Tenente Bruno (PMESP) relata sua vida na Missão de Paz da ONU no Sudão (fev 09)

“Yei Town, três de fevereiro de 2009.

 

Se algum dia algum dos senhores já se questionou sobre a real importância da existência e de se participar de uma Missão de Paz pela ONU, assim como eu mesmo já me questionei, espero que tenham o prazer e a oportunidade de obter esta resposta “in loco”.

Completo hoje, juntamente com o Major PMERJ Silva e o TEN PMMT Menin, 55 dias de missão, já tendo passado por três cidades diferentes (e põe diferente nisso!), não nos restando mais dúvidas da carência econômica, cultural e humana na qual o povo sudanês se encontra afundado.

Além disso, e em razão dos lugares pelos quais já estivemos, se torna um pouco mais facil de se tentar entender algumas das possiveis razões dos conflitos e diferenças culturais tão explícitas aqui vistas. Nota-se com facilidade que a capital sudanesa, Khartoum, é uma cidade árabe, sendo esta, aliás, a minha primeira impressão do local, repassada quando liguei pela primeira vez para minha familia no Brasil: “Acho que peguei o vôo errado, devo estar na Arabia!”. Brincadeiras a parte, os costumes e tradições muçulmanas afloram em cada esquina da capital, seja na maneira das mulheres se vestirem, de todos se comportarem ou mesmo das constantes e pontuais orações por eles realizadas diariamente.

Passado esse primeiro momento, pra não dizer impacto, nos deslocamos nos últimos dias de 2008, para o sul do país, para a chamada “capital do sul”, Juba. Já na viagem, feita em um vôo da própria ONU, pude começar a perceber as diferenças que se aflorariam ainda mais com o passar dos próximos dias. É nítida a faixa transitorial de vegetação e clima na qual o território sudanês está inserido. Eu, como um bom brasileiro, consegui viajar na “janelinha” do avião e assistir de camarote o deserto do norte sudanês se torna, no sul, em algo parecido com o cerrado brasileiro.

Pouco tempo ficamos em Juba, o suficiente para aproveitarmos uma festa de Ano Novo, se é que posso assim chamá-la, já que apesar da presença de bebida alcoólica, o que não é permitido na capital Khartoum, é muito diferente das brasileiras.

Não só a paisagem mudou. Percebi pela primeira vez que estava de fato na África. A população, agora sim predominantemente negra, passa-nos a impressão de que estamos em um daqueles filmes que retratam a realidade africana. Agora percebo que estes diretores de “Hollywood” não são assim tão criativos, apenas viram isso aqui de perto.  

Em Yei Town, onde nós três brasileiros estamos servindo atualmente, todo o conforto que vocês podem imaginar se foi. Melhor, o que não temos aqui não é considerado conforto no Brasil: é necessidade, é basilar. Fossas, banhos de balde e caneca, energia elétrica racionada, alimentação restrita a poucos gêneros, ruas esburacadas, essa é vida que estamos levando. Acalmem-se, essa é a vida que pedimos para nós! 

Agora, já no pleno exercício de minhas funções, no contato diário com o povo sudanês, seja com os presos ou com a Polícia Nacional da “Police Station”, seja em vilarejos ou orfanatos como os que eu já tive a oportunidade e o prazer de visitar, remeto-me ao parágrafo inicial e lhes respondo: hoje, aqui na cidade de Yei, situada no sul do Sudão, nordeste da África, sim, a Missão de Paz tem sua razão e importância de existir. Mas mais do que isso, eu não tenho mais dúvidas de que estar aqui, hoje, e servir nesta Missão, é algo único e maravilhosamente realizador, nao só profissionalmente, mas muito mais pessoalmente.

Forte abraço a todos…

 

2º Tenente PMESP Bruno de Oliveira

1º Batalhão de Choque “Tobias de Aguiar” – ROTA

Police Advisor – UNMIS – United Nations Mission in Sudan”

Anúncios
Published in: on fevereiro 5, 2009 at 2:43 pm  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: https://missaodepaz.com/2009/02/05/tenente-bruno-pmesp-relata-sua-vida-no-sudao-fev-09/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Parabens pela decisao de honrar o nosso Brasil sob quaisquer condicoes enfrentadas. No Timor Leste em 2000 passei por tudo muito parecido. O brasileiro eh casca grossa e refinado ao mesmo tempo. Continue com o bom trabalho!

  2. Valeu Carrera!

    TC Braga

  3. Realmente sua missão é maravilhosa…
    Mas vc faz falta!!!
    Beijos


Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: