Ministério da Defesa deixa de indicar candidatos policiais militares para segundo cargo mais importante na MINUSTAH

Segundo o Ministério da Defesa, não é possível indicar às Nações Unidas, policiais militares para concorrer ao segundo cargo mais alto do componente policial (UNPOL) na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti – MINUSTAH, o de Deputy Police Commissioner for Development .

Assim como deixou de indicar policial brasileiro para o cargo mais importante, o de Comissário da Polícia (Police Commissioner), conforme já divulgado aqui, de fato, algum problema deve existir para o Estado brasileiro raramente indicar candidatos para os principais postos e cargos da ONU, quer em missões de paz quer em Sedes das Nações Unidas.

Este site tem divulgado constantemente as reiteradas “não indicação” de policiais militares por parte do Ministério da Defesa para o Ministério das Relações Exteriores, Pasta essa responsável pela comunicação junto a ONU.

Não deveria ter o Ministério das Relações Exteriores maior interesse no tema?

Seria falta de interesse de quem?

Falta de legislação apropriada? Falta de voluntários?

E qual a posição das Corporações PM e Governos estaduais?

A quem interessa que os policiais brasileiros nunca sejam indicados para concorrer a cargos importantes no sistema ONU?

Não seria também uma forma de promoção da imagem nacional ter policiais inseridos no sistema ONU, assim como os nossos militares fazem há décadas?

Chegado o momento para haver uma maior reflexão sobre o assunto.

Anúncios
Published in: on outubro 14, 2014 at 6:18 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://missaodepaz.com/2014/10/14/ministerio-da-defesa-deixa-de-indicar-candidatos-policiais-militares-para-segundo-cargo-mais-importante-na-minustah/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Companheiro o fato preponderante é a exigência de que o Policial Indicado seja, em nossa legislação, agregado, e fique sem qualquer vínculo por no mínimo 02 anos com o Estado/País de origem.
    Em Pernambuco nos já vivemos muitas interferências nas promoções por Merecimento, na condição de agregados perdemos também a posição por Antiguidade.
    Recebi três convocações pós missão e não pude atender a nenhuma por este fato.
    Abraço.

  2. O problema é que o Exército Brasileiro maneja a questão e prejudica as Polícias Militares, ao passo que o COTER não dá qualquer tipo de apoio aos Policiais Militares que vem a missão, nós estamos jogados a própria sorte, eu enviei uma solicitação ao COTER sobre a questão do EBOLA em agosto e até agora nem sinal de resposta, o que que vemos são comitivas e comitivas que vem a missão, a meu ver mais para fazer compras do que para resolver o problema de nós policiais militares. Cel Alexandre- Contingent Commander of Brazil-MINUSTAH


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: