Primeiros passos na terra do crocodilo adormecido

Primeiros passos na terra do crocodilo adormecido

Por Isangelo Senna da Costa – Capitao Policial Militar/PMDF 

“Senhor  pulsa, pulsa…”  grita o garoto tentando chamar a atenção de malais (estrangeiros) para os créditos de celular que esta a vender. Por mais corriqueira que a cena possa aparentar, tem-se nela retratado um traço marcante da cultura timorense.  Por aqui, encontrar pedintes pelas ruas constitui caso raro. Em regra, seja vendendo pulsas, peixes e frutas pelas ruas, seja retirando o sustento do campo, o timorense vai  levando sua vida.

A República Democrática de Timor-Leste, um dos países mais jovens do mundo, ocupa a parte oriental da ilha de Timor no Sudeste Asiático. Por quatro seculos, o Timor esteve sob influencia e dominio de Portugal. Em 1975, tres dias apos sua declaracao de independencia, o pais foi invadido pela Indonesia.  Em 1999, sob a chancela das Nacoes Unidas, por plebiscito, o povo timorense optou por se separar do pais vizinho. Durante e logo apos a ocupacao indonesia, o pais vivenciou periodos de grave convulcao social e violencia.

Hoje, 10 de janeiro de 2012, completo dois meses de missão atuando como Policial das Nacoes Unidas (UNPOL). Nas próximas paginas, divido parte de minhas primeiras experiência na terra do crocodilo adormecido.

 

Ten Sacchelli (PR), Cap Senna (DF), Cap Mauricio (SP), TC Valdemir (DF)

CHEGADA

Foi uma longa jornada até à área de missão. No dia 07 de novembro, deixei Brasília acompanhando o Tenente-coronel  Valdemir (PMDF). Cheguei a Díli no dia 11 de novembro, após passar por Miami, NY, San Francisco, Sydney e Darwin. No trajeto, muita paciência e jogo de cintura para conseguirmos nos fazer acompanhados por nossas armas. Já em Sydney, nos encontramos com  o Capitão Mauricio (SP) e o Tenente Sacchelli (PR). O Major Fernandes (RJ) se juntou ao grupo em Darwin.

Quase todo o contingente brasileiro se encontrava no aeroporto para nos receber. Também participaram da recepção os policiais Mark (Australia) e Rupert (Nepal) os quais nos acompanharam ao longo do  treinamento inicial (Induction Training). O Capitão Robson (DF) organizou nossa hospedagem no hotel Tropical, muito bem situado entre banco, supermercados e restaurantes.

Com Major Fernandes (RJ) saboreando comida dita como tipicamente brasileira.

 Muito cedo, subsidiados por informações do Capitão Rodrigo Campos (DF), ficamos sabendo que o TC Valdemir seria o único do grupo a permanecer na capital. Particularmente, sempre me visitava a lembrança as palavras do veterano Tenente Eurípedes (DF) “no interior, mesmo se podendo pagar, é muito difícil conseguir algum conforto”. Por isso, nesses primeiros dias, quase sempre ciceroneados pela Tenente Ligia (SP), resolvemos nos permitir conhecer boa parte dos melhores restaurantes da cidade.

Foram 22 dias em Díli, entre induction training, encontro do contingente brasileiro, jantar com embaixador e emprego provisório em Dili Sub-station. Nessa ultima, contamos com o apoio incondicional do Capitão Miquelino (DF) que encontrava-se respondendo pelo comando da Unidade.

 Induction Training

 RUMO AO INTERIOR

De helicóptero, nos deslocamos para nossos destinos definitivos. Enquanto o Major Fernandes e o Cap Mauricio se dirigiram para Oecussi, juntamente com o Ten Sacchelli, segui para Suai. Já no vôo, a mudança de cenário era nitida. São pouquíssimos os povoados com melhor infra-estrutura, e mesmo quando existem, encontram-se incrustados entre montanhas e, com freqüência, no topo dessas.

