International Master’s Degree in Conflictology

UNITAR offers various online postgraduate study programmes for professionals and students in the areas of armed conflicts, peacekeeping and peacebuilding. The objective is to prepare candidates for professional careers by providing up-to-date knowledge and methods as well as transferable skills of interest to employers and the UN System.

UNITAR offers a unique online Master’s Degree in Conflictology jointly delivered with the Open University of Catalonia. Participants from different background attend the online programmes to prepare for professional practice and acquire knowledge and skills related to peace and security from UN practitioners and academics.

The International Master’s Degree in Conflictology presents empirical knowledge and insight on conflict resolution, transformation, mediation and management, for conflicts of all importance, be they interpersonal or global. Practitioners and academics from prestigious universities, the United Nations and peace research institutes guide participants through the virtual learning environment, enabling them to learn about the peaceful resolution of conflicts and prepare for professional practice. This programme trains participants in all applications of conflictology and facilitates the development of professional projects by giving participants access to the largest network of people working to promote peace.

Objectives

At the end of the Master’s Programme, students will be able to:

  • Analyze the nature and characteristics of contemporary conflicts at different levels;
  • Access information and knowledge to develop efficient intervention programmes;
  • Synthesise techniques and strategies for non-violent intervention;
  • Formulate a plan of action for peaceful interventions, both for the prevention of conflicts and for their resolution;
  • Lead and facilitate negotiation and mediation processes, at the family, professional and international levels.
  • Courses

    To receive the Master’s Degree in Conflictology, issued by the UOC in partnership with UNITAR, candidates must complete the following courses equivalent to 60 ECTS (1500 hours) in no more than two years.

    UNITAR courses

    • Introduction to Peace Operations
    • Milestones in UN Peacekeeping
    • Conflict Analysis
    • Conflict Resolution
    • Human Security in Post-Conflict Intervention

    UOC courses

    • Philosophy of Peace
    • Media and Peace Building
    • Crisis Management
    • Economy and Conflict
    • Deconstructing the War
    • The Intercultural/Ethnic Conflict and the Management of Diversity
    • Family Mediation
    • Non-violence
    • Business Mediation
    • Implementation of Conflict Strategy in Workplace and Commercial Conflicts
    • Business Ethics
    • Mandate Evaluation
    • Postgraduate Project
    • Master Project

    Target audience

    • Personnel of peace operations (civilian, military and police);
    • Civil servants and staff of international, regional and national organisations involved in peace and security;
    • NGO representatives and humanitarian workers;
    • Researchers and academics;
    • Students;
    • Any person with responsibilities and interest in solving conflicts.

    Entry requirements

    In order to be considered for the Master’s degree in Conflictology, candidates must be fluent in English, possess a valid passport or national identity card and have completed an undergraduate degree.

    Other Study Programmes Available

    If you are looking for a shorter programme, if you want to develop a unique expertise on UN peace operations or if you do not have an undergraduate degree, you may register for the UNITAR Postgraduate Diploma in Peacekeeping and Peacebuilding.

    For more information on the Postgraduate Diploma and the Master’s Degree, download the brochure, leaflet and the frequently asked questions (PDF, 402 KB).

    Tuition Fees, Discounts and Scholarships

    As of 2014/2015, tuition fees for the programme are as follows:

    To be eligible for theLeast Developed Countries (LDCs) discount, candidates must be a citizen from an LDCs included in the list compiled by the United Nations. All candidates from LDCs will automatically be considered for the discount as long as they submit their application on time.

    To be eligible for the UN Volunteer discount, candidates must currently be UN volunteers and must provide a proof of status in their application.

    Tuition fees may be paid in instalments. Scholarships are available on a very competitive basis.

    For more information on scholarships and tuition fees, please, consult the frequently asked questions (PDF, 402 KB).

    Registration

    2015 Fall Semester

    Deadline for application | 01 July 2015

  • ———————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————————-

SOURCE: UNITAR

Published in: on junho 22, 2015 at 1:13 am  Deixe um comentário  

Haitian National Police- 20 years of service

Haitian National Police- 20 years of service

Enjoy and share these pictures and video produced by the police in Haiti, showing the 20th anniversary of the Haitian National.Police (HNP). Many things has improved, and the struggle for change continues. The HNP is a young police force, but wathcing their efforts to improve at close range really gives me the impression that they want to improve for the benefit of their country. https://lnkd.in/e-U8ZQd

English translation from the link:

This June 12, 2015 marks the 20th anniversary of the National Police of Haiti, HNP. 20 years punctuated by ups and downs, but mostly sacrifices that helped sculpt a police force today, professional and efficient.

Indeed since the promulgation of the Law of 28 December 1994, the National Police of Haiti is the only official institution responsible, since the dissolution of the army in 1995, to ensure the security of the country.

Follow this video report highlights the reform of the HNP.

LINK

Published in: on junho 22, 2015 at 12:19 am  Deixe um comentário  

PNH: 20 ans à servir et protéger

Haitian National Police- 20 years of service

Ce 12 Juin 2015 marque les 20 ans d’existence de la Police Nationale d’Haïti, PNH. 20 années ponctuées de hauts et de bas, mais surtout de sacrifices qui ont permis de sculpter une force de police, aujourd’hui, professionnelle et efficace.

En effet depuis la promulgation de la Loi du 28 Décembre 1994, la Police Nationale d’Haïti est la seule institution officiellement chargée, depuis la dissolution de l’armée en 1995, d’assurer la sécurité du pays.

Suivez dans ce reportage vidéo les temps forts de la réforme de la PNH. – link

Conception multimedia: Igor Rugwiza, Violine Thelusma

Published in: on junho 22, 2015 at 12:17 am  Deixe um comentário  

Un rapport de l’ONU dénonce les comportements des casques bleus en mission

Le Monde.fr | 12.06.2015 à 11h35 • Mis à jour le 12.06.2015 à 15h00


Des casques bleus à Port-au-Prince, en 2009. | THONY BELIZAIRE / AFP

Dix ans après la sortie du « rapport Zeid » qui explorait des mesures concrètes pour éliminer les cas d’exploitations sexuelles dans le cadre des opérations de maintien de la paix des Nations Unies, rien n’a changé ou presque. « Des casques bleus ont échangé de l’argent, des bijoux, du parfum, des téléphones contre des faveurs sexuelles », note un rapport du bureau des enquêtes internes de l’ONU, à paraître la semaine prochaine. Le code de conduite de l’organisation prohibe pourtant strictement les rapports sexuels en échange de nourriture, d’argent ou de tout autre bien matériel. L’institution réprouve par ailleurs fermement depuis 2003 les relations sexuelles entre les casques bleus et les populations qu’ils sont censés protéger, sans pour autant les interdire, ce qui laisse une marge d’interprétation aux soldats déployés sur le terrain.

Or, le rapport note que deux opérations de maintien de la paix en Haïti (Minustah) et au Liberia (Minul) « démontrent que ces échanges à caractère sexuels sont répandus, sous-estimés et pas assez dénoncés. » Selon le document, 231 femmes haïtiennes ont indiqué avoir eu des relations sexuelles avec des casques bleus en échange de biens matériels. Le rapport note que les conditions qui encouragent ce type d’exploitation sont « la faim et la pénurie de produits de première nécessité et de médicaments ». Seulement sept femmes avaient connaissance de la politique de « tolérance zéro » des Nations unies sur les abus sexuels. Et aucune ne connaissait l’existence d’une ligne téléphonique pour dénoncer de tels abus.

« NAMING AND SHAMING »

D’après une autre enquête menée à Monrovia (Liberia) auprès d’un échantillon de 489 femmes âgées de 18 à 30 ans en 2012, « plus d’un quart (…) avaient procédé à des transactions sexuelles avec les casques bleus, généralement pour de l’argent. » Le rapport estime par ailleurs que le nombre de préservatifs distribués pour éviter les risques d’infection au VIH laisse penser « que les relations sexuelles entre les casques bleus et la population locale sont très répandues ».

Entre 2008 et 2013, 480 cas d’abus ou d’exploitations sexuelles ont été recensés au sein des Nations unies, et un tiers de ces cas implique des mineurs. Pour la première fois dans un rapport, le bureau des enquêtes internes pratique la politique du « naming and shaming » qui consiste à nommer et dénoncer les pays dont les ressortissants se sont rendus coupables de tels actes. Quatre pays sont particulièrement concernés : le Pakistan, l’Uruguay, l’Afrique du Sud, et le Nigeria. Ces accusations visent en premier lieu les militaires. Mais les civils (17 % du personnel des missions), représentent 33 % des accusations.

« Malgré une baisse continue du nombre de plaintes, qui s’explique en partie par une sous-estimation du nombre de cas, l’efficacité de la lutte contre l’exploitation et les abus sexuels est entravée par une organisation complexe et la lenteur de l’organisation à enquêter et à venir en aide aux victimes », note le bureau des enquêtes internes.

Le rapport estime que les investigations menées sur ces accusations prennent « beaucoup trop de temps » (seize mois de délai en moyenne). L’ONU doit par ailleurs s’en remettre aux pays d’origine des coupables et aux juridictions nationales pour les sanctions, ce qui entraîne « de très grandes disparités selon les Etats ».Les civils sont le plus souvent congédiés tandis que soldats et policiers sont renvoyés dans leur pays avec interdiction de participer à une autre mission onusienne. Cette enquête sort à un moment où l’ONU est vivement critiquée pour sa gestion des accusations de viols de mineurs commis en Centrafrique par des soldats français, tchadiens et équato-guinéens. Mais elle ne revient pas sur cette affaire.

Par Marie Bourreau (New York, Nations unies, correspondance)

Source: Le Monde.fr

Published in: on junho 21, 2015 at 9:41 pm  Deixe um comentário  

Accusations de viols en Centrafrique : l’ONU va lancer une enquête externe indépendante

Des soldats français lors d'une opération à Bangui, en février 2014.

Des soldats français lors d’une opération à Bangui, en février 2014. Crédits : Jerome Delay / AP

Le secrétaire général de l’Organisation des nations unies (ONU), Ban Ki-moon, prévoit de mettre en place une enquête externe indépendante portant sur sa gestion de l’affaire des agressions sexuelles présumées d’enfants par des soldats français et africains déployés en République centrafricaine (RCA), a indiqué son porte-parole mercredi 3 juin.

Lire aussi : Accusations de viols en RCA : « Soit il y a des salopards, soit c’est une manipulation »

« Son intention avec la mise en place de cette enquête est d’assurer que les Nations unies n’abandonnent pas les victimes d’abus sexuels, particulièrement lorsqu’ils sont commis par ceux qui sont censés protéger » les populations, a expliqué Stéphane Dujarric.

Enquête judiciaire ouverte en France depuis juillet

Au moins 14 soldats français déployés en RCA sont soupçonnés d’avoir abusé sexuellement d’enfants entre décembre 2013 et mai-juin 2014. Une enquête préliminaire a été ouverte par le parquet de Paris à la fin juillet 2014.

Lire aussi : Accusations de viols en Centrafrique : retour sur neuf mois d’enquête

Les autorités françaises ont ouvert leur enquête après avoir été saisies d’un rapport de l’ONU transmis à la mi-juillet par un fonctionnaire du Haut-Commissariat, Anders Kompass. François Hollande a promis d’être « implacable ». L’armée assure qu’elle ne veut pas « cacher quoi que ce soit ». Parmi les militaires soupçonnés, « très peu » ont été identifiés, selon une source judiciaire française, sans en dévoiler le chiffre précis.
Fonte: Le Monde Afrique. 

Published in: on junho 21, 2015 at 9:37 pm  Deixe um comentário  

Les préconisations d’experts pour réformer la mission des casques bleus

Le Monde.fr avec AFP | 17.06.2015 à 00h54 • Mis à jour le 17.06.2015 à 08h31

dapter l’ensemble des opérations de maintien de la paix de l’ONU aux nouveaux conflits, tel est l’objectif que s’est fixé un rapport d’experts rédigé sous la direction du Prix Nobel de la paix, José Ramos-Horta.

Commandé l’an dernier, avant une série d’accusations de scandales sexuels impliquant des casques bleus, le document, remis mardi 16 juin au secrétaire général des Nations unies Ban Ki-moon, ambitionne de réviser, pour la première fois depuis quinze ans les missions des soldats de l’ONU.

« PÉRIODE NOIRE »

Selon un résumé obtenu par l’AFP, il recommande notamment d’exclure des missions de maintien de la paix les pays qui bafouent les droits des enfants dans les conflits armés, afin d’éliminer le risque que des casques bleus ne commettent des abus sexuels.

L’ONU met à jour chaque année une « liste de la honte » des armées ou milices coupables de telles exactions. Elle comprend actuellement huit pays dont la Syrie, le Soudan du Sud, le Yémen et la République démocratique du Congo. La même exclusion devrait s’appliquer aux pays dont les armées en campagne commettent régulièrement des violences sexuelles dénoncées par l’ONU, ajoute le rapport.

Sur les exactions commises par les militaires des pays contributeurs de troupes, le texte suggère de rendre publiques les sanctions prises ainsi que de dénoncer l’absence de sanctions. « Personne ne devrait être au-dessus des lois », a affirmé M. Ramos-Horta à la presse tout en reconnaissant une contradiction : l’ONU est forcée de s’en remettre au pays d’origine des coupables pour les sanctionner.

Le rapport veut aussi accélérer les enquêtes — qui ne devront pas dépasser six mois, au lieu de seize mois en moyenne aujourd’hui — et créer un « programme efficace et bien financé d’aide aux victimes »La récente série de scandales impliquant des casques bleus « est la pire chose qui puisse arriver pour la crédibilité de l’ONU », a estimé M. Ramos-Horta, parlant de « période noire ».

MISSIONS D’UN NOUVEAU GENRE

Sur la refonte des missions des casques bleus de manière générale, le rapport observe que depuis la dernière révision de celle-ci, la donne a changé : aujourd’hui les soldats de l’ONU sont la cible d’attentats extrémistes, comme au Mali, ou d’enlèvements par des groupes armés, comme sur le plateau du Golan.

En quinze ans, les crises régionales se sont par ailleurs multipliées et le nombre de casques bleus a grimpé (près de 130 000 hommes, contre 20 000 il y a quinze ans, pour un budget de 8 milliards de dollars). Leur mandat est aussi plus complexe : ils doivent protéger les civils mais aussi aider les pays hôtes à préparer des élections.

Le rapport recommande ainsi de créer une force onusienne de déploiement rapide « de taille modeste » pour renforcer les missions en cas d’urgence mais rejette l’idée d’impliquer l’ONU dans des opérations antiterroristes.

Il invite par ailleurs les pays développés ou émergents à fournir davantage de fonds et de soldats aux missions, qui s’appuient souvent sur des contingents de pays en développement (Bangladesh, Pakistan).

Enfin, il estime souhaitable une présence plus grande des femmes dans les opérations et préconise le déploiement d’experts en droits de l’homme afin que les missions fassent dans ce domaine des « rapports réguliers et publics ».

Fonte: Le Monde. 

Published in: on junho 21, 2015 at 9:31 pm  Deixe um comentário  

Dia do peacekeeper – o que o Brasil tem com isso?

Por Eduarda Hamann

Ontem, 29 de maio, foi celebrado o Dia Internacional dos peacekeepers. Assim são chamados os profissionais que trabalham sob a bandeira azul da ONU e que recebem a difícil tarefa de manter a paz, às vezes em lugares onde não há paz para ser mantida. Ao todo, o Brasil já enviou mais de 40 mil militares e policiais para missões de paz,mas pouca gente além desses brasileiros sabe disso.

O Brasil contribui para as operações de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) desde a primeira missão, em 1948. Até hoje, 69 missões já foram autorizadas pelo Conselho de Segurança da ONU, e cerca de 50 dessas contaram com a participação de brasileiros.

Nos últimos 70 anos, o trabalho do peacekeeper se tornou mais complexo e perigoso. Os conflitos armados contemporâneos são bem diferentes dos da Segunda Guerra Mundial. Por exemplo, os civis não estão mais isolados como antes – muitos se envolvem com grupos armados e a imensa maioria sofre, sem defesa, com as terríveis consequências dos confrontos que hoje ocorrem no meio das cidades. Além disso, o fácil acesso a armas e munições, aliado às novas ameaças (como as provenientes do extremismo), forçaram a ONU a repensar a maneira de responder aos novos desafios.

A partir da década de 1990, algumas missões passaram a incorporar elementos relacionados ao desenvolvimento socioeconômico e, recentemente, certas missões receberam “dentes”, isto é, uma autorização formal para usar a força em situações complexas de escalada da violência. É particularmente emblemático o caso da missão da ONU na República Democrática do Congo, cujas tropas são comandadas por um general brasileiro.

De todas as missões de paz das quais participou, a mais importante para o Brasil é, sem dúvida, a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (MINUSTAH). Primeiro, em termos diplomáticos, desde a elaboração do mandato, o país fez gestões importantes junto aos demais países da região para convencê-los não somente a aceitar uma missão de natureza mais militarizada, mas também de efetivamente enviar tropas para a implementação do mandato. Isso reforçou a liderança regional do Brasil e conferiu ao país um papel de destaque também na missão. Segundo, em termos militares, o Brasil precisou desenvolver novas técnicas, táticas e procedimentos para dar conta dos desafios da pacificação, sobretudo entre 2005 e 2007, e o sucesso das operações deflagradas fortaleceu a moral das tropas dentro e fora do Brasil, mesmo depois do terremoto de janeiro de 2010.

Iniciada em junho de 2004, a MINUSTAH agora passa por um complexo processo de reconfiguração junto com as demandas do governo haitiano, e já experimenta a gradual retirada de tropas e de policiais da ONU até o seu possível término em 2016.

No entanto, apesar dos avanços principalmente decorrentes da MINUSTAH, o Brasil não desfruta de boa posição nos rankings internacionais relacionados às operações de paz. Há hoje 1.680 tropas brasileiras nas missões da ONU, equivalentes a 0,57% do efetivo militar do país. Este contingente coloca o Brasil na 21ª posição do ranking da ONU, uma vez que correspondem a apenas 1,63% do total do pessoal uniformizado (militares e policiais) sob a bandeira da organização.

A contribuição do Brasil para o fundo das operações de paz da ONU também é baixa e equivale a somente 0,6% do total. Além disso, mesmo sendo pequena a cota brasileira, desde 2012 o país não remete parte de suas contribuições obrigatórias e a dívida junto ao orçamento das operações de paz já chega a 87 milhões de dólares. Não se trata de uma situação confortável para quem busca um papel mais proeminente no sistema de paz e segurança internacional, incluindo o assento permanente no Conselho de Segurança.

No Dia dos Peacekeepers, o Brasil pode realmente se orgulhar do que os seus cidadãos têm feito pelo mundo – da América Latina ao sudeste asiático, da África a Europa. Mas a data também convida a reflexões profundas, sobretudo em meio a crises políticas e institucionais.

É preciso discutir o lugar das mulheres brasileiras nas forças armadas e nas operações de paz, bem como a melhor gestão dos policiais militares que participam das missões da ONU. Além disso, também se faz necessário um debate amplo a respeito do papel que o país quer desempenhar no sistema de paz e segurança, seguido de investimento de recursos (humanos e financeiros) na implementação de suas decisões estratégicas.

Fonte: Igarapé

Published in: on junho 21, 2015 at 9:26 pm  Deixe um comentário  

Veterano de Missão de Paz publica seu terceiro livro

O Tenente-Coronel da Reserva Remunerada da PMDF Antônio Sérgio Carrera, veterano da Missão de Paz da ONU em Moçambique (ONUMOZ, entre 1993-1994), publica seu terceiro livro hoje, dia 11 de junho de 2015, no Espaço Cultural do Restaurante Carpe Diem da CLS 104, Asa Sul, Brasília-DF.

Após publicar um livro sobre a experiência de um policial militar brasileiro em Missão de Paz na África (Sierra Romeu 8 – Uma Operação de Paz na África) e sobre a vida de um Oficial R/2 do Exército (Uma vida na caserna – lembranças de um oficial R/2), o seu terceiro livro é uma ficção com o título “VINTE ANOS DEPOIS”.

Prestigie!

 vinte anos depois

INFORMAÇÕES:

Data: 11 de junho de 2015.

Local: Espaço Cultural do restaurante Carpe Diem da CLS 104, Asa Sul, Brasília-DF.

Forma de aquisição: Os livros serão obtidos diretamente com o autor ao preço de R$ 35,00, pagos em espécie ou cheque em razão de não haver qualquer vinculação com o restaurante para a comercialização.

Published in: on junho 11, 2015 at 6:45 am  Deixe um comentário  

Lembranças ao eterno peacekeeper – Ten PMDF Cleiton Batista Neiva

Nesta semana, o nosso querido amigo Cleiton Batista Neiva completaria mais um ano de vida.

Torna-se um pouco repetitivo falar dele, mas é impossível deixar de lembrar de sua figura como pai, filho, marido, profissional e amigo atencioso.

Lembrava nesses dias quando participamos de um processo seletivo para Missões de Paz em 2003 ou 2004. O Cleiton estava apreensivo pois seria a primeira vez que faria a avaliação no idioma francês e à época, não era comum oficiais subalternos serem autorizados a participar de uma missão de paz, muito menos habilitados em idioma francês. Ambos passamos (eu em inglês), mas o Cleiton foi o único que passou em francês, e em poucos meses se deslocou ao Haiti para integrar a MINUSTAH, juntamente com outros dois oficiais (um da PMBA e um da PMGO), sendo os primeiros policiais militares brasileiros a compor a recém-criada missão da ONU. Assumiu cargos importantes e foi motivador e exemplo para vários outros policiais. A muito devo a suas orientações!

Foi o primeiro peacekeeper da 8ª Turma de Oficiais da PMDF (Aspirantes 1999), turma essa que leva seu nome.

Temos todos a certeza de que sua missão foi cumprida e a sua vida atingiu positivamente a muitas pessoas. Sua partida prematura de nosso convívio, em decorrência dos sismos no Haiti em 2010, nos deixam saudosos. Mas felizes àqueles que puderem conhecê-lo e conviver consigo.

Certo que está em lugar muito melhor, deixo apenas alguns registros, com toda a saudade que a sua ausência nos traz.

124

Foto 1 – Ainda com o “bichoforme” – 1º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma.

120

Foto 2 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma.

125

Foto 3 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma no intervalo das aulas.

134

Foto 4 – No 3º Ano da Academia da PMDF, com amigos de turma se preparando para desfile ou jarrão …

101

Foto 5 – Na Base Operacional nº 8 – Terceiro e último Acampamento – No 3º Ano da Academia da PMDF.

102

Foto 6 – Na Base Operacional nº 8 – Terceiro e último Acampamento – No 3º Ano da Academia da PMDF.

171

Foto 7 – Baile da Espada – Após declarado Aspirante a Oficial, com sua irmã.

173

Foto 8 – Baile da Espada – Após declarado Aspirante a Oficial, com sua mãe.

marco_carrera_cleiton_e_esposa

Foto 9 – Recepção oferecida pela Embaixada do Brasil em Porto Príncipe, em comemoração ao 7 de setembro. 2007. Major BMRS Marco e sua esposa Irene.

DSC01262[1]

Foto 10 – No comando de operação durante distúrbios em Porto Príncipe. Entre 2004 e 2005.

DSC00071[1]

Foto 11 – Prestigiando o efetivo UNPOL na MINUSTAH durante solenidade de outorga da Medalha da ONU. 2007.

CLEITON

“Saudades, querido mano!”

Published in: on junho 6, 2015 at 8:03 am  Deixe um comentário  

Brasil recebe solicitação para indicar policiais militares para o cargo de PoC Site Coordinator no Sudão do Sul

A Organização das Nações Unidas lançou job description para processo seletivo para o cargo de PoC Site Coordinator, da Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul (UNMISS).

unmiss

O cargo é nível P-4.

O Brasil, e demais estados-membros da ONU, recebeu solicitação para indicar policiais candidatos para o cargo em regime de secondment contracted e em breve as corporações PM deverão ser notificadas.

Considerando entendimento do Exército nos últimos anos, o cargo deverá ser preenchido por Tenente-Coronel, com deadline para indicação junto a ONU até o dia 24 de julho de 2015.

Trata-se de um processo seletivo, onde os indicados concorrerão com policiais de vários países.

marco-unmiss

Foto: O Major Marco Antonio, da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, em Entebbe/Uganda, durante Induction Training, antes do deployment em sua Missão no Sudão do Sul.

PS: Nota já postada sobre as campanhas para cargos de secondment e importância dos cargos – vide post link 

Published in: on junho 6, 2015 at 6:19 am  Deixe um comentário  

Missões de Paz onde o Brasil comanda componentes

Atualmente (junho de 2015), o Brasil está a frente dos componentes militares em 03 Operações de Paz: dois oficiais-generais do Exército Brasileiro nos cargos de Force Commander (Comandante da Força) no Haiti (MINUSTAH) e no Congo (MONUSCO) (1).

Temos ainda um Oficial-General (Almirante) da Marinha, como comandante da “Força Naval” do “Componente Militar” da Missão no Líbano (UNIFIL).

Não há nenhum brasileiro no cargo de comandante (Police Commissioner) do componente policial (United Nations Police – UNPOL) em qualquer Missão de Paz. O último brasileiro a ser comandante de um componente policial foi o Coronel PMDF Nelson W. Garcia, na Guiné-Bissau (UNIOGBIS), entre os anos de 2010 e 2011, no cargo de Senior Police Adviser (2).

(1) É o segundo cargo de Force Commander exercido pelo General Santos Cruz, que também foi o comandante da Força no Haiti (MINUSTAH), quando tomou posse em 2008.

(2) Em missões multidisciplinares, via de regra, existem 3 componentes: a) o civil (composto por profissionais do quadro de pessoal da ONU e que chefiam e ocupam os principais cargos das missões, como o de Representante Especial do Secretário Geral da ONU); b) o policial (composto por policiais em missões individuais – staff e tropas de controle de distúrbios/Companhias de Policiamento de Choque – as Formed Police Unit/FPU dos estados-membros, sendo comandada pelo Comissário da Polícia, Police Commissioner, – policial de carreira indicado por um estado-membro da ONU em cargo de secondment contracted, normalmente nível D/2); e, c) o militar (composto por militares em missões individuais – staff e tropas militares dos estados-membros comandada por militar de carreira indicado por um estado-membro da ONU em cargo de secondment contracted, normalmente nível D/2 – Force Commander).

Nota:

a) Importante destacar que os componentes militares e policiais estão subordinados administrativamente às autoridades civis Special Representative of the Secretary-General (SRSG – chefe da missão) e os Deputies, mas tem autonomia para a gestão administrativa e operacional de seus componentes, não trabalham em parcerias e não subordinação.

b) Para cada componente existe um Stardard Operating Procedure (SOP) específico.

c) Pode ainda haver um precedência funcional de cargos, para fins de cerimonial e na ausência de autoridades civis da área de missão. Ainda podem existir missões de natureza “tradicional”, como as primeiras, onde o Comandante da Força era também o SRSG, mas são exceções a regra.

d) Cada missão possui estruturas e organogramas e cargos distintos, mas seguem essa lógica. Não necessariamente o componente policial (UNPOL) terá tropas de choque (FPU) e em muitas missões os militares destacam Observadores Militares para o terreno, não sendo o caso de desdobramento de tropa.

Published in: on junho 6, 2015 at 5:32 am  Deixe um comentário  

Oficial da PMAL é indicado para cargo de Gênero e Pessoas Vulneráveis na Missão de Paz da ONU em Guiné-Bissau

No dia 02 de junho de 2015, o Ministério da Defesa (MD) indicou ao Ministério das Relações Exteriores (MRE), o Major PMAL Rhonady Severino Oliveira para concorrer à vaga de Police Officer – Gender & Vulnerable People, nível profissional staff P-3, secondment contracted, para cargo no Escritório Integrado das Nações Unidas para Consolidação da Paz em Guiné-Bissau (UNIOGBIS).

Parabéns ao veterano oficial pela indicação e a PMAL.

Published in: on junho 4, 2015 at 7:23 pm  Deixe um comentário  

ONU solicita ao Brasil indicação de policiais para o cargo de Police Commissioner no Sudão do Sul

(Editado 06 de junho de 2015 – ERRATA)

A Organização das Nações Unidas lançou job description para processo seletivo para o cargo de Police Commissioner (Comissário da Polícia, comandante do componente policial) da Missão de Paz da ONU no Sudão do Sul.

O cargo é nível D-2, um dos mais altos e importantes do sistema das Nações Unidas.

O Brasil, assim como os demais estados-membros da ONU, recebeu solicitação para indicar candidatos para o cargo de “Secondment Contracted” e em breve as corporações policiais militares deverão receber solicitação de indicados.

Geralmente, para este cargo, o posto é de Coronel PM e os candidatos deverão estar habilitados por processo realizado pelo Exército.

Ressalta-se que uma campanha para o cargo de secondment contracted dura em média 2 anos (indicação, análise de CV – P11 e attachments, análise de exames médicos, entrevistas, short list e decisão), salvo casos emergenciais, motivo pelo qual é altamente recomendável que as instituições indiquem representantes para ocupar o cargo máximo policial na Missão de Paz no Sudão do Sul, motivo de orgulho para a instituição e os governos locais e federal, ao representar o Brasil como chefe de um componente de uma Operação de Paz, tal como temos hoje, dois generais do Exército Brasileiro como comandante dos componentes militares, no Haiti e Congo, e um Oficial-General (Almirante) da Marinha, como comandante da “Força Naval” do “Componente Militar” da Missão no Líbano (UNIFIL), sendo sempre destaque e prestígio para as instituições e para o país.

Um fator diferencial e facilitador, sem dúvida (especulação), é o fato da exigência apenas da proficiência do inglês (possivelmente tendo os idiomas francês e/ou árabe, como desejáveis), e experiência prévia em missões.

Felizmente, na atualidade, o Brasil possui fortes candidatos que preenchem os requisitos.

Essa é uma boa oportunidade para que a já mencionada cooperação e compreensão da importância da participação policial brasileira seja colocada em prática por meio de uma “sensibilização” quanto ao tema entre os órgãos envolvidos.

O prazo do Brasil para indicação dos candidatos para o cargo junto a ONU tem como deadline o dia 24 de julho de 2015.

NOTA:

As indicações são apenas para concorrer ao cargo e em nada se confunde com seconded to the UN Police (UNPOL – Non contracted), onde ao indicar, a vaga estaria teoricamente certa.

Published in: on junho 3, 2015 at 2:45 am  Comments (1)  

Dia do Peacekeeper: momento de reflexão

O Ministério da Defesa realizou na data de ontem, 29 de maio de 2015, uma solenidade alusiva ao Dia Internacional dos Peacekeepers, os mantenedores da paz (os boinas azuis). O evento ficou a cargo do Exército brasileiro e foi realizado no Comando Militar do Planalto/Setor Militar Urbano, em Brasília-DF.

Como tradicionalmente ocorre, policiais militares do Distrito Federal são convidados a participarem do evento, recebendo convite individual, do próprio Ministro da Defesa, o que é sempre um motivo de prestígio e, de certa forma, a PMDF acaba por representar os policiais militares dos demais estados do país.

azuis

Foto 1: Policiais militares do Distrito Federal, veteranos de missões de paz da ONU, que participaram do evento.

O evento contou com autoridades das Forças Armadas que se posicionaram em local de destaque, mas não contou com a figura de uma autoridade policial que representasse as Corporações Policiais Militares que contribuem com efetivos (não sei se por não ter sido convidado ou não ter podido comparecer devido a agenda – lembro que o Comandante-Geral da PMDF é veterano de 2 missões de paz da ONU). Ademais, não havia qualquer foto, imagens ou informações sobre a participação policial militar brasileira em qualquer das 11 missões de paz onde se fizeram presentes desde o ano de 1991.

peacekeepers 2015 - autoridades

Foto 1: Autoridades de cada Força Armada, Ministro da Defesa e Ministro do GSI.

Na Ordem do Dia de 2015, em seu pronunciamento, o Ministro Jacques Wagner menciona, ao fim do texto, agradecimento aos policiais brasileiros:

“Neste 29 de maio, presto homenagem aos capacetes azuis brasileiros – militares, policiais e civis que, comprometidos com a construção da paz , elevam o nome da nação brasileira no cenário internacional.” 

Em 2014, nenhuma citação aos policiais militares foi feita na Ordem do Dia do Ministro Celso Amorim, se restringindo a participação brasileira em missões de paz exclusivamente aos militares das Forças Armadas.

No ano de 2013, segundo o site do Forte, faz-se uma menção aos policiais militares em missões:

“Esse quantitativo, composto de militares das três Forças Armadas, além de policiais e bombeiros, contribui para estabelecer a presença e estreitar o apoio do Brasil a nove nações: Chipre, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Haiti, Líbano, Libéria, Saara Ocidental, Sudão e Sudão do Sul.” (Ministro Celso Amorim).

Em 2012, o Ministro da Defesa Celso Amorim fez a seguinte menção aos policiais militares:

“O Brasil enaltece também os militares e policiais militares que integram missões na áfrica , no oriente médio e na Ásia.”

Em 2011, também não houve qualquer menção aos policiais militares, conforme publicação no blog do Planalto (Presidência da República), mas apenas aos militares das FFAA (Ministro da Defesa Nelson Jobim).

Nota-se, ao se realizar uma breve análise dos últimos anos, que embora convidados a participarem do evento (convite individual), carece o Estado brasileiro (União) reconhecer e valorizar a participação de policiais militares brasileiros em missões de paz. São em pequenas ações como essas, que o reconhecimento do país (BRASIL) é desejado e esperado. Parece algo pequeno, mas é simbólico e significativo.

Uma missão de paz (multidisciplinar) é geralmente composta por 3 componentes: um civil (que chefia a missão), um militar e um policial. Felizmente, o Brasil tem se destacado por sua contribuição nos componentes militares em Operações de Paz, desde Angola, Timor Leste, até o Haiti, quer com tropas (companhias e batalhões – até Brigada na MINUSTAH) ou em missões individuais, com os Observadores Militares. Entretanto, o componente policial ainda não é enxergado pelas autoridades com a relevância que merece e é dado pelos demais países, mesmo considerando cargos importantíssimos já ocupados por policiais militares brasileiros e de ser o foco de grande parte das missões (principalmente, após período pós-conflito e estabilização), inclusive com missões plenamente policiais, com o foco no rule of law e Security Sector Reform – SSR.

Faz-se ímpar também citar a falta de envolvimento da maioria das Corporações Policiais Militares (políticas institucionais e ações individuais) que ainda não amadureceram e não enxergam os “porquês” de autorizar a liberação de efetivos para integrar missões de paz. Mais importantemente, os míopes e limitados intelectuais de plantão, devido a mediocridade de suas personalidades, não apenas são contra mas denigrem e maculam aqueles que buscam servir por uma causa nobre e de reconhecimento profissional e pessoal. Limitar-se a prejudicar quem estuda, passa em concurso nível nacional (caso dos policiais militares) devido a incapacidade, ignorância, limitações e falta de coragem de servir em área de conflito e a ficar longe de casa (zona de conforto) ainda existe, inclusive em gerações mais novas, o que é apenas digno de pena. Não concordar é algo pessoal, mas existem valores muito mais importantes por trás de uma participação em experiência dessa natureza. Não concordar com algo não pode significar lutar contra, levantar uma bandeira de combate àqueles que perdem horas de estudo e aperfeiçoamento intelectual e técnico, de provas de tiro, direção defensiva, idiomas, entrevistas,  além de não estar respondendo judicialmente ou ter ficha disciplinar digna e ter seu currículo avaliado e analisado se é adequado para as funções e cargos nas missões.

Se, assim como nas Forças Armadas, fosse motivo de orgulho institucional nas PMs, esse quadro seria muito diferente. Na Polícia Militar do Paraná (PMPR), o policial militar ao retornar de missão é condecorado (com pontuação para fins de promoção por merecimento – a mais alta) e tem seu tempo considerado como de campanha. Referência e padrão internacional.

O atual momento é de reflexão para mudanças substanciais, concretas e objetivas. Os órgãos federais devem promover medidas de cooperação e comprometimento entre as UF’s e União, provocar medidas diversas, como mudança de legislação, padronização, atualização de treinamentos e preparação focados no componente policial (UNPOL) que funcionem e não figurem apenas no papel.

O MRE, MD e EB deveriam buscar “alianças”, unir esforços e compromissos/comprometimento entre os órgãos e governos, pois enquanto governadores e ministros de estados talvez nem tenham conhecimento sobre o que faz um policial numa missão de paz (ou mesmo que eles participam), politicamente será inviável ao país qualificar da forma apropriada (seleção e treinamento), manter e aumentar o número de missões policiais individuais e fazer o acompanhamento adequado dos que estão a serviço do Brasil e promovendo direitos humanos, paz e segurança.

Se “A união faz a força” e “unidos somos mais fortes”, eis que chegou a hora de deixar a vaidade e o ego de lado (pessoais e institucionais) e pensar no tema “cooperação policial para missões de paz” como parte da agenda da política externa do país.

As dificuldades existem. Mas quando se tem vontade, tem solução. Inúmeras são as possibilidades factíveis para mudanças concretas.

O que falta, então?

Particularmente, torço para que os sábios prevaleçam ante os medíocres e ignorantes.

Boa sorte as novas gerações!

A palavra-chave é “cooperação”.

S.

Ref.:

Ordem do dia de 2015 – Link do Ordem do Dia Peacekeepers – 2015 (arquivo)

Ordem do dia de 2014 – Link do Site do MD e Ordem do Dia Peacekeepers – 2014 (arquivo).

Published in: on maio 30, 2015 at 9:12 pm  Comments (2)  

Boinas Azuis – Dia Internacional dos Peacekeepers

Criado em 29-05-15 21:53. Última atualização em 29-05-15 21:53. Escrito por Gilmar Santo.

O dia 29 de maio foi instituído como o Dia Internacional dos Peacekeepers, através da Resolução da ONU nº 57/129 de Fev/2003, como homenagem àqueles que serviram e continuam servindo em Operações de Paz da ONU, em todo o mundo.

azuis

Em comemoração a esse dia, foi realizada uma cerimônia no Comando Militar do Planalto (CMP), no Setor Militar Urbano (SMU), em Brasília/DF. O evento contou com a presença do Ministro da Defesa e com a participação de militares das forças armadas e auxiliares que participaram das diversas missões em que o Brasil participou. A PMDF se fez presente com veteranos de diversas missões.

Fonte: Site PMDF

Published in: on maio 30, 2015 at 7:21 pm  Deixe um comentário  

PMDF OCUPA LUGAR DE DESTAQUE EM MISSÕES DE PAZ

Criado em 26-05-15 19:14. Última atualização em 28-05-15 11:21. Escrito por Fabio Evangelista

No dia 29 de maio é comemorado o dia mundial do peacekeeper, o soldado da paz, e a PMDF é, entre as policias militares de todo o Brasil, a maior contribuidora de material humano para as missões de paz em todo o mundo.

Desde a primeira missão de paz da ONU, em 1948, o Brasil participou de todas elas. Até 2007, mais de 18.000 militares e civis representaram o Brasil nas missões da ONU.

A Polícia Militar do Distrito Federal também participou de todas essas missões envolvendo polícias militares. Em 1991, o capitão Antônio Ribeiro da Cunha liderava o primeiro grupo de policiais brasileiros a integrar uma missão de paz da ONU, em Angola, na África.

Em todos esses anos PMDF enviou mais de 100 policiais em missões da ONU. Além de Angola, a PMDF também atuou na Guatemala, El Salvador, Moçambique, Kosovo, Guiné-Bissau, Sudão, Sudão do Sul, Haiti e Timor Leste.

26-05-2015 Missoes de Paz

Na foto, o major da PMDF Rodrigo Campos, em missão de paz da ONU, saudando um veterano da revolução armada que depôs suas armas para exercer seu direito ao voto, nas regiões montanhosas do Timor Leste.

Veteranos das forças armadas e das policias militares que participaram de missões de paz serão homenageados no Comando Militar do Planalto, no Setor Militar Urbano, às 09h do dia 29/05.

Fonte: Site PMDF (matéria corrigida)

NOTA:

Das 11 missões policiais que o Brasil participou, a PMDF se fez presente em todas, inclusive na Ex-Iugoslávia.

Published in: on maio 28, 2015 at 3:39 pm  Deixe um comentário  

Lançamento do livro “ONU – Operações de Paz”

No Dia Internacional dos Peacekeepers, 29 de maio, às 17:00, no 3o Regimento de Polícia Montada-Brigada Militar em Passo Fundo-RS, ocorrerá o lançamento do livro “ONU – Operações de Paz: a evolução histórica da ONU, da Polícia das Nações Unidas (UNPOL) e a participação da Brigada Militar”, de autoria do ilustre Major QOEM Marco Antonio dos Santos Morais, do Rio Grande do Sul. Veterano de 2 Missões de Paz (Haiti e Sudão do Sul), o atual Comandante do Colégio Militar de Passo Fundo, receberá os convidados e a sociedade em evento de relevância não apenas para ele, mas para a história de nosso país.

Parabéns ao Major Marco pela excelente iniciativa, a qual será objeto de leitura por muitas gerações.

Sucesso!

marco-livro1

COMO COMPRAR: Como autor independente, ele mesmo irá comercializar o livro, ao preço de R$40,00 (quarenta reais) + 4,20 (carta simples) ou 7,20 (carta registrada). Os interessados podem entrar em contato comigo inbox aqui no face ou, também, através do e-mail cap_marco@hotamil.com.

Síntese realizada pelo autor:

As Operações de Paz da ONU evoluíram desde a metade do século passado de Operações com estrutura e funções essencialmente militares para as Operações Multidimensionais, nas quais os segmentos civil, militar e policial se tornaram os três pilares básicos de uma Operação de Paz. Nesse contexto a participação policial nessas Operações ganhou destaque e importância dentro dos objetivos globais das missões a partir da década de 1990. Essa mudança de patamar da atividade policial é apresentada através do estudo do histórico da ONU e de seus órgãos internos, como o Conselho de Segurança e o Departamento de Operações de Paz (DPKO), dando ênfase à importância da United Nations Police (UNPOL) através da análise de suas funções específicas em uma Operação de Paz multidimensional, com destaque especial aos diferentes mandatos policiais estabelecidos pelo Conselho de Segurança para cada Operação. Através de relatos e fotografias, o livro faz um resgate histórico da experiência vivenciada por vinte e um Oficiais da Brigada Militar durante suas participações individuais em sete Operações de Paz ONU desde 1993, com um texto repleto de informações gerais e específicas a respeito das atividades diárias e funções desempenhadas por esses valorosos Oficiais nas Operações de Paz da ONU em El Salvador (UNOSAL), na Guatemala (MINUGUA), em Kosovo (UNMIK), no Haiti (MINUSTAH), na Guiné Bissau (UNIOGBIS), no Timor Leste (UNMIT) e recentemente no Sudão do Sul (UNMISS). O número expressivo de sete Operações de Paz proporciona ao leitor uma visão global do trabalho da UNPOL e da evolução das missões policiais, visto que a apresentação de cada operação parte da análise do histórico do conflito, do Mandato atribuído à UNPOL e das peculiaridades do cenário encontrado por esses Oficiais em diferentes países da América Central, Europa, Caribe, Ásia e África.

Published in: on maio 24, 2015 at 6:24 am  Deixe um comentário  

Capitão PMDF Ribeiro – primeiro policial militar brasileiro a chefiar um componente policial da ONU

Em 1991, o Capitão Antônio Ribeiro da Cunha, da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), liderava o primeiro grupo de policiais militares brasileiros a integrar uma Missão de Paz da ONU, partindo com um grupo de praças do DF para a UNAVEM II, em Angola, no continente africano.

Além de ser o primeiro oficial PM a participar de uma Missão de Paz e ser Comandante do Contingente Policial brasileiro, foi também o primeiro brasileiro (dos únicos 3 até a presente data) a ser nomeado pela ONU como o chefe do componente policial das Nações Unidas em uma Operação de Paz.

Cap Ribeiro - Angola - Gabinete

Foto 1: Capitão PMDF Ribeiro, Police General Inspector da UNAVEM II, em seu Gabinete. Luanda, Angola. 1992.

Longe das facilidades da tecnologia que se dispõe na atualidade, coube ao então Capitão Ribeiro o desafio de comandar e liderar grupo de policiais de vários países em uma área ainda conturbada. O futuro Comandante-Geral da PMDF, com muita sabedoria, conseguiu conduzir, apesar de todas as dificuldades, com excelência o seu cargo e muito bem representou o Brasil e a PMDF, enaltecendo o nome do nosso país e Corporação.

21

Foto 2: Capitão PMDF Ribeiro e policiais de outras nacionalidades.

Foi e continua sendo um incentivador e motivador para que policiais militares continuem a cada dia mais ocupar o espaço que existe no âmbito da paz internacional, o que, segundo o ilustre veterano, “é uma experiência única e enriquecedora na vida de um policial militar”.

Parabéns ao Coronel RR Ribeiro e aos primeiros desbravadores PMs que contribuíram com a paz e segurança nos países onde serviram. As novas gerações agradecem aos veteranos!

Published in: on maio 24, 2015 at 1:03 am  Comments (2)  

Sudan police host INTERPOL National Environment Security Seminar

KHARTOUM, Sudan – Law enforcement agencies in Sudan have gathered to demonstrate their commitment to combating environmental crime by holding an INTERPOL National Environment Security Seminar (NESS) in Khartoum.

The NESS, hosted by Sudan’s police authorities, was attended by seven Sudanese government and law enforcement agencies as well as officials from INTERPOL’s Regional Bureau in Nairobi and its General Secretariat headquarters in Lyon, France.

Sudanese government representatives highlighted the need to reduce demand for illicit products by addressing the root causes of environmental crime including through awareness campaigns aimed at consumers as well as rural populations living close to protected areas.

Underlining the commitment of Sudanese police to environmental issues, Lt. Major General Awad Alneil Dahia commended INTERPOL’s role in fighting crime worldwide, and welcomed its decision to hold the environmental security in Sudan for the first time. He said he looked forward to the formation of a National Environmental Security Taskforce with INTERPOL’s support.

Sudanese police Col. Adooma Hazim, from INTERPOL’s Regional Bureau in Nairobi, said the workshop represented one of INTERPOL’s efforts to help member countries combat and reduce environmental crime through enhanced implementation of related laws and treaties.

Critical issues such as transnational organized crime, ivory and wildlife trafficking, illegal fishing, water pollution and illegal logging were discussed during the event. Topics also included the economic, ecological and security impacts of environmental crime.

Representatives from INTERPOL’s Environmental Security unit at the seminar highlighted its continued assistance to Sudanese law enforcement authorities through analytical and investigative support against transnational ivory trafficking.

Source: Site da INTERPOL

Published in: on maio 21, 2015 at 6:03 pm  Deixe um comentário  

Con niveles históricos de violencia, El Salvador suspende segregación de pandillas en prisiones

De la portada del informe sobre prisiones salvadoreñas

De la portada del informe sobre prisiones salvadoreñas

El Salvador ha revocado su polémica política de segregación en las prisiones con base en la filiación de los presos a las pandillas, pero un reciente informe, que señala que los factores sociales son los que promueven la actividad criminal, indica que es poco probable que esta medida mejorará significativamente la creciente crisis de seguridad del país.

El 21 de abril, bajo fuertes medidas de seguridad, y después de cerrar las calles vecinas, las autoridades salvadoreñas trasladaron a 650 miembros de la pandilla MS13 a una prisión en la ciudad occidental de Izalco, que hasta entonces sólo había recibido miembros de sus archirrivales de Barrio 18, informó La Prensa Gráfica.

Las autoridades también trasladaron a 1.177 reclusos de Barrio 18 de Izalco a una prisión donde anteriormente sólo había miembros de MS13, en la ciudad nororiental de San Francisco Gotera, según El Salvador.com.

Las autoridades señalaron que la ubicación de los reclusos se basará a partir de ahora en su nivel de riesgo para la sociedad, en vez de su filiación a las pandillas, informó The Associated Press. Las directivas de las cárceles de El Salvador le dijeron a AP que a partir del 21 de abril un total de 2.427 internos habían sido trasladados a tres cárceles en diferentes partes del país.

Estos traslados marcan la revocación de una política que definió la demografía de las cárceles de El Salvador durante la década pasada. En 2004, el gobierno salvadoreñocomenzó oficialmente a dividir algunas de las cárceles del país entre las pandillas MS13y Barrio 18, una medida polémica que no se ha repetido en ninguna otra parte de la región.

El presidente Salvador Sánchez Cerén dijo que se tomó la decisión de eliminar la segregación en las prisiones para mezclar a los pandilleros y evitar “las ejecución de operaciones criminales” desde las cárceles.


Estos cambios en la política penitenciaria no abordan los problemas sociales que se encuentran en el centro de la crisis de seguridad de El Salvador.


Ya en julio de 2014 había señales de que El Salvador detendría la segregación en las prisiones. Ese mismo mes, el ministro de Justicia y Seguridad de El Salvador, Benito Lara, dijo que dicha medida había sido un error y que se acabaría en “un futuro no muy lejano”.

El Salvador también ha enviado recientemente a varios líderes de MS13 y Barrio 18 a la prisión de máxima seguridad de Zacatecoluca. Esta medida revirtió la política de la administración anterior, que había acordado trasladar al menos 30 líderes pandilleros de Zacatecoluca a prisiones de menor seguridad, como parte de la tregua de las pandillas del país en 2012.

Análisis de InSight Crime

La deteriorada situación de seguridad de El Salvador probablemente influyó para que el gobierno tomara la decisión de eliminar la segregación en las prisiones en este momento. Las tasas de homicidios en El Salvadorhan estado subiendo desde la ruptura de la tregua de pandillas a principios de 2014, y marzo de 2015 fue el mes más violento del país en los últimos diez años. Sánchez Cerén parece estar buscando maneras con las que el gobierno pueda responder a esta oleada de violencia sin volver a la mesa de negociaciones, una posibilidad que su administración ha rechazado varias veces.

La decisión del gobierno de detener la segregación en las prisiones y devolver los líderes de pandillas a Zacatecoluca podría ayudar a disminuir la violencia, pero quizá sólo hasta cierto grado. Se cree que la segregación en las prisiones ha fortalecido a ambas pandillas, pues ha permitido una mejor coordinación entre los líderes encarcelados, quienes les ordenan a los pandilleros libres llevar a cabo asesinatos, desapariciones y otras actividades criminales. Bloquear esta cadena de mando podría debilitar la capacidad de Barrio 18 y MS13 para coordinar los ataques contra la policía y las pandillas rivales.

VEA TAMBIÉN: Noticias y perfiles de El Salvador

Sin embargo, estos cambios en la política penitenciaria no abordan los problemas sociales que se encuentran en el centro de la crisis de seguridad de El Salvador. Muchos de los internos que ocupan los sistemas penitenciarios más superpoblados de Latinoamérica (pdf) nunca tuvieron la oportunidad de ganarse una vida digna en el sector formal.

Según un reciente informe de la Universidad Francisco Gavidia sobre la demografía en las cárceles de El Salvador (pdf), más del 38 por ciento de los presos nunca había asistido a la escuela o no había terminado la escuela primaria al momento de su primer arresto. Sólo una pequeña parte de la población reclusa de El Salvador (1,2 por ciento) tenía un título universitario cuando fue encarcelada.

Pero la falta de educación va más allá de la formación en las aulas: un sorprendente 68,2 por ciento de los presos tenían poco o ningún conocimiento de lo que sucedía durante sus procesos judiciales. Esto podría explicar en parte el hecho de que más de un cuarto de todos los internos (26,7 por ciento) dijeron que alguien los había obligado a cambiar su declaración o a declararse culpables.
Sin embargo, uno de los autores del estudio, Carlos Vilalta, le dijo a InSight Crime que la composición del núcleo familiar de los prisioneros es el predictor más claro de la actividad criminal en El Salvador. “La composición de la familia de los presos […] conduce a violencia y criminalidad”, dijo Vilalta.

VEA TAMBIÉN: Cobertura sobre prisiones

Vilalta señala, por ejemplo, que el porcentaje de reclusos que crecieron en hogares en los que alguno de los miembros de la familia había pasado tiempo en prisión (26,8 por ciento) era “mucho mayor” que en otras partes de Latinoamérica. El estudio también descubrió que el 37,7 por ciento de los reclusos salvadoreños abandonaron su hogar al menos una vez antes de los 15 años. La razón más común para irse fue la violencia intrafamiliar (31,9 por ciento), seguida por la búsqueda de oportunidades de empleo (21,6 por ciento). Casi el 10 por ciento de los presos informaron que habían comenzado a trabajar antes de los 9 años de edad.
Los resultados de este estudio sustentan las declaraciones de los líderes de las pandillas, quienes afirman que los altos niveles de crimen y violencia en El Salvadorson producto de la desigualdad social.

“Somos un grupo social. Nos vemos como una gran parte de la sociedad. Creemos que el problema aquí es la exclusión social, la discriminación, la falta de educación, la falta de empleo y la desigualdad de trato por la ley”, le dijo a InSight Crime el líder de Barrio 18 Carlos Lechuga Mojica, alias “El Viejo Lin”, durante una entrevista en 2012. “Creemos que si se resuelven estos problemas, la violencia entre pandillas terminará”.

De hecho, la violencia y la delincuencia son problemas profundamente arraigados en El Salvador que no pueden ser erradicados por simplemente encarcelar más pandilleros o trasladar de una prisión a otra a los que ya están tras las rejas.

Source: Insightcrime

Published in: on maio 17, 2015 at 9:06 pm  Deixe um comentário  

Haiti – Security : The reduction of the budget of the Minustah raises concerns

Haiti - Security : The reduction of the budget of the Minustah raises concerns

Thursday morning, the Fifth United Nations Commission responsible for Administrative and Budgetary Questions has considered, the budget proposals of 13 Peace-keeping operations for the period from 1 July 2015 to 30 June 2016, particularly the reduction of budget of the Minustah in Haiti, which has raised concerns in several member countries.

This was expressed delegations about the UN mission in Haiti for which the Secretary-General proposes a budget of $ 386 million, a decrease of 22% compared to the 2014/2015 financial year. The Haitian representative reiterated the request of its President, to maintain the substantial assistance of the United Nations to consolidate the climate of security during the whole electoral cycle expected this year “by a visible and robust presence of military and police components of the Mission.”

Xavier Lasso Mendoza (Ecuador), speaking on behalf of the Community of Latin American and Caribbean States (CELAC), reaffirmed its solidarity with the people and Government of Haiti and said that CELAC is opposed to any arbitrary reduction of the budget of the Minustah that is not technically justified. He recalled that the budgets of the Peace-keeping operations must be based on technical criteria, taking into account the situation on the ground and the terms of reference as approved by the Security Council. “We reiterate the need to provide resources to the Minustah […] in particular in order to provide technical, logistical and security during the electoral process” He expressed concern that the draft budget proposes to limit military personnel to 2,370, against 13,000 at its highest level and police force to 2,600. “Our delegations remain convinced that, to gradually reduce UN staff in Haiti, we must continue to consider the situation on the ground and the capacity of the Haitian state to ensure the security of its people.”

Denis Régis (Haiti) recalled that his country had reached a turning point in the democratic consolidation process and the rule of law, being on the eve of general elections “long overdue”. He assured that the Haitian Government had taken all necessary measures to ensure the holding of free, credible, transparent and inclusive elections, the election timetable has been set for August and October 2015. The climate of confidence restored allows us to predict the success of the electoral process which will culminate with the inauguration of a new president in 2016. The representative stressed the essential role of the Minustah to support the Haitian authorities to establish a safe environment and stable, by supporting institutions guaranteeing the rule of law and those responsible for enforcing the law.

Noting that the Minustah must continue to reconfigure its size and composition to become a smaller, more targeted assistance mission, he said, hoped that the mission could focus on supporting the National Police of Haiti (PNH ) to allow the State to achieve the goal of 15,000 police officers in December 2016 and to ensure their geographic deployment throughout the country. He reiterated the position of his government on the reconfiguration of the Mission, which should reflect “the situation on the ground”, which joined the proposal of the Secretary-General expressed in his report to the Security Council in August 2014. This is why he considered that the strength of the Mission, both military and civilian, must be maintained at levels sufficient to avoid any security vacuum that would result from a premature withdrawal.

Omar Castañeda Solares (Guatemala) has called for caution, arguing that it was necessary to take account of changes in the security environment in recent months which have also resulted in the death of a Chilean peacekeeper. He also mentioned the increase in urban violence. The Representative also recalled that three elections were scheduled during the year 2015, to be held over a period of six months. Despite the progress made by the Haitian National Police, he said that it had not yet sufficient resources to support the security completely, especially during elections.

He also expressed concern at the planned reduction of military contingents, explaining that the latter would not be able provide the necessary support in terms of logistics and security. At the same time, he stressed that the security requirements have improved enough to consider a further reduction of the Mission’s contingents, what will be discussed in October 2015. He asked to consider the requests of the President of Haiti in this regard.

Sérgio Rodrigues Dos Santos (Brazil) said that a viable withdrawal of the UN in Haiti depends on a smooth transfer of responsibilities between United Nations peacekeeping staff and national authorities. Faced with the gradual withdrawal of the UN, the representative wanted to warn against the persistence of difficult problems that may negatively influence the security situation and threaten the gains made since 2010. The workforce reduction process must match realities, including the economic and social situation. The representative requested that the level of resources of the Minustah takes into account the need to support the upcoming elections, strengthening the police and the rule of law and improving the prison system.

He was particularly concerned about the expected 53% decrease in resources of the military component, considering it essential that the peacekeeping forces have the means to deal with any eventuality. After stressing the importance of programs of community violence reduction and quick-impact projects, the representative objected strongly to any financial adjustment based on arbitrary principles, including the alleged need to support other missions.

HL/ HaitiLibre

Source: http://www.haitilibre.com/en/news-13882-haiti-security-the-reduction-of-the-budget-of-the-minustah-raises-concerns.html

Published in: on maio 17, 2015 at 9:03 pm  Deixe um comentário  

PMAC segue tendência na padronização nacional de distintivos de Missões de Paz

Seguindo uma tendência de padronização dos distintivos de Missões de Paz das Corporações Policiais Militares brasileiras, a Polícia Militar do Acre (PMAC) adotou, como PMDF, PMERJ e PMCE o seu brevê.

Parabéns a PMAC!

Que as Corporações que não dispõem de distintivos possam aderir a ideia e unir forças nesse sentido.

Quem desejar, Portaria de referência poderá ser enviado in box.

PMAC - Distintivo Missão de Paz

Published in: on abril 28, 2015 at 2:12 am  Deixe um comentário  
Tags:

Oficial da PM do Acre é selecionado pela ONU para Missão de Paz no Sudão do Sul

A seleção do Tenente-Coronel PMAC Marcos da Silva Kinpara para a Missão das Nações Unidas no Sudão do Sul (UNMISS) foi confirmada pelo Secretariado das Nações Unidas.

tcpmac

Published in: on abril 27, 2015 at 6:50 pm  Comments (2)  
Tags: , ,

DPKO abre processo seletivo para Chefe do Estado-Maior da Polícia da ONU (UNPOL) na MINUSTAH

O DPKO solicitou a seus estados-membros, incluindo o Brasil, indicações de policiais militares para o cargo de Chefe do Estado-Maior do componente policial (UNPolice Chief of Staff), na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (MINUSTAH).

O regime é de secondment contacted (contratado), para período de trabalho inicial de um ano. A atual Chefe do EM UNPOL no Haiti teve contrato renovado e ficou por 3 anos.

Várias são as qualificações exigidas para o cargo, dentre as quais proficiência plena em inglês e francês, além de amplo conhecimento da missão e sistema ONU e UNPOL.

DPKO destaca que oficiais do sexo feminino terão precedência, no processo de seleção, nos casos de empate de qualificação com oficiais do sexo masculino. A Chefe do EM UNPOL nos últimos anos foi a oficial romena Iuliana Boanca. Seu contrato acaba no mês de maio 2015.

Job Description foi encaminhado a cada país.

Deadline: 25 de maio de 2015 (envio para DPKO).

Documentação exigida: EASP, formulários médicos (MS2) e cópia dos passaportes.

Published in: on abril 27, 2015 at 6:26 pm  Deixe um comentário  

CCOPAB prevê reconhecimento de cursos UNPOL por parte da ONU ainda em 2015

Uma informação muito interessante e importante foi recebida por este sítio, a de que o CCOPAB estará recebendo no 2º semestre um certificador do DPKO para o reconhecimento, pelo ITS/DPKO, do curso para UNPOLs promovido pelo Centro.

Segundo o Chefe da Célula Policial do CCOPAB, o Capitão Valdetaro, do Exército Brasileiro, esses trâmites vem sendo realizado desde 2014, mas no ano passado o DKPO não pôde enviar certificadores e observadores.

O atual Comandante do CCOPAB, Coronel EB Venturim, foi chefe do ITS/DPKO por alguns anos e é reconhecido por sua capacidade profissional e conhecimento na área de treinamentos.

Desejamos sucesso ao CCOPAB e que essa certificação da ONU de fato ocorra.

Parabéns pela iniciativa!

Convém, entretanto, destacar que a certificação que o CCOPAB busca, foi recebida pela PMDF durante a realização do então United Nations Police Officer Course (UNPOC), realizado no ano de 2011, na Academia da Polícia Militar de Brasília. Esse projeto foi realizado em parceria com a polícia sueca, norueguesa e contou com policiais de alguns países e estados brasileiros. Foi da mesma forma, realizado um curso Train of Trainers – ToT, onde credencia o policial a ser instrutor em cursos para UNPOL (hoje denominados de IPOC – International Police Officer Course). Talvez, um ToT, inclusive com os diversos veteranos UNPOLs brasileiros que possuem esse curso e, por consequência, conhecem a metodologia de ensino adotada por vários países com a chancela da ONU (ITS), fosse mais apropriado

Não obstante, não há que se confundir em cursos credenciados pela ONU e o SAAT, que é uma equipe da Police Division que aplica o processo de seleção de policiais nos Estados-membros da ONU.

Para integrar uma missão de paz, é recomendável que um policial receba treinamento (até porque durante os primeiros dias de missão, todos os policiais recebem treinamento específico da missão), mas é imperativo e obrigatório que ele seja habilitado. E essa habilitação somente ocorre por SAAT (no próprio país – antes do embarque, ou seja, só segue para missão quem já está “clear”) ou In-based mission AMS (testes eliminatórios realizados na área de missão, quando da chegada do policial)

Estamos evoluindo…

“Unidos somos mais fortes”

Published in: on abril 23, 2015 at 3:12 am  Deixe um comentário  

Governo chileno solicita e recebe equipe SAAT pelo segundo ano consecutivo

Normalmente, as equipes SAAT da Divisão de Polícia do DPKO/ONU realizam os processos seletivos para policiais integrarem operações de paz da ONU a cada 2 anos. Os nossos vizinhos sul-americanos que recebem a ONU para validação da seleção, Argentina (mais de 18 anos), Uruguay, Chile (única missão policial no Haiti) e Colômbia estão há anos avançados nesse sentido em relação ao Brasil, que até hoje nunca solicitou a ONU validação da seleção em território nacional, conforme recomendações da Organização, evitando, inclusive, repatriações (já ocorridas), uma vez que os policiais brasileiros devem realizar testes de caráter eliminatório quando chegam na área da missão, por não ter seu processo seletivo reconhecido pelas Nações Unidas.

O Chile não é nenhum exemplo no que se refere a preparação, treinamento e motivação de policiais para missões de paz da ONU, entretanto, chama atenção a vontade de ampliar e mudar esse cenário, visto ter seu governo envidado esforços no sentido de que fossem realizada a seleção em março de 2014 e agora na presente semana (abril 2015).

Os oficiais e suboficiais dos Carabineros de Chile e os oficiais da Policía de Investigaciones – PDI (instituição que somente tem “oficiais”) agradecem a oportunidade!

Parabéns ao governo chileno!

Comento:

Eventualmente, farei um post específico sobre minha experiência como team leader de equipes SAAT/Police Division/DPKO em alguns países, dentre eles o Chile.

Vale a reflexão!

Published in: on abril 23, 2015 at 2:13 am  Comments (1)  

Major PMPA Bassalo em operação no Haiti

O Major Fabrício Bassalo, veterano boina azul da MINUSTAH (Haiti), completa hoje 4 décadas de vida, sendo 20 anos dedicados a Polícia Militar do Pará (PMPA) e a sociedade.

A foto abaixo mostra a atuação do então Capitão Bassalo durante as manifestações estudantis de junho de 2009, em Porto Príncipe (PaP), capital do Haiti, devido ao anúncio do governo haitiano de corte na verba da educação.

  bassalo-haiti

Foto: O então Capitão Bassalo e o Capitão SA’ED Al Maitah, Comandante da SWAT da Jordânia.

Segundo o peacekeeper, “Nesse dia especificamente, uma guarnição UNPOL[1] da Comissaria do centro de PaP estava em patrulha sem a presença da FPU[2], sendo cercada na área das universidades (por trás do Palácio Nacional).”

Na condição de Coordenador das Tropas de Choque da Polícia da ONU (UNPOL Crowd Control Coordinator) na MINUSTAH, o Capitão Bassalo seguiu liderando comboio de choque para resgatar os policiais internacionais cercados e ameaçados pelos manifestantes. Nessa operação, encontravam-se a seu comando: 1 Pelotão de Choque e 1 time tático (SWAT) da Polícia Real da Jordânia.

Atualmente, o Major Fabrício Silva Bassalo é o Diretor de Operações da Casa Militar do Estado do Pará.

Ao sempre atuante oficial, os votos de saúde e paz!

[1] UNPOL: United Nations Police. Componente policial de uma missão de paz ou nomenclatura usada também para os policiais internacionais que integram uma missão.

[2] FPU: Formed Police Unit (Unidade/Batalhão/Companhia de Polícia de Choque/CDC)

Published in: on abril 23, 2015 at 2:00 am  Deixe um comentário  

Diretor do Instituto Pandiá Calógeras (MD) toma posse como secretário-geral da Escola Sul-Americana de Defesa da Unasul – Ministério da Defesa

Brasília, 17/04/2014 – O professor de Relações Internacionais Antonio Jorge Ramalho da Rocha, assessor especial do ministro da Defesa, Jaques Wagner, tomou posse há pouco como primeiro secretário-geral da Escola Sul-Americana de Defesa (Esude) da União das Nações Sul-Americanas (Unasul). A Secretaria-Geral do órgão foi instalada na manhã desta sexta-feira (17) em cerimônia na sede da Unasul em Quito, capital do Equador.

ramalho_inter1

Professor Ramalho, secretário-geral da Esude/Unasul

Ramalho, que também é diretor do Instituto Pandiá Calógeras – braço acadêmico do Ministério da Defesa e professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), foi eleito para a Secretaria-Geral da Esude por consenso na noite de quinta-feira (16) pelos vice-ministros da Defesa dos 12 países que compõem a Unasul. O Brasil foi representado na eleição e na posse pelo chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general José Carlos De Nardi.

O ministro Jaques Wagner parabenizou Ramalho pela nomeação, destacando que sua indicação é uma grande honra para a Defesa nacional. “Todos conhecemos a competência acadêmica e o engajamento do professor Ramalho nos assuntos de defesa na América do Sul. Não tenho dúvidas de que se trata da pessoa mais qualificada para coordenar os trabalhos que resultarão num pensamento de defesa integrado em todo o continente. É uma alegria grande ter o diretor do Instituto Pandiá Calógeras da Defesa num cargo de tamanha relevância”, disse.

A instalação da Esude foi um dos atos principais de celebração do oitavo aniversário da criação da Unasul, órgão idealizado para promover a integração sul-americana em matéria política, social, econômica, ambiental e de infraestruturas.

ramalho_inter2

Articulação entre institutos

Professor de Relações Internacionais da UnB desde 1993, Ramalho terá como maior desafio de sua carreira acadêmica a articulação de uma rede de institutos nacionais de Defesa. “Vamos aproveitar as estruturas, os conteúdos e instrutores das instituições nacionais de formação, criando uma grande rede de coordenação que nos permita criar uma visão comum de Defesa em toda a América do Sul”, explicou em conversa com a Assessoria de Comunicação do Ministério da Defesa pouco antes da posse.

De acordo com o professor, a Esude terá sua Secretaria-Geral sediada em Quito, mas os cursos serão oferecidos por todo o continente. Brasil, Argentina e Peru já estão oferecendo qualificações nos moldes acadêmicos da Esude. “Nosso objetivo é fomentar a circulação de ideias e pesquisas, criando oportunidades tanto para oficiais militares como civis se qualificarem sobre o tema da defesa”, disse.

A representante do Brasil na rede de instituições vinculadas à Esude é a Escola Superior de Guerra (ESG), com seus campi em Brasília e no Rio de Janeiro. De acordo com o professor Ramalho, o Curso Avançado de Defesa Sul-Americano (CAD-Sul) oferecido pela ESG em 2014 funcionou como um projeto “piloto” do tipo de qualificação que se pretende empreender no âmbito da Esude.

O CAD-Sul foi desenvolvido ao longo de 10 semanas, com carga-horária total de 330 horas-aula. Os alunos vindos de toda a América do Sul estudaram disciplinas como a caracterização dos países da Unasul; organismos internacionais; e geopolítica e geoestratégia.

A formação continuada de especialistas civis e militares em defesa, por meio da oferta de cursos de extensão e especialização, é o foco principal da Esude neste primeiro momento, segundo o professor Ramalho. Entretanto, o organismo poderá ter uma vertente de fomento às pesquisas acadêmicas no futuro com a oferta de cursos em nível strictu-sensu.

Aos 48 anos, o acadêmico, natural de Brasília (DF), se mostra confiante para o desafio de dar efetividade à Esude. “É uma responsabilidade enorme colocar em marcha algo que se inicia. A escola surge coberta de muita expectativa e trabalharemos para que todos os objetivos sejam alcançados”, afirmou.

O professor Ramalho se graduou em Relações Internacionais pela UnB (1989) e tem mestrado em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) e em Relações Internacionais pela Maxwell School of Citinzenship and Public Affairs da Universidade de Syracuse (EUA). Também é doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Sua pesquisa e produção científica concentram-se nas áreas de Teoria das Relações Internacionais, Segurança Internacional, Defesa Nacional e Política Externa dos Estados Unidos.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Defesa
61 3312-4071

FONTE: Site MD

Published in: on abril 21, 2015 at 10:17 pm  Deixe um comentário  

GUATEMALA ES EL PAÍS CENTROAMERICANO QUE MÁS GASTA EN SEGURIDAD PRIVADA

Por: El Nuevo Diario y Revista Summa

Según cifras de la Federación Panamericana de Seguridad Privada, en la región se invierten más de US$1,.500 millones anuales para pagar la planilla de más de 200.000 guardas de seguridad privada. La mayoría de estos agentes de seguridad privada se concentran en los países del llamado triangulo del norte, considerados los más peligrosos de Centroamérica.

“Algunos países de la región centroamericana destacan por sus niveles de inseguridad y de violencia, sin embargo Nicaragua y Costa Rica todavía figuran como los más seguros”, destaca Álvaro Urtecho, experto en seguridad privada de El Salvador.

La afirmación de Urtecho coincide con los números. Guatemala, el país que más gasta en este rubro, invierte alrededor de US$460 millones y en la planilla de 312 empresas registradas oficialmente, se contabilizan alrededor de 100 mil guardas de seguridad.

El Salvador invierte más de US$300 millones anuales en el pago de más de 40.000  guardas de seguridad privada y Honduras, considerado el país más violento del mundo, invierte casi US$200 millones en la seguridad privada.

“El triángulo norte es una zona que tiene grandes problemas de seguridad y obviamente tiene el mayor número de agentes privados”, dijo Omar Garrido, representante para Centroamérica de Asis, una organización internacional dedicada a la seguridad de las empresas privadas.

En Nicaragua, según datos de la Asociación de Empresas de Seguridad Privada Nicaragua, Asegprin, existen 160 empresas registradas las cuales emplean a 16.000 guardas de seguridad con un gasto promedio anual de US$124 millones. Siendo el país que menos gasta en este rubro.

Fonte: Revista SUMMA

Published in: on abril 21, 2015 at 10:11 pm  Deixe um comentário  

PMDF É REFERÊNCIA PARA POLÍCIA CHILENA

Por Karina Linhares

A Polícia Militar do Distrito Federal recebeu, na tarde de ontem (7), a comitiva da Polícia Chilena, os chamados “carabineiros”. A visita contou com a presença do General Inspetor Eliecer Solar Rojas – Diretor Nacional de Ordem e Seguridade do Chile, cel. Jaime Montiel, cel. Roberto Saldivia, tc. Raul Carrasco e o tc. Alexis Quiroz. O intuito da visita é adquirir e aprimorar experiências em grandes eventos esportivos, uma vez que o Chile é sede da Copa América neste ano e Brasília foi uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.

Segundo o General do Chile, Eliecer, a ideia é “conversar de polícia pra polícia”. Ele fala sobre a experiência bem sucedida do Brasil na Copa de 2014 e pretende “interiorizar a experiência da Polícia Militar em relação ao que foi a Copa do Mundo no Brasil e aplicar na organização estratégica da Copa América, no Chile” e completa, “a visita fortalece a cooperação internacional para este desafio na área de segurança no evento”.

Segundo o coronel Lobo, o comando chileno ofereceu uma proposta para criação de uma oficina de cooperação internacional entre policiais. O comando geral da PMDF, analisará a questão para futura tramitação na formalização do acordo. O general chileno explica, “Por meio dessa oficina os países trocarão experiências para um determinando evento” e diz ainda, “uma organização tática, composta por informações de inteligência da qual resultará na rápida solução de problemas evitando progredir para algo maior”.

Após a palestra realizada no Comando-Geral, ministrada pelo major Luis Marcelo, com a presença dos coronéis, Florisvaldo Cesar (Comandante-Geral), Seabra (Subcomandante-Geral) e Lobo Rodrigues, os “carabineiros” seguiram para um sobrevoo de helicóptero no estádio Nacional de Brasília, Mané Garrincha, e algumas outras regiões do Distrito Federal. No dia 9, quinta-feira, ocorrerá uma palestra na Secretaria de Segurança Pública às 20h. Os policias chilenos permanecerão em Brasília até sábado, dia 11 de abril.

FONTE: Site PMDF.

Published in: on abril 12, 2015 at 8:22 pm  Deixe um comentário