor Leste . Em um dos intervalos entre um teste de inglês e outro, um dos colegas comentou sobre as cinco vagas, de imediato eu o corrigi informalmente dizendo que ele estava enganado pois, só quatro vagas estavam em disputa e ele retrucou  reafirmando que não, que eram cinco e que tinha certeza pois, havia escutado bem quando informaram já que ele estava sentado bem na frente. Nesse momento, de súbito eu lhe falei sorrindo que só eram  quatro vagas mesmo que eles estavam disputando porque uma das vagas já era a minha!”

Lembro que a Capitão PMGO KEDMA perguntou se eu tinha certeza e eu lhe devolvi a pergunta dizendo:

“- Você acha que eu viria de ônibus de Rondônia pra cá se não tivesse certeza? Vencem aqueles que acreditam que vencerão!”

Em Brasília concorreram ao teste cinquenta e três Oficiais PM de vários Estados do país e somente treze obtiveram aprovação, o Major PMDF NIÑ0, o Major PMRO PACHÁ, o Capitão PMRO NILSON, a 1º Ten PMGO KEDMA e 1º Ten PMSE ÁLVARO.

Após retornarmos para Rondônia, cerca de quatro ou cinco meses depois e para surpresa aos incrédulos fomos informados sobre a data de nossa partida.

Na ocasião eu tive que trancar a minha matrícula na faculdade de Inglês no meio do semestre e passar o comando do 1º Batalhão de Polícia Militar onde estava na função de comandante há pouco mais de três meses para poder em seguida seguir viagem para o Timor Leste, do outro lado do mundo, com doze horas de diferença no fuso horário, começava então a minha segunda oportunidade nas Nações Unidas.

Foram diversos fatores que, durante nove anos aconteceram e que poderiam ter me desviado de meu objetivo porém, a perseverança e a esperança nunca me permitiram fraquejar assim, quando a oportunidade surgiu eu estava pronto para segurá-la. Desta vez, as “ Forças Ocultas” não impediram o meu sucesso e assim consegui integrar por mais uma vez o rol dos Boinas Azuis das Nações Unidas.

 

Foto Texto 2 Contingente de policiais militares brasileiros no primeiro dia no Timor Leste. 2003. (1)

Foto: Efetivo policial militar no Timor Leste, em 2003.

 

 

 

 

Published in: on agosto 29, 2017 at 8:17 pm  Comments (1)  

O “SENTIDO” DE UMA MISSÃO DE PAZ

Por Wagner WASENKESKI

Quando em preparação ou treinamento para uma Missão de Paz, prestes a usarmos uma boina azul, muitas são as informações e objetivos os quais nos são passados como sendo o “sentido” para tal trabalho. Todavia, no dia de hoje, deixando a Missão de Paz da ONU na Guiné Bissau, eu saio com a conclusão de que o mais importante em uma missão como esta, é dar-se por conta do quão relativa é a questão humana de “ajudar o próximo” , típica coisa dos que chamo de “homens de boa vontade”. Eu vim para ajudar, mas saio daqui ainda mais ajudado. Eu vim para deixar algo, mas creio que esteja levando mais do que deixei. Então, talvez, exista uma razão pela qual Deus coloca algumas pessoas nestas missões. Pode ser que, humildemente,  ao dizermos “sim, vou ajudar”, o destinatário final sejamos nós mesmos: recebemos, pois, a chance de melhorarmos a si próprios. Então, creio que o critério de “ajudar o ser humano”, seja verdadeiramente mais relativo do que pensemos. E creio que nos melhorando, melhoramos a quem esteja perto de nós, e assim por diante até chegarmos com “efeito fermento” a toda a humanidade. Para tal, Deus nos coloca em certas provações: é preciso abrir mão de nosso conforto, dos nossos hábitos tradicionais a que estamos acostumados, da nossa boa comida, bom banho, bom sono, boa saúde, e fundamentalmente ficarmos temporariamente afastados das pessoas que mais amamos…. E tudo isso com um propósito: amar a quem inicialmente jamais vimos e sequer sabemos os seus nomes (às vezes até morrer por eles, como já ocorreu com tantos colegas).   Em véspera de meu embarque à missão, disseram-me: “parabéns pela conquista, tu és especial”. Todavia, hoje eu penso: não sou bem eu que sou especial, e sim os nacionais daqui. Eu vim para servi-los, e, quanto a eles, uma missão internacional inteira foi montada para eles! Então, eles sim são especiais. Vejamos como, nesse sentido, tudo é tão relativo.

Por fim, em momento de minha partida, fica aqui registrado meu tributo, minha admiração e meu respeito a todos os colegas boinas azuis (“homens de boa vontade!”), que partiram de seus lares, deixaram temporariamente suas famílias e seu conforto, para servirem a outros que tanto mais necessitavam, e que, todavia, em nome da causa, tombaram em terras distantes e não voltaram para suas casas (do dia em que parti ate hoje, em solo africano, já foram mais de 150… ) Que Deus abençoe e conforte suas famílias e que, apensar de toda a dor, não se esqueçam de que nada foi em vão. É por causa deles, que muitos homens e mulheres serão libertos, muitos vulneráveis receberão de volta sua dignidade, muitas crianças “terão o direito de serem crianças”,  e muitas outras coisas que sequer saberemos.  “Alguns homens passam pela História; outros, fazem a História.”

Obrigado aos colegas da missão UNIOBGIS por toda a irmandade, em especial aos brasileiros pela construção da boa impressão de nosso povo que aqui deixamos, e obrigado aos irmãos guineenses por toda a ajuda. “Eu vim para a ajudar, mas estou levando mais do que deixei”.

Servir, servir, servir….

Força e Honra!

3BPM, Brigada, Brasil!

Cap Wagner WASENKESKI

Wagner WASENKESKI é Capitão da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, e trabalha no Escritório Integrado para a Consolidação da Paz na Guiné Bissau (UNIOGBIS), como Conselheiro Policial (Police Adviser), atuou no Escritório Regional da Ilha de Bubaque na referida Missão, ajudando na investigação criminal deste local, tráfico naval, corrupção das instituições públicas, formação dos policiais, policiamento comunitário, inclusive com as crianças através do desenvolvimento de atividades relativas a doutrina do PROERD, etc. Também, na capital do país, Bissau, atuou na reforma do setor de segurança, na formação do efetivo local, em atividades como Assistente Especial do Conselheiro Policial Sênior, dentre outras atividades.
Possui bacharelado em Ciências Jurídicas e Sociais pela PUCRS, Licenciatura Plena em Educação Física pela UFRGS e Bacharelado em Ciências Militares com Ênfase na Defesa Social, pela Academia de Policia Militar do Estado do Rio Grande do Sul.
No Rio Grando do Sul , trabalhou no Policiamento Ostensivo Ordinário, Pelotão de Operações Especiais, Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, Comando de Núcleos de Polícia Comunitária, Seção de Justiça e Disciplina e Chefia de Operações do 3º Batalhão de Polícia Militar.

Published in: on agosto 23, 2017 at 5:18 am  Comments (1)  

POLICIAL MILITAR SOBREVIVENTE AO TERREMOTO NO HAITI É HOMENAGEADO PELA PMDF

O oficial da Polícia Militar de Pernambuco, capitão Ricardo Couto, foi homenageado pelo comandante-geral da PMDF, coronel Marcos Antônio Nunes, na tarde de hoje (22/08), por ato de coragem na tragédia que matou cerca de 200 mil pessoas no Haiti em 2010. O comandante da PMDF parabenizou o capitão por representar, com excelência, a Polícia Militar no aspecto internacional.

Com atuação destacada em ações de pacificação, estruturação e segurança nas Forças de Paz da ONU, enquanto representante do Brasil e de Pernambuco no Haiti, o capitão Ricardo Couto, assim como os demais brasileiros que lá estavam e tanto orgulham a Corporação Militar, merece honras e aplausos. O espírito de luta, o desprendimento pessoal, a compaixão e amor ao próximo foram as principais virtudes que brotaram em meio ao caos da situação. O capitão relata que havia chegado 15 dias antes do terremoto para comandar o Grupo de Operações com Cães para o Instituto dos Policiais Nacionais Haitianos com a finalidade de apreender drogas na região, porém após o fatídico dia 12 de janeiro, a sobrevivência o tornou um herói, pois desde então o capitão vem se destacando em missões altamente complexas na região.

“Como policial militar de carreira, com 23 anos de profissão e 2 missões de Paz pela ONU no Haiti, eu não posso sequer mensurar, nesse momento, a alegria e o sentimento de honra e dever cumprido, tendo sido agraciado com um certificado pelo senhor comandante-geral da PMDF, coronel Nunes que também é presidente do Conselho Nacional de Comandantes-gerais. Nunca trabalhamos esperando reconhecimento ou sequer recompensa, porém quando vem de forma espontânea nos faz perceber que estamos no caminho certo”, afirmou o capitão Ricardo Couto.

Após a homenagem recebida no quartel do Comando-geral da PMDF, o capitão seguiu para o Palácio do Itamaraty onde foi condecorado pelo Ministro de Estado das Relações Exteriores, João Mendes Pereira, com a Medalha Sérgio Vieira de Mello. A comenda homenageia trabalhadores humanitários que se destacam na prestação de relevantes serviços de assistência humanitária e na promoção da paz e dos diretos humanos.

couto

 

Site da PMDF: link

Centro de Comunicação Social (CCS) da PMDF.

Criado em 22-08-17 17:56. Última atualização em 22-08-17 17:56. Escrito por Karina Linhares

 

 

 

Published in: on agosto 23, 2017 at 5:00 am  Deixe um comentário  

Tenente PMESP Fernanda Nossa escreve sobre fé e o respeito à diversidade cultural e religiosa em Guiné-Bissau

“PKO 5

A Guiné Bissau é um exemplo em termos de liberdade religiosa, coexistência pacífica de credos e respeito à fé!

3

Na mesma família há quem comemore o Natal e quem jejue no Ramadã, e isto é tão respeitado e tão disseminado na cultura local que católicos comemoram com festa o fim do Ramadã, animistas aplaudem Jesus Cristo e muçulmanos assistem a danças para divindades da natureza sem que um duvide da crença do outro, sem que outro imponha verdades a um e sem que dois ou três briguem…

E neste domingo, na primeira missa que meu senso individual de gratidão me fez assistir, foram vários os momentos em que me emocionei! O coral de crianças super afinado, os ritos preservados que discretamente o padre fez questão de manter e ensinar para seus fiéis e que os diferenciam de tantos e tantos por detalhes quase imperceptíveis como o fato de uma leitora da palavra esperar que a próxima se aproximasse dela para que juntas elas fizessem a saudação ao altar e só então assumissem seus novos locais na igreja, as palavras curiosas do português falado aqui do outro lado do Atlântico, os singelos mas sempre presentes instrumentos de percussão típicos da região que impõem às músicas uma atmosfera incontestável, poderosa e inconfundível de África, os vitrais discretos mas significativos de santos ao longo da igrejinha branca, a senhora de idade que professou intensamente sua fé a meu lado, o rapaz que estava no banco de trás e que me desejou a paz de Cristo com uma sinceridade que fazia tempo que não via no olhar de um desconhecido, o missionário mineiro que fez questão de vir nos conhecer ao fim da missa e que veio trabalhar no país em nome da igreja, as crianças, seus risos e cochichos curiosos sobre mim e meus amigos que tem o Brasil estampado na fuça, a delicadeza do terço que ganhei de presente de um comandante e grande amigo, o fato de eu saber que minha mãe também iria na missa lá no Brasil naquele dia e que de alguma forma nossos corações se encontrariam, tudo, simplesmente tudo me fez chorar…

E assim lacrimejei do início ao fim da missa, me juntei em oração pela transfiguração das pessoas, das cabeças dos políticos e das autoridades, para que enxerguem seu dever e atuem verdadeiramente pela sociedade bondosa desse país que tem um dos mais baixos IDH do mundo (172º colocado de 177 países) mas onde ninguém permite que um irmão acabe vivendo na rua ou morra de fome, no melhor exemplo de solidariedade que se pode imaginar… e como toda macumbeira que se preze senti arrepios, calafrios e ondas de energia que não pude conter e que me fizeram tremer de emoção ao perceber a força daquelas vozes unidas suplicando por paz e estabilidade e foi tão implacável este sentimento que imediatamente desejei o mesmo para o meu país…

Fechei meus olhos e agradeci profundamente tudo o que me aconteceu neste último mês e a grande oportunidade que o “Barba” me deu… confesso que são tantas coisas vividas de maneira tão intensa e significativa que ainda nem me dei conta que estou abrindo minha terceira semana de missão de paz, sem entender muito bem o meu papel no complexo contexto de ser “police adviser” ou conselheiro policial num Escritório Internacional Integrado para a Consolidação da Paz em um país pequenino, que conquistou com suor e sangue a liberdade há menos de 50 anos depois de séculos de colonialismo, que passou por diversas crises políticas e que tem atualmente a chance de que o presidente cumpra seu mandato por completo pela primeira vez!

Então me invadiu a certeza que não dá pra vir aqui fazer a diferença por propósito financeiro, por propósito pessoal, por propósito comercial ou por aventura… o único jeito de fazer valer a pena é realmente entender, de uma vez por todas, que o exercício da autoridade, seja ela política, familiar, educacional ou policial, decorre de um dos maiores mandamentos que o barba podia nos ter ensinado: o amor ao próximo! Se em Romanos 13 está escrito que toda autoridade vem de Deus, e que por este motivo, ela merece respeito e obediência, pois atua em nome dele, em algum lugar também está escrito que o governo existe para manter a ordem e a paz e que os governantes têm grande responsabilidade perante o “Barba”, pois devem fazer justiça e guiar o povo com sabedoria e cuidado e mais: que serão julgados de acordo com suas ações…

Então voltei a fazer a mistura de fé com ideologia que sempre acabo fazendo, voltei a enxergar um propósito divino no exercício do poder de polícia e voltei a acreditar que nunca, nunquinha, de jeito nenhum eu teria escolhido outra coisa pra fazer, nem em outra vida, nem em outro planeta…

4

OBS:

Post publicado pela 1º Ten PMESP Fernanda Nossa em uma rede social. Autorizado para publicação neste site. Fernanda é conselheira policial (police adviser) em missão de paz da ONU em Guiné-Bissau. Atualmente, atua como ponto focal (focal point) da UNIOGBIS com a polícia local para o desempenho das atividades de polícia comunitária na “Model Police Station”, ou esquadra policial modelo, como chamam em Guiné-Bissau.

Published in: on agosto 9, 2017 at 7:41 am  Comments (1)  

Veterano de Missão de Paz publica seu terceiro livro

O Tenente-Coronel da Reserva Remunerada da PMDF Antônio Sérgio Carrera, veterano da Missão de Paz da ONU em Moçambique (ONUMOZ, entre 1993-1994), publica seu terceiro livro hoje, dia 11 de junho de 2015, no Espaço Cultural do Restaurante Carpe Diem da CLS 104, Asa Sul, Brasília-DF.

Após publicar um livro sobre a experiência de um policial militar brasileiro em Missão de Paz na África (Sierra Romeu 8 – Uma Operação de Paz na África) e sobre a vida de um Oficial R/2 do Exército (Uma vida na caserna – lembranças de um oficial R/2), o seu terceiro livro é uma ficção com o título “VINTE ANOS DEPOIS”.

Prestigie!

 vinte anos depois

INFORMAÇÕES:

Data: 11 de junho de 2015.

Local: Espaço Cultural do restaurante Carpe Diem da CLS 104, Asa Sul, Brasília-DF.

Forma de aquisição: Os livros serão obtidos diretamente com o autor ao preço de R$ 35,00, pagos em espécie ou cheque em razão de não haver qualquer vinculação com o restaurante para a comercialização.

Published in: on junho 11, 2015 at 6:45 am  Deixe um comentário  

Lembranças ao eterno peacekeeper – Ten PMDF Cleiton Batista Neiva

Nesta semana, o nosso querido amigo Cleiton Batista Neiva completaria mais um ano de vida.

Torna-se um pouco repetitivo falar dele, mas é impossível deixar de lembrar de sua figura como pai, filho, marido, profissional e amigo atencioso.

Lembrava nesses dias quando participamos de um processo seletivo para Missões de Paz em 2003 ou 2004. O Cleiton estava apreensivo pois seria a primeira vez que faria a avaliação no idioma francês e à época, não era comum oficiais subalternos serem autorizados a participar de uma missão de paz, muito menos habilitados em idioma francês. Ambos passamos (eu em inglês), mas o Cleiton foi o único que passou em francês, e em poucos meses se deslocou ao Haiti para integrar a MINUSTAH, juntamente com outros dois oficiais (um da PMBA e um da PMGO), sendo os primeiros policiais militares brasileiros a compor a recém-criada missão da ONU. Assumiu cargos importantes e foi motivador e exemplo para vários outros policiais. A muito devo a suas orientações!

Foi o primeiro peacekeeper da 8ª Turma de Oficiais da PMDF (Aspirantes 1999), turma essa que leva seu nome.

Temos todos a certeza de que sua missão foi cumprida e a sua vida atingiu positivamente a muitas pessoas. Sua partida prematura de nosso convívio, em decorrência dos sismos no Haiti em 2010, nos deixam saudosos. Mas felizes àqueles que puderem conhecê-lo e conviver consigo.

Certo que está em lugar muito melhor, deixo apenas alguns registros, com toda a saudade que a sua ausência nos traz.

124

Foto 1 – Ainda com o “bichoforme” – 1º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma.

120

Foto 2 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma.

125

Foto 3 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma no intervalo das aulas.

134

Foto 4 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma se preparando para desfile ou jarrão …

101

Foto 5 – Na Base Operacional nº 8 – Terceiro e último Acampamento – No 3º Ano da Academia da PMDF.

102

Foto 6 – Na Base Operacional nº 8 – Terceiro e último Acampamento – No 3º Ano da Academia da PMDF.

171

Foto 7 – Baile da Espada – Após declarado Aspirante a Oficial, com sua irmã.

173

Foto 8 – Baile da Espada – Após declarado Aspirante a Oficial, com sua mãe.

marco_carrera_cleiton_e_esposa

Foto 9 – Recepção oferecida pela Embaixada do Brasil em Porto Príncipe, em comemoração ao 7 de setembro. 2007. Major BMRS Marco e sua esposa Irene.

DSC01262[1]

Foto 10 – No comando de operação durante distúrbios em Porto Príncipe. Entre 2004 e 2005.

DSC00071[1]

Foto 11 – Prestigiando o efetivo UNPOL na MINUSTAH durante solenidade de outorga da Medalha da ONU. 2007.

CLEITON

“Saudades, querido mano!”

Published in: on junho 6, 2015 at 8:03 am  Deixe um comentário  

Brasil recebe solicitação para indicar policiais militares para o cargo de PoC Site Coordinator no Sudão do Sul

A Organização das Nações Unidas lançou job description para processo seletivo para o cargo de PoC Site Coordinator, da Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul (UNMISS).

unmiss

O cargo é nível P-4.

O Brasil, e demais estados-membros da ONU, recebeu solicitação para indicar policiais candidatos para o cargo em regime de secondment contracted e em breve as corporações PM deverão ser notificadas.

Considerando entendimento do Exército nos últimos anos, o cargo deverá ser preenchido por Tenente-Coronel, com deadline para indicação junto a ONU até o dia 24 de julho de 2015.

Trata-se de um processo seletivo, onde os indicados concorrerão com policiais de vários países.

marco-unmiss

Foto: O Major Marco Antonio, da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, em Entebbe/Uganda, durante Induction Training, antes do deployment em sua Missão no Sudão do Sul.

PS: Nota já postada sobre as campanhas para cargos de secondment e importância dos cargos – vide post link 

Published in: on junho 6, 2015 at 6:19 am  Deixe um comentário  

Oficial da PMAL é indicado para cargo de Gênero e Pessoas Vulneráveis na Missão de Paz da ONU em Guiné-Bissau

No dia 02 de junho de 2015, o Ministério da Defesa (MD) indicou ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), o Major PMAL Rhonady Severino Oliveira para concorrer à vaga de Police Officer – Gender & Vulnerable People, nível profissional staff P-3, secondment contracted, para cargo no Escritório Integrado das Nações Unidas para Consolidação da Paz em Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

Parabéns ao veterano oficial pela indicação e a PMAL.

Published in: on junho 4, 2015 at 7:23 pm  Deixe um comentário  

Boinas Azuis – Dia Internacional dos Peacekeepers

Criado em 29-05-15 21:53. Última atualização em 29-05-15 21:53. Escrito por Gilmar Santo.

O dia 29 de maio foi instituído como o Dia Internacional dos Peacekeepers, através da Resolução da ONU nº 57/129 de Fev/2003, como homenagem àqueles que serviram e continuam servindo em Operações de Paz da ONU, em todo o mundo.

azuis

Em comemoração a esse dia, foi realizada uma cerimônia no Comando Militar do Planalto (CMP), no Setor Militar Urbano (SMU), em Brasília/DF. O evento contou com a presença do Ministro da Defesa e com a participação de militares das forças armadas e auxiliares que participaram das diversas missões em que o Brasil participou. A PMDF se fez presente com veteranos de diversas missões.

Fonte: Site PMDF

Published in: on maio 30, 2015 at 7:21 pm  Deixe um comentário  

PMDF OCUPA LUGAR DE DESTAQUE EM MISSÕES DE PAZ

Criado em 26-05-15 19:14. Última atualização em 28-05-15 11:21. Escrito por Fabio Evangelista

No dia 29 de maio é comemorado o dia mundial do peacekeeper, o soldado da paz, e a PMDF é, entre as policias militares de todo o Brasil, a maior contribuidora de material humano para as missões de paz em todo o mundo.

Desde a primeira missão de paz da ONU, em 1948, o Brasil participou de todas elas. Até 2007, mais de 18.000 militares e civis representaram o Brasil nas missões da ONU.

A Polícia Militar do Distrito Federal também participou de todas essas missões envolvendo polícias militares. Em 1991, o capitão Antônio Ribeiro da Cunha liderava o primeiro grupo de policiais brasileiros a integrar uma missão de paz da ONU, em Angola, na África.

Em todos esses anos PMDF enviou mais de 100 policiais em missões da ONU. Além de Angola, a PMDF também atuou na Guatemala, El Salvador, Moçambique, Kosovo, Guiné-Bissau, Sudão, Sudão do Sul, Haiti e Timor Leste.

26-05-2015 Missoes de Paz

Na foto, o major da PMDF Rodrigo Campos, em missão de paz da ONU, saudando um veterano da revolução armada que depôs suas armas para exercer seu direito ao voto, nas regiões montanhosas do Timor Leste.

Veteranos das forças armadas e das policias militares que participaram de missões de paz serão homenageados no Comando Militar do Planalto, no Setor Militar Urbano, às 09h do dia 29/05.

Fonte: Site PMDF (matéria corrigida)

NOTA:

Das 11 missões policiais que o Brasil participou, a PMDF se fez presente em todas, inclusive na Ex-Iugoslávia.

Published in: on maio 28, 2015 at 3:39 pm  Deixe um comentário  

Lançamento do livro “ONU – Operações de Paz”

No Dia Internacional dos Peacekeepers, 29 de maio, às 17:00, no 3o Regimento de Polícia Montada-Brigada Militar em Passo Fundo-RS, ocorrerá o lançamento do livro “ONU – Operações de Paz: a evolução histórica da ONU, da Polícia das Nações Unidas (UNPOL) e a participação da Brigada Militar”, de autoria do ilustre Major QOEM Marco Antonio dos Santos Morais, do Rio Grande do Sul. Veterano de 2 Missões de Paz (Haiti e Sudão do Sul), o atual Comandante do Colégio Militar de Passo Fundo, receberá os convidados e a sociedade em evento de relevância não apenas para ele, mas para a história de nosso país.

Parabéns ao Major Marco pela excelente iniciativa, a qual será objeto de leitura por muitas gerações.

Sucesso!

marco-livro1

COMO COMPRAR: Como autor independente, ele mesmo irá comercializar o livro, ao preço de R$40,00 (quarenta reais) + 4,20 (carta simples) ou 7,20 (carta registrada). Os interessados podem entrar em contato comigo inbox aqui no face ou, também, através do e-mail cap_marco@hotamil.com.

Síntese realizada pelo autor:

As Operações de Paz da ONU evoluíram desde a metade do século passado de Operações com estrutura e funções essencialmente militares para as Operações Multidimensionais, nas quais os segmentos civil, militar e policial se tornaram os três pilares básicos de uma Operação de Paz. Nesse contexto a participação policial nessas Operações ganhou destaque e importância dentro dos objetivos globais das missões a partir da década de 1990. Essa mudança de patamar da atividade policial é apresentada através do estudo do histórico da ONU e de seus órgãos internos, como o Conselho de Segurança e o Departamento de Operações de Paz (DPKO), dando ênfase à importância da United Nations Police (UNPOL) através da análise de suas funções específicas em uma Operação de Paz multidimensional, com destaque especial aos diferentes mandatos policiais estabelecidos pelo Conselho de Segurança para cada Operação. Através de relatos e fotografias, o livro faz um resgate histórico da experiência vivenciada por vinte e um Oficiais da Brigada Militar durante suas participações individuais em sete Operações de Paz ONU desde 1993, com um texto repleto de informações gerais e específicas a respeito das atividades diárias e funções desempenhadas por esses valorosos Oficiais nas Operações de Paz da ONU em El Salvador (UNOSAL), na Guatemala (MINUGUA), em Kosovo (UNMIK), no Haiti (MINUSTAH), na Guiné Bissau (UNIOGBIS), no Timor Leste (UNMIT) e recentemente no Sudão do Sul (UNMISS). O número expressivo de sete Operações de Paz proporciona ao leitor uma visão global do trabalho da UNPOL e da evolução das missões policiais, visto que a apresentação de cada operação parte da análise do histórico do conflito, do Mandato atribuído à UNPOL e das peculiaridades do cenário encontrado por esses Oficiais em diferentes países da América Central, Europa, Caribe, Ásia e África.

Published in: on maio 24, 2015 at 6:24 am  Deixe um comentário  

Capitão PMDF Ribeiro – primeiro policial militar brasileiro a chefiar um componente policial da ONU

Em 1991, o Capitão Antônio Ribeiro da Cunha, da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), liderava o primeiro grupo de policiais militares brasileiros a integrar uma Missão de Paz da ONU, partindo com um grupo de praças do DF para a UNAVEM II, em Angola, no continente africano.

Além de ser o primeiro oficial PM a participar de uma Missão de Paz e ser Comandante do Contingente Policial brasileiro, foi também o primeiro brasileiro (dos únicos 3 até a presente data) a ser nomeado pela ONU como o chefe do componente policial das Nações Unidas em uma Operação de Paz.

Cap Ribeiro - Angola - Gabinete

Foto 1: Capitão PMDF Ribeiro, Police General Inspector da UNAVEM II, em seu Gabinete. Luanda, Angola. 1992.

Longe das facilidades da tecnologia que se dispõe na atualidade, coube ao então Capitão Ribeiro o desafio de comandar e liderar grupo de policiais de vários países em uma área ainda conturbada. O futuro Comandante-Geral da PMDF, com muita sabedoria, conseguiu conduzir, apesar de todas as dificuldades, com excelência o seu cargo e muito bem representou o Brasil e a PMDF, enaltecendo o nome do nosso país e Corporação.

21

Foto 2: Capitão PMDF Ribeiro e policiais de outras nacionalidades.

Foi e continua sendo um incentivador e motivador para que policiais militares continuem a cada dia mais ocupar o espaço que existe no âmbito da paz internacional, o que, segundo o ilustre veterano, “é uma experiência única e enriquecedora na vida de um policial militar”.

Parabéns ao Coronel RR Ribeiro e aos primeiros desbravadores PMs que contribuíram com a paz e segurança nos países onde serviram. As novas gerações agradecem aos veteranos!

Published in: on maio 24, 2015 at 1:03 am  Comments (4)  

Major PMPA Bassalo em operação no Haiti

O Major Fabrício Bassalo, veterano boina azul da MINUSTAH (Haiti), completa hoje 4 décadas de vida, sendo 20 anos dedicados a Polícia Militar do Pará (PMPA) e a sociedade.

A foto abaixo mostra a atuação do então Capitão Bassalo durante as manifestações estudantis de junho de 2009, em Porto Príncipe (PaP), capital do Haiti, devido ao anúncio do governo haitiano de corte na verba da educação.

  bassalo-haiti

Foto: O então Capitão Bassalo e o Capitão SA’ED Al Maitah, Comandante da SWAT da Jordânia.

Segundo o peacekeeper, “Nesse dia especificamente, uma guarnição UNPOL[1] da Comissaria do centro de PaP estava em patrulha sem a presença da FPU[2], sendo cercada na área das universidades (por trás do Palácio Nacional).”

Na condição de Coordenador das Tropas de Choque da Polícia da ONU (UNPOL Crowd Control Coordinator) na MINUSTAH, o Capitão Bassalo seguiu liderando comboio de choque para resgatar os policiais internacionais cercados e ameaçados pelos manifestantes. Nessa operação, encontravam-se a seu comando: 1 Pelotão de Choque e 1 time tático (SWAT) da Polícia Real da Jordânia.

Atualmente, o Major Fabrício Silva Bassalo é o Diretor de Operações da Casa Militar do Estado do Pará.

Ao sempre atuante oficial, os votos de saúde e paz!

[1] UNPOL: United Nations Police. Componente policial de uma missão de paz ou nomenclatura usada também para os policiais internacionais que integram uma missão.

[2] FPU: Formed Police Unit (Unidade/Batalhão/Companhia de Polícia de Choque/CDC)

Published in: on abril 23, 2015 at 2:00 am  Deixe um comentário  

Tenente Anderson Pakuszewski (PMPR) e um pouco da sua trajetória na Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul

No dia 5 de abril de 2014, o Tenente da Polícia Militar do Paraná (PMPR) Anderson Pakuszewski aterrizava em solos africanos para a sua primeira experiência em Missão de Paz da ONU, no Sudão do Sul (UNMISS). Ele foi juntamente com o também tenente da PMPR, o Sr. Rodrigo Kravetz de Oliveira. Faltando poucos dias para o fim de sua missão (End of Mission – EoM), o Tenente Anderson nos envia um pouco da sua experiência no mais novo país do mundo. Dentre as funções que desempenhou, destacam-se as de Team Leader no CSB Pibor e Team Leader da patrulha no IDP Camp.

Abaixo, algumas fotos enviadas nesta data, com sucintas legendas (a dificuldade no acesso a internet é um problema constante para poder enviar material de qualidade).

image1

Foto 1 (acima): chegada na Base da ONU em Entebbe, capital de Uganda, para o período de treinamento básico inicial, o Induction Training.

image2

Foto 2 (acima): Na cidade de Bor (Jonglei State), no monitoramento de um campo de pessoas deslocadas (Internal Displaced Person – IDP) onde vivem cerca de 6 mil pessoas.

image3

Foto 3 (acima): O Oficial em apoio ao programa de distribuição de alimentos promovido pela agência WFP (World Food Program). A tarefa principal dos UNPOLs é de garantir a ordem no campo e a integridade das pessoas nos IDPs.

image4

Foto 4 (acima): IDP recebendo alimentos. um detalhe interessante observado pelo oficial é que na cultura local, as mulheres fazem a maioria das tarefas, inclusive as mais pesadas.

image5

image6

Foto 5 e 6 (acima): Em PIBOR, o Tenente realiza análise da área reservada para abrigar IDPs em caso de rompimento da ordem e necessidade de novos abrigamentos. Até a presente data, não foi preciso. 

Ao Tenente Anderson Pakuszewski da PMPR, os votos de parabéns quando da chegada de seu fim de missão, onde tão bem representou a PMPR, o Brasil e a ONU, sendo, sem dúvida, motivo de orgulho a seus amigos e familiares.

Published in: on março 29, 2015 at 9:07 pm  Deixe um comentário  

Coronel PMDF Garcia representará o Brasil no Encontro Temático sobre Comando Policial em Missões de Paz da ONU

Segundo informado, o Exército e o Ministério da Defesa indicou o Coronel PMDF Nelson Werlang Garcia para participar do “Encontro Temático sobre Comando Policial”, a ocorrer de 21 a 23 de outubro de 2014, em Pretória, África do Sul, conforme já havia sido publicado aqui.
 
Atualmente, sem dúvida que o Coronel PMDF Garcia, atual Comandante da Academia de Polícia Militar de Brasília (PMDF), é o policial brasileiro mais indicado a participar e representar o país no evento, tendo em vista ter sido Senior Police Advisor (chefe do componente policial) na Missão de Paz em Guiné Bissau há poucos anos além de haver participado da Missão na Bósnia.
 
Acertada a indicação e um passo adiante e no caminho correto.
 
PS: Pesquisando agora quem arcará com os custos ($) de sua participação no evento.
 
 
Published in: on setembro 9, 2014 at 12:54 pm  Comments (1)  

Atualizacao de efetivo UNPOL na MINUSTAH/Haiti (10 de maio de 2014)

Na presente data, o Brasil conta com o maior efetivo de policiais militar ja empregados no Haiti, com um total de 18 policiais:

– 12 policiais da PMDF
– 02 policial da PMPE
– 01 policial da PMAL
– 01 policial da PMSP
– 01 policial da PMERJ
– 01 policial da PMCE

Dos 18 UNPOLs, apenas 02 sao mulheres e 03 estao em sua primeira missao.

Mais outros 02 brasileiros ja receberam seu Deployment Tracking (DT) com chegada prevista para o mes de maio e outros 02 estao com problemas para emissao do Travel Auhorization (TA) ha mais de 2 meses e ate o momento nada foi resolvido. Mesmo com o fim de missao de 03 oficiais em junho, existe possibilidade real de 22 policiais militares como UNPOLs no Haiti até a referida data.

O Brasil hoje representa 2,1% do efetivo de policiais na MINUSTAH.

Published in: on maio 10, 2014 at 4:03 pm  Deixe um comentário  

UNPOL presta homenagem as vitimas do terremoto de 12 de janeiro de 2010

Homenagem realizada pelo componente policial (UNPOL), em 12 de janeiro de 2014, aos que faleceram na então sede da MINUSTAH, Hotel Christopher, Av. Bourbon/Porto Príncipe/Haiti, durante os abalos sísmicos que devastaram o país (cerca de 300 mil mortes) em 12 de janeiro de 2010.

foto 1

foto 2

1512632_761671097196170_1565626120_n

Eterna lembrança do querido e saudoso amigo Cleiton Batista Neiva, Oficial da PMDF/Brasil, único policial falecido dentre os 22 brasileiros.

foto 3

Published in: on janeiro 13, 2014 at 7:43 pm  Deixe um comentário  

Situacao dos policiais militares brasileiros apos tentativa de golpe de estado no Sudao do Sul

Visto que as comunicacoes com Juba, capital do Sudao do Sul, estao cortadas, o Primeiro-Tenente PMPR Juan Abreu, por trabalhar em Aweil, esta fazendo “a ponte” e em contato constante com os demais policiais miltiares brasileiros que integram a Missao da ONU no pais, a UNMISS, como membros de seu componente policial, a United Nations Police – UNPOL

Encontram-se a servico da ONU no Sudao do Sul os seguintes policiais:

1. Major PMDF Gilvani – Comandante do Contingente (de folga e fora da area de Missao – partiu um dia antes) – Em Juba.
2. Major PMESRJ Almeida Jr. – Em Juba.
3. Capitao BMRS Laudemir – Em Juba.
4. Capitao PMDF Melissa – Em Juba.
5. Primeiro-Tenente PMPR Juan Abreu – Em Aweil.

De acordo com o Tenente Juan Abreu, em rapida comunicacao nesta manha, ele afirma:

“Acabei de falar com o Major Almeida. O problema em Juba é que tem uns 7000 IDPs dentro da base e todos os voos estao cancelados. Por enquanto eles tem suprimentos suficientes. Sem incidentes contra efetivo da ONU”.

Boas noticias e os agradecimentos devidos ao Tenente PMPR Juan Abreu pelas informacoes.

* IDP – Internal Displaced Person.

Published in: on dezembro 17, 2013 at 3:07 pm  Deixe um comentário  

Capitã da PM está entre militares sitiados em campo da ONU no Sudão (do Sul)

Na internet, Melissa Rocha relata clima tenso em base, mas diz estar bem. Millhares de refugiados tentam acessar local em busca de abrigo, diz ONU.

16/12/2013 20h15 – Atualizado em 16/12/2013 20h17

No Facebook, capitã Melissa diz que está bem e aguarda
Por Ricardo Moreira
Do G1 DF

A capitã Melissa Rocha, da Polícia Militar do Distrito Federal , está entre os militares que estão sitiados numa base da Organização das Nações Unidas (ONU) em Juba, capital do Sudão. A informação é do Comando da Academia da PM em Brasília.

Segundo a PM, a capitã e outros oito militares de diversos países tentam impedir que refugiados acessem o local, por falta de espaço para acomodar pessoas quen tentam fugir da violência decorrente da crise política no país.
Os refugiados temem ser alvo de militares do Sudão do Sul , responsáveis por uma tentativa de golpe no país, afirma o comando da Academia da PMDF, tenente-coronel Leonardo Sant’Anna. De acordo a ONU, mais de 7 mil pessoas buscavam refúgio na base da entidade no Sudão nesta segunda-feira.

O G1 ainda tenta contato com a família da policial. No Facebook, a capitã Melissa Rocha postou às 18h27 uma mensagem em que dizia estar bem e que aguardava a reabertura do espaço aéreo para poder deixar o Sudão em direção a Uganda.

Blog na internet publicou fotos da capitã com militares do exército local em Juba.

De acordo com Sant’Anna, as últimas mensagens de Melissa por celular relatavam que ela estava bem, mas que o clima de insegurança na base era cada vez maior. Os refugiados aparentavam bastante fome e sede e diziam ter caminhado vários quilômetros para chegar até o local, segundo o relato que ela fez a ele.

Os mantimentos dentro da base da ONU seriam insuficientes para atender os moradores, informou o tenente-coronel. Segundo agências internacionais de notícias, há relatos de vários confrontos e tiros em diversas áreas de Juba . O espaço aéreo está fechado e o toque de recolher foi decretado.

Sem comunicação
Segundo Sant’Anna, a comunicação com a capitã foi interrompida por volta das 17h30 (horário de Brasília) desta segunda-feira (16).

Segundo ONU, civis chegam à base da entidade perto do aeroporto internacional de Juba
Sant’Anna diz que o contato com a policial estava sendo feito por meio de um aplicativo de celular que permite o envio e recebimento instantâneo de mensagens de texto. O tenente-coronel soube que o fornecimento de energia em Juba foi interrompido.
Num blog da internet, a capitã Melissa aparece em fotos ao lado de militares do Exército do Sudão do Sul. De acordo com o site, a oficial postou, em agosto deste ano, a seguinte mensagem: “Ainda estou me adaptando. O povo não gosta muito de fotos e se o exército local vê, costumam apreender os aparelhos. Então, melhor evitar qualquer tipo de conflito. Mas é tudo muito interessante. Outra realidade! Tenho vontade de tirar foto de tudo! Parece que estou num filme! A cidade não tem água encanada nem energia elétrica. O transito é bizarro…”.

Fonte: Site G1.

Published in: on dezembro 17, 2013 at 2:38 pm  Deixe um comentário  

Tentativa de “golpe de estado” do Sudao do Sul – 16 de dezembro de 2013

ss

Segundo a CNN, nesta segunda-feira, dia 16 de dezembro de 2013, ocorreu uma tentativa de golpe de estado por parte dos militares no Sudao do Sul.

Ha relatos de varios confrontos e tiros em areas diversas da capital do pais, Juba. O espaco aereo esta fechado e parte da populacao esta refugiada na base da ONU. Estima-se que cerca de 10 mil pessoas estejam dentro da base, sem alimentacao e meios adequados, sendo a maioria delas, mulheres e criancas.

Toque de recolher foi decretado.

Estamos em contato com amigos oficiais da PM, mas a conexao internet nao esta boa. Todavia, eles estao em contato com os seus familiares e informam que eles estao bem (sem maiores detalhes).

As autoridades brasileiras precisam ser notificadas para o apoio necessarios aos brasileiros (policiais, militares e civis) a servico da ONU e outros que ora estao no local.

Estamos tentando contato constante para prestar informacao e suporte possivel.

Noticia na midia: ver reportagem da CNN.

Published in: on dezembro 16, 2013 at 5:48 pm  Deixe um comentário  

Nota de Falecimento de Policial Veterano de Missao de Paz da ONU

matiascel

FOTO: Cel Matias no Timor Leste – Tomando depoimento em investigacoes.

“É com pesar que a Polícia Militar do Distrito Federal informa o falecimento do coronel QOPM José Wilame Vitoriano Matias, 52 anos, ocorrido na data de hoje (12), às 7 horas, vítima de grave acidente de trânsito enquanto seguia para o trabalho. Apesar de ser socorrido pelo SAMU e do pronto-atendimento realizado no Hospital de Base, veio a óbito. Atualmente o oficial ocupava o cargo de comandante do Comando de Policiamento Regional Leste. O sepultamento será realizado amanhã (13), às 11h30, no cemitério Campo da Esperança.”

Fonte: Site PMDF.

Lamentamos profundamente a passagem do Coronel Matias, veterano de 2 Missoes de Paz no Timor Leste. Que seus amigos e familiares, incluindo seu irmao Cel Marco (tambem veterano de Missao de Paz) recebam o conforto interior e apoio necessario.

O oficial, com quase 30 anos de servico, se preparava para integrar a UNIOGBIS ainda neste mês

Seu corpo foi velado e sepultado hoje, no cemiterio Campo da Esperanca, em Brasilia-DF.

Published in: on dezembro 13, 2013 at 9:03 pm  Deixe um comentário  

Mulheres fazem diferença na execução do mandato da missão de paz, diz chefe da Polícia ONU no Haiti

2

Policial brasileira, Virgínia Lima atua na missão de paz da ONU no Haiti. Foto: UNIC Rio/Damaris Giuliana

O chefe da Polícia das Nações Unidas (UNPOL) no Haiti afirmou ao serviço em português da Rádio ONU que pretende aumentar de forma significativa o número de mulheres que participam da missão de paz no país. Segundo Luís Carrilho, várias medidas estão sendo tomadas neste sentido.
Carrilho esteve na sede das Nações Unidas, em Nova York, na semana passada, para participar de um encontro dos comandantes da UNPOL do mundo inteiro.
De acordo com o oficial português, que também serviu no Timor-Leste, as mulheres fazem a diferença na hora de executar o mandato da ONU.
“A rede das mulheres políciais, seja a rede UNPOL, seja a Rede da Polícia Nacional do Haiti, que trabalham em conjunto, mas no nível do terreno, sobretudo trabalhando com as vítimas de crime [como violência sexual] a participação da mulher é extremamente importante”, disse Carrilho ao pedir que os países que contribuem com policiais ampliem o número de mulheres na missão. Atualmente, a força policial da ONU no país caribenho tem cerca de 10% de mulheres.
Policial brasileira atua no desenvolvimento de sistema de combate à violência contra mulheres
A violência doméstica e sexual é um problema grave e histórico no Haiti. Até bem pouco tempo, o medo impedia as mulheres de denunciar e, por vezes, as que procuravam apoio não recebiam ajuda porque muitos policiais não consideravam o estupro um crime.
O acompanhamento da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH) ajudou a mudar a situação do país e hoje existe uma rede de auxílio às vítimas, que além de oferecer apoio médico e psicológico, investiga os casos para levar os suspeitos a julgamento.
O trabalho tem sido intensificado nos campos de deslocados, onde é maior a vulnerabilidade de mulheres e meninas.
“Nós vamos até o campo onde ocorreu a violência, levamos a vítima a um hospital de Cité Soleil, que é o hospital que nós temos a maior facilidade por conta da equipe de psicólogas e de médicas”, descreveu a policial brasileira Virgínia Lima ao Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) em reportagem para marcar o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, 29 de maio.
Lá, essas mulheres recebem os remédios necessários no prazo de 72 horas para evitar doenças sexualmente transmissíveis e gravidez, além da documentação obrigatória para que a Justiça receba as denúncias.
“Se ela desejar ir até uma delegacia pra fazer o registro dessa ocorrência, a gente acompanha também”, diz a capitã, acrescentando que há um trabalho de sensibilização nesse sentido.

FONTE: Site ONU

Published in: on novembro 28, 2013 at 7:32 pm  Comments (1)  

Com apoio da ONU, Haiti desenvolve sistema de combate à violência contra mulher

1

Policial brasileira atua em campos de deslocados para evitar violência contra mulheres. Foto: UNIC Rio/Damaris Giuliana

(Capitao PMDF Virginia Lima)

A violência doméstica e sexual é um problema grave e histórico no Haiti, de acordo com a Polícia das Nações Unidas (UNPOL). Até bem pouco tempo, o medo impedia as mulheres de denunciar e, por vezes, as que procuravam apoio não recebiam ajuda porque muitos policiais não consideravam o estupro um crime.
O acompanhamento da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH) ajudou a mudar a situação do país e hoje existe uma rede de auxílio às vítimas, que além de oferecer apoio médico e psicológico, investiga os casos para levar os suspeitos a julgamento.
O trabalho tem sido intensificado nos campos de deslocados, onde é maior a vulnerabilidade de mulheres e meninas. O número de visitas feitas a esses locais por mulheres policiais da ONU cresceu de 114 em janeiro deste ano para 247 em abril. O grupo trabalha em conjunto com a Polícia Nacional do Haiti (PNH).
“Nós vamos até o campo onde ocorreu a violência, levamos a vítima a um hospital de Cité Soleil, que é o hospital que nós temos a maior facilidade por conta da equipe de psicólogas e de médicas”, descreve a policial brasileira Virgínia Lima.
Lá, essas mulheres recebem os remédios necessários no prazo de 72 horas para evitar doenças sexualmente transmissíveis e gravidez, além da documentação obrigatória para que a Justiça receba as denúncias.
“Se ela desejar ir até uma delegacia pra fazer o registro dessa ocorrência, a gente acompanha também”, diz a capitã, acrescentando que há um trabalho de sensibilização nesse sentido.
A ONU também atua na prevenção da violência realizando palestras e patrulhas nos campos de deslocados.
Formação policial ainda é desafio

O Haiti tem atualmente pouco mais de 10 mil policiais e precisa de ao menos 15 mil para que a segurança e a estabilidade sejam garantidas pelas autoridades locais. A formação desses profissionais ainda é um desafio para o país e para a ONU, que encontram dificuldade para alcançar a meta de mil novos policiais por ano.
Em 2012, por exemplo, 16 mil candidatos participaram da primeira fase da seleção, mas apenas 239 concluíram o curso da Academia de Polícia. Entre outros quesitos são avaliados o nível de alfabetização, condições de saúde e antecedentes criminais.
De acordo com o vice-comissário da UNPOL no Haiti, Serge Therriault, a PNH não pode ser pensada de maneira isolada porque é parte da reconstrução do país com base em instituições democráticas. Segundo ela, ampliar a capacidade da polícia requer mais do que treinamento: é preciso prover orçamento, infraestrutura e apoio operacional.
Também é preciso trabalhar a inclusão feminina na corporação. “Descobrimos que na cultura haitiana o que os pais pensam é realmente importante. Então, muitas mulheres não se engajam nessa carreira porque os pais não apoiam ou não veem a polícia como um lugar para mulheres”, relata Therriault. “Se pudermos mudar a percepção dos pais, só com isso devemos aumentar o número de recrutamento de mulheres.”
_____________________
Esta matéria faz parte de uma série de reportagens especiais, incluindo um vídeo, para o Dia Internacional dos Trabalhadores das Forças de Paz, lembrado a cada ano em 29 de maio. Confira todas as reportagens em http://www.onu.org.br/29demaio e o vídeo abaixo.

FONTE: Site ONU

Published in: on novembro 28, 2013 at 7:29 pm  Deixe um comentário  

Boinas Azuis homenageiam PM de Brasília

Última atualização em 28-10-13 07:50
Publicado em 25-10-13 16:02

A Associação Brasileira das Forças Internacionais de Paz da ONU – ABFIP/ONU – condecorou, na manhã desta sexta-feira, 28 policiais (oficiais e praças), cinco civis e um oficial do Exército Brasileiro, com medalhas de mérito. Os participantes das forças de paz são conhecidos como boinas azuis ou capacetes azuis.

A solenidade faz parte do conjunto de atividades direcionadas para destacar personalidades públicas que trabalham em favor da paz. O ex-combatente e presidente da ABFIP, Walter Vargas, comparou o cotidiano do policial com o das tropas de paz. “Os policiais lidam diariamente com a guerra urbana”.

O secretário adjunto de Segurança do Distrito Federal, coronel Paulo Roberto, lembrou que a Polícia Militar participa de missões de paz desde 1989. Nesse período, foram enviados voluntários a várias partes do mundo, incluindo o Haiti, Sudão, Guiné-Bissau e Iugoslávia. O secretário ressaltou ainda que os praças e oficiais voluntários participam não apenas das ações repressivas, mas atuam também na reestruturação administrativa, recrutamento e treinamento dos efetivos locais.

Em seguida, em tom de brincadeira, o comandante-geral da PMDF, coronel Jooziel de Melo Freire, disse que muitos homenageados eram crianças quando os militares brasileiros estavam combatendo no Vietnã e na Faixa de Gaza. E ainda destacou que a Polícia Militar é um pilar da democracia porque garante o direito individual ao cidadão. “Se existe alguém que se preocupa com os direitos humanos, esse alguém é quem enverga a farda”, disse. Ao final do discurso, para frisar a importância do trabalho dos combatentes, o comandante-geral da PM mencionou o seguinte trecho da canção da polícia militar: “Nós queremos que a pátria nos ame”.

Polícia Militar do Distrito Federal
Quartel do Comando Geral – SAISO – Área Especial 04 -CEP 70.610.200 – Brasília-DF

00ABDF

00ABcd2

FONTE: Sítio da PMDF.

Published in: on novembro 5, 2013 at 8:24 am  Deixe um comentário  

Breve resumo das atividades do Capitao PMDF Fernando Siqueira no Sudao do Sul

O Capitao PMDF Fernando Siqueira passou a integrar a Missao das Nacoes Unidas no Sudao do Sul (UNMISS) desde marco de 2013, como Policial das Nacoes Unidas (UNPOL).

SIQUEIRA2

Incialmente, assumiu o treinamento de “Tecnicas de Bastao Policial” e de “Policiamento Comunitario”:

SIQUEIRA3

SIQUEIRA6

SIQUEIRA8

Em junho, o Cap. Fernando Siqueira foi nomeado coordenador do Policiamento Comunitario de Maridi – CSB.

SIQUEIRA5

SIQUEIRA4

SIQUEIRA1

SIQUEIRA9

Parabens ao Cap. PMDF Fernando Siqueira que, como UNPOL e com todas as dificuldades encontradas, tem se esforcado em transmitir conhecimento aos policiais do Sudao do Sul assim como a comunidade local.

Published in: on setembro 22, 2013 at 3:31 pm  Deixe um comentário  

Tenente PMPR Juan Abreu coordena policiamento comunitario no Sudao do Sul

O Primeiro-Tenente PMPR Juan Abreu se encontra desempenhando a funcao de Policial da ONU (United Nations Police – UNPOL) na cidade de Aweil, estado de Northern Bahr el Ghazal, ao norte, perto da fronteira com o Sudao.

abreu1

“Cheguei aqui em 2 de abril (2013), e nos primeiros 3 meses estava no CSB Aweil realizando atividades de co-location e treinamento informal nos postos espalhados pela cidade. Cada semana um topico diferente.” – destaca o Oficial.

Fotos relacionadas a co-location:

abreu2

abreu4

abreu3

Depois de 3 meses foi transferido para o Sector Head-Quarter (SHQ) Aweil para assumir a funcao de encarregado pelo Policiamento Comunitario do setor. Entretanto, em seu primeiro mes trabalhou no Gender Children Vulnerable People Protection (GCVPP), monitorando as ocorrencias involvendo mulheres, criancas e vulneraveis, inclusive acompanhamento nas cadeias.

“Essa fotos abaixo mostram eu acompanhando o trabalho do Policial da Special Protection Unit”:

abreu5

“A respeito da ocorrencia na foto abaixo, o policial estava orientando os IDPs, os quais estavam com medo de um criminoso na regiao de Arroyo e fugiram e se instalaram em frente a uma Police Station”:

abreu6

abreu7

abreu8

Cheguei ate participar do curso “Gender Violence Emergency Response and Preparedness”, mas retornei e assumi a coordenacao do “Policiamento Comunitario”.

abreu9

“Estou a um mes trabalhando junto a Policia do Sudao do Sul na aplicacao da filosofia de policia comunitaria.” – reitera Abreu.

Parabens ao Tenente PMPR Juan Abreu, que dadas as dificeis condicoes no Sudao do Sul, tem desempenhado de forma destacada seu papel de promotor internacional de direitos humanos em Missoes de Paz, no treinamento e aconselhamento tecnico aos policiais do novo pais, muito bem representando o Brasil e a PMPR junto as Nacoes Unidas.

Sucesso sempre!

Sergio Carrera

Published in: on setembro 22, 2013 at 1:02 pm  Deixe um comentário  

PM veterano de Missão de Paz assume Estado-Maior no Rio de Janeiro

O CEL PACHECO, da Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro – PMERJ, veterano de Missão de Paz da ONU, assumiu a função de Chefe do Estado Maior Administrativo da PMERJ.

Published in: on setembro 17, 2013 at 4:59 pm  Deixe um comentário  

MINUSTAH: Capitão Sérgio Carrera é recebido pelo Police Commissioner

carrilho

Na manhã do dia 19 de agosto de 2013, O Comissário da Polícia de Segurança Pública de Portugal Luís Miguel Carrilho, Police Commissioner da ONU na MINUSTAH (Haiti) recebeu em seu gabinete a visita do UNPOL Cap. Sérgio Carrera Melo (PMDF/Brasil), da Seção de Desenvolvimento de Recursos Humanos (Human Resources Development Unit – HRDU), para uma visita de cortesia. Na ocasião, o Cap Sergio Carrera passou às mãos do Comissário o livro “Sierra Romeo 8 – Uma Operação de Paz na Africa” (foto acima), de autoria do Tenente-Coronel RR PMDF Antonio Sérgio Carréra, veterano da Missão de Paz da ONU em Moçambique (ONUMOZ) e pai do visitante. Profundo conhecedor dos temas relacionados ao componente policial das Missões da ONU (United Nations Police-UNPOL), o Comissário Carrilho destacou a importância de publicações sobre o assunto em português, como forma de difundir o assunto em âmbito global, principalmente para os leitores de países de língua portuguesa, além de estimular a cultura de estudos e trabalhos mais aprofundados sobre os temas de interesse. “Fantástico!”, disse o Chefe de todos os policiais internacionais na MINUSTAH, sobre a iniciativa do autor na publicação da obra, ressaltando seu carinho especial por Moçambique e seu povo. Muito agradecido pela deferência, disse ainda já estava ansioso para iniciar a leitura, pois o título havia lhe despertado interesse.
Postado por Cap Marco às 12:14

Fonte: Site UNPOLICE

Published in: on agosto 20, 2013 at 12:42 pm  Deixe um comentário  

Force Commander da MINUSTAH recebe mais alta condecoracao da PMDF

General

O general do Exército Brasileiro Edson Leal Pujol, comandante das forças militares das Nações Unidas para estabilização do Haiti (Minustah), recebeu a condecoração da Medalha Tiradentes na manhã desta quinta-feira (15). A outorga é a mais importante homenagem prestada pela PMDF. A solenidade foi realizada no gabinete do subcomandante-geral da corporação.

Estiveram presentes no evento: o comandante-geral da PMDF, coronel Jooziel de Melo Freire; o subcomandante-geral, coronel Paulo Sérgio Soares Sarmento; o chefe do Estado-Maior, coronel Adilson Evangelista e o diretor do DEEC, coronel Garcia.
O general Edson Leal, antes de assumir a missão de paz no Haiti, foi chefe do Centro de Inteligência do Exército Brasileiro.

Fonte: Site PMDF.

NOTA: O Chefe do Estado-Maior da PMDF, Coronel Adilson e veterano da Missao de Paz da ONU em Guatemala e o Coronel Nelson Garcia e veterano das Missoes da ONU na Bosnia e em Guine-Bissau, onde foi o Senior Police Advisor, Chefe do componente policial.

Published in: on agosto 19, 2013 at 8:12 pm  Deixe um comentário  

A Capitão PMDF Melissa assume funcoes como UNPOL no Sudão do Sul

A Capitão PMDF Melissa Rocha, após realização de Induction em Enttebe/Uganda e em Juba, recebeu seu deployment na Missao de Paz da ONU no Sudão do Sul, passando a atuar como oficial do GCVPP (Gender Children and Vulnerable Persons Protection) do estado Central Equatorial, onde fica a capital pais, Juba.

melissa - 1

melissa - 2

– “Ainda estou me adaptando. O povo não gosta muito de fotos e se o exercito local vê, costumam apreender os aparelhos. Entao, melhor evitar qualquer tipo de conflito. Mas e tudo muito interessante. Outra realidade! Tenho vontade de tirar foto de tudo! Parece que estou num filme! A cidade não tem água encanada nem energia elétrica. O transito é bizarro…”
Uma das principais responsabilidades da UNPOL Melissa e assessorar a policia local.

melissa - 6

melissa - 7

– “No meu estado tem dois CSB (County Support Base) que sao subordinados a minha seção. As patrulhas vão às estacoes de policia pra fazer as co-locations com os policiais locais.”

melissa - 4

melissa - 5

Muita sorte e sucesso a Capitão Melissa como Policial das Nacoes Unidas (United Nations Police – UNPOL)!

Published in: on agosto 19, 2013 at 7:50 pm  Deixe um comentário  

1º Encontro do Boinas Azuis da PMERJ

“Boinas Azuis” da PM se reúnem pela primeira vez

O 1º Encontro dos Boinas Azuis reuniu policiais militares atuantes nas missões de paz da ONU no exterior

 

Priscila Marotti (Texto) e Gabi Nehring (Fotos) 

O hotel Fasano foi tomado pelo azul na manhã desta segunda-feira. Além da farda da Polícia Militar, as boinas diferenciadas identificavam uma reunião inédita, realizada em um dos salões do hotel. O 1º Encontro dos Boinas Azuis reuniu policiais militares atuantes nas missões de paz da ONU no exterior e terminou com a proposta de elaborar um livro com experiências dos oficiais fora do país.

A reunião – uma homenagem ao Dia Internacional dos “Peacekeepers” (em português, “Mantenedores da Paz”) das Nações Unidas, comemorado dia 29 de maio – se tratou de uma oportunidade para trocar histórias e ideias entre oficiais que atuaram em locais conflagrados como Sudão, Haiti, Timor Leste e países da América Central. Grande parte dos policiais presentes chegou a participar da primeira missão de paz de oficiais brasileiros fora do país, em Moçambique, no início da década de 1990.

Ten Cel André participou da missão de paz em Darfur, no SudãoTen Cel André participou da missão de paz em Darfur, no Sudão

Para o organizador do encontro, Tenente Coronel André Silva, Comandante do 41º BPM (Irajá), a proposta era não só reunir, mas discutir sobre o importante papel dos policiais militares também fora do Brasil. “Nós temos representantes dessas missões de várias gerações que nunca haviam se encontrado para discutir o tema. Acho que o mais importante foi fazer esse primeiro contato e estimular a ideia de estabelecermos maiores relações com os procedimentos da ONU”, ressaltou o Tenente-Coronel, que participou da missão de paz em Darfur, no Sudão.

Segundo ele, a experiência fora do país também teve resultados positivos em seu trabalho como policial militar no Rio de Janeiro. “Eu já havia feito o curso de Operações Especiais aqui antes de viajar e, quando voltei do Sudão, entrei para o BOPE na manutenção da ocupação do Complexo do Alemão e da Vila Cruzeiro. Essa vivência em Darfur foi muito importante até porque eu já entrei sabendo como proceder em lugares de conflito”, lembrou.

São essas histórias e o resultado delas no trabalho do policial militar que serão transformadas em um livro de experiências relacionadas às missões de paz fora do país. As ideias e propostas para elaboração da publicação serão discutidas via email pelos participantes do encontro.

Ten Cel Castro (microfone) esteve no Timor Leste, em 2000 e 2001

Comandante das polícias locais e internacionais na missão realizada no Timor Leste, em 2000 e 2001, o Coronel Henrique Lima Castro, que hoje atua no Comitê Organizador das Olimpíadas de 2016, ressaltou a importância de se exaltar o trabalho dos “boinas azuis”, principalmente dentro da realidade da pacificação no Rio de Janeiro.

“Eu cheguei a comandar 1.350 policiais internacionais e outros 1300 locais na missão de paz do Timor Leste. É claro que essa experiência me ajudou muito a trabalhar aqui no Rio. Essas experiências servem o tempo inteiro porque as dificuldades e muitas das soluções são bem parecidas. Lá, eu também trabalhei como spokesman (uma espécie de Relações Públicas), tendo que lidar o tempo todo com a imprensa. Essa experiência foi fundamental na época que assumi a chefia da Comunicação Social da PM, principalmente na época da invasão do Complexo do Alemão”, contou.

Durante o encontro, os policiais apresentaram, também, um panorama da realidade de quem trabalha com missões de paz pelas Nações Unidas. A ideia é que, futuramente, se consiga criar grupos oficiais de policiais interessados em participar dos programas da ONU – já que, atualmente, o policial se voluntaria individualmente para as missões.

Segundo levantamento feito pelo organizador do encontro, o Brasil é o 11º colocado entre os países que participam de missões de paz da ONU – estando a Jordânia, Bangladesh e Índia e, 1º, 2º e 3º lugares, respectivamente. Hoje, cerca de 20 policiais brasileiros estão atuando pela ONU em outros países.

Paulo quer aumentar continjente de PMs nas missõesPaulo Rodrigues quer aumentar continjente de PMs nas missões

Presente na reunião, o chefe-adjunto de Segurança da ONU no Brasil, Paulo Rodrigues, reforçou a importância de estimular a Polícia Militar a estar mais em contato com as Nações Unidas. “Quando falamos em manutenção da paz, não tenho dúvida nenhuma de que essa missão é, principalmente, da polícia. Acho que está na hora de discutirmos mais o aumento de policiais brasileiros nas missões. Nosso escritório está ao dispor dos senhores. É sempre uma honra trabalhar com vocês”.

A segunda reunião ainda não foi marcada, mas os oficiais pretendem realizar encontros constantes para incentivar a difusão do trabalho destes oficiais.

Fonte: Site Familia Azul

Published in: on julho 9, 2013 at 7:27 pm  Deixe um comentário  

Capitao PMDF Melissa se prepara para Missao de Paz da ONU na Africa

A Capitao PMDF Melissa Rocha se prepara para sua primeira Missao de Paz junto a ONU, com embarque previsto para os proximos 15 dias. A missao sera no Sudao do Sul/Africa.

Parabens a Capitao Melissa pela conquista e a PMDF e ao Governo do Distrito Federal por fazer parte do esforco global da ONU em atingir a meta de 20% de UNPOLs femininas em 2014. As atuais 02 policiais femininas brasileiras hoje em Missao de Paz sao da Policia Militar do Distrito Federal. A Capitao Melissa sera a terceira em area de missao ainda no mes de julho 2013.

Sucesso!

Published in: on julho 8, 2013 at 3:11 pm  Deixe um comentário  

Policiais brasileiros são condecorados na MINUSTAH (Haiti)

No dia 11 de março de 2013, no Gabinete do Comissário da Polícia da ONU na MINUSTAH, Luís Miguel Carrilho (Portugal), o Major PMPE Robson Cordeiro e o 1 Tenente PMSE Moraes foram condecorados com a medalha da ONU pelos relevantes serviços prestados em prol da paz e segurança no Haiti.

Parabéns aos oficiais!

Medalha Haiti  - Robson e Moraes

Foto: Sentados (Tenente Moraes, Comissário L. Carrilho e Major Robson)

Published in: on março 31, 2013 at 4:05 am  Comments (3)  

Dia histórico para UNPOLs brasileiros

“UNMISS: Dia histórico para os UNPOLs brasileiros, pela primeira vez dois contingentes se encontram na área de missão. O Maj Gilvani PMDF, Maj Marcos Almeida Jr.PMERJ, Cap Fernando Siqueira PMDF, Cap Laudemir Da Rosa Gomes RS, e o Ten Juan Abreu PMPR, já estao em Juba. Esta foto foi tirada logo após o Medal Parade dos militares brasileiros na missão. Cerimônia na qual também foi agraciado o Ten Fabio Barros. Nesta foto estão reunidos todos os Militares e UNPOLs brasileiros da UNMISS.”

*22 de março de 2013*

Capitão BMRS MArco Antonio dos Santos Morais.
Veterano de 2 Missões de Paz da ONU e Adm/Moderador do Blog UN Police.

UNMISS - foto histórica

Published in: on março 30, 2013 at 5:11 am  Comments (1)  

Deployment dos policiais brasileiros no Sudao no Sul – UNMISS (marco 2013)

Foi publicada nesta data a classificacao (deployment) dos policiais brasileiros que recentemente integraram a Missao de Paz da ONU no Sudao do Sul (UNMISS):

– O Tenente PMPR Juan Abreu e o Capitao BMRS Laudemir foram classificados em Turalei (norte do pais, perto de Abyei).
– O Maj PMRJ Almeida Junior e o Cap PMDF Fernando Siqueira irao para Maridi (sul do Sudao do Sul).

– O Maj PMDF Gilvani ficara baseado na capital Juba.

Os oficiais classificados nas regioes ficarao em CSBs e em atividades de co-location. Ja o Major Gilvani devera assumir funcoes nos escritorios da sede da UNMISS.

Sucesso a todos!

Sergio Carrera

Published in: on março 28, 2013 at 5:52 pm  Deixe um comentário  

Próximo do término de sua Missão de Paz no Sudão do Sul, o Capitão BMRS Marco Antonio resume as suas atividades (março 2013)

“Chegada na Missão em Entebbe: 27 de março de 2012

Chegada em Juba: 02 de Abril 2012

1st Deployment: CSB Akobo, Jonglei State, chegada no dia 13 de abril (sexta-feira 13…kkkk)

Em Akobo desempenhei as funções e co-locator na qual treinávamos os Policiais locais (SSNPS – South Sudan National Police Service) diariamente no local de trabalho através de advising e mentoring. Também éramos responsáveis pelo acompanhamento diário da situação dos presos no quartel da policia local com foco nos direitos humanos e aspectos legais a fim de evitar detenções arbitrárias e prolongadas sem motivo, bem como no acompanhamento do trabalho dos policiais responsáveis pelas investigações. Trabalhei cinco meses em Akobo.
2nd Deployment : Torit State HQ, Eastern Equatoria State (Agosto de 2012)

Foto AP/MA: Instruçao – auxilio do Tradutor para explicar em árabe aos policiais

Em Torit inicialmente fui designado para assumir a função de Coordenador Estadual da Polícia Comunitária. Neste período fui responsável pelo início da estruturação, a nível estadual, dos programas de polícia comunitária, os quais tinham como meta principal a criação dos comitês de polícia comunitária, denominados de PCRC – Police community relations committee – nos diversos municípios e vilarejos do Estado. Também participei da organização de uma campanha de conscientização contra a violência doméstica e violência contra crianças, um dos grandes problemas do país. O programa atingiu várias escolas primarias e comunidades do estado.

Foto AP/MA: Atividade de Co-location com auxilio de tradutor.

Em Novembro fui convidado para assumir a função de Coordenador Estadual de Operações o qual é responsável por planejar e organizar as patrulhas de longa distância, patrulhas aéreas e patrulhas conjuntas com os militares e segmentos civis da missão. Também, como oficial de operações, sou responsável pelos relatórios diários a serem enviados para Juba , bem como por todas as comunicações de ocorrência criminais e atividades de treinamento desempenhadas pelos UNPOLs.

Eu e UNPOL Turco fiscalização cela feminina

Foto AP/MA: Cap. Marco Antonio e um UNPOL Turco fiscalização cela feminina.

Durante 21 dias no mês de Dezembro e durante 18 dias no mês de janeiro respondi pelo Sub-cmdo estadual (Deputy State Advisor) da UNPOL no Eastern Equatoria State – EES – sendo responsável pela parte operacional do Estado, enquanto o State Advisor é o responsável pela representação dos UNPOLs perante as outras agências da ONU e autoridades locais.

Nesse período, como sub-cmt regional, fui encarregado de receber os novos UNPOLs e fazer o Induction training de 1 dia no Estado. Recebi e dei boas vindas a policiais da Suécia, Ilhas Fiji, China, Alemanha, Ghana e Noruega. Também fui responsável por confeccionar o Appraisal Form dos UNPOLs em processo de check out e dos UNPOLs que requereram extensão do Tour of Duty.”

Cap. BMRS Marco Antonio dos Santos Morais
Veterano da MINUSTAH (2007/2008) e UNMISS (2012/2013)
Autor e moderador do Blog UNPolice.

Published in: on março 6, 2013 at 3:00 am  Deixe um comentário  

Policiais militares femininas em Missões de Paz (2012/2013)

Dentre os 14 policiais militares brasileiros em Missões de Paz da ONU, nas únicas 3 missões que o Brasil envia efetivo atualmente, cabe destacar a presença de 04 oficiais femininas: duas Capitães da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), Virgínia Lima (1) e Natália Teixeira no Haiti (MINUSTAH) (2) , e duas 1º Tenentes da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP), Karin Lopes e Renata Cunha no Sudão do Sul (UNMISS) (3), totalizando 18 participações de policiais militares femininas em Missões de Paz da ONU, desde o ano de 1991.

Veterana da UNMIT (Timor Leste, 2008/2009), a Capitão PMDF Virgínia seguiu para sua segunda Missão de Paz da ONU no Haiti, unindo-se assim a outras duas oficiais femininas, ainda da ativa, como as únicas mulheres policiais brasileiras com essa expertise internacional (4).

IMG_4115

Foto: AP – Capitão PMDF Virgínia em ações social da UNPOL em IDP (2013).

Após sua chegada em Porto Príncipe, em dezembro de 2012, foi classificada no West Department, no Gender Mobile Team (GBT) junto aos IDPs (5) na região de Porto Príncipe, capital do Haiti. O GBT é composto apenas por UNPOL femininas de várias nacionalidades e são responsáveis pelo monitoramento e mentoring da Polícia Nacional do Haiti (PNH) no atendimento de crimes de natureza sexual e violência doméstica, problemas dos mais graves de criminalidade no país.

IMG_4044
Foto: AP/VSL – Cap. PMDF Virgínia no monitoramento em Gender Focal Point (2013)

IMG_4071
Foto: AP/VSL – Cap. PMDF Virgínia no monitoramento em Gender Focal Point (2013)

Diariamente, a Capitão Virgínia enfrenta situações críticas de estupro e violência contra a mulher (incluindo crianças), devendo adotar medidas imediatas nos Gender Focal Points (6) estabelecidos na região assim como nos hospitais que já possuem estrutura para atendimento especial para esses tipos de violência. Dada a sua desenvoltura e profissionalismo, vem se destacando e sendo referenciada pelo comando da Missão para representar a MINUSTAH em eventos internacionais relacionados à “Proteção de Civis”, tema dos mais importantes no âmbito da ONU nos últimos anos. Trabalha com um tema sensível e junto a uma população carente e em condições que beiram a miséria.

IMG_3880
Foto AP/VSL: Capitão PMDF Virgínia com crianças haitianas que residem em IDPs.

A Capitão PMDF Natália foi inicialmente classificada na Seção de Segurança e Ordem Pública do Departamento Central de Polícia Administrativa (DCPA), atuando no monitoramento e acompanhamento das atividades de ações conjuntas da PNH no trânsito, UNPOL e FPU (7). Após algumas semanas, foi transferida para a Coordenação das FPUs, unidade subordinada a Central de Operações responsável operacionalmente pelo emprego das 11 FPUs no país (e um time SWAT) no monitoramento e coordenação de operações policiais e conjuntas (com a Polícia Nacional do Haiti – PNH, UNPOL e Forças Militares da MINUSTAH), supervisão no cumprimento de ordens de serviço, treinamentos básicos de quick response, dentre outras atividades. Tem um papel importantíssimo na coordenação da única FPU composta unicamente por policiais femininas (de Bangladesh) desenvolvendo trabalho de grande relevância.

Fotos abaixo: Cap. PMDF Natalia em treinamento de quick response com FPU de Bangladesh.

foto (87)

foto (88)

foto (85)

A 1º Tenente PMESP Karin foi inicialmente designada para a cidade de Malakal, segunda maior do Sudão do Sul, trabalhando em co-location (8) com a polícia do Sudão do Sul e coordenando treinamentos diversos, como o de policiamento comunitário. Após alguns meses, Karin foi transferida para a capital, Juba, para a função de Assessora Especial do Chefe de Treinamento (Special Advisor of Chief of Training), com papel relevante, tendo seu pedido de extensão para permanência na Missão sido autorizado pelo comando da Missão e pelo Departamento de Manutenção de Operações de Paz (DPKO).

419870_487295004641345_115468600_n
Foto: AP/FB/KLY – Tenente PMESP KArin Lopes ministrando aula em curso de Policiamento Comunitário em Malakal, Sudão do Sul.

A 1º Tenente PMESP Renata, assim como a Tenente Karin, foi da mesma forma classificada na cidade de Malakal, trabalhando no monitoramento e mentoring da polícia do Sudão do Sul. Posteriormente, foi transferida para o Quartel-General da UNMISS, onde trabalhou na Unidade de Finanças.

581053_127812487351224_1100498369_n
Foto:AP/FB/RC – Tenente PMESP Renata – Monitoramento na Dengashuff Police Station — em Malakal/Sudao do Sul em Malakal.

Karin e Renata foram as 15ª e 16ª policiais militares femininas a participarem de Missões de Paz da ONU desde o primeiro envio de policiais brasileiros em 1991 e as 5ª e 6ª mulheres policiais de nosso país a integrarem uma Missão de Paz no continente africano. Natália e Virgínia são, respectivamente, as 17ª e 18ª (9) policiais femininas brasileiras a participar de uma Missão de Paz, sendo elas as primeiras mulheres policiais militares brasileiras a integrar a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti – MINUSTAH, criada em 2004.

553341_487427824628063_1666817415_n - Cópia
Foto AP/FB/KLY: Tenente Karin (com Tenente Renata a seu lado) recebendo seu diploma na Medal Parade, solenidada onde foram agraciadas com a medalha da ONU na UNMISS.

O Brasil não tem uma política voltada especificamente para incentivar uma maior participação de mulheres policiais em missões de paz da ONU, como prevê a Resolução da ONU 1325, ações de incentivo das Nações Unidas “Women in Peacekeeping”, onde apresente a importância da participação da mulher (como gênero) e da policial feminina em particular em missões de paz, na promoção da paz e segurança internacional.

Vários países possuem um plano estratégico para o incentivo de suas policiais, como missões de 6 meses, com possibilidade de extensão (período menor do tempo comum, de 12 meses) e outros benefícios que despertem o interesse das policiais e possibilitem acesso a estudo de idiomas e a treinamento adequado.

NOTA: Às oficiais da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP), que encerram a Missão neste mês de março, o agradecimento e reconhecimento pelo excelente trabalho realizado durante todo o ano. Às oficiais da Polícia Militar do Distrito Federal, os votos de uma missão ainda mais brilhante em prol da paz e da segurança internacional, na certeza de que muito bem estão representando vossas corporações e o Brasil, motivos de orgulho para seus amigos e familiares.

Sérgio Carrera de A Melo Neto.

(1) Única veterana entre as 4 oficiais.
(2) As Capitães da PMDF integraram a MINUSTAH na mesma data, em dezembro de 2012.
(3) As oficiais da PMESP integraram a UNMISS na mesma data, em março de 2012.
(4) Apenas duas policiais militares femininas da ativa possuíam experiência em duas Missões de Paz da ONU, uma Tenente-Coronel da PMDF (Timor Leste e Guiné-Bissau) e uma Major da PMGO (Timor Leste por duas vezes). A Capitão PMDF Virgínia serviu no Timor Leste (2008/2009) e agora no Haiti (2012/2013).
(5) IDP – Internal Displaced Person (Campos de Deslocados Internos). Os IDPs no Haiti, especialmente no Departamento de Porto Príncipe, foram criados em virtude do terremoto de janeiro de 2010, que devastou o país e deixou mais de 220 mil mortos (segundo dados do Governo haitiano) e 300 mil (segundo agências internacionais), além de milhares de pessoas desabrigadas.
(6) Gender Focal Points (Pontos Focais de Gênero) são escritórios de atendimento a vítimas de violência sexual e violência doméstica.
(7) FPU – Formed Police Unit = Unidades de Choque/Manutenção da Ordem Pública da ONU. Fazem parte do componente policial das Missões (United Nations Police – UNPOL), mas compõem um contingente policial, com regras próprias e que são responsáveis pela proteção do staff da ONU, da estrutura físicas das instalações, ações de cooperação com a polícia local, operações policiais e conjuntas, check points, ações de choque e controle de distúrbios civis (CDC), dentre outras.
(8) Resumidamente, co-location é o termo para o trabalho conjunto realizado pelo UNPOL no monitoramento e mentoring da polícia local nas atividades diárias.
(9) Essa numeração inclui a dupla participação de 3 oficiais femininas, incluindo a Capitão PMDF Virgínia Lima.

Published in: on março 5, 2013 at 2:07 am  Comments (4)  

Rotação de UNPOLs brasileiros no Sudão do Sul (março 2013)

Segundo informações do Capitão BMRS Marco Antonio (01), cinco oficiais policiais militares (01 Maj e 01 Cap da PMDF; 01 Maj da PMERJ; 01 Cap do RS e 01 Ten da PMPR) receberam a Travel Authorization – TA no dia 21 de fevereiro de 2013 e tiveram suas passagens emitidas para embarque no dia 14 de março.

Os cinco oficiais PM que terminam o tour de missão no Sudão do Sul e iniciam o check out (procedimentos administrativos para receberem autorização para término de missão) no dia 21 de março (entre 21 e 26) em Juba e provavelmente se encontrarão com os new comers entre os dias 24 e 26 de março, após o período de Induction Training, que no caso da UNMISS e de outras 7 missões na África é realizada em Entebbe/Uganda.

A previsão é que o Induction se inicie no dia 19 de março. De acordo com o Capitão Marco, “na pior das hipóteses, a expectativa é que todos os brasileiros se encontrem no dia 24 de março”.

Possivelmente, será a primeira vez que um efetivo policial militar UNPOL brasileiro se encontrará na área de missão durante o período de rotação.

Sérgio Carrera

(1) O Capitão Marco Antonio, da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, é veterano da MINUSTAH (2007/2008) e está em vias de terminar sua segunda missão (UNMISS). É o autor e administrador do blog UNPolice.

Published in: on março 2, 2013 at 2:29 am  Deixe um comentário  

Veterano de Missão de Paz lança seu segundo livro

Após o lançamento do livro Sierra Romeo 8 – Uma aventura na África, ficção com base em sua experiência em Missão de Paz da ONU, o Tenente-Coronel PMDF (RR) Antônio Sérgio Carrera lança seu segundo livro, “Minha vida na Caserna: lembranças de um Oficial R2”, pela Editora Protexto.

 

capa livro TC RR Sergio Carrera  - Livro 2

 

[…]
A história que vocês irão conhecer neste simples relato nada mais é do que a experiência ímpar que milhares de brasileiros,assim como eu, tiveram a oportunidade de vivenciar, ao longo de suas vidas, integrando os quadros de pessoal do Exército Brasileiro e que hoje, como integrantes da sociedade, se realizaram profissionalmente em campos diversos no mercado de trabalho e, saudosos, lembram-se dos bons tempos sob a égide do espírito de Caxias.

“Minha Vida na Caserna” conta a história de um jovem oficial R/2 da Arma de Infantaria, desde o seu primeiro contato com o Exército por ocasião da apresentação para o serviço militar obrigatório, sua caminhada para atingir os objetivos que se propôs a alcançar, passando por inúmeras funções e cargos, além dos mais variados exercícios e manobras no “teatro de operações”, até o término do período de estágio de serviço, com seu licenciamento e volta à vida civil.
[…]

o autor

Já disponível para compra em http://www.protexto.com.br/livro.php?livro=499

Published in: on janeiro 8, 2013 at 4:11 am  Comments (1)  

Capitão PMDF Robson comanda tropa da ONU durante solenidade especial no Timor Leste

O Capitão Robson Magalhães Pinheiro, da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), teve a honra de comandar a tropa da Polícia da ONU (United Nations Police – UNPOL) na solenidade de transferência das atividades da UNPOL para a Polícia Nacional do Timor Leste (PNTL) e por consequente o fim das atividades operacionais da ONU no Timor Leste.

Foto 01 – Capitão PMDF Robson a frente da tropa.

  

 Foto 02 – Capitão PMDF Robson apresenta a tropa UNPOL ao Presidente do Timor Leste.

A companhia de desfile comandada pelo Capitão PMDF Robson representou toda a Missão de Paz da ONU (UNMIT) no Timor Leste e foi composta pela tropas de choque (Formed Police Unit – FPU) de Bangladesh, da Malásia, do Paquistão e de Portugal.  

 Foto 03 – Capitão PMDF Robson a frente da tropa.

A cerimônia ocorreu no dia 31 de outubro de 2012, no Palácio do Governo em Díli, onde houve a assinatura da certificação da PNTL pelo UNPOL Police Commissioner e PNTL General Commander, além do Secretario Nacional de Segurança Publica e o Deputy SRSG. Foi assinado também o documento do fim das atividades operacionais UNPOL no Timor pelo Representante Especial do Secretario Geral da ONU e o Primeiro Ministro do Timor Leste, Xanana Gusmao.

 

  Foto 04 – Police Commissioner da UNMIT – Certificação da PNTL.

No mesmo evento, a Polícia da ONU (UNPOL) foi condecorada com a Medalha de Ordem do Mérito do Timor Leste (sendo representada pelo seu Comissário – Police Comissionner) e também a International Stabilization Forces composta por contingentes da Austrália e da Nova Zelândia na pessoa do comandante da ISF.

  Foto 05 – UNMIT UNPOL Police Commissioner recebe condecoração do Presidente.

A PMDF fazendo parte de um momento histórico da paz e segurança mundial.

 Foto 06 – Police Commissioner e o Capitão PMDF Robson.

Parabéns ao Capitão PMDF Robson e a todos os demais policiais militares brasileiros da UNMIT.

Capitão PMDF Sérgio Carrera

Published in: on novembro 4, 2012 at 3:39 am  Comments (1)  

Oficial Veterana de Missão de Paz assume comando do Batalhão de Choque da PMDF

A Tenente-Coronel Cynthiane Santos, da PMDF, assumiu nesta sexta-feira, dia 19 de outubro de 2012, o seu segundo comando, desta vez a frente do Batalhão de Policiamento de Choque (BPChoque), umas das Unidades especializadas da Instituição.

Com currículo que permite classifica-la em funções diversas na Corporação, ela foi a primeira Oficial da PMDF a integrar uma Missão de Paz da ONU, no Timor Leste no início da década de 2000. Atuou também na segurança pessoal do Presidente da República por quase três anos e é uma das únicas 03 policiais militares femininas “caveira” em todo o Brasil.

Com certeza, a sua experiência internacional, atuação em outros órgãos em questões de segurança e o trabalho realizado em unidades variadas da PMDF a coloca numa posição que a possibilitará gerir da melhor maneira possível o comando dessa importante Unidade PM.

À veterana os votos de sucesso na nova função.

PS: Caveira é o nome que se dá aos policiais militares que concluem o Curso de Operações Especiais Policiais (COEsp) promovido, via de regra, pelos Batalhões de Operações Especiais das Corporações PM. Alguns cursos promovidos pelas Forças Armadas e por instituições políciais de outros países também “podem” ser considerados.

Published in: on outubro 20, 2012 at 7:44 am  Comments (2)  

Brasil aumenta efetivo policial no Haiti

O Governo brasileiro tem promovido ações no sentido de aumentar o efetivo de policiais militares a fim de integrar o Componente Policial (United Nations Police – UNPOL) na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH).

O efetivo brasileiro, desde 2004, contou com apenas 04 vagas, e tem hoje 02 oficiais in locu (01 Major da PMPE e 1 Tenente PMSE). Ocorre que outros 05 oficiais tiveram recentemente seus curriculum aprovados pelo Departamento de Operações de Manutenção da Paz (DPKO) da Organização das Nações Unidas (ONU) e também passaram na avaliação oral (por telefone) realizada pela Police Division do DPKO.

Os policiais militares aguardam apenas a chegada da Autorização de Viagem (Travel Authorization – TA) para marcarem seus voos, o que permitirá a maior presença PM no Haiti, 07 policiais militares.

É motivo de destaque a presença de 02 policiais militares femininas, sendo elas as primeiras mulheres policiais brasileiras a integrar a MINUSTAH até hoje.

A previsão de chegada na área da Missão é para o fim de outubro/novembro.

Importante destacar as articulações do Ministério das Relações Exteriores (MRE) do país, que tem percebido a importância do aumento da presença do nosso efetivo policial nas Missões de Paz, que tão bem tem representado o Brasil a serviço da ONU.

Os governos estaduais e do Distrito Federal e os comandos-gerais das Corporações Policiais Militares tem se envolvido a cada dia mais na cessão de seus efetivos, contribuíndo para a imagem e objetivos externos do país, percebendo ainda o retorno que esses profissionais podem fornecer as instituições quando de seu regresso.

Trata-se não apenas de representar seus estados e Corporações, mas esses profissionais adicionam em seus uniformes a bandeira nacional brasileira como símbolo máximo da nossa representatividade policial em ações de paz e segurança no mundo.

Sérgio Carrera

Published in: on outubro 14, 2012 at 3:56 am  Deixe um comentário  

Policiais Militares são agraciados com Medalha da ONU no Timor Leste (Medal Parade 2012)

Registramos nosso Brazilian Medal Parede 2012 na Missão Integrada no Timor Leste (UNMIT). O evento ocorreu no dia 07 de Setembro, quando a comissao organizadora presidida pelo Comandante do Contingente, Coronel PMDF Edilson Rodrigues,  concretizou meses de
planejamento e preparativos.
O evento se realizou no Clube Ocean View em Dili, Capital. Oito Oficiais receberam a condecoracao “In Service of Peace” e outros oito os correspondentes numerais de suas condecoracoes, pelo excedente de tempo em Missao de Paz prestando honrados servicos.

O convite foi idealizado no sentido de homenagear o Brasil – nossa Patria Amada -, tendo como imagem de fundo o monumento “Cristo Redentor”, do Rio de Janeiro,  justamente porque foi entendido como a imagem que melhor caracteriza o pais e tem reconhecida projeção no
exterior. Tambem, a Cidade do Rio de Janeiro foi eleita Patrimonio da UNESCO em 2012.

BRAZILIAN POLICE INVITATION

Nos honraram com suas presencas autoridades como o Representante do SRSG (Special Representative of Secretary General of UN), Sr. Shigeru Mochida, a Ministra Conselheira da Embaixada do Brasil no Timor Leste, Sra. Ivanise Maciel, o Acting Police Commissioner of UNMIT, Sr. Sayed Raj, a Acting Chief of Staff, Sra. Valelee Toffa e o Chief of NOD (National Operations Department), Sr. Raul Curva. Aquilataram o evento tambem comandantes de contingentes de policias uniformizadas de 40 paises, alem de muitos colegas UNPOLs e convidados.

Os convidados foram recebidos pelos Oficiais do contingente brasileiro e assistiram ao canto do Hino Nacional, seguido de um video sobre o Brasil e todas as suas muitas regioes e diversificados costumes.

Logo apos, as autoridades foram convidadas a tomarem seus lugares para realizarem a entrega das condecoracoes aos Oficiais agraciados.

Discursaram o Acting SRSG, o Acting Police Comissioner e o Contingent Commander.

Em seu discurso o Representante do SG relatou o brilhante histórico brasileiro na ONU, desde a assinatura da Carta das Nações Unidas e enalteceu os esforcos do Brasil em colaborar com um qualificado estafe para agigantar o desempenho da Policia das Nacoes Unidas na Missao de
Paz no Timor Leste, em um momento historico quando a Missao de Paz se aproxima de seu bem-sucedido encerramento.

Na mesma esteira manifestou o comandante interino da UNPOL, Sr. Saye Raj, os esforcos dos UNPOLs brasileiros pela sua qualidade, elevada disciplina, profissionalismo e alto grau de comprometimento com seus deveres, exemplos de profissionais que aqui vieram para fazer a
diferenca na Missao de Paz.

Por fim o Coronel Edilson Rodrigues agradeceu a presenca de todos e reassegurou o compromisso dos Oficiais brasileiros em bem desempenhar seus deveres e enalteceu o momento, que classificou como uma grande honra, quando somos reconhecidos pelos esforços somados aos contingentes da UNPOL no Timor Leste.

Foto acima: Coronel  PMDF Edilson, Comandante do Contingente Policial Brasilero na UNMIT.

Apos a solenidade os convidados participaram de um jantar comemorativo ao evento, com pratos típicos da culinaria do Brasil.

Receberam a condecoracao “In Service of Peace” das Nacoes Unidas os seguintes Oficiais:
Ten-Cel PMDF VALDEMIR GOMES DOS SANTOS             Distrito Federal

Major     PMERJ RODRIGO FERNANDES FERREIRA        Rio de Janeiro

Capitao BMRS ATILA MESADRI PEZZETTA                       Rio Grande do Sul

Capitao PMSP MAURICIO DE ARAUJO                               Sao paulo

Capitao PMDF ISANGELO SENNA DA COSTA                   Distrito Federal

1º Ten PMPR ALLAN PAULO BASSACO SACCHELLI       Parana

1º Ten PMCE ADRIANO MARCEL DE M. BEZZERRA        Ceara

1º Ten PMMT RICARDO DE ALMEIDA MENDES                Mato Grosso

Foto acima: Cap. BMRS Átila.


Receberam os numerais correspondentes a condecoracao “In Service
of Peace” das Nacoes Unidas os seguintes Oficiais:
Coronel PMDF EDILSON RODRIGUES-Distrito Federal

Major    PMDF ROBERTO DE SANTANA FREITAS-Distrito Federal

Capitao PMBA GILMARA SANTANA DE OLIVEIRA-Bahia

Capitao PMDF RODRIGO CAMARGO CAMPOS-Distrito Federal

Capitao PMBA FERNANDO ATILA FERREIRA JUNIOR – Bahia

Capitao PMDF ROBSON LUIZ MAGALHAES PINHEIRO – Distrito Federal

Capitao PMDF WERNER ARAUJO MIQUELINO DA SILVA-Distrito Federal

1º Ten   PMSP LIGIA PINHEIRO- São Paulo

Por: Átila Mesadri Pezzetta – Capitão BMRS.

Published in: on outubro 7, 2012 at 3:39 am  Comments (1)  

Contingente PM no Sudão do Sul completa 6 meses de Missão

 

“Meio caminho andado!” – Seis meses de Missão é um momento importante e de bastante reflexão para o Policial da ONU (United Nations Police – UNPOL). Os nossos profissionais, pioneiros na primeira Missão de Paz no Sudão do Sul (UNMISS), completaram ontem a metade do mandato inicialmente previsto (o qual pode – e dependendo da situação até deve, ser extendido), o de 1 ano de tour of mission.

Ao Tenente-Coronel PMAL Eliano, Capitão BMRS Marco Antonio, Capitão PMSC Jonas Binder, 1 Tenente PMESP Renata Cunha e a 1 Tenente PMESP Karin Lopes os nossos votos de saúde e mais sucesso ainda (além do que já conquistaram) na segunda metade dessa marcante jornada na vida de vocês.

Sérgio Carrera

OBS: O 1 Tenente PMPR Fábio Barros ingressou na UNMISS há 2 meses, completando o efetivo policial militar brasileiro no país.

Published in: on setembro 26, 2012 at 1:19 am  Comments (1)  

O Capitão BMRS Átila e sua experiência no Timor Leste (2012)

Por: ATILA MESADRI PEZZETTA
Capitao QOEM – BRIGADA MILITAR

Nossa Missão comecou dia 01 de marco com uma longa viagem de dois e meio dias, passados quatro diferentes voos, comecando por Porto Alegre. Passamos por São Paulo, Johanesburgo, Cingapura e Díli, capital do Timor Leste. Fomos recebidos pelos oficiais brasileiros, instalados em um hotel e no dia seguinte, baldeados para as provas de armamento e tiro. A tarde tivemos testes de idioma. O teste de condução de “pick up” na “mão inglesa” foi no final do Induction
Training.

Atualmente a Missão conta com 4 Formed Police Uinit, (unidades formadas como tropas especiais para controle de distúrbios civis) e suporte para a PNTL e para a UNPOL, diante de casos extraordinários. Conta ainda com aproximadamente 500 UNPOLs distribuídos em Dili, junto ao comando e nos 13 distritos, compreendendo mais de 50 países.

No ambito distrital tudo é replicado: comando, staff(seções do EM) e times de patrulha. O distrito da UNPOL funciona junto com a PNTL (Policia Nacional do Timor Leste). Os UNPOLs auxiliam no treinamento e monitoramento da policia nacional e a Unidade se subordina diretamente ao “Deputy Police Commissioner for Operations”, no âmbito operacional.
Há atividades de operações, controle de pessoal, logística, investigação, polícia comunitária, trânsito, inteligência entre outros.

No Timor Leste há carência economica e muitos vivem com menos de um dólar por dia, sendo o país ainda em parte dependente de ajuda estrangeira. Trata-se de um país realmente lindo, montanhoso, cheio de florestas bem preservadas e com muitos campos de arroz e criação de
animais. Prevalece a união familiar e muitos formam aldeias nas zonas rurais.

Parte da renda vem dos royalties da prospeção do petroleo junto a Austrália, de ajudas internacionais e das exportações. É comum que ofensas sejam indenizadas com patos, búfalos, gansos ou grãos. Existe uma justiça tribal paralela que em casos menos graves substitui a do
Estado e harmoniza as relações sociais. Existe a figura dos “chefes dos sucos” ou das aldeias que normalmente resolvem muitos destes problemas. Promovem reuniões de conselhos tribais, fora dos tribunais.

Todos criam cabras e muitos ainda vivem numa mistura de selva e área rural, em cabanas de palha e bambu. Os porcos do mercado são vendidos vivos, muitos produtos são produzidos em pequenas propriedades. Os galos de rinha são muito comuns. Planta-se arroz coletivamente em
campos artesanalmente irrigados, talvez com mais de 1.000 anos de tradição.

Alguns criam búfalos e galinhas, outros colocam uma vendinha ao lado da outra, e outros vendem os vegetais em tendas. Parecem pessoas honestas e humildes, talvez ainda vivendo o trauma de verem suas esposas e filhas sendo ultrajadas por invasores e guerrilheiros. O território tem 14.609 km quadrados, tendo como recursos naturais ouro, petróleo, gás natural, manganês e mármore. A agricultura e, em regra, para a subsistência, importando-se muitos alimentos, como frango do Brasil.

Seu regime político e a república, com o sistema de governo presidencialista, cuja capital é Dili. Nela vivem aproximadamente um terço da população – ou seja – 300.000 pessoas. As demais se espalham por 13 distritos. São 98% católicos, além de muçulmanos, budistas e outras denominações. Tem a língua portuguesa como idioma oficial.

Todavia, poucos abaixo dos 45 anos falam outra coisa além do “tetum”.

A espectativa de vida e próxima dos 56 anos, suportando uma mortalidade infantil em torno de 64 mortes para cada 1.000 nascimentos.  A fertilidade eh de 7.8 filhos por mulher, fazendo a
população crescer 4.7% ao ano, algo hoje perto de 1.100.000 (estimativa). Essas mães geram filhos que descendem de uma etnia composta pela maioria austronesia (malayo-polinesia) e papua, que lembram os aborígenes, em nada se aparentando com povos asiáticos.

Poucos imigrantes chineses, indonésios, se fazem notar. Tem estatura mediana (1.60m, 1.75m) e uma cor quase mulata. A moeda e o dólar americano. Sua subdivisão transparece ainda a existência de 65 subdistritos, compostos por 442 sucos (lideranças tribais regionais), com influencia sobre 2.189 aldeias e, logicamente, sobre o processo eleitoral. Tal processo ainda esta em fase de consolidação, eis que o pais recebeu o reconhecimento de sua independência após 24 anos de dominação indonésia, que iniciou em 1974, fazendo o pais padecer de total
dependência.

Em idos dos anos 1.300 o Timor fornecia sândalo, mel e cera para os chineses. Portugueses chegaram em 1.515 e colonizaram a ilha em 1.702. Ja no século XVII chegaram os holandeses e tomaram conta do lado oriental do Timor. Exploravam economicamente café, açúcar e algodão.

Durante a II Guerra Mundial Japoneses e Australianos ocuparam a ilha, palco de ferozes combates entre tropas do imperador e comandos australianos. Ao final da guerra 60.000 pessoas haviam morrido e abandonadas as plantações.  A independência da Indonésia em 1945 gerou a anexacao da porção oriental do Timor, restando o Timor Leste com Portugal. Isso perdurou ate 1974, quando o governo de Portugal reconheceu o direito de autodeterminação das suas colônias além-mar.

A Indonésia manteve o controle do Timor Leste por 24 anos, quando uma disputa interna eclodiu em uma guerra civil, terminando com a declaração de independência em 1975, como Republica Democrática do Timor Leste e o exercito indonésio entrou no pais em 1975,  infrentando resistencia de timorenses. A ONU e o Conselho de Segurança nunca reconheceram a anexação Indonésia e se retiraram do pais. Os indonésios proibiram a língua portuguesa, obrigaram as escolas a ensinar sua língua e investiram grandes recursos no pais, já que o
considerava seu território.

A crise asiática, já passado o periodo Suharto, levou o sucessor Habibe a permitir um plebiscito em 1999, que culminou com 78% dos votos pela independência. Milícias fizeram pressão para intimidar o povo, terminando com a destruição de 80% dos prédios publicos, todos
os registros e documentos queimados e a infra-estrutura destruída. Nova crise em 1999 apontou que possivelmente 1.400 pessoas teriam sido mortas e outras 250.000 ficaram desalojadas e fugiram para as montanhas, buscando seguranca.

Houve sucessivas missões das Nações Unidas, partindo da UNAMET, apos a declaração de independência, no intento de supervisionar a transição. Houve uma onda de violência envolvendo milícias, levando a ONU a criar nova missão. A INTERFET surgiu em 04 de setembro de 1999, com uma forca multinacional liderada pela Austrália para restabelecer a paz.

Quado as tropas desembarcaram em Dili em 20 de Setembro de 1999. As milícias fugiram para o lado ocidental e se desmobilizaram. Foi criado um gabinete de transição e em 2002 Xanana Gusmão foi eleito presidente e em setembro do mesmo ano Timor Leste se juntou a ONU. A UNTAET supervisionou a consulta popular para transição para independência, autorizada em 1999 e foi chefiada pelo diplomata Sérgio Vieira de Mello.

A presente Missao foi criada em 2006, quando a ONU a autorizou e que teve como mote principal um pedido do Parlamento local pelo estabelecimento da UN Police Force no Timor Leste, buscando manter a lei e a ordem no pais, viabilizando sua reorganização e reconstrução,
o dialogo político e a governança democrática.

Nossa Missao se encontra em fase final e apos tres periodos eleitorais bem-sucedidos vemos agora a preparacao para a sua retirada e o retorno dos seus integrantes aos seus paises.


Átila Mesadri Pezzetta”

Published in: on setembro 26, 2012 at 1:04 am  Deixe um comentário  

Policiais militares são agraciados com Medalha da ONU no Sudão do Sul

O dia 07 de setembro, dia da nossa Independência, é geralmente a data escolhida para a outorga da Medalha In the Service of Peace aos policiais militares e militares brasileiros que integram a ONU nas diversas de suas Missões de Paz.

No Sudão do Sul, a Medal Parade neste ano ocorreu com a presença de 05 (cinco) oficiais PM além de outros militares das Forças Armadas que lá trabalham como Observadores Militares (Military Observers – MilObs). A solenidade contou com a participação de autoridades da ONU e de outros policiais e militares estrangeiros que compõem a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS).

Foram agraciados com a Medalha 0s seguintes oficiais: TC PMAL Eliano, Cap BMRS Marco Antonio, Cap. PMSC Jonas Binder, 1º Ten PMESP Renata Cunha e a 1º Ten PMESP Karin Lopes.

Foto acima: TC PMAL Eliano (a direita) sendo condecorado com a Medalha. À esquerda, o Capitão BMRS Marco Antonio, segundo oficial mais antigo do Contingente, aguarda o seu momento.

Foto acima: O Capitão BMRS Marco Antonio, veterano da MINUSTAH (Haiti, 2007/2008)  é agraciado com a Medalha da ONU.

Foto acima: 1º Ten PMESP Karin Lopes recebe diploma após ser agraciada com a Medalha. A sua direita, a 1º Ten PMESP Renata Cunha.

Foto acima: Capitão PMSC Jonas Binder e o Capitão BMRS Marco Antonio.

O 1º Ten PMPR Fábio Barros não conseguiu chegar a tempo para a solenidade devido a problemas no transporte da cidade onde trabalha, no interior do país, até a capital, Juba (mas recebeu posteriormente a sua comenda).

Durante a solenidade, o TC Eliano, Comandante do Contingente, por tradição, fez o discurso em nome policiais militares brasileros:

E o Capitão PMSC fez uma apresentação sobre o Brasil e as polícias militares:

Esse time de policiais militares brasileiros é o primeiro a ser condecorado com a Medalha da ONU no mais novo país da comunidade internacional, o Sudão do Sul, fazendo assim, parte de sua história.

Medalha:

Certificados:

PS: Azul = ONU; Preto = a riqueza do petróleo; Verde = o solo fértil do Sudão do Sul; Branco = a esperança de paz e prosperidade após a luta pela independência.

Parabéns aos nossos “boinas azuis” que tão bem tem representado as nossas instituições policiais militares e a nossa nação.

Capitão Sérgio Carrera

Published in: on setembro 26, 2012 at 12:17 am  Deixe um comentário  

Oficiais PM brasileiros participam de Congresso Internacional da ONU na Argentina

“Entre os dias 18 e 21 de setembro, realizou-se na Argentina o 2º Encontro Regional sobre as Diretrizes  Estratégicas para a Polícia Internacional das Nações Unidas.

Participaram do Evento o Ten Cel Milton Isack Fadel Junior (PMPR) e o Ten Cel André Silva de Mendonça (PMERJ). Durante os trabalhos foram feitos vários debates que esclareceram o papel da UNPol  nas diversas missões e as possibilidades de cada país que estava representado no evento.

Foto acima: TC PMPR Fadel e TC PMERJ Silva.

O Ten Cel Silva conduziu uma palestra sobre a forma de organização da Segurança Pública no Brasil e ao término, exibiu um vídeo institucional que mostrou o modus operandi da PMERJ, evidenciando as atividades do BOPE e das atuações nas operações de pacificação no Rio de Janeiro, destacando a preparação para os grandes eventos que estão por vir.

Foto acima: TC PMERJ ministrando palestra na Argentina.

O Ten Cel Fadel por sua vez, esclareceu aspectos quanto a seleção de pessoal para missões, participação do COTER-IGPM no processo e encerrou a palestra apresentando os aspectos de organização da PMPR.

Muitas questões foram debatidas e esclarecidas entre os contingentes e o Sr. Andrew Carpenter do DPKO pode visualizar com maior clareza as idiossincrasias das policias sul-americanas assim como a troca de experiências foram altamente apreciadas por todos.

O evento foi organizado pela Organização das Nações Unidas e teve a participação de diversos países a saber: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Honduras, São Vicente e Granadinas, Jamaica, Haiti, Trinidade e Tobago, Paraguai, Uruguai, México, República Dominicana, Indonésia.

 
André Silva de Mendonça
Ten Cel PMERJ”

Published in: on setembro 25, 2012 at 11:43 pm  Comments (1)  

Oficial da PMAL é condecorado com a Medalha da ONU no Sudão do Sul

O Tenente-Coronel Eliano Ferreira Dias, da Polícia Militar de Alagoas, Comandante do Contingente Policial Militar brasileiro na Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul (UNMISS) foi condecorado no dia 07 de setembro com a Medalha “In the Service of Peace”, pelos relevantes serviços prestados para o fortalecimento da paz no país africano.

Importante presença da PMAL, onde o seu Comandante-Geral (Cel Luciano) é um veterano de Missão de Paz da ONU, também no continente africano, na década de 1990.

Parabéns!

Cap. Sérgio Carrera

Published in: on setembro 10, 2012 at 2:25 am  Deixe um comentário  

Oficiais da PMDF participam do International Police Officer Course na Suécia

Dando continuidade ao Memorando de Entendimento entre a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e o Serviço Nacional de Polícia do Reino da Suécia, no intercâmbio de alunos e instrutores para cursos em ambas as Instituições nas áreas de missões de paz e policiamento internacional, 03 alunos e 01 Instrutor participaram do International Police Officers Course (IPOC-2/2012), realizado no Centro Conjunto das Forças da Suécia, Livgardet Kungsängen), localizado aproximadamente 30 km de Estocolmo, capital da Suécia, realizado no primeiro semestre do ano.

Foto 1: Equipe da PMDF no IPOC 2/2012.

–  TC Sant’anna (Cmt do Batalhão de ROTAM, instrutor internacional), 1º Tenente Otaena (Escola de Formação de Oficiais – EsFO, da Academia de Polícia Militar de Brasília – APMB, aluna), 1º Ten Teles Silva (5º  BPM – Batalhão de Policiamento Diplomático – “Batalhão Barão do Rio Rio Branco”, aluno) e Cap Fabrício (Piloto de Aeronaves d0 Batalhão de Aviação Operacional – BAvOp, aluno). 

Os alunos, mais uma vez, se destacaram e foram muito elogiados pelo alto nível de envolvimento, dedicação e interação com os demais alunos estrangeiros no Curso. O instrutor obteve também menção honrosa pelo excelente desempenho como facilitador. A PMDF foi muitíssimo bem representada!

Foto 2: Oficiais da PMDF com policial estrangeira.

 Nessa edição, nenhuma praça participou (participaram de todas as demais ) e no curso seguinte, a PMDF não enviou nenhum representante. O Major Gilvany é o único aluno a participar da atual edição do Curso, onde pela pimeira vez, apenas um aluno da PMDF participa sozinho e nenhum instrutor internacional da Corporação se faz presente. Cerca de 04 alunos e ao menos 1 instrutor da PMDF são convidados para participarem de cada edição do Curso.

Faz-se importante a continuidade nas parcerias internacionais por parte da PMDF tendo como objetivos, dentre outros, elevar o nível de conhecimento, intelectual, técnico e cultural de nossos profissionais.

Foto 3a e 3b: Tenente Teles em interação com policiais suecos.

 

Foto 4: Evento de encerramento – momento de despedidas.

Foto 5: Tenentes Teles Silva e Otaena enfrentam a baixa temperatura e a neve em Estocolmo – Suécia.

A PMDF representando o Brasil em terras estrangeiras, neste caso desde 2010!

Parabéns!

SC

Lançamento do livro: “Liberdade para o Alemão – O Resgate de Canudos”

Noite de autógrafos e lançamento do livro: “Liberdade para o Alemão – O Resgate de Canudos”, de autoria de Mário Sérgio de Brito Duarte, Coronel da Reserva e ex-Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ).

Dia 23 de julho de 2012, às 20h, na Academia Brasileira de Filosofia.

Published in: on julho 20, 2012 at 9:27 pm  Comments (2)  

Escalada da violência no Timor Leste – 16 de julho de 2012

Informações nesta manhã de segunda-feira no país (13 de julho de 2012 – considere o fuso horário de 12 horas):

– 51 veículos apedrejados;

– Rua de conexão de Díli ao interior do país está bloqueada;

– veículos queimados;

– Um Timorense parece q foi morto apedrejado;
 
– Comoro Road também com problemas de “pedradas”;
 
– 8 pessoas presas;
 
– Veiculos da ONU apedrejados;
 
– Comandante da FDTL teve o veiculo apedrejado.
 
(Às 11h30 horário de Dili – Timor Leste)
 
 
Sérgio Carrera
Published in: on julho 16, 2012 at 2:39 am  Deixe um comentário  

Início de violência ameaça estabilidade e fim de Missão da ONU no Timor Leste (15 de julho de 2012)

Informações recebidas por policiais militares brasileiros que servem atualmente no Timor Leste dão conta que nas últimas 24 horas 38 casas foram queimadas, bem como vários veículos. Alguns locais e policiais timorenses feridos e, inclusive, relatos “não confirmados” de staff da ONU lesionados.

A situação é de alerta e o risco de um colapso na estabilidade do país ameaça o fim da Missão de Paz da ONU, prevista para dezembro de 2012. O período pós-eleitoral no Timor, por duas vezes, demonstraram a necessidade da permanência do efetivo da ONU e a continuidade da presença internacional.

Segundo um oficial PM, a situação não é tão grave, mas requer atenção redobrada! A situação está tensa! – afirma.

“Estou ouvindo agora no rádio que tem um evento de apedrejamento de carros em andamento….Vamos ver. São grupos isolados. O problema é só se isso contaminar as instituições” – relata às 22h30 (horário de Brasília)
 
Outro policial militar me informou por e-mail há poucos minutos que a situação de instabilidade se deve por questões políticas. Divulga-se que “a FRETLIN ficou fora da composição do novo governo. Isto criou certo desconforto entre seus militantes, que devem ter promovido certo nível de baderna.”
 
O dia de hoje (segunda-feira no Timor Leste) a situação aparenta normalidade. Os Policiais da ONU trabalharam normalmente. Os funcionários civis podem permanecer em casa. Um Security Broadcast tem transmitido informações constante sobre o nível de segurança e risco no país tem orientado o staff da ONU.
 
“Na região central da cidade, não percebi o mínimo sinal de instabilidade.” – afirma um UNPOL brasileiro.  
 
Não há motivos de preocupação por parte de familiares e amigos dos UNPOL brasileiros, pois não se trata de problemas graves. Mas devem ser observados de perto pelo nível estratégico da ONU e  pela comunidade internacional.
 
Fato que convém ser mencionado é que pouco ou quase nada foi divulgado pela imprensa nacional e/ou internacional.
 
Torcemos para que a situação seja controlada.
 
Sérgio Carrera
 
PS: Por questões burocráticas, o Brasil deixou de atender pedido da ONU para envio de 30 policiais militares para UNMIT, tendo o país perdido o deadline previsto para fim de junho de 2012.
Published in: on julho 16, 2012 at 2:15 am  Deixe um comentário  

PMDF participa do Dia dos Peacekeepers

Seis policiais militares da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), veteranos de missões de Paz da ONU, participaram e representaram os boinas azuis policiais militares brasileiros no evento “Dia dos Peacekeepers”, celebrado no dia 29 de maio de 2012.

Neste ano, o Ministério da Defesa não realizou um evento conjunto, com todas as Forças Armadas e PMs, mas preferiu descentralizar as solenidades. A PMDF foi convidada pelo Exército Brasileiro para o seu evento, que ocorreu no Batalhão de Polícia do Exército (PE), no Setor Militar Urbano, em Brasília.

O efetivo PM representou, especificamente, missões na Guiné-Bissau, Bósnia, El Salvador, Haiti, Angola e Timor Leste.

 

Published in: on julho 12, 2012 at 10:43 pm  Deixe um comentário  

Metado do caminho percorrido

Por: Capitão PMDF Isangêlo Senna.

“Você viverá cinco anos em um!” – Era o que costumava ouvir de veteranos antes de partir para o Timor Leste.

No último relato, contei um pouco a cerca de minhas primeiras experiências na missão, sobretudo no Distrito de Covalima. Atualmente, estou lotado na Unidade Nacional para Pessoas Vulneráveis (National Vulnerable Persons Unit – NVPU), em Dili.  São passados mais de seis meses literalmente do outro lado do planeta. A esta altura, posso confirmar quão verdadeira era aquela afirmação dos veteranos. 

Vida de UNPOL no Distrito de Covalima  

Como UNPOL (United Nations Police Officer) encarregado de monitorar e aconselhar a polícia local em matéria de polícia comunitária, percorri todos os subdistritos e vilas de Covalima. 

Em consequência disso, vivi uma intensa interação tanto com a polícia local, quanto com autoridades e cidadãos ordinários. Este trabalho impõe inúmeros desafios, como, por exemplo, aqueles encontrados na direção de veículo 4X4. Neste caso, temos que nos habituar a locais íngremes, cruzar rios, desviar de crianças e animais ao longo das estradas, além de dividir passagens estreitas com outros veículos a beira de despenhadeiros. Uma surpresa a cada curva. 

Foto acima: Estrada para o Subdistrito de Fatululic.

No período em que atuei junto a Unidade de Polícia Comunitária de Covalima, nossos esforços foram centrados, principalmente, nos temas: eleição presidencial e grupos de artes marciais. Tais frentes de atuação foram escolhidas em razão dos cenários local e nacional. 

Em setembro de 2011, um conflito entre dois grupos rivais culminou na queima de duzentas casas e na morte de um policial local em Zumalai, Covalima. De igual forma, na Vila Camanassa, próximo a sede UNPOL/PNTL, cheguei a presenciar confrontos de igual natureza, de menor proporção todavia. 

Em nível nacional, temendo o uso político de tais grupos, o primeiro ministro timorense reuniu as principais organizações da sociedade civil afetas ao tema e anunciou a suspensão das atividades dos grupos de artes marciais durante o ano eleitoral (2012). Esta medida, juntamente com o trabalho de sensibilização realizado nas vilas de Covalima, parece ter surtido efeito, vez que problemas semelhantes deixaram de ser reportados no distrito antes, durante e após o certame. 

Foto acima: Centro de votação – Vila Holpilat

No mês de março, foi realizado o primeiro turno da eleição presidencial do Timor. Nosso trabalho, como UNPOLs, basicamente consistiu em supervisionar a atuação da PNTL (Polícia Nacional de Timor Leste) quanto a: a) carreatas e comícios; b) escolta de urnas e cédulas eleitorais; c) segurança de locais de votação; d) avaliação das condições gerais de segurança nos dias seguintes a eleição; e) etc. 

No segundo turno, já no mês de abril, atuei no Distrito de Bobonaro, aquela também uma região de fronteira com a Indonésia. De igual forma, tudo transcorreu em perfeita ordem. 

Foto acima: Almoço improvisado – Segundo turno da eleição presidencial

 

Foto acima: Dia de eleição –  com locais e UNPOL Vudt (Tailândia) Subdistrito de Lolotoe/Bobonaro.

Foto acima: Bobonaro.

Ademais, chama atenção a forma como a população compareceu em peso para votar, independente das adversidades correlatas a clima e relevo.

Foto acima: Orgulho da cidadã timorense com sua cédula de votação. Centro de votação – Vila Beco.

No primeiro turno, por exemplo, a face sul da Ilha sofreu com o reflexo de um furacão que atingiu o mar do Timor. Árvores tombadas nas estradas, aumento do volume de rios e desmoronamentos de encostas dificultaram ainda mais os deslocamentos de votantes e agências responsáveis por levar a eleição a efeito. 

Foto: Avaliação pós eleitoral – visita ao chefe Suco – Subdistrito de Fatumean

Convém acrescentar que, a pedido da embaixada brasileira, distribuímos cartilhas e palavras cruzadas em escolas públicas num esforço de promoção da língua portuguesa em Covalima. Este trabalho foi por demais gratificante, dada a reação da comunidade ao receber o material. Por aqui, em que pese a dificuldade da população em comunicar-se por meio da língua de camões, o timorense se orgulha de dizer que o português é a língua mais falada no hemisfério sul.

Foto abaixo: Distribuição de livros infantis em língua portuguesa.

Foto acima: Palestra ministrada pelo Capitão PMDF Senna para 400 alunos timorenses – Vila Suai Loro.

Nova lotação

Passado o primeiro turno da eleição presidencial, já com quatro meses na área de missão, recebi um convite para compor a equipe da National Vulnerable Persons Unit – NVPU sediada na capital Dili.

Naquele momento, meu sentimento era de que havia cumprido um ciclo importante do meu tour of duty. No interior, vivenciei um período de trabalho intenso onde fiz amizades das quais sentirei falta. Alí, o desafio maior fora a adaptação a um ambiente de privações. Todavia, era chegada a hora de abraçar experiências mais desafiadoras no campo profissional.

Na NVPU, continuo a trabalhar com policiais locais, ao lado de UNPOLs de Espanha, Samoa e Gâmbia. Sendo a NVPU uma unidade do Criminal Investigation Service, interajo com unidades voltadas para crimes contra pessoa, patrimônio, sistema financeiro e etc. Dai, a gama de policiais de outras nacionalidades aumenta consideravelmente (Portugal, Turquia, China, Índia, Austrália, Filipinas, Nepal, Malasia, Tailândia, dentre outras).

Convém rememorar que, desde a restauração dos poderes da Polícia Nacional Timor Leste, em 2010, os policiais locais são os responsáveis pelo ciclo completo de polícia, trabalho outrora realizado pela Polícia das Nações Unidas (UNPOL).

Dessa forma, cabe a nossa contraparte, NVPU/PNTL, supervisionar o trabalho das Unidades para Vítimas Vulneráveis nos 13 (treze) distritos do Timor em termos de atendimento de ocorrências e investigações. Da mesma maneira, compete a NVPU/PNTL prestar assistência às vítimas e conduzir a investigações em caso de crimes de grande repercussão perpetrados contra menores, mulheres, idosos e portadores de deficiência física ou mental, assim como realizar a prevenção e conscientização dos policiais timorenses e a população local sobre limites, direitos e deveres das partes.

Foto acima: Com Sr Dária, Cmt NVPU/PNTL.

Infelizmente, a violência doméstica, tal qual em vários outros países, é algo preocupante no Timor. Reputa-se tal realidade a fatores como: passado de violência generalizada no país; configuração tradicional da sociedade; rinhas de galo; dote pago pelo noivo em troca da noiva;  dentre outros.

Igualmente, abusos sexuais, inclusive contra crianças, são recorrentes. Por sorte, as instituições locais têm abordado a questão de forma franca e direta. A Lei Nº 7/2010 que alça os crimes domésticos a categoria de crime público é um exemplo disso.

Em suma, em meu novo dia-a-dia, tenho desenvolvido as seguintes atividades: a) supervisão e consultoria dos/aos policiais locais; b) interação com NGO, agências do Governo local e das Nações Unidas voltadas para o público alvo da NVPU; c) condução de treinamento para novos policiais que chegam à área de missão; d) etc.

Acomodação

Em termos de conforto, vive-se melhor em Dili do que em Covalima. Variedade de restaurantes e supermercados e o fornecimento de água/energia 24h são benefícios da vida na capital. Quanto à moradia, passei a viver no mesmo compound[1] onde residem o TC QOPM Valdemir e o Major Roberto Freitas (ambos da PMDF). Poder contar com a amizade e experiência desses oficiais faz toda a diferença no dia-a-dia.

Perspectivas

No dia 20/05, o Timor Leste completou 10 anos de restauração de sua independência.

Na mesma ocasião, tomou posse o presidente Taur Matan Ruak.

Em sendo o Timor uma república parlamentarista, em julho, novamente o pais vai às urnas. No momento em que a ONU se prepara para encerrar a UNMIT, o certame determinará aqueles que ditarão os rumos desta que é a mais nova nação da Ásia.

De toda sorte, nesta semana de festa, o patriotismo revelado pelo povo timorense impressiona. Não sem razão.

No cotidiano, convivemos com pessoas que conheceram o cárcere, a tortura, os refúgios nas montanhas; pessoas que tiveram entes queridos enterrados em covas coletivas, outros arremessados de penhascos; pessoas que assistiram massacres no interior de igrejas e que fugiram de rajadas de metralhadora enquanto sepultavam seus caros. Por todas estas razões resta claro que o timorense conhece o exato preço da liberdade.

Foto acima: Cemintério de timorenses tombados durante a resistência – Subdistrito de Lolotoe

Considerações Finais

 Em suma, ao longo do último semestre, tenho vivido em meio a um mosaico de nacionalidades e a interação com uma cultura que há pouca era completamente estranha a mim. 

 Juntamente com a necessidade de rápida adaptação a novas realidades nos campos pessoal e profissional, a experiência no Timor Leste tem sido algo gratificantemente único.

 No mais é administrar a saudada de casa, manter corpo, mente e espírito saudáveis, para levar a bom termo esta derradeira etapa de missão na terra do crocodilo adormecido.


[1] Grupo de apartamentos horizontais.

Published in: on junho 9, 2012 at 5:07 pm  Comments (1)  

In memorian – Cleiton Batista Neiva

Cleiton Batista Neiva, Primeiro-Tenente da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), falecido durante os abalos do terremoto que assolou o Haiti no dia 12 de janeiro de 2010, completaria aniversário hoje (02 de junho de 2012).

A eterna saudade dos familiares e amigos! 

Published in: on junho 3, 2012 at 2:54 am  Deixe um comentário  

Ordem do Dia alusiva ao Dia Internacional dos Mantenedores da Paz

Ao comemorarmos o Dia Internacional dos Mantenedores da Paz, prestamos uma homenagem aos bravos homens e mulheres que atuaram e seguem atuando pela manutenção da paz mundial.

A data evoca o dia 29 de maio de 1948, quando as Nações Unidas criaram a Operação para Supervisão do Cessar-Fogo na Guerra Árabe-Israelense.

Esta foi a primeira Missão de Manutenção da Paz da ONU, e tinha por objetivo auxiliar Israel e seus vizinhos árabes a criarem condições para a paz permanente e duradoura.

Com o passar dos anos, as Operações de Paz evoluíram. Os membros das Forças de Paz da ONU também assistem e monitoram processos políticos, ajudam em reformas de sistemas judiciais, treinam policiais, desarmam ex-combatentes, e apoiam o retorno de refugiados e populações deslocadas.

O Brasil tem uma longa história em Operações de Paz. Já nos anos 1950, militares de nossas Forças Armadas integraram o Batalhão de Suez, Unidade de Infantaria destinada a evitar confrontos entre forças egípcias e israelenses.

Desde então, estivemos presentes em diversas missões de paz, dentre as quais destaco a participação brasileira em Moçambique, Angola, Timor Leste, Haiti e Líbano.

A crescente e exitosa participação das tropas brasileiras nas diversas Missões de Paz demonstra o importante papel assumido pelo Brasil como ator global nos assuntos afetos à paz e segurança internacionais.

Desde 2004, o Brasil lidera o componente militar da Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti, a MINUSTAH, desempenhando importante papel na reconstrução daquele país.

Não nos esquecemos dos que pereceram no terremoto que abalou o Haiti em 12 de janeiro de 2010, assim como recordamos aqueles compatriotas que tombaram a serviço da paz  em outras Missões das Nações Unidas.

Em 2011, assumimos o comando da Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano, a UNIFIL, contribuindo para a garantia da paz e da segurança na região. Com a chegada da Fragata União, agora substituída pela Fragata Liberal, o Brasil tem a Nau Capitânia da Operação. A Força-Tarefa Marítima é o primeiro componente naval de uma Operação de Paz da ONU, e o papel de destaque oferecido pelo Brasil demonstra confiança das Nações Unidas no trabalho desenvolvido por nossas tropas.

O Brasil enaltece também os militares e policiais militares (GRIFO PRÓPRIO) que integram missões na África, no Oriente Médio e na Ásia.

A significativa participação brasileira é fruto da seriedade, do espírito humanitário e da coragem dos homens e mulheres que abrem mão do seu convívio familiar em nome da paz e d solidariedade.

Os membros brasileiros de Operações de Manutenção de Paz da ONU são frequentemente referenciados de maneira respeitosa e elogiosa, o que comprova o seu elevado grau de profissionalismo e dedicação no cumprimento de suas missões.

Congratulo nossos capacetes azuis por desincumbirem-se com honra e com humanidade de seu elevado trabalho em prol da construção de um mundo mais seguro e pacífico.

Brasília, 29 de maio de 2012.

Celso Amorim

Ministro de Estado de Defesa

 __________________________________________________________

 NOTA1: PArabéns ao Ministro pela menção aos policiais militares brasileiros que desde 1991 participam de Missões de Paz da ONU.

NOTA2:  Ordem do Dia lida na solenidade de comemoração ao Dia do Peacekeepers em 29 de maio de 2012. Os policiais militares do Distrito Federal, veteranos de Missão, foram distintamente convidados pelo Exército Brasileiro para participar do evento celebrado no Batalhão de Polícia do Exército – PE, em Brasília, presidida pelo Exmo. Sr. Comandante-Geral do EB. Representaram os policiais militares de todo o país.

 

Published in: on maio 30, 2012 at 2:39 am  Deixe um comentário  

Capitão PMDF Robson participa de momento histórico no Timor Leste

O Capitão PMDF Robson Magalhães Pinheiro, Policial da ONU no Haiti, Chefe Adjunto de Operações das Tropas de Choque (Formed Police Unit – FPU) da ONU na Missão de Paz no Timor Leste (UNMIT), participou da posse do novo presidente do país no último dia 20 de maio de 2012, que foi realizada exatamente a meia-noite, na data de comemoração dos 10 anos de Independência do país.

Durante a solenidade, que contou com a presença de diversas autoridades nacionais e internacionais, como os Chefes de Estado de Portugal, Austrália, Nova Zelândia e Indonésia, o Capitão Robson foi o FPU Ground Force Commander, tendo as FPU de Portugal e Malásia a seu comando.

 

“Foi um honra participar deste momento. A solenidade que ocorreu na mais perfeita paz e tranquilidade…uma verdadeira festa da democracia e civismo.” – descreve o Capitão PMDF Robson.

 

 Foto acima: A esquerda, o UNPOL português Raul Curva, Chefe do NDO (National Operations Department) e  a direita, o Capitão PMDF Robson.

Published in: on maio 27, 2012 at 12:25 am  Comments (1)  

Dia Internacional dos Peacekeepers 2012

 

Fonte: Site PMDF.

 

Published in: on maio 13, 2012 at 2:24 am  Comments (1)  

1º Tenente PMESP Karin Lopes coordena Curso de Policiamento Comunitário no Sudão do Sul

No mês de abril de 2012, a 1º Tenente PMESP Karin, Conselheira Técnica da Polícia da ONU (United Nations Police – UNPOL) na Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul (UNMISS) foi nomeada coordenadora de um curso de 5 dias de “Policia Comunitária” para líderes locais e comandantes de Postos Policiais na cidade de Malakal, norte do país, num projeto parceiro com o Conselho da Cidade do Upper Nile State.

(Foto: Tenente PM Karin Lopes no Posto Policial de Dengashuff, em Malakal. Fonte: Arquivo pessoal Karin Lopes/FB.)

O Curso faz parte dos esforços da ONU para controlar a criminalidade em áreas rurais e propor parceria entre o Conselho da Cidade, a UNPOL, e as diversas partes que compõem a comunidade, como policiais sudaneses, professoras, líderes e chefes religiosos, e organizações representativas da comunidade e lideranças de gêneros, em especial, a participação da mulher.

Um dos objetivos do Curso de Policiamento Comunitário é de aproximar e estabelecer parcerias entre a polícia e a comunidade.

“A polícia não pode atuar sem a comunidade e/nem a comunidade pode atuar sem a participação da polícia” – afirmou o Chefe da UNPOL County Support Base Team Jayanti Mandasari.

O grupo de 40 alunos era bastante heterogêneo, muitos deles não eram alfabetizados e apenas a metade falava inglês (os demais árabe), motivo pelo qual a Tenente Karin utilizou um Language Assistant. De acordo com a Oficial, ela montou suas aulas com “uma linguagem bastante simples”.

“Minha explanação transcorreu bem tranquila e o mais legal era sentir que minha audiência estava muito receptiva e interessada.” ­ – Afirmou Karin.

(Foto da sala de aula. Detalhe Tenente Karin em pé no corredor – perfil, com uniforme UNPOL Brasil – camisa polo preta, calça ‘camuflado urbano’ e cortuno preto). Fonte: Site UNMISS.

A Tenente PMESP Karin participou de um momento histórico naquela localidade, ao coordenar uma atividade de ensino que visa aproximar a instituição policial local e a comunidade, após anos de conflito no país.

Ao final do curso, todos os alunos fizeram questão de agradecer pessoalmente a Tenente Karin pelos conhecimentos transmitidos de forma clara e objetiva, onde puderam assimilar as mensagens importantes e tentarão por em prática a partir de então.

Sem dúvida, o Brasil mostra-se muito bem representado junto a ONU promovendo ações fundamentais na promoção da paz no Sudão do Sul. É a mulher policial militar brasileira mostrando toda a sua capacidade também no âmbito internacional.

A matéria foi divulgada também em nota no site oficial da UNMISS.

Parabéns a Tenente Karin!

Sérgio Carrera

Published in: on maio 5, 2012 at 5:16 pm  Comments (2)