No heliporto de Suai, fomos recebidos pelos Capitães Atila (PMBA) e Veloso (FAB). Atila permaneceu conosco cerca de seis dias até seguir para sua nova lotação no Distrito de  Baucau. Nesse período, foi útil contar com seu apoio e conhecimento da região.

 

A caminho de Suai/Covalima

 Chegamos a Suai em um momento muito difícil para o Sub-distrito. O compound da UNMIT (sede local da ON há pouco havia saído de um incêndio. O calor estava insuportável, cerca 44ºC. Havia quase dois meses que a região encontra-se sem fornecimento publico de energia. Pela falta de água potável, Atila estava vivendo de água de coco.  Para piorar, estava difícil de conseguir acomodação. Por fim, em razao de problemas mecânicos ficamos sem veiculo, passando a depender de carona.

                Entretanto, aos poucos as coisas estão melhorando. A reforma da UNMIT terminou, já possuímos uma mini academia e refeitório. Com a chegada das chuvas, o calor deu uma trégua. A Timor Telecom, única companhia telefônica no país, retomou a venda de modem, outrora suspensa. Poder falar e interagir com a família pelo Skype faz toda a diferença. Ademais, os defeitos do veiculo foram sanados. Como os carros são distribuídos por contingente, nossos problemas de locomoção foram superados, pois somos apenas dois a dividir um carro.

 

ACOMODACAO EM SUAI

                A titulo de emergência, Atila havia combinado com a freire que administra um hospital/hotel na cidade para que podessemos nos hospedar, por uma semana, em uma de suas enfermarias. 

Por sorte, no mesmo dia em que chegamos, circulamos durante a tarde e conseguimos nos hospedar no hotel Castela Fronteira. As instalacoes desse hotel sao novas, no entanto, ao contrário do que poderíamos facilmente encontrar em Dili, nele não ha ar condicionado, internet ou TV. O café da manha é muito simples e com muito custo se consegue serviço de lavanderia ou mesmo a limpeza do quarto. Sem contar que a energia elétrica é disponibilizada somente à noite, quando, então falta água. Ainda assim, creia-se, este é o melhor hotel da região.

Permanecemos no hotel Castelo Fronteira por 30 dias, quando resolvemos nos mudar para uma casa, que possui sala, copa, e quatro quartos. Cozinha e banheiro estão situados do lado de fora da residência. Como o terreno situa-se em uma área alta de Suai, temos uma bela vista do mar e da floresta que cerca a vila.

No inicio, tomar banho de caneca e cozinhar em fogão a querosene era um problema. Aos poucos vamos nos adaptando. De toda sorte, quando precisamos preparar pratos mais complexos temos a cozinha da UNMIT a nossa disposição.

 

Distrito de Covalima

ROTINA DE TRABALHO

Invariavelmente, por ser uma missão sem postos ou graduações, ao chegar novatos na unidade, passamos a compor as escalas de patrulha, monitoramento e coordenação de operações do Distrito (DOC). As escalas de DOC e patrulha funcionam em turnos sucessivos de 08 horas. Para UNPOL, não existem finais de semana ou feriados. Já o monitoramento consiste em se visitar os sub-distritos, mesmo os mais longínquos, com o intuito de se avaliar as condições gerais de segurança, procedimentos da policia Local, etc.

Particularmente, passei por todas as funções descritas sendo que há cerca de três semanas fui apontado como consultor de Policia Comunitária (Community Policing Adviser), cujos principais focos no momento sao: as eleicoes que se aproximam; o combate a violência domestica; e a erradicacao das gangues compostas por integrantes de grupos de artes marciais. De toda sorte, principalmente a atividade de monitoramento me deu a oportunidade de conhecer todas os sub-distritos de Covalima bem como imergir na cultura local.

 

Estrada para Fatumean (Sub-distrito)

 

MULTICULTURALISMO

Sem duvidas, uma das experiências mais marcantes na missão tem sido a interação com outras nacionalidades. Em Suai, convivo com policiais dos mais diversos países, dentre os quais: Bangladesh, Sri Lanka, Malasia, Filipinas, Nigéria, Zimbábue, Nepal, Portugal e Austrália. Somam-se aos  policiais, os componentes civil e militar os quais possuem representantes de Egito, Rússia, China, Costa do Marfim, Congo, Ruanda, Moçambique, Camarões, Índia, dentre outros.

Esta experiência multicultural exige a observação de duas virtudes muito valorizadas por aqui: paciência e tolerância. No mesmo sentido, também convem se evitar as armadilhas proprias de posturas  etnocêntricas.

Por outro lado, o fato de ser brasileiro ajuda muito, seja pela admiração que os outros povos nos dirigem, seja por nossa desenvoltura e talento natural em mediar e solucionar conflitos.

Ademais, todos por aqui estamos distante de nossa terra natal e de nossos entes queridos, fator que ajuda bastante o clima de solidariedade entre os integrantes da missão. A titulo de exemplo, cite-se a agradável noite de natal que tivemos em meio ao contingente e imigrantes filipinos. De igual maneira, a festa de ano novo promovida pela  sede local da UNMIT rendeu boas conversas e risadas.

 

EXPECTATIVAS

Seria hipócrita se dissesse que minha maior expectativa estaria relacionada as eleições gerais que se aproximam, marcadas para ocorrer em marco deste ano. Impossível, já que em duas semanas, estarei partindo para o Brasil para  reencontrar esposa, filha (sete meses), familiares e amigos.

Por outro lado, embora a saudade de casa aperte e muito, esses dois primeiros meses de missão, sem duvida, para mim constituíram um período de desafios, adaptação, conquistas, e crescimento pessoal. Entretanto, o melhor é que ainda há muito por vir.

Finalmente, gostaria de dividir uma última experiência. Há poucos dias, representei os UNPOLs de Suai na primeira colação de grau realizada no Distrito. Foram muitos os discursos, muitos mesmo (risos). Cerimônia de locais para locais. Contei com a ajuda de um languange assistant (interprete) para compreender o que era dito em tetum (idioma local).

No evento, chamou-me atenção, o fato de todas as falas ressaltarem a importância da paz, da estabilidade e da independência política para que aquela formatura deixasse de ser um sonho para se tornar realidade. Saber que nosso trabalha esta fazendo a diferenca é muito recompensador. Penso não haver reforço maior a motivação para alguém  que se propõe a se aventurar do outro lado do planeta a serviço da paz. 

Na sequencia, fotos destes dois primeiros meses de missao:

 

Cap Atila (BA), Cap Veloso (FAB), Ten Sacchelli (PR), Cap Senna (DF).

                                       Com Policiais da ONU (UNPOL) de outros países.

 

                                          Mercado sabatino – Fohorem (Sub-distrito)

 

 

                                                            Suai Vila (onde estou lotado)

 

 

                                                           Fim de ano – Suai Vila.

 

 

Mini Mercado/restaurante Filipino/ UNPOLs, locais e imigrantes.

 

 

 

Anúncios
Published in: on janeiro 21, 2012 at 1:02 am  Comments (4)  

The URI to TrackBack this entry is: https://missaodepaz.com/2012/01/21/primeiros-passos-na-terra-do-crocodilo-adormecido/trackback/

RSS feed for comments on this post.

4 ComentáriosDeixe um comentário

  1. amigo Senna, que Deus o abençoe nessa lida!

  2. Me veio uma grande lembrança agora, pois minha ultima atividade de investigação foi em Suai, o local é bonito mesmo!
    Já o meu acesso foi por via terrestre, dirigi de Dili até lá com um LÁ apenas.
    Gostei da narração e da descrição das atividades e do local!
    A todos um bom trabalho!
    Força e honra!

  3. Parabéns por mais essa pontuação para a PMDF. Avante.

  4. Parabéns Senna, pelo excelente e ilustrativo texto sobre o Timor Leste!
    Sucesso para você e o Sacchelli aí em Suai.
    Cap Marco – BMRS


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: