Discurso do Cap. Gustavo Danzmann na solenidade de condecoração da Medalha da ONU ao Tenente PMDF Cleiton Batista Neiva (post-mortem)

“Prometo dedicar-me inteiramente ao serviço policial militar, à preservação da ordem pública e segurança da comunidade, mesmo com o risco da própria vida”.
Essa frase foi dita pelo então cadete Cleiton Batista Neiva, no ano de 1997 ao ingressar na PMDF. Compromisso assumido e cumprido não somente em razão de seu trágico falecimento durante o cumprimento de uma missão de paz…

Há pessoas que se distinguem por viverem intensamente o amor ao próximo e a devoção ao servir, são pessoas com especial capacidade de transformar a vida e fazê-la melhor. Tenho certeza, foi o amor e a devoção que sempre conduziram o Cleiton; fruto é claro do exemplo e ensinamento de seu lar, em especial de sua mãe, dona Maria.

(neste momento, perdoem-me…Dona Maria, gostaria de dizer que jamais esquecerei de sua solidária ligação à minha mãe e de suas orações, ocasião em que fui vítima de um seqüestro-relâmpago, muito obrigado!).

No mesmo ano em que Cleiton ingressava na PMDF, 1997, por ocasião do aniversário de 50 anos da existência de missões de paz, o conselho de Segurança da ONU criou a medalha Dag Hammarkjold, comenda póstuma entregue àqueles que perderam suas vidas em missões de paz das Nações Unidas. Dag Hammarkjold, então Secretário Geral da ONU, faleceu em um acidente aéreo durante uma viagem ao Congo para um cessar-fogo. Deve-se muito a Dag Hammarkjold o início do processo de descolonização africana.

Foi em memória deste grande diplomata que se criou a comenda que meu amigo ora recebe. Quanta honra!
Entre Cleiton e Dog Hammarkjold há muito mais semelhanças que o falecimento em missão de paz. Certa vez, Hammarkjold disse que na unicidade da mente e interioridade encontrou forças para dizer sim aos desafios… ouso dizer que a ambos, nobres mantenedores da paz, os processos de auto-entrega e auto-realização foram comuns. Foi com estes atributos que sempre vi e ouvia meu amigo falar de seus afazeres no Haiti…era assim que ele se fazia exemplo a nós, seus amigos de turma, e àqueles que com ele tiveram oportunidade de conviver.

Cleiton jamais foi autofágico, nunca o vi lamentar a vida ou a dificuldade das coisas, jamais se deixou destruir e vencer-se pelos desafios. Nunca duvidou de sua fé cristã, que o manteve inabalável na certeza do amor de Deus e na missão de ser sal da terra e luz do mundo. Lembro-me de uma carta escrita por Cleiton ao Prof. Dr. Felipe Dantas e seus colegas de Especialização, contando de sua alegria ao retornar ao Haiti, em 2007 e ver inúmeras crianças brincando nas ruas de Cite Solei, como se estivessem em um jardim de infância… lugar onde antes havia dor e sofrimento… aquilo lhe havia dado a certeza de ter combatido o bom combate e o impulsionava a continuar ajudando a melhorar a qualidade de vida do povo do Haiti. A trajetória do Tenente Cleiton na ONU é digna do mais elevado reconhecimento e orgulho.

Foram quase 06 anos a serviço da ONU; entre 2004 e 2010 foi Chefe Policial de Operações do Centro Integrado de Operações da Minustah; Chefe de Operações do Departamento Oeste e da Capital e, por fim, Oficial de Segurança da ONU. Seus serviços foram tão relevantes que a ONU lamentou oficialmente não ter conseguido a extensão de seus serviços junto ao Governo Brasileiro e encaminhou documentação referindo-se ao Cleiton como “oficial do mais alto nível na UNPOL”, destacando sua determinação, sua não hesitação diante dos desafios, e, sobretudo suas habilidades interpessoais (traço realmente marcante neste verdadeiro amigo que tivemos)…
Ocorreu que a vontade do Cleiton em honrar o distinto convite de permanecer na Missão e ajudar no processo de pacificação do Haiti o fez iniciar gozo de 02 anos de licença sem vencimentos, quando próximo a retornar ao Brasil, vitimou-se no trágico terremoto…ressalto que Cleiton permanecia em serviço ativo…

Por fim, com o coração contrito pela saudade e bastante orgulhoso de meu amigo, reafirmo a convicção que nós, seus companheiro de da 8 Turma de Oficiais da APMB, Turma Tenente Edson, temos: DEUS LEVOU CONSIGO O MELHOR DE NOSSOS HOMENS!
À ONU, em nome da PMDF e da minha Turma de Oficiais, muito obrigado por tão nobre reconhecimento à memória de nosso amigo e irmão, gesto muito importante àqueles que amam o Cleiton.

Que a graça e paz de Deus seja com todos nós e continue a abençoar a família de Dona Maria, à Irene Hoelinger e ao Yannick, esposa e filhinho do Cleiton. Vocês são parte de nossa turma! Obrigado pelo presente que nos deram: o filho, irmão, esposo, pai, amigo e HERÓI Cleiton Batista Neiva. Sem dúvidas, O EXEMPLO de todos nós…

Obrigado!
Luiz Gustavo Danzmann – Cap QOPM.
8ª Turma de Oficiais da Academia da Polícia Militar do Distrito Federal.

“Aspirantes 1999.”

Anúncios
Published in: on janeiro 15, 2012 at 5:57 pm  Comments (1)  

The URI to TrackBack this entry is: https://missaodepaz.com/2012/01/15/discurso-do-cap-gustavo-danzmann-na-solenidade-de-condecoracao-da-medalha-da-onu-ao-tenente-pmdf-cleiton-batista-neiva-post-mortem/trackback/

RSS feed for comments on this post.

One CommentDeixe um comentário

  1. […] Discurso do Cap. Gustavo Danzmann na solenidade de condecoração da Medalha da ONU ao Tenente PMDF … janeiro 15th, 2012 – Arquivado em Missão de paz, Policial Militar […]


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: