1 ano para refletir

1 ano. 12 de janeiro de 2010. Tarde brasileira. Trevas haitiana. Quando meus olhos se voltaram para o plantão de notícias da televisão pensei que se tratava de uma ilusão. Um pesadelo. Minha testa franzida, juntamente com a de mais outros tantos que se encontravam diante do aparelho, parecia não acreditar nas primeiras imagens e informações desencontradas que eram transmitidas. Demoraram alguns minutos até eu me dar conta dos fatos. Fiquei atordoado. Perdido. Sem saber bem o que fazer, busquei o meu laptop e a conexão via internet para contactar os amigos que estavam no Haiti. Um grande amigo de mais de uma década. Um amigo fiel e cumpadre. Policiais militares. Militares. Civis. Brasileiros. Estrangeiros. Amigos. Conhecidos. Nações Unidas. MINUSTAH. Porto Príncipe. Haiti. Rapidamente me conectei com alguns. Via email. Telefone. Passei a transmitir aos familiares e amigos as poucas mas aliviantes notícias. De vida. De sobrevivência. Um a um, sem considerar grau de importância, os nomes foram sendo confirmados. Sentimentos de conforto e apreensão se confundiam. Antagônicos. Complexos. Confusos. Apreensivos. Em algumas horas praticamente fui postando tudo que tomava conhecimento no blog. Viva a internet! Esperança. Os meus exatos 365 dias no Haiti me transportavam diretamente as imagens distorcidas da tragédia que eu via na mídia, recebia por email. Seria possível ter aquilo mesmo acontecido? – me questionava. O Hotel Christopher, Sede da Missão, estava em ruínas. Eu trabalhei por um ano ali. Naqueles destroços que infelizmente eu me recusava a acreditar. No transcurso da história da humanidade, 3 anos nada significam. Eu poderia estar lá. Eu queria estar lá. Não para ser herói. Não para dizer que estava. Eu queria estar lá para ajudar. Para ser útil. Para encontrar. Para fazer alguma coisa. Outros tantos também queriam. Amigos. Conhecidos. Sobreviventes. Impotência. Sentimento difícil de descrever. Dezenas de policiais militares prontamente se voluntariaram para embarcar imediatamente para o Haiti. A indiferença foi plena das “autoridades”. A mídia repercutiu a vontade. Das autoridades, o silêncio. Sequer cogitaram. Frustrante. Veteranos que atuaram na MINUSTAH. Que conheciam as ruas, vielas, o idioma, a cultura, a violência…seres humanos dispostos. Angustia pela procura por um amigo. Um amigo fiel. Um filho presente, amado. Um marido amável. Um pai impecável. Um profissional inquestionável. Um policial militar. Um diplomata por natureza. Um brasileiro. Revolta. Esperança. Deus. Ligações. Emails. Os sobreviventes passaram a ser heróis. Não por que quiseram ser. Mas porque assim foram ‘chamados’ para serem. Equipes brasileiras seguiam para o Haiti. Bombeiros Militares. Militares. Mas não policiais militares. Nem mesmo os veteranos. (Hoje não mais importa). E um policial militar brasileiro estava dentre os desaparecidos. A mídia não registrava. As autoridades não registravam. Não contabilizavam. Os dias passavam. Mas os amigos perpetuavam na divulgação de seu nome no Brasil e no mundo. Em português. Em inglês. Em francês. Em espanhol. Em alemão. No Haiti, outros tantos, inclusive policiais militares, não paravam de procurá-lo. Os dias se passavam. A dor amanhecia com o raiar do sol. Nem mesmo o anoitecer e as longas madrugadas eram capazes de acalmar os corações de quem o amava. A certeza e fé em Deus não permitiam desistências ou dúvidas. Força! Fé! Sua família no Brasil. Sua família no Haiti. Sobreviventes. Ascendentes. Descendente. Cônjuge. Amados. Eternos. 7 dias se passaram. As buscam continuavam. Implacáveis. Incessantes. Desgastantes. Mas ininterruptas. 8 dias de sofrimento. Uma ligação no meio da noite. Do Haiti. A confirmação da ruptura de uma linda história de vida, de amor, de respeito, de amizade, de persistência. Encontrado por um brasileiro. Um policial militar. Dor. Amargura. Sonho ou pesadelo? Desespero. Amigos. Família. A incumbência de informar. De confirmar o que todos se recusavam a cogitar. Castigo maior não deve existir. Nem ao inimigo se pode desejar tamanha carga. Ser forte quando se está fraco. Amigos. Família. No Brasil. No exterior. Perda. Indescritível. Imensurável. O que fazer? Sofrer. Relembrar. Orar. Parte da vida. Quem parte leva consigo um pouco de cada um de nós. Precisamos ser fortes. Temos que ser. Mas choramos como crianças. Inconsoláveis. Perdidos. Fraturados. Honras de herói. Os amigos jamais permitiriam, mesmo com a falta de sensibilidade de alguns, que qualquer momento de sua homenagem fosse posta em cheque. Que houvesse algum erro. Reconhecimento público. Digno. Belo. Triste. Impecável. Cada um que é merecedor algum episódio deve guardar em si o valor pelo aquilo que fez. As salvas de tiro atravessavam o coração de todos que ali estavam pelo que representou na vida de cada um. Viveu e partiu como um herói. 1 ano. Parece que foi ontem. Nas últimas semanas pensei no que escrever. Como escrever. O que escrever. Nada me veio a cabeça. Nenhuma linha. Hoje me sentei por alguns minutos e comecei a digitar. Como há exatos 365 dias. Poucos minutos. Sem retoques. Sem releituras. Sincero. Simplesmente o que estava na cabeça. Agora. O que me vem? Um sorriso enorme. Incentivador. Motivador. Feliz. Uma referência. Um apelido criado e somente usado por ele. Sonhos antigos compartilhamos. Entramos juntos na vida policial militar. 3 anos de Academia. Todos os dias. Por todo o dia. Trabalhamos juntos no Brasil. Trabalhamos juntos no Haiti. Dificuldades aqui e lá. Felicidades aqui e lá. Me visitou. Me ajudou no Brasil. Me ajudou no Haiti. Talvez eu também o tenha ajudado de alguma maneira. Um dia saberei. Ou não. Não importa. Eu aprendi. Ganhei. Recebi. Lembro-me da última vez que nos vimos. Fim de 2007. Saímos para jantar. Um restaurante francês no então charmoso bairro de Pétion-Ville. Lembranças. Conversas. Risadas. Perspectivas. Dúvidas. Fim de 2009. Algumas ligações. Lembranças. Conversas. Risadas. Perspectivas. Dúvidas. Um dia será eu. Um dia outro ente querido, amado. O que realmente importa é poder pensar em seu nome e somente lamentar sua prematura partida. Mas ao mesmo tempo rir de quem fez rir. Da alegria. Do bom humor. Do eterno carpe diem. Da família que ficou e foi incorporada por tantos. Do herdeiro que tanto com ele se assemelha. Lembranças. Sempre ótimas. Eu só tenho a agradecer. Que prazer. Obrigado por ter feito parte da minha vida. De nossas vidas. Merci mon ami Cleiton Batista Neiva. 12 de Janeiro de 2011.

“Carrier”

 

 

(1º Ten PMDF Cleiton Batista Neiva – segundo da esquerda para a direita)

Anúncios
Published in: on janeiro 12, 2011 at 1:20 am  Comments (12)  

The URI to TrackBack this entry is: https://missaodepaz.com/2011/01/12/1-ano-para-refletir/trackback/

RSS feed for comments on this post.

12 ComentáriosDeixe um comentário

  1. […] 1 ano para refletir janeiro 11th, 2011 Tweet […]

  2. Capitão Carrera:
    É dia de relembrar, de fato, e dar notícia desse “aniversário da vida de Cleiton Batista Neiva” aos órgãos midiáticos, para que o exponham e homenageiem, vis-à-vis a “memória coletiva” do membros da comunidade local, da PMDF, dos UNPol, dos staffs da ONU nas diversas missões de paz em curso e do restante do país e da comunidade internacional.
    Saudoso, mas orgulhoso de Cleiton,
    George Felipe de Lima Dantas

  3. Saudade! Que Papai do Céu cuide do nosso amigo e que Ele cubra Irene,Yannick e toda a familia e amigos com paz e serenidade!

  4. É pena que tanto se fez, tanto se acreditou, e por mais que se tenha construído a água levou. A esperança talvez não seja a última a morrer, mas de certo ela morre aos poucos com cada um desses heróis que deixam a Terra.

  5. Carrera,
    Sabemos que você cumpriu de forma inconteste o que se esperaria de um amigo quando da partida e das homenagens à memoria do Cleiton.
    Pode ser forte, pode superar, pode estar certo que sua missão foi cumprida.
    Um abraço
    TC Valdemir

  6. Só de ver a foto do Cleiton me emociono ainda!!!
    Que perda irreparável!
    Mas temos 1 consolo. Sabemos q ele, com certeza, está com Deus!!!

    Na nossa turma há muitas pessoas maravilhosas. E grandes profissionais, como ele e como vc Carreira. A PM ganhou muito em ter vcs no seu quadro. Vcs são exemplo de amizade e profissionalismo. E com isso nós somos enriquecidos.

    Valeu!!!

    Abraço!

  7. Linda e saudaosa mensagem…
    o apelido a mim atribuído era Valery…
    não há como esquecer o sorriso desse amigo tão especial!

    A luta continua!

  8. Tres anos de Academia se foram… Curso de Radiopatrulhamento e Curso de Policiamento Turistico tambem juntos. Aprendi muito com sua serenidade e bom humor (poderia ter aprendido mais). Na primeira selecao para missoes de paz da qual podiamos participar, la estavamos nos dois aguardando o resultado e conversando sobre nossas expectativas… Ele foi enviado para o Haiti, um ano depois eu vim para o Timor Leste. Eu voltei ao Brasil, ele la permaneceu… Mais um ano se passou e eu estou novamente aqui no Timor…. (…) E o Cleitinho???? Meu Deus! Quanta falta! (…) Nao consigo falar sobre o amigo/irmao, quanto a mim estou aqui em frente a tela do computador da UNMIT com os olhos lacrimejando… Deus abencoe a tia Maria, os queridos Anderson e Adriana, a Irene e o Yannick!!! “Catepilets!!!” (Nao tem significado, era ele quem repetia sempre essa palavra quando queria dizer “nao se estressa” ou “fica tranquilo” ou ainda “esta tudo bem”)

  9. Sensacional o texto grande big, não há como não encher os olhos de lágrimas ao relembrar os fatos, as historias contadas pelo Cleitin, o irmão que partiu cedo demais…
    grande abraço

    • Valeu, Ad!

  10. Carrera, li seu texto e nao tive como me emocionar…lindo texto…meu marido (Cel. Zanin – EB) tambem estava la no Cristopher….e como o Cleiton , tambem nao voltou … tudo passou como um filme… tambem fiquei na espera de um milagre…que voltasse vivo para nossa familia…homenagens, honras, reconhecimento….mas e a falta que fazem em nossos coracoes? So o tempo que acalma a dor e a saudade… Grande abraco, Cely Zanin

    • Sra. Cely,
      Acredito que só o tempo seja capaz de acalmar mesmo a dor e a saudade.
      Que Deus esteja com a sra. e a sua família!
      Grande abraço,
      Sérgio Carrera


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